15 de mar de 2015

Pravda diz que EUA está por trás dos protestos pelo impeachment


O Jornal Russo "Pravda" em seu editorial, destaca as manifestações que irão acontecer neste domingo (15), segundo o jornal Washington age apara derrubar a presidente Dilma e manipula os protestos impeachment; o jornal também conta como os norte-americanos patrocinaram e apoiaram Aécio Neves nas eleições de 2014

Em seu editorial, o jornal russo "Pravda.ru" destacou as manifestações que irão ocorrer neste domingo no Brasil pedindo o impeacheament da presidente Dilma Rousseff. Segundo o jornal, os Estados Unidos agem para derrubar a presidente Dilma e manipula os protestos pró-impeachment. O jornal também cita a oposição do país como "hipócrita" e reproduz uma fala do senador por São Paulo Aloysio Nunes.

O Jornal lembra sobre as disputadas eleições de 2014 entre Dilma e Aécio, em trecho, o jornal explica como os EUA patrocinaram e apoiaram Aécio nas eleições.

Segundo o Jornal, o motivo pelos quais Washington quer ver Dilma fora do comando do Brasil é o desenvolvimento do BRICS e o pré-sal, tão cobiçado pelos norte-americanos.

A matéria também traz uma revelação, em 2013, o vice-presidente dos EUA veio ao Brasil pedir a Dilma acesso aos campos de petroléo brasileiros, mas Joe Biden voltou de mãos vazias, e a partir dai pouco tempo depois estourou a onda de protestos contra Dilma.

Confira a reportagem publicada no dia 03 de março, por Lyuba Lulko no Pravda Russo.

CIA, FBI, NSA e todos os homens do rei trabalham para derrubar a presidente brasileira Dilma Rousseff

No Brasil, a oposição vai realizar marchas de protesto contra a presidente do Brasil, Dilma Rousseff. Ações de protesto são esperadas para ocorrer em mais de 25 cidades em todo o país neste 15 de março. Em São Paulo, uma manifestação de 200.000 é esperada sob o slogan "Fora Dilma". É possível mobilizar a população contra o partido que tem sido capaz de melhorar significativamente a vida no país durante 12 anos no poder?

É bem possível que a CIA esteja envolvida no plano para encenar tumultos em todo o Brasil. Ao longo dos últimos anos, o BRICS se tornaram a principal ameaça geopolítica para os Estados Unidos. Um dos principais problemas de hoje para a imprensa ocidental é recuperar o equilíbrio no sistema monetário e financeiro global. Esta é uma ameaça potente que o BRICS representa para os EUA e ao dólar americano.

Os EUA vêm tentando destruir e esmagar a Rússia através da crise na Ucrânia, as sanções e a queda dos preços do petróleo. Eles levaram esforço para quebrar a estabilidade na China através da "revolução de guarda-chuvas" em Hong Kong. Na Índia, o partido do Homem Comum está tentando abrir caminho para o poder. No Brasil, os americanos tentam implementar o cenário da mola da América Latina, de forma semelhante ao que fazem em outros países soberanos da região — Argentina e Venezuela.

Em 15 de março, cerca de 20 organizações vão tomar as ruas das cidades brasileiras, sob os auspícios da oposição para um protesto nacional contra o Partido dos Trabalhadores (PT) e a presidenta Dilma Rousseff. Eles são os movimentos das redes sociais. Muitos vão estar carregando slogans sobre o impeachment da presidente. Estrelas da mídia, como o cantor Lobão, um Makarevich russo, são esperados para participar também. O senador de oposição de São Paulo, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), disse que ele preferiria ver a presidente Dilma "sangrar".

O plano da CIA contra a presidente Dilma

As razões para as quais Washington quer se livrar de Dilma Rousseff, são fáceis de entender. Ela assinou o acordo sobre a criação do Novo Banco de Desenvolvimento com o capital social inicial no valor de 100 bilhões de reservas, bem como adicional de US $ 100 bilhões. Rousseff também apoia a criação de uma nova moeda de reserva mundial.

Em outubro de 2014, Dilma Rousseff iniciou a construção de um sistema de telecomunicações de fibra óptica de 5.600 quilômetros de extensão através do Atlântico para a Europa. Se for bem sucedido, o projeto, realizado com a participação da empresa estatal Telebras, vai minar o monopólio americano no campo da comunicação, incluindo a Internet. O novo sistema de comunicação irá garantir a proteção contra a espionagem da NSA. O presidente da Telebras disse aos meios de comunicação locais que o projeto seria desenvolvido e implementado sem a participação de qualquer empresa americana.

Dilma Rousseff também impede o retorno de grandes empresas de mineração de petróleo dos EUA para o mercado de petróleo e gás do Brasil. O país é rico, com enormes depósitos de petróleo, as reservas não confirmadas excedem 100 bilhões de barris. No entanto, foi durante a presidência de Lula, quando o Brasil optou pela empresa estatal chinesa Sinopec.

Em maio de 2013, o vice-presidente dos EUA, Joe Biden fez uma visita ao Brasil, a fim de convencer a Dilma Rousseff a conceder acesso a campos de petróleo brasileiros. Biden voltou aos EUA de mãos vazias. Imediatamente depois, uma onda de protestos varreu o Brasil como pessoas protestando contra o aumento dos preços para o transporte público em dez por cento. A popularidade de Dilma Rousseff caiu de 70 para 30 por cento. Tudo aconteceu um ano antes da eleição presidencial.

Durante este período, os americanos foram consistentemente destruindo o  regime de Dilma através de outros protestos. Eles incluíram protestos em grande escala contra os custos excessivos para a Copa do Mundo e financiamento insuficiente de programas de assistência social e de saúde. Houve confrontos com a polícia e violência. De repente, os brasileiros se esqueceram de que o Partido dos Trabalhadores tinha tirado cerca de 30 por cento da população da pobreza com a ajuda de programas de apoio público. A fome e o analfabetismo tornaram-se história. Tiveram memória curta? Não, a CIA sabe muito bem como fazer lavagem cerebral nas pessoas através da mídia subordinada.

Imediatamente após a saída de Biden do Brasil, foi noticiado que Dilma Rousseff foi implicado no escândalo relacionado com a companhia petrolífera estatal Petrobras. Rousseff foi acusado de receber uma comissão sobre os contratos com a empresa de petróleo. O dinheiro teria sido usado para comprar votos no parlamento.

A mais recente tentativa de remover Rousseff do poder foi feita nas eleições de outubro de 2014, quando o candidato do PSDB, Aécio Neves poderia tomar posse como Presidente. Se Neves houvesse sido eleito presidente, o novo ministro da Fazenda do Brasil teria sido Arminio Fraga Neto. Neto tem dupla cidadania (a segunda - EUA); ele é um grande amigo e ex-sócio de George Soros e seu fundo de hedge Quantum. O Ministro dos Negócios Estrangeiros teria sido Rubens Antonio Barbosa, ex-embaixador em Washington, que atualmente atua como diretor do Albright Stonebridge Group (ASG), em São Paulo.

EUA quer Dilma fora do comando do país há todo custo

De acordo com o Wikileaks, José Serra, um dos líderes do PSDB, prometeu a sua proteção a Chevron em caso de vitória eleitoral. No entanto, apesar da manipulação do voto em São Paulo, Dilma Rousseff ganhou um segundo mandato.

Gene Sharp, autor de "da ditadura para a democracia", descreve 198 ações não-violentas para derrubar governos legítimos. Se generalizadas, elas podem ser explicadas da seguinte maneira.

Passo 1: Processamento de opinião pública com base em desvantagens reais, promovendo descontentamento através da mídia, enfatizando tais perturbações como déficit, crime, sistema monetário instável, incapacidade de líderes do estado e suas denúncias de corrupção.

Passo 2: demonizar autoridades através da manipulação de preconceito dizendo, por exemplo, que todos os brasileiros (russos, chineses) são todos corruptos, segurando as ações públicas em defesa da liberdade de imprensa, direitos humanos e as liberdades civis, condenando o totalitarismo, revisando a história em favor das forças que devem ser levadas ao poder.

Passo 3: Trabalhando na rua: canalizar os conflitos, promover a mobilização de oposição, o desenvolvimento de plataformas de combate, que englobam todas as demandas políticas e sociais, a compilação de todos os tipos de protestos, habilmente jogar nos erros do Estado, organizando manifestações, a fim de bloquear e captura instituições do Estado para a radicalização de confrontos.

Passo 4: A combinação de diferentes formas de luta: a organização de piquetes e captura simbólica das instituições do Estado, guerra psicológica nos meios de comunicação e promoção de confrontos com a polícia, para criar uma impressão de incontrolabilidade, desmoralizando as agências governamentais e policiais legítimos.

Passo 5: Encenação de um golpe institucional, com base em protestos de rua, pedindo a renúncia do presidente.

Em que fase está a revolução colorida que acontece no Brasil hoje? Cabe ao nosso querido leitor decidir. A situação se agrava na frente de nossos olhos e parece que as autoridades brasileiras fecham os olhos sobre as atividades de inteligência dos EUA debaixo de seus narizes. No Brasil, a CIA, DEA e os oficiais do FBI trabalhar legalmente, sob o pretexto da luta contra o tráfico de drogas. ONGs e fundações que patrocinam revoluções coloridas trabalhar no país também.

O jornalista venezuelano José Vicente Rangel informou que cerca de 500 funcionários dos serviços de inteligência dos EUA chegaram a embaixadas dos EUA na Venezuela, Bolívia, Argentina, Brasil, Equador e Cuba para trabalhar como uma rede para desestabilizar regimes democráticos nesses países. O que vai acontecer depois? Já podemos ver um exemplo de que na Ucrânia.

No Pravda

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.