14 de dez de 2015

Movimientos sociales se movilizan contra el golpe en todo el país el 16 de diciembre


Un colectivo nacional de los 66 movimientos sociales reunidos en torno del Frente Brasil Popular convoca al pueblo brasilero a una gran movilización contra el intento de golpe político, orquestado por la derecha. Las protestas ocurrirán este miércoles 16 de diciembre, en todo el país.

De acuerdo con el Frente, sectores golpistas de la derecha, a través de un grupo de parlamentarios, liderados por el diputado federal Eduardo Cunha [Partido del Movimiento Democrático Brasilero – PMDB – Río de Janeiro], están articulando el juicio político de la presidenta de la República, Dilma Rousseff [Partido de los Trabajadores – PT]. Otras banderas de las movilizaciones son: la casación del mandato de Cunha, acusado de corrupción y desvío de dinero público y el fin del ajuste fiscal promovido por el gobierno federal.

"El pueblo brasilero, mediante las centrales sindicales, los movimientos populares, de estudiantes, de organizaciones de juventud, mujeres, negros, LGBT [Lésbicas, Gays, Bisexuales y Transexuales], indígenas, pastorales de las iglesias, la intelectualidad democrática, viene pronunciándose en contra del juicio político. Se suman amplios sectores democráticos de la sociedad civil, del mundo religioso, jurídico, intelectual y cultural del país”, se señala desde el Frente.


El Colectivo esclarece que es contra el juicio político porque sobre la presidenta Dilma Rousseff no sobrevuela ninguna acusación o sospecha de delito, deshonestidad o ilegalidad. No hay ningún hecho o decisión de la presidenta que pueda ser considerado delito de responsabilidad. Y, sin delito de responsabilidad, no existe motivo para el juicio político. También se movilizan porque estarían pretendiendo alejar a la presidenta para revocar las conquistas y los derechos del pueblo, destruir y privatizar a Petrobrás, y someter a Brasil a los intereses imperialistas.

"Estamos contra el juicio político, porque conocemos las motivaciones delictivas del diputado Eduardo Cunha. Dueño de cuentas bancarias en Suiza, donde están depositados varios millones de reales, dinero de origen ilícito, Cunha quiere que la oposición lo proteja de la casación, y a cambio promete manipular el proceso de juicio político y casar el mandato legítimo de la presidenta Dilma”, señala el comunicado del Frente.

Para los movimientos sociales, "los que pretenden sustituir a Dilma Rousseff” deben disputar las próximas elecciones presidenciales, en 2018. Es esto lo que pensarían los sectores de la oposición, que también son contrarios al juicio político. "Para derrotar a los golpistas, apoyar a los demócratas convictos y convencer a los indecisos, el Frente Brasil Popular convoca a cada brasilero y a cada brasilera a comprometerse en la jornada nacional de luchas "En defensa de la democracia, ¡No habrá golpe!”

El MST [Movimientos de los Sin Tierra], la CUT [Central Única de los/las Trabajadores/as], MTST [Movimiento de los Sin Techo], CTB [Central de los Trabajadores y Trabajadoras de Brasil], UNE [Unión Nacional de Estudiantes], Intersindical y Conen [Coordinadora Nacional de Entidades Negras] son algunas de las organizaciones que apoyan la convocatoria.

En São Paulo, el acto ocurrirá a partir de las 17h, en la Avenida Paulista. Los manifestantes seguirán marchando hasta la Plaza de la República. De acuerdo con los organizadores, también se realizará una gran manifestación en Brasilia.

Vea aquí el texto de la convocatoria para el acto del 16 de diciembre de 2015.

Personalidades firman manifiesto

Cerca de 480 personalidades, artistas e intelectuales firman el Manifiesto en Defensa de las Instituciones Democráticas, criticando las maniobras políticas realizadas con la intención de destituir a la presidenta Dilma Rousseff. Entre los signatarios se destacan: el cineasta Luiz Carlos Barreto, los cantores y compositores Chico Buarque y Chico César, los actores Wagner Moura, Osmar Prado, Henri Castelli, Marcos Flota y Tássia Camargo.

Ellos afirman que repudian "el intento de golpe impuesto por Eduardo Cunha, por no haber elementos que fundamenten esta actitud, a no ser la desesperación de quien no logra explicar su comprobado involucramiento en esquemas espurios de corrupción. No se trata en este momento de aprobar o reprobar la administración ni la forma como la Presidenta de la República gobierna, sino de defender la legalidad y la legitimidad de las instituciones de nuestro país”.

La idea es entregar el manifiesto también este miércoles16, al presidente del Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski; al procurador general de la República, Rodrigo Janot, al presidente del Congreso, senador Renan Calheiros, y a la presidenta Dilma. La elección de la fecha de entrega es para unificar el acto con la acción de los movimientos populares, que ocurrirán el mismo día.


Brasil de Fato también hizo una lista con la opinión de algunos artistas e intelectuales que se pronunciaron recientemente sobre el momento político que vive Brasil:

Tonico Pereira, actor: "Mi profesión y mi curiosidad siempre me llevaron a entender al ser humano. Me enorgullezco mucho de ese tipo de estudio. Tal vez por intentar entender al ser humano es que no entiendo a Cunha, por ejemplo. Él tal vez no sea humano”.

Fernando Morais, escritor: "Tenemos que dejar absolutamente en claro que con el golpe no nos llevan. Sólo nos llevan con el voto. Sea golpe paraguayo u hondureño, no importa. Sólo cambian el proyecto de Nación, con el cual estamos comprometidos a través del voto. En la 'mano grande' [con engaños] no lo permitiremos”.

Gregorio Duvivier, actor: "Un juicio político orquestado por Eduardo Cunha, que beneficia a Michel Temer, es como un penal marcado por Eurico Miranda a favor del Vasco. Si no es cierto, ciertamente, no es justo, y menos aún sensato”.

Gilberto Gil, cantor: "No habrá juicio político. No hay razón, ni clima. Dilma va a concluir su mandato. Es natural que concluya”.

Leonardo Boff, teólogo y escritor: "Es vergonzoso que la Cámara sea presidida por una persona sin ninguna vinculación con la verdad y con lo que es recto y decente (...) Más vergonzoso aún es él, al presidir cínicamente una sesión, en la que se decide la aceptación del impedimento de una persona correctísima e irreprochable [o sea, impecable] como es la presidenta Dilma Rousseff”.

Marilena Chauí, profesora y filósofa: "Independientemente de las limitaciones de las acciones de estos últimos gobiernos, fue en esa dirección que se caminó. En la dirección de un espacio público republicano y de un espacio democrático de derechos. Es eso lo que se quiere frenar”.

Vea el texto y sepa quienes son las personalidades que firman el manifiesto en contra del golpe.

No Adital
Leia Mais ►

Lobões e lulus da pomerânia na menor manifestação antiDilma até agora


Dezenove pessoas (contei) prestavam atenção. Uma cartolina afixada na frente do caminhão de som informava que Olavo de Carvalho teria razão a partir das 13:00. Já eram 15:30 e me parecia que a racionalidade estava em outra galáxia.

Lobão fazia selfies. Uma ‘militar’ de uniforme camuflado e identificação Gracinha Felix marchava com ar obstinado. Um quinteto asmático ou afônico, não sei, batucava panelas. Cães de raça, caros, delicados e escovados, trajavam verde e amarelo.

Em algumas camisetas havia a estampa de uma mão espalmada sobre a inscrição ‘Basta’. Falta o dedo mindinho. É um basta Lula. A mão é preta. É um basta negros? Pode ser. Quase não se vê negros. A proporção reflete à perfeição a parcela da sociedade que está reunida ali.

Qual parcela?

Aquela que não quer ver a Paulista fechada para carros aos domingos mas se for para eles, tudo bem.

Aquela que não gosta de nenhum protesto que bloqueie o trânsito desde que não seja o protesto deles.

Aquela que tanto criticou o Passe Livre mas que hoje queria a catraca do metrô liberada. Aliás no metrô ela é facilmente identificável: Por mais perto que esteja da Paulista pergunta qual a direção a tomar, qual a estação a descer, não aguarda que as pessoas saiam do vagão antes de entrar, e (simbologia máxima) não respeita a esquerda livre na escada rolante.

Aquela parcela que berra ‘Chega de corrupção’ enquanto empunha bonecos pixulecos infláveis mas ali na avenida fomenta o comércio de produtos irregulares. Camisetas “Fora Dilma’, bandeiras, bugigangas. Perguntei ao vendedor: “Como está o movimento?” “Mais fraco que nas outras vezes” “Quem fornece essas camisetas para você, de quem você compra?”, ele desconfiado desconversa: “Ah, a gente compra aí, não sei quem faz não.” “Você tem nota fiscal se alguém te pedir?” “Ninguém pede.”

Chega de corrupção, não é mesmo? Incetivaram um comércio ilegal praticado por camelôs que se fosse em frente ao ponto comercial deles sabemos como reagem.

Que tipo de gente democrática é essa que acredita que pode tudo? Que só é permitido quando é a vez deles? Que só vale o que for para eles?

Foi a menor manifestação pró-impeachment do ano. Mas o que era de se esperar? Segundo eles mesmos, mais nada. Foram ‘pegos de surpresa’ (?!?!?!) então foi preciso organizar muito em cima da hora.

Havia um volume de pessoas semelhante àquele que normalmente frequenta a avenida Paulista aos domingos como espaço de lazer. Em volume apenas pois as pessoas eram outras. Os frequentadores costumeiros, um público notadamente contrário ao arrazoado de Olavo, abdicou de ir para a avenida.

Todo caminhão de som procurava justificar a pouca presença de público: muito calor, ameaça de chuva, indiferença da imprensa, que deveria-se levar em conta que tratava-se só de um ‘esquenta’, uma preparação (isso é genial, como se manifestação fosse algum evento olímpico que necessita de ensaio).

Segundo os organizadores foi a última manifestação de 2015, até porque ninguém é de ferro, eles fizeram 4 manifestações este ano, devem estar exaustos e as férias estão logo aí.

Tudo o que puderam objetivar foi que a derradeira será no dia 13 de março de 2016 e profetizam para dois dias depois (15) a queda de Dilma.

Nada mais a declarar.

mauro2 mauro3 mauro4 mauro5 mauro6 mauro7 mauro8 mauro9 mauro10

Mauro Donato
No DCM



Carros de som de movimentos golpistas não tinham autorização para bloquear ciclovias e foram multados

Carros de som estacionado na Avenida Paulista e bloqueando a ciclovia durante protesto no domingo (Foto: Reprodução TV Globo)

Seis carros de som que foram estacionados na Avenida Paulista, região central de São Paulo, foram multados pelos agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) no domingo (13) por bloquearem a passagem de bicicletas na ciclovia durante o protesto a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff ( PT).

“A CET tem um padrão, ou seja, os agentes de trânsito obedecem ao Código Nacional de Trânsito. Se você tem um local onde não é permitido veículo motorizado e o veículo está lá é um procedimento do próprio agente de tomar medidas”, afirmou o secretário municipal de Transportes Jilmar Tatto nesta segunda-feira (14).

Segundo Tatto, diferente do que os grupos que organizavam o ato informaram, os veículos não tinham autorização para estacionar sobre a ciclovia. A Avenida Paulista é aberta aos pedestres e ciclistas aos domingos e recebe milhares de pessoas. Os veículos são proibidos de circular pela via das 10h às 17h.

Em reunião com a Polícia Militar, organizadores e a Prefeitura, os responsáveis pelos movimentos solicitaram que a administração municipal fechasse a ciclovia e não montasse a ciclofaixa na avenida no domingo durante a manifestação, mas o pedido não foi acatado.
Leia Mais ►

Faustão: cara de palhaço, roupa de palhaço

De Bonner a Faustão — quando você pensa que chegou ao fundo do poço...


De Mauricio Stycer sobre o programa do Faustão, no dia do retumbante fracasso:

Faustão vê o Brasil “ao Deus dará” e Alexandre Nero diz que “não é de hoje”

Por iniciativa do apresentador do “Domingão do Faustão”, a entrega do Troféu Melhores do Ano neste domingo (13) foi também uma oportunidade para desabafos sobre a situação política e econômica do país.

Ao entregar o prêmio de melhor ator a Alexandre Nero, Faustão fez o discurso inaugural, dizendo: “Porque esse país não pode ficar do jeito que está. O país da corrupção, o país que não tem nada de educação, não tem nada de infra-estrutura, não tem assistência médica, tem uma violência absurda. Não pode ficar o país ao Deus dará, nessa bagunça que está.”



Convidado a comentar, Nero observou: “Só queria lembrar que não é de hoje que isso acontece. O país faz 500 anos… Vamos ter consciência, clareza e, mais do que tudo, tolerância com o diferente, com o próximo. Para que a gente possa ouvir as ideias diferentes. Porque a gente sempre repudia o que parece diferente do que a gente quer ou almeja. Vamos respeitar o próximo. Acho que isso é a coisa mais importante”.

Depois da entrega dos troféus, Faustão convidou todos os concorrentes ao palco e perguntou, um a um, o que desejavam para 2016. Em meio a votos de “paz”, “amor” e “felicidade”, alguns atores resolveram falar de política.

Cássia Kis foi a primeira: “Eu quero que o governo se pergunte, finalmente, qual é a função dele. Pra que ele existe? Pra trazer educação. Pra, finalmente, não colocar na cadeia quem é ignorante e é ignorante por causa do governo. Ele nos faz ignorantes. E não pode mais fazer isso. Nós pagamos o governo. O presidente é quase nosso empregado. É a nós que ele deve todas as obrigações.”

“Porrada só podia ser da Cássia mesmo”, elogiou Faustão. Na sua vez de falar, Alexandre Nero observou: “A gente precisa de menos opiniões e mais conhecimento. Vamos atrás de conhecimento.”

(...)

O imortal Miltinho já se pronunciou sobre a materia:

https://letras.mus.br/miltinho/519964/

Cara de palhaço
Pinta de palhaço
Roupa de palhaço
Foi este o meu amargo fim;
Cara de gaiato,
Pinta de gaiato,
Roupa de gaiato,
Foi o que eu arranjei pra mim.


Por falar em gaiatos, eis alguns dos agentes do Golpismo, com o Faustão ao centro, num jantar de celebração do fim de ano.

O Luciano Huck, chefe da Casa Civil do Aecím Waldorf, se destaca na foto.

É o baile da Ilha de Caras, antes que a Globo acabe...

Paulo Henrique Amorim
No CAf
Leia Mais ►

Nota Pública da Abraço


A Direção Executiva Nacional da Abraço Brasil – Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária vem a público se manifestar sobre o momento político pelo qual o país está atravessando.

A Abraço surgiu do movimento pela democratização da comunicação e as rádios comunitárias são frutos da luta pela democratização das comunicações que ainda é travada no Brasil. Os mesmos que aí estão tramando e tentando atentar contra as instituições democráticas brasileiras, capitaneados pelos meios de comunicação comerciais e Abert, são os que tentaram calar a nossa voz e a nossa extinção. Resistimos a todo tipo de golpe que tramaram e executaram usando braços do estado mancomunados com o seu projeto político. Por isso, é natural que a Abraço e as rádios comunitárias brasileiras saiam em defesa da manutenção do Governo Dilma, democraticamente eleito pelo povo e no combate às tentativas de golpes, antes pela mídia golpista, e agora, pelos golpistas eleitos pelo PIG no Congresso Nacional. 

É natural que os filhos da democratização lutem pela manutenção da ordem democrática e que sejam respeitadas as instituições da democracia brasileira dizendo em alto e bom som em todos os seus microfones, em todas as comunidades um “Contra o golpe e Fora Cunha”. Reconhecemos que o Governo Federal ainda está impregnado dos inimigos da democratização das comunicações, mas reconhecemos, também, que não é desrespeitando o processo democrático que resolveremos a questão. A falta de democracia só nos causará mais danos, pois sabemos de que lado estão os que almejam o golpe e a destituição da Presidente Dilma.

Por isso, nos manifestamos contra o impeachment, cobramos a punição dos corruptos, pedimos o afastamento do Eduardo Cunha da Presidência da Câmara e conclamamos todas as rádios comunitárias do pais a se engajarem nessa luta em defesa harmonia institucional para que o pais volte a crescer e a garantir o aceso de mais e mais brasileiros aos benefícios produzidos pela riqueza do país.

Todos à luta!!!!

Direção Executiva Nacional – Abraço.
Leia Mais ►

Las armas utilizadas en los atentados de París proceden de la CIA

Richard Secord declara ante el Senado
El diario estadounidense Palm Beach Post informa que una pistola semiautomática M92 utilizada en el ataque terrorista de París fue vendida por la empresa Century International Arms, que tiene su sede en Delray Beach, Florida.

Century es una pantalla de la CIA que comercializa armamento militar sobrante, no solamente del ejército estadounidense sino de terceros países.

En 2011 las comunicaciones interceptadas por WikiLeaks indicaban que la empresa vende armas a “intermediarios no autorizados”, uno de los cuales es un traficante israelí de armas.

No es la primera vez que Century aparece implicada en operaciones dudosas. En 2011 el Center for Public Integrity denunció que centenares de fusiles rumanos WASR-10 (una variante del famoso Kalachnikov ruso) que la empresa de Florida comercializa han aparecido también en crímenes cometidos en México por los cárteles de las drogas.

El Palm Beach Post asegura que al menos siete de las armas utilizadas o descubiertas tras los atentados de París del 13 de noviembre proceden de una fábrica serbia gestionada por Century.

A finales de los ochenta, durante el escándalo Irán-Contra, directivos de dicha empresa y el antiguo policía John Rugg declararon a una comisión del Senado de Estados Unidos que Century suministraba armas, incluidos cohetes y lanzagranadas, a los contrarrevolucionarios nicaragüenses.

Rugg dijo que la empresa estaba relacionada con Richard Secord, un general de la Fuerza Aérea que había trabajado para la CIA durante los bombardeos secretos dirigidos contra el Pathet Lao, durante la guerra de Vietnam.

Secord dejó el ejército de Estados Unidos en 1983 cuando se descubrió el tráfico ilegal con el antiguo agente de la CIA Edwin P. Wilson. Luego apareció implicado en el suministro de armas a la contrarrevolución nicaragüense junto con el coronel Oliver North.

Tras su proceso en 1989, North admitió que la Operación Tipped Kettle suministró armas a los contras nicaragüenses en contra de la enmienda Boland y que dicha Operación fue ordenada por William Casey, entonces director de la CIA, así como por el Secretario de Defensa, Caspar Weinberger.

El hecho de que la pistola M92 tenga relación con Secord y la CIA no demuestra que el espionaje estadounidense esté detrás de los atentados de París sino que es quien controla la mayor parte del tráfico de armas en todo el mundo y, en especial, a los grupos yihadistas.

Es otra demostración de que sin la intervención de la CIA y de sus pantallas, las armas no habrían llegado a las manos ni de los talibanes afganos, ni de Al-Qaeda, ni de los diferentes grupos yihadistas, como el Califato Islámico o Boko Haram.

Referencias:
http://www.mypalmbeachpost.com/news/news/crime-law/dealer-gun-linked-to-paris-attack-came-through-del/npgwf/
http://www.palmbeachpost.com/news/news/wikileaks-secret-cables-detail-delray-firms-role-i/nLxsM/

No Movimiento Político Resistencia
Leia Mais ►

A lógica da opção da mídia pela percepção e não pela realidade

A campanha histórica da Rolling Stone
Uma campanha de marketing histórica da revista americana Rolling Stone confrontava percepção e realidade.

A campanha virou um caso de estudo.

Era assim. A percepção das pessoas era que a RS era lida por hippies, ou neo-hippies, pessoas avessas a qualquer tipo de consumo.

A realidade era que os leitores da RS consumiam como todos os leitores de revista.

Indigente em publicidade, a revista se tornou um sucesso publicitário.

Essa campanha me ocorreu ao ler o levantamento da Folha deste domingo sobre os 13 anos de PT no poder.

Escrevi já um artigo, mas não citei a RS e sua clássica diferenciação entre percepção e realidade.

Involuntariamente, a Folha mostrou a percepção e a realidade. A percepção é que o país não melhorou. Foi o que disseram, segundo a Folha, 68% dos ouvidos.

A realidade, no entanto, é que todos ganharam nestes 13 anos. Os 10% mais ricos tiveram 30% de aumento na renda em termos reais, descontada a inflação.

Para os 10% mais pobres, o aumento foi de 129%, o que significou uma redução no real câncer nacional: a desigualdade social.

A Folha usa uma expressão parecida com uma que marcou os anos Lula. Esse tipo de coisa nunca acontecera antes na história medida pelo IBGE.

Pois bem.

Você tem aí percepção versus realidade. A percepção: não melhoramos. A realidade: melhoramos sim.

E qual a opção que a Folha escolhe para dar na manchete? A percepção. Desnecessário dizer, o resto da mídia acompanhou-a nesse passo maldado.

A Folha teve uma grande chance de mostrar a realidade. Mas escolheu a percepção, pela qual, aliás, ela é um dos responsáveis.

Você pode ver o poder da percepção nos depoimentos dos manifestantes deste domingo na Paulista.

Todos descreviam o apocalipse, desgarrados dos fatos em si. O país acabou. Estamos destruídos. Não há mais esperança fora de um golpe.

Você tem, nisso, uma prova do serviço horroroso que a mídia presta para a sociedade. Jornais e revistas desinformam, manipulam, escamoteiam.

Eles criam uma realidade paralela, uma distopia absoluta que mostra um país em processo de desintegração.

O motivo é sabotar um governo popular. É uma rotina. Aconteceu o mesmo em 1954 com Vargas e em 1964 com Jango.

Se Dilma for derrubada, a imprensa engavetará imediatamente a distopia. Um clima de otimismo estridente se espalhará pelo país por jornais, revistas, rádios, telejornais e sites das grandes empresas jornalísticas.

A corrupção deixará as manchetes, não por ter sido debelada, mas por não ser mais útil para desestabilizar os inimigos.

Aécio poderá continuar, tranquilamente, fazendo coisas como um aeroporto particular com dinheiro do povo. Eduardos Cunhas continuarão a tramar no Congresso para aprovar medidas favoráveis à plutocracia.

Seremos felizes. Mas de mentirinha. Como nos tempos da ditadura, durante os quais Medici, numa frase célebre, disse que era ótimo ver o Jornal Nacional. Num mundo convulso, o Brasil era um oásis de próspera tranquilidade segundo o JN.

Os únicos que terão reais motivos para gargalhar são os plutocratas. A desigualdade avançará e, em consequência, os ricos ficarão ainda mais ricos.

A utopia será uma percepção. A realidade será cruel.

Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

Os Golpistas não tinham bala de prata


Leia Mais ►

Fifa: EUA entram na área da Globo

Investigações do caso Fifa chegam às emissoras de TV


EUA estendem investigação no caso Fifa a emissoras de TV

Os 15 dirigentes foram indiciados, incluindo o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) José Maria Marin, e duas delas se declararam culpadas no mês passado.

A acusação não explica como a T&T se beneficiou de retenção dos contratos de radiodifusão. A T&T não é uma emissora, mas após obter os direitos de transmissão pode revendê-los para as principais emissoras de televisão.

No final, a 21st Century Fox, comandada pelo barão da mídia Rupert Murdoch, ficou com os direitos de transmissão da Copa Libertadores e outros torneios.

A empresa de TV via satélite DirecTV também tem uma participação na T&T, de acordo com documentos de fevereiro. A companhia possui 40 por cento da Torneos, que, em troca, tem 25 por cento das ações da T&T. A DirecTV disse em agosto que seu investimento de 147 milhões de dólares na Torneos pode ser afetado pela atual investigação na Fifa.

A avalanche de denúncias de corrupção levou o presidente da Fifa, Joseph Blatter, a apresentar sua renúncia ao cargo, apenas alguns dias depois de ser reeleito para um quinto mandato. Blatter não foi acusado de nenhum crime, e nega ter cometido irregularidades.

Os promotores acusaram 41 pessoas e entidades em uma investigação de corrupção de futebol que se estende por vários países. Dirigentes do futebol de todas as Américas estão entre os réus em um caso que os promotores disseram que envolve 200 milhões de dólares em subornos e esquemas de propina ligados à comercialização de grandes torneios e partidas.

Os esquemas privaram as federações de futebol do valor completo dos direitos de transmissão e comercialização, e tiveram fortes efeitos contra a concorrência, disseram os promotores.

No Brasil, além da prisão de Marin, que foi extraditado da Suíça para os Estados Unidos, também foram indiciados o presidente licenciado da CBF, Marco Polo Del Nero, e o ex-presidente da entidade Ricardo Teixeira, por suspeita de ligação com o mesmo esquema.

Reportagem adicional de Mark Hosenball em Washington
No Reuters
Leia Mais ►

O impeachment e “as ruas”

Os protestos não foram a causa do processo, nem irão decidir seu futuro

Em meio à vasta quantidade de bobagens suscitadas pela abertura do processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff, uma se destaca: o recurso à ideia de que “as ruas” estão na origem de tudo e vão determinar seu desfecho. 

Volta e meia, a ideia aparece, ora em termos pretensamente elevados e filosóficos, ora em sentido comezinho. “As ruas” são usadas pelos próceres oposicionistas e seus intelectuais tanto para justificar o impeachment, e dar ao processo fundamento e legitimidade, quanto para auxiliá-los na definição de uma estratégia de tramitação da matéria no Congresso.

Trata-se de uma dupla impostura. Nem o processo de impeachment nasce nas ruas nem delas virá sua solução.

Uma boa maneira de percebê-lo é lembrar o que aconteceu em 1992, no impeachment de Fernando Collor. Como é recente e tem sido a toda hora invocado, vale a pena discutir os paralelismos e distâncias em relação aos fatos de hoje.

O primeiro elemento que salta à vista é quão diferentes eles são, a começar pelo papel “das ruas” nos dois episódios. O impeachment de Collor nasceu efetivamente nelas, quase por geração espontânea. Ao contrário, o processo contra Dilma é uma fabricação de gabinete, um produto de laboratório.

Collor havia se salvado politicamente na reforma ministerial do início de 1992. Trouxe para seu lado os líderes dos partidos da oposição atual e só não nomeou Fernando Henrique Cardoso seu chanceler por causa do veto de Mario Covas.

As demais legendas se acomodaram alegremente, pouco se importando com as denúncias existentes a respeito das movimentações nada ortodoxas de Paulo César Farias e associados.  

Ninguém precisou induzir, convocar, mobilizar ou financiar os cidadãos que foram às ruas contra Collor. Depois da entrevista de seu irmão, Pedro, e, especialmente, das denúncias do motorista Eriberto França, que demonstraram que suas contas privadas eram pagas com dinheiro originado do tesoureiro de sua campanha, os manifestantes ocuparam as ruas de forma espontânea. 

Nos protestos não estavam apenas os petistas, os esquerdistas, aqueles que votaram em Lula. À semelhança do ocorrido em 1983, nas mobilizações das Diretas Já, uma genuína e crescente amostra da sociedade brasileira deixou claro que desejava o impeachment de Collor.

O que se passou ao longo de 2015 é completamente diferente. Com seu reacionarismo antediluviano, sua beligerância e intransigência, seus heróis caricatos, os manifestantes de agora nada possuem da força simbólica dos caras-pintadas de 1992. Quem desfilou neste ano foi uma parte não representativa do Brasil, muito distante do que temos de melhor.

Fernando-Collor
O impeachment de Collor nasceu efetivamente nas ruas
Waldemir Barreto/ Agência Senado
Um pedaço que definhou com o tempo, até chegar ao tamanho dos últimos eventos, com inexpressivo número de participantes, que só continuam a merecer a atenção da mídia por ser a brasileira o que é.

A principal razão da diferença entre 1992 e agora é a ausência do sentimento de indignação moral que marcou a opinião pública naquela época. A convicção de que o presidente da República era moralmente indigno de ocupar o cargo unificou a opinião pública, desarticulou seu apoio parlamentar e terminou por derrubá-lo.

O impeachment de Collor nasceu nas ruas e foi imposto à maioria do sistema político e aos principais grupos de mídia. Não foi preciso inventá-lo.

Portanto, 2015 não é 1992 e falar “nas ruas” hoje é mera figura retórica. As oposições partidárias, seus aliados no Judiciário, nas corporações de Estado e nos meios de comunicação passaram o ano à cata de alegações para derrubar o governo, por qualquer motivo.

Sem o combustível da indignação moral efetiva, que provoca a falta de movimentos espontâneos respeitáveis, invocar o sentimento das ruas é somente um pretexto.

Tudo o que acontece agora são manobras e movimentações de bastidor, a maioria impublicáveis e inconfessáveis. Votações secretas, conluios e acordos em surdina são a regra. O processo de impeachment contra Dilma Rousseff nada tem do autêntico espírito das ruas.

Outra falácia é afirmar que o sucesso ou o fracasso da tentativa de derrubar a presidenta depende do modo como “as ruas” se comportarão nas próximas semanas e meses. As oposições sabem que o máximo que conseguem promover são as conhecidas e cada vez menos impactantes passeatas de radicais de direita.

Quando buscam prolongar o processo, o que pretendem é apenas torná-lo mais demorado, para aumentar o desgaste do governo e aprofundar os impasses na economia. Como calculam que Dilma, ao cabo do processo, muito provavelmente terá o terço da Câmara necessários para se manter no poder, querem apenas manter sua aposta no quanto pior melhor.

Marcos Coimbra
No CartaCapital
Leia Mais ►

"Temer é o homem do Cunha, e não o inverso"

O ex-ministro organiza uma nova rede da legalidade e critica o vice-presidente

"O vice-presidente é um homem do Cunha, e não o inverso. Está completamente comprometido"
Em 1961, o então governador gaúcho Leonel Brizola liderou uma mobilização nacional para assegurar a posse de João Goulart após a renúncia de Jânio Quadros. Com o apoio de uma cadeia de rádios, a Rede da Legalidade adiou o golpe por três anos.

Cinco décadas depois, quem assume um papel central na defesa do Estado de Direito é o presidenciável Ciro Gomes. Coincidência ou não, o ex-ministro filiou-se recentemente ao PDT, partido criado por Brizola. Em companhia de Flávio Dino, governador do Maranhão, Ciro encabeça o movimento Golpe Nunca Mais, que desta vez lança suas bases nas redes sociais.

Na entrevista a seguir, ele volta a acusar o vice-presidente de conspirar contra Dilma Rousseff: “O beneficiário dessa ruptura da democracia e dessa potencial crise para durar 20 anos é ninguém menos do que o senhor Michel Temer, o capitão do golpe”. 

O senhor acusou Temer de ser o “capitão do golpe” e um “parceiro íntimo” de Cunha. Como chegou a essa conclusão?

Conheço bem os dois, de longa data. Temer conspira há algum tempo, tenho informações a respeito. Lá atrás ele visitou esses grupos que organizam manifestações. Mais recentemente fez uma declaração sintomática, de que um governo com 7% ou 8% de popularidade não se sustenta.

Na ocasião, perguntei onde está escrito na Constituição que um eventual momento de impopularidade era causa para interromper o mandato de um presidente da República. Fui colega deles na Câmara, vi como atuavam.

Basta pesquisar a quantidade de medidas provisórias que o Temer despachou ao Cunha para que ele pudesse incluir o que no jargão parlamentar chamamos de “jabuticabas”, emendas ilegais para gerar privilégios a grupos econômicos dos quais eles tomavam dinheiro. 

Pode citar um exemplo?

Cheguei a denunciar aos berros um desses casos na tribuna: “Temer, feche a Câmara. Para que esse teatro aqui? Pergunta logo o que o Cunha quer e manda fazer”. Naquela ocasião, Cunha havia apresentado uma emenda, dentro de uma medida provisória que não tinha nada a ver com o assunto, para criar um crédito de devolução de IPI de exportação, com um impacto de 80 bilhões de reais nos cofres da União. Protestei, perdi a votação, depois o Lula vetou.

O caso é público, está registrado nos anais da Câmara. Em outro episódio, chamei Cunha de ladrão. Ele me processou e arrolou Temer como testemunha. Na verdade, Temer é o homem do Cunha, e não o inverso. Parte importante das loucuras que faz é por estar completamente comprometido. É só o jornalismo brasileiro fazer uma pergunta simples: “Senhor vice-presidente, qual é a sua opinião sobre as denúncias contra o presidente da Câmara?” Mando cortar meu braço se alguém conseguir extrair uma opinião dele sobre esse tormentoso problema. Sei o que digo, Temer está nas mãos de Cunha.

Como o senhor avalia a carta enviada pelo vice a Dilma?

Tenho 36 anos de vida pública. Nunca vi uma coisa tão ridícula, de tão baixo nível, absolutamente cretina e risível. Aquilo ali é um festival de vaidades e de mágoas explícitas. Você não nomeou fulano, demitiu meu amigo, foi ver não sei quem e não me levou.

E faz parte de um enredo golpista. Surge exatamente na ocasião em que houve o golpe na formação da comissão do impeachment e faz parte da movimentação que destituiu Leonardo Picciani da liderança do PMDB na Câmara, a quem Temer cita nominalmente na carta. Quem vazou o texto para a mídia foi ele. 

Leonel-Brizola
Em 1961, via rádio, o então governador do RS garantiu a posse de João Goulart e adiou o golpe
Por que o impeachment deve ser tratado como um golpe?

O impeachment não é como o recall, previsto na Constituição de alguns países como remédio para um governo ruim. O Brasil não dispõe desse dispositivo. Vivemos em um regime presidencialista, que não permite a dissolução do Congresso e a convocação de novas eleições.

O impeachment é um julgamento político, mas na sua origem é jurídico. A peça contra Dilma é inepta, pois escora-se nas “pedaladas fiscais”.

Na medida em que o Congresso sancionou a nova meta de superávit, esse argumento se perde. A única possibilidade de se afastar um presidente da República é por crime de responsabilidade doloso, e não há nenhum ato de Dilma que se enquadre nessa situação.

Além disso, se pedalada for motivo, Temer também precisa ser afastado, pois assinou alguns desses decretos. Aliás, praticamente todos os governadores e prefeitos de capitais... Outro absurdo é reavivar o voto secreto na Comissão Especial da Câmara, algo que o Supremo Tribunal Federal certamente vai anular.

O STF vai realmente colocar um freio às manobras de Cunha?

Vai, sem dúvida. Não há a menor chance de uma comissão constituída para avaliar um impeachment ter qualquer votação secreta.

Como o senhor avalia o atual cenário político? 

Muito ruim. O povo acha o governo um desastre, com boa dose de razão. Espera mudança, mas Brasília está mergulhada nessa crônica odienta, golpista, de delegacia de polícia. Para o bem e para o mal, estamos na mão do povo. Se ele sair às ruas pelo impeachment, Dilma está no chão.

Ela é uma mulher decente, bem-intencionada, comprometida com o País. Mas o governo precisa mudar. A gestão da economia é ruinosa. O balé que Dilma faz com chantagistas passa um sinal contraditório do compromisso real dela com a decência.

Durante 12 anos, o povo viu sua vida melhorar, estava seguro de que seria para sempre. Mas agora vê tudo regredir, o salário, as políticas de proteção social, os investimentos de infraestrutura, os serviços públicos. Temos uma epidemia de 1,7 mil casos de microcefalia e vemos o governo entregando 380 bilhões de reais para bancos, mas alega estar sem dinheiro para combater o mosquito que transmite o vírus responsável pela doença.

Vende-se o impeachment como a solução para esses males.

Sim, mas em nenhuma hipótese a solução é um golpe. Não vai resolver nada, além de introduzir um elemento de instabilidade política que pode perdurar por 20 anos.

Corremos o risco de colocar no comando do País alguém sem legitimidade, comprometido medularmente com a corrupção. E isso passa um recado ruim, de que o mandato popular não vale nada. Qualquer ajuntamento de picaretas pode interrompê-lo. 

O senhor sempre defendeu a tese de que o governo precisava se distanciar do PMDB, um aliado não confiável...

Minha tese nunca foi se distanciar do PMDB. Só alertei que não era conveniente entregar ao partido a linha de sucessão da República, bem como os centros estratégicos de interesse nacional. Dentro do presidencialismo brasileiro, é preciso conviver com todo mundo. Falamos de uma sigla com 66 deputados. Pode perfeitamente conversar, negociar, mas deve haver limites. O PMDB que o governo tem hoje é rigorosamente o mesmo PMDB que teria sem ter pago um preço tão alto.

Como construir uma governabilidade mais sadia?

Não vejo problemas, por exemplo, em ter Marcelo Castro como ministro da Saúde. Ele puxa apoio de uma fração importante do PMDB. O mesmo vale para o Eduardo Braga, que é um cara legal. Pode melhorar a relação com o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, que também ajuda muito. O problema é que Dilma entregou tudo a quem não deveria entregar. Pior: colocou um golpista dentro do Palácio. Isso é muita irresponsabilidade. O governo selou aliança com o lado quadrilha do PMDB. Digo isso porque há muitos homens de bem no partido, como Requião, Jarbas Vasconcelos, Mauro Benevides. Mas o governo não os prestigia. Dilma precisa se cercar de gente leal e profissional.

Rodrigo Martins
No CartaCapital
Leia Mais ►

Em 12 anos, novo líder do PMDB aumentou patrimônio em 56 vezes

Em 2014, relator do Código de Mineração recebeu R$700 mil da Vale.
Foto de ISA.
As prestações de contas do deputado Leonardo Quintão (PMDB/MG), novo líder do PMDB após manobra do presidente da Câmara, não podem ser acusadas de ausência de transparência. Lá ficamos sabendo que, entre 2002 e 2014, esse economista de Taguatinga (DF), 40 anos de idade, multiplicou seu patrimônio em 56 vezes: de R$315 mil para R$18 milhões.

Lá estão também registrados os R$2 milhões recebidos, como doações de campanha em 2014, de mineradoras ou empresas ligadas ao setor — ele que é relator do novo Código de Mineração, em franca atividade para aumentar os benefícios das empresas (Relator do Código de Mineração foi reeleito com milhões do setor).

E lá estão os R$800 mil recebidos de farmácias e drogarias também no ano passado, conforme os registros na Justiça Eleitoral. Entre elas a Raia Drogasil, com R$257 mil; a Drogaria Araújo, com R$120 mil; a Drogaria São Paulo, com 82 mil; a rede de farmácias Indiana (Irmãos Mattar e Cia), com R$73 mil; e a Drogaria Pacheco, com R$61 mil. As doações são legais.

Quintão é autor de vários projetos de lei que beneficiam o setor. Ou participou diretamente das negociações de outros projetos, como o PL das Farmácias e Drogarias, aprovado em 2014. Segundo o presidente da Federação Nacional dos Farmacêuticos, Ronald Ferreira dos Santos, o deputado atuou como negociador em defesa dos interesses da ABC Farma, a associação dos comerciantes.

Do total de R$4,96 milhões registrados na Justiça Eleitoral em 2014, mais da metade — R$2,8 milhões — vieram desses dois setores: farmácias e mineração.

Outros R$200 mil vieram da Bradesco Saúde, uma espécie de conexão entre o setor da saúde e o da mineração. É que o Bradesco, o banco que controla a seguradora, é um dos acionistas da Vale — aquela que já foi do Rio Doce, dona de metade da Samarco, a responsável pela catástrofe ambiental em Mariana (MG), em novembro.

Quintão e a mineração

O PMDB controla desde 2007 as indicações para o Ministério das Minas e Energia e para as superintendências do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). A Quintão coube indicar o chefe dos superintendentes, o diretor-geral. Para saber mais sobre as conexões entre o PMDB e as mineradoras leia esta reportagem da Agência Pública: Teia de interesses liga políticos a mineradoras.

Poucos políticos de fora do PMDB têm essa prerrogativa de indicar superintendentes do DNPM, o órgão responsável por autorizar e fiscalizar as lavras. Um deles era o senador Delcídio Amaral (PT-MS), hoje preso pela Polícia Federal, que fazia as indicações no Mato Grosso do Sul.

Segundo a BBC Brasil, o texto do novo Código de Mineração — relatado por Quintão — foi escrito no escritório de advocacia Pinheiro Neto, que tem como clientes as duas donas da Samarco, a brasileira Vale e a anglo-australiana BHP Billinton: Novo código da mineração é escrito em computador de advogado de mineradoras.

Estas foram as empresas diretamente ligadas ao setor que mais doaram ao deputado em 2014: Vale Mina do Rio Azul (empresa da Vale no Pará), R$700 mil; Anglogold, R$300 mil; Gerdau, R$263 mil; Arcelormittal, R$183 mil; Usiminas, R$133 mil; Kinross, Flapa Mineração e Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM, do grupo Moreira Salles), com R$100 mil cada.

Enriquecimento

Em 2002, o economista Leonardo Quintão possuía R$315 mil em bens. Era eleito deputado estadual em Minas. Em 2006, R$983 mil. Em 2010, reeleito deputado federal, o valor tinha saltado para R$2,64 milhões. Em 2014, novo incremento: o novo líder do PMDB declarou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) possuir R$17,9 milhões — entre os quais R$2,6 milhões (o total de 2010) em espécie. Em 12 anos, portanto, ele aumentou seu patrimônio em 56 vezes.

O deputado foi escolhido na quarta-feira, dia 9/12, pelos rebeldes golpistas do PMDB, com o aval do presidente da Câmara, para substituir Leonardo Picciani (RJ) — contrário ao impeachment de Dilma Rousseff — como líder do partido na Casa. É o mesmo cargo que projetou Eduardo Cunha como uma das peças-chave do Congresso.

Alceu Luís Castilho
No Limpinho & Cheiroso
Leia Mais ►

“Pato de Tróia” é a nova superprodução da Globo e da mídia brasileira


E com o patrocínio da FIESP, que comprou patinhos “made in China” pra distribuir na paulista. Apoiam o Golpe Paraguaio distribuindo patinhos feitos na China. É piada pronta! A indústria recebeu grande injeção de incentivos fiscais para investir em tecnologia, geração de empregos e produtividade. O que fizeram com toda a grana dos incentivos fiscais que não investiram no desenvolvimento da indústria brasileira? Usaram pra comprar patinhos chineses? A FIESP deveria apresentar as notas dos patinhos que distribuem Brasil afora pra reclamar de impostos de cuja isenção as indústrias paulistas e brasileiras se beneficiaram o tempo todo sem dar o devido retorno em tecnologia, empregos e produtividade.

No Luiz Müller Blog
Leia Mais ►

Oposição faz acordo para salvar Eduardo Cunha e prosseguir com impeachment

Partidos da oposição, como PSDB e DEM, tentam convencer o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a renunciar ao mandato para evitar a própria cassação. A informação é da coluna de Lauro Jardim, no "Globo".


A articulação tem dois objetivos: o mais imediato é recompensar Cunha por ter cedido aos apelos de partidos que pregam o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No dia 2 de dezembro, o peemedebista autorizou o pedido de impedimento na Câmara.  


O segundo ponto diz respeito à imagem desgastada do presidente da Câmara e sua falta de legitimidade institucional para dar prosseguimento ao processo de impedimento. Nesse sentido, o grupo liderado por PSDB e DEM quer que Cunha renuncie para salvar o próprio mandato e permitir que um novo presidente cuide do processo.

Um dos articuladores da saída de Cunha do comando da Casa, o deputado Mendonça Filho (DEM) negocia um apoio da oposição a Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), defensor da saída de Cunha e que classificou o atual presidente como "psicopata e doente" em recente entrevista ao programa "Roda Viva".

No Amigos do Presidente Lula
Leia Mais ►

Lewandowski: não vai ter Golpe!

Lewandowski vê golpe institucional contra Dilma
O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski, fez ontem críticas indiretas aos movimentos que defendem ações favoráveis ao afastamento da presidente Dilma Rousseff do poder. Sem citar o nome da petista, Lewandowski disse que o País precisa resistir mais três anos para que não caia no que chamou de “golpe institucional”.

Dilma é, segundo pesquisas recentes, a presidente da República com o menor índice de popularidade das últimas três décadas e também alvo de uma série de pedidos de impeachment na Câmara dos Deputados.

“Temos de ter a paciência de aguentar mais três anos sem nenhum golpe institucional. Esses três anos (se houvesse um golpe) poderiam cobrar o preço de uma volta ao passado tenebroso de 30 anos atrás”, afirmou o presidente do STF durante uma palestra concedida a estudantes de Direito em uma faculdade localizada na zona oeste da cidade de São Paulo. “Devemos ir devagar com o andor.”

O ministro foi nomeado para o STF em 2006, pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No Supremo, Lewandowski foi o revisor do processo do mensalão e, em 2012, se notabilizou em debates com o ex-presidente da Corte Joaquim Barbosa, quando o caso foi julgado.

Ontem, em seu discurso de pouco mais de uma hora, Lewandowski enalteceu a postura das instituições diante das ações contra Dilma, que funcionariam, segundo ele, como uma espécie de “cortina de fumaça”.

Estou convencido de que as instituições estão reagindo bem. Não estão se deixando contaminar por essa cortina de fumaça que está sendo lançada nos olhos de muitos brasileiros”, afirmou o ministro. “O Supremo Tribunal Federal está atento também, não está se deixando envolver emocionalmente por esses percalços que estamos vivendo. E, insisto, esses percalços são passageiros.”

Pouco antes, Lewandowski minimizou a crise político-econômica que assola o País. Para ele, há uma “crise artificial” alimentada pelos meios de comunicação brasileiros e internacionais. “O País está funcionando. Há uma crise, a meu ver artificial. É claro que há uma crise. Mas é uma crise de confiança. Também, de certa maneira, insuflada diariamente pela mídia. Há um desânimo por parte dos investidores nacionais”, disse o presidente do STF.

Congresso

Quando se referiu à atuação do Congresso Nacional, por outro lado, Lewandowski fez ataques diretos. Segundo o presidente do STF, o Legislativo está deixando de cumprir suas funções para se dedicar a “investigações amadoras”. O ministro fazia referência às atribuições das comissões parlamentares de inquérito que são instaladas na Câmara e no Senado com o objetivo de apurar eventuais esquemas de corrupção. Para o presidente do Supremo, “investigar é para profissional”.

As críticas de Lewandowski ao Congresso foram feitas enquanto ele elogiava a decisão tomada anteontem pela Corte de suspender as doações ocultas de campanha. “Essa ideia de separação tão absoluta de Poderes, hoje, não sei se ainda vigora. Sobretudo no momento que o STF tem um protagonismo um tanto quanto maior resolvendo questões tais como essa de anteontem. É matéria própria do Congresso Nacional, mas que o Congresso Nacional hoje não tem como resolver”, disse Lewandowski.

“O Congresso deixou de lado a sua função legislativa e passou a exercer uma função investigativa. Inúmeras CPIs correndo, substituindo o Ministério Público, a Polícia Federal e o próprio Judiciário, fazendo aquilo que eles não sabem fazer e deixando de fazer aquilo que eles sabem fazer de melhor, que é legislar. Investigar é para profissional, não é para amador.”

Ministros do STF decidiram anteontem suspender as doações ocultas. Eles determinaram que os repasses eleitorais de pessoas físicas a partidos e transferidos para candidatos precisam ser identificados. Com a decisão de caráter liminar, a Corte suspendeu o trecho da lei de minirreforma eleitoral, aprovada pelo Congresso, que permitia doações sem a demonstração da origem dos recursos. A lei da minirreforma eleitoral foi sancionada em 29 de setembro por Dilma.

A Ação Direta de Inconstitucionalidade foi ajuizada pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que argumentou que o trecho da nova lei da minirreforma eleitoral violava “o princípio da transparência e o princípio da moralidade, e favorece, ademais, a corrupção, dificultando o rastreamento das doações eleitorais”. A decisão do STF ainda é provisória, já que os ministros ainda não discutiram o mérito.

Para Lewandowski, a determinação de anteontem vai tornar a expressão do voto popular “livre de interferências espúrias”.”Temos de ter a paciência de aguentar mais três anos sem nenhum golpe institucional. Esses três anos (se houvesse um ‘golpe’) poderiam cobrar o preço de uma volta ao passado tenebroso de 30 anos atrás”.
Leia Mais ►

A difícil arte de conversar sobre política, nos dias atuais

Dois pesos e duas medidas têm sido a norma do debate político atual. As pessoas relativizam o que querem da maneira mais tresloucada possível. Tive o seguinte diálogo na noite de sábado, numa festinha de aniversário à qual fui:

Um senhor respeitável (por quem tenho grande consideração) – Sou a favor do impeachment, é a única solução para o país.

Eu – Mas o impeachment não tem base legal nenhuma. Crime de responsabilidade em um 1º mandato não gera responsabilidade ao governo reeleito. Ademais, não se pode julgar contas de um ano fiscal não concluído, há a questão de que as “pedaladas” não constituem dolo e, por fim, o fato de que as tais “pedaladas” são um mecanismo utilizado por todo gestor público, no Brasil, na sua lida com a LOA.

O senhor respeitável – Mas isso depende do ponto de vista. Um jurista que seja favorável ao impeachment vai interpretar isso de outra forma. Tudo é muito relativo, nesse caso.

Eu – Como assim, interpretar de outra forma? É algo muito claro, muito objetivo, não há o que ser interpretado de outra forma.

O senhor respeitável – Mas o fato é que pode ser interpetado de outra forma. Essa gente tem que ser presa, o Lula ficou milionário.

Eu – Ei, não estávamos falando sobre o impeachment? Por que o Lula entrou na história, de repente? Vamos ao menos terminar o assunto anterior.

O senhor respeitável – Sobre o impeachment já te falei: tudo depende da interpretação dos juristas, tudo é relativo. Nós temos que falar de corrupção porque isso sim é um fato maior, o próprio fundamento do impeachment. As coisas estão aí para provar. A mídia expôs tudo.

Eu – Será que o que a mídia diz também não pode ser inerpretado de outra forma?

O senhor respeitável – Mas são inúmeros fatos, é muita coisa Fábio. A verdade está ali, clara na sua abundância!

Eu – E o princípio da relatividade, que você evocava acima? Não vale, no caso da mídia? Devo compreender que a realidade colocada pela mídia não é relativa e a realidade de um texo constitucional é absolutamente relativa?

O senhor respeitável outra vez muda de assunto. Fala agora da Lava Jato.

Segue variando os temas para preservar os bordões. Sua vontade justifica os argumentos.

Isso é o Brasil de hoje: todos traem o princípio do debate, a ponderabilidade da argumentação, o bom senso e a simples dialética.

Restam os bordões, as ideias-fixas e os lugares-comuns.

Ninguém aceita mais discutir e vai predominando o irracionalismo. A mesma matéria que produz o integralismo, o messianismo e o fascismo.

Fábio Fonseca de Castro
No Hupomnemata
Leia Mais ►

República dos canalhas unida pelo golpe


Sem medo de errar, ao longo de toda a história da República brasileira, nunca se viu entre os conservadores e direitistas brasileiros uma concentração tão grande de políticos da pior espécie. Essa escória, para a desgraça da nação, ainda conta com o decidido e militante apoio do império midiático, que aplaude e amplifica as ações e manobras políticas mais torpes e calhordas.

A oposição tucana sabota a democracia do país desde que perdeu pela quarta vez consecutiva  a eleição para presidente da República. Do questionamento sobre a lisura da urna eletrônica à sólida aliança com um notório corrupto como Eduardo Cunha, passando pelas tentativas de reprovar as contas de Dilma no TSE e pela pressão pela rejeição das contas do governo no valhacouto de políticos fracassados que atende pelo nome de TCU, o PSDB se esmera em esculhambar o regime democrático e agravar as dificuldades econômicas do país.

Nem o currículo de Eduardo Cunha fez com que ele fosse alvo de quaisquer restrições por parte do monopólio midiático, desde que se lançou candidato e venceu as eleições para a presidência da Câmara dos Deputados. Ao contrário, foi festejado por ser inimigo do governo e capaz de lhe criar todo tipo de problema. Logo, Cunha acabou glorificado quando passou a impor derrotas ao governo e a tocar uma pauta das trevas na Câmara, atacando direitos civis e conquistas republicanas.

Até aí nenhuma surpresa, já que estamos falando de gente que se merece. É preciso ser analfabeto político ou um rematado idiota para acreditar na sinceridade do moralismo da mídia corporativa ou no seu zelo patriótico pelo erário público. O discurso contra a corrupção, isto sim, sempre serviu como arma para tentar destruir governos com compromissos populares, como no passado com Vargas, Jango e Brizola, e hoje com Lula e Dilma.

Parte do PIG se viu forçado a mudar de tom em relação a Cunha depois que vieram à tona suas contas na Suiça e mais uma penca de denúncias de recebimento de propina. Mas sempre com a preocupação de não queimar as pontes com ele, de olho na sua prerrogativa de aceitar ou rejeitar os pedidos de impeachment da presidenta. Mas a revista Veja, por exemplo, fiel a sua condição de esgoto do jornalismo brasileiro, nem essa pequena inflexão fez. Para blindar Cunha, seguiu explorando da forma mais sórdida a Lava Jato contra Dilma e o PT, ao mesmo tempo em que perseguia Lula e sua família.

No dia em que Cunha aceitou o pedido de impeachment como vingança pelo fato de o PT ter decidido que seus três deputados votariam contra ele no processo ao qual responde no Conselho de Ética por quebra de decoro, a imprensa retomou sua lua de mel com o presidente da Câmara. Nenhuma matéria de Globo, Folha, Veja e Estadão tocou na brutal injustiça, na canalhice elevada à enésima potência que envolve essa decisão. Como pode um desqualificado como Cunha, prestes a ser preso, aceitar um pedido de impedimento de uma governante honrada, que nunca respondeu a processo e contra quem não pesa nenhuma acusação?

Se não tivesse enveredado por um caminho sem volta rumo ao cinismo mais escrachado com fins políticos e partidários, esses veículos de comunicação teriam que apontar a falta do mínimo de condições morais e políticas de Cunha para liderar um processo de impeachment. Na sua obsessão golpista, a mídia não hesita em se associar a alguém cuja ficha corrida lhe impede de julgar a conduta de quem quer que seja, especialmente de uma presidenta da República. E, apenas para purgar suas culpas e fingir indignação com as manobras desavergonhadas de Cunha no Conselho de Ética, Globo e Folha escrevem editoriais pedindo a saída do presidente da Câmara. Pura encenação.

Também a aliança golpista a céu aberto entre Cunha e o PSDB é vista com naturalidade, como um fato corriqueiro da cobertura política, e não como um acordo espúrio visando a destruição da democracia em nome da ganância pelo poder. Mesmo sem voto. Mesmo sem legitimidade. Mesmo que o preço seja rasgar a Constituição.

Da mesma indulgência desfruta o vice-presidente Michel Temer. Conspirando no submundo da política, Temer apunhalou pelas costas sua companheira de chapa, revelando deploráveis falhas de caráter. Mas a mídia ignora solenemente essa traição repugnante dispensando-lhe o tratamento de futuro chefe de Estado e de governo e abrindo-lhe generosos espaços  para que exponha seus planos antinacionais e antipopulares de governo.

Diante de tanta nojeira, resta o consolo de que todos esses personagens têm lugar assegurado no lixo da história.

Bepe Damasco
Leia Mais ►

Brasil mantém crescimento do IDH em 2014


O Brasil registrou melhora no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) em 2014. Os dados divulgados pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) mostram que o IDH passou de 0,752 em 2013 para 0,755 em 2014. Apesar do aumento, o Brasil caiu uma posição no ranking mundial de desenvolvimento humano e passa a ocupar o 75º lugar entre 188 países.

De acordo com o Relatório de Desenvolvimento Humano 2015, lançado hoje (14), o país perdeu uma posição porque foi ultrapassado pelo Sri Lanka, que teve crescimento acelerado no último ano. O IDH mede o desenvolvimento humano por meio de três componentes: a expectativa de vida, educação e renda.

A coordenadora do Relatório de Desenvolvimento Humano Nacional, Andréa Bolzon, explicou que a diferença no ritmo de crescimento dos países causou a queda do Brasil. “Apesar de o Brasil ter crescido no IDH, outro país cresceu em ritmo um pouco mais acelerado que o nosso. A isso se deve nossa queda”.

Com a 75° posição, o Brasil fica atrás de países latino-americanos como a Argentina (40°), o Chile (42°), Uruguai (52°), Cuba (67°) e a Venezuela (71°). O primeiro lugar no ranking mundial é da Noruega, seguido pela Austrália e a Suíça. Em último está o Niger.

O relatório mostra que, no Brasil, indicadores que representam melhorias sociais tiveram avanço, como a esperança de vida ao nascer, que aumentou de 74.2 em 2013 para 74.5 em 2014, e a média de anos de estudo que passou de 7,4 para 7,7 nesse período.

Houve queda na Renda Nacional Bruta (RNB) per capita de 2014 (15.288), quando comparada a 2013 (15.175). Desde 1990, a RNB do Brasil não havia sofrido retração. “O relatório mostrou que do ponto de vista da renda per capita, houve pequena retração e é claro que isso afeta também nosso índice de desenvolvimento humano. Agora, daqui para a frente, precisamos aguardar para ver como as coisas vão se refletir no relatório”, disse Andréa Bolzon. Questionada se a queda no Produto Interno Bruto (PIB) no Brasil poderá ter impacto negativo no IDH, ela respondeu que existe essa possibilidade, já que um dos indicadores é a renda que está relacionada ao PIB.

O Brasil acumula trajetória constante de crescimento do IDH. De 1990 a 2014, o crescimento foi 24,2%, o maior no período entre os países da América do Sul. Em relação à posição no ranking mundial, de 2009 a 2014 o país avançou três posições.

As políticas públicas brasileiras têm responsabilidade direta sobre esses avanços, segundo a coordenadora do Pnud. “O relatório reconhece esses programas de proteção social e de transferência de renda como importantes para aumentar o desenvolvimento humano. O desenvolvimento dos países tem acidentes de percurso e, se você tem uma rede de proteção social forte, obviamente as coisas ficam mais seguras para todo mundo”, afirmou Andréa.

O relatório do Pnud, intitulado O Trabalho como Motor do Desenvolvimento Humano, traz também dados de 188 países e sugere estratégias para criar oportunidades e assegurar o bem-estar dos trabalhadores.

Yara Aquino
No Agência Brasil



IDH do Brasil subiu. O PiG é sórdido!

Cuidado com o genocida, o Ricardo Barros!


Com o retumbante fracasso do impítim nas ruas e antes de fazer do zika uma epidemia irreversível e devastadora, o PiG se deu ao trabalho de produzir nessa manhã de ressaca violenta uma sordidez plena de raiva e baba gosmenta.

Deu em todas as manchetes que o IDH do Brasil caiu!

Não caiu!

Caiu em termos relativos uma única, mísera posição: da 74ª para a 75ª.

Qua, quá, quá!

Mas, continua na invejável categoria a que Lula e Dilma levaram: “país de alto desenvolvimento humano”.

Nos anos 90, nos plúmbeos tempos do Príncipe da Privataria ficava na casa dos 0,60 e alguma coisa.

Mas, segundo os neolibelês, era a inevitável consequência do ajuste e da venda do patrimônio público a preço de banana.

Hoje, o IDH da Dilma e do Lula é de 0,755 — maior do que o da China, da Índia, da África do Sul, associados nos BRICs.

De 1990 a 2014, o crescimento foi 24,2% (brasileiro), o maior no período entre os países da América do Sul. Em relação à posição no ranking mundial, de 2009 a 2014 o país avançou três posições.

Ou seja, do ponto de vista da vida material dos brasileiros, na Educação e na Saúde, a vida melhorou.

E, em boa parte, por causa do Bolsa Família, que o genocida Ricardo Barros quer extirpar.

Com Dilma e Lula o Brasil acabou com a miséria.

E é por isso que o impítim não passou de um rolezinho de colonistas pigais: não chegou às ruas.

Era uma “crise” do dos chapéus para a Ilustre, daí ao Ataulpho Merval de Paiva e à Fo-Frete, a que dá complexidade ao óbvio...

E o Brasil só não está melhor porque foi envenenado pela editoria “o Brasil é uma m...” do jornal nacional e seus cúmplices — no PiG, na Justiça, no Ministério Público e no Congresso!

Quanto pior melhor!

Mas, isso não fica assim, porque a Dilma derrotou o impítim e vai tirar o Levy.

O zé, não!

Esse fica!

Paulo Henrique Amorim
Leia Mais ►

Folha de S. Paulo: manipulação sem limites


O maior jornal diário do país legou mais uma lição de como extrair dos dados conclusões que a reportagem não sustenta: uma manchete bombástica, destinada a mobilizar manifestantes pró-impeachment da presidente Dilma Rousseff, nos atos marcados para o domingo (13/12). Em duas linhas o tiro fatal: “Após 13 anos de PT, 68% não veem melhora de vida”. A Folha fez uma soma inusitada, senão vejamos: para 31% dos brasileiros entrevistados a vida melhorou; outros 42% dizem que ela ficou igual; a minoria de 26% afirma que a vida piorou. A manipulação grosseira colocou do mesmo lado os entrevistados que avaliam que a situação piorou (26%) e aqueles que veem tudo igual (42%). Nada mais grotesco!


Para o editor da Primeira Página e do caderno especial “PT, 13” (veja a íntegra aqui: http://migre.me/soe33) pouco importa o nível de qualidade e de apuração da ótima reportagem assinada pelo jornalista Fernando Canzian. Vejamos o lide da matéria, que contraria frontalmente a manchete e o sentido maior produzido pela reportagem: “Em 13 anos de PT no poder, o Brasil distribuiu sua renda como em nenhum outro período da história registrada pelo IBGE. Todos ganharam. Quanto mais pobre, melhor a evolução. Foram 129% de aumento real (acima da inflação) na renda dos 10% mais pobres. No decil mais rico, 32%” (cit.).

O resultado da avaliação é um excelente exemplo de como, ao hegemonizar a formação de opinião pública, impondo uma narrativa implacável anti-PT, na última década, o oligopólio de mídia no Brasil agora comemora, ainda que timidamente. Após uma caçada impiedosa, que formou na sociedade um sentimento anti-Dilma, anti-Lula e anti-Partido dos Trabalhadores, ainda assim os dados da pesquisa revelam que “24% veem o PT na Presidência como ótimo/bom. É bem menos do que os que o consideram ruim/péssimo (35%) ou regular (40%)”. Outra vez, tomado como número isolado, a maioria tende ao regular (40%). É metodologicamente sustentável interpretar as taxas de ótimo/bom (24%) ao de regular (40%) e se poderia, de boa-fé, afirmar que 64% aprovam de regular a ótimo os 13 anos de PT no poder. Mas você jamais verá essa manchete na Folha, Estadão, Globo...

Distribuição de renda

Uma questão de fundo, decorridos os últimos 21 anos (13 anos de PT e 8 de PSDB no governo), ainda permanece como grande desafio ao futuro do país: a redução da desigualdade social. Amparado nos dados, Canzian escreve: “A distribuição de renda nos últimos 13 anos se compara à das sociais democracias europeias no pós-Segunda Guerra. Apesar disso, só 31% dos brasileiros consideram que sua vida melhorou em 13 anos do PT na Presidência, segundo nova pesquisa Datafolha” (cit,).

O texto apresenta também uma ilação, não amparada em nenhum dado objetivo que não seja a análise de cenário econômico como se fosse algo dissociado da crise produzida dentro e fora das redações dos conglomerados de mídia que monopolizam o mercado. É a seguinte: “Em contrapartida, nunca o Brasil deteriorou tão rápido suas contas públicas; e de modo tão estrutural. Fato que nos leva agora à quase depressão econômica e a um novo retrocesso social”.

Como seria natural, deveria haver um gráfico a sustentar a grosseira manipulação da manchete. No entanto, o material editorializado da Folha “esconde a mão”. O/a leitor/a não irá encontrar, nas páginas A12 e A13 (do impresso) ou no especial publicado na Folha Online nenhum gráfico com os dados a respeito da percepção sobre a melhora ou não de vida dos entrevistados.

Os dados mais contundentes, que desnudam a farsa montada na manchete estão publicados com destaque na página A12, quando se fala em evolução da Renda Familiar (observe o gráfico aqui). A chamada de Capa da Folha não consegue esconder esse dado: “No período, todas as faixas sociais tiveram aumento de renda”. Todas as classes sociais foram beneficiadas pela política econômica dos últimos 13 anos, sem exceção.

“Já chega”

Este é o título de um vistoso editorial, publicado na Primeira Página da Folha de S. Paulo (ed. 13/12), pedindo o afastamento imediato de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara dos Deputados, e da vida pública nacional.

Num texto breve (de seis parágrafos), o editorialista do jornal conclui clamando: “O personagem que Eduardo Cunha representa, plasmado em desfaçatez e prepotência, está com os dias contados – ele próprio sabe disso. É imperativo abreviar essa farsa, para que o processo de impeachment, seja qual for seu desenlace, transcorra com a necessária limpidez”.

Na outra ponta, o jornal O Globo (edição impressa) conseguiu inovar em sua edição de sábado (a de menor tiragem da semana, por mera coincidência): publicar um editorial sem opinião pedindo a renúncia de Cunha. 

Sob o título ambíguo “Venceu o prazo de validade de Eduardo Cunha”, em oito parágrafos, o editorialista d’O Globo se ocupa de atacar duramente o Partido dos Trabalhadores (a quem atribui responsabilidade total pelas relações fisiológicas do Congresso), recheia de informações e fatos históricos (desde os tempos do Império) para concluir candidamente: “O presidente da Câmara deveria renunciar ao cargo, para se dedicar à sua defesa, sem atrapalhar os trabalhos da Casa. Seu tempo acabou”.

Nas cenas dos próximos capítulos você verá, em todos os canais da mídia corporativa e monopolista, um esforço concentrado para explicar o fracasso das manifestações pró-impeachment, chamadas para o dia 13 de dezembro. A ver.

Samuel Lima, Professor da Faculdade de Comunicação da UnB; pesquisador do Laboratório de Sociologia do Trabalho (LASTRO/UFSC) e do Observatório da Ética Jornalística (objETHOS/UFSC).
No Manuel Dutra
Leia Mais ►