6 de ago de 2015

Fatos discriminados

Nove procuradores da República em Curitiba assinaram na Folha de ontem documento segundo o qual fiz "afirmações inverdadeiras", "ao tratar da palestra do procurador da República da Lava Jato Deltan Dallagnol, feita no Rio, sobre a campanha do Ministério Público Federal chamada 'Dez medidas contra a corrupção'".

A única dúvida que o documento me suscita está em não saber se houve intenção sugestiva ou lapso de pontuação naquele "República da Lava Jato". A meu ver, as circunstâncias propõem igual consideração para duas hipóteses.

Quanto aos fatos e pormenores factuais constantes do meu artigo "Além do previsto" (2.ago), foram publicados também na Folha, em página nobre e lugar de destaque, cinco dias antes — e não foram contestados, por ninguém.

Bem, reconheço outra dúvida: de que ordem é a discriminação que leva os poderosos procuradores a negar os dados, se por mim usados, e não fazer o mesmo se utilizados por outro autor? Mas o que importa, afinal de contas, é serem dados corretos e aqui reafirmados.

Afirmam os procuradores da Lava Jato que "a imprensa não foi convocada para o evento". A imprensa foi convidada, sim, pela assessoria do Ministério Público Federal, ao qual pertencem os autores da afirmação contrária. Jornalistas em bom número estiveram na palestra de Dallagnol. Entre eles, um admirado profissional da Folha.

"A palestra", afirmam com Dallagnol os sete signatários que lá não estiveram, "não ocorreu em igreja, mas em auditório de Faculdade Teológica". A palestra ocorreu em dependência onde os frequentadores daquela igreja fazem culto, não em auditório. Até o mobiliário é típico das salas de culto, com seus extensos bancos duros, enfileirados em simetria marcial.

Segundo a pretendida contestação, "não há uma 'pregação de âmbito nacional' agendada". Já no segundo parágrafo seguinte, essa contestação volta-se contra os contestadores: "O tema da palestra foi como contribuir com um país mais justo, com menos impunidade e corrupção, o que é uma campanha do Ministério Público Federal". Não é imaginável que a campanha se dê apenas na carioca Tijuca. Até porque "os procuradores do Brasil têm feito palestras similares" (às de Dallagnol). O próprio Dallagnol, ao terminar aquela, já estava com outras programadas.

Se "a campanha não tem qualquer vinculação com manifestações pró-impeachment", não se explicaria que "o slide", exposto por Dallagnol, "contempla atividades de algumas igrejas para os dias 8, 16 [data das manifestações de rua pró-impeachment], 23, 29 e 30 de agosto, e 2 de setembro". O que faria um slide com tal agenda na palestra? A campanha que não existe e é do Ministério Público Federal incluiu a apresentação, por um procurador, da agenda de "algumas igrejas batistas em apoio à campanha". Logo, ali se evidenciou uma conexão.

A propósito, um trecho ilustrativo de Dallagnol, devidamente registrado, na palestra chamada "Dez medidas contra a corrupção": "Se nós queremos mudar o sistema, nós precisamos continuar orando".

Como "não há página 'de pastor' no Facebook"? Deve haver muitas. O site citado no artigo em questão e no texto anterior, sobre a palestra de Dallagnol, existe e pertence ao pastor Marcos Paulo Ferreira, da igreja frequentada em Curitiba pelo procurador palestrante.

Por fim, uma afirmação dos contestadores tem melhor resposta sem palavra. Diz ela que "o procurador não fez 'oração'". Ponho à disposição dos nove uma foto, não pertencente à Folha, em que Deltan Dallagnol, cabeça baixa e mãos sobrepostas na altura do ventre, como outros presentes, é visto na sua oração ao fim da palestra. Para obter a foto, Deltan Dallagnol não precisa, desta vez, dirigir-se à direção do jornal.

Janio de Freitas
No fAlha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.