8 de out de 2015

Dono da UTC quer provar que dinheiro para campanha da Dilma não é de contrato da Petrobras

A defesa de Ricardo Pessoa, dono da UTC, reúne documentos para tentar provar que os valores doados à campanha de reeleição de Dilma vieram de caixa único da empreiteira, e não de contrato específico da Petrobras.

(...)

Para isso, os advogados usarão o grampo da própria Polícia Federal com a troca de mensagens entre Pessoa e Walmir Pinheiro, ex-diretor financeiro da UTC, falando em resgatar R$ 5 milhões das contas da empresa no banco. Argumento: A defesa de Pessoa dirá que o resgate se refere à retirada de dinheiro que estava em aplicações financeiras da companhia.

(Notinha escondida no rodapé da página interna da Folha)

Leia Mais ►

El Che Guevara en cuatro facetas

El Che Guevara sigue siendo el eterno revolucionario. 
Foto: Cubadebate
El filósofo francés Jean-Paul Sartre lo calificó como “el ser humano más completo de nuestra era”. Cuando se cumplen 48 años de su detención y posterior asesinato, teleSUR presenta cuatro facetas de este insigne argentino, que no solo fue un político y revolucionario destacado, sino también cronista, poeta y padre.

Una foto vuelta símbolo, devenida icono de quienes sueñan un mundo mejor, recorre el orbe reproducida en franelas, afiches, tatuajes, carteles.

El 5 de marzo de 1960 el fotógrafo Alberto Korda captó la imagen del guerrillero argentino-cubano Ernesto “Che” Guevara durante las honras fúnebres realizadas en La Habana a las víctimas del sabotaje contra el vapor francés “La Coubre”.

No sabía entonces el antillano que esa instantánea se volvería una de las más reproducidas del mundo y que, incluso quienes la lucen solo por moda, sin conocer quizás la inmensidad del hombre detrás de la imagen, también rinden homenaje a uno de los revolucionarios más grandes de América Latina.

Con motivo del aniversario 48 de su detención en Bolivia y su asesinato un día después, teleSUR honra a Ernesto “Che” Guevara recordando varias de sus facetas más destacadas.

El revolucionario


Pese a que provino de una clase argentina bien posicionada, la historia del Che evidencia que desde muy joven quería instaurar cambios. Padeciendo asma desde niño, en la juventud mostró especial interés por investigar posibles curas y hacer menos difícil la vida a las personas que sufrían esa enfermedad.

La adolescencia del Che estuvo muy marcada por su convicción transformadora. En esa época, hizo el memorable viaje en motocicleta por América Latina, donde conoció algunas provincias de Argentina, Chile, Perú, Colombia y Venezuela.

"Ese vagar sin rumbo por nuestra Mayúscula América me ha cambiado más de lo que creí", relata una de las crónicas posteriores al viaje.

En su diario personal, el Che relató que la visita a las minas de cobre de Chuquicamata (Chile) resultó particularmente reveladora, porque en ningún lugar como aquel habían chocado con semejante grado de explotación de los obreros, de discriminación del nativo respecto al yanqui.

Tras su segundo viaje, en el que conoció Bolivia, Perú, Ecuador, Colombia, Panamá, Costa Rica, El Salvador y Guatemala, da muestras de su profundo humanismo, destaca su modo revolucionario de pensar y ratifica su firme antimperialismo.

El periodista


Aunque su profesión de médico no tenía que ver con las letras, es absurdo tratar de ocultar la vocación cronista de Ernesto Che Guevara, que en todas sus travesías, estaba dispuesto a dejar apuntes de su realidad, de su entorno.

Muchos afirman que la calidad literaria de este revolucionario era superior a la del promedio. Es importante decir que el Che no se limitó solo a lo político, en sus textos hay también deportes y cultura.

Antes de comenzar a escribir su primer libro "La función del médico en América Latina" (que nunca salió a la luz pública), el Che ya había publicado dos notas en la Revista Siete y seis en Tackie (una publicación dedicada al público del rugby).

Además de esto, el Che fue contratado como corresponsal de Agencia Latina, creó el periódico independiente "El Cubano Libre", dio inicio a las transmisiones de Radio Rebelde y participó en la creación de la agencia Prensa Latina.

Uno de sus textos más celebrados fue "El Socialismo y el Hombre Nuevo", publicado originalmente en el Semanario Marcha.

El poeta


Ni más grande ni más pequeña que la faceta revolucionaria y humanista, el Che Guevara tenía un lado poético imposible de ocultar y que empezó a desarrollarse incluso desde muy joven.

La primera mujer de Guevara, Hilda Gadea señaló en su libro de memorias:

“(Ernesto) Tenía un largo conocimiento de la poesía latinoamericana y recitaba con facilidad versos de Neruda, al que mucho admiraba. Entre sus poetas favoritos estaban Federico García Lorca, Miguel Hernández, Antonio Machado, Gabriela Mistral, Cesar Vallejo, algunos argentinos como José Hernández, del que sabía de corrido todo el Martin Fierro, Jorge Luis Borges, Leopoldo Marechal, Alfonsina Storni y las uruguayas Juana de Ibarbourou y Sara de Ibáñez”.

Gadea también ha dicho que "Ernesto, cuando estaba cansado de leer, la alzaba y le recitaba cualquier cosa, en voz alta para que yo también la oyera desde el sitio donde me encontrara".

El sentido cultural del Che estaba bastante desarrollado, incluso en la música. El escritor Paco Ignacio Taibo II en su libro Ernesto Guevara, dice: “Y en medio de este desastre, el Che cantaba tangos desafinados", un comentario que Gadea complementa entre risas: "Como no conseguía entonarlos, me recitaba algunos de los tangos. Terminaba siempre con El día que me quieras, que me había recitado en Guatemala cuando nos enamoramos…"

La literatura y la poesía siempre acompañaron al Che. Según muchos estudiosos de su figura, esta es probablemente una de las cosas que más hizo despertar su lado humano. De hecho, en ocasiones, él mismo se enfrentó al papel y escribió sus propias líneas. (Si quieres ver algunos de sus poemas, haz click aquí)

El padre


Al fallecer, el Che dejó a cinco hijos: Hilda, de su primer matrimonio con Hilda Gadea; y los otros cuatro con su segunda esposa, Aleida March.

Aleida, la segunda y mayor del segundo matrimonio del Che, siempre lo describe como un hombre no solo tierno y amoroso, sino muy trabajador.

"Mi papá me besaba en la oscuridad. Cuando él llegaba, yo casi siempre estaba acostada con mi mamá con la excusa de acompañarla. Entonces venía él, me cargaba en sus brazos y me llevaba a mi cama. Me daba un beso tan apretado que casi siempre me despertaba. Yo pensaba: en la oscuridad del cuarto una persona me está apretando y no logro ver quién es", cuenta en su libro.

"Yo me siento orgullosa por quien fue y es mi padre. El rompió fronteras", agregó Aleida.

Por otro lado, Ernesto Guevara March también ha destacado durante toda su vida el legado de su padre.

Debido a sus infinitas ocupaciones como líder revolucionario, Ernesto Che Guevara no podía dedicar tantos momentos a su hijos, sin embargo, era notable el amor que sentía por ellos y que se desborda en sus escritos:

"Crezcan como buenos revolucionarios. Estudien mucho para poder dominar la técnica que permite dominar la naturaleza. Acuérdense que la revolución es lo importante y que cada uno de nosotros, solo, no vale nada. Sobre todo, sean siempre capaces de sentir en lo más hondo cualquier injusticia cometida contra cualquiera en cualquier parte del mundo. Es la cualidad más linda de un revolucionario. Hasta siempre, hijitos, espero verlos todavía. Un beso grandote y un gran abrazo de papa” - Extracto de la carta de Ernesto ‘Che’ Guevara, a sus hijos.


teleSUR te invita a descargar el Diario del Che Guevara en su versión PDF.
Leia Mais ►

Ele não está só: quem é a advogada que pegou carona em Hélio Bicudo

Janaina Paschoal e Hélio Bicudo no Roda Viva
No depoimento que deu ao DCM sobre seu pai Hélio Bicudo, o professor José Eduardo apontou que o “rancor desmedido e os limites impostos por ele aos próprios familiares” o fizeram “se aproximar de pessoas que certamente o estão usando”.

Bicudo está lúcido e, aparentemente, sabe o que faz, mas entre os que estão pegando carona em sua empreitada brilha a estrela de Janaina Conceição Paschoal.

Aos 41 anos, advogada, professora de direito penal na USP, Janaina é co-signatária do pedido de impeachment que deve ser arquivado por falta de provas (o terceiro autor é o jurista Miguel Reale Júnior).

Arquiconservadora, figura conhecida dos movimentos de direita que foram às ruas — chegou a discursar de cima de um carro de som no protesto de 16 de agosto —, Janaina ganhou maior visibilidade no Roda Viva.

Sentada ao lado de Bicudo, aproveitou cada chance para dar seu recado. Fez um discurso longo e inflamado sobre as “ditaduras reverenciadas pelo PT”, repetindo clichês sobre “a institucionalização da corrupção”. O PSDB é diferente, diz ela.

É preciso fazer alguma coisa agora “para impedir que o Brasil vire uma Venezuela, antes que os oposicionistas comecem a apanhar no Congresso e que aqueles que ousam falar alguma coisa contra sejam presos”.

Essa ladainha paranoica revoltada on line é repetida ad nauseum. Janaina é a personificação de uma página de Facebook. Volta e meia, publica artigos alarmistas. Já se declarou preocupada com as “forças ocultas” que “manipulam nossos jovens marxistas de twitter” (??).

A falta de provas não a impede de acusar desafetos, reais ou fantasmagóricos. Pelo jeito, é uma marca que deveria servir de alerta para seus pobres alunos. Em 2013, mandou ver o seguinte sobre as manifestações: “Segundo consta, funcionários da Presidência da República, subordinados a Gilberto Carvalho, foram organizadores e fomentadores do protesto (sic)”.

Defendeu a estudante Mayara Petruso, aquela que convidou os paulistas a afogar os nordestinos em 2010, após a eleição de Dilma. Para Janaina, claro, a culpa era de Lula, que separa “o Brasil em Norte e Sul. É ele quem faz questão de cindir o povo brasileiro em pobres e ricos”.

Janaina afirma que foi dela que partiu a iniciativa do documento do impeachment com Bicudo. “Esse pedido nasceu aqui”, falou, orgulhosa, ao Estadão, no Largo de São Francisco.

Para um farol megalomaníaco da democracia, peca demais tecnicamente. O provável arquivamento é o desfecho de uma série de problemas da papelada encaminhada a Eduardo Cunha.

Quando o requerimento foi protocolado, descobriu-se que Bicudo não tinha título de eleitor. Mais tarde, no início de setembro, Cunha devolveu novamente a documentação porque havia “erros formais”. Para a infalível Janaina, um absurdo. “Foi uma sacanagem que fizeram comigo”, declarou.

Em maio, ainda segundo o Estado, recebeu 45 mil reais do PSDB para auxiliar Reale a produzir seu parecer sobre o impedimento de Dilma Roussef. Janaina pode ser uma patriota e uma cidadã de bem, mas não é trouxa e sabe que esse negócio de antibolivarianismo não dá apenas ibope.

Kiko Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

Coaf detecta depósitos sem identificação para Agripino Maia

Ele — Rabo de palha hipócrita

O Coaf, órgão de inteligência financeira vinculado ao Ministério da Fazenda, detectou uma série de depósitos em espécie de forma fragmentada e sem identificação dos depositantes, no valor total de R$ 169,4 mil, em contas bancárias do senador José Agripino Maia (DEM-RN), presidente nacional do DEMo e um dos principais nomes da oposição. Segundo relatório do Coaf, a movimentação "sugeriria tentativa de burla dos mecanismos de controle e tentativa de ocultação da identidade do depositante".

O relatório do Coaf integra o inquérito aberto nesta quarta-feira (7) por decisão do ministro Luís Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), para investigar o senador a pedido da PGR (Procuradoria Geral da República).

Segundo o Coaf, movimentações suspeitas foram realizadas no mesmo dia, 27 de outubro de 2014, no final da campanha eleitoral do ano passado. As contas do senador receberam seis depósitos de R$ 9.900 mil cada um no caixa do banco em um total de R$ 59,4 mil, além de outros 44 depósitos em espécie, em envelopes no caixa eletrônico, cada um deles com R$ 2.500.

O Coaf ressaltou "a ocorrência de tais operações em espécie, no mesmo dia, com valor global de R$ 169,4 mil", sem que os nomes dos depositantes fossem conhecidos. Pelas regras em vigor, segundo o Coaf, os valores dos depósitos registrados no caso de Agripino "dispensam a identificação". Os bancos devem identificar, em seus controles internos, os autores de depósitos acima de R$ 10.000 e comunicar ao Coaf transações do gênero acima de R$ 30 mil.

Entre outros depósitos para Agripino, com identificação, um motorista do Senado colocou R$ 95 mil, em espécie, na conta do senador, além de ter feito dois depósitos, um de R$ 9.000 e outro de R$ 9.100, "em espécie na mesma sessão de caixa" e na mesma agência. Outra servidora pública, lotada no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, fez quatro depósitos fracionados de R$ 9.000.

Na petição que protocolou no último dia 29 no STF para pedir a abertura do inquérito, o procurador-geral da República Rodrigo Janot escreveu que as operações detectadas pelo Coaf "abrangem movimentação de valores em espécie de forma fracionada em contas bancárias, transferências de quantias entre familiares e empresas em nome familiares e até mesmo depósitos em dinheiro feitos por um motorista do Senado Federal".

O foco do inquérito é a suspeita, segundo a PGR, de que Agripino solicitou e recebeu "vantagens indevidas" em troca de "auxílio do parlamentar na superação de entraves e liberação de recursos do financiamento" do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para a construção do estádio de futebol Arenas das Dunas, entre 2011 e 2014. Segundo Janot, as movimentações detectadas pelo Coaf ocorreram na mesma época das obras. O inquérito é um desdobramento da Operação Lava Jato.
Leia Mais ►

'Impeachment é problema, e não solução', diz Janine

Para Renato Janine Ribeiro, que deixou pasta da Educação, Parlamento tem projetos onerosos para momento de crise

Renato Janine Ribeiro, ex-ministro da Educação
Ao deixar o Ministério da Educação (MEC), assumido na quarta por Aloizio Mercadante, o filósofo Renato Janine Ribeiro disse que não se sentiu usado pelo governo, embora tenha ficado menos de seis meses no cargo. Para ele, que agora pretende se dedicar a escrever um livro de filosofia política e outro de crítica de arte, a difícil situação política levou à troca na pasta contra a vontade da presidente. Em relação à possibilidade de impeachment de Dilma Rousseff, Janine acredita que há "ilusão" no debate sobre as vantagens da medida. "Ao tirar o mandatário eleito, há problema, e não solução."

O senhor se sentiu "usado" por ter sido nomeado em abril e afastado poucos meses depois?

Não. A presidente foi muito clara, extremamente gentil e cordial comigo. Explicou que era uma coisa que ela não queria fazer, mas estava fazendo devido a todo esse conjunto de problemas políticos. Vejo que o ministro Mercadante vai dar continuidade a tudo que foi elaborado pela minha equipe. Não me senti usado, mas acho que a situação política está difícil no Brasil. Nesta situação, acontecem coisas que não são as preferidas das pessoas.

Não causa preocupação que o MEC tenha entrado na negociação da reforma ministerial?

Se você dissesse isso do Ministério da Saúde, eu entenderia. Não do MEC, que foi confiado a um ex-ministro da Educação, que era o ministro principal do governo.

Mas não foi um reflexo da negociação política?

Só quero dizer que a passagem ao ministro Mercadante não representa vulnerabilidade ao ministério. Quando falamos em negociação política, faz parecer que o governo tornou o ministério vulnerável a pressões. E não está.

A presidente tornou o governo mais vulnerável nessa reforma ministerial?

Ainda não tenho distância suficiente para fazer este tipo de análise política.

A instabilidade política afetou as ações do MEC?

Não diria isso. Estamos com uma dificuldade econômica séria, que afeta todo o resto: a política, o orçamento. A instabilidade política é pela falta de dinheiro, não o contrário. E neste quadro, há setores que fazem pressões mais absurdas. É absolutamente espantoso imaginar que em um momento em que o Brasil está cortando despesas tão fundamentais, como educação e saúde, haja um Congresso com projetos extremamente onerosos. É uma falta de responsabilidade. Mas o MEC foi extremamente preservado destas pressões.

A oposição prejudica o debate sobre educação?

Podemos discordar quanto às medidas a serem tomadas, mas o diagnóstico é próximo. Do lado do governo, temos certas opções do que fazer, da oposição, outras. Na política, não, a própria descrição dos fatos pela direita e pela esquerda é diferente. O que vai fazer o futuro do País não são as fofocas deste ano, as borbulhas políticas. O que vai construir o futuro é a educação.

Para o senhor, a oposição quer tomar o poder à força?

Não à força. Não vejo nada como um golpe militar. Mas há pessoas que pensam que ao retirar o mandato da presidente Dilma, se resolvem os problemas. Ao tirar o mandatário eleito, não há solução, mas problema. Há ilusão sobre isso na discussão política brasileira.

Como o senhor avalia sua passagem pelo MEC?

Foi um tempo difícil por causa da falta de recursos, que foi crescendo. Mas foi também um período rico, porque era preciso fazer as coisas de uma forma que exigia mudanças de atitude. Em ocasiões de crise, você tem de utilizar os recursos para melhorar os projetos, para que se tenha programas melhores na sequência. Uma coisa que eu comecei a fazer foi rever ações. Pensar nas boas intenções que não estavam produzindo resultado desejado e mudá-las. Também senti orgulho de que tenhamos sido transparentes. Anunciamos o resultado da alfabetização (Avaliação Nacional de Alfabetização), mesmo com resultados espantosos. O fato de anunciar estes dados mostra que você está realmente disposto a enfrentar o problema.

Qual é o principal problema para avançar na educação?

A educação não tem a popularidade da saúde. Na educação, não há a mesma sensação de urgência. Os pais não sabem avaliar se a educação dos filhos é boa ou ruim. Mas se o pai leva o filho ao hospital e ele continua com febre, sabe avaliar. Com isso, há uma demanda social por educação que é menor do que na saúde. E é um erro achar que soluções vêm de cima para baixo. De que o ministro precisa fazer, de que a presidente precisa, por causa da Pátria Educadora. Tem que inverter essa pirâmide. Uma demanda por educação que venha de baixo para cima: que as pessoas se preocupem com qualidade da educação, com planos de educação, sem cair na bobagem da discussão de gênero, promovida por grupos conservadores.

Com crise política e ajuste fiscal, a presidente errou ao escolher o slogan 'Pátria Educadora'?

Esse slogan é muito mais abrangente do que apenas a educação. Ele não está só na questão do ensino ou do desempenho escolar. Conseguimos, em algumas partes do Brasil, mas não em outras, o respeito no trânsito, por exemplo. O fato de que o motorista para o carro para o pedestre passar. Isso faz parte da Pátria Educadora, é um conceito abrangente. Outra questão é o respeito ao outro e da discussão com argumentação. É algo que no Brasil, infelizmente, é precário. Não se trata apenas de obter um diploma.

Vai haver atraso no cumprimento das metas do Plano Nacional de Educação (PNE)?

Quando você tem metas vinculadas ao dinheiro, fica difícil. Sabemos que não há dinheiro hoje para fazer com que no ano que vem haja tudo que estava previsto no PNE, vai haver alguns anos de atraso. Mas o PNE não pode ser entendido só pelo dinheiro. É um projeto articulado de como se melhora a educação no Brasil. Quando cheguei ao MEC, orientei secretários para tratar das estratégias, que são os tijolos de construção das metas do PNE. A ideia era pegar as estratégias de baixo custo ou custo zero, deixar tudo pronto para quando a economia melhorar. A Base Nacional Comum, por exemplo. Temos de fazer o que não depende de dinheiro, mas de inteligência, dedicação, mudanças de métodos.

O que o MEC deve priorizar nos próximos anos?

O Brasil deveria entender que a alfabetização na idade certa é prioridade zero, porque tem pior efeito na sequência. Se o menino e a menina de oito anos termina o terceiro ano do ensino fundamental sem saber ler, escrever ou fazer contas, o risco é enorme de que jamais aprenda, é uma bola de neve.

Luiz Fernando Toledo
No Estadão
Leia Mais ►

Janot confirma: Cunha tem conta na Suíça




Procuradoria Geral da República, a partir de pedido de informações do PSOL, confirma que Eduardo Cunha possui conta na Suíça. De posse deste documento, entraremos com representação contra o presidente da Casa, na terça-feira que vem, no Conselho de Ética da Câmara.

A diferença desta representação para outros processos já realizados é que, no Conselho de Ética, todos os partidos, hoje mudos, terão de se manifestar sobre o caso.

Abaixo a íntegra da resposta da PGR, assinada por Rodrigo Janot, ao ofício da bancada do PSOL solicitando informações sobre as contas no exterior de Eduardo Cunha.

A partir de seu conteúdo, que confirma a existência de tais contas em nome do atual presidente da Câmara, o PSOL entrará com uma nova representação contra Cunha no Conselho de Ética da Casa por quebra de decoro parlamentar.

12039174_729270873843813_7498283731305005944_o12032681_729270877177146_853808640723897527_o
Leia Mais ►

Bandeira de Mello: Sem base legal, impeachment é espernear de coxinhas

“Não há base legal nenhuma para impeachment.” A enfática declaração parte de um dos juristas mais respeitados do país. Em entrevista ao Portal Vermelho, Celso Antônio Bandeira de Mello, considerado o maior especialista em Direito Administrativo brasileiro, classifica a tentativa de derrubar Dilma Rousseff como “um espernear dos coxinhas”, um tipo de “golpe disfarçado”. Para ele, a oposição – com aval da mídia – tem medo de enfrentar o ex-presidente Lula em 2018 e quer “ganhar no tapetão”.

Na última quinta (1), Bandeira de Mello recebeu a reportagem do Portal Vermelho em seu escritório, localizado em uma esquina da Avenida Paulista. Simpático — e também ácido em algumas colocações —, ele conversou com a equipe por mais de uma hora. Avaliou a atual conjuntura política, fez críticas à mídia, à sua influência sobre o Judiciário e à classe média alta brasileira. Entre uma história e outra, defendeu a manutenção do mandato de Dilma e os êxitos da gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Eu não acho que vai haver impeachment. O que há é o seguinte: você perde em campo, você foi esmagado no campo, então você vai querer ganhar no tapetão se puder. Mas não existe base nenhuma para impeachment. A demonstração disso é que chegou a haver gente que queria responsabilizar [a presidenta] por um mandato anterior. Isso é um absurdo, uma coisa ridícula. Daqui a pouco, se o sujeito for presidente, 10, 20 anos depois, você vai responsabilizar ele pelo mandato anterior?”, questionou o jurista.


A referência é à tentativa da oposição de usar, como base para um afastamento da presidenta, as chamadas “pedaladas fiscais” — utilização de dinheiro de bancos públicos para pagar benefícios sociais e aumentar o superavit primário na gestão anterior. O Tribunal de Contas da União marcou para esta quarta (7) o julgamento das contas de 2014 do governo, que avalia a questão.

De acordo com Bandeira de Mello, mesmo que o TCU rejeite as contas, não há razão para um afastamento. Um indicativo de que as coisas não estariam relacionadas, segundo o jurista, seria a diferença entre o quórum necessário para aprovar as contas e aquele exigido para a admissão de crime de responsabilidade. “Para o Legislativo rejeitar as contas de um presidente, pode ser por uma maioria simples. Ao passo que o quórum necessário para admissão da denúncia [de crime de responsabilidade] é altíssimo. Já se vê que o constituinte teve essas coisas como absolutamente distintas’, avaliou, em conversa com o Vermelho.


Indagado sobre o pedido de impeachment assinado pelo seu colega, o jurista Hélio Bicudo, Celso Antônio Bandeira de Mello informou que sequer leu a peça. “Achei que não valia a pena. Para mim, é evidente que tudo isso é um espernear dos coxinhas. Juridicamente, essas coisas são todas sem sentido. Não é o caso de eu perder meu tempo lendo isso, coisas que, de antemão, você desqualifica”, afirmou, para em seguida ressaltar que admira Bicudo pela coragem que teve ao combater o esquadrão da morte. “Mas daí a imaginar que ele esteja qualificado [para avalizar o impeachment]… Não vi ninguém até agora com qualificação na área do direito público [fazer isso]. No Direito brasileiro você não vai encontrar publicistas de grande valor de direita”, opinou.


Para ele, que é professor da PUC-SP, as motivações da oposição em campanha pela derrubada da presidenta são apenas políticas. “É preciso um grande cuidado para não confundir aquilo que é um sentimento político pessoal com aquilo que, na verdade, o Direito estabelece. Há casos em que, se você não consegue fazer por bem, quer fazer por mal. Nessa situação, não pude deixar de pensar em um personagem de Eça de Queiros, que dizia assim: se não vai na palavra, vai na murraça”, compara.


Bandeira de Mello defendeu ainda que um eventual impedimento da presidenta seria “uma catástrofe” para o país. “Seria a demonstração de que não adianta ser eleito. Milhões de pessoas escolhem um presidente, e algumas centenas tiram. Precisa de algo sério demais para acontecer isso. Do contrário, a democracia não vale nada. Tirar a Dilma sob acusações, eu diria, ingênuas seria para democracia algo muito ruim”, destacou.


Mídia, inimiga do Brasil

O jurista contou ao Vermelho que vê com desgosto e tristeza o atual momento da política brasileira. Mas, bem-humorado, disse que não crê que o país esteja tão mal hoje, quanto no tempo do governo do PSDB. “Se você pensar, no governo daquele senhor Fernando — não o defenestrado — o outro, que está por aí, pontificando como sempre, o Brasil quebrou duas vezes. O que eu estou chamando de quebrar? Não ter o suficiente e precisar recorrer ao FMI. No governo dele, duas vezes o Brasil recorreu ao Fundo Monetário Internacional. Hoje, não. Hoje temos dinheiro no FMI, quer dizer, nós não estamos tão ruins, como estivemos.”


Segundo ele, a diferença é que hoje a mídia está em campanha contra Dilma. “A imprensa não dizia nada, pelo menos nada de tão pavoroso como passou a dizer no governo Dilma. Então não estou tão impressionado assim com a situação econômica. É que houve notoriamente uma crise internacional muito grande. A Dilma pegou essa crise. Eu não vou dizer que a administração dela é isso e aquilo, porque não sou político, não estou por dentro, mas, seguramente, não é calamitosa como a de Fernando Henrique. Logo, o que há de diferente? Há que a imprensa resolveu derrubar a Dilma.”


Crítico contumaz da mídia tradicional brasileira, o jurista ressaltou o poder dos veículos de comunicação e sua capacidade de interferir na conjuntura. “O poder da mídia é muito grande, então fica essa sensação de que o Brasil está mal. Se um de nós aqui fosse empresário e todo dia lesse que o Brasil está mal, que o Brasil não paga, isso e aquilo. Ia investir? É claro que não ia. Só um louco iria. Isso significa um aprofundamento da situação”, apontou.


Diante deste cenário, Bandeira de Melo não hesita em dizer: “Eu acho que a mídia é o grande inimigo do Brasil”. Segundo ele, a concentração e a propriedade cruzada dos meios de comunicação é algo “calamitoso” para o país.


“Meia dúzia de indivíduos controlam os meios de comunicação. Como é possível que alguém tenha um controle tão grande dos meios de comunicação e faça a cabeça dos brasileiros? A televisão é uma tecnologia de primeiro mundo, em cima da cabeça do terceiro. É evidente que aquilo entra como faca em manteiga quente. Faz o que quiser. Não é como em outros países, onde as pessoas têm muitas fontes de informação para se averberar”, condenou.


Bandeira de Mello brincou, dizendo que, em um determinado momento, comemorou o encolhimento da Folha de S. Paulo, jornal que ele já chegou a processar. “Encolheu tanto, ficou fininho o jornal, que eu cheguei a pensar que fosse virar um selo, mas parece que já se recuperou. O fim desses meios de comunicação seria um bem para o Brasil, eu acho. Porque eles parecem que não têm o menor sentimento de amor à pátria”, disparou.


Segundo ele, a mídia tem exercido uma influência perniciosa, inclusive sobre o Judiciário. “Juiz tem mais medo de imprensa que o gato tem do cachorro”, criticou, citando o julgamento do “mensalão” como a maior demonstração dessa interferência.


Ao comentar a situação da mídia brasileira, o jurista contrapôs a postura do governo do PT à adotada pela presidenta Cristina Kirchner, na Argentina. “O grande pecado, ao meu ver, do governo PT foi não ter feito uma regulamentação da mídia. A Cristina teve coragem de enfrentar o grupo Clarín. No Brasil ninguém teve coragem de enfrentar esses grupos. Então eles estão aí, pintam e bordam, inconsequentemente. Até porque o Judiciário, quando condena a mídia, condena a valores insignificantes. Eu acho que a mídia, quando fosse condenada, tinha que ser a vários e vários milhões de reais. Era a única maneira de sentir na carne”, defendeu.


Delação sob tortura


Na entrevista ao Vermelho, Bandeira de Mello falou ainda sobre a Operação Laja Jato. De acordo com ele, as investigações têm sido conduzidas com violação aos princípios fundamentais do Estado Democrático de Direito. “Quando menino, a gente aprende que uma das piores coisas que podem acontecer é você ser um dedo-duro. Agora, no Brasil, você ser dedo-duro parece que virou título de glória”, alfinetou, referindo-se ao fato de grande parte das denúncias estarem amparadas em depoimentos obtidos em delações premiadas.


Bandeira de Mello questionou a validade das denúncias promovidas por investigados. “Você vai e mete uma pessoa na cadeia e vai mantendo ela indefinidamente, em condições odiosas. É uma verdadeira tortura, até você falar. Que raio de delação é essa? Que valor tem isso? Eu diria que nem ao menos é a delação premiada. Pelo que eu saiba, nos Estados Unidos, eles não torturam as pessoas para o cara fazer delação. No Brasil, esse juiz [Sérgio Moro, que comanda a Lava Jato] bota essa gente na cadeia e vai ficando. Tem gente que está há 11 meses presa. Meu Deus do céu! O cara diz qualquer coisa que você quiser que diga. Então, não acredito nessas tais delações”, criticou.


O professor avalia que o fatiamento dos processos relacionados à Operação Lava Jato era inevitável, uma vez que um mesmo juiz não pode ter jurisdição sobre tudo que ocorre no país. “De repente ele [Moro] virou um juiz universal. Só porque ele gosta, ou sei lá, prende pessoa a torto e a direito”, disse.


Em seguida, um pouco reticente, afirmou: “Olhe, eu vou emitir uma opinião, talvez audaciosa e que não se cumpra jamais. Assim que passar toda essa onda que está havendo, todo esse endeusamento, eu acho que esse homem [Moro] corre risco de que o Conselho Nacional de Justiça aplique uma punição a ele. O destino desse homem, o futuro não é tão bom quanto ele imagina. Não é correto você fazer o que ele anda fazendo. Ele não respeita os direitos humanos”, opinou.


O Direito não muda o mundo


Especialmente após as manifestações de 2013 e as denúncias de corrupção envolvendo políticos e empresários, o tema da Reforma Política ganhou força entre diferentes atores. Para Bandeira de Mello, no entanto, a Constituição brasileira já é “excelente” e não precisa de reforma. Precisaria apenas ser aplicada, além de ter regulamentadas algumas questões, como a das comunicações.


“Uma Constituição que diz quais são os objetivos da República Federativa do Brasil e começa por dizer ‘constituir uma sociedade livre, justa e solidária’; uma Constituição que coloca como fundamento da ordem econômica os princípios que ela coloca e, quando trata da ordem social, ela valoriza em primeiro lugar o trabalho, depois que vem o tema do capital; essa é uma Constituição maravilhosa. Ela é desrespeitada. O que nós precisaríamos é aplicar a Constituição”, defendeu.


Para ele, o problema do país e da política não está nos textos jurídicos. “Só economista acha que você muda o mundo mudando o Direito. Você não muda o mundo com isso. O mundo muda quando muda a cultura. O Direito ajuda numa certa direção ou noutra. É importante que o direito seja bom, mas achar que ele vai resolver, não resolve.”


O jurista citou, no entanto, como exemplo de algo danoso previsto na legislação até então o financiamento empresarial de campanha, que recentemente foi proibido pelo STF. “Você deixa que as empresas conduzam a política brasileira dando dinheiro”, resumiu. Para ele, a tentativa da oposição de voltar a discutir o assunto no Congresso, aprovando uma emenda constitucional, não terá êxito, uma vez que o entendimento do Supremo é o de que o financiamento empresarial de campanha fere cláusulas pétreas.


O professor defende que uma das questões que o país precisa combater é a das pessoas que não têm base popular, mas se elegem porque possuem apoio financeiro. “Uma vez, perguntei a um político qual era a pior coisa. Ele disse: uma campanha longa, porque o dinheiro acaba e os que têm mais dinheiro compram seus cabos eleitorais. Isso bem mostra o poder do dinheiro numa eleição.”


O jurista advoga então pelo fim da influência econômica para elevar a qualidade da política. “Na hora que acabar isso, quem vai se eleger? Desgraçadamente, gente de rádio e televisão. Há verdadeiros imbecis que conseguem se eleger porque falam para o povão. Um povo ainda inculto vai nessa conversa. Esse é o perigo que sobra quando não há dinheiro. Mas, fora daí, quem é? É o cara que milita junto ao povo. O sujeito que trabalha em organização sindical, por exemplo. É o sujeito que realiza obras de benemerência. E é assim que deve ser. São as pessoas ligadas ao povo que devem se eleger.”


O ódio da classe média alta


Ao afirmar que não costuma votar em candidatos que defendem a sua camada social, Bandeira de Mello fez então uma dura crítica à classe média alta brasileira, que teria raiva daqueles que ascenderam durante a gestão do ex-presidente Lula.


“A minha classe social talvez seja a pior de todas, a chamada classe média alta, porque os ricos não são tão ruins assim, eles só têm uma preocupação que é ganhar dinheiro”, declarou. Segundo ele, a classe média alta destila seu ódio contra aqueles que melhoraram de vida.


“Antigamente o cara não tinha dinheiro para pagar um ônibus para ir até a terra dele no Nordeste. Hoje em dia ele tem carro. Por quê? Eu não me incomodo de dizer a verdade. Porque o Lula fez isso. O Lula permitiu que o povão pudesse viver muito melhor. Esse tipo de gente [a classe média alta] é que não gosta do Lula. É gente que acha que ser doutor é título, não é. Aquela gente lá não é melhor que o povão em nada. Mas em nada”, comparou.


Segundo ele, são essas pessoas que querem agora afastar a presidenta do cargo. “É essa gente, que vem aqui na Paulista. Os chamados coxinhas, que vêm com bolsa Louis Vuitton, que querem derrubar a Dilma. Os outros, coitados, iludidos, vêm atrás. Não tem essa gente que fala em volta de regime militar? Gente que nem sabe o que é um regime militar, não sabe o horror que é.”


Sem retrocesso


Já no fim da entrevista, ao ser perguntado sobre as difíceis relações entre os poderes no país e as dificuldades do presidencialismo de coalizão, Celso Antônio Bandeira de Mello avaliou que o país passa por uma fase muito ruim. Lembrou que atualmente os presidentes da Câmara e do Senado são investigados por corrupção, mas destacou que, em épocas de desenvolvimento, desvios deste tipo costumam ser comuns. “É o período em que corre mais dinheiro, não é?”


Ele lembra então de uma viagem que fez por Suécia, Dinamarca e Noruega. “Lá, eu pensei que, se o mundo continuar progredindo, é aqui que vamos chegar. Você passa e não vê polícia. As pessoas obedecem porque obedecem mesmo. E as regras são rigorosamente cumpridas. Tinha muitos imigrantes, que todo mundo respeitava. Eu não vi gente pobre. Se o mundo continuar progredindo, acho que é isso. Quanto mais igualitária for a sociedade, melhor, mais felizes são as pessoas, maior a dignidade.”


Aos 78 anos, o prestigiado jurista avalia que, para o Brasil chegar lá, contudo, “tem muito chão”. “Ainda somos bastante subdesenvolvidos, desgraçadamente. E não vamos mudar isso de uma hora para outra. Claro que não vou ver nada disso, mas ficarei feliz sabendo que os meus netos vão ver. Já é uma grande coisa”, ponderou.


“Agora, se começarem com esse tipo de golpe disfarçado...”, completou o jurista, voltando a falar nas tentativas de derrubar o governo do PT. “Eles não estão satisfeitos porque perderam a eleição. Então esperem a próxima! Estão com tanto medo do Lula, que já querem inviabilizar que ele seja candidato. Eu reconheço, para eles é uma desgraça. Você ver gente simples, do povão, desfrutando das coisas que você desfruta? Para essa gente, dói”, atacou.


Segundo ele, as pessoas que são contra a redução das desigualdades e ameaçaram abandonar o Brasil quando Lula se elegeu, deveriam mesmo ter ido para Miami. “Meus Deus, tomara que eles vão mesmo, que saiam daqui pessoas com essa mentalidade, para o Brasil poder ir para a frente. E o Brasil irá para a frente. A história tem altos e baixos, mas ela não anda para trás. É só olharmos o passado para vermos que já vivemos momentos muito piores que esse. No mundo todo. E fomos devagarinho evoluindo, até chegar ao ponto de termos uma Dinamarca, uma Noruega”, conclui o esperançoso professor.

Joana Rozowykwiat
No Vermelho
Leia Mais ►

Cunha é flagrado batendo papo com Maluf em fila do idoso de banco suíço


Acusado de manter 5 milhões de dólares escondidos na Suíça, o deputado Eduardo Cunha foi flagrado, por uma câmera de segurança, batendo papo com Paulo Maluf na fila do idoso de um banco suíço.

Questionado sobre a filmagem, Cunha negou que seja ele no banco. “Trata-se, claramente, de um sósia. Eu jamais entraria em uma fila na minha vida, sempre passo na frente de todo mundo” se defendeu.

Pessoas próximas do deputado afirmam que ele está muito preocupado com as investigações e dizem que Cunha já gastou todos os 5 milhões de dólares em remédios para dormir.

Bruno Machado
No Sensacionalista
Leia Mais ►

Impeachment não pode ser usado como meio de luta política, diz Jaques Wagner

O ministro da Casa Civil enxerga como subversiva a postura dos oposicionistas que buscam a "construção do impeachment"

Wagner: "Usar redução da popularidade do governante para tirá-lo do poder é arriscado para a democracia"
José Cruz/ Agência Brasil
O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, disse nesta quarta-feira (7) que a busca do impeachment por parte da oposição é um ato “perigoso” para o país e para a própria democracia. Segundo o petista, que assumiu o cargo nesta quarta-feira, o impeachment não pode ser usado como meio de luta política. Ele substitui Aloizio Mercadante, que passa a ser o ministro da Educação.

“Considero que o impeachment é um instrumento poderosíssimo para casos muito bem determinados no texto constitucional. Por isso, acho um perigo as pessoas trabalharem o impeachment como se fosse um instrumento de luta política. Ele não trata de luta política. A luta política se trata no debate no Parlamento, na eleição”, afirmou, em sua primeira entrevista coletiva na nova função.

O ministro criticou a postura daqueles que, segundo ele, têm agido com o objetivo de “chegar ao impeachment”. “Isso, por si só, já está errado. Tomamos um ano falando o tempo todo que se precisa construir o impeachment, mas ninguém constrói impeachment, ninguém busca. Essa é a grande subversão na minha opinião.”

Wagner acrescentou que a redução da popularidade do governante não pode ser usada como justificativa para tirá-lo do poder. “Significa dizer, se for tocada nessa toada, que toda vez que se tiver um governo que está com a taxa de popularidade baixa, com dificuldade na sua maioria congressual, é a oportunidade para o impeachment? Acho (isso) um risco muito grande, principalmente, no ano em que a gente comemora 30 anos de democracia ininterrupta. Respeito quem está pregando mas, evidentemente, discordo porque acho que é um péssimo uso de uma ferramenta de exceção.”

Jaques Wagner disse que, neste momento, o principal desafio do governo é concluir a reforma administrativa e criar um ambiente positivo para retomada do crescimento. “O anúncio dos novos ministros e os cortes de ministérios são só o começo. Qualquer economia não tem um processo de sustentabilidade definitivo. A economia sempre recebe impacto até das economias de fora.”

TCU

Perguntado sobre o pedido do governo de suspeição do ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Augusto Nardes, relator das contas de 2014 do governo, Wagner disse esperar que o Supremo Tribunal Federal (STF) acate a argumentação apresentada pela Advocacia-Geral da União. "Esperamos que seja concedida essa liminar na medida em que apontamos razões concretas do ponto de vista processual. Se a liminar não vier, o ministro (Luís Inácio) Adams fará sua sustentação (no TCU) e vamos aguardar o resultado. Seja qual for o resultado, o próximo passo será na Comissão Mista do Orçamento, que é quem, definitivamente, fará o julgamento ou preparará o voto para análise do plenário."

Wagner ressaltou que, dentro do governo, não há o temor de que uma eventual rejeição das contas do governo implique a abertura de um processo de impeachment. "Qualquer governante espera a aprovação das suas contas, até porque não existe nenhuma caracterização de dolo nas contas", disse. "Mesmo que haja a rejeição das contas, que espero que não aconteça, isso não é sustentação para nenhum pedido de processo", acrescentou.

Ivan Richard
No Agência Brasil
Leia Mais ►

O covil do impeachment


Logo depois do voto do homem acusado no STF de embolsar dinheiro do Fisco. Augusto Nardes, a oposição reuniu-se na casa do homem acusado de receber propinas nos negócios da Petrobras e de manter dinheiro ilegal em constas na Suíça, Eduardo Cunha.

Entre os convivas um dos mais ilustres, quem sabe, o líder do DEM, Agripino Maia, objeto de um (não, de dois!) inquéritos por corrupção no Supremo.

O motivo? Debater como, com o voto de um e com as manobras regimentais de outros, derrubar-se-á do governo uma presidente que não tem, contra si, qualquer acusação de corrupção.

Para isso, contam com os votos garantidos de boa parte dos deputados (do PP, sobretudo) sob cujo apoio Paulo Roberto Costa montou a sua “base de apoio” na Petrobras na diretoria de Abastecimento, como Cunha a montou na Internacional.

Que, afinal, faz tempo que foram se bandeando para a oposição, porque a “acusada” demitiu Costas e Cerverós.

Esse é o resumo sem retoques do que está se passando hoje.

Então, com o apoio da mídia moralizadora, aqueles homens da moral assumirão o poder e o exercerão segundo os preceitos morais que já demonstraram.

Bom enredo para um romance, uma obra de ficção.

Para um país de verdade, do tamanho do nosso, uma ópera bufa ou, dependendo do seu desfecho, uma tragédia.

Fernando Brito
No Tijolaço
Leia Mais ►

Quem julga o TCU?




O Tribunal de Contas da União (TCU) rejeitou ontem o julgamento das contas do governo Dilma em 2014. O que seria uma votação protocolar — até então nunca uma conta presidencial havia sido rejeitada — converteu-se em grande evento nacional.

O PSDB e a parte do PMDB menos satisfeita com a distribuição do butim ministerial enxergam na rejeição a chance de atribuir crime de responsabilidade à presidenta da República, abrindo caminho para o impeachment. As contas de 2014 tornaram-se o atalho para governar o país sem ganhar eleições.

As tais "pedaladas fiscais" — atraso nos repasses orçamentários aos bancos públicos para atingir a meta fiscal — não foram inventadas pelo governo Dilma. Começaram em 2001, na gestão de Fernando Henrique Cardoso e repetiram-se anos a fio. Agora, 14 anos depois, parecem ter virado motivo para derrubar presidentes.

É claro que o buraco a que chegou o governo Dilma foi cavado, antes de tudo, por ele próprio. Desde as eleições iniciou-se uma comédia de erros e opções antipopulares. A agenda foi marcada pela política econômica recessiva e ataques a direitos sociais. Quanto mais a direita avança, mais o governo se endireita.

A política deste governo é a grande responsável por sua impopularidade recorde e não deve ser defendida. Isso é uma coisa. Outra coisa é usar essa situação para manobras golpistas — seja pelo TCU, pelo TSE ou pelo Congresso — que institucionalizem uma saída à direita ante da crise do governo petista.

Ministros do TCU decidiram de uma hora para a outra apresentarem-se como arautos da moralidade pública. E, embora as conspirações de bastidores vazem aqui e acolá, tentam tingir seu julgamento como imparcial e apolítico.

Apolítico é tudo o que o TCU não é. Dos nove ministros, seis são indicados pelo Congresso Nacional e três pelo presidente da República, com regras mais restritivas.

O atual presidente do Tribunal, Aroldo Cedraz, foi deputado federal pelo então PFL (hoje DEM). O relator das contas de Dilma, Augusto Nardes, começou a carreira na ditadura militar, como vereador pela Arena. Quando foi indicado ministro era deputado pelo PP, o partido mais comprometido na Lava Jato.

O ministro Vital do Rego Filho, o Vitalzinho, era senador pelo PMDB. Raimundo Carreiro e Bruno Dantas foram indicados pela proximidade com Renan Calheiros. E por aí vai, passando por PTB, PSB e indicados por Fernando Henrique. A maquiagem "técnica" e "apolítica" fica um tanto desbotada quanto se considera a procedência dos ministros.

Quanto à defesa da moralidade pública, convenhamos que há ministros do TCU devendo algumas explicações à sociedade, a começar pelo relator das contas de Dilma.

Augusto Nardes, novo herói da oposição, está sendo investigado pelo Ministério Público e pela Polícia Federal sob suspeita de ter recebido irregularmente R$ 1,65 milhão de uma empresa envolvida em fraudes fiscais,de acordo com a Operação Zelotes. Em mensagens interceptadas pela PF, os investigadores supõem que o ministro recebia a carinhosa alcunha de "tio", dado que seu sobrinho e sócio também tinha participação no negócio.

Nardes — ao lado do também ministro do TCU Múcio Monteiro — já havia aparecido nas páginas de jornais em 2013 no caso conhecido como dos "supersalários". Os ministros acumulavam o salário do TCU com a aposentadoria do Congresso Nacional, chegando a receber até R$ 47 mil por mês, quase o dobro do teto do serviço público.

Já Vital do Rego foi alvo de denúncia em julho deste ano por suposto desvio de R$ 10 milhões em contrato da Prefeitura de Campina Grande (PB) com uma empreiteira. O prefeito era seu irmão e, de acordo com o denunciante (ex-tesoureiro da prefeitura), o dinheiro teria ido para a campanha ao Senado do atual ministro.

Aroldo Cedraz, atual presidente do Tribunal, e seu vice Raimundo Carreiro foram citados na delação premiada de Ricardo Pessoa, que disse ter comprado por R$1 milhão uma decisão favorável do TCU à continuidade da licitação da usina de Angra 3 (http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/06/1648578-delator-diz-que-compr...). Pessoa disse ainda que pagava uma mesada de R$50 mil a Tiago Cedraz, filho de Aroldo, para obter informações sobre o processo.

Isso para citar os casos mais recentes e emblemáticos envolvendo ministros do TCU. Causa estranheza que o Tribunal e seus ministros sejam a grande esperança daqueles que dizem querer limpar o país da corrupção.

A indignação seletiva está se tornando um mal epidêmico no Brasil. Os novos "caçadores de marajás" andam de mãos dadas com Eduardo Cunha e exaltam a probidade do TCU. Não convencem.

As contas do governo foram julgadas pelo TCU. Agora, fica a pergunta: quem julgará as condutas dos ministros do TCU?

Guilherme Boulos
No fAlha
Leia Mais ►

Os crimes da Dilma

http://www.correiodopovo.com.br/blogs/juremirmachado/?p=7692

Que crime Dilma cometeu já provado até agora?

Nenhum.

O melhor que a oposição encontrou foram as ditas pedaladas fiscais, praticadas por todos desde Getúlio Vargas. Por que condenação só agora? Por que subitamente, graças ao impoluto Augusto Nardes e aos seus colegas do TCU, alguns deles investigados pelo STF e citados por delatores da Lava-Jato, se resolveu cumprir a lei e moralizar o país? Por que vem a calhar aos interesses golpistas? Casuísmo?

O crime da pedalada de Dilma é bem simples: mandou bancos públicos adiantarem o pagamento do Bolsa-Família e do Seguro Desemprego. Melhor seria ter deixado milhões de coitados desamparados?

Legal é a ilegalidade dos atrasos de pagamento? Não derruba governante.

O tucano Geraldo Alckmin já disse que todos pedalam e que isso não é razão para impeachment.

Geraldo tem interesse nas eleições de 2018.

Aécio Neves não tem. Daí o seu choro de perdedor.

Quer jogar de novo agora enquanto Geraldo não lhe toma o posto.

O PMDB faz jogo duplo.

O golpe está em marcha. O Brasil caminha para ser um imenso Paraguai.
Leia Mais ►

Agora, “Entrevista Coletiva” com Samuel Pinheiro Guimarães

O local é ruim para internet. A coletiva vai ser gravada, depois os blogs publicarão.

Leia Mais ►

O deputado e o motorista


Lamentável a violência ocorrida no episódio no qual o deputado Takayama (PSC-PR), de 67 anos, acabou levando um soco do motorista do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) nas vias de acesso ao Congresso Nacional.

Não é possível defender ou justificar qualquer violência, muito menos quando verificada a desproporcionalidade física entre os envolvidos. O deputado, afinal, é um idoso.

Porém, as imagens captadas pelo sistema de segurança da Polícia Legislativa do Congresso são inquestionáveis. Os vídeos, que foram divulgados, claramente comprovam que: (a) não houve manobra de risco acentuado por parte do motorista quando dirigindo; (b) o deputado inicia a agressão ao desferir um tapa ou um soco no motorista, que somente então revida.



Além disso, aparentemente as lesões derivaram mais da forma com que se deu a queda do deputado, do que propriamente do soco que recebeu.

Em princípio, não cabe tecer considerações sobre fatos que não testemunhamos diretamente. As verdades são múltiplas e possuem tantas versões quantas são as pessoas que as contam.

Contudo, talvez porque o motorista sirva a um parlamentar do PT, ele está sendo massacrado pela opinião pública como um agressor de idosos. Assim, cabe levantar um contraponto.

Não conheço o deputado agredido, muito menos seu caráter, mas sabemos sobre a natureza geral das micro e macro relações de poder em nossa sociedade, brilhantemente destrinchadas por Sérgio Buarque de Holanda, em seu obrigatório Raízes do Brasil, e classificadas como hierárquicas e autoritárias, herança da cordialidade dos ibéricos. Cordial, de coração, ou seja, não pela simpatia e solicitude, mas pela abandono da razão em favor da paixão e da emoção. Afinal, coração é, antes de tudo, um órgão sanguíneo.

Dada essa herança ibérica, gostamos de mandar e também do seu correlato lógico, que é obedecer. Como afirmou recentemente aquela madame que representa o sindicato das patroas das empregadas domésticas sobre essas últimas: as pessoas precisam se colocar nos seus lugares. Em outras palavras, à casa grande o que é da casa grande e à senzala o que é da senzala, só para fazer remissão a outra grande obra sócio-antropológica.

Se entendermos o gesto do parlamentar idoso dentro desse contexto de interrelação de poder - quem manda, quem obedece -, é forte a presunção de que, talvez, ciente de sua condição de mais poderoso, afinal, deputado e, muito provavelmente rico, certamente mais rico do que o motorista, tenha assumido que podia agredir uma pessoa desfavorecida, inferior nessa visão hierárquica e autoritária que predomina em nossa sociedade, e sair impune, porque, afinal, ele é branco, rico e poderoso.

Quantos possuem a tolerância necessária para receber um tapa na cara e não revidar? Fosse um idoso carcomido, nitidamente enfraquecido pela idade, talvez, mas não é o caso.

Só que o poder tem muitos modos. Um deles se manifesta pela supremacia da força física, que quem nesse caso detinha naquele momento era o motorista.

Não há santos nessa história, mas se há alguém com uma dose um pouco menor de culpa, aparentemente é o motorista.

No Marcio Valley
Leia Mais ►

Rodrigo Constantino foi morto pelo maior amor de sua vida: o mercado

Não tem do que se queixar
Rodrigo Constantino foi, paradoxalmente, vítima daquilo que ele mais idolatra: o mercado.

Ele não tem do que se queixar, diante disso.

Foi o mercado — ou sua mão invisível, para usar a formidável expressão de Adam Smith — que colocou em estado de agonia terminal a empresa que despediu Constantino, a Abril.

A mão invisível transformou em dinossauros as empresas de mídia tradicional com o advento da Era Digital.

Revistas de papel — que fizeram a Abril ser o que foi — são hoje objeto em extinção.

Você virtualmente só as encontra em consultórios de médicos e dentistas, mas mesmo assim a maioria dos paciente prefere ficar conectada a seus celulares para colher notícias em tempo real.

A Abril de Constantino fatura cada vez menos. As duas grandes fontes de receita de uma editora — publicidade e vendas avulsas — entraram em colapso.

A Veja, particularmente, para manter a miragem da circulação de 1 milhão de exemplares, gasta cada vez mais dinheiro na forma de dezenas, centenas de milhares de exemplares distribuídos gratuitamente a assinantes que não renovaram suas assinaturas.

É um expediente antigo. Mas, até alguns anos, a conta era paga pela publicidade. Os anunciantes eram iludidos por uma circulação que na verdade não existia.

Agora, com a debandada da publicidade da mídia impressa, a Abril teria que imprimir dinheiro como uma Casa da Moeda para cobrir o buraco dos gastos.

(Ou, para pelo menos prolongar a sobrevida, teria que contar com um presidente da República que despejasse nela copiosas doses de dinheiro público via propaganda e financiamentos a juros maternos em bancos oficiais. Daí, em boa parte, a luta desesperada por Aécio e, antes dele, Serra e Alckmin.)

A mídia tradicional está para a mídia digital assim como a carroça esteve para o carro há cem anos.

No começo, as pessoas diziam que o carro não podia dar certo: não havia estradas, não havia onde abastecer, não havia motores confiáveis como os cavalos.

Deu no que deu.

A tragédia das corporações de mídia é a repetição da tragédia dos fabricantes de carroças.

Nenhum sobreviveu. Todas as competências deles de nada serviram na nova era.

Da mesma forma, tudo que as empresas de mídia aprenderam tem muito pouca utilidade no jornalismo digital.

Este é dinâmico, em constante renovação, e o gigantismo das grandes corporações como Globo e Abril torna impossível acompanhar o ritmo do mercado.

Se não bastasse isso, o dinheiro da publicidade das empresas tradicionais jamais vai se repetir na internet, um meio fragmentário por excelência.

Tudo isso é obra de uma coisa chamada mercado.

A seu modo tosco, de ideias pedestres e prosa sofrida, Rodrigo Constantino invocou o mercado todos os dias ao longos dos dois anos em que foi blogueiro da Veja.

Acabou morto pelo mercado, que tirou da Abril os meios para mantê-lo em seus quadros.

Poderia ser este seu epitáfio como blogueiro da Veja: “Lutou pelo mercado e foi morto por ele”.

Paulo Nogueira
No DCM



Capacho

Quer dizer, não basta ser demitido.

Tem que continuar puxando o saco do ex-patrão para ver se consegue pelo menos um frila.

Leandro Fortes
Leia Mais ►

Deputados de seis partidos representam contra Cunha na Corregedoria da Câmara

A representação protocolada  na Corregedoria da Câmara dos Deputados contra o presidente da Casa é
assinadapor 29 parlamentares de seis legendas
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil



Vice-líder do PPS na Câmara, o deputado Arnaldo Jordy (PA) é um dos autores da primeira representação formal protocolada contra o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), desde que seu nome começou a ser citado em delações da Operação Lava Jato e em investigações conduzidas pela Procuradoria-Geral da República (PGR). No documento, assinado por 29 parlamentares de seis legendas, o deputado pede que a Câmara abra uma sindicância e apure a quebra de decoro.

A infração pode gerar uma simples advertência escrita e até a perda do mandato, que é o objetivo de Jordy e de deputados do PMDB, PSOL, PT, PSB e Rede Sustentabilidade.

Subscreveram o documento, entregue hoje (7) à Corregedoria da Câmara, os deputados Henrique Fontana (PT-RS), Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), Júlio Delgado (PSB-MG), Leônidas Cristino (PROS-CE), Miro Teixeira (RJ), Alessandro Molon (RJ), Eliziane Gama (MA) e João Derly (RS), vinculados à Rede Sustentabilidade, além de Chico Alencar (RJ), Ivan Valente (SP), Jean Willys (RJ), Edimilson Rodrigues (PA) e Glauber Braga (RJ), do PSOL.

O problema é que a representação contra Cunha só pode ser apresentada pela própria Mesa da Casa ou por presidente de partido. Nesses dois casos, o processo já seria aberto no Conselho de Ética. Como Eduardo Cunha ainda não é réu nas investigações, esse caminho poderia ser encurtado por um relatório preliminar que sinalizasse por um aguardo maior da apuração do caso. É isso que algumas legendas, como o PSOL, esperam para agir.

Como o pedido foi apresentado por um parlamentar, teria de ser analisado pela Mesa antes de ser despachado à Corregedoria. Por isso, Arnaldo Jordy optou por entregar o documento diretamente ao corregedor, deputado Carlos Manato (SD-ES), que também terá de submeteê-lo à presidência antes de começar uma diligência.

Segundo assessores dos partidos, a estratégia do grupo de parlamentares era garantir que Manato tomasse conhecimento da iniciativa e pressionasse para que o processo tivesse algum avanço. Os sete integrantes da Mesa, entre eles o próprio Cunha, podem decidir arquivar a representação se, por maioria, considerarem que não há elementos para apreciação.

Por ser alvo da representação, Cunha não é obrigado, mas pode se declarar impedido de votar sobre a questão. Se a Mesa orientar pela abertura da sindicância, o peemedebista terá cinco dias para apresentar defesa e a partir daí as investigações seguem por 45 dias, podendo ser prorrogada por mais 45. Por meio de um relatório, a conclusão das diligências serão enviadas para que a Mesa analise e decida pela abertura ou não do processo no Conselho de Ética.

Na representação, a justificativa dos parlamentares é que Cunha negou ter contas além das que constam da prestação de dados à Justiça Eleitoral. Lembraram que a PGR divulgou dados enviados pelo Ministério Público da Suíça, informando que existem contas bancárias em nome dele e de parentes naquele país. Com a informação, Cunha passará a ser investigado no Brasil por suspeita dos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção e suposto recebimento de propina na Operação Lava Jato.

No fim de agosto, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou denúncia ao Supremo Tribunal Federal afirmando que o presidente da Câmara recebeu US$ 5 milhões para garantir um contrato de dois navios-sonda pela Petrobras com o estaleiro Samsung Heavy Industries em 2006 e 2007.

O negócio foi formalizado sem licitação e ocorreu por intermediação do empresário Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, preso em Curitiba.

Depois de fazer uma apresentação sobre radiodifusão na Câmara, em um painel do 27º Congresso Brasileiro de Radiodifusão, Cunha afirmou categoricamente que “não há a menor possibilidade de renunciar, [de pedir] licença ou qualquer coisa do gênero”.

Carolina Gonçalves
No Agência Brasil
Leia Mais ►

A cadela udenista está no cio


Aquilo não foi um julgamento, porque o TCU não é um tribunal, mas um cartório de políticos aposentados e apadrinhados de ocasião — alguns lá colocados pelo PT, diga-se de passagem.

O TCU é um apêndice do Poder Legislativo com estafetas de luxo autoproclamados "ministros" por conta de uma herança colonial provinciana.

Ao recomendar a reprovação das contas de Dilma, o TCU apenas cumpriu uma tarefa encomendada pelos tutores da oposição, que precisam voltar ao comando dos cofres públicos, ainda que com suas marionetes de sempre alçadas ao poder.

Pelo voto, perceberam, essa missão tornou-se quase impossível, ainda mais depois da decisão do STF que decretou inconstitucional as doações empresariais para campanhas eleitorais.

Sem falar na indigência das lideranças de direita, que oscilam entre os surtos fascistas da turma de Bolsonaro e a inoperância legislativa dos tucanos.

A solução foi voltar às origens, aos sobreviventes da Arena, aos herdeiros do udenismo lacerdista.

À tigrada.

Apostam, ainda, no envenenamento diário da mídia e na sobrevida de Eduardo Cunha na presidência da Câmara dos Deputados, no que já pode ser classificado como a mais espúria aliança política da República desde o golpe de 1964.

Essa farsa do TCU, embalada numa fachada técnica cafajeste e hipócrita, exige uma reação política à altura, e não esse republicanismo barato que transformou os políticos do PT em clientes clandestinos de hospitais e restaurantes, Brasil afora.

Exige um grande e decisiva mobilização social e política, com todos os aliados dos movimentos sociais, com as forças democráticas, e não apenas de esquerda, que estão enojados com esse movimento golpista bancado, como de costume, pelos barões da mídia e pela escória fisiológica da política nacional.

Exige a voz das massas, de grandes lideranças populares e de políticos que não têm medo de enfrentar a manada e o senso comum.

Políticos como Lula, Ciro Gomes e Roberto Requião.

Exige uma nova Dilma Rousseff e um novo Partido dos Trabalhadores.

Exige um novo Brasil.

Leandro Fortes
Leia Mais ►

Foto histórica: Um comunista na Defesa

Camarada Aldo assume Ministério da Defesa.
Agora podemos pedir intervenção militar!!!
Leia Mais ►

Banco Julius Baer entregou contas atribuídas a Eduardo Cunha


O banco Julius Baer informou às autoridades suíças que o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e seus familiares figuram como beneficiários finais de contas secretas onde estão depositados US$ 2,4 milhões (R$ 9,3 milhões). O dinheiro está bloqueado.

Os ativos em dólares e francos suíços estão aplicados em fundos de investimento, por meio de quatro contas abertas em nome de empresas offshore –firmas de fachada baseadas em paraísos fiscais. Uma das contas foi aberta em 2008.

Segundo informações fornecidas pelo banco às autoridades suíças, os beneficiários finais são o próprio Cunha, sua mulher, a jornalista Cláudia Cordeiro Cruz, e uma das filhas do deputado. Ainda não está claro se era o próprio deputado quem movimentava as contas ou se isso ocorria por meio de procuradores.

O valor é menor do que o mencionado pelo delator Julio Camargo, que afirmou ter pago US$ 5 milhões ao peemedebista como propina em um contrato de navios-sondas para a Petrobras.

Pesa ainda contra Cunha o depoimento do lobista ligado ao PMDB João Augusto Henriques, que disse ter feito depósitos em uma conta pertencente ao deputado no exterior.

O dinheiro depositado no Julius Baer não aparece no imposto de renda do peemedebista, que tem negado reiteradamente ser o dono de contas no exterior.

Os recursos estão bloqueados desde abril, quando o próprio Julius Baer reportou as suspeitas de origem ilícita do dinheiro ao escritório do procurador-geral da Suíça, Michael Lauber. O Ministério Público do país europeu instaurou um inquérito contra Cunha por suspeita de corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

Cunha foi informado sobre o bloqueio dos valores, segundo a Procuradoria suíça. Além dos extratos bancários, o Julius Baer entregou às autoridades de Berna a documentação completa de abertura das contas –como formulários preenchidos e assinados, cópias de documentos e comprovantes de endereço dos beneficiários finais.

Todo este material está em um DVD enviado a Brasília, junto com um relatório da investigação conduzida pela equipe de Lauber e cópia dos ofícios trocados pelos procuradores brasileiros e suíços sobre a transferência do inquérito para o Brasil.

Para evitar risco de nulidade no compartilhamento de provas, a Procuradoria suíça optou por enviar o material por malote diplomático, evitando o caminho habitual de cooperação, que seria o envio pelo correio ao Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional do Ministério da Justiça.

Após chegar ao Ministério da Justiça, o material foi encaminhado à PGR (Procuradoria-Geral da República) no final da tarde desta quarta (7).

O Julius Baer foi um dos bancos por onde foi escoada parte dos desvios da Petrobras. Dois ex-executivos da diretoria Internacional da estatal — o ex-diretor Jorge Zelada e o ex-gerente Eduardo Musa — mantinham contas secretas na instituição.

Palavra Final

Em depoimento de delação premiada, Musa afirmou que Cunha tinha a palavra final na indicação de nomes para a diretoria Internacional, que era controlada pelo PMDB.

Ao alertar os procuradores sobre as contas atribuídas a Cunha, o Julius Baer cumpriu uma lei suíça que obriga os bancos não só a identificar o beneficiário final de toda conta secreta em nome de empresas offshore, como reportar às autoridades movimentações de clientes que possam ter origem ilegal.

A análise dos dados bancários vai determinar se as evidências serão anexadas a um dos dois inquéritos que correm no STF (Supremo Tribunal Federal) que têm Cunha como alvo ou se haverá a abertura de um novo inquérito sobre evasão de divisas.

Em agosto, ele foi acusado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em caso relacionado ao esquema de corrupção da Petrobras, mas o STF ainda não decidiu se vai acolher a denúncia da PGR.

Outro Lado

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foi procurado, mas sua assessoria disse que ele não se manifestaria sobre o tema.

Na semana passada, Cunha reiterou, por meio de nota, seu depoimento à CPI da Petrobras, no qual negou ter conta no exterior, e reafirmou que as denúncias divulgadas a seu respeito são "seletivas".

O advogado do deputado, Antonio Fernando de Souza, não retornou aos telefonemas da reportagem.



Cunha usou mesmo banco que ex-diretores da Petrobrás na Suíça

Instituição teve como clientes Pedro Barusco, além de Renato Duque e Jorge Zelada

Genebra — O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) usou o mesmo banco que foi utilizado pelos ex-diretores da Petrobrás para desviar milhões de dólares em propinas. Fontes próximas à investigação confirmaram que a instituição usada por Cunha foi o Julius Baer, que também teve como clientes o ex-gerente Executivo de Engenharia da Petrobrás, Pedro Barusco, além de Renato Duque e Jorge Zelada.

Em Berna, fontes confirmam que o banco Julius Baer está colaborando e que foi do banco que veio em abril um informe apontando para suspeitas de lavagem de dinheiro. Oficialmente, a instituição se recusa a comentar o caso indicando em um email à reportagem que não falará sobre o assunto. Um dos fatores que criou surpresa entre os gerentes das contas foi a diferença entre a renda de Cunha e os valores movimentados.

O valor congelado teria sido de US$ 2,4 milhões. O Ministério Público da Suíça não comentou a informação. Pessoas próximas ao processo também indicaram que as contas chegaram a ter perto de US$ 5 milhões e a suspeita em Brasília é de que Cunha possa ter outras contas no exterior.

Investigadores, porém, apontam que o esquema usado por Cunha se assemelha ao de outros envolvidos na Operação Lava Jato. Quem também era cliente do Julius Baer era o ex-gerente Executivo de Engenharia da Petrobrás, Pedro Barusco. Em março de 2014, suas contas foram bloqueadas. Barusco, assim como Cunha, criou empresas off shore para tentar esconder o dinheiro.

Em 2013, Barusco abriu uma conta em nome de uma empresa de fachada, a Canyon Biew, no banco RBC da Suíça e transferiu do Julius Baer cerca de US$ 7,1 milhões.

No caso de Cunha, ele abriu empresas de fachada e aparecia apenas como "beneficiário" desses depósitos, ao lado da esposa.

Barusco ainda indicou que, para a abertura das contas na Suíça, utilizou os serviços do mesmo intermediário que ajudou Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobrás e que tem US$ 23 milhões bloqueados nos bancos suíços. O intermediário era Bernardo Friburghaus, com escritórios no Rio de Janeiro e que desde a eclosão da operação se mudou para Genebra.

Os ex-diretores da petroleira Renato Duque e Jorge Zelada também contrataram o banco Julius Baer para investir propina recebida de fornecedores da Petrobrás em Mônaco e na Suíça.

Investigação

No Brasil, o Julius Baer é mencionado em investigação da Polícia Federal e do Ministério Público Federal em inquérito de de lavagem de dinheiro, crime contra o sistema financeiro e sonegação fiscal envolvendo uma empresa controlada pela instituição no Brasil.

A suspeita é que GPS Investimentos Financeiros, comprada pelo banco entre 2010 e 2014, estaria facilitando a evasão de divisas de clientes brasileiros para paraísos fiscais como Ilhas Jersey, Mônaco e Suíça. A denúncia sob investigação é de que esses “recursos depositados no exterior e não declarados às autoridades competentes seriam provenientes de sonegação fiscal (caixa dois) e estariam sendo enviados pelo grupo empresarial GPS Planejamento Financeiro.”

O Julius Baer é hoje o maior private bank independente da Suíça, com mais de 120 anos de atividade. A instituição atua aplicando o dinheiro dos clientes em outras instituições financeiras, comprando bens de valor, como jóias e obras de arte, entre outros. No total, o banco administra fortunas no valor de US$ 372 bilhões e conta com escritórios em Genebra, Hong Kong, Montevidéu, Mônaco, Lugano, Cingapura e Dubai. As investigações sobre as atividades da GPS, contudo, não tem relação com a Lava Jato.

Em nota, o Julius Baer informou que “a GPS é regulada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e sob nenhuma circunstância apoia lavagem de dinheiro ou evasão de divisas, seguindo estritos padrões de compliance com todos seus clientes.” Conforme o banco, a GPS “não é corretora nem casa de câmbio e não faz nada em desacordo com a Receita Federal.”

Jamil Chade | Graciliano Rocha
Leia Mais ►