5 de abr de 2016

Marco Aurélio Mello dá uma aula sobre ser juiz ao “linchadores” do Roda Viva. Assista


A participação do Ministro Marco Aurélio Mello no Roda Viva, que reproduzo abaixo, foi uma aula de serenidade que cabe a um juiz, diante de uma banca, em sua maioria, composta de linchadores.

Você verá, desde o início, como é arrogante o pensamento de jornalistas que não só se arrogam à posição de julgadores e de julgadores unilaterais, que sequer querem ouvir argumentos de ponderação.

Embora a selvageria de José Nêumane Pinto, uma alma decaída ao fascismo, mereça destaque, a maioria se comportava também de forma além do opinativo e vai à tentativa de imposição de ideias ao entrevistado.

A parte mais densa da argumentação do Ministro, a 1h22min do vídeo abaixo, diz respeito ao que já chamei aqui de “Feirão da Delação”, que se assemelha a um tipo de confissão (contra terceiros) obtida mediate a tortura do prolongamento da prisão.

“Não compreendo alguém ser enviado ao xilindró e mantido lá até haver delação premiada, algo errado está havendo. Não estou pressupondo que haja invencionice dos delatores, ou melhor dos colaboradores do Judiciário, o que não compreendo é que se prenda, invertendo o princípio constitucional, que se prenda para fragilizar o ser humano e ele vir a delatar. Sob minha ótica científica, isso está acontecendo”.

Assista, vale a pena para recuperar um pouco a crença na Justiça.



Fernando Brito
No Tijolaço

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.