11 de abr de 2016

O povo e a crise

Como a maioria da população interpreta as manifestações, as denúncias de corrupção e a tentativa de derrubar Dilma

Ao contrário do que pensa a casa-grande,
eles não precisam ser guiados
Em tempos confusos como os atuais, é sempre bom perguntar o que pensa o povo. Se quisermos mesmo viver em uma democracia, há coisa mais importante?

Nossa cultura política e trajetória histórica são, no entanto, tão profundamente autoritárias e antipopulares que essa regra não passa de rara exceção. Contam-se nos dedos os momentos nos quais o sistema político expressou os pontos de vista dos cidadãos comuns ou sequer se preocupou em identificá-los.

A República nasceu sob o signo do elitismo, um arranjo no qual o único papel do povo era o de espectador. Como registrou Aristides Lobo no mesmo dia de sua proclamação: “O povo assistiu àquilo bestializado, atônito, surpreso, sem conhecer o que significava”.

Andamos mais de 125 anos e estamos diante de uma situação semelhante. Os donos do poder movimentam-se para encontrar sua “solução boa” para os problemas do Brasil. Preocupam-se exclusivamente em formular aquela que mais satisfaz às suas exigências imediatas. Quanto ao povo, que fique quieto.
Não há traço mais nefasto na cultura brasileira do que o paternalismo das elites. Trata-se de uma deformidade ideológica cujas raízes estão na escravidão, mas tão forte hoje quanto nos tempos da casa-grande. Essa deformidade as leva a imaginar que têm o encargo de “orientar” o povo. Passamos por um sem-número de manifestações dessa odiosa fantasia de superioridade.

Existe a versão racista e discriminatória, de pura denúncia da incapacidade de um cidadão do povo saber o que lhe convém. Não são somente os brutamontes da direita a subscreverem-na. Quem não se lembra das “análises” do sociólogo Fernando Henrique Cardoso após a última eleição, com seu desprezo pelo voto dos pobres?

Há, porém, uma versão mais sutil: a tutela é “pedagógica” e cheia de “boas intenções”. O povo precisa ser guiado, pois não consegue perceber aquilo de que necessita e deve ser protegido das “más influências”. Para não ser enganado, tem de permanecer sempre sob a guarda de seus mentores. Como se de um lado estivessem adultos esclarecidos e do outro crianças imaturas.

São mitos construídos há tempos. Autoritários e liberais no Império e na República Velha compartilhavam a mesma crença na missão tutelar das elites e na impossibilidade de autogoverno pelo povo. Os generais de 1964 se achavam investidos da incumbência salvadora. Os magistrados e procuradores de agora são seus filhos diretos.

Na crise atual, a vasta maioria da população é simples espectadora, apesar do largo uso retórico que as oposições procuram fazer de seus sentimentos. Desde o ano passado, os partidos oposicionistas e a mídia falam a toda hora daquilo que chamam de “vontade nacional”, embora não passe, na maioria das vezes, de um desejo deles próprios.

Ao comparar pesquisas feitas nos últimos meses, é possível chegar mais perto do que pensa o povo a respeito da crise. São quatro os pontos principais:

O governo não agrada

É consenso a grande insatisfação com o governo Dilma Rousseff. A má avaliação subiu rapidamente no início de 2015 e permanece elevada desde então, ainda que apresente pequena recuperação nos últimos meses. Os motivos para desaprová-lo são, no entanto, diferentes, de acordo com as características dos entrevistados. Em pesquisa do Instituto Vox Populi de 2015, perguntou-se aos 68% que avaliavam negativamente o governo o motivo da reprovação. Entre as razões oferecidas, de longe a mais importante, com 36% das respostas, foi: “Dilma está perdida, não sabe o que quer e o governo está uma bagunça”.

Quando se olha como cada segmento socioeconômico se posicionou, percebe-se que são os mais pobres e os de menor escolaridade que mais tendem a concordar com a frase (índices em torno de 40%). Nas camadas de maior renda e educação, a proposição que provoca maior adesão é outra: “Dilma não tem autoridade e os políticos e partidos mandam cada vez mais nela”. Atinge 35% das respostas, enquanto aquela relativa à “bagunça” cai para 20%.

A principal fonte de insatisfação entre os mais pobres parece originar-se na insegurança e na sensação de desamparo causadas pelo comportamento errático do governo no começo do segundo mandato. Entre os ricos, o motivo é mais abstrato. Vale ressaltar que a pauta da mídia, de “erros na economia” e “corrupção”, insistentemente repetida para desgastar o governo, tem adesão mais baixa: tanto entre ricos quanto entre pobres mal chegam juntas a 30% das respostas.

A corrupção é um dos mais graves problemas do Brasil e não é responsabilidade de um só partido

A corrupção é considerada um gravíssimo problema desde ao menos o início dos anos 1990, e seu combate não é percebido pelo cidadão comum como maior no passado. Ao contrário. Quando se comparam os governos de Fernando Henrique Cardoso e Lula, 36% dizem que o petista “combateu mais” a corrupção, enquanto apenas 18% dizem ter sido o tucano. Ao pensar especificamente na Petrobras, apenas 7% dos entrevistados em 2015 responderam que “só o PT” estava envolvido nas irregularidades e 17% que “só o PT e os partidos da base aliada do governo”. A vastíssima maioria, de 70%, respondeu que “todos os partidos, incluindo PSDB, PSB e DEM”.

Quem protesta contra o governo?

Em pesquisas qualitativas feitas nos últimos meses, percebe-se que as manifestações contra o governo e o PT do ano passado em diante passaram a ter, aos olhos da maioria da sociedade, a imagem de movimentos de “objetivos estreitos”, que “não lutam por direitos e melhoras para todos”, o oposto dos eventos de 2013, vistos como genuinamente universais em seu recrutamento e finalidades. Para maioria da opinião pública, os protestos atuais seriam de uma “classe média contrária ao PT”, que quer “apenas defender seus próprios interesses”.

O impeachment de Dilma não é a solução

Em dezembro de 2015, em outra pesquisa do Instituto Vox Populi, perguntou-se se “o impeachment de Dilma é a solução para o País”. Disseram “sim” 34% dos entrevistados e “não” 57%. Os 9% restantes responderam não saber. Em outras palavras: apenas um terço dos eleitores acredita que a saída de Dilma (ainda que desejada pela maioria em razão das insatisfações indicadas) resolveria os problemas atuais. O que mais chama a atenção no conjunto das respostas é quão objetivamente verdadeiras são as percepções populares a respeito de nossa vida política.

Ao inverso do que supõem aqueles que se acham bem-informados e que desprezam as avaliações dos cidadãos comuns, quem está certo é o povo. De fato, Dilma errou gravemente no começo de seu segundo mandato e provocou insegurança real entre aqueles que mais precisam de um bom governo. A corrupção é grave e é de todos, embora a impunidade tenha diminuído. Quem vai às ruas gritar contra o governo não representa o País. E o impeachment de Dilma, principalmente quando se elenca quem o comanda, não é solução. Sábio o povo, o que não quer dizer que seja ouvido. Como em inúmeras situações de nossa história, quem se acha no direito de tutelá-lo está prestes a ignorá-lo outra vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.