6 de mar de 2016

Mírian Dutra ao DCM: FHC é dono mesmo do apartamento de Paris

Alberico, ex diretor da Globo (esq.), em leilão de gado promovido por Jonas Barcellos, amigo de FHC que
“empregou” Mirian Dutra no exterior
No pronunciamento que fez na sexta, dia 5, no Diretório Nacional do PT em São Paulo, Lula disse que usa a chácara de um amigo porque “os inimigos não me oferecem. Quem tem casa em Nova York, Paris, nunca me ofereceu. Se oferecesse, eu ia”.

Na entrevista que me concedeu, a jornalista Mírian Dutra contou que Fernando Henrique Cardoso tem um apartamento em Nova York — segundo ela, no Trump Tower — e outro em Paris.

“O Tomás fica no apartamento do pai em Nova York e, em Paris, naquele apartamento que está em nome do Jovelino Mineiro. Ele é, na verdade, do Fernando Henrique”, afirmou.

Mírian diz que Jovelino, um ex-aluno de Fernando Henrique, “é um operador dele.” Como você sabe? “Sabe aquele fazenda que o Fernando Henrique tem perto de Brasília? Parece que está em nome do Jovelino, mas quem comprou foi o Fernando Henrique e eu fui junto, quando ele foi ver a fazenda. Estávamos eu, ele e o Beto Carrero”, diz.

Beto Carrero?

“Sim, aquele mesmo. Acho que foi dizer se a fazenda valia o preço”, comenta. Mirian lembra que, na época, reclamava que ficava sozinha no Natal, Ano Novo e outras datas especiais, e Fernando Henrique disse que compraria a fazenda para que eles ficassem mais tempo juntos.

Dois pesos, duas medidas. Se o Ministério Público Federal tivesse mesmo interesse na moralização do país, como procuradores e policiais federais afirmam no caso da Lava-Jato, poderia ter investigado ou abrir agora uma investigação — alguns crimes não estão prescritos — sobre o projeto de poder de Fernando Henrique Cardoso que resultou na compra de votos para a aprovação da emenda da reeleição.

Evidências não faltam.

Mírian Dutra tirou de seu baú de memórias o episódio em que, com a ajuda do seu então chefe na Rede Globo, Alberico de Souza Cruz, se exilou em Portugal, para não causar constrangimento a seu ex-namorado Fernando Henrique Cardoso, a quem ela atribuiu a paternidade do filho Tomás, hoje com 25 anos de idade. Tomás era um filho de Fernando Henrique Cardoso fora do casamento.

Ela me disse que Alberico se mostrava seu amigo, e até foi padrinho de batismo do filho. Mas afirmou também que suspeita que ele não a ajudou em troca de nada. Ela suspeitava que Alberico teria sido recompensado com uma concessão de TV alguns anos depois.

De fato, Alberico obteve do governo federal, nos anos de Fernando Henrique Cardoso, concessão de TV. Não foi uma, mas onze concessões, todas de TV a cabo, através das empresas Divinópolis e São Luiz, mais tarde vendidas à Blue Interactive.

Agora o mais surpreendente.

As empresas Divinópolis e São Luiz foram constituídas em sociedade com Jonas Barcellos. E quem é Jonas Barcellos? O dono da Brasif, a rede duty free concessionária do governo federal nos anos de Fernando Henrique Cardoso que, em 2002, assinou um contrato com Mírian Dutra e passou a lhe pagar 3 mil dólares mensais.

A contrapartida de Mírian era não fazer nada. “O dinheiro era do Fernando Henrique. Foi um jeito que ele arrumou de mandar dinheiro para eu sustentar o filho dele, depois que a Rede Globo reduziu em 40% meu salário”, contou Mírian, na entrevista que me concedeu, duas semanas atrás.

Nas empresas que montou com Alberico de Souza Cruz, ex-diretor da Central Globo de Jornalismo, Jonas Barcellos, da Brasif, tinha mais sócios, entre eles Elos Nolli, que foi casado com Júnia Rabello, a executiva que presidiu o Banco Rural e morreu num acidente de helicóptero. O Rural é o banco acusado de envolvimento com o mensalão desde a sua concepção, no governo de Eduardo Azeredo, em Minas Gerais.

Procurei o advogado da TV a Cabo Divinópolis, para falar com os antigos sócios. Ellos Nolli me ligou de volta e confirmou a sociedade com Alberico. Mas disse que a função de Alberico era técnica, não política, em razão de sua experiência na Rede Globo. “Na época, ganhava a concessão quem oferecesse o lance maior”, disse. Segundo ele, o poder era econômico, não político.

A pecuária também unia Nolli, Jonas Barcellos e Alberico, como se pode ver nas reportagens sobre leilões em que aparecem negociando touros e vacas da raça Nelore e Gir Leiteiro.

Nolli e Alberico também tinham parceria no canal 23 de Belo Horizonte, mais tarde vendido para um grupo de deputados, que depois foi transferido para Igreja Batista da Lagoinha.

“O Alberico trabalhava para mim no canal 23”, disse Nolli a respeito do ex-diretor da Central Globo de Jornalismo. No caso dos canais a cabo, Nolli revela que o projeto era ambicioso e previa uma parceria com a CEMIG, a empresa de energia de Minas Gerais, na época sob a direção do governo tucano de Eduardo Azeredo, que disponibilizaria sua rede de postes para as TVs do grupo instalar seus cabos.

Concessionário de TV e das lojas duty no Brasil, Jonas Barcellos, o sócio de Nolli e Alberico, socorreria Fernando Henrique Cardoso em 2002, último ano do governo dele. A jornalista Mírian Dutra se viu em dificuldade com o corte de salário da Rede Globo, onde também pouco fazia, segundo ela mesma. Um cunhado lobista entrou em ação e obteve o contrato Jonas Barcellos.

Segundo Mírian, o cunhado operou, fazendo os contatos, mas o dinheiro era do ex-namorado presidente. Como você sabe disso? “Porque ele (Fernando Henrique) falou que iria resolver”, diz. A fala de Mírian ganha consistência quando se verifica quem é o cunhado e qual a sua relação com o então presidente Fernando Henrique Cardoso.

Trata-se de Fernando Lemos. Em 1994, segundo conta o empresário Pedro Paulo de Souza no livro “Encol – O Sequestro – Tudo o que Você Não Sabia”, Fernando Henrique Cardoso levou Fernando Lemos para um almoço que tratou do financiamento da campanha dele a presidente. Pedro lembra do dia e do local: 23 de Julho, Hotel Bonaparte.

Barcellos e a mulher
Barcellos e a mulher
Pedro Paulo havia doado 200 mil reais (em valores corrigidos pelo IGP-M, 1,37 milhão de reais) e Fernando Henrique quis agradecer. Na ocasião, segundo o empresário, Fernando Henrique insinuou que talvez voltasse a precisar dele, como de fato veio a precisar, um mês depois.

Em agosto de 1994, Fernando Lemos, o cunhado de Mírian Dutra, procurou Pedro Paulo, em nome de Fernando Henrique, para pedir que trouxesse ao Brasil, como contratado da Encol, o profissional de marketing político Jesus Carlos Pedregal, conhecido como Bruxo. Era para ajudá-lo na campanha.

Pedregal de fato veio ao Brasil. A história foi parar na revista Veja e até o nome de Fernando Lemos está lá, mas a reportagem inverte a notícia e começa pelo desmentido de Fernando Henrique. “É um maluco com ideias delirantes. Não trabalha para mim”, disse.

Pedro Paulo escreveu o livro em 2010 para contar como foi que ajudou o governo Fernando Henrique Cardoso e depois foi traído por ele, ao qual atribui a responsabilidade pela quebra da Encol, com o objetivo de se apropriar de seu patrimônio.

O livro, com acusações pesadas contra o governo de Fernando Henrique Cardoso, teve apenas uma única edição, e hoje é uma raridade. Esgotado nas livrarias há muito tempo, na semana passada havia apenas três exemplares em sebos do Brasil, um em São Paulo, outro no Rio e um terceiro em Goiânia. O de São Paulo foi comprado por mim, a R$ 150.

Entre outras acusações, Pedro Paulo conta que um diretor do Banco do Brasil forçou a renúncia dele na presidência da Encol para dar lugar ao executivo Jorge Washington de Queiroz. Pedro Paulo conta que, mais tarde, descobriu que Jorge Washington era cunhado do ministro Eduardo Jorge, braço direito de Fernando Henrique Cardoso.

Segundo o empresário, com o cunhado de Jorge Washington na presidência da empresa, o plano era aprofundar a crise da Encol e depois socorrê-la, com o financiamento através de um pool de bancos, uma espécie de Proer da construção civil.

O plano só não deu certo porque Pedro Paulo passou a colaborar com a justiça e forneceu documentos que levaram à condenação de diretores do Banco do Brasil, inclusive de seu presidente, Paulo César Ximenes.

Mas a ação da justiça parou nos diretores do Banco do Brasil. Pedro Paulo, ao escrever o livro, se sentia em perigo. Tanto que, à medida que concluía os capítulos, pedia a um amigo, o jornalista Batista Custódio, dono do Diário da Manhã, de Goiânia, que guardasse os originais.

“O Pedro Paulo chegou para mim e disse. Aqui tem a verdadeira história da Encol. Se alguma coisa acontecer comigo, você publica”, disse Batista na noite do último dia 23 de fevereiro, pouco antes de fechar o jornal. “Pedro Paulo tinha medo de que alguém pudesse matá-lo”, afirma.

O livro “Encol – O Sequestro” está na praça desde 2010 e nunca foi contestado, judicial ou extrajudicialmente. “Por causa do livro, o Pedro Paulo nunca foi processado”, me disse um dos advogados que defenderam o empresário nas ações judiciais movidas por causa da quebra da Encol.

No livro, há duas referências a Fernando Lemos, ambas mostrando que ele agia a mando de Fernando Henrique Cardoso. Na entrevista que Mírian Dutra me concedeu no dia 19 de fevereiro, ela não fala da Encol, mas cita Fernando Lemos várias vezes. “Era uma pessoa suave”, disse. “O Fernando era excelente pessoa, me ajudou muito”, diz. O cunhado de Mírian — que foi casado com sua irmã Margrit, funcionária fantasma de Serra — faleceu em 2012.

Além do contrato com a Brasif,  Fernando Lemos fez outro grande favor a Mírian e a Fernando Henrique Cardoso. Segundo Mírian, ele levou Tomás para visitar o pai quando Fernando Henrique ainda era presidente da República. O encontro foi no Palácio do Alvorada, a residência oficial do presidente.

“O Tomás teve esse encontro com o pai no Brasil”, afirmou Mírian. Como se mostrou no caso de Mírian, Brasif e Encol, Fernando Lemos era um elo que ligava Fernando Henrique Cardoso a assuntos e negócios que não poderiam vir a público.

Mas nem todos. Se Alberico ganhou concessões de TV por ter ajudado no exílio de Mírian, o que ganhou a Rede Globo, que a manteve longe do Brasil desde 1993? “O BNDES”, disse Mírian. Mas essa é uma história de tubarão, e Fernando Lemos não entra nem como nota de rodapé.

O lobista Fernando Lemos, que foi casado com Margrit Dutra, hoje funcionária fantasma de Serra
O lobista Fernando Lemos, que foi casado com Margrit Dutra, hoje funcionária fantasma de Serra

Esta reportagem faz parte do projeto de crowdfunding do DCM sobre a reeleição de FHC. As demais estão aqui.

Joaquim de Carvalho
No DCM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.