16 de jan de 2015

Turquía acusa al Mossad de estar detrás de los atentados terroristas a Charlie Hebdo

Los tres días de terror condenable en Francia, sea quien fuere el cerebro, entraron a la fase de la batalla por la persuasión de la opinión pública en Occidente.

Turquía acusa al Mossad de estar detrás de los atentados terroristas a Charlie HebdoTal batalla la tiene perdida Occidente en Rusia, China, India y en el mundo islámico de 57 países y mil 800 millones de feligreses, excluyendo, naturalmente, a los enigmáticos operadores de Al Qaeda, con sus ramificaciones trasnacionales, y/o Daesh/ISIS del Estado Islámico.

Sólo cito, sin profundizar, los numerosos cuan perturbadores agujeros negros de lo que se asemeja a un “ 11-S francés”, en cuanto a desinformación autoral se refiere: un policía ametrallado a bocajarro que no sangra (http://goo.gl/wSeZ86), video que luego fue censurado en Francia (http://goo.gl/IeO3IU); el abandono de una carta de identidad de un presunto terrorista islámico; el suicidio de Helric Fredou, jefe de la policía a cargo de la persecución de los homicidas (http://goo.gl/qyGuV0); la presencia repulsiva del infanticida de palestinos, el primer ministro Benjamin Netanyahu, que hasta para el rotativo israelí Haaretz resultó un fracaso de relaciones públicas (http://goo.gl/08r5a0); la fuga extraña del lugar de los hechos de Hayat Boumeddiene, de 26 años de edad, esposa del asesino del atentado execrable a un supermercado kosher, sin ser capturada y que se refugió con los rebeldes sirios, curiosamente entrenados por Estados Unidos e Israel, según el portal israelí Debka (http://goo.gl/KGk0OO); la conspicua ausencia de altos funcionarios del gabinete de Obama en la marcha de París y otras interrogantes.

La vez anterior expuse que el arribo de Al Qaeda a la torre Eiffel era más que cantado, como vaticiné exactamente hace dos años (http://goo.gl/xJjCy1), dando a conocer la narrativa unánime de los multimedia occidentales, quienes atribuyeron sin cuestionar, a pie juntillas, los atentados a la rama de Al Qaeda en Yemen, lo cual, desde el punto de vista geopolítico, desnuda todo un operativo militar inminente que va desde el mar Rojo hasta el Golfo Pérsico pasando por Libia, como arguye Thierry Meyssan, director del portal francés Réseau Voltaire (http://goo.gl/C1DXy9).

Por la valía de la mayéutica socrática y la dialéctica hegeliana – joyas mentales en la búsqueda de la verdad en el Occidente ilustrado –, vale la pena escudriñar la filípica de Recep Tayyip Erdogan, presidente de Turquía – miembro conspicuo de la OTAN y del G-20 –, quien se fue a la yugular de Occidente e Israel.

En forma huracanada, el presidente Erdogan fulminó que están operando juegos geopolíticos en el mundo islámico y externó su asombro de que los servicios de inteligencia de Francia no hayan perseguido a los culpables en forma más efectiva.

El presidente turco arremetió contra el primer ministro israelí Netanyahu por haberse atrevido a participar en la marcha de París y lo acusó de encabezar el terrorismo de Estado contra los palestinos (http://goo.gl/bohZfu).

Según el muy consultado portal estadunidense Zero Hedge (http://goo.gl/B7FX0a), justamente al día siguiente de la marcha de París, el presidente Erdogan, en una conferencia de prensa, arremetió contra la obvia duplicidad de Occidente y señaló al racismo, al lenguaje de odio e islamofobia, de encontrarse detrás de las masacres, para luego colocar su estocada: es muy claro que los culpables son los ciudadanos franceses (¡extrasupersic!), quienes perpetraron la masacre por la que los musulmanes son culpados.

Melih Gokcek, alcalde de Ankara (la capital turca) – del mismo partido tanto del presidente Erdogan como del primer ministro Ahmet Davutoglu –, imputó que el Mossad (¡extrasupersic!) se encuentra definitivamente (¡supersic!) detrás de tales incidentes que estimulan la enemistad contra el Islam y agregó que estaban vinculados al inminente reconocimiento de Palestina por Francia.

No es lo mismo que directores de think tanks y aun alcaldes de países geoestratégicamente relevantes como Turquía expresen sus puntos de vista contrarios a la unánime corriente de los multimedia occidentales, que un presidente de la talla de Erdogan lo haga en forma oficial, lo cual eleva la puja de la confrontación intraeuropea y la fractura de facto en el seno de la OTAN.

A mi juicio, una lectura geopolítica de la notable participación del primer ministro Davutoglu en la marcha de París es que Turquía – 81 millones de habitantes, en su mayoría jóvenes – se posiciona como líder natural de los otros 56 millones de musulmanes en Europa (http://goo.gl/mZAyyS).

Alexander Zhilin, director del Centro para el Estudio de los Problemas Aplicados, con sede en Moscú, fustigó en una entrevista que el ataque terrorista era una venganza (sic) al presidente François Hollande por haber exhortado al levantamiento de las sanciones de Europa contra Rusia. Ni más ni menos que una de mis hipótesis vertidas al respecto, lo cual explayé a Russia Today. ¿Pasó el atentado de Charlie Hebdo por el contencioso ucraniano?

También Irán –relevante país islámico con 80 millones, también de mayoría juvenil– asegura que el ataque en París fue “una operación de bandera falsa ( false flag) de la CIA” (http://goo.gl/S05AcH). ¿Por fin: fue la CIA, el Mossad, o los dos?

Más allá de que Paul Craig Roberts, ex asistente del Tesoro del presidente Reagan, haya acusado a la CIA de encontrarse detrás de los atentados de Francia – primero, en forma inquisitiva (http://goo.gl/YW6zJ2), y luego en forma categórica (http://goo.gl/6KUP0t) –, en Rusia pocos creen la versión hollywoodense del 11-S.

Alexei Martynov, director del Instituto Internacional para los Nuevos Estudios, aseveró que en los pasados 10 años el llamado terrorismo islámico está bajo el control de una de las principales agencias de espionaje del mundo y estoy seguro de que algunos de los supervisores (sic) estadunidenses son responsables de los ataques de París o, en cualquier caso, de los islamistas que lo perpetraron.

Como se esperaría, el Financial Times, portavoz de la desregulada globalización financierista, embiste contra las teorías conspirativas de Rusia y Turquía, que endosan la autoría de los atentados a Estados Unidos y el Mossad (http://goo.gl/3DOkoi). Pero no se trata de países cualquiera, sino de Rusia, máxima superpotencia nuclear, y Turquía, potencia islámica de primer orden.

Cuando aún los investigadores occidentales rehúsan dar su conclusión sobre el atentado del avión de Malaysia Airlines MH17 sobre Ucrania – de la cual quizá el presidente Putin tenga varios ases bajo la manga de sus propias investigaciones satelitales –, en una guerra multidimensional, como la de Rusia y Estados Unidos, la primera víctima es la verdad, relegada a segundo término, cuando prevalecen la percepción y el manejo de las opiniones públicas.

Nunca ha estado más vigente el principio del empiricismo/inmaterialismo del obispo anglo-irlandés George Berkeley del siglo XVIII: “ esse est percipi” (ser es percibir).

La gravedad de los soliloquios, producto de las percepciones singulares y su hermenéutica, es que el mundo está al borde de una guerra nuclear entre Estados Unidos y Rusia, como advierte Gorbachov (http://goo.gl/K96CWx).

Alfredo Jalife
No teleSUR
Leia Mais ►

Papa vai exorcizar Reinaldo Azevedo?


Reinaldo Azevedo — também apelidado de “pitbull da Veja” e de “rottweiler da Folha” numa baita injustiça contra os cãezinhos — está irritado com o Papa Francisco. Além de receber os movimentos sociais no Vaticano, de intermediar o reatamento diplomático entre EUA e Cuba e de dar uma chacoalhada na decadente hierarquia católica, o pontífice argentino ainda resolveu criticar a libertinagem da mídia. “Há limites para a liberdade de expressão”, afirmou o religioso na sua visita às Filipinas. Esta declaração, na contracorrente da comoção criada pelo atentado ao jornal “Charlie Hebdo”, deixou o jornalista histérico. Em artigo publicado nesta sexta-feira (16), na Folha, ele rosnou: “Francisco, por que não te calas?”.

Para o “libertário” Reinaldo Azevedo — que até hoje não prestou solidariedade aos seus colegas demitidos na Veja e na Folha —, as opiniões do Papa sobre o atentado na França “são covardes, imprecisas e politiqueiras”. Ele até admite que rejeita a linha satírica do jornal francês. “Não gosto do ‘Charlie Hebdo’. Não vejo graça numa charge em que Hitler aparece saltitante, dando um alô pra ‘judeuzada’. Ou em que o papa Bento 16 troca carícias com um soldado da Guarda Suíça. Ou em que um árabe lambe o traseiro de um judeu”. Mas garante que, mesmo assim, defende a total liberdade de expressão. A mídia monopolista, que apoiou ditaduras sanguinárias e guerras imperialistas, também jura defender esta tal liberdade.

Contraditoriamente, porém, o “calunista” dá apoio à polícia francesa, que deteve na quarta-feira (14) “um delinquente disfarçado de humorista chamado Dieudonné. Seu lugar é a cadeia. E não porque recite discursos de um antissemitismo tarado, mas porque faz a apologia da violência”. O mundo é realmente contraditório e não cabe na visão doentia dos maniqueístas. Isto talvez explique o ódio de Reinaldo Azevedo. Para ele, “Francisco tem cabeça e postura de cura de aldeia, não de papa. Suas entrevistas ambíguas são detestáveis. Suas opiniões sobre o atentado e a liberdade de expressão são covardes, imprecisas e politiqueiras... Ainda bem que nenhum católico vai tentar me dar mil chicotadas por isso”.

Em artigo recente, o teólogo Leonardo Boff alertou que está em curso uma campanha internacional de difamação do Papa Francisco. Ela partiria de setores descontentes do próprio Vaticano e contaria com o apoio de jornalistas da mídia conservadora. O objetivo seria conter as mudanças promovidas pelo líder religioso, que visam arejar a decadente hierarquia católica no mundo. Pelo jeito, Reinaldo Azevedo decidiu reforçar o coro dos detratores do Papa. Em certa oportunidade, o próprio Leonardo Boff apelidou o serviçal da Veja e da Folha de “rola-bosta” — aquele besouro que enterra o esterco. Será que algum dia o “pitbull” será exorcizado?

Altamiro Borges
Leia Mais ►

Plantão de notícias: Rússia não mais distribuirá gás através da Ucrânia


Primeiro, fiquei um pouco cético. Depois, começaram a chegar notícias de mais e mais fontes, todas confirmando que sim, é a mais pura verdade: a Rússia pôs fim, completa, totalmente, à distribuição de seu gás através de território e dutos da Ucrânia. Agora, todo o gás russo fluirá por território turco (ver Bloomberg e LifeNews). E não só isso.

Os russos também disseram aos europeus que, se quiserem gás russo, eles que construam seus próprios gasodutos até a Turquia; e que todas as despesas ficam por conta deles, europeus, claro.

Os europeus parecem ainda em estado de choque. Maros Sefcovic, vice-presidente da Comissão Europeia para a união energética, disse que tal decisão “não faz sentido econômico”. Ahé?! Como se a guerra econômica e política sem tréguas que a União Europeia faz contra a Rússia fizesse algum (qualquer) sentido.

Posso bem imaginar a cara dos euroburocratas, quando Aleksej Miller, presidente da Gazprom, disse-lhes que “agora, tratem de construir toda a infraestrutura necessária a partir da fronteira turco-grega”, com Novak, Ministro russo de Energia, logo acrescentando que “a decisão já foi tomada. Estamos diversificando e eliminando riscos em países não confiáveis que nos causaram problemas noutros anos, inclusive para consumidores europeus”.

Aleksej Miller (E) e Vladimir Putin
Em outras palavras, a União Europeia perdeu tudo. E, idem, a Ucrânia. Não esqueçam que a União Europeia não tem alternativas e só lhe resta comprar gás russo da Turquia, mas a Rússia passará muito bem sem as exportações de gás para a Europa, porque a China já assinou contrato que cobre exatamente a mesma quantidade de gás e possivelmente muito mais gás.

Agora, é esperar para ver como as elites europeias infinitamente corruptas, arrogantes e criminosamente irresponsáveis lidarão com os estoques agrícolas excedentes que apodrecerão, numa sociedade empenhada em guerra ideológica [e racista] contra 1,6 bilhão de muçulmanos e, agora, em pleno inverno, também sem energia

Os sempre insubstituíveis poloneses apareceram com uma estratégia brilhantíssima para resolver tudo: ao que tudo indica, eles “absolutamente não” convidarão o presidente Putin para as comemorações da libertação de Auschwitz, apesar de o mundo saber que Auschwitz foi libertada pelo exército soviético. Tenho certeza de que Putin ficou impressionadíssimo e desoladíssimo.
Victoria "F***-se a União Europeia" Nuland
Atualmente, cada vez que ouço notícias da Europa, sempre lembro do famosíssimo “Foda-se a União Europeia” da imortal Victoria Nuland. Agora foi a vez de Boris Johnson, prefeito de Londres, que chamou seus colegas europeus de “grandes amebas protoplasmáticas invertebradas covardes” [orig. “great supine protoplasmic invertebrate jellies”]. Partilho exatamente a mesma opinião: que todos esses “Somos-Charlies” congelem na própria patética mediocridade.

The Saker
No Redecastorphoto
Leia Mais ►

As bombas semióticas do "Charlie Hebdo" e das "árvores-que-caem-e-matam" em São Paulo

Enquanto o jornal Charlie Hebdo foi repentinamente arrancado da crise financeira e da ameaça de fechamento para a condição de “pièce de résistance” da liberdade de expressão Ocidental, em São Paulo as costumeiras árvores que caem a cada tempestade de verão também repentinamente foram elevadas da cobertura local aos telejornais diários de rede nacional como o fenômeno generalizado das “árvores-que-caem-e-matam”. O que há em comum nesses dois eventos que dominam a atual pauta midiática? A bomba semiótica diversionista, cujas origens estão nas táticas militares dos campos de batalha desde a Antiguidade. Hoje é a principal arma na luta pela conquista da atenção da opinião pública. Tática manjada e canastrona pelo seu evidente sendo de oportunismo, timing e conveniência. Porém, continua sendo a mais eficiente no desvio de atenção dos problemas reais.
“Aquele que aprender a usar o artifício do diversionismo será um conquistador. Eis a arte de fazer manobras” ( Sun Tzu)
Nas táticas militares, o diversionismo é uma das mais antigas. Para ganhar a guerra de Tróia, um comandante grego criou a ilusão de oferecer um cavalo de madeira de presente para distrair o inimigo e afrouxar a segurança. Na Arte da Guerra, Sun Tzu falava em seguir uma rota longa e circular para ludibriar o inimigo e fazê-lo se afastar do caminho.

Quando as guerras passaram dos campos de batalha para as mídias (sejam elas as telemétricas e telemáticas que transformaram as guerras em videogames letais, ou então as mídias de massas), tudo transformou-se em uma guerra de comunicação onde os oponentes lutam para decidir o que está na alça de mira do inimigo ou na pauta das discussões na imprensa.

Norman Mailer: coincidências como
"espasmos da realidade" antes
de grandes acontecimentos
Assistindo a filmes como Mera Coincidência (Wag The Dog, 1997, onde o presidente dos EUA na reta final da sua reeleição envolve-se em escândalo sexual forçando a Casa Branca inventar uma crise internacional para desviar a atenção da opinião pública), percebemos que a essência da tática militar do diversionismo continua presente no contínuo midiático: iludir, desviar a atenção do inimigo do centro estratégico para a periferia das ações.

Assistindo ao telejornalismo da grande mídia nesse início de ano assistimos a um verdadeiro surto de táticas diversionistas. Se o escritor Norman Meiler estiver correto ao afirmar que no despertar de grandes eventos sempre ocorrem grandes coincidências como fossem espasmos da realidade, então estamos na iminência de algo significativo.

Charlie Hebdo e as árvores de São Paulo

Qual a relação entre o polêmico e mal contado atentado ao Charlie Hebdo em Paris e a verdadeira contagem diária dos números da queda de árvores em São Paulo que a grande imprensa repentinamente começou a reportar em tons histéricos? Se aproximarmos esses dois fatos que tomam conta da pauta de início de ano, perceberemos que são flagrantes exemplos de táticas diversionistas: tal como Sun Tzu concebia, tática para fazer a opinião pública percorrer uma grande rota em círculo para enganá-la.

Charlie Hebdo foi a tática diversionista do “choque das civilizações”: o tema da liberdade laica do Ocidente contra a religiosidade intolerante islâmica. Com todas as sua lacunas e ambiguidades que transformaram em uma história mal contada para, assim, atiçar a curiosidade conspiratória e ganhar ainda mais repercussão (sobre isso, clique aqui), serviu para concentrar os olhos de todos em Paris, enquanto o centro das ações está a alguns milhares de quilômetros ao Leste: o estreito de Bab el-Mandeb, gargalo do fluxo do transporte de petróleo.

Região entre o Iêmen e a Somália, ponto de interesse geopolítico na interligação entre o Mar Mediterrâneo e o Oceano Índico. A conexão entre Charlie Hebdo e um suposto braço da Al-Qaeda no Iêmen é o pretexto para a militarização da região e o controle estratégico do fluxo do petróleo.

Por que o súbito interesse pelas árvores?

Enquanto isso, a grande mídia em São Paulo faz um monitoramento diário inédito da queda de árvores na cidade, suas consequências mortais, prejuízos e contratempos para o trânsito.

O que intriga nessa súbita atenção pela queda das árvores, é que elas caem todo verão pela típica ação das chuvas e ventos da estação. Ao longo desses 28 anos que moro na cidade de São Paulo, os transtornos das quedas de árvores nunca mereceram grande atenção midiática, a não ser algumas matérias restritas aos telejornais locais. Isso, apesar do evidente culpa pelo descaso das sucessivas administrações públicas municipais.

Mas nesse ano, equipes de reportagem em terra, helicópteros e fluxo de imagens por celulares dos telespectadores ganham amplo espaço nos primeiros blocos de notícias.

E de forma inédita, a mobilização e comoção pelas árvores chegam aos telejornais de rede, como um fato de relevância nacional — transformaram-se nas “árvores-que-caem-e-matam”.

Tal como nos chamados “ataques do PCC” em 2006 na cidade de São Paulo onde nos telejornais o mesmo ônibus incendiando era mostrado repetidas vezes em ângulos diferentes criando a sensação de incêndios generalizados por todos os bairros, o mesmo efeito é criado na cobertura da queda das árvores: as quedas mais espetaculares são repetidas em diversos ângulos, por diversas edições, criando a percepção de um fenômeno generalizado que se aproximaria das catástrofes meteorológicas como tufões.

Por que agora esse interesse pelas árvores?

Em tempos ecologicamente corretos marcado pelo etérico conceito de “sustentabilidade”, “árvore” é a bomba semiótica perfeita: assim como o Charlie Hebdo (que caminhava para o esquecimento e irrelevância) se transformou de uma hora para outra em pièce de résistance da liberdade de expressão, a queda das árvores em São Paulo se transformaram numa espécie de catalização simbólica — alusão às supostas mudanças climáticas globais (e as tempestades em São Paulo seriam uma amostra disso) combinado com uma hipotética prova da incompetência das administrações de petistas eleitos, assim como o prefeito Haddad.

Perfeitas bombas semióticas: são exemplos de como eventos podem ser recortados, editados e encaixados em uma pauta pré-estabelecida nas reuniões dos “aquários” das redações.

A tática diversionista

Por que as “árvores-que-caem-e-matam” se tornaram uma tática diversionista? Simples! As tempestades diárias com as costumeiras inundações estão criando um quadro surreal para os paulistanos: após atravessar enchentes e chegar encharcado em casa, o paulistano abre a torneira e não cai um pingo d’água. Liga o interruptor e as luzes não acendem...

As “árvores-que-caem-e-matam” são perfeitos dispositivos semióticos para a municipalização dos problemas da esfera estadual. Falta água por que “chove no lugar errado” (como repetem como um mantra as “moças do tempo” na TV) pois a cidade fica muito quente e por isso só chove na área urbana... esquentam porque não tem árvores... porque estão caindo pelo descaso... e caem nos fios elétricos... cortando a luz... porque o prefeito não está nem aí para o problema das árvores...

Cartel do metrô e assédio sexual

Diversionismo: apitos contra
assédio sexual no metrô
A bomba semiótica diversionista é uma tática colocada em ação pelo governo estadual com o apoio da grande mídia desde que estouraram denúncias sobre o chamado “cartel do metrô” em São Paulo.

Quando o escândalo envolvendo a Linha Amarela do Metrô começou a vazar na grande mídia, imediatamente a tática diversionista foi acionada: em abril do ano passado foi disparado nos telejornais uma espalhafatosa campanha contra o assédio sexual nas composições habitualmente lotadas do metrô.

Com a imediata adesão de associações feministas com militantes devidamente uniformizadas com a camiseta “Juntas Podemos Muito Mais” ao melhor estilo “Je Suis Charlie Hebdo”. A grande mídia mostrou longas matérias sobre a distribuição de apitos para mulheres em estações do metrô — se fossem assediadas deveriam apitar para alertar a segurança.

Com matérias em proporção de tempo maior do que as denúncias de corrupção na construção de linhas do metrô, a atenção da opinião pública foi desviada para uma pauta propositiva de natureza moralizante e comportamental — aliás, tática semiótica privilegiada das atuais estratégias diversionistas: causas político-econômicas (infra-estruturais) são desviadas para temas de superestrutura (para usar uma terminologia do Marxismo): “choque de civilizações”, “machismo”, “liberdade de expressão” etc.

Ou pautas propositivas como a inauguração, cercada de pompas e circunstância com a presença de Alckmin e autoridades, das bombas para sugar o chamado “volume morto” do sistema Cantareira enquanto a água já desaparecia das torneiras dos paulistanos.

Com a bomba semiótica diversionista a grande mídia consegue escapar dos assuntos que lhe causam desconforto ou que potencialmente possam prejudicar seus interesses. Dos confrontos físicos das infantarias nos campos de batalha à luta encarniçada pela hegemonia da atenção da opinião pública nas mídias, o diversionismo continua sendo a tática mais manjada e canastrona pelo seu evidente sendo de oportunismo, timing e conveniência. E, apesar de tudo, a mais eficiente.

No Cinegnose
Leia Mais ►

Paulo Bernardo e as ilegalidades da TV Globo em São Paulo

Documento de Rogério Marinho desmente o então ministro Paulo Bernardo e prova que em 1970 a TV Globo não regularizara sua situação societária

Ofício de Rogério Marinho desmente o ministro
O inacreditável aconteceu. Ao responder ao Requerimento de Informações nº 135/2014, do senador Roberto Requião (PMDB/PR), sobre irregularidades na transferência do controle acionário da TV Paulista (hoje, TV Globo de São Paulo) para Roberto Marinho, o então ministro Paulo Bernardo, das Comunicações, sem documento algum a ampará-lo, afirmou que “as operações autorizadas pelo Ministério, se deram de forma regular e segundo os ditames legais exigidos sendo, inclusive, acompanhados dos devidos pareceres do competente órgão jurídico e dos atos necessários à sua regularidade o que os tornou juridicamente perfeitos”.

Como constou da Nota Técnica por ele aprovada e remetida oficialmente ao Senado Federal, Bernardo adotou postura insustentável também quanto às ilegalidades praticadas na suposta realização de uma Assembleia Geral Extraordinária, em 10 de fevereiro de 1965, que aprovou o ingresso de Roberto Marinho como acionista controlador da S/A, em ato societário irregular, ao qual compareceu um único acionista (da confiança do diretor da Globo e titular de uma única ação), e na ocasião Marinho usou procurações inválidas de acionistas majoritários que há anos já tinham morrido e assim conseguiu usurpar também os direitos de mais de 600 acionistas minoritários, que não receberam um centavo por suas ações:

No tocante à AGE de 10/05/1965, a qual determinou o aumento de capital da entidade de 30.000 para 400.000 cotas com a subscrição das cotas referentes à diferença pelo Senhor Roberto Marinho, esta foi aprovada pela Portaria n. 163 de 27 de maio de 1965, publicada no DOU em 9 de junho de 1965. As exigências legais e administrativas foram regularmente cumpridas, o que resultou na aprovação dos atos praticados por meio da publicação da Portaria no.76, de 12/01/1970”, afirmou equivocadamente Paulo Bernardo no ofício ao Senado.

Subserviência

Ao emitir conceitos sem a menor base legal, numa atrapalhada tentativa de defender os interesses da família Marinho, Paulo Bernardo mostrou impressionante subserviência. Com isso, procurou justificar a série de ilegalidades cometidas por Marinho para se apossar da emissora, embora os próprios advogados da TV Globo já tenham admitido perante a Justiça a ocorrência desses crimes, apenas alegando que já estavam prescritos, por decurso de tempo.

O então ministro errou feio ao se posicionar oficialmente a favor das ilegalidades cometidas pela emissora, que, poderosíssima no regime militar, adiou a mais não poder a regularização do quadro de acionistas, deixando o tempo passar para que ocorresse a prescrição do direito de ação dos mais de 600 acionistas, para não pagar um só centavo a eles, como de fato aconteceu.

Ao contrário do que Paulo Bernardo informou em ofício ao Senado, é irrefutável que a Portaria 076/70, citada pelo então ministro, não legalizou a situação societária da TV Globo de São Paulo. Basta lembrar que, três anos depois, a 3 de dezembro de 1973, o Ministério das Comunicações baixou a Portaria 2.707, que condicionou o exame e a aprovação de futuras alterações estatutárias à apresentação da relação atualizada dos acionistas da emissora, ou seja, a legalização da situação societária não tinha sido feita.

Outras cobranças

Na época, outras cobranças foram reiteradas pelo Ministério, seguidamente, sem que providência alguma tivesse sido tomada por Roberto Marinho para regularizar a emissora cujo controle usurpara.

E para comprovar de vez o gravíssimo equívoco (?) assumido sem base legal alguma pelo então ministro das Comunicações, a Tribuna da Internet transcreve documento inédito subscrito pelo então vice-presidente da TV Globo de São Paulo, Rogério Marinho, em 11 de agosto de 1975, portanto, cinco anos depois da tal Portaria 076/70, erradamente utilizada por Paulo Bernardo para tentar defender a Organização Globo.

Nesse ofício, Rogério Marinho pediu mais tempo para cumprir a Portaria163/65 que determinara a obrigatória regularização do quadro de acionistas da TV Globo de São Paulo, e cujo prazo limite vencera em 26 de novembro de 1965, ou seja, dez anos antes.

Como o não cumprimento dessa exigência tornava sem o menor efeito a admissão de Roberto Marinho como controlador da emissora, foi armado então a manobra ilegal para “legalizar” de vez os atos societários por ele praticados ao arrepio da lei.

Rogério Marinho desmente o Ministro

Vamos então conferir o pedido formulado pelo representante da TV de São Paulo, Sr. Rogério Marinho:

“Ilustríssimo Senhor Diretor Geral

Departamento Nacional de Telecomunicações

Ref. Processo no. 30.039/75 – Aprovação de Diretoria

TV GLOBO DE SÃO PAULO S/A, CGC (…), concessionária de serviço de radiodifusão de sons e imagens na cidade de São Paulo-SP, em petição protocolada nesse Departamento sob o no. 30.039/75, em 4 de janeiro do corrente ano, nos termos do art. 104, do Regulamento dos Serviços de Radiodifusão, solicitou a necessária aprovação dos nomes dos membros de sua Diretoria, reeleita pela Assembleia Geral Extraordinária realizada em 15 de maio de 1974.

Na oportunidade (como primeira exigência a ser cumprida e atendida em 14 de julho de 1975), a requerente anexou à sua petição as provas de nacionalidade, idoneidade, quitação eleitoral e certidão negativa do Imposto de Renda, dos membros da Diretoria eleita.

Conforme foi indicado naquela petição, a Diretoria da TV Globo de São Paulo S/A, tem a seguinte composição:

Roberto Marinho – Diretor Presidente

Rogério Marinho – Diretor-Vice-Presidente

Luiz Eduardo Borgerth – Diretor

Harold Bruce Evelyn – Diretor

Francisco de Paula Noronha de Abreu – Diretor

(…) No que se refere à 2ª Exigência (relação atualizada de acionistas), a requerente, para o seu atendimento, está tomando as seguintes providências:

  1. publicando edital convocando todos os acionistas a fim de que compareçam à sede da sociedade, munidos das respectivas provas de nacionalidade, oportunidade em que preencherão a ficha cadastral;
  2. findo o prazo concedido no Edital, a Sociedade convocará uma Assembleia Geral ocasião em que as ações dos acionistas que não compareceram, serão oferecidas aos demais sócios, na proporção das que já possuem;
  3. a seguir, a Sociedade solicitará do DENTEL a necessária autorização para efetivar a transferência das ações dos sócios que não responderam ao Edital e se encontrem em local não sabido, para os acionistas interessados;
  4. obtida a autorização, a quantia referente às ações dos acionistas que não atenderam ao Edital, será depositada em conta vinculada em Banco Oficial, à disposição dos mesmos, e efetivada a transferência das ações na forma autorizada pelo DENTEL.

Senhor Diretor

Como o atendimento do segundo item (regularização do quadro de acionistas, inciso IV da Portaria 163/65 não cumprida – esclarecimento nosso ), dada a série de providências que terão de ser tomadas e exigências de prazos legais a serem observados, será demorado, vem a TV Globo de São Paulo, solicitar a Vossa Senhoria que seja, de imediato, aprovada a sua diretoria, eleita em 15/5/74, uma vez que necessita dessa providência para o normal desenvolvimento dos negócios da Sociedade.

Nestes termos, Pede Deferimento

Rio de Janeiro, 11 de agosto de 1975

ROGÉRIO MARINHO

Diretor-Vice-Presidente”

Para defender ilegalidades da TV Globo, Paulo Bernardo mentiu ao Senado

O petista Paulo Bernardo fez o possível e o impossível
para ajudar a TV Globo
Pode-se dizer que no final de sua gestão nas Comunicações, o então ministro Paulo Bernardo tenha sido infeliz ao responder a um Requerimento de Informações (nº 135/2014) apresentado pelo senador Roberto Requião, sobre irregularidades na transferência do controle acionário da TV Paulista para Roberto Marinho. Mas pode-se também simplesmente dizer que Bernardo mentiu deliberadamente, ao afirmar que não houve ilegalidades na operação que envolvia a concessão da emissora, que é hoje a TV Globo de São Paulo.

Realmente Bernardo mentiu, porque Roberto Marinho não providenciou a regularização alguma do quadro de acionistas da emissora, medida obrigatória e determinada pelas Portarias 163/65 e 076/70, assim como também não promoveu a regularização em obediência à Portaria 430/77, pois a única providência tomada por Marinho foi depositar no Banco Nacional a ínfima quantia de Cr$ 14.280,00, para se apossar do controle acionário da emissora, lesando mais de 600 acionistas, e tudo isso com o irrestrito apoio do governo militar.

Ato jurídico perfeito

Nesse contexto, e por sua inesperada atitude, o ex-ministro Paulo Bernardo está a dever à sociedade brasileira uma bem fundamentada justificativa, para explicar como conseguiu transformar em ato jurídico perfeito as graves ilegalidades cometidas por um concessionário de serviço público, em detrimento da moralidade administrativa e sobretudo em prejuízo do direito líquido e certo das mais de 600 famílias lesadas, que participaram da fundação da Rádio e Televisão Paulista S/A (hoje, TV Globo de São Paulo) e que à época nem precisariam ser recadastradas, pois havia registro de todos os acionistas.

Assim agindo, o então ministro Paulo Bernardo desobrigou os atuais controladores da Organização Globo de esclarecerem tamanhos desacertos societários.

Com sua nada convincente resposta ao Requerimento 135/2014, o titular das Comunicações dispensou a Organização Globo de explicar por que, ao supostamente convocar os acionistas para a Assembleia Geral Extraordinária de 10/02/65, Roberto Marinho fez publicar um anúncio de apenas 5 centímetros em jornal oficial pouco lido, assim facilitando a tomada do controle da emissora, que ele alegara ter comprado do executivo Victor Costa Júnior, que nem acionista era.

Outras armações

Bernardo também dispensou a TV Globo de explicar por que Marinho fez publicar novamente, em junho de 1976, outro anúncio de apenas 5 centímetros, para ninguém ler, anunciando uma Assembleia que iria autorizar a transferência das ações dos acionistas que a ela não comparecessem, dizendo que isto era uma exigência das autoridades, quando na verdade não passou de uma esperteza montada para tentar regularizar o que deveria ter acontecido onze anos antes, pois o prazo fatal se esgotou em 19 de novembro de 1965. No caso, ao invés de regularização, houve usurpação, mas essa colossal diferença passou despercebida ao então ministro das Comunicações.

Além disso, o então ministro ignorou os vícios da Assembleia de 30 de junho de 1976, que se realizou nos mesmos moldes da anterior, ou seja, com a “presença” de acionistas majoritários mortos há mais de 20 anos (Hernani Junqueira e Manoel Vicente da Costa, entre outros), que “chegaram a assinar” o livro de presença ou “deram procuração com 20 anos de antecedência” para Roberto Marinho se apossar de suas ações.

Por tudo isso, como pôde Paulo Bernardo concordar com a “Nota Técnica” de seu Ministério, aceitando que a Portaria 430/77 tenha sido editada após o transcurso regular de um processo de transferência de ações que jamais existiu? Para o Poder Judiciário, nunca houve aquisição de ações, mas apenas atos societários fraudulentos e que, uma vez denunciados, jamais poderiam continuar sendo referendados pelo atual governo ou por qualquer governo, pois uma concessão federal obtida mediante fraude não tem o menor valor legal e tem de ser automaticamente anulada, em qualquer país que tenha um mínimo de civilização.

Dentel confirma a fraude

Para encerrar, não foi só o Sr. Rogério Marinho que, com sua carta de 11 de agosto de 1975, deixou em maus lençóis, 40 anos depois, o então ministro das Comunicações. Também o Dentel registrou em 23 de julho de 1976 o parecer de nº 269/76, assinado pela assistente jurídica Lourdes Maria Balby Silva e assinalando: “…Convém, todavia, salientar que até a presente data, a sociedade não cumpriu a exigência constante da Portaria nº 2.637/76, que condicionou o exame de seus futuros pedidos à apresentação da relação atualizada de seus acionistas. Esclareço, entretanto, que, desta feita, na relação de sócios a ser apresentada deverá constar a distribuição proporcional das ações”.

No Parecer nº 509, do mesmo Dentel, de 28 de novembro de 1975, já era ressaltado que a TV Globo persistia na ilegalidade com relação à não regularização de seu quadro de acionistas. Depois, pela Portaria 1012, de 23 de julho de 1976, o Dentel homologou o aumento de capital da empresa, mas voltou a insistir na apresentação da relação atualizada de seus acionistas com a respectiva distribuição proporcional das ações oriundas do capital então homologado.

No ofício nº 097/75, de 17 de junho de 1975, o diretor da Divisão Jurídica do Dentel, Gaspar Grany Vianna, informou à diretoria da TV Globo de São Paulo S/A, que “compulsando os demais informes relativos à vida da sociedade, constatou-se pendente de cumprimento o disposto no Item II, da Portaria no. 2.707, de 3 de dezembro de 1973. Deverá V. Senhoria, portanto, apresentar relação atualizada dos acionistas, dependendo dessa apresentação o exame e decisão dos futuros pedidos a serem formulados por essa entidade”.

O Dentel considerava esta atualização societária necessária “para regularizar a situação jurídica da sociedade”, mas para o ministro Paulo Bernardo tudo isso supostamente já teria sido implementado e aprovado pela Portaria 076/70, dando a irrefutáveis atos ilegais uma interpretação de legitimidade totalmente descabida e agora desmascarada.

Enfim, o rei está nu. E o senador Roberto Requião, por meio de ofício, já solicitou ao Ministério, agora comandado por Ricardo Berzoini, novas respostas ao Requerimento de Informações 135/2014, acompanhadas dos respectivos documentos, para não ter de fazer uso do parágrafo 2º, do artigo 50, da Constituição Federal (denúncia por crime de responsabilidade de autoridade).

O assunto é apaixonante e logo voltaremos a ele, sempre com absoluta exclusividade e informações rigorosamente verdadeiras.

Carlos Newton
No Livre Imprensa
Leia Mais ►

Governo fez todos os esforços para salvar brasileiro na Indonésia, diz Marco Aurélio Garcia

O assessor especial da Presidência da República para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia, falou ao Blog do Planalto nesta sexta-feira (16) sobre o telefonema da presidenta Dilma Rousseff ao presidente da Indonésia, Joko Widodo. Na conversa, Dilma fez um apelo pessoal em favor dos cidadãos brasileiros Marco Archer Cardoso Moreira e Rodrigo Muxfeldt Gularte, condenados à morte pela Justiça indonésia.

Para Marco Aurélio, o Brasil fez todos os esforços para salvar os brasileiros, respeitando a soberania da Indonésia. Porém o resultado foi “extremamente frustrante”, podendo criar uma dificuldade no relacionamento entre os dois países.

Nós fizemos um movimento muito forte há cerca de dez dias quando se evidenciou que era iminente a execução de um dos presos. Para nós foi extremamente frustrante porque o presidente Widodo persistiu na posição de levar adiante a execução do Marco Archer. Então evidentemente isso vai criar uma dificuldade grande no relacionamento entre Indonésia e o Brasil porque nos parece que, respeitando a legislação daquele país, de qualquer maneira está se utilizando uma pena extremamente pesada para um crime grave, mas que poderia perfeitamente ser resolvido de outra forma”, afirmou o assessor.



Por que um brasileiro vai ser fuzilado na Indonésia

Foi vender droga no lugar errado
O brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, de 53 anos, de alguma forma vai morrer por culpa dos crimes do Império Britânico num passado já remoto.

Segundo informações do governo da Indonésia, ele vai enfrentar um pelotão de fuzilamento no próximo sábado.

Moreira foi condenado à morte em 2004, depois de ter sido apanhado com 13,4 quilos de cocaína ao tentar entrar na Indonésia. A droga estava escondida no interior de uma asa delta.

A título de curiosidade, aquilo é uma migalha diante da meia tonelada de pasta de cocaína descoberta no helicóptero dos Perrelas, mas isto é outra história.

A Indonésia tem as penas mais duras para tráfico de drogas do mundo, e não é à toa.

É efeito das Guerras do Ópio, e aí é que entram os britânicos na história do brasileiro prestes a ser fuzilado.

As Guerras do Ópio, ambas no século 19, são talvez o capítulo mais vergonhoso do imperialismo britânico.

A Inglaterra importava três produtos chineses em grande quantidade: seda, chá e porcelana. Os ingleses tinham um brutal déficit comercial com a China.

O que fazer?

A Inglaterra vivia a Revolução Industrial, e entendeu que poderia vender aos chineses uma série de quinquilharias. Um navio inglês, comandado por um certo Lorde MacCartney, foi mandado para a China com os produtos destinados a equilibrar a balança comercial dos dois países.

O problema é que os chineses não se interessaram por nada.

Foi quando entrou em cena o ópio. A Inglaterra, berço da civilização, começou a contrabandear para a China o ópio que produzia na Índia.

Foi um horror para a sociedade chinesa. São célebres as imagens de casas de ópio na China, em que as pessoas se consumiam num estado de letargia e alienação.

Obra dos ingleses
Obra dos ingleses
Num certo momento, o governo chinês impôs leis duras para o contrabando de ópio. Antes, o imperador mandou uma carta à Rainha Vitória na qual ponderava que era injusto o que a Inglaterra fazia.

Da China, recebia porcelana, chá e seda. Em troca, cobria os chineses de ópio, proibido na Inglaterra.

A rainha, se leu a carta, não se manifestou.

Diante das dificuldades que surgiram para o contrabando, a Inglaterra decidiu fazer uma guerra, em meados dos anos 1 800.

O pretexto era que a China estava ferindo os princípios do livre comércio.

A China não teve como enfrentar as forças inglesas, adestradas nas guerras napoleônicas.

E o ópio foi imposto.

Batidos, os chineses não tiveram o que fazer. Armaram, depois, uma resistência, e as coisas apenas pioraram.

Veio a Segunda Guerra do Ópio, na qual a Inglaterra praticamente destruiu a China. Tomou territórios como Hong Kong e, suprema bofetada, colocou no comando da alfândega chinesa um inglês.

É simplesmente extraordinário que a China, devastada, tenha conseguido se reconstruir e ser o que é hoje.

Os estudiosos atribuem esse milagre ao confucionismo, a cultura de alto conteúdo de sabedoria prática que domina a China.

A única vitória — não pequena, aliás — da China foi ter conseguido dar o nome de Guerras do Ópio aos horrores praticados pelos britânicos em nome do livre comércio.

Perpetuou-se, assim, a vergonha.

Países ao redor da China, como a Indonésia, foram duramente afetados pelas Guerras do Ópio. A Indonésia, no sudeste Asiático, era um dos portos de passagem para os navios ingleses abarrotados de ópio.

Como efeito colateral disso, a população nativa sofreu pesadamente os efeitos da droga. Os indonésios passaram a consumir ópio copiosamente.

As guerras passaram, mas o trauma ficou.

Na China, o tráfico de drogas é reprimido com penas severas. Na Indonésia, elas são ainda mais duras.

É dentro desse quadro que o brasileiro apanhado com cocaína está prestes a ser fuzilado.

Ele não poderia ter escolhido um lugar pior para contrabandear sua cocaína.

Na raiz das balas que deverão abatê-lo nos próximos dias, está o terror que o império britânico promoveu na Ásia no século XIX.

Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

Novo secretário de Segurança Pública do estado de São Paulo está de que lado?

O novo secretário de Segurança Pública do estado de São Paulo foi advogado do PCC
Alexandre de Moraes
Novo titular de segurança de Alckmin foi advogado de 123 processos do PCC (Primeiro Comando da Capital)

O novo titular da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo aparece no Tribunal de Justiça do Estado como advogado em pelo menos 123 processos na área civil em favor da Transcooper, segundo informa o jornal O Estado de S. Paulo.

A cooperativa atentida por Alexandre de Moraes — que tem como missão enfrentar uma das principais organizações criminosas do país, o PCC (Primeiro Comando da Capital) — é citada em um investigação que apura formação de quadrilha e lavagem de dinheiro do PCC.

Segundo a reportagem, Moraes afirmou em nota que começou a advogar para a Transcooper em janeiro de 2011, mas não atuou na investigação por suposta relação com o PCC. "Não houve qualquer prestação de serviços advocatícios — nem pelo secretário nem pelos demais sócios — às pessoas citadas em possível envolvimento com o crime organizado, em 2014. O contrato se referia estritamente à pessoa jurídica da cooperativa." Até o dia 8 de janeiro, entretando, Moraes permanecia no site do TJ como defensor da cooperativa.

"Moraes comandava um dos mais famosos escritórios de advocacia em São Paulo. Entre seus clientes estão empreiteiras, associações e políticos. Ele também participou, entre 2007 e 2010, da gestão Gilberto Kassab (PSD) na Prefeitura, quando acumulou os cargos de presidente da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e da São Paulo Transporte (SPTrans), além das Secretarias de Serviços e de Transportes".

"Em 2010, quando as investigações sobre a Transcooper tiveram início, Moura era diretor de uma das empresas citadas, a Happy Play. As outras eram a Himalaia e a Novo Horizonte. Na investigação, um dos endereços da Happy Play era o da garagem da Transcooper". O processo contra a empresa ainda está em andamento no Ministério Público.

Para assumir o comando da Pasta a pedido do governador Geraldo Alckmin (PSDB), Moraes afirma ter renunciado a todos os processos em que atuava e soliticou, no último dia 1, uma licença temporária de sua inscrição como advogado na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

Na última disputa eleitoral, a Transcooper ganhou os holofotes da grande mídia por ter sido relacionada ao ex-deputado estadual Luiz Moura, suspeito de ter ligações com o PCC. Moura passou por sindicância dentro do antigo partido, o PT, e acabou sendo expulso. Moura afirmou desconhecer Moraes.
Leia Mais ►

Quem precisa de vento é a Urubóloga

Por que as perguntas da Urubóloga valem mais do que as do repórter de Parintins, ministro Braga?


O Brasil tem uma Belo Monte em energia eólica.

E outra Belo Monte em biomassa.

(Por isso não vai ter aquele apagão que a Urubóloga prometeu à Dilma, desde que era Ministra das Minas e Energia.

Está devendo…)

As afirmações acima foram feitas pelo novo Ministro das Minas e Energia, Eduardo Braga, numa daquelas inúteis entrevistas à Urubóloga na GloboNews. (assista abaixo)

Para espectador, é uma experiência tão gratificante quanto se submeter a uma ressonância magnética com contraste na veia!

Não tem talento, humor, brilho — ou novidades!

Foi o que aconteceu na entrevista que o Levy lhe deu.

Por exemplo, dessa entrevista do Braga, o PiG saiu a trombetear que a Graça não sai da Petrobras.

Como se fosse uma bomba!

Isso já se sabe, desde que o 'Ataulfo Merval' e o Dr Janot disseram que ela teria que sair.

A Graça está mais firme que os dois nos cargos que provisoriamente ocupam.

(Embora ela mesma, Graça, se tenha submetido a uma cadeira do dragão diante de um repórter terciário da Globo, sobre as “denúncias” daquela — cadê ela? Levina, Vernina, Venilica? — , testemunha-bomba da Glória Maria!).

Nessas “entrevistas”, o importante é o que a Urubóloga esconde, ou tenta esconder.

Por exemplo: o Brasil tem energia eólica do tamanho de Belo Monte, ou seja, 11.233 MW, a terceira maior do mundo depois de Três Gargantas e Itaipu.

Como tem vento o Brasil!

O Brasil é o segundo maior — depois da Alemanha — produtor de energia eólica do mundo!

O Rio Grande do Norte, o Ceará e a Bahia são os campeões da energia eólica, que leva progresso e renda ao interior de estados (provisoriamente) pobres!

Quem precisa de energia, quer dizer, de vento é a Urubóloga.

Quem precisa de Energia são PiG e os interesses que seus 'colonistas' defendem com ardor — mas sem brilho!

Recomenda-se ao Ministro Braga e a todos os outros que sigam o salutar caminho do Ministro Dias, do Trabalho.

Essa história de dar “exclusiva” à GloboNews é uma bajulação provinciana e discriminatória.

O distinto público — e cidadão, que contribui com impostos — tem o direito de que outras perguntas, outros temas sejam submetidos às autoridades.

Por que o Brasil tem que se sujeitar às perguntas e à pauta da Globo sobre Minas, Energia, Fazenda, “Ajuste”, “Superávit Primário”, “Base Monetária”… e o diabo a quatro?

(Só falta o Berzoini repetir o Plim-Plim e dar uma entrevista “amarela” ao detrito sólido de maré baixa, para dizer que o projeto do Franklin é um tipo de detrito sólido.)

Por que as perguntas da Urubóloga — inclinadas, tortas, vesgas como o Cerveró — tem que prevalecer sobre as dos repórteres do “A Crítica”, de Humaitá, ou do “Repórter”, de Parintins, para ficar no glorioso Estado do Amazonas, que o ministro defende com tanto orgulho.

Em tempo: o Conversa Afiada não tem nenhuma pergunta exclusiva a fazer ao Ministro Braga. O ansioso blogueiro não está minimamente preocupado com o apagão da Urubóloga.

Em tempo2: esse Bessinha…

Em tempo3: comentário do amigo navegante Spok da Silva:

O BNDES, só este ano, vai liberar quase 7 bilhões para a energia eólica. É um investimento recorde. Descobriu-se que Simões e cidades vizinhas, no Piauí, constituem-se no melhor parque do mundo para instalação de usinas desse tipo, com ventos fortes, dia e noite, 365 dias por ano. Só esse parque, já com obras avançadas, superará em três vezes a necessidade de energia do estado e vai injetar no sistema brasileiro mais garantias de que apagão nunca mais.
Depois não sabem porque o Nordeste cresce em proporções chinesas.






Leia Mais ►

Quase falida, Eletropaulo privatizada pelos tucanos reduz investimentos

Ainda que sem destaque na imprensa, que não propagou a notícia, como sempre fazem quando é contra o governo, o jornal Valor Econômico, publicou hoje a notícia da quase falência da companhia de energia elétrica privatizada pelo PSDB em São Paulo. De acordo com a publicação, os problemas no abastecimento de energia elétrica na Grande São Paulo, onde consumidores estão há dois dias sem luz, ocorre em meio a uma trajetória de redução nos investimentos da Eletropaulo nos últimos anos. No acumulado dos nove primeiros meses de 2014, a companhia investiu R$ 399,3 milhões com recursos próprios, 13,7% a menos do que intervalo equivalente do ano anterior. O principal corte, de 19,8%, foi nos recursos voltados para reduzir o risco de interrupção no fornecimento de energia, que somaram R$ 233,3 milhões no mesmo período.

Em 2013, a distribuidora já tinha reduzido seus investimentos em 19,1%, para R$ 644,3 milhões e os aportes voltados para o serviço ao cliente sofreram um recuo de 12,2%, para R$ 361,7 milhões.

"Os serviços básicos em manutenção continuam a acontecer.Mas os investimentos em melhoria da rede estão praticamente parados", afirma o executivo de uma companhia que fornece serviços e equipamentos para a Eletropaulo e preferiu não ser identificado.

O movimento de redução dos investimentos coincide com as pressões de caixa e aumento no endividamento verificada desde 2012, quando foi lançada a Medida Provisória (MP) 579 e passou a vigorar o terceiro ciclo de revisão tarifária, que resultou em queda da remuneração mínima do setor de distribuição.

"As concessionárias de distribuição de energia elétrica ficaram descapitalizadas em função da mudança da política de tarifas do sistema elétrico e, consequentemente, reduziram as encomendas de equipamentos", afirmou a Abinee em seu balanço de fim de ano.

No caso da Eletropaulo, os recursos em caixa no fim do terceiro trimestre de 2014 eram de R$ 941,5 milhões, com queda de 32,3% em relação ao fim de 2011. No mesmo período, a empresa passou de lucro de R$ 1,5 bilhão para prejuízo de R$ 407 milhões e a dívida líquida saltou 58%, para R$ 3,68 bilhões


A CPFL Energia, maior distribuidora privada do país, também diminui o ritmo de investimentos no ano passado. No acumulado até setembro, investiu R$ 502 milhões no segmento de distribuição, 20% a menos que no intervalo equivalente de 2013.

Má gestão do PSDB

A controvertida privatização da Eletropaulo em 1998, já resultou em uma CPI e várias ações populares que serão julgadas pela Justiça. Os benefícios para os usuários não ficaram evidentes. A compra foi por parte da companhia americana AES e foi parcialmente financiada pelo BNDES, totalizando R$ 2 bilhões; uma nova reavaliação constatou que a empresa deveria ser vendida por algo em torno de R$ 22 bilhões. Ou seja, a AES comprou uma propriedade do Estado brasileiro, com o dinheiro do estado brasileiro, não pagou a dívida - pois o banco nacional converteu US$ 1,3 bilhão de dívidas em ações e debêntures- e fica com o lucro.

São Paulo, que tinha governo tucano, foi um dos estados em que a privatização foi amplamente utilizada. O Programa Estadual de Desestatização (PED) era presidido pelo atual governador Geraldo Alckmin, que foi poupado na CPI. A Eletropaulo tornou-se AES/ELETROPAULO, uma das empresas da The AES Corporaton. A empresa manda boa parte do lucro para a matriz nos EUA, demitiu metade dos funcionários quando assumiu a administração, e pouco investiu para melhorar a qualidade dos serviços.

“ São Paulo foi o maior laboratório de privatização do Brasil, sob o comando do atual governador que presidia o PED. Ele vendeu empresas de energia, estradas, trens e metrôs, parte da Sabesp... E todos esses serviços estão defasados”, declarou Jose Bitelli, diretor do Sindicato dos Eletricitários de São Paulo.

Na CPI da Eletropaulo, cujo relatório final saiu em 2008, João Batista Serroni de Oliva, Coordenador do Grupo de Trabalho para a reavaliação patrimonial, escreveu:  “o processo de avaliação e privatização da Eletropaulo foi feito por um método que, para nós engenheiros, não retrata o valor patrimonial em função das suas instalações, de seus equipamentos (...). Então, na nossa avaliação, entendemos sim que esse processo deveria ter passado por um processo de avaliação de engenharia”.

Ou seja, não foi feita a correta avaliação do valor da companhia, o que pode enquadrar a multinacional na Lei de Improbidade Administrativa (Lei 8.29/92). A ação civil, ajuizada pelo Ministério Público Federal, acusa ex-dirigentes do BNDES de cometer o ato na concessão e execução de empréstimos, causando prejuízo ao patrimônio publico federal. O processo é contra o comando econômico do PSDB, Luiz Carlos Mendonca de Barros ex-presidente do BNDES e Andrea Sandro Calabi, atual Secretário da Fazenda do Estado de São Paulo.

Foi no governo do presidente Fernando Collor de Mello (1990-1992) que o Brasil viu nascer seu primeiro programa de privatizações, com a criação do Programa Nacional de Desestatização (PND). As privatizações no Brasil refletiam a ideologia neoliberal, tendência nos anos 90.

Durante os dois governos do presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) as privatizações ganharam fôlego redobrado, com a oferta de estatais de peso em setores chaves como telecomunicações, energia e siderurgia. O programa visava melhorar a produtividade da economia, ampliar o acesso da população a serviços como os de telefonia e fazer dinheiro. Para criar bases sólidas para as licitações, o governo federal fez várias articulações políticas e desenvolveu um modelo financeiro que incluiu os estados no programa, através de transferências de recursos do caixa da União.

No Amigos do Presidente Lula
Leia Mais ►

A Casa Grande da categoria médica


Ao tentar relacionar o ser humano com sua contingência vital, com seus objetivos existenciais, alguns filósofos afirmam que com eles o homem tem uma relação desejante e que é, antes de tudo, movido pelo desejo. Há dois tipos de desejos: o desejo de coisas naturais compartilhadas com os animais cuja satisfação imediata nos obriga a consumi-las e o desejo unicamente humano que é o de desejar desejos, isto é, a humanização de certos primatas se realizou desejando desejos.

Assim pensando, concluímos que a satisfação dos desejos humanos tem dimensões sociais e culturais, situadas dentro de certas normas e conceitos morais, éticos e até estéticos, se concordamos que “a estética será a ética do futuro“.

Estas reflexões se originam quando pensamos na profissão médica, em suas relações com a sociedade, em seus justos direitos e necessários deveres solidários com o povo brasileiro e naturalmente, com seus legítimos desejos de progressos profissional e social. E, principalmente com suas definições político-ideológicas e atuações cidadãs derivadas destas definições.

A corporação médica costuma ser denominada de “classe“. Na realidade, sociologicamente é uma “categoria“ na qual coexistem várias classes sociais. E classes são grupos sociais que se diferenciam pelas rendas e pelas fontes de rendas.

Há médicos que vivem apenas de salários do Estado ou de empresas privadas, reduzidos em geral, outros, de suas clinicas privadas, outros, são proprietários de empresas de prestação de assistência à saúde e mais recentemente, há médicos que são funcionários da administração de hospitais, de clínicas, de entidades representativas da categoria e também de empresas produtoras de medicamentos e/ou de equipamentos.

Portanto, dessas diversidades de ofícios e rendas, de desejos e interesses conflitantes, esperaríamos encontrar orientações e idealizações políticas divergentes e contraditórias.

Nas economias de mercado, todos os ramos da ciência e da tecnologia são direcionados ao funcionamento das estruturas políticas e econômicas vigentes. As linhas de demarcação entre “ciência pura“ e “ciência aplicada“ são orientadas para as formas de produção intelectual que atendam as necessidades da indústria, do comércio e dos serviços.

Em geral, a dimensão social das tecno-ciências é um subproduto nem sempre desejado pelo mercado, cujo objetivo principal — para não dizer único — é o lucro. Evitando generalizações abrangentes, observamos e vivenciamos por parte dos dirigentes da categoria médica, a adoção e a prática de políticas de orientação conservadora, cooptadoras das leis do mercado as quais representam fielmente as escolhas políticas e eleitorais e enfim, o pensar ideológico da maioria dos médicos.

Os dirigentes da maioria das entidades associativas permanecem imutáveis há décadas, com a mesma orientação ideológica ou melhor (ou pior) sempre foram os mesmos e a mesma.

Na realidade, as elites médicas dirigentes exercem uma poder autocrático sobre uma minoria de profissionais que com elas não concordam e que não têm as menores oportunidades de estabelecer um debate democrático e plural com seus colegas incrustados no poder administrativo, econômico e de divulgação de opiniões políticas por meio de suas luxuosas publicações. Trata-se, enfim, de uma das mais longas ditaduras da história.

Os sistemas de administração da maioria dos países capitalistas, são mais liberais, democráticos e fugazes do que as administrações das entidades médicas.

Estas atitudes elitistas e excludentes, foram verificadas recentemente no debate e na adoção do programa Mais Médicos, o qual aceito pela maioria absoluta da população, das prefeituras municipais de todos os partidos, da OPAS e da ONU, foi rejeitado maciça e tenazmente por dirigentes e colegas de profissão.

A absoluta ausência de apoio e de sensibilidade para os efeitos sociais e humanísticos do referido programa, alienou e desprestigiou ainda mais a categoria dos interesses e desejos da população do país.

Em recente carta de apoio ao programa Mais Médicos, assinada por cerca de 1000 profissionais da saúde, anotamos que cerca de 80% deles eram ligados à medicina social e ao sanitarismo, enfim às atividades dedicadas à saúde comunitária e popular.

Pouquíssimos colegas da lista eram cirurgiões, psiquiatras e de especialidades específicas.

Então, os “ médicos operários“, os de menores remunerações, por suas íntimas vivências pessoais com os setores mais pobres e carentes da população, são os que adquirem maior e melhor interpretação e sensibilidade para os problemas sociais entre os quais as deficiências sanitárias, nutricionais, de moradia e por isso mesmo são os maiores apoiadores do programa Mais Médicos.

As classes privilegiadas dos médicos, as de maiores remunerações, componentes da classe A são exatamente as que se opõem vigorosamente ao referido programa, isto denotando uma completa falta de identificação com os problemas sociais do povo do país ao qual pertencem e do qual receberam sua formação profissional, muitas vezes em estabelecimentos de ensino público que, como se sabe, são mantidos com verbas do orçamento da nação que é criado pelo trabalho de todo o povo brasileiro ao qual deveriam ao menos, prestar maior solidariedade em seus desejos de uma melhor qualidade de vida.

Enfim, chega-se à dolorosa conclusão que a pequena Casa Grande Médica não toma conhecimento, não se sensibiliza e não se solidariza com os graves problemas da enorme e miserável Senzala brasileira.

Franklin Cunha, Ex-Diretor da AMRIGS; Ex-Conselheiro do SIMERS; Ex-Instrutor Chefe do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia do HMIPV; Membro da Academia Rio-Grandense de Letras ( cadeira nº 9) e Membro do Conselho Estadual de Cultura
Leia Mais ►

Belluzzo: política de ajustes de Dilma é desatino


Belluzzo critica o discurso da nova equipe econômica: "Como diz o Keynes, o liberalismo adentrou o quarto das crianças"

A nova composição da equipe econômica do governo Dilma Rousseff e os ajustes já anunciados não são considerados traição, mas uma capitulação diante das pressões do mercado diz Luiz Gonzaga Belluzzo, um dos 1.334 economistas que assinaram durante as eleições manifesto pró-Dilma e a favor do desenvolvimento econômico com distribuição de renda.

Diante dos cortes já anunciados, Belluzzo — que era visto como um interlocutor da presidente, mas que, nos últimos tempos, tem dito que ocupa mais o papel de um amigo — enxerga pela frente um período de recessão, turbinado pela redução da capacidade de empréstimos do BNDES e pelos problemas da Petrobras.

Ao ser questionado sobre o que fazer, ele diz que dá para dizer o que não fazer: "Um ajuste fiscal dessa magnitude", diz o professor da Unicamp e da Facamp. Para ele, a questão central a ser discutida é a perda de posição da indústria brasileira nos últimos trinta anos, algo que tem chance "zero" de ser levado em consideração pelo ministro Joaquim Levy. A seguir, os principais trechos da entrevista.

O sr. e um grupo de economistas de perfil heterodoxo assinaram manifesto em apoio à Dilma, que dizia que a população desaprovava políticas que afetavam os trabalhadores. Diante da política econômica atual, o sr. se sente traído?

Não considero uma traição e sim, submissão. Ela capitulou diante das pressões do mercado, assim como os líderes europeus e uma parte do PT. Mas, antes mesmo disso, o debate ficou muito restrito a uma tolice 'liberaloide' acerca do intervencionismo. Eu me recuso a discutir isso porque não conheço nenhuma economia no mundo que não tenha intervenções. A partir dessa interpretação, o mercado exagerou o problema do desequilíbrio fiscal e passou a dizer que o BC foi leniente com a política de metas. Sendo que muitos dos que estavam criticando causaram o maior dano possível à economia brasileira ao usar o câmbio para aplacar a inflação. Mas quando o Bacha [o economista Edmar Bacha] fala do FHC faz uma água turva para esconder que o problema começou com a política econômica dita de estabilização, que segurou a inflação, mas causou danos estruturais à economia. Agora eles dizem que é preciso abrir a economia.

O sr. discorda disso?

É preciso abrir com uma política que favoreça a aquisição de insumo e de peças e componentes, mas dê estímulo à exportação ou à produção doméstica - e a taxa de câmbio pode fazer isso. Quem foi cúmplice de uma valorização cambial prolongada e danosa não pode deixar de considerar os equívocos que cometeu. Agora a economia está caminhando para a recessão, não há dúvida.

Por quê?

Quando o ciclo de consumo dos duráveis começou a desacelerar, o governo tinha que ter estimulado o investimento privado. E isso demorou. Ao mesmo tempo, não é verdade que a crise internacional não tenha contribuído, ela adicionou problemas à indústria. Quando terminou o ciclo de commodities o Brasil perdeu dos dois lados: pela demanda externa e pela dinâmica interna de consumo e, então, a economia resvalou para o crescimento baixo e está caminhando para a recessão.

E o que fazer?

Com certeza, dá para dizer o que não fazer: um ajuste fiscal dessa magnitude. Porque querer reequilibrar a economia com um superávit fiscal quando ela está em recessão parece um desatino. Isso para não falar dos problemas da Petrobras e das empreiteiras.

A Petrobras vai contribuir para esse cenário de recessão?

Esse setor tem participação grande na formação da taxa de investimento. É preciso prender os que cometeram crimes, mas preservar as estruturas. Se tiver um colapso, teremos repercussão no sistema bancário. Hoje o crédito se retraiu para esse setor. Junta-se isso com a tentativa de reequilibrar a economia. O que está na cabeça 'deles' é tentar reequilibrar a economia com o aumento da poupança do governo. Acho que vai ser a maior prova de que essas teorias da poupança não funcionam: não é possível poupar com renda em queda. Mas eles precisam justificar o fato de que é a poupança que financia o investimento, o que é uma brutalidade. Todo mundo sabe que numa economia moderna quem financia o investimento é quem adianta os recursos líquidos. E eles vêm com essa história da poupança. É um misto de estupidez com picaretagem. Para eles, o cara enriquece porque poupou. Não, o cara enriquece porque investiu, produziu para enriquecimento dele e da sociedade. Quem poupa subtrai da renda e reserva isso como riqueza privada. O Keynes tinha horror a esse negócio.

Essa recessão pode durar quanto tempo?

Difícil saber. Essa ideia de que vai se fazer dois anos de ajuste parece que não tem dado certo no mundo. Vamos fazer uma 'austeridadezinha', e aí a gente sai dela em dois ou três anos. Mas ninguém menciona o fato de que enquanto dura uma recessão vai se devastando a vida das pessoas.

Mas olhando as desonerações e as transferências ao BNDES, a gente não precisava do ajuste?

O problema do BNDES é que não há nenhum outro circuito para o crédito de longo prazo. Há um componente histórico de rentismo no crédito do setor privado. Os bancos brasileiros ganham com as operações de tesouraria, em cima da dívida pública, que é outra anomalia no Brasil. Reduzir a capacidade de empréstimo do BNDES vai agravar a recessão.

Mas e as desonerações?

Elas foram importantes na saída da crise em 2009, mas foram prolongadas demais. O governo demorou para mudar o elemento dinâmico da economia - os investimentos - e a economia desacelerou. Mas a questão central no Brasil é a perda de posição da indústria brasileira nos últimos 30 anos. Esse é o nosso problema central e os macroeconomistas não levam em consideração porque para eles esse problema não existe.

Há chances de o Joaquim Levy levar isso em consideração?

É zero. Não existe mais economia industrial nas universidades americanas. Não há essa preocupação com a indústria, eles são macroeconomistas, então raciocinam sobre taxa de câmbio, taxa de juros, dominância fiscal. Alguns ainda admitem que o câmbio é um preço relativo importante e está fora do lugar. Mas isso acontece há 20 anos. Em termos de preços econômicos mal alinhados, o Brasil é campeão mundial.

O que o sr. acha do ministro Joaquim Levy?

Discordo do ele está dizendo que vai fazer. Mas, ao contrário do que disse o [economista] Luiz Carlos Mendonça de Barros, ninguém acha que o Levy é um demônio. A despeito de ser ex-seminarista, não acredito no demônio. Os demônios somos nós mesmos. O nosso amigo Luiz Carlos quis acusar nós, da Unicamp, de considerarmos Chicago e [o economista liberal americano] Milton Friedman demônios. Eu acho o Friedman um idiota que conseguiu angariar apoio de outros.

O que a Dilma pretende tendo optado por uma política econômica de perfil mais ortodoxo?

Acho que ela capitulou diante das pressões do mercado. Das interpretações abstratas sobre intervencionismo. Sem dúvida ela cometeu erros lá atrás, mas não interpreto esses erros como o mercado. Não foi intervencionismo que retirou a eficiência da economia e a competitividade. E essa história do patrimonialismo, francamente, é algo penoso. Não se sabe do que se está falando. Tinha mais patrimonialismo na Inglaterra da revolução industrial do que a ideologia do liberalismo permitia ver. É ridículo fazer essa discussão em termos ideológicos. Querer que o capitalismo funcione sem a coordenação do Estado. Como diz o Keynes, o liberalismo adentrou o quarto das crianças.

O debate econômico está muito simplificado?

Sim. Câmbio, políticas industriais não aparecem na discussão. Quem fala disso é o Yoshiaki Nakano, Luiz Carlos Bresser-Pereira, Julio Sergio Gomes de Almeida e os pós-keynesianos todos preocupados com a situação da indústria. Para o resto, não existe.

O sr. foi um interlocutor do governo Lula. Deixou de ser do governo Dilma?

No Lula as reuniões eram mais frequentes, na Dilma não. Fui professor dela, me considero seu amigo, mas isso não tem nada a ver. Eu posso dar minha opinião, mas não meter o bedelho onde não sou chamado.

Ela conversou pouco com empresários?

Eu espero que isso mude. Agora essa ideia de que, a despeito da recessão, será possível reanimar os 'espíritos animais' dos empresários...Vai ter ânimo para investir só porque o outro está dizendo que vai ter ajuste fiscal?

Podemos ter recuos importantes nos avanços sociais obtidos nos últimos anos?

Acho que ela vai tentar impedir, mas se a economia for para a recessão, vai ser difícil impedir o desemprego. Já existem primeiros sinais. Estou vendo alta da taxa de desemprego e uma situação social um pouco delicada.

No Esquerda Caviar
Leia Mais ►