1 de abr de 2016

Depois de ‘Não Somos Racistas’, Ali Kamel deveria escrever ‘Não Somos Golpistas’

Um novo bestseller para Kamel
É divertida e ridícula ao mesmo tempo a campanha da Globo para tentar convencer os incautos de que a empresa não está promovendo um golpe.

A Globo quer cassar 54 milhões de votos a todo custo, mas isso, segundo ela, não é golpe.

O pior golpista é o que diz que o golpe não é golpe. É o caso da Globo.

Nem sequer criativa ela é. Primeiras páginas do Globo da época do golpe de 1964 que têm circulado nas redes sociais mostram uma extraordinária semelhança com as primeiras páginas do Globo de hoje.

É sempre o mesmo blablablá miserável para justificar a agressão à democracia. Na versão 2016, o golpismo da Globo inclui patetices como um diretor da empresa, Erick Bretas, se fantasiar de Sérgio Moro no Facebook.

Estou escrevendo tudo isso porque tenho uma sugestão para a Globo neste esforço de parecer boazinha, movida por bons propósitos.

É esta.

Ali Kamel, seu principal executivo de jornalismo, poderia escrever um livro chamado ‘Não Somos Golpistas’.

Uns dez anos atrás, Kamel lançou um livro que poderia qualificá-lo para a Academia Brasileira de Letras, ao lado de gênios como Merval e FHC.

O título poderia passar por algo do Sensacionalista, mas é real: ‘Não Somos Racistas’.

Kamel ganhou críticas entusiasmadas de seus amigos na mídia. A revista Época, por causa do livro, deu a Kamel um lugar na lista das 100 pessoas mais influentes do Brasil.

Com sua formidável visão, Kamel provou que, sim, não somos racistas. Não matamos negros. Não estimagtizamos negros. Não tratamos negros como cidadãos de segunda categoria.

Não somos racistas. Ponto. Exclamação.

Li o livro, uma coleção de artigos publicados no Globo. Você pode adivinhar a quem o autor reverenciou na apresentação. A algum líder negro que ajudou na causa? Não exatamente. Os salamaleques foram endereçados aos patrões, os formidáveis Marinhos.

Kamel não pratica apenas o jornalismo patronal. Pratica também a literatura patronal.

Com toda a credibilidade angariada com o livro verdade sobre o racismo no Brasil, ele poderia voltar à carga, desta vez para demonstrar que na Globo não somos golpistas.

Merval, em seu livro sobre o Mensalão, convidou um juiz do STF para fazer o prefácio, Ayres Britto. Foi uma prova irretorquível de que a Globo não tem conluio com a Justiça, e sim uma parceria literária.

Kamel poderia fazer o mesmo. Minha recomendação é que o juiz escolhido para o prefácio seja Gilmar Mendes, exemplo de magistrado equilibrado, imparcial, sereno, justo.

‘Não Somos Golpistas’ tem tudo para se tornar mais um best-seller na vida de Kamel.

No futuro, quando a posteridade analisar a trajetória imaculada da Globo, o livro servirá para iluminar os pesquisadores.

Ficará claro que, assim como não somos racistas, a Globo não é golpista.

Vou encomendar meu exemplar caso minha ideia seja adotada.

Não somos golpistas.

Paulo Nogueira
No DCM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.