28 de fev de 2016

A mídia ataca Lula e ri como hiena


A fauna midiática está mais agitada do que nunca. O destaque, mais uma vez, é a Folha de S. Paulo, que entre risos de hiena repercute a pesquisa do Datafolha de forma tão descaradamente manipulada que faz o incauto pensar que o Brasil se transformou em uma imensa Springfield, onde a referência é a opacidade intelectual de Homer Simpson. O foco é a deterioração da imagem da presidenta Dilma Roussef e dos ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


A manipulação é canhestra, infantilizada, sem nenhum cuidado estético ou gramático. Os dados são apresentados para imbecilizar o leitor, agitando a profusão de manchetes enfiadas em sua cabeça pelas redes de rádios, de internet e, principalmente, de televisão. A ideia é fazer desse leitor uma barata tonta, inoculada pelo veneno da desinformação, para reforçar a convicção de que o Brasil está estacionado em um imenso atoleiro.


Martelar diuturno


Uma das constatações da pesquisa Datafolha mais usada pelo jornal é a de que a maioria da população vê benefício das empreiteiras a Lula. Aqui está um clássico exemplo de anti-jornalismo, senão pelo cinismo pela fórmula de Charles Anderson Dana (editor-chefe do poderoso jornal republicano New York Tribune) de que se um cão morde uma pessoa isso não é notícia, mas se um homem morde um cão, isso é notícia.


Com o martelar diuturno sobre o sítio que virou a montanha dos sete abutres, essa constatação da pesquisa não é notícia. Seria notícia se fosse o inverso. Esse tipo de anti-jornalismo a Folha só serve para engambelar o incauto inoculado pelo veneno da desinformação. Como derivação dessa manipulação grotesca, o jornal estampa, neste domingo (25), em manchetona de três linhas na capa mais um taque torpe a Lula, dizendo que “em festa do PT, ex-presidente afirma que sítio foi presente de amigo”.


Reprodutor de invectivas


Quando vai se ler a afirmação de Lula, citada entre aspas, não é nada disso: “Ele (Jacob Bittar, amigo de Lula desde os anos 1970) inventou de comprar uma chácara para que eu pudesse utilizar quando eu deixasse a Presidência. Fizeram uma surpresa para mim até o dia 15 de janeiro (de 2015). A chácara não é minha.” A menos que o editor seja um relapso de marca maior, não é possível conceber que ele fez a chamada de capa com base nessa declaração do ex-presidente sem má-fé cínica.


A manipulação de informações para atacar Lula e Dilma nos demais jornalões (O Estado de S. Paulo e O Globo) é mais sisuda, mais amarrada e mais consistente. Eles emprestam um ar de seriedade ao seu noticiário e editoriais com a mesma intenção de fazer do leitor um mero reprodutor de suas invectivas. Na fauna midiática, são predadores mais furtivos, perspicazes e dissimulados do que as hienas. A Folha vai mais na linha da Veja, que trata o leitor como idiota sem meias palavras, sem mediação de qualquer natureza.


Ignorância santificada


O leitor já deve ter sentido a quantas ramificações seríamos levados se pudéssemos conversar mais extensamente sobre esse assunto. Mas já deu para entender no que se transformou a velha prática da mídia brasileira. Desses jornais e revistas sujos saem as manchetes garrafais e estridentes que são expostas ao longo do dia nas televisões, rádios e portalões. E assim vão se retroalimentando, um abastecendo o outro e formando a trama golpista para levar a cabo seus intentos de voltar a reinar como senhores absolutos dos destinos da nação, afastando do povo brasileiro qualquer veleidade de poder. Sua divisa é: povo é povo, elite é elite.


Não se deve, por óbvio, culpar o povo por cair nessa trama. Mesmo parte dos que atender às chamadas para as manifestações de rua convocadas por essa elite corrupta e libertina pode ser considerada vítima desse sistema de mídia. É preciso distinguir ideologia de ignorância. A ignorância pode ser bem-intencionada, santificada mesmo, diria Nelson Rodrigues num dia cáustico. Não confundi-la com ideologia é um ato de prudência, de direito à dúvida por assim dizer. Ignorar é não saber alguma coisa. Ideologia é fazer uma opção sabendo a diferença entre o certo e o errado para uns e para outros.


Resposta contundente


A cena política nacional vive nesta situação: a ideologia da direita, que nada tem de santificada, enfrentando o futuro do povo por meio de uma cruzada folhetinesca de dimensões amazônicas. Diante dela, não há meio-termo; ou fica-se rouco tentando mostrar o que é certo para a maioria da sociedade ou recorre-se a meios alternativos de informação. É preciso dizer que a cidadã e o cidadão vítimas desse tipo de anti-jornalismo serão tão beneficiado com o programa de governo da direita quanto uma cidadã e um cidadão somalis.


Não é aceitável que fique sem resposta contundente a pregação da direita de que a crise (que tem dimensões internacionais) é de responsabilidade exclusiva da presidenta Dilma Rousseff e que basta ela ser derrubada para que o Brasil retome o processo de crescimento e de melhoria dos indicadores sociais. Esse é o discurso dos golpistas na convocação de incautos para as manifestações de rua. Contestá-lo com firmeza é dever dos que conhecem a verdade para enfrentar os predadores do povo brasileiro.

Osvaldo Bertolino
No O Outro Lado da Notícia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.