25 de mar de 2016

Irmãos Koch: Partido mais secreto do mundo torra R$ 2,5 bilhões para implantar o ultraliberalismo


Um colega que estranhou a repentina força do liberalismo entre jovens brasileiros afirmou: quem sabe em 20, 30 anos, a gente vai descobrir o que realmente aconteceu. Imediatamente eu me lembrei da Operação Brother Sam, lançada pelos Estados Unidos em 1964: em caso de guerra civil, sustentaria os golpistas com armas e combustível.

Arrastei comigo para leitura uma edição recente da New York Review of Books e fiquei estupefato com o artigo A Nova Marca dos Irmãos Koch.

Eu desconhecia o lançamento do livro Dark Money: The Hidden History of the Billionaires Behind the Rise of the Radical Right, da repórter Jane Mayer.

É o mais completo relato, até hoje, de como um grupo de bilionários dos Estados Unidos, coordenado pelos irmãos Koch, montou um partido secreto que, pasmem, vai gastar U$ 889 milhões no ciclo eleitoral em andamento nos Estados Unidos (próximas eleições para a Casa Branca e o Congresso). A liderança do partido se reúne secretamente em resorts de luxo, conta com 107 escritórios e 1.200 funcionários em tempo integral. Isso é três vezes mais que o Comitê Nacional Republicano.

Bill McKibben, o autor da resenha do livro, resume: “Eles [os Koch] talvez sejam as figuras não eleitas mais importantes da História dos Estados Unidos”.

Não vou estragar a leitura de vocês. Farei um resumo rápido.

A fortuna dos Koch teve origem, pasmem, na União Soviética de Stalin, onde Fred Koch implantou um sistema para refinar petróleo que ele mesmo havia inventado. Ao se expandir, ele passou a frequentar a Alemanha de Hitler. Tornou-se um admirador a ponto de escrever, em 1938: “Tenho a opinião de que os únicos países sensatos do mundo são a Alemanha, o Japão e a Itália, simplesmente porque trabalham e trabalham duro”.

Fred foi um dos onze fundadores da John Birch Society, uma organização de extrema-direita dos Estados Unidos.

Dos quatro filhos de Fred, Charles foi o que seguiu mais de perto as ideias e os passos do pai. Ele estabeleceu uma rede política que serve aos interesses dos bilionários, embora nunca admita isso publicamente.

Muitos são, como a família Koch, envolvidos em negócios ligados à exploração de petróleo, carvão e gás.

A militância se concentra em algumas áreas:

1. Combater a interferência do governo em seus negócios, que causam graves danos ao meio ambiente;

2. Combater as teorias sobre o aquecimento global e, com isso, qualquer campanha por regulamentação;

3. Combater os impostos sobre os mais ricos.

Embora se apresentem como defensores da liberdade e da autonomia individual, na verdade “a ideologia deles é acima de tudo benéfica para os seus negócios”.

Diz o autor da resenha que quase todos os bilionários da rede organizada pelos irmãos Koch ganharam muito dinheiro com contratos governamentais e nunca rejeitaram os subsídios que, publicamente, dizem combater.

Os irmãos Koch organizaram uma rede de institutos de pesquisas e ONGs que fazem avançar seus interesses sem que os adversários políticos se dêem conta: Americans For Prosperity, Charles Koch Institute, Institute for Humane Studies, Cato Institute e muitos outros.

A ideia é conquistar uma militância política que, muitas vezes sem saber, está defendendo pontos-de-vista políticos que favorecem os interesses dos bilionários norte-americanos.

Em 2010, os Koch colocaram cerca de U$ 200 milhões em grupos ativistas “independentes”, mas alinhados ao Partido Republicano. Ajudaram o partido a ganhar 63 cadeiras no Congresso.

Também foram fundamentais para a eleição de 675 deputados estaduais, que terão a tarefa crucial de redesenhar os distritos eleitorais dos Estados Unidos. Isso vai facilitar a vida dos candidatos republicanos.

Assim, os irmãos Koch e sua rede bilionária de doadores é responsável pela guinada à direita dos republicanos e por definir uma agenda política muito próxima de seus interesses econômicos.

No campo não eleitoral, uma das grandes vitórias foi a campanha que levou a Suprema Corte a remover os limites para doações das grandes corporações. Segundo o livro, foi fruto de um longo trabalho de militância de bastidores financiado pelos Koch.

O livro joga luz num império de organizações de fachada que cultiva o sigilo. Fã e promotor do liberalismo dos austríacos Friedrich Hayek e Ludwig von Mises, Charles Koch escreveu um artigo sobre como um grupo da periferia do sistema poderia chegar ao poder, surpreendendo outros atores políticos.

“De maneira a não despertar críticas indesejadas, como a organização é controlada e dirigida não deve ser motivo de publicidade”, definiu.

PS do Viomundo: Este assunto nos chama especialmente a atenção depois que uma certa Aliança Nacional dos Movimentos Democráticos, que tem entre seus componentes o movimento Vem Pra Rua, foi ao Congresso pedir “a rejeição à taxação de grandes fortunas e impostos sobre heranças, pautas que não constavam entre as reivindicações” apresentadas anteriormente, segundo o Estadão.

Luiz Carlos Azenha
No Viomundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.