17 de mar de 2016

Como a Globo, ajudada por Moro e Aécio, venezuelizou o Brasil

Os irmãos Marinhos: uma família antidemocracia
A Globo, Aécio e Moro venezuelizaram o Brasil.

Veja o que acontece na Venezuela há anos e você terá uma ideia da tragédia que isso representa.

São brasileiros odiando brasileiros, amigos rompendo com amigos, irmãos se afastando de irmãos. Tudo isso e mais sangue correndo e a economia sofrendo as consequências dos enfrentamentos políticos que paralisam o país.

E tudo isso por um motivo vil: a derrota nas urnas.

Globo, Aécio e Moro conflagraram o Brasil porque perderam. A plutocracia jamais surpreende: também em 1954 e 1964 a motivação foram surras em eleições presidenciais. E o pretexto o mesmo: “corrupção”.

A direita brasileira mostrou ser ainda pior que a venezuelana. Ao contrário de Chávez, Lula jamais foi agressivo com a elite.

Buscou sempre conciliar. Tão logo eleito, assinou uma Carta aos Brasileiros na qual se comprometia, na economia, a não se desviar do caminho de FHC.

Jamais deixou de despejar centenas de milhões de reais nas empresas jornalísticas em propaganda federal — um dinheiro público que elas utilizaram para montar um exército de editores e comentaristas dedicados a destruir o próprio Lula e, depois, Dilma.

Em sua busca de paz, Lula foi ao enterro do homem que foi um dos símbolos supremos da ditadura, Roberto Marinho. Alguns anos antes, Roberto Marinho roubara uma eleição de Lula ao fraudar no Jornal Nacional o resumo do debate final entre Lula e Collor. (Recentemente, Boni, então o executivo mais forte da Globo, contou candidamente como a emissora deu assessoria para Collor antes do debate.)

A conciliação de Lula foi vital para que a Globo jamais pagasse por seus crimes na ditadura. E isso deu à empresa condições de fazer o que está fazendo agora: orquestrar um golpe, ao lado de aliados como Moro e Aécio.

Alguém disse que a plutocracia foi ingrata com Lula. Mas, menos que ingratidão, é uma questão de ganância associada a uma completa ausência de escrúpulos morais.

A plutocracia quer tudo, não importam os meios. A Globo, por exemplo, quer livre acesso ao dinheiro público, pois teme não sobreviver sem estas muletas.

Deseja, também, uma Justiça encabrestada, para que possa cometer suas delinquências impunemente, tanto editoriais quanto fiscais.

A Globo deseja fazer as costumeiras barbaridades editoriais sem que juiz nenhum lhe crie problemas como direito de resposta ou multas significativas.

Também quer sonegar sem consequências, como há tanto tempo vem fazendo.

Moro representa a Justiça com que a Globo sonha: unilateral, parcial, feita apenas para proteger os interesses de uma pequena fração de brasileiros abençoados desde sempre com mamatas e privilégios abjetos.

E Aécio é o presidente ideal, como FHC. Em troca de uma cobertura à base de louvações, FHC deu tudo à Globo. Salvou-a da quebra, por inépcia empresarial, com dinheiro público do BNDES.

Para alcançar seus desígnios, a Globo e seus aliados estratégicos não hesitaram em fazer do Brasil uma Venezuela gigante.

É terrível.

Mas mais terrível ainda será se, como em 1954 e 1964, a Globo e tudo que ela representa triunfarem.

Os defensores da democracia terão que mostrar doses colossais de coragem e energia para que, no final do embate que já está aí, o Brasil esteja enfim livre da Globo, de juízes como Moro e de políticos como Aécio.

Paulo Nogueira
No DCM

Um comentário:

  1. Caro Paulo Nogueira, muito boa reflexão para pessoa não alienada, manipulada pelo sistema da mídia de massa formadora de mentes sem conteúdo, sem nexo, tola, burra.
    O Livro a Condição Humana da Filosofa judia naturalizada norte - americana, Hanna Harrent, aborda as massas manipuladas por sistemas obscuros, cartesianos de manipulação de massas e a Globo reflete muito bem essa massa de lama em que vivemos no nosso país Brasil.

    O fato é; a TV Globo deve R$ 180 milhões de impostos para o fisco e não tem interesse de pagar e sim calotear.
    Seu contrato de uso de direito de concessão vence em 2020 e por este motivo usa de todo seu arsenal para destruir Lula, Dilma e todo o PT, com seus aliados no jogo sujo em se perpetuar em manipulação do direito alheio e trapaças com suas manobras e compras de caráter duvidosos e dúbios de pessoa não ilibada.
    Sérgio Fernandes Moro, é seu operador e do PSDB, com pai e irmã fundadores deste terrível e nefasto partido em sua cidade no Paraná, alem disso é o operador dos interesses do petróleo dos EUA no Brasil, (pré-sal bacia de Santos, SP) lamentável e inaceitável.
    Uma corja a serviço da corrupção sem investigação e condenação como fizeram outrora nos outros governos do país, ninguém investigou como agora.
    São agentes tenebrosos, sutis, perigosos dissimulados do mau.

    ResponderExcluir

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.