11 de abr de 2015

Raúl Castro: Nuestra convicción patriótica permanece pese al bloqueo

 IMPERDÍVEL 


El líder cubano recordó la lucha histórica del pueblo cubano por su libertad. 

El presidente de Cuba, Raúl Castro, afirmó que la hostigación contra el pueblo cubano trajo consigo la profundización de la Revolución Cubana y señaló que “nuestra convicción patriótica permanece pese al bloqueo” de Estados Unidos.

"Hemos soportado grandes penurias, el 77 por ciento nació bajo los rigores del bloqueo más terrible de lo que se imaginan, pero nuestras convicciones patrióticas prevalecieron, y el hostigamiento aceleró el proceso revolucionario” apuntó el mandatario al inicio de su intervención en la sesión plenaria de la VII Cumbre de las Américas, que se celebra en Panamá.

“Eso sucede cuando se hostigan a los pueblos, y la historia lo demuestra no sólo por el ejemplo de Cuba", agregó al referirse al bloqueo económico de Estados Unidos contra Cuba.

El mandatario indicó que el desembarco de mercenarios en Cuba al inicio de los años 60 fue derrotado por el pueblo cubano y evaluó el papel de la Organización de Estados Americanos (OEA) en ese momento.



A continuación, lea el discurso completo de Raúl Castro:

Excelentísimo Señor Juan Carlos Varela, Presidente de la República de Panamá:

Presidentas y Presidentes, Primeras y Primeros Ministros: Distinguidos invitados:

Agradezco la solidaridad de todos los países de la América Latina y el Caribe que hizo posible que Cuba participara en pie de igualdad en este foro hemisférico, y al Presidente de la República de Panamá por la invitación que tan amablemente nos cursara. Traigo un fraterno abrazo al pueblo panameño y a los de todas las naciones aquí representadas.

Cuando los días 2 y 3 de diciembre de 2011 se creó la Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC), en Caracas, se inauguró una nueva etapa en la historia de Nuestra América, que hizo patente su bien ganado derecho a vivir en paz y a desarrollarse como decidan libremente sus pueblos y se trazó para el futuro un camino de desarrollo e integración, basada en la cooperación, la solidaridad y la voluntad común de preservar la independencia, soberanía e identidad.

El ideal de Simón Bolívar de crear una “gran Patria Americana” inspiró verdaderas epopeyas independentistas. En 1800, se pensó en agregar a Cuba a la Unión del norte como el límite sur del extenso imperio. En el siglo XIX, surgieron la Doctrina del Destino Manifiesto con el propósito de dominar las Américas y al mundo, y la idea de la Fruta Madura para la gravitación inevitable de Cuba hacia la Unión norteamericana, que desdeñaba el nacimiento y desarrollo de un pensamiento propio y emancipador.

Después, mediante guerras, conquistas e intervenciones, esta fuerza expansionista y hegemónica despojó de territorios a Nuestra América y se extendió hasta el Río Bravo.

Luego de largas luchas que se frustraron, José Martí organizó la “guerra necesaria” y creó el Partido Revolucionario Cubano para conducirla y fundar una República “con todos y para el bien de todos” que se propuso alcanzar “la dignidad plena del hombre”.

Al definir con certeza y anticipación los rasgos de su época, Martí se consagra al deber “de impedir a tiempo con la independencia de Cuba que se extiendan por las Antillas los Estados Unidos y caigan, con esa fuerza más, sobre nuestras tierras de América”.

Nuestra América es para él la del criollo, del indio, la del negro y del mulato, la América mestiza y trabajadora que tenía que hacer causa común con los oprimidos y saqueados. Ahora, más allá de la geografía, este es un ideal que comienza a hacerse realidad.

Hace 117 años, el 11 de abril de 1898, el entonces Presidente de los Estados Unidos solicitó al Congreso autorización para intervenir militarmente en la guerra de independencia, ya ganada con ríos de sangre cubana, y este emitió su engañosa Resolución Conjunta, que reconocía la independencia de la isla “de hecho y de derecho”. Entraron como aliados y se apoderaron del país como ocupantes.

Se impuso a Cuba un apéndice a su Constitución, la Enmienda Platt, que la despojó de su soberanía, autorizaba al poderoso vecino a intervenir en los asuntos internos y dio origen a la Base Naval de Guantánamo, la cual todavía usurpa parte de nuestro territorio. En ese periodo, se incrementó la invasión del capital norteño, hubo dos intervenciones militares y el apoyo a crueles dictaduras.

Predominó hacia América Latina la “política de las cañoneras” y luego del “Buen Vecino”. Sucesivas intervenciones derrocaron gobiernos democráticos e instalaron terribles dictaduras en 20 países, 12 de ellas de forma simultánea, fundamentalmente en Sudámerica. que asesinaron a cientos de miles de personas. El Presidente Salvador Allende nos legó un ejemplo imperecedero.

Hace exactamente 13 años, se produjo el golpe de estado contra el entrañable Presidente Hugo Chávez Frías que el pueblo derrotó. Después, vino el golpe petrolero. El 1ro de enero de 1959, 60 años después de la entrada de los soldados norteamericanos en La Habana, triunfó la Revolución cubana y el Ejército Rebelde comandado por Fidel Castro Ruz llegó a la capital.

El 6 de abril de 1960, apenas un año después del triunfo, el subsecretario de estado Léster Mallory escribió en un perverso memorando, desclasificado decenas de años después, que “la mayoría de los cubanos apoya a Castro… No hay una oposición política efectiva. El único medio previsible para restarle apoyo interno es a través del desencanto y el desaliento basados en la insatisfacción y las penurias económicas (…) debilitar la vida económica (…) y privar a Cuba de dinero y suministros con el fin de reducir los salarios nominales y reales, provocar hambre, desesperación y el derrocamiento del gobierno”.

Hemos soportado grandes penurias. El 77% de la población cubana nació bajo los rigores que impone el bloqueo. Pero nuestras convicciones patrióticas prevalecieron. La agresión aumentó la resistencia y aceleró el proceso revolucionario. Aquí estamos con la frente en alto y la dignidad intacta. Cuando ya habíamos proclamado el socialismo y el pueblo había combatido en Playa Girón para defenderlo, el Presidente Kennedy fue asesinado precisamente en el momento en que el líder de la Revolución cubana Fidel Castro recibía un mensaje suyo buscando iniciar el diálogo.

Después de la Alianza para el Progreso y de haber pagado varias veces la deuda externa sin evitar que esta se siga multiplicando, se nos impuso un neoliberalismo salvaje y globalizador, como expresión del imperialismo en esta época, que dejó una década perdida en la región. La propuesta entonces de una “asociación hemisférica madura” resultó el intento de imponernos el Área de Libre Comercio de las Américas (ALCA), asociado al surgimiento de estas Cumbres, que hubiera destruido la economía, la soberanía y el destino común de nuestras naciones, si no se le hubiera hecho naufragar en el 2005, en Mar del Plata, bajo el liderazgo de los Presidentes Chávez, Kirchner y Lula. Un año antes, Chávez y Fidel habían hecho nacer la Alternativa Bolivariana, hoy Alianza Bolivariana Para los Pueblos de Nuestra América.

Excelencias:

Hemos expresado y le reitero ahora al Presidente Barack Obama nuestra disposición al diálogo respetuoso y a la convivencia civilizada entre ambos Estados dentro de nuestras profundas diferencias.

Aprecio como un paso positivo su reciente declaración de que decidirá rápidamente sobre la presencia de Cuba en una lista de países patrocinadores del terrorismo en la que nunca debió estar. Hasta hoy, el bloqueo económico, comercial y financiero se aplica en toda su intensidad contra la isla, provoca daños y carencias al pueblo y es el obstáculo esencial al desarrollo de nuestra economía. Constituye una violación del Derecho Internacional y su alcance extraterritorial afecta los intereses de todos los Estados.

Hemos expresado públicamente al Presidente Obama, quien también nació bajo la política de bloqueo a Cuba y al ser electo la heredó de 10 Presidentes, nuestro reconocimiento por su valiente decisión de involucrarse en un debate con el Congreso de su país para ponerle fin. Este y otros elementos deberán ser resueltos en el proceso hacia la futura normalización de las relaciones bilaterales.

Por nuestra parte, continuaremos enfrascados en el proceso de actualización del modelo económico cubano con el objetivo de perfeccionar nuestro socialismo, avanzar hacia el desarrollo y consolidar los logros de una Revolución que se ha propuesto “conquistar toda la justicia”. Estimados colegas: Venezuela no es ni puede ser una amenaza a la seguridad nacional de una superpotencia como los Estados Unidos. Es positivo que el Presidente norteamericano lo haya reconocido.

Debo reafirmar todo nuestro apoyo, de manera resuelta y leal, a la hermana República Bolivariana de Venezuela, al gobierno legítimo y a la unión cívico-militar que encabeza el Presidente Nicolás Maduro, al pueblo bolivariano y chavista que lucha por seguir su propio camino y enfrenta intentos de desestabilización y sanciones unilaterales que reclamamos sean levantadas, que la Orden Ejecutiva sea derogada, lo que sería apreciado por nuestra Comunidad como una contribución al diálogo y al entendimiento hemisférico.

Mantendremos nuestro aliento a los esfuerzos de la República Argentina para recuperar las Islas Malvinas, las Georgias del Sur y las Sandwich del Sur, y continuaremos respaldando su legítima lucha en defensa de soberanía financiera.

Seguiremos apoyando las acciones de la República del Ecuador frente a las empresas transnacionales que provocan daños ecológicos a su territorio y pretenden imponerle condiciones abusivas.

Deseo reconocer la contribución de Brasil, y de la Presidenta Dilma Rousseff, al fortalecimiento de la integración regional y al desarrollo de políticas sociales que trajeron avances y beneficios a amplios sectores populares las cuales, dentro de la ofensiva contra diversos gobiernos de izquierda de la región, se pretende revertir.

Será invariable nuestro apoyo al pueblo latinoamericano y caribeño de Puerto Rico en su empeño por alcanzar la autodeterminación e independencia, como ha dictaminado decenas de veces el Comité de Descolonización de las Naciones Unidas.

También continuaremos nuestra contribución al proceso de paz en Colombia.

Debiéramos todos multiplicar la ayuda a Haití, no sólo mediante asistencia humanitaria, sino con recursos que le permitan su desarrollo, y apoyar que los países del Caribe reciban un trato justo y diferenciado en sus relaciones económicas, y reparaciones por los daños provocados por la esclavitud y el colonialismo.

Vivimos bajo la amenaza de enormes arsenales nucleares que debieran eliminarse y del cambio climático que nos deja sin tiempo. Se incrementan las amenazas a la paz y proliferan los conflictos. Como expresó entonces el Presidente Fidel Castro, “las causas fundamentales están en la pobreza y el subdesarrollo, y en la desigual distribución de las riquezas y los conocimientos que impera en el mundo.

No puede olvidarse que el subdesarrollo y la pobreza actuales son consecuencia de la conquista, la colonización, la esclavización y el saqueo de la mayor parte de la Tierra por las potencias coloniales, el surgimiento del imperialismo y las guerras sangrientas por nuevos repartos del mundo. La humanidad debe tomar conciencia de lo que hemos sido y de lo que no podemos seguir siendo. Hoy nuestra especie ha adquirido conocimientos, valores éticos y recursos científicos suficientes para marchar hacia una etapa histórica de verdadera justicia y humanismo. Nada de lo que existe hoy en el orden económico y político sirve a los intereses de la humanidad. No puede sostenerse. Hay que cambiarlo”, concluyó Fidel.

Cuba seguirá defendiendo las ideas por las que nuestro pueblo ha asumido los mayores sacrificios y riesgos y luchado, junto a los pobres, los enfermos sin atención médica, los desempleados, los niños y niñas abandonados a su suerte u obligados a trabajar o a prostituirse, los hambrientos, los discriminados, los oprimidos y los explotados que constituyen la inmensa mayoría de la población mundial.

La especulación financiera, los privilegios de Bretton Woods y la remoción unilateral de la convertibilidad en oro del dólar son cada vez más asfixiantes. Requerimos un sistema financiero transparente y equitativo.

No puede aceptarse que menos de una decena de emporios, principalmente norteamericanos, determinen lo que se lee, ve o escucha en el planeta. Internet debe tener una gobernanza internacional, democrática y participativa, en especial en la generación de contenidos. Es inaceptable la militarización del ciberespacio y el empleo encubierto e ilegal de sistemas informáticos para agredir a otros Estados. No dejaremos que se nos deslumbre ni colonice otra vez.

Señor Presidente:

Las relaciones hemisféricas, en mi opinión, han de cambiar profundamente, en particular en los ámbitos político, económico y cultural; para que, basadas en el Derecho Internacional y en el ejercicio de la autodeterminación y la igualdad soberana, se centren en el desarrollo de vínculos mutuamente provechosos y en la cooperación para servir a los intereses de todas nuestras naciones y a los objetivos que se proclaman.

La aprobación, en enero del 2014, en la Segunda Cumbre de la CELAC, en La Habana, de la Proclama de la América Latina y el Caribe como Zona de Paz, constituyó un trascendente aporte en ese propósito, marcado por la unidad latinoamericana y caribeña en su diversidad.

Lo demuestra el hecho de que avanzamos hacia procesos de integración genuinamente latinoamericanos y caribeños a través de la CELAC, UNASUR, CARICOM, MERCOSUR, ALBA-TCP, el SICA y la AEC, que subrayan la creciente conciencia sobre la necesidad de unirnos para garantizar nuestro desarrollo. Dicha Proclama nos compromete a que “las diferencias entre las naciones se resuelvan de forma pacífica, por la vía del diálogo y la negociación u otras formas de solución, y en plena consonancia con el Derecho Internacional”.

Vivir en paz, cooperando unos con otros para enfrentar los retos y solucionar los problemas que, en fin de cuentas, nos afectan y afectarán a todos, es hoy una necesidad imperiosa. Debe respetarse, como reza la Proclama de la América Latina y el Caribe como Zona de Paz, “el derecho inalienable de todo Estado a elegir su sistema político, económico, social y cultural, como condición esencial para asegurar la convivencia pacífica entre las naciones”.

Con ella, nos comprometimos a cumplir nuestra “obligación de no intervenir directa o indirectamente, en los asuntos internos de cualquier otro Estado y observar los principios de soberanía nacional, igualdad de derechos y la libre determinación de los pueblos”, y a respetar “los principios y normas del Derecho Internacional (…) y los principios y propósitos de la Carta de las Naciones Unidas”.

Ese histórico documento insta “a todos los Estados miembros de la Comunidad Internacional a respetar plenamente esta declaración en sus relaciones con los Estados miembros de la CELAC”.

Tenemos ahora la oportunidad para que todos los que estamos aquí aprendamos, como también expresa la Proclama, a “practicar la tolerancia y convivir en paz como buenos vecinos”.

Existen discrepancias sustanciales, sí, pero también puntos en común en los que podemos cooperar para que sea posible vivir en este mundo lleno de amenazas a la paz y a la supervivencia humana.

¿Qué impide, a nivel hemisférico, cooperar para enfrentar el cambio climático? ¿Por qué no podemos los países de las dos Américas luchar juntos contra el terrorismo, el narcotráfico o el crimen organizado, sin posiciones sesgadas políticamente? ¿Por qué no buscar, de conjunto, los recursos necesarios para dotar al hemisferio de escuelas, hospitales, proporcionar empleo, avanzar en la erradicación de la pobreza? ¿No se podría disminuir la inequidad en la distribución de la riqueza, reducir la mortalidad infantil, eliminar el hambre, erradicar las enfermedades prevenibles, acabar con el el analfabetismo? El pasado año, establecimos cooperación hemisférica en el enfrentamiento y prevención del ébola y los países de las dos Américas trabajamos mancomunadamente, lo que debe servirnos de acicate para empeños mayores.

Cuba, país pequeño y desprovisto de recursos naturales, que se ha desenvuelto en un contexto sumamente hostil, ha podido alcanzar la plena participación de sus ciudadanos en la vida política y social de la Nación; una cobertura de educación y salud universales, de forma gratuita; un sistema de seguridad social que garantiza que ningún cubano quede desamparado; significativos progresos hacia la igualdad de oportunidades y en el enfrentamiento a toda forma de discriminación; el pleno ejercicio de los derechos de la niñez y de la mujer; el acceso al deporte y la cultura; el derecho a la vida y a la seguridad ciudadana.

Pese a carencias y dificultades, seguimos la divisa de compartir lo que tenemos. En la actualidad 65 mil cooperantes cubanos laboran en 89 países, sobre todo en las esferas de la medicina y la educación. Se han graduado en nuestra isla 68 mil profesionales y técnicos, de ellos, 30 mil de la salud, de 157 países. Si con muy escasos recursos, Cuba ha podido, ¿qué no podría hacer el hemisferio con la voluntad política de aunar esfuerzos para contribuir con los países más necesitados?

Gracias a Fidel y al heroico pueblo cubano, hemos venido a esta Cumbre, a cumplir el mandato de Martí con la libertad conquistada con nuestras propias manos, “orgullosos de nuestra América, para servirla y honrarla… con la determinación y la capacidad de contribuir a que se la estime por sus méritos, y se la respete por sus sacrificios”. Pese a carencias y dificultades, seguimos la divisa de compartir lo que tenemos. En la actualidad 65 mil cooperantes cubanos laboran en 89 países, sobre todo en las esferas de la medicina y la educación. Se han graduado en nuestra isla 68 mil profesionales y técnicos, de ellos, 30 mil de la salud, de 157 países.

Si con muy escasos recursos, Cuba ha podido, ¿qué no podría hacer el hemisferio con la voluntad política de aunar esfuerzos para contribuir con los países más necesitados?

Gracias a Fidel y al heroico pueblo cubano, hemos venido a esta Cumbre, a cumplir el mandato de Martí con la libertad conquistada con nuestras propias manos, “orgullosos de nuestra América, para servirla y honrarla… con la determinación y la capacidad de contribuir a que se la estime por sus méritos, y se la respete por sus sacrificios”.
Leia Mais ►

Dilma Rousseff na VII Cúpula das Américas


A presidente Dilma Rousseff discursou, neste sábado, durante a 1ª sessão plenária da 7ª Cúpula das Américas. na ocasião, Dilma afirmou que a Cúpula inaugura uma nova era nas relações hemisféricas. 

Durante o discurso, a presidenta disse que combater a desigualdade em todas as suas manifestações é o maior desafio das Américas e que é uma responsabilidade de todos os países fazer deste século um período de paz e de desenvolvimento. 

Na fala, Dilma também elogiou a reaproximação entre Cuba e Estados Unidos e destacou que é possível conviver com diferentes visões, sem receitas rígidas ou imposições.

Leia Mais ►

Os paradoxos do ajuste fiscal de Joaquim Levy


As análises econômicas podem estar apontando para soluções inexistentes deixando de lado problemas concretos.

Fixou-se magicamente no velho mito de lição de casa. Se fizer o ajuste fiscal primário (relação de receitas menos despesas, excluindo a parte financeira) voltará a confiança do investidor e o país alcançará novamente o paraíso do crescimento.

* * *

Primeiro, vamos aos falsos problemas.

1.      Petrobras — como se previa, é questão de tempo para a empresa recuperar o pique. A entrada do Banco da China resolveu a questão do financiamento externo para este ano, mostrando as vantagens da nova geopolítica global, multipolar. Lawrence Summers, ex-Secretário de Tesouro norte-americano, e uma das vozes mais influentes na economia dos EUA, entendeu o novo papel do Banco da China como o início de um novo ciclo global. “Este mês passado pode ser lembrado como o momento em que os Estados Unidos perderam o seu papel como a instituição do sistema econômico global”, lamentou ele a propósito do protagonismo do Banco da China vis-à-vis a redução da influência internacional norte-americana.

2.      Não haverá falta de capitais de curto prazo no país, devido ao extraordinário aumento da taxa Selic e à relação ainda confortável entre dívida/PIB.

* * *

Onde a porca pega?

Primeiro, no quadro político e social. A rigidez do ajuste, em uma economia cambaleante, vai produzir crise, desemprego e conturbação social. Hoje em dia, as perturbações políticas são mais ameaçadoras do que eventuais frustrações nas metas de superávit.

Depois, na falácia de equilibrar prioridades conflitantes.

1.      Na numeralhada utilizada pelo mercado para avaliar a questão fiscal, a meta que interessa é a relação dívida/PIB. E essa relação é afetada pelo superávit nominal (aquele que mede despesas e receitas totais do governo, incluindo a conta de juros).

2.      Desde sempre, o mercado e a Fazenda colocam a conta de juros em segundo plano, considerando-a como custo inevitável (outra falácia). Todo o esforço da Fazenda mira o superávit primário (receitas menos despesas excluindo juros) de 1,2% do PIB. Para tanto a Fazenda vem procedendo a cortes pesados no orçamento e a ajustes de preços represados, como tarifa de luz e combustível, pressionando a inflação. Em suma, só medidas que afetam a economia real, empresas, trabalhadores e programas sociais, preservando os benefícios do mercado.

3.      Para combater a inflação, a única arma utilizada pela Fazenda é a taxa Selic. O aumento dos juros provoca um aumento na entrada de capital externo. Com mais dólares entrando ocorre uma apreciação do real, barateando produtos importados e exportáveis e, com isso, segurando a inflação. Acontece que, deste vez, não poderá se valer do estratagema que resolvia a questão por vias tortas. Com a queda nas cotações internacionais de commodities e o tamanho do déficit externo, o câmbio não poderá ser utilizado.

4.      Sem o concurso do câmbio, o BC irá carregar mais ainda na Selic e no efeito recessão. Segundo cálculos do Banco Central, nos 12 meses encerrados em fevereiro a conta de juros consumiu o equivalente a 6,65% do PIB. E aí, o resultado nominal deteriora. Segundo estudos do Banco Central, com Selic de 13%, PIB de menos 0,5%, a dívida líquida sobe de 34,1% para 34,8% e a bruta de 58,9% para 62,2%.

5.      Se se tentar compensar com um aumento do superávit primário, o investimento será menor ainda, a recessão será maior, a receita menor e o PIB menor.

Luís Nassif
No GGN
Leia Mais ►

O Irã é um dos novos membros fundadores do Banco Asiático de Investimento

China junto com outros países membros aceitaram o Irã
Pelo menos 45 países já manifestaram a intenção de aderir ao novo Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB) fomentado pela China, o que prova de que uma nova ordem mundial é possível.

O Irã foi aceito como membro fundador do AIIB, junto com mais de 40 países já fazem parte deste ambicioso projeto que visa deslocar o Banco Mundial (BM).

A decisão foi tomada pelos atuais membros da entidade, China, Grã-Bretanha, França, Índia e Itália.

Emirados Árabes Unidos também passou a fazer do Banco Asiático, uma iniciativa de grande alcance cuja fundação foi firmada em outubro de 2014.

A Rússia vai tornar-se um membro fundador do Banco no próximo dia 14 de abril.

Recentemente foi anunciado que Israel, fiel aliado dos EUA, também solicitou unir-se ao Banco após o arrefecimento das suas relações com aquele país.
Leia Mais ►

Veja e Clarín se unem para difamar pessoas e desestabilizar governos

Veja exporta seu golpismo para a Argentina. Revista brasileira e grupo Clarín se unem no que sabem fazer melhor: saturar suas publicações de notícias mentirosas para difamar pessoas e desestabilizar governos


Seguindo a receita aplicada para sabotar a reeleição de Dilma Rousseff em 2014, quando publicou uma notícia comprovadamente falsa três dias antes do segundo turno (relembre aqui), o noticiário semanal da Editora Abril escreveu uma série de acusações rocambolescas contra a família da presidenta Cristina Kirchner.

Veja contou com a cumplicidade do grupo empresarial jornalístico Clarín, que encabeça o plano desestabilizador contra o governo portenho.

A campanha de difamação se agravou durante o verão passado, após a confusa morte do promotor Carlos Nisman (a Justiça ainda não determinou se foi assassinato ou suicídio), um homem vinculado ao poder sionista, e que recebia instruções da embaixada norte-americana, tal como foi demonstrado em documentos revelado por Wikileaks.

Em meados de um março asfixiante para os portenhos (foram registradas as temperaturas mais altas das últimas décadas), os ouvintes da popular Rádio Mitre, do Grupo Clarín, começaram a ser bombardeados com notícias procedentes da “prestigiosa revista brasileira Veja”, segundo comentou o jornalista Marcelo Bonelli.

O famoso Bonelli (espécie de Carlos Alberto Sardenberg argentino) dedicou uma ampla cobertura radiofônica à edição online de Veja, na que foram envolvidos Máximo Kirchner, filho de Cristina, a embaixadora argentina na OEA, Nilda Garré, e um pacto imaginário formado também por Irã e Venezuela.

Com essa notícia, Veja e Clarín começaram seus movimentos, evidentemente coordenados, para intoxicar a agenda política argentina, e em consequência a agenda internacional.

No dia seguinte ao da repercussão das matérias da Veja na Rádio Mitre, as bancas da elegante Calle Florida, principal boulevard de Buenos Aires, exibiam as edições impressas do jornal El Clarín, com várias matérias onde eram citadas as mentiras que chegavam do Brasil.

A manobra contou também com a ajuda de parlamentares da direita argentina, cujas declarações contribuíam para que a história sobre Máximo Kirchner fosse disseminada em outros meios.

Todos os elementos citados nos levam a considerar que não existe ingenuidade neste caso. Não se trata de uma informação gerada por Veja que o Clarín difundiu inocentemente, e sim de uma estratégia conjunta, de longo prazo e objetivos políticos com projeção internacional.

Foi surpreendente a eficácia da coordenação demonstrada pelos grupos jornalísticos sul-americanos, o da família Civita no Brasil e o de seus sócios da dinastia Noble (a família que controla o Clarín).

Durante o mês de março, diversos artigos da Veja eram publicados e repercutidos automaticamente em Buenos Aires. Ao mesmo tempo, matérias do Clarín eram citadas em São Paulo.

Dessa forma, foi-se alimentando uma atmosfera de notícias prejudiciais à administração Kirchner, faltando apenas seis meses para as eleições e oito para que o novo presidente assuma o país.

O caso demonstra a forma de atuar dos meios hegemônicos de São Paulo e Buenos Aires, para debilitar os governos que, como o argentino, questionaram seus interesses e privilégios através de uma lei contra os monopólios de comunicação.

Se observa claramente aqui como as empresas de notícias e entretenimento formam uma aliança firme na defesa de seu status quo comunicacional, desqualificando qualquer governante que ouse revisar essa situação.

A particularidade, neste caso, está no fato de que as histórias publicadas por Veja nos últimos meses (desde janeiro, quando a revista publica publicou grandes reportagens sobre o suicídio do promotor Nisman) parecem ter como o alvo o público argentino, mais até que o brasileiro.

Como fabricar desinformação

No Brasil, Veja divulga notícias falsas, ou carentes de um respaldo informativo consistente, que o Clarín traz para a Argentina, apresentando-as como grandes verdades vindas do exterior. A estratégia parece ser a de criar uma gigantesca nuvem de desinformação, de impacto nacional e internacional.

Em seguida, esse redemoinho de discursos contaminados repercute em tempo real nas agências internacionais de notícias e em cadeias globais de televisão, como CNN, que atuam como base de propaganda de vários grupos golpistas latino-americanos (especialmente os da Venezuela).

Finalmente, o relato do processo de desinformação, iniciado pela aliança Veja-Clarín e amplificado pela CNN e quejandos, se traduz em novos artigos dos grandes diários ocidentais, em particular aqueles que discursam em favor dos grandes interesses financeiros, como o Wall Street Journal, The Economist ou Financial Times.

Portanto: estamos diante de um mecanismo de desinformação de grau superior, que trabalha em tempo real nas agendas nacional e internacional.

Se trata, ao mesmo tempo, de uma complexa engrenagem de desestabilização política, também de grau superior, pois temos aqui um meio de comunicação brasileiro que une forças com a artilharia argentina contra Cristina, num esquema onde participam também outros meios, partidos, organizações empresariais e algumas embaixadas.

Questão de Estado

Cristina Kirchner entendeu que a escalada de informações maquiadas pelas duas empresas do establishment jornalístico sul-americano é uma questão de Estado, com prováveis cumplicidades diplomáticas e talvez dos organismos de inteligência.

Para a chefa de Estado argentina, não é por acaso que Veja e Clarín defendem exatamente as mesmas teses levantadas por Washington em matéria de política exterior.

Mais que isso: os dois veículos adotaram como suas as suspeitas norte-americanas sobre o misterioso falecimento do promotor Nisman, ocorrido no último dia 18 de janeiro.

A manobra das diplomacias norte-americana e israelense diante do Caso Nisman foi tão escancarada que o Ministério de Relações Exteriores argentino teve que enviar cartas a Washington e Tel Aviv, solicitando que não interferissem na política interna do país sul-americano.

Logo, a presidenta resolveu responder, de forma altiva, as pressões de Veja e Clarín, provavelmente amparadas pelo Departamento de Estado. A resposta não foi dada diretamente por Cristina, quem falou foi seu filho.

No dia 30 de março, Máximo Kirchner, líder da organização política La Cámpora, concedeu uma longa e inusual entrevista (suas aparições na imprensa são pouco frequentes) na que desmentiu o que foi escrito por Veja e Clarín. Negou totalmente a existência de alguma conta sua no exterior, e também corrigiu dados equivocados sobre seu passaporte e domicílio. E o mais importante: anunciou sua intenção (ainda não realizada) de abrir um processo judicial contra a Veja por injúria e calúnia.

O jovem Kirchner, que desde que nasceu vive na Patagônia (também terra natal de seu pai), deplorou as histórias contadas pela revista, considerando-as “falsas e ridículas”, geradas por “quem tem licença para mentir”.

Direto das terras do fim do mundo, Máximo desafiou os candidatos presidenciais conservadores a que esclareçam se vão respeitar a Lei de Meios ou se pretendem derrubar uma medida que é tão aplaudida pela ONU, embora questionada em igual proporção por Veja, Clarín e a Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP, sigla em espanhol da organização que defende os interesses dos donos de jornais).

O Antijornalismo

A partir de fontes não identificadas, talvez inexistentes, a denúncia da Veja, no mês passado, assegurou a existência de uma trama envolvendo Argentina, Irã e Venezuela, para o tráfico de segredos nucleares.

Em meio a essa extravagante organização secreta, integrada por kirchneristas, chavistas e aiatolás, teriam sido criadas contas milionárias em nome de Máximo Kirchner, filho de Cristina Kirchner e da embaixadora Nilda Garré, que a revista classifica como “ex-terrorista montonera” — membro do grupo guerrilheiro que atuou na Argentina nos Anos 70.

Tosca e panfletária, a história narrada por Veja só poderia ser verídica para um público de analfabetos políticos, ou de pessoas absolutamente desinformadas.

A Revista Veja não dissimula sua cumplicidade ideológica com os serviços de inteligência israelenses e estadunidenses, ao respaldar a infantil tese dos mesmos, sobre uma suposta aliança do mal entre bolivarianos, peronistas e o governo de Teerã.

Um exemplo para ilustrar a fragilidade do texto subjornalístico, que logo foi amplificado pelo Grupo Clarín, está no fato de acusar Máximo Kirchner de possuir uma conta de 41 milhões de dólares num pequeno banco dos Estados Unidos, de somente 19 empregados, cujos ativos totais são de 71 milhões de dólares.

Somente alguém que considera seus leitores estúpidos poderia dizer que um personagem público, como o filho da presidenta da Argentina, teria uma conta em seu nome por uma quantia que supera em mais de 50% todos os depósitos da mesma entidade financeira.

Veja e Clarín se uniram para conceber um caso paradigmático de antijornalismo. Analisemos novamente a série de histórias retroalimentadas entre si, como expressão do que se pode definir como o não-jornalismo: consiste em escrever notícias de grande impacto, carentes de informação e saturadas de dados inconsistentes, não comprováveis, apoiados em fontes anônimas de existência duvidosa.

Como era de se esperar, a série de matérias trianguladas entre São Paulo e Buenos Aires era tema de debate obrigatório nas redações, tanto em meios ligados ao governo argentino quanto em opositores.

Segundo pude constatar, em conversas informais com alguns colegas da capital argentina, a opinião generalizada (inclusive de alguns repórteres antikirchneristas) é a de que a estratégia da aliança Veja-Clarín foi bastante grosseira, e é possível que termine desgastando a credibilidade de ambos os meios.

“A novela grotesca de Leonardo Coutinho (redator da Veja)” é o contrário do jornalismo de investigação sério, afirmou neste sábado (4/4), o jornal Página 12, publicação de esquerda mais importante da Argentina.

Os absurdos surgidos nas páginas do Clarín mereceram questionamentos até mesmo de Hugo Alconada Moon, famoso colunista do La Nación, jornal conservador e de ferrenha oposição ao governo (Espécie de Estadão argentino). Para Moon, que é jornalista investigativo de longa experiência, faltou cautela na apuração dos dados sobre as, segundo ele, “supostas contas secretas de Máximo Kirchner e Nilda Garré”.

Dario Pignotti é doutor em comunicação pela USP. Originalmente publicado em Carta Maior.
No Pragmatismo Político
Leia Mais ►

Lava Jato: Quem faz tudo dentro da lei não precisa de apoio da mídia


Apelo de procurador da Lava Jato para que a imprensa pressione o Judiciário a julgar o caso rapidamente é temido por Celso Antônio Bandeira de Mello pelo caráter de linchamento midiático semelhante ao que foi assistido no Mensalão. Para Luiz Flávio Gomes, o pedido sugere que, nas investigações na Petrobras, “fizeram coisas erradas", "fora do Estado de Direito"

A fala do procurador Carlos Fernando Lima, da cota do Ministério Público Federal na Força-Tarefa da Lava Jato, despertou preocupação em dois juristas consultados pelo GGN nesta sexta-feira (10). Lima, durante uma coletiva de imprensa que tratava da mais nova fase da operação que investiga esquemas de corrupção na Petrobras, “fez um apelo à mídia para dar apoio à divulgação do trabalho da Polícia Federal e do MPF" na tentativa de "evitar que ele se perca nas etapas do Judiciário". "Essa investigação não pode morrer em processos intermináveis na Justiça. Precisamos de apoio', disse Lima, de acordo com o Estadão.

Para Luiz Flávio Gomes, “é estranho que autoridades da Lava Jato fiquem induzindo ou buscando apoio externo” ao invés de “cumprirem suas tarefas internas como o Direito manda”. Na visão do jurista, essa busca pelo suporte da mídia, por parte do MPF e também pelo juiz federal Sergio Moro, é de um “populismo primitivo” suspeito. “Quem faz tudo dentro da lei não precisa de apoio da mídia. O juiz não tem necessidade de apoio popular ou midiático. O juiz existe para cumprir os preceitos da lei e acabou. O que pode, faz, e o que não pode, não faz, independente de a mídia concordar ou discordar”, disparou.

Para Gomes, as últimas aparições dos principais agentes da Lava Jato na mídia não cheiram muito bem. Recentemente, o jurista escreveu uma crítica contundente a um artigo assinado por Moro e pelo juiz federal Antônio Cesar Bochenek. Ambos defenderam que “a melhor solução [para findar a sensação de impunidade em escândalos de corrupção no Brasil] é atribuir à sentença condenatória uma eficácia imediata, independente do cabimento de recursos.”

“O que Moro e os procuradores pedem são coisas completamente fora do Estado de Direito. Prender imediatamente só com sentença em primeiro grau viola direitos. Ora, esse menosprezo que revelam ao postular essas coisas é um sinal de alto risco de que já fizeram isso completamente ao longo da Lava Jato. Dá a sensação de que estão fazendo coisas erradas e precisam de apoio da mídia para sustentar essas coisas erradas”, avaliou o jurista.

Linchamento midiático

Ao GGN, Celso Antônio Bandeira de Mello também criticou a convocação à imprensa feita pelo procurador da Lava Jato. “Não faz sentido chamar a mídia a preencher um espaço próprio da atividade jurídica. Isso é um absurdo. Descabido. O julgamento popular é sempre uma espécie de linchamento, péssimo. Não ajuda a Justiça em nada. É quase uma intimidação para que se condene quem ainda está sendo investigado. O que se quer com isso é que a mídia conduza as investigações da Lava Jato como fizeram no passado com o Mensalão. Quem julgou o Mensalão foi a imprensa, não a Justiça. Querem repetir isso”, concluiu.

Bandeira de Mello integra o grupo de críticos que apontam as fragilidades da Operação Lava Jato destacando, inclusive, que elas que podem dar ao caso um desfecho semelhante ao que aconteceu com as operações Castelo de Areia e Satiagraha, por deslizes na condução do processo.

“Está evidente que este processo [Lava Jato] está coberto de erros e imprudências jurídicas. Eu apontaria desde logo o erro de querer transformar prisões preventivas em instrumentos de coação para que indivíduos submetidos a condições desumanas tentem se livrar disso por meio da delação premiada. O instituto da delação premiada não é isso! Esse juiz Moro me parece um homem muito pouco equilibrado. Não está se comportando como um juiz. Está se comportando como um acusador”, pontuou Bandeira.

Na visão dele, o Judiciário deve ignorar a campanha dos procuradores e dizer à imprensa que sua função é atuar com “imparcialidade absoluta”, e não sob “coação” de qualquer ordem. Apesar do palpite, Bandeira de Mello tem baixas expectativas em torno do que se sucederá quando a Lava Jato entrar em fase de julgamento.

Reeditando o Mensalão

“Eu não sei o que vai acontecer, mas no Mensalão já tivemos situações lamentáveis. O ministro Luís Roberto Barroso, antes mesmo de estar no Supremo [Tribunal Federal], havia dito que o julgamento era um ponto fora da curva. E foi mesmo. Contrário à posição de que a pessoa é inocente até que se prove o contrário. Ignoraram isso. Condenaram pessoas sem provas porque quiseram. E foi assim porque a imprensa os apavorou”, disse.

E acrescentou: “Não tem nada na Terra que juizes temam mais do que a imprensa. Se a imprensa inteira vai para um lado, eles têm medo de irem para outro. Espero que não aconteça a mesma coisa na Lava Jato. Que quem tenha feito coisa errada seja preso. É uma limpeza. É a primeira vez que pessoas influentes vão para a cadeia. Mas que sejam punidas na forma da lei, e não por pressão da imprensa.”

Cíntia Alves
No GGN
Leia Mais ►

Walter Firmo no Conversa Afiada com Paulo Henrique Amorim


Leia Mais ►

Quem apostou contra a Petrobras perdeu dinheiro — merecidamente

Não ia acabar?
E se você tivesse ouvido o que os suspeitos de sempre diziam sobre a Petrobras e o dólar e tomado decisões de investimento com base neles?

Suspeitos de sempre são os colunistas de economia e política, políticos como Aécio, FHC e Serra e consultoras de investimentos como a Empiricus, célebre por decretar o fim do Brasil.

Bem, numa palavra, você estaria frito.

A Petrobras tinha sido destruída, diziam. Cada queda das ações da empresa era posta na manchete e comemorada. O G1 passou a acompanhar as oscilações do dólar em tempo real, como se o país tivesse se desgovernado economicamente.

Leitores que levam a sério os suspeitos de sempre teriam vendido suas ações da Petrobras e comprado todos os dólares possíveis. A Empiricus manteve, semanas seguidas, um anúncio com o seguinte título: “Dólar a 4”.

E então, em vez da tragédia anunciada, você vê as ações da Petrobras se recuperarem, puxadas pelos investidores estrangeiros, e o dólar se acomodar na casa de 3,1, patamar em torno do qual deve permanecer ao longo de 2015.

Você vê também, escondido no noticiário, que a Shell gastou muitos bilhões para se aproximar da Petrobras no pré-sal. O presidente da Shell falou exatamente o oposto do que os suspeitos de sempre estavam dizendo sobre a Petrobras.

Com uma diferença: a Shell alicerçou suas palavras com muito dinheiro, enquanto os abutres com certeza certamente não mexeram em suas próprias carteiras.

Quantas vezes você leu, durante a queda momentânea, quanto valor de mercado tinha perdido a Petrobras? Todos os contadores de ocasião tinham ignorado, antes, a extraordinária valorização da empresa desde 2003. Agora mais uma vez: desde janeiro, os papeis se valorizaram mais de 40%. Onde os gráficos e tabelas que mostram quanto isso representa em valor de mercado?

Com todo o respeito, quem caiu nessa esparrela merece o prejuízo por não ter aprendido, depois de tanto tempo, a ver o caráter político, tendencioso e frequentemente desonesto dos diagnósticos e das previsões dos suspeitos de sempre.

Em algum momento, imagino, alguém irá à Justiça cobrar os abutres pelas perdas financeiras decorrentes das opiniões de quem quer ver o Brasil no buraco a qualquer preço.

Repito: lamento por você que acreditou em quem não merece fé nenhuma, mas não posso deixar de dizer que você mereceu.

Só falta agora você vestir a camisa do Brasil e ir amanhã às ruas protestar contra Dilma, responsável por não ter feito a Petrobras afundar como deveria para você ganhar dinheiro.

Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

A víbora manda lembranças


O documentário Garrafas ao Mar: a víbora manda lembranças, realizado pelo jornalista Geneton Moraes Neto, nos revela as conversas gravadas com o repórter Joel Silveira ao longo de 20 anos até a sua morte, em 2007. São cerca de 80 minutos de experiências e observações sobre sua carreira contadas por ele mesmo. Joel cobriu a Segunda Guerra Mundial e foi precursor do jornalismo literário no Brasil tendo convivido com Nelson Rodrigues e entrevistando figuras históricas do país como Gilberto Freyre, Getúlio Vargas, Graciliano Ramos, Jorge Amado, entre outros. Joel Silveira também passou pelos principais jornais do país, como o Diários Associados, Última Hora, O Estado de S. Paulo, Diário de Notícias, Correio da Manhã e Manchete. No Diários Associados, Assis Chateaubriand lhe deu o apelido de "Víbora" devido ao seu modo ferino de escrever. Entre suas principais reportagens estão "Era assim os grã-finos de São Paulo" e "A Milésima Segunda Noite na Avenida Paulista" em que descreve o casamento da filha do conde Francisco Matarazzo Júnior sem ter participado da cerimônia por não ter sido convidado. O tom do filme, como Geneton mesmo define, é de um mestre se dirigindo a um aprendiz: "o que vi e ouvi ali, naquele apartamento que chamo de Escola de Jornalismo da rua Francisco Sá, haverá de ser útil, também, a quem assistir ao documentário". Junto com a entrevista, o documentário traz ainda leitura de textos de Joel Silveira na voz dos atores Othon Bastos e Carlos Vereza.

O Repórter que viu a banda passar

Como a sessão de cinema que nos tira do abismo em 90 minutos, Geneton Moraes Neto produziu um oásis televisivo no fim de semana. Era um western com tiros para todo lado onde só havia entrevistado e entrevistador e a arma era a palavra. Escrita, lembrada, falada, gravada em 20 anos de conversa no apartamento da Rua Francisco Sá, em Copacabana, onde o entrevistador apareceu um dia sem ser convidado e sem ter onde publicar. Mas também poderia ser um filme de amor ao Jornalismo. Garrafas ao Mar – A víbora manda lembranças, documentário de 80 minutos, deixou saudade do jornalista direto, corajoso, ferino, cruel e genial, o maior repórter brasileiro como Geneton homenageou Joel Silveira.

O convite recusado para assistir ao casamento adiado que depois duraria dois dias, três noites e três madrugadas virou "A milésima segunda noite da Avenida Paulista". O casamento de Filly com João, a filha do conde Francisco Matarazzo Jr. com o milionário carioca João Lage, não saiu sozinha; no final, Joel arrematou com o casamento de Nadir e José, a operária e o torneiro mecânico da fábrica de Matarazzo.

Foi Joel que inaugurou o "Novo Jornalismo" na imprensa brasileira ao traçar um retrato cruel da elite paulistana em "1943: Eram assim os grã-finos em São Paulo". Sergipano, ele tinha desembarcado do vapor Itagipe com 200 réis no bolso, em 1937, para em seguida escrever no semanário literário Dom Casmurro, onde foi bater sem recomendação, apenas por ser o jornal que seu pai lia. Um ano depois trocava Dom Casmurro pela revista Diretrizes, de Samuel Wainer, onde publicou o deboche da grã-finagem paulista, e ficou até a revista ser fechada pelo DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda da ditadura de Getúlio).

Crítica definitiva

Quem apresentou Joel ao dono dos Diários Associados, Assis Chateaubriand, foi o político mineiro Virgilio de Melo Franco: "Está aqui a víbora que o senhor quer contratar". Chatô escalou a "víbora" para cobrir a Segunda Guerra junto à Força Expedicionária Brasileira, recomendando: "Mas não me morra, seu Silveira. Repórter é para mandar notícias, não é para morrer".

"Fui para a guerra com 27 anos, passei dez meses e voltei com 40 anos. "A guerra", Joel contou a Geneton, "me tirou 13 anos".

João Cabral, Portinari, Nássara, Paulo Mendes Campos, Drummond, Fernando Sabino, ninguém escapou da "víbora". Foi um agnóstico ("só os ricos e os inocentes acreditam que Deus é brasileiro") que dissecou as vísceras de três papas ("Paulo VI, asceta, frio e distante; João XXIII, exuberante; e Pio XII, nem coroinha de sacristia, um débil mental. Mas com outros religiosos eu conversava, nem eles falavam de Deus, nem eu de mulheres"). E de vários presidentes, como Getúlio Vargas, que no primeiro encontro, ao ouvir que o rapaz só queria uma entrevista, não um emprego, se levantou da cadeira e foi embora, deixando o repórter impressionado com a pequenez da estatura e com as mãos lisas do quase entrevistado. Mas Joel não desistiu, colheu conversas e tantas histórias — como a carta que o presidente entregou selada a Jango quando o enviou às pressas para o Sul recomendando "só abra amanhã" — e o dia seguinte era 24 de agosto de 1954. "Era uma cópia da carta-testamento".

Com Jânio ele fez uma viagem de Las Palmas a Londres e afirma: "A vassoura, a caspa, o sotaque, era tudo encenação. No navio ele estava muito bem vestido, cheirando a lavanda inglesa, inteligentíssimo e cativante". Com JK, Joel esteve meses antes da morte no quilômetro 328 da Via Dutra, que ele não aceita. "Ninguém me convence que foi acidente".

Nenhuma entrevista foi programada nem caiu do céu. "Repórter tem de ser chato, se não for chato não é repórter". Joel visitava o poeta Manuel Bandeira pelo menos uma vez por semana. Suas conversas com Graciliano Ramos estavam destinadas a morrer ali mesmo, depois que o alagoano, sem dizer uma palavra e antes de ir embora, rasgou o conto que o titubeante repórter lhe apresentou para avaliação. Mas Joel insistiu e arrancou tantas palavras de um Graciliano que gastava poucas, a princípio áspero e duro, que no final até admitiu a Geneton que rasgar o seu conto "foi a crítica literária mais sucinta e silenciosa que já vi". Era um elogio.

Pedido aos céus

Frustração, algumas, como a de ter sido engabelado pelo garçom de que Ernest Hemingway, sentado ali ao lado, detestava dar entrevistas. Joel bebeu um gole, tomou coragem e resolveu abordar o americano… mas antes foi ao banheiro. Na volta, Hemingway evaporou-se no restaurante. "Um tapa de Hemingway teria sido melhor para uma reportagem", Joel concluiu.

Geneton pergunta ao socialista o que ele achou do comentário de Nelson Rodrigues dizendo que Marx era uma besta. "Eu diria que Nelson é uma besta".

Quem faltou entrevistar?, Geneton continua com a bateria de perguntas. "Hitler, para perguntar 'por que o senhor não insistiu mais na pintura?; o mundo teria um péssimo pintor mas não passaria por uma guerra'. Seria meu epitáfio, eu iria direto para a câmera de gás".

Quem Joel não levaria para uma ilha deserta? "João Gilberto, muito menos com aquele violãozinho… aliás, levaria o João Gilberto e o deixaria lá, sem o violão".

Qual a pauta que ficou por fazer? "Todas. Jornalista não deve dar nenhuma notícia por encerrada". E ele cita várias que iam ficando pelo caminho (e agora já prescreveram, os culpados não podem mais ser punidos): Rubens Paiva assassinado em janeiro de 1971, Manuel Fiel Filho morto no Doi-Codi em janeiro de 1976, Vladimir Herzog "suicidado" no mesmo Doi-Codi um ano antes, o atentado do Riocentro que aconteceu a 30 de abril de 1981. Quem matou Zuzu Angel num desastre na saída do túnel Dois Irmãos, em abril de 1976, depois de uma peregrinação pelas embaixadas americanas ou correndo atrás de Henry Kissinger no Brasil para desmascarar o desaparecimento cinco anos antes do filho e integrante da luta armada Stuart Angel, que teve a boca amarrada ao cano de descarga de um carro em movimento? Quem traiu Lamarca, Marighela? "Geneton, já começamos uma série fantástica", Joel se anima.

Atrelado ao teclado da máquina de escrever Olivetti laranja, a câmera de Geneton captou Joel naquela fúria que ele costumava escrever na redação, arrancando de Nelson Rodrigues o comentário: "Patético".

"Qualquer atividade jornalística que não seja reportagem é um desperdício de tempo e energia".

"Repórteres, saiam da redação, vão para a rua".

"Repórter tem de ser humilde, não se discute com a notícia. Repórter não existe, o que existe é a notícia".

"Paciência, persistência e sorte foi o que Herbert Matthews me respondeu quando perguntei sobre as qualidades de um repórter".

"Ninguém deve se levar a sério, especialmente nós, jornalistas".

"Brasília, capital do Brasil? Não, é Ceilândia".

"Sacrilégio é encontrar uma imagem de Cristo no gabinete de um banqueiro".

"Se o povo não tem coragem de ir contra a Mangueira nem o Flamengo…"

"Jornalismo é ver a banda passar, não é fazer parte da banda".

As últimas reportagens de Joel foram publicadas na revista Manchete. Adolpho Bloch enviou Joel a Jerusalém recomendando que ele não se esquecesse de deixar um bilhetinho com um pedido no Muro das Lamentações. "Você será atendido", garantiu. Na volta Bloch perguntou: "E o pedido, você fez?". E Joel: "Fiz, pedi para você me dar aumento".

Prêmios e votos

Geneton e Joel produziram dois livros juntos pela Record, Hitler-Stalin, o pacto maldito e Nitroglicerina pura, em 1989 e 1996.

Agora Geneton salvou do incêndio e do esquecimento 20 anos de fitas K7 gravadas, imagens amadoras e profissionais, com o reconhecimento por ter aprendido tanto — e o nosso, por ele ter lançado essa garrafa ao mar.

O final do documentário é um apartamento vazio de documentos, de livros, e de Joel. As últimas palavras: "Estou morrendo, Geneton, estou morrendo". E nos últimos três anos, a tristeza de ter perdido todos os amigos e de não sair de casa.

Autodidata, Joel Silveira largou a faculdade de Direito no primeiro ano e viveu 60 anos de Jornalismo que Geneton qualificou de literário, mas firme, leve, objetivo. Com o "jornalismo de autor" que Geneton compara a Paulo Francis, Joel brilhou nos anos 1940, o das grandes reportagens usadas pelos jornais para driblar a censura do Estado Novo. Trabalhou na Última Hora, no Estado de S.Paulo, no Diário de Notícias, no Correio da Manhã.

Publicou 40 livros, o último em 2003, A milésima segunda noite na Avenida Paulista e outras reportagens, na imperdível coleção "Jornalismo Literário" dirigida por Matinas Suzuki Jr. na Companhia das Letras. Coletou seis prêmios — o Esso, o Jabuti e o da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo entre eles.

Tentou e perdeu duas vezes uma cadeira na Academia Brasileira de Letras, a segunda em 2001, pleiteando a vaga de Jorge Amado que Zélia Gattai ganhou com 32 votos. Joel perdeu feliz, dizia que só apresentou sua "anticandidatura" para tirar quatro votos de Zélia, "que não era ditadora para ser eleita por unanimidade como Getúlio, muito menos escritora". (*)

Morreu em agosto de 2007, aos 88 anos.

(*) Leia sobre o assunto aqui: Um chá com sabor de pimenta

Norma Couri é jornalista
No OI

Assista o documentário completo:


Leia Mais ►

MPF ajuíza ação contra Abril por venda ilegal de canal que transmitia a MTV

Irregularidades se devem a dispensa indevida de licitação e falta de aval do Ministério das Comunicações para o negócio

O Ministério Público Federal ajuizou uma ação cautelar preparatória, com pedido de liminar, para que o uso do canal de TV aberta antes ocupado pela programação da MTV seja suspenso. O processo contra a Abril Radiodifusão S/A, a Spring Televisão S/A e a União visa também à proibição de que novas licenças de TV sejam outorgadas às duas empresas. Elas participaram de uma negociação irregular em dezembro de 2013, quando a Abril vendeu à Spring a concessão da frequência.

A Abril era proprietária da MTV Brasil e utilizava o canal para transmitir a programação da emissora de música e entretenimento. Após o fim das operações na TV aberta e a devolução da marca MTV à empresa Viacom, a companhia vendeu a outorga de radiodifusão que detinha por R$ 290 mil à Spring, como consta das demonstrações financeiras de sua controladora, a Abril Comunicações S/A. Hoje, a grade do canal é quase integralmente ocupada por conteúdo produzido pela Igreja Mundial do Poder de Deus.

Ilegal

A transação entre a Abril e a Spring afronta a Lei nº 4.117/62 e o Decreto nº 52.795/63, que vedam a cessão do direito de uso da outorga a terceiros, cabendo exclusivamente ao concessionário a transmissão da programação. Os canais abertos, enquanto serviço público, não são comercializáveis entre particulares, e toda autorização para que a iniciativa privada explore as frequências deve ser feita mediante concorrência pública.

Questionada pelo MPF sobre a forma como o negócio havia sido fechado, a Abril alegou acreditar não ser necessária a licitação prévia, bastando para a aprovação do acordo apenas a anuência do Ministério das Comunicações. No entanto, apesar da argumentação da empresa, a transação, ocorrida em 2013, foi realizada sem o devido aval do órgão. Segundo a pasta, o pedido da Abril para a transferência da concessão à Spring só foi feito em 2014 e ainda está sob análise.

Também em pedido liminar, os procuradores querem que a Abril e a Spring apresentem, perante a Justiça Federal, toda a documentação referente à negociação. O número do processo é 0006235-69.2015.4.03.6100. Para acompanhar a tramitação, acesse http://www.jfsp.jus.br/foruns-federais/.

FINDAC

A ação é resultado dos trabalhos do Fórum Interinstitucional pelo Direito à Comunicação (Findac), grupo que conta com a participação da sociedade civil organizada e de instituições de pesquisa acadêmica, sob coordenação do MPF. O Findac é um espaço de discussão implementado para sistematizar o debate sobre temas relacionados às áreas de comunicação e direito, sobretudo radiodifusão sonora, televisão e mídias digitais.

No MPF-SP
Leia Mais ►

Parabéns, eleitores! Vocês ajudaram o Brasil a engatar a marcha à ré

Tem um jabuti no poste.

E ele não subiu sozinho.

Porque jabuti não sobe sozinho em poste.

Foram os votos de dezenas de milhões de brasileiros que compuseram o Congresso Nacional mais conservador em costumes e agressivo do ponto de vista de direitos sociais, trabalhistas e ambientais em muitas décadas.

Essa legislatura não surgiu de brotamento, cissiparidade, esporulação, partenogênese, geração espontânea ou via vontade divina. Foi você que colocou ele lá. Você.

Um Congresso que, em sua maioria, representa mais os interesses de seus financiadores de campanha ou de sua classe social que os da maioria dos brasileiros — que são empregados e não patrões.

O projeto de terceirização, aprovado em votação na Câmara dos Deputados nesta semana, é o primeiro grande golpe nos direitos dos trabalhadores. Mas não será o único. Sim, se a extensa pauta de lobbies avançar no Congresso como está se desenhando, sua vida vai piorar nos próximos anos.

E o melhor de tudo: você, eleitor, também terá sido responsável por isso.

E como a própria Presidência da República terceirizou a política, é difícil imaginar que vetará ou terá forças para sustentar um veto ao PL 4330/04. Isso se quiser fazer isso, é claro, o que também duvido muito.

Mas muitos acharão que não. Acreditarão nas propagandas de que a aprovação da retirada de direitos dos trabalhadores é uma coisa legal, um avanço no sentido do crescimento e do desenvolvimento do país.

E vai dizer que a vida piorou não por conta disso, mas por ira divina. Culpa dos pecados dos homossexuais e dos transexuais, talvez? Ou do comunismo.

Poucos refletiram sobre sua escolha para representantes no Legislativo. Atenderam a um pedido do marido da filha de um amigo que estava trabalhando em uma campanha, a uma propaganda simpática na TV, a uma promessa de algum favor futuro ou presentinho dado de forma indevida. Abraçaram a ideia estúpida de “eu voto em quem ganha, não voto em perdedor'', a inércia do tipo “sempre votei nela/nele, por que mudar?'' ou, o pior, o “não faz diferença mesmo''.

Acabamos tão preocupados com os cargos para a Presidência e os governos estaduais ou distrital que esquecemos que os outros três votos (deputados estadual e federal e senador) falariam por nós no dia a dia dos parlamentos, para fazer ou barrar leis e, pasmem, zelar pelo funcionamento do Executivo.

Há boas pessoas fazendo um bom trabalho, independente do partido e da orientação ideológica. Pessoas que não tem dívidas com grandes empresas por conta de sua campanha. Mas estão em número insuficiente e ficam dando murro em ponta de faca.

De certa forma, o Congresso é o reflexo da população. Talvez não daquilo que ela gostaria de ser, mas daquilo que ela efetivamente é.

Reclamamos de um Congresso corrupto, incompetente ou que não nos representa, mas somos nós que colocamos o jabuti lá.

Portanto, a maioria não tem o direito de ficar pasma quando os efeitos dessas decisões começarem a ser sentidas no dia a dia.

Pelo contrário, tenham a coragem de ser orgulhar na rua de seu feito. Vocês ajudaram a colocar o Brasil em marcha à ré.

Leonardo Sakamoto
Leia Mais ►

Justiça gaúcha veta ar em todos os ônibus

http://www.correiodopovo.com.br/blogs/juremirmachado/?p=7081

A justiça adora legislar. Só não legisla contra ela mesma. Quando se trata de auxílio-moradia, o mais escandaloso e imoral privilégio de uma corporação brasileira, a justiça sempre se dá ganho de causa. É um conforto que ela não se nega.

A Câmara de Vereadores de Porto Alegre decidiu que todos os ônibus da capital deveriam ter ar condicionado.

A Prefeitura Municipal, para encanto dos donos de ônibus, recorreu à justiça para invalidar a decisão dos vereadores.

A justiça fechou com a Prefeitura.

No conforto do seu ar geladinho, o juiz decidiu que a plebe pode esperar mais alguns anos. Afinal, está acostumada a sentir frio, calor, pressão e tudo mais. No Rio de Janeiro, o rei do ônibus, Jacob Barata, vive reclamando das imposições do legislativo. Por coincidência, ele é também um dos reis do dinheiro nas contas do HSBC da Suíça. Pobrezinho desse empresário abnegado.

Já podemos fechar a Câmara de Vereadores de Porto Alegre.

O TJ pode tomar o lugar dela. A alegação do juiz é que não seria atribuição de vereador propor tal medida, exclusiva do executivo. Por quê? Não convence. Não cria despesa direta para a prefeitura, salvo como dona de empresa de ônibus, o que já é uma situação indireta. Além disso, a Carris está muito bem no quesito ar. O juiz considerou também que haveria impacto no preço das tarifas e prejuízo às empresas, que teriam de comprar ônibus novos. Não é atribuição do juiz decidir sobre impacto nas tarifas nem sobre investimentos das empresas. O cidadão togado abusou das suas funções e usurpou poderes dos vereadores.

A explicação é uma só: juiz não anda de ônibus.

Os empresários de ônibus agradecem de olhos molhados.

A plebe usuária de ônibus pensa na sua insignificância: eles podem tudo, não são eleitos.

Podem até ter mais de uma residência e ainda receber auxílio-moradia.

A Índia é aqui. Vivemos num sistema de castas.
Leia Mais ►

Terceirização põe fim a concursos públicos, diz especialista


Empresas públicas e de economia mista passam a ter autorização para constituírem quadros funcionais formados exclusivamente de terceirizados

O especialista em Direito Constitucional, professor Beto Fernandes, teme que o projeto da terceirização da mão de obra, aprovado pela Câmara dos Deputados, venha a pôr fim à realização de concursos públicos nas empresas públicas e sociedades de economia mista, entre elas a Petrobras, Eletrobrás, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil.

Pelo Projeto de Lei 4330/04, a terceirização deixa de ser aplicada apenas às atividades-meio e avança sobre as atividades-fim não só na iniciativa privada como também no setor público (à exceção das áreas de fiscalização e regulamentação).

Fernandes é advogado, servidor público do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF) e professor de cursos preparatórios desde 2005. Ele manifestou sua preocupação com o fim de concursos em entrevista concedida nesta sexta-feira, 10, ao programa “Revista Brasil”, da Rádio Nacional, emissora da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC).

Seria muito danoso, avaliou, referindo-se à autorização que a nova lei dá às empresas públicas para abandonarem o procedimento clássico da realização de concursos.

O concurso público é uma instituição nacional e emprega milhares de pessoas não só na administração direta como também em empresas públicas federais, estaduais e municipais. O professor afirmou aos ouvintes que considera haver itens do projeto que podem ser considerados inconstitucionais – não o todo.

“O projeto em si, como um todo, não é inconstitucional, mas alguns pontos são, como, por exemplo, o artigo que quer introduzir a terceirização nas empresas públicas e sociedades de economia mista”, afirmou.

Para ele, terceirização é exclusividade da iniciativa privada.

No entender do professor, com a nova lei esse importante segmento do mercado de trabalho poderá se isentar de ter seu próprio quadro funcional para recorrer ao mercado da terceirização, no qual os salários são inferiores, há menos benefícios e as vantagens ficam muito aquém dos assegurados aos concursados.

Empresas públicas e de economia mista já se utilizam intensivamente de empregados terceirizados nas atividades de limpeza, segurança, informática, manutenção de jardins e fornecimento de cafezinho e alimentação, conforme autorizado por súmula (nº 331) do Tribunal Superior Eleitoral (TST).

A experiência desse segmento em lidar com essa alternativa é fator que pode facilitar a opção pelo terceirizado em todo o espectro do quadro de servidores.

Márcio de Morais
No Agência PT de Notícias
Leia Mais ►

Congresso terceirizado não vale nem um biscoito Mabel, diz Urariano


"A Lei Mabel vem de um congresso terceirizado. Que não representa a categoria do povo trabalhador, pois sofreu a terceirização das empresas. O que vale dizer, enfim: esse congresso não vale nem um biscoito. Nem uma rosquinha Mabel", disparou Urariano Mota, colunista da Rádio Vermelho, ao deixar claro seu descontentamento com a aprovação do PL 4330 pela Câmara dos Deputados presidida por Eduardo Cunha.

Ao longo de sua coluna desta segunda semana de abril, o jornalista e escritor pernambucano afirmou "em resumo, teremos pelo projeto de lei, que podemos chamar PL Mabel, escolas sem professores, bancos sem bancários, hospitais sem funcionários, serviço público sem servidores, jornalismo sem jornalistas, e até mesmo funcionários sem função, substituídos pela carne nova terceirizada, que vem com sangue para a máquina do lucro mais cínico, que invadiu de vez a esfera pública. O que faz o sentido".

Informação enviesada

Urariano alerta "terceirizou geral", ao indicar o que significa o projeto de lei 4330/2004, votado pela Câmara do Deputados. Na oportunidade, ele também disparou contra a mídia burguesa que menos informa do que esclarece o quão traiçoeiro é essa proposta.

"Algumas notícias, em um cantinho de boxe, falam também que muitas vezes essas empresas terceirizadas têm capital social muito baixo, com poucos bens no nome da empresa ou dos sócios, e o trabalhador acaba enfrentando um longo périplo na Justiça para reaver seus direitos, dizem os representantes dos sindicatos. Mas já no cantinho dessa nota da imprensa passa-se ligeiro, feito gato nas brasas, pelo “capital social muito baixo” das contratadas. Não, amigos, as terceirizadas não têm capital muito baixo. Muitas vezes, elas têm capital nenhum. A empresa é a documentação contida em uma pasta, que o licitante carrega, ao lado de sorrisos e promessas nada republicanas. Isso quer dizer: o capital de contratadas é no máximo a capital, onde moram. O capital é a capital. Mais papéis, papéis e muita esperteza. Mas tudo dentro da lei. Documentos de certidões negativas, capitais declarados em registros de cartórios, objeto social do contrato que é só lábia, palavras e palavras", explica Urariano.



No Vermelho
Leia Mais ►

“Os projetos de Aloysio, Serra e Juthay visam enfraquecer a Petrobras, depois privatizá-la, entregando-a às petroleiras internacionais”

Os senadores Aloysio Nunes, José Serra e o deputado federal Juthay Jr. agem contra o patrimônio nacional
27 de abril, Rio de Janeiro, Rua Senador Dantas, 35, Centro.

Parlamentares, movimentos sociais e petroleiros lançam nesse dia, aí, em frente à sede da Petrobras, uma campanha nacional em defesa da companhia.

A decisão foi tomada na primeira reunião de planejamento da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Petrobras, realizada em Brasília na quarta-feira 8. Posteriormente serão agendadas ações em São Paulo, Paraná, Bahia, Sergipe e Rio Grande do Norte.

“Uma coisa — e isto nós defendemos — é punir corruptos e corruptores”, frisa o deputado federal Davidson Magalhães (PCdoB-BA), autor da proposta de criação da frente.“Outra, é enfraquecer a Petrobras, para por fim ao modelo de partilha no pré-sal e restringir as suas áreas de atuação, como pretendem aqueles que no passado tentaram privatizá-la.”

“Aproveitando-se da polêmica em torno da Lava Jato, eles voltaram à carga agora”, denuncia. “Os projetos dos senadores tucanos Aloysio Nunes e José Serra [PSDB-SP] e do deputado federal Juthay Jr. [PSDB-BA] visam enfraquecer a Petrobras, depois privatizá-la, entregando-a às petroleiras internacionais.”

O projeto de Aloysio, líder dos tucanos no Senado, extingue o “regime de partilha”, aprovado na gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP) e adotado no governo Dilma Rousseff (PT-RS). O propósito é retomar modelo de “concessão”, previsto em lei aprovada em 1997, na gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB-SP).

Os projetos de José Serra (PL 131/2015) e o e Jutahy Jr. (PL 600/2015) visam também à lei da partilha — nº 12. 351/2010. Sancionada pelo ex-presidente Lula, ela

“estabelece participação mínima da Petrobras no consórcio de exploração do pré-sal e a obrigatoriedade de que ela seja responsável pela “condução e execução, direta ou indireta, de todas as atividades de exploração, avaliação, desenvolvimento, produção e desativação das instalações de exploração e produção”.

Serra e Jutahy Jr. querem que a  Petrobras deixe de participar de todos os negócios da cadeia petrolífera, como acontece agora, e, ainda, derrubam a cláusula que condiciona a participação da empresa em, no mínimo, 30% da exploração e produção de cada licitação.

Daí a criação da Frente Parlamentar Mista para defender a integralidade da Petrobras e seu papel estratégico no desenvolvimento do Brasil. Ela atuará em dois campos de batalha: no congresso e na sociedade, via movimentos populares e entidades sindicais.

“No Congresso, o objetivo é denunciar as iniciativas como as de Jutahy Jr, Serra e Aloysio e tentar barrá-las”, afirma Davidson Magalhães. “Fora do parlamento, articulados com os movimentos sociais, a meta é levar para a sociedade o debate sobre a defesa da Petrobras. A população brasileira precisa ser esclarecida sobre os riscos desses projetos para a Petrobras,  a economia e o desenvolvimento nacional, assim como para o futuro do País.”

Confira a lista dos integrantes da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Petrobras. Os nomes estão em ordem alfabética. O seu deputado federal e o seu senadores estão nela?

 DEPUTADOS FEDERAIS

Frente 1-007
Frente 2 Frente 3-001 Frente 4 Frente 5-001

 SENADORES

Frente 6

Conceição Lemes
No Viomundo
Leia Mais ►

Desde a ditadura ninguém metia a mão no bolso do povo desse jeito

Protesto contra o assalto
A última vez que meteram as mãos nos bolsos dos trabalhadores foi na ditadura militar.

O governo Castelo Branco logo disse a que veio e extinguiu a estabilidade no emprego, um dos itens mais reluzentes dos direitos trabalhistas conquistados na Era Vargas.

Em seu lugar, para facilitar as demissões, e nada mais do que isso, veio o FGTS.

O fim da estabilidade foi uma das coisas vitais para que a ditadura acentuasse a desigualdade social no país.

Os ricos ficaram mais ricos e os trabalhadores perderam. Ditaduras de direita sempre funcionam assim.

Meio século depois, um novo assalto aos direitos trabalhistas acaba de ser feito com a aprovação do projeto de terceirização — e é extraordinário que tenha sido obra de congressistas.

Deputados dependem do voto para se eleger e se manter. Por isso, ninguém espera que tomem medidas tão impopulares como a terceirização. É coisa para ditaduras, como aconteceu quando foi posto fim à estabilidade.

Generais não têm compromisso com as urnas.

Que os congressistas tenham feito o que fizeram contra os interesses dos trabalhadores mostra não apenas quanto é conservador este Congresso — mas como os deputados perderam o sentido de pudor e, mais que isso, de sobrevivência política.

Os eleitores haverão de se lembrar de um por um entre os que disseram sim.

O caso mais simbólico é o do presidente do Congresso, Eduardo Cunha. Suas ambições presidenciais morreram com a terceirização. A voz rouca das ruas jamais o perdoará.

Cunha obteve uma vitória no curto prazo, mas arremessou ao lixo suas chances de virar presidente em 2018.

Se há um fato positivo no drama da terceirização, ei-lo.

Os argumentos a favor do projeto não poderiam ser mais hipócritas. Num editorial, o Globo festejou a terceirização porque “corta os custos” das empresas e “aumenta a produtividade”.

Eis o Globo sendo o velho Globo de guerra. A criação do 13º salário por João Goulart foi tratada como uma calamidade pelo jornal.

Para empresas como a Globo, o mundo ideal é aquele em que o trabalhador não tem direito nenhum além de se esfolar pelos patrões.

É a mentalidade que floresceu entre os capitalistas até meados do século 19. Coube à Alemanha, sob Bismarck, sistematizar as primeiras leis trabalhistas — férias, limite de horas, pensão.

Não que Birmarck fosse bonzinho, mas porque a plutocracia alemã temia a força crescente da esquerda, inspirada por um certo Karl Marx.

De lá para cá, as leis trabalhistas ganharam o mundo. No começo dos anos 1900 a Inglaterra também adotou sua legislação trabalhista que refletia os novos tempos.

É triste notar que, no Brasil, a vida dos trabalhadores só melhoraria muito tempo depois, com Getúlio Vargas, o maior dos presidentes brasileiros.

As empresas nacionais precisam mesmo de salários menores?

A melhor resposta está, mais uma vez, na Globo. Considere a fortuna pessoal dos Marinhos, a família mais rica do país.

É uma obviedade que, se os custos brasileiros fossem elevados, os Marinhos não teriam acumulado uma fortuna tão abjeta.

A terceirização, como o fim da estabilidade, vai contribuir para o crescimento da desigualdade do país.

A desigualdade é o maior problema brasileiro, sabemos todos.

Pois o gesto obsceno dos deputados torna este problema ainda pior do que já é.

Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►