28 de fev de 2015

Rodrigo Constantino fez o que Lobão desistiu de fazer: mudou-se para Miami


Personagem da “nova” direita brasileira, economista cumpre a promessa de sair do Brasil após a vitória da presidenta Dilma Rousseff (PT) e anuncia mudança para a Flórida (EUA): “Sou um legítimo nascido em 4 de julho”

Durante a eleição presidencial em 2014, o cantor Lobão fez uma promessa ao Brasil: se Dilma Rousseff se reelegesse, ele iria embora do país. Após o resultado final das urnas, o roqueiro voltou atrás da sua afirmação e virou piada nas redes sociais. Internautas criaram um evento chamado de “Festa de despedida do Lobão”, que teve a “participação simbólica” de 154 mil pessoas.

Lobão recebeu, durante a eleição, a companhia do economista e colunista da Veja e de O Globo, Rodrigo Constantino. Para compensar a desistência de seu parceiro da “nova” direita brasileira, Constantino anunciou por meio de um texto em seu blogue que está de malas prontas para a Flórida. Segundo ele, a temporada longe do Brasil será para acompanhar a sua mulher, que vai estudar no local.

Em seu texto, Constantino explica que os EUA “merecem todos os créditos por serem os responsáveis por preservar boa dose de liberdade individual no mundo, ser o farol dos ideais iluministas e um ícone do capitalismo meritocrático. Ou seja, sou um legítimo nascido em ‘4 de julho’, que sente profunda admiração pelo que a América representa”.

Em outro trecho, diz que a “oportunidade de estudar nos Estados Unidos é única, pois lá se aprende coisas realmente úteis, em um ambiente mais livre dos preconceitos ideológicos que pululam em nossas universidades”, registrou. Confira abaixo a íntegra do post.




No Fórum
Leia Mais ►

5 mitos sobre a 'Bíblia manipulada'

Imagem do imperador Constantino, que convocou
o Concílio de Niceia
(Crédito: Reprodução)
É impressionante a quantidade de lendas urbanas, preconceito e desinformação que grassa por aí quando o assunto é a maneira como a Bíblia foi escrita, editada e transformada num cânone, ou seja, num conjunto (mais ou menos) fechado de livros adotado por muitas religiões como algo dotado de autoridade religiosa. Mas nada tema, mui gentil leitor — este post abordará (e desmontará) cinco grandes mitos sobre o tema e, espero, trará alguma luz ao debate. Vamos a eles?

Mito 1: a Bíblia que temos hoje foi “inventada” no Concílio de Niceia

Nananinão, dileto leitor. O Primeiro Concílio de Niceia, realizado no ano 325 d.C. na cidade romana de mesmo nome (localizada na atual Turquia), foi uma grande reunião de bispos (cerca de 300) convocada pelo imperador Constantino. Seu principal tema foi a cristologia, ou seja, debates sobre a exata natureza de Jesus Cristo e sua relação com Deus Pai. O concílio deu o passo decisivo para definir que Jesus compartilhava da mesma natureza de Deus e existia desde o princípio dos tempos, não tendo sido “criado” em qualquer sentido ordinário. A agenda do concílio incluía várias questões menores, como a data correta da celebração da Páscoa cristã. Mas em NENHUM momento incluiu discussões sobre os livros que deveriam ou não ser incluídos na Bíblia. Repito: esse tema simplesmente NÃO foi debatido em Niceia.

Mito puro, portanto.

Mas, se é mito, quando diabos o cânone foi fixado, afinal? Bem, depende. De maneira geral, pode-se dizer que, no fim do século 4º d.C., uns 50 anos depois de Niceia, a maioria das igrejas cristãs aceitava mais ou menos os textos ainda aceitos hoje. Mas alguma variação continuou ocorrendo, e nenhum grande pronunciamento oficial e definitivo aconteceu ao longo do milênio seguinte. No Ocidente, foi só no século 16 que católicos e protestantes cristalizaram seus cânones ligeiramente diferentes, com alguns livros a mais ou a menos no Antigo Testamento, como veremos a seguir.

Mito 2: ao longo dos séculos, a Bíblia foi constantemente manipulada e alterada. Não fazemos a menor ideia de quais eram os textos originais

Esse mito é mais complicado porque contém alguns elementos de verdade. Vamos examinar a questão, pensando primeiro no cânone judaico (o nosso Antigo Testamento) e depois no cânone cristão.

Primeiro, o fato é que a tradição de manuscritos do Antigo Testamento é muito antiga e bastante bem documentada. Os famosos Manuscritos do Mar Morto, achados na Cisjordânia nos anos 1940 e 1950, remontam até o século 2º a.C., em alguns casos, e vão até o século 1º da Era Cristã, ou seja, têm cerca de 2.000 anos de idade. A maior parte desses manuscritos corresponde a trechos de quase todos os livros da Bíblia hebraica, ou Tanakh, como também é conhecida — só não há na coleção trechos do livro de Ester.

Rolo do livro do profeta Isaías achado perto do mar Morto (Crédito: Museu de Israel)
Rolo do livro do profeta Isaías achado perto do mar Morto
(Crédito: Museu de Israel)
Tem variação quando comparamos os textos bíblicos dos Manuscritos do Mar Morto com os textos hebraicos preservados pela comunidade judaica, os chamados textos massoréticos, que datam do século 9º d.C.? Tem variação sim, e considerável – trechinhos a mais ou a menos, trocas de letras, confusões de significado etc. Isso é especialmente verdade em textos de natureza poética, que possuem vocabulário mais complexo e de difícil interpretação. Mas há relativamente pouca coisa que tenha algum significado teológico ou histórico muito importante nessa variação. Algumas versões dos Salmos dos Manuscritos do Mar Morto, por exemplo, parecem dar a entender a existência de outros deuses além do Deus bíblico, Yahweh (nome geralmente traduzido como “o Senhor”). Mas essa inferência também pode ser feita com base nos manuscritos mais conhecidos da Bíblia, por exemplo. Não é nada propriamente bombástico.

Já falamos dos textos do mar Morto e dos massoréticos, ambos em hebraico, que parecem concordar em muita coisa, ainda que não em tudo. Há ainda duas outras tradições importantes de textos do Antigo Testamento. A mais “estranha”, do nosso ponto de vista, é a dos samaritanos, o grupo de adoradores do Deus bíblico que vive ao norte de Jerusalém e era considerado herético pelos judeus. Os samaritanos possuem sua própria Torá, ou seja, o conjunto dos cinco primeiros livros da Bíblia, o Pentateuco (Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio). De novo, no geral, os textos batem, embora a Torá samaritana “puxe a brasa para a sardinha” de seus copistas, dizendo por exemplo que o local correto de adoração a Deus é o monte Gerizim, na atual Cisjordânia, e não Jerusalém, como defendem os judeus. Mas não passa muito disso — não é que a Torá deles diga “chutai a canela do seu pai e da sua mãe” em vez de “honrai pai e mãe”. Mais uma vez, trata-se de uma versão em hebraico.

Finalmente, há ainda a antiga tradução da Bíblia hebraica para o grego, a chamada Septuaginta, ou versão dos Setenta (assim chamada porque teria sido feita por setenta sábios judeus que viviam no Egito por volta do ano 200 a.C., segundo a tradição). De novo: há variantes significativas entre o texto da Septuaginta e os textos em hebraico? Tem bastante, de fato, o que indica que provavelmente os tradutores usaram um texto-base diferente da versão massorética. Mas, outra vez, é preciso ressaltar que essas diferenças não costumam ser radicais do ponto de vista semântico e teológico. Um dos problemas importantes da Septuaginta talvez seja a passagem na qual a palavra hebraica “almah”, que designa uma jovem do sexo feminino que ainda não teve filhos, foi traduzida como “parthenos”, que normalmente (mas nem sempre) significa “virgem” em grego. Foi essa passagem, do livro do profeta Isaías, que serviu de base para a ideia de que a concepção virginal de Maria nos Evangelhos cumpre a profecia de Isaías.

O primeiro capítulo do Evangelho de Mateus no Códex Vaticano (Crédito: Reprodução)
O primeiro capítulo do Evangelho de Mateus no Códex Vaticano
(Crédito: Reprodução)
Esse detalhe é teologicamente importante, sem dúvida, mas é um dos poucos exemplos de diferenças de peso. Resumindo: no caso do Antigo Testamento, apesar das muitas variantes, estamos falando de uma tradição de manuscritos que manteve considerável estabilidade ao longo de muitos séculos. Não há sinal de nenhuma conspiração para manipular em larga escala o conteúdo desses textos. No geral, os antigos judeus (e samaritanos) parecem ter respeitado o conteúdo tradicional de tais textos.

E no caso do Novo Testamento? Bem, os mais antigos fragmentos em grego desses livros que chegaram até nós são do começo do século 2º d.C. — cerca de um século, portanto, depois da morte de Jesus. Mas textos maiores só aparecem no século 3º d.C. O consenso entre os historiadores, no entanto, é que a maior parte do Novo Testamento foi escrita bem antes, entre 65 d.C. e 100 d.C. Mais uma vez, existem variantes? Sim, centenas de milhares, mas a grande maioria delas não tem grande significado. Num post anterior já falei de uma das mais importantes, a do “final alternativo” do Evangelho de Marcos. Outros trechos que podem ter sido alterados por causa de disputas teológicas envolvem interpretações adocionistas, ou seja, a ideia de que Jesus teria sido apenas adotado por Deus, e não seria seu Filho desde sempre. No geral, porém, vale o mesmo que dizemos sobre o Antigo Testamento: quando comparamos todos os manuscritos que chegaram até nós, não há sinais de manipulações de larga escala dos textos.

O importante aqui, eu acho, é pensar no contexto e na maneira como funcionavam as tradições religiosas na Antiguidade. Os textos que acabaram compondo o cânone da Bíblia já circulavam e eram venerados havia séculos quando o cristianismo se consolidou. Eram lidos, comentados, estudados e muito bem conhecidos. Alterá-los totalmente provocaria muitas brigas e não serviria a grandes propósitos. O mais lógico era aceitá-los mais ou menos como eram e investir em interpretações que casassem bem com a teologia cristã nascente.

Mito 3: os Manuscritos do Mar Morto contêm evangelhos apócrifos que revelam verdades chocantes sobre Jesus

Esse mito é fácil de derrubar, em contraposição ao anterior. Não há NENHUM texto cristão em meio a esses manuscritos, gente. A única relevância deles para o estudo do Jesus histórico é o fato de que eles nos ajudam a entender como era o judaísmo na época em que Cristo viveu. Fora isso, nada.

Manuscrito do Evangelho de Tomé, texto apócrifo (Crédito: Reprodução)
Manuscrito do Evangelho de Tomé, texto apócrifo
(Crédito: Reprodução)
Mito 4: os evangelhos apócrifos são uma fonte mais confiável sobre a figura histórica de Jesus do que os que foram incluídos na Bíblia.

Outro mito que vai ao chão com relativa facilidade. Hoje, quase todos os historiadores concordam que é preciso ler com muito cuidado os Evangelhos canônicos — Mateus, Marcos, Lucas e João — se a ideia é buscar informações historicamente confiáveis, porque o interesse dos evangelistas era fazer teologia, e não história no sentido moderno. Mas, e esse é um grande mas, a maioria dos historiadores também concorda que, se esses textos têm problemas do ponto de vista histórico, os evangelhos apócrifos, ou seja, não incluídos na Bíblia, são ainda mais problemáticos, em geral.

Isso porque tais textos foram, em geral, escritos bem depois dos Evangelhos canônicos e estão cheios de material lendário e especulações teológicas ainda mais ousadas do que os textos presentes na Bíblia. São quase “fan-fic” — aqueles textos escritos por fãs de um livro ou de um filme usando personagens criados por outra pessoa em suas próprias histórias.

Há uma possível exceção importante nesse caso, porém. Trata-se do Evangelho de Tomé, encontrado no Egito e feito quase que só de frases impactantes de Jesus, ou de parábolas contadas por ele. Alguns estudiosos importantes acreditam que Tomé preserva algumas versões das falas de Jesus que se aproximam mais do que ele teria realmente falado em vida. Mas muita gente discorda deles.

Mito 5: as Bíblias católicas e ortodoxas incluem textos apócrifos que não fazem parte do cânone “correto” do Antigo Testamento 

Esse é outro mito com nuances, como o mito 2. De fato, o que a Bíblia das igrejas protestantes inclui em seu Antigo Testamento é um conjunto de livros exclusivamente traduzidos do hebraico para as línguas modernas. São os mesmos livros incluídos pelos judeus atuais em seu Tanakh desde mais ou menos o ano 100 d.C. As Bíblias católicas e ortodoxas incluem ainda outros livros, como Judite, Sabedoria e Eclesiástico, que foram traduzidos do grego e a respeito dos quais se acreditava que tinham sido escritos originalmente em grego e/ou nunca teriam feito parte do cânone de qualquer grupo judaico.

Acontece, porém, que na época de Jesus o cânone judaico ainda estava “semiaberto”, e ao menos alguns grupos de judeus parecem, sim, ter considerado que tais livros eram canônicos. Trechos do Eclesiástico, por exemplo, foram achados entre os Manuscritos do Mar Morto, e em hebraico. A mesma coisa vale para o livro de Tobias – trechos em hebraico e aramaico também constam da “coleção” do mar Morto.

Isso significa que esses livros “devem” fazer parte do cânone? Depende. É claro que, no fundo, essa é uma discussão cultural e teológica. Mas o que claramente não funciona muito é dizer que o judaísmo nunca aceitou esses livros como parte das Escrituras — em alguns casos, essa informação parece não proceder.

Ah, e pros leitores que às vezes pedem minhas fontes, alguns livros ótimos para entender melhor os temas a seguir:

– Série “Um Judeu Marginal”, de John P. Meier, editora Imago;

– “The New Testament: A Historical Introduction to the Early Christian Writings”, de Bart D. Ehrman, Oxford University Press;

– “Uma História Cultural de Israel”, de Júlio Paulo Tavares Zabatiero, editora Paulus.

E dois excelentes cursos gratuitos online.

Sobre Antigo Testamento:


E sobre Novo Testamento:


Ambas da Universidade Yale, nos EUA.

Reinaldo José Lopes
No Darwin e Deus
Leia Mais ►

Refinando o debate sobre o aborto


Muitas vezes, debates são conduzidos sem a mínima tentativa de entendimento entre os participantes. Esquece-se, por exemplo, que a qualidade de um argumento não é proporcional ao tom de voz emitido, e que um esforço genuíno de compreender o interlocutor é uma maneira eficaz de rever e reforçar os argumentos que temos. E isso acontece de ambos os lados de uma posição.

Tem-se visto muitas pessoas defensoras do direito ao aborto sendo descuidadas com suas posturas. É recorrente encontrar alguém alegando coisas apressadas do tipo “isso não é um argumento” quando se depara com um pessoas defendendo uma posição conservadora. Acontece que em vários casos o argumento existe, e é válido. Algumas pessoas reconhecem a necessidade de manter um debate com mais razão e menos emoção, e para estas este texto não deve trazer muita novidade. Para as demais, proponho alguns alguns exemplos.

Premissa 1: Existe uma moral divina que sustenta que só Deus pode tirar ou dar a vida a um organismo;

Premissa 2: Todo organismo que é concebido por uma gestação humana está submetido a uma moral divina;

Conclusão: Portanto, com exceção de Deus, ninguém pode interromper uma gestação.

Embora a a conclusão se segue das premissas (ou seja, o argumento é válido), o argumento é ruim. E é ruim por pelo menos duas razões: i) as premissas são mais facilmente aceitáveis para quem aceita a conclusão e ii) não é óbvio que exista alguma entidade chamada de Deus, tampouco a chamada moral divina. E mesmo que existam Deus e a moral divina, é defensável que — devido a heterogeneidade de crenças existentes –, nem todas as pessoas entendem que existe algo de essencialmente mágico durante uma concepção humana; assim, não há essencialmente boas razões religiosas que apoiem a existência de uma lei que criminalize a interrupção da gravidez. E até mesmo pessoas que acreditam em Deus e na moral divina estão dispostas a aderir a causa da descriminalização do aborto (vide o movimento “católicas pelo direito de decidir”).

Segue outro exemplo.

Premissa 1: É errado matar um ser humano inocente.

Premissa 2: Um feto humano é um ser humano inocente.

Conclusão: Portanto, é errado matar um feto humano.

Uma possível objeção a este argumento é atacar a premissa 2. Nesse caso, é possível defender a distinção entre feto e embrião. A gravidez acontece em um espaço de tempo no qual mudanças significativas acontecem ao longo dos meses da gestação. O embrião, embora seja um ser vivo, não dispõe das propriedades necessárias para que o qualifiquemos como uma pessoa. Pode-se defender que estas propriedades são autoconsciência, racionalidade e senso de temporalidade. Nesse sentido, pessoas conseguem se projetar no tempo (passado ou futuro) e buscam satisfazer seus desejos. Um embrião falha em exercer essas atividades assim como um fio de cabelo também falharia. Dessa forma, a premissa 2 do argumento supracitado é razoavelmente objetado. Novamente, embora a conclusão se siga das premissas, o argumento pode ser dito ruim porque pelo menos uma de suas premissas não é boa o suficiente para convencer quem pretende-se convencer (os defensores do direito do aborto).

Como se vê, a refutação mais eficaz é atacando as premissas. E a menos eficaz é menosprezar esse esforço quando a preocupação prioritária é trazer pessoas para armar um exército de simpatizantes da causa. A questão, portanto, não é que os antiabortistas não têm argumentos, mas, em sua maior parte, seus argumentos são ruins.

É importante estar vigilante sobre essas coisas. É mais do que apenas um preciosismo de lógica, mas é a garantia para manter um debate respeitoso e intelectualmente honesto.

Cicero Escobar
No Bule Voador
Leia Mais ►

John Pilger


"Numa conferência em Chicago, John Pilger descreve como a propaganda se tornou uma força tão potente nas nossas vidas e como, nas palavras de um dos seus fundadores, representa «um governo invisível»."

"A carreira de John Pilger como repórter começou em 1958, e ao longo dos anos tornou-se famoso pelos livros e documentários que escreveu ou produziu.

Apesar das tentativas de sectores mais conservadores para ridicularizar e desvalorizar Pilger, o seu jornalismo investigativo já mereceu vários galardões na área do jornalismo, tais como a atribuição, por duas vezes, do prêmio jornalista inglês do ano, e na área dos dos Direitos Humanos.

No Reino Unido é conhecido pelos seus documentários, particularmente os que foram rodados no Camboja e em Timor-Leste. Pilger trabalhou ainda como correspondente de guerra em vários conflitos, como na Guerra do Vietnam, no Camboja, no Egito, na Índia, no Bangladesh e em Biafra.


Leia Mais ►

Cem erros mais comuns da Língua Portuguesa

Leia Mais ►

A história da opinião pública brasileira - I


Parte I – A grande decepção

Não há nada mais vilipendiado neste país do que a Opinião Pública. E tudo começou em 1960 quando a Opinião Pública se dividiu entre os candidatos da situação, o Marechal Lott, e os da oposição.

O Brasil então experimentava um momento bastante promissor, sobretudo, para a classe média que se entregava ao frenesi de consumo de uma recente industrialização: automóveis, eletrodomésticos, materiais de construção. Uma ascensão!   E as classes populares se organizavam através de movimentos de reivindicação salarial ou de direitos trabalhistas. Por vezes atendida por vezes reprimida, uma parte insatisfeita com as negociações do governo entre trabalhadores e patrões e outra parte, reconhecida ao getulismo das leis trabalhistas, apoiando JK.

Lott era um getulista, mas calava-se na memória coletiva lembranças que sem dúvida influíam na Opinião Pública. Ninguém se referia a estas lembranças que pareciam perdidas no passado, mas muito se engana quem acredita que a memória popular realmente seja fraca, pois o ínclito Marechal Lott foi vítima dos piores momentos da Velha República sob a presidência tirânica do Floriano Peixoto e, mais tarde, do sobrinho do líder republicano, Marechal Deodoro, o igualmente marechal Hermes da Fonseca que promoveu o terrível massacre da Revolta da Armada ou Revolta da Chibata, traindo o acordo estabelecido com os revoltosos que apenas exigiam a suspensão do uso da chibata como método de repreensão aos subalternos da Marinha do Brasil.

E assim, apesar da euforia pela nova capital, pela industrialização, a Bossa Nova e a Copa Jules Rimet; a Opinião Pública Brasileira elegeu Jânio Quadros.

Então vigorava a constituição de 1946 que previa eleições também para vice-presidente em votação simultânea, mas independente da de presidente. Vota-se no presidente de um partido e no vice que poderia ser de outro, aliado ou rival. Apesar de ceder às manobras do marketing primitivo empregado pelo Jânio, por via das dúvidas a Opinião Pública manteve o mesmo vice-presidente e aliado político do Juscelino Kubistchek, pois mesmo não havendo reeleição para presidente, vice-presidente poderia ser reeleito e a Opinião Pública preferiu assegurar alguma saída para o caso de Jânio ser mesmo tão instável quanto transparecia em suas contradições que se por um lado lhe emprestavam uma aura de empírica genialidade, por outro o assemelhavam a alguém desajustado à realidade. Caso o entusiasmo por Jânio desse chabu, ao menos havia possibilidade de retornoao que até então dera muito certo, através do getulista João Goulart.

De obscuro professor de colégio, o mato-grossense Jânio Quadros conquistou sucessivamente a vereança, a prefeitura da capital e o governo do estado de São Paulo. Sempre com retórica divagante e contraditória, vocabulário rebuscado e o indefectível discurso fácil contra a corrupção. Já naquele tempo os políticos eram como os proprietários de som automotivo: quanto maior o volume pior a música e quanto mais corrupto maior aparência de indignação à corrupção.

As indústrias de base criadas por Getúlio Vargas permitiram a Juscelino o convite às multinacionais montadoras automobilísticas a se instalarem no Brasil e, evidentemente, escolheram a região entre o maior porto do país, Santos, e o maior parque industrial, São Paulo. Consequentemente o desenvolvimento do estado se tornou díspar da realidade brasileira, apontado como modelo administrativo e econômico. Uma impressão enganosa, pois a governança paulista de Jânio Quadros se pautava por medidas de moralismo caseiro em detalhes supérfluos e corriqueiros. Mestre em dramatizar e transformar suas mais pífias providências em escândalos e espetáculos, desviava a atenção da Opinião Pública dos verdadeiros problemas que permaneciam insolúveis e sem qualquer providência. Problemas acarretados principalmente por São Paulo ser o principal destino do êxodo promovido pelas permanentes dificuldades e abandono dos sertões.

Com a construção de Brasília, Juscelino dera início ao processo de extensão da presença e do atendimento do estado às populações interioranas, mas o Brasil é um continente e evidentemente a situação dos nossos interiores não poderiam ser resolvida repentinamente apenas com a construção de Brasília. Daí que embora admirada e reconhecida à JK, a Opinião Pública Brasileira não pôde perceber do que abdicava ao escolher uma discutível promessa de mudança.

Imaginava-se que Jânio Quadros faria do Brasil uma grande São Paulo, mas sete meses depois a falsa promessa de mudanças nas fórmulas políticas se afogou no delírio de ser aclamado pela Opinião Pública como o salvador vitalício da pátria. Conforme o relato de seu neto, publicado quatro anos depois de sua morte em “Jânio Quadros : Memorial à Historia do Brasil’ (Jânio Quadros Neto e Eduardo Lobo Botelho Gualazzi), Jânio teria confessado que em verdade as pressões de “forças terríveis” se resumiram à certeza de que a Opinião Pública, o exército e os governadores o levariam de volta ao poder como ditador. “O maior fracasso político da história republicana do Pais, o maior erro que cometi…’’ em palavras do avô reproduzidas por JQ Neto.

Com a renúncia, as contradições do político perderam o beatífico traço de genialidade, revelando-se real instabilidade, irresponsabilidade e alheamento. Quando cassado pela ditadura militar que o utilizou como exemplo de intolerância aos velhos corruptos, sem mais nenhuma comoção a Opinião Pública se viu livre de Jânio que se auto exiliou em Londres onde consumiu parte do arrecadado com a carreira política beneficiada pela tradicional credulidade paulistana que ingenuamente interpretava os sanduiches de mortadela nos bolsos do paletó do candidato como inconteste comprovação de pobreza.

Jânio foi o mais controverso dos presidentes brasileiros desde 1930, quando Getúlio Vargas enterrou a igualmente malfada e impopular Velha República. Através de dúbia política externa em plena Guerra Fria, buscou agradar nações comunistas e capitalistas, embora internamente reprimisse duramente os movimentos populares e dos trabalhadores aos quais repassava a responsabilidade de uma política baseada na austeridade para conter a inflação. Congelamento de salários, restrição de crédito, ausência de investimentos em setores de interesse público, medidas impopulares mas ocultadas por espetaculares promoções de falso moralismo como a proibição da lança perfume nos bailes de carnaval, censura à transmissão de imagens de concursos de misses com maios e biquínis, ou encerramento de atividades dos jóquei clubes para aparentar severidade extensiva às classes dominantes.

Enquanto reprimia os movimentos de esquerda do Brasil, contraditoriamente condecorava Ernesto Che Guevara que atendeu a um pedido do Vaticano libertando 20 sacerdotes colaboradores do destituído ditador Fulgencio Batista. O pedido foi expresso pelo núncio apostólico no Brasil, Dom Armando Lombardi, e utilizando as dificuldades comerciais de Cuba bloqueada pelos Estados Unidos, Jânio encontrou naquela condecoração uma providencial forma de manipular a Opinião Pública que naqueles tempos apontava Cuba como exemplo e modelo de conduta, conforme demonstrava a marchinha mais popular nas rádios e salões de baile dos carnavais da época, advertindo que em Cuba quem andasse na contramão iria para o paredão para lamentar: “aqui ninguém é dono de ninguém/ barbado só camarão/ se roubar um trem/ ou matar alguém/ tem cem anos de perdão/ e um contrato na televisão.”

Uma premonição dos anos 60 sobre as “celebridades” que em décadas posteriores seriam construídas pelos formadores da Opinião Pública. Mas estes discípulos de Jânio Quadros vieram em outro momento da história e merecem um capítulo à parte.

Raul Longo
No Desacato
Leia Mais ►

O comício que a Globo transformou em festa


Após 20 anos de ditadura, 300 mil brasileiros foram à Praça da Sé pedir eleições diretas. Jornal Nacional disse que o ato era festa pelo aniversário de SP.

Há 31 anos, cerca de 300 mil pessoas foram à Praça da Sé, em São Paulo, para reivindicar eleições diretas para presidente. No palanque, políticos, artistas, sindicalistas e estudantes. Era o maior ato político ocorrido nos primeiros 20 anos da ditadura brasileira, com todo o seu saldo de mortes, torturas, desaparecimentos forçados, censuras e supressões dos direitos individuais. Mas o foco da reportagem que o telejornal de maior audiência do país, o Jornal Nacional, da TV Globo, levou ao ar naquela noite, era a comemoração pelos 430 anos de São Paulo.



O histórico comício da Praça da Sé ocorreu em um momento em que o Brasil reunificava suas forças para tentar por fim ao regime de exceção, em um movimento crescente. Treze dias antes, um outro ato político realizado em Curitiba (PR), com a mesma finalidade, havia sido completamente ignorado pela emissora. Mesmo a chamada para o ato que os organizadores tentaram veicular na TV como publicidade paga não foi aceita pela direção. O Jornal Nacional nada falou sobre o comício que levou 50 mil pessoas às ruas da capital paranaense. Antes dele, outros, menores, já ocorriam em várias cidades brasileiras desde 1983. Nenhum mereceu cobertura.

Em 1982,  a entrada em vigor da Emenda Constitucional nº 22 permitiu eleições diretas para governadores. Entretanto, previa que, em 1985, fosse realizada eleição indireta para o novo presidente, a ser escolhido por um colégio de líderes formado por senadores, deputados federais e delegados das assembleias legislativas estaduais. Os brasileiros, porém, queriam enterrar de vez os anos de arbítrio. Oposição e movimentos sociais se uniram para pedir Diretas Já.

Aliada inconteste da ditadura civil militar, a TV Globo demorou a acertar na análise da conjuntura. Acompanhando a leitura rasa dos militares que ocupavam o Palácio do Planalto, acreditou que os atos por eleições diretas não passariam de “arroubos patrióticos”, como depois definiria seu então diretor de Jornalismo, Armando Nogueira. Mas a estratégia de ignorar as diversas manifestações que pipocavam em várias cidades do país já estava arranhando sua credibilidade. Decidiu mudar.

Quando a multidão ocupou a Praça da Sé, a Globo optou por maquiar o ato e alterar suas finalidades. No telejornal mais visto do país, o apresentador Sérgio Chapelin fez a seguinte chamada: “A cidade comemorou seus 430 anos com mais de 500 solenidades. A maior foi um comício na Praça da Sé”. A matéria que entrava a seguir, do repórter Ernesto Paglia, evidenciava os 30 anos da Catedral da Sé e os shows artísticos pelo aniversário da cidade. Só no finalzinho, o repórter dizia que as pessoas pediam a volta das eleições diretas para presidente, como se aquilo tivesse sido um rompante espontâneo no evento convocado para outros fins.

Apesar da postura da maior rede de TV nacional, a campanha Diretas Já ganhava o país. No dia 24 de fevereiro, um novo grande comício foi realizado em Belo Horizonte (MG), e reuniu um contingente ainda maior de pessoas do que o de São Paulo. No mesmo Jornal Nacional, apenas rápidas imagens da multidão que saiu às ruas e dos muitos oradores que pediam o fim da ditadura, acompanhados de um texto que desvirtuam o sentido do ato.

A hostilidade com que os manifestantes tratavam a emissora só fazia aumentar. Foi nesta época que os protestos de rua passaram a bradar o slogan ouvido até hoje: “O povo não é bobo, abaixo a Rede Globo”. Foi nesta época também que os repórteres da Globo passaram a ser achincalhado nas ruas. Alguns sofreram agressões físicas.

Roberto Marinho, o fundador da emissora, era comprometido com a ditadura até o pescoço. Afinal, foram os militares que encobriram as irregularidades que marcaram a inauguração da TV Globo, investigada por uma CPI Parlamentar por conta de ter recebido injeção ilícita de capital estrangeiro, no escândalo conhecido como Caso Time-Life. E também foram os militares que ajudaram a emissora a se tornar a maior do país, em troca de apoio sistemático ao regime de exceção.

Mas Marinho não era burro. Viu que era impossível conter a nova força política que se tornava hegemônica no país e, de uma hora para outra, virou seu jogo. No dia 10 de abril, duas semanas do Congresso votar a proposta de eleições diretas já, ele autorizou que sua emissora cobrisse à campanha. O comício realizado aquela noite, no Rio de Janeiro, que reuniu mais de 1 milhão de pessoas na Candelária, enfim ganhou espaço devido no Jornal Nacional.

A emenda que previa as Diretas Já, apresentada pelo até então quase desconhecido Dante de Oliveira, não foi aprovada. Mas Marinho já estava aliado comas forças que venceriam a eleição indireta: Tancredo Neves, o presidente eleito que morreu antes de tomar posse, e José Sarney, que por uma contingência do destino, iria assumir o posto. Naquela época, a família Sarney já controlava a mídia no seu estado de origem, o Maranhão. Reza a crônica política que, de olho em uma parceria de sucesso com a Globo, o novo presidente da república submeteu até mesmo o nome de seu ministro da Fazenda, Mailson da Nóbrega, à aprovação de Roberto Marinho.

Erro histórico

O erro histórico da Globo de manipular a campanha Diretas Já até hoje assombra a emissora. Em setembro do mesmo ano de 1984, em matéria publicada pela revista Veja sobre os 15 anos do Jornal Nacional, Roberto Marinho já tentava minimizar o fato: “Achamos que os comícios poderiam representar um fator de inquietação nacional, e por isso, realizamos num primeiro momento apenas reportagens regionais. Mas a paixão popular foi tamanha que resolvemos tratar o assunto em rede nacional”, justificou.

Não foi suficiente. A história continuou rendendo acusações, livros e teses acadêmicas, além de correr mundo. No documentário “Muito Além do Cidadão Kane”, da emissora pública britânica Channel 4, de 1993, um trecho da matéria exibida pelo Jornal Nacional sobre o comício da Praça da Sé ajuda a comprovar a tese expressa no título pelo diretor, Simon Hartog. No filme Cidadão Kane, de 1941, considerado a melhor produção cinematográfica de todos os tempos, o genial Orson Wells narra a historia de um magnata das comunicações que, para assegurar lucro e poder, não tem escrúpulos em apoiar governantes diversos, indepentendes de partidos e ideologias.

Um trecho da polêmica “cobertura” da Globo pode ser conferida no documentário Muito além do Cidadão Kane (a partir de 1h17m40s)



Foram necessários muitos anos de democracia e, principalmente, de pressão popular, para que a emissora voltasse a enfrentar o assunto. Depois que as primeiras edições do Fórum Social Mundial, em Porto Alegre (RS), colocaram o debate sobre a manipulação da imprensa na agenda nacional, outros caciques da Globo tentaram apaziguar a história. Em depoimento gravado em 2000, o ex-diretor da emissora, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, admitiu a fraude, ainda que apresentando motivações enviesadas. “Enquanto as outras emissoras cobriam isso, nós ficamos limitados, pelo poder de audiência que a Globo tinha, a cobrir isso como se fosse um show de cantores”.



Um ano depois, foi a vez do ex-diretor de Jornalismo da Globo, Armando Nogueira, revisitar a polêmica, em outro vídeo: “As passeatas, as manifestações, aquilo acabou se transformando em uma avalanche. E a Rede Globo, com o instinto de sobrevivência que sempre teve seu patrono, Roberto Marinho, não poderia ficar insensível a isso, embora tivesse duramente pressionada pelo Palácio do Planalto a não prestigiar o que se supunha, lá no Palácio do Planalto, apenas uns arroubos patrióticos, quando na realidade era a manifestação irresistível da consciência nacional”.



Em 2003, o diretor executivo de jornalismo da emissora, Ali Kamel, reabriu a polêmica ao colocar no ar uma chamada em comemoração aos 34 anos do Jornal Nacional que evidenciava o pequeno trecho da matéria em que o repórter falava em “eleições diretas para presidente”. E no artigo “A Globo não fez campanha; fez bom jornalismo”, publicado na sequência no jornal O Globo, ainda teve a ousadia de afirmar que a chamada servia “para rechaçar de vez uma das mais graves acusações que o JN já sofreu: a de que não cobriu o comício das diretas, na Praça da Sé, em São Paulo”.

Os muitos autores que, até então, publicaram obras rechaçando a postura da emissora contra-atacaram, evidenciando a desproporção com que o tema foi tratado no telejornal. Ninguém nunca conseguiu saber, ao certo, se a vinheta de Kamel exibia a reportagem que, de fato, fora levada à época ao Jornal Nacional ou se era uma das tais “reportagens regionais” a que Roberto Marinha se referiu na entrevista à Veja de 1984. De certo, ficou apenas que o assunto não teve, no principal veículo de informação da emissora, o tratamento que merecia. E que o Brasil verdadeiramente democrático jamais engoliu a manipulação.

Najla Passos
No Carta Maior




A GLOBO NÃO FEZ CAMPANHA; FEZ BOM JORNALISMO

Ali Kamel

Para comemorar os 34 anos do Jornal Nacional, a TV Globo pôs no ar uma série de chamadas comemorativas muito simples: flashes dos principais momentos da História do Brasil e do mundo que o telejornal líder de audiência nas últimas três décadas exibiu. Foi uma pequena mostra dos serviços que o JN presta ao Brasil, o único órgão de imprensa presente, graças às afiliadas, em 115 municípios, nos 26 estados do país e no Distrito Federal, com equipes completas de jornalismo. Tudo feito por brasileiros, para brasileiros, em defesa do Brasil.

Mas não escrevo para elogiar o JN. Escrevo porque, em uma daquelas chamadas, uma pequena imagem do repórter Ernesto Paglia pode ter contribuído para rechaçar de vez uma das mais graves acusações que o JN já sofreu: a de que não cobriu o comício das diretas, na Praça da Sé, em São Paulo. Uma acusação que está, inclusive, em muitos livros. Leiam a seguir uma pequena mostra: Primeiro, Eugênio Bucci, em seu livro Ética e imprensa, editado pela Companhia das Letras em 2000, na página 29: No dia 25 de janeiro de 1984, o Jornal Nacional tapeou o telespectador. Mostrou cenas de uma manifestação pública na Praça da Sé, em São Paulo, e disse que aquilo acontecia em virtude da comemoração do aniversário da cidade. A manifestação era real: lá estavam dezenas de milhares de cidadãos em frente a um palanque onde lideranças políticas discursavam. Mas o motivo que o Jornal Nacional atribuiu a ela não passa de invenção. Aquele comício nada tinha a ver com fundação de cidade alguma. A multidão estava lá para exigir eleições diretas para Presidência da República. O Jornal Nacional enganou o cidadão naquela noite – e prosseguiu enganando durante semanas a fio, ao omitir as informações sobre a campanha por eleições diretas. Para quem só se inteirasse dos acontecimentos pelos noticiários da Globo, a campanha das diretas não existia.

Mario Serio Conti, em seu livro Notícias do Planalto, também editado pela Companhia das Letras, em 1999, nas páginas 37 e 38, foi mais longe: “Em 25 de janeiro de 1984, o patrão (Roberto Marinho) estava irredutível. Para aquele dia, aniversário de fundação da cidade de São Paulo, fora marcado um ato público na Praça da Sé. Centenas de milhares de pessoas compareceram. No palanque se encontravam desde o presidente do PT, o Partido dos Trabalhadores, Luís Inácio Lula da Silva, até Tancredo Neves, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro, o PMDB, passando por cantoras, compositores, atores e atrizes de novelas da Globo. O próprio apresentador da manifestação, o locutor de futebol Osmar Santos, era um astro da Rádio Globo. Com a Bandeirantes e a Manchete dando flashes ao vivo e dedicando a maior parte de seus noticiários à manifestação na Sé, Boni imaginou uma maneira de mencioná-la, ao mesmo tempo que cumpria a ordem de não noticiá-la. Numa reunião na sala de Armando Nogueira, determinou que uma repórter falasse da Praça da Sé, em menos de vinte segundos, que ali estava sendo comemorado com um show o aniversário de São Paulo. Não deu certo: além de omitir, a Globo foi acusada de distorcer a verdade.”

Até mesmo no prestigiado Dicionário Histórico Biográfico, da Fundação Getúlio Vargas, na página 4.921, está dito: “Em 1984, o país viveu o ápice da campanha das diretas para a Presidência da República, desencadeada no final do ano anterior. Ignorando-a inicialmente, a Globo dava pouco espaço, nos noticiários, aos grandes comícios e passeatas que impulsionaram a campanha. O comício da Praça da Sé de São Paulo, em janeiro, recebeu uma cobertura de poucos flashes que apenas mostrava artistas, caracterizando o evento como uma comemoração do aniversário da cidade e desprezando a presença de dez governadores de estado.”

Luiz Felipe Miguel, em seu artigo Mídia e manipulação política no Brasil, publicado em Comunicação e política, volume VI, página 124, segue a mesma linha: “Outro episódio significativo se refere à grande mobilização popular exigindo o retorno das eleições diretas para a Presidência da República, em 1984 – e que a Globo procurou ignorar. No dia 25 de janeiro, um comício em São Paulo reuniu cerca de 300 mil pessoas em defesa das diretas, dando início a uma série de grandes manifestações populares. No Jornal Nacional, porém, o comício foi despido de seu caráter político e noticiado como se fosse um espetáculo comemorativo do aniversário da cidade de São Paulo.”

Deve haver muitos outros livros, a produção acadêmica no Brasil nessa área aumentou muito nos últimos anos. O que diminuiu foi a ênfase no método, na pesquisa. Bastava uma visita ao Centro de Documentação da TV Globo, onde todas as reportagens estão arquivadas, para que acusações tão graves simplesmente não existissem. A reportagem de Ernesto Paglia foi ao ar na noite do comício, realizado no dia 25 de janeiro, entre outros motivos, justamente por ser o aniversário de 430 anos da cidade, um feriado. O aniversário é o mote do locutor, e o repórter, de fato, inicia a reportagem por ele, mas, em seguida, fala do comício, diz que ele pede as diretas para presidente, descreve o que aconteceu e termina com o discurso do então governador de São Paulo, Franco Montoro. Leiam a transcrição:

Repórter: “São Paulo, 430 anos, nove milhões de brasileiros vindos de todo o país. A cidade de trabalho. São Paulo fez feriado hoje para comemorar o aniversário. Foi também o aniversário do seu templo mais importante, a Catedral da Sé. De manhã, na missa, o cardeal arcebispo dom Paulo Evaristo Arns lembrou o importante papel da Catedral da Sé nesses 30 anos em que ela vive no coração da cidade.

Dom Paulo: Nessa igreja se promoveu praticamente a libertação de um povo que quer manifestar-se como povo. Eu acho que isso é fundamental para uma igreja mãe que é tratada com tanto carinho.

Repórter: E junto com a cidade aniversariou também hoje a Universidade de São Paulo. A USP completou 50 anos de existência. A ministra da Educação, Ester Figueiredo Ferraz, foi à USP hoje. Ela falou da importância da Universidade com suas 33 faculdades e 45 mil alunos e assistiu a uma inesperada manifestação de estudantes e funcionários. Eles tomaram o anfiteatro com faixas e cartazes e pediram verbas para a educação, eleições diretas para reitor e para presidente da República. Mas à tarde, milhares de pessoas vieram ao Centro de São Paulo para, na Praça da Sé, se reunir num comício em que pediam eleições diretas para presidente. Não foi apenas uma manifestação política. Na abertura, música, um frevo do cantor Moraes Moreira. A Praça da Sé e todas as ruas vizinhas estão lotadas (panorâmica da multidão e das ruas ao lado, tomadas). No palanque mais de 400 pessoas, deputados, prefeitos (imagens do palanque) e muitos artistas, Christiane Torloni, Regina Duarte, Irene Ravache, Chico Buarque, Milton Gonçalves, Ester Góes, Bruna Lombardi, Alceu Valença, Fernanda Montenegro, Gilberto Gil. A chuva não afasta o povo. Os oradores se sucedem no palanque e ninguém arreda pé. O radialista Osmar Santos apresenta os oradores. O governador de S. Paulo, Franco Montoro, fez o discurso de encerramento (imagens e som de Montoro, ao lado de Ulysses Guimarães, Orestes Quércia, Brizola e Lula). Franco Montoro: Um dos passos na luta da democracia. Houve a anistia, houve a censura, o fim da tortura; mas é preciso conquistar o fundo do poder que é a Presidência da República.

A fita está à disposição. Não houve omissão. Está tudo na reportagem de Paglia. Já na USP, a menção, com imagens, do protesto dos estudantes pedindo diretas para presidente. E as imagens da praça lotada, o motivo do comício dito com todas as letras, a ênfase na disposição cívica do povo “que não arreda pé nem com a chuva”, os políticos mostrados no palanque e o discurso final, na voz de Montoro, forte, incisivo, em tom de convocação. Sim, na noite de 25 de janeiro de 1984, os brasileiros se informaram na Globo de que um comício pelas diretas se realizara em São Paulo.

Como sempre, estavam bem informados. Desde o momento em que Dante de Oliveira protocolou sua emenda na Câmara dos Deputados, em março de 1983, a Globo cobriu todos os passos da luta pelas diretas. Já em março daquele ano, o então repórter Antônio Britto, numa reportagem para o Jornal Nacional, entrevistando o então líder do PMDB Freitas Nobre, contou aos brasileiros qual seria a estratégia da oposição para aprovar a emenda. E nos meses seguintes, foram inúmeras as reportagens a respeito, não somente sobre a tramitação da emenda, como também sobre as manifestações populares (a Globo cobriu os comícios, desde a caminhada pelas diretas no dia 13 de janeiro de 1984).

A minha tese é que não há má-fé por parte de quem difunde a acusação de que a Globo não cobriu o comício de São Paulo. Eu sou fortemente inclinado a supor que a Globo é tão querida, e tão reconhecidamente competente, que muitos não a perdoaram por não ter feito uma campanha pelas diretas, no estilo das que faz em época de Copa do Mundo. Esquecem-se de que a ditadura ainda estava forte, tão forte que as diretas foram votadas sob a vigência das medidas de emergência, um dispositivo constitucional, decretado nas vésperas da votação, que proibiu manifestações populares em Brasília (lembram-se do general Newton Cardoso, em seu cavalo, dando chicotadas em carros presos num engarrafamento?) e proibiu a transmissão por emissoras de rádio e televisão da sessão do Congresso Nacional que acabaria rejeitando as diretas-já. Não, a Globo não fez uma campanha, mas não deixou de fazer bom jornalismo.”


TV GLOBO E AS DIRETAS

Mario Sergio Conti

“Carta a Ali Kamel”, copyright No Mínimo (www.nominimo.com.br), 4/10/03

Caro Ali,

Li com interesse e espanto o seu artigo n’O Globo do último dia 24. Interesse porque você transcreve o texto da reportagem do Jornal Nacional de 24 de janeiro de 1984, quando houve o primeiro grande comício pelas edições diretas para presidente. E espanto porque você conclui que naquela noite, e durante toda a campanha pelas diretas, “a Globo fez bom jornalismo” (transcrição abaixo).

Não foi de imediato que pensei em comentá-lo. Mas como comecei a imaginar indagações e contrargumentos, resolvi então compartilhá-los. Torno a carta pública porque acredito que o seu artigo suscita questões que podem interessar a vários de nossos colegas. E também porque podemos inaugurar um gênero inédito: a polêmica entre jornalistas que não desanda em gritaria, desqualificação, insultos ou baixaria.

* * *

Você acusa todos que criticaram a cobertura do Jornal Nacional daquele comício de não terem feito a pesquisa necessária: “Bastava uma visita ao Centro de Documentação da TV Globo, onde todas as reportagens estão arquivadas, para que acusações tão graves simplesmente não existissem”.

Perfeito. Mas eu fui, diversas vezes, ao Centro de Documentação da Globo quando fiz a pesquisa para Notícias do Planalto. E pedi a fita do JN de 24 de janeiro de 1984. As fitas daquele ano, explicaram-me, foram gravadas no sistema X, e estavam em processo de transcodificação para o sistema Y. Pedi para ver aquele telejornal específico lá mesmo, numa máquina qualquer, da maneira que fosse. Não dava, foi a resposta. Ao longo de quase dois anos de trabalho no livro, de vez em quando telefonava para o Centro de Documentação e perguntava se dava para ver o raio do JN do comício das diretas na Praça da Sé. Nunca deu.

Acredito no que os funcionários do Centro de Documentação me disseram. Cheguei a eles por intermédio de João Roberto Marinho, que gentilmente recomendou que me ajudassem. Eles foram sempre eficientes e rápidos, além de simpáticos. Arrumaram-me a fita do Globo Repórter de abril de 1987, sobre a caça aos marajás que o então governador Fernando Collor fazia em Alagoas. Deram-me também a fita com a edição que o Jornal Nacional fez do debate entre Lula e Collor na véspera do segundo turno das eleições de 1989. E explicaram que não tinham a fita com a edição do mesmo debate que foi levada ao ar horas antes porque o Hoje não era arquivado.

Agora, graças ao Centro de Documentação da TV Globo, e à sua curiosidade, a fita está a disposição. Não é mais preciso recorrer à memória, pessoal e de outrem, para saber o que o JN mostrou naquele dia. A memória, como você, eu e todo leitor de Freud e Proust sabe, é parcial e enganadora. Ela não é regida por mecanismos racionais. Com o passar do tempo, as recordações assumem um caráter fluido e vago como o dos sonhos. (Falar em memória, como trezentas pessoas te devem ter dito, há um lapsus linguae no artigo: foi Newton Cruz, e não Cardoso, o milico que chicoteou uma carreata em Brasília).

Eu gostaria de ver a fita. Não, Ali, não precisa se incomodar em mandá-la. O sistema de vídeo francês é diferente do brasileiro. Também não se dê ao trabalho de descobrir se é possível transcodificá-la. Não tenho aparelho de vídeo ou de DVD (nem assino canais a cabo). Esses troços são caros e meu dinheiro é contado. E o que tem de noticiário e documentário nos canais abertos já me é mais do que suficiente.

* * *

Gostaria de ver a fita não só por nostalgia (cobri o comício), e sim para fazer uma análise semelhante às que fiz do Globo Repórter dos marajás e da edição do Jornal Nacional do debate de Lula e Collor. Queria saber, de cara, se o Cid Moreira (foi ele mesmo o apresentador daquela noite?) leu uma manchete na abertura do jornal sobre os acontecimentos na Sé. As manchetes de um telejornal, como estamos carecas de saber, resumem os fatos mais importantes do dia. Elas funcionam como a primeira página de um jornal impresso: hierarquizam as notícias da edição, chamando a atenção para as mais importantes, que ocupam espaço maior na página.

O que aconteceu na Sé foi considerado relevante o suficiente para abrir o JN? Se não, quais outras notícias foram consideradas mais importantes? Se sim, com que palavras o fato foi descrito: comemoração do aniversário de São Paulo, show, comício pelas diretas?

Gostaria também de saber o que o locutor disse ao anunciar a reportagem de Ernesto Paglia. Ou seja, qual foi o título da notícia. No seu artigo, você escreve que o aniversário (de São Paulo) é o mote do locutor. Sim, mas ele disse “comemoração”, “festa”, “show”, “comício”?

Com a fita em mãos, eu faria então uma minutagem, uma contagem do tempo dedicado a cada notícia. Para saber, no aspecto material mais elementar – o tempo -, qual o peso editorial ocupado pela reportagem da Sé naquela edição do Jornal Nacional. Um por cento, 3%, 5% do total do JN?

(Parênteses: sei que a matéria tem menos de um minuto. Fiz a contagem quanto voltei do comício, ao assistir a fita do JN na redação da Veja. Não porque eu seja um maníaco por cronômetros. No dia seguinte, ia entrevistar o Osmar Santos para uma “amarela”. E queria perguntar-lhe o que achava da Globo ter dado pouco tempo ao comício. A entrevista foi publicada, e a pergunta está lá).

De Paris, posso ouvir os seus bocejos no Rio, Ali. Reconheço que esses raciocínios sobre manchete, título e tempo de notícias são chatos, por serem o beabá do nosso metiê. Mas eles são importantes para que eu possa fazer as seguintes afirmações categóricas. Ei-las:

O Jornal Nacional não deu manchete com o comício pela diretas, que levou mais de duzentas mil pessoas à praça da Sé. Logo, não o considerou um dos grandes fatos jornalísticos do dia. O título da matéria do Paglia também omitiu que se tratava de uma manifestação pelas diretas. O tema das diretas ocupa metade do tempo da reportagem. Nela, dois entrevistados falam, D. Paulo Evaristo Arns e Franco Montoro, e apenas o governador se refere às diretas. A reportagem cita o nome de dez artistas e apenas o de dois políticos: a então ministra da Educação, Ester Figueiredo Ferraz, e Montoro.

A isso você chama de “bom jornalismo”.

* * *

O bom jornalismo não ocorre no vácuo. Ele pode ser contraposto ao mau jornalismo, ao péssimo, ao regular, ao excelente. Como nem o JN nem a Globo estavam (ou estão) sozinhos no universo, façamos algumas comparações

Na tarde do comício, as redes Bandeirantes e Manchete deram flashes ao vivo da preparação da manifestação (acompanhei as duas na redação, antes de sair para a cobertura). Com emissoras de rádio, a mesma coisa (ouvi rádio no táxi, da Veja até a Sé). Nos telejornais do horário nobre, a Manchete e a Bandeirantes dedicaram bem mais da metade do tempo ao comício (perguntei aos colegas, ao preparar a entrevista com o Osmar Santos) No dia seguinte, a Folha dedicou a primeira página inteira ao assunto. O Estadão, O Globo e o JB deram a manchete principal ao assunto. No fim de semana, Veja e Istoé vieram com fotos de capa, praticamente idênticas, com a multidão na praça (consulte os arquivos).

Todos os órgãos da grande imprensa cobriram o ato público na Sé de maneira extensa e intensa. Para os seus diretores e proprietários, ele foi a grande notícia do dia e da semana. Só o Jornal Nacional fez diferente. Ele reduziu drasticamente a relevância e o impacto da notícia. Ele colocou dentro da notícia informações que visavam deturpar o seu sentido, a sua verdade — a de manifestação popular contra a ditadura.

Já que você sustenta que a Globo fez “bom jornalismo”, como classificaria o trabalho das outras redes, dos jornais e das revistas naqueles dias? Eles se saíram melhor que o JN? Se sim, eles então fizeram “ótimo” ou “excelente” jornalismo. Dito de outra forma: em relação a eles, a Globo fez um jornalismo ruim. Ou péssimo.

Sua resposta pode ser outra: só a Globo fez bom jornalismo. Os demais órgãos da grande imprensa fizeram mau jornalismo porque exageraram a notícia. Fizeram “campanha”.

* * *

No último parágrafo do artigo você exemplifica o que entende por “campanha”:

“Eu sou fortemente inclinado a supor que a Globo é tão querida, e tão reconhecidamente competente, que muitos não a perdoaram por não ter feito uma campanha pelas diretas, no estilo das que faz em época de Copa do Mundo”.

Confesso que não entendi. Não acho que a Globo faça “campanha” em época de Copa do Mundo. Campanha para quê? Com que objetivo? Campanha para o Brasil ganhar? Na Copa, a Globo como um todo — e sobretudo seus pontas-de-lança, os locutores das partidas — , torce pelo time brasileiro. Todos os órgãos de imprensa fazem o mesmo. (Na França, idem: os locutores parecem estar transmitindo uma partida de xadrez, de tão fleumáticos que são, mas torcem adoidado pelos bleus. Eles torcem bufando: bufffff!)

Campanha jornalística é outra coisa. Como você, dou um exemplo: a Folha fez campanha pelas diretas. Bem antes do comício da Sé, o jornal fez editorial de primeira página a favor das diretas. A campanha popular passou a orientar o seu noticiário político, sua página de Opinião e seus colunistas. O jornal usava tarjas amarelas, a cor da campanha.

Quanto aos outros órgãos de imprensa, francamente não sei. Uns fizeram editoriais a favor das diretas. Outros não. Podiam estar em campanha ou não. Mas todos noticiaram a campanha amplamente. Inclusive O Globo. A única cobertura estruturalmente diferente foi a do Jornal Nacional.

E a diferença acabou dois meses depois, no comício pelas diretas na Candelária, no Rio. O JN fez uma cobertura oposta à do ato na Sé. Se você me permite um pouco de cabotinismo (e de preguiça também: não vou ficar procurando um jeito diferente de escrever o que já escrevi), cito o trecho de Notícias do Planalto sobre a Candelária:

“Com a cidade parada, a expectativa do comparecimento de um milhão de pessoas, e a previsão de se cantar o Hino nacional no horário do JN, uma parte da manifestação teria de ser exibida ao vivo. Boni defendia que o comício não destruísse a programação. O que importava, em termos jornalísticos, era mostrar a dimensão colossal do ato na Candelária, e não a pregação de tal ou qual demagogo. Mexer na programação, sobretudo no horário das novelas, era alienar uma parte considerável da audiência, argumentava. Armando Nogueira dizia que enquanto houvesse notícias a Globo deveria transmitir. Que se danassem as novelas. A preocupação de Roberto Irineu Marinho era evitar a transmissão do discurso de algum panfletário. Queria evitar ataques às Forças Armadas e incitações a saques e depredações. O poder de corte e edição, de decidir o que mostrar aos brasileiros, não ficou com os profissionais. Ficou com Roberto Irineu Marinho. Monitores foram acomodados na sua sala, e se fez uma ligação direta entre ela e a mesa de corte, na Central de Jornalismo. A convite de Roberto Irineu, a diretora italiana de cinema Lina Wertmuller acompanhou a movimentação. Pôde perceber que as discussões sobre televisão, política e jornalismo não eram acadêmicas: pouco depois das 8 da noite um helicóptero militar postou-se na altura da janela da sala de Roberto Irineu. Piloto e co-piloto encaravam o alto escalão da Globo, com o evidente propósito de intimidá-lo. Roberto Irineu abriu a janela e lhes deu uma banana. Passaram alguns momentos e os militares foram embora.”

Como você qualificaria o trabalho do JN no comício da Candelária? Os telespectadores da Globo foram mal informados, bem informados, excessivamente informados, informados por um jornalismo de “campanha”?

Se você quer minha opinião, ela é óbvia. A cobertura da Sé deixou os telespectadores desinformados. A da Candelária esteve à altura do comício.

* * *

Você reduz o contexto da época, no finzinho do artigo, a uma frase: “a ditadura ainda estava forte, tão forte que as diretas foram votadas sob a vigência das medidas de emergência, um dispositivo constitucional, decretado nas vésperas da votação, que proibiu manifestações populares em Brasília”.

A ditadura podia estar forte. Mas não a ponto de impedir que centenas de milhares de pessoas fossem à Sé. Ela também não evitou que órgãos de imprensa mais fracos que a Globo noticiassem o comício com destaque.

Havia, naqueles dias, uma crise política nacional. Essa crise reverberou dentro da Globo. Pela última vez, juro, dou uma de cabotino e me repito:

“Desde o final de 1983 as manifestações se sucediam. Quanto mais gente juntavam, maior o impacto da ausência delas no Jornal Nacional. O ministro Leitão de Abreu, da Casa Civil, convencera Roberto Marinho que a campanha era nociva ao governo do presidente João Baptista Figueiredo e, portanto, ao bem-estar nacional. O melhor era ignorá-las. Assim foi feito, com prejuízo para a credibilidade da rede. Seus repórteres e veículos foram hostilizados, enquanto os da Bandeirantes e da Manchete, que noticiavam a campanha, eram alvo de gestos de simpatia. Nos atos públicos e passeatas uma das palavras-de-ordem gritadas com mais entusiasmo era ‘o povo não é bobo, abaixo a Rede Globo!’ A mesa de Roberto Marinho foi coberta por telexes, telegramas e cartas de protesto contra as distorções no noticiário. Algumas delas assinadas por anunciantes e donos de agências de propaganda. ‘Se a Globo continuar ignorando as diretas, corre o risco de perder verbas publicitárias’, avisou o diretor de Comercialização, Dionísio Poli, a Roberto Marinho – que relutava em deixar focalizar o povo nas ruas.”

* * *

Ao longo dos últimos dezenove anos, consolidou-se a percepção social que cobertura da campanha das diretas feita pela Globo foi um escândalo. Repito: é ótimo que você tenha publicado o texto da reportagem. Mesmo sem citar as manchetes do dia e o título da notícia. Porque agora dá para saber melhor a partir de qual base factual se produziu o balanço (em livros, artigos e na memória das pessoas) daquela cobertura.

Nessas quase duas décadas, acho que li boa parte do que foi publicado a respeito. Conversei com dezenas de colegas da Globo. Entrevistei muitos deles e lhes fiz perguntas específicas sobre a campanha das diretas. Pois nenhum, jamais, defendeu a tese do ‘bom jornalismo”. Alguns falaram em ‘erro’, outros se referiram a ‘pressões’, muitos disseram que ‘foi feito o possível’. Nenhum deles se vangloriou do que foi levado ao ar. A começar por Roberto Marinho.

Para todos, contudo, as lições foram assimiladas. E colocadas em prática. Tanto que, no movimento para a tirada de Collor do poder, não houve reportagem que lembrasse a do comício na Sé – apesar de Roberto Marinho ser contra a saída do presidente. Todos, dentro e fora da Globo, aprenderam. É esse aprendizado coletivo que você quer reverter.

O sentido dessa carta, meu caro Ali, não é o de esmiuçar o passado. É o de apontar para o futuro. Outras crises virão. Políticas e jornalísticas. Você ocupa uma posição de responsabilidade na imprensa brasileira. O que você escreve deve ser ponderado e levado em conta. É por isso que, fraternalmente, discordo do seu exemplo — do seu conceito — de ‘bom jornalismo’. Ele transforma em paradigma o que foi uma aberração.

Com o abraço de sempre,

Mario

No Viomundo
Leia Mais ►

50 anos da TV Globo: o principal legado da Ditadura Militar


“Os homens e as instituições que viveram 1964 são, há muito, História, e devem ser entendidos nessa perspectiva”. Em 2013, o jornal O Globo respondeu as manifestações de junho reconhecendo o erro do grupo ao apoiar o golpe militar. Como está expresso na frase que abre esse texto e utilizada pelo veículo na ocasião, tudo não passa de “História”. De passado e não de presente, portanto. Será?

Nesse ano, a TV dos “Marinhos” completa cinco décadas e a vocação democrática da Rede Globo permanece discutível. Dois anos após fazer um reconhecimento público de seu “erro”, ela segue o mesmo script estabelecido nos acordos que manteve com a Ditadura Militar.

Vejamos. O projeto de nação implementado pelos militares teve como uma de suas principais linhas conter o avanço político dos setores progressistas, exterminar seus representantes e desenvolver economicamente o país sem nenhum compromisso com o fosso da desigualdade social.

Para legitimar isso, precisava montar um sistema de comunicação que desse conta de vender para a sociedade apenas o filtro que lhe interessava. Poderia ser criando um aparato estatal, opção que Getúlio Vargas já havia tomado com o rádio, ou estimular alguns grupos privados que compartilhasse a mesma visão de mundo.

Como já sabemos, escolheram pela segunda alternativa. E, como sabemos também, a Globo foi a que melhor se perfilou ao projeto. Na época em que a TV surgia como o novo advento de comunicação de massa, recebeu ajuda para criar a sua. Não à toa, ano passado completou-se 50 anos desde o golpe militar e, esse ano, os 50 desse veículo de comunicação.

O monopólio da mídia é um dos principais entraves da nossa democracia deixado como herança pelos militares. Nem mesmo a lógica de maior privilégio ao grupo Globo foi superada nesses 30 anos desde a redemocratização. Ainda são eles que mais arrecadam do Estado. Aproximadamente 1/3 das verbas de publicidade oficial (governo federal e autarquias) nas gestões de Lula e Dilma enriqueceram os cofres dos “Marinhos”.

Além disso, permanecem com muito apetite para os golpes políticos e intervenções na democracia. Em 1989, quando dominavam absolutamente a audiência no Brasil, realizaram a famosa edição do debate entre Lula e Collor que culminou na vitória do segundo. Desde 2003, dão a linha de um jornalismo que omite qualquer crítica a direita e busca desestabilizar politicamente o governo federal, hoje sob condução de Dilma. Na eleição de 2014, escolheram repercutir a matéria de capa da revista Veja (de suposto escândalo envolvendo Lula e a presidenta), lançada na noite de quinta-feira, apenas no sábado da mesma semana, na véspera da votação do segundo turno, numa tentativa clara de impedir o direito de resposta da candidata à reeleição e contribuir para a vitória do tucano Aécio Neves.

Na semana passada, a justiça (com j minúsculo mesmo) deu ganho de causa a uma de suas mais recentes facetas antidemocráticas. Condenou o blogueiro Miguel do Rosário em R$ 20 mil por conta de um processo movido pelo diretor de jornalismo global Ali Kamel. Ele sentiu-se injuriado por ser chamado de “reacionário”. E não é a primeira vez que a Globo orienta seu funcionário a processar blogueiros. Paulo Henrique Amorim também já passou por isso.

Trata-se de uma afronta absurda a liberdade de expressão, já que os blog´s surgiram como uma alternativa ao pensamento comum que domina a linha editorial da grande mídia e cuja credibilidade aumenta a medida que cai a dos poderosos.

E cai não por acaso. Metida a perseguidora da corrupção, a Globo e os outros cinco grupos que dominam a comunicação no Brasil silenciam-se diante dos escândalos das elites. Às vezes por fazerem parte diretamente deles, como no caso HSBC. O banco tem em seus arquivos o endereço da Globo nas Ilhas Virgens (paraíso fiscal), sendo investigado na Europa por conduzir uma operação que envolve 180 bilhões de dólares num período de cerca de quatro meses, que vai do final de 2006 até o início de 2007. Desses, 20 bilhões são de empresas e empresários brasileiros, possivelmente inclusive da Globo, que já é réu no Brasil por sonegação fiscal, conforme o próprio Miguel do Rosário divulgou em seu blog.

Nos marcos da passagem dos 50 anos da TV Globo, é necessário reafirmar o papel que eles jogaram e permanecem jogando para o Brasil e fortalecer a luta pela democratização da mídia, como o caminho que o Brasil precisa seguir para romper as amarras ditatoriais que ainda perseguem seu povo!

Anderson Bahia
No UJS
Leia Mais ►

Poeira do Saara atravessa oceano e viaja até a Amazônia, mostra Nasa




O que conecta o deserto mais quente da Terra à sua maior floresta tropical?

O deserto do Saara é uma faixa marrom quase ininterrupta de areia e mato que cobre um terço do norte da África. A Amazônia é uma massa verde densa de floresta úmida que cobre o nordeste da América do Sul. Mas, depois de fortes ventos varrerem o Saara, uma nuvem de areia sobe no ar, passa pelos continentes, e une o deserto e a selva.

Pela primeira vez, um satélite da Nasa calculou em três dimensões a quantidade de poeira que faz esta viagem transatlântica. Os cientistas não só mediram o volume de poeira, como também calcularam quanto fósforo — remanescente das areias saarianas — é levado através do oceano.

Um novo estudo, publicado em 24 de fevereiro na revista "Geophysical Research Letters", forneceu a primeira estimativa deste transporte de fósforo ao longo de vários anos, segundo Hongbin Yu, cientista atmosférico da Universidade de Maryland, que trabalha no Goddard Space Flight Center da Nasa em Greenbelt, em Maryland, EUA.

Esta viagem transcontinental de poeira é importante por conta do que está no pó, disse Yu. Em especial, o pó da depressão Bodélé, no Chade, onde havia um grande lago e, agora, minerais de rochas compostas de microrganismos mortos são carregados com o fósforo. Este é um nutriente essencial para as proteínas vegetais e para o crescimento das plantas, essencial para a floresta amazônica florescer.

Os nutrientes — os mesmos encontrados em fertilizantes comerciais — estão em falta em solos da Amazônia. Entretanto, eles estão presos nas próprias plantas. Quando caem, a decomposição das folhas e matéria orgânica fornece a maioria dos nutrientes ao solo, que são rapidamente absorvidos pelas outras plantas e árvores. Mas, alguns nutrientes, incluindo o fósforo, são lavados pela chuva em córregos e rios.

Estima-se que 22 mil toneladas do fósforo da areia do Saara atinja o solo amazônico por ano. É quase o mesmo montante perdido na chuva e inundações, disse Yu. A descoberta é parte de uma pesquisa maior para compreender o papel da poeira e aerossóis no meio ambiente, no clima local e global.

Poeira no vento

"Sabemos que a poeira é muito importante em muitos aspectos. É um componente essencial do sistema da Terra. A poeira vai afetar o clima e, ao mesmo tempo, as mudanças climáticas afetarão a poeira", disse Yu.

Para entender o que são estes efeitos é necessário responder a duas questões básicas. Quanta poeira é transportada? E qual é a relação entre a quantidade de transporte de poeira e os indicadores do clima?

Os dados coletados pelo satélite da Nasa, de 2007 até 2013,mostram que vento e o clima transportam, em média, 182 milhões de toneladas de pó a cada ano e o levam além da fronteira ocidental do Saara. Este volume é equivalente a 689.290 caminhões cheias de areia. A poeira, em seguida, viaja 2.574 km através do oceano Atlântico. Perto da costa leste da América do Sul, 132 milhões de toneladas permanecem no ar, e 27,7 milhões de toneladas — o suficiente para encher 104.908 caminhões — caem na superfície sobre a bacia amazônica. Cerca de 43 milhões de toneladas de poeira vão parar sobre o mar do Caribe.

Olhando os dados de cada ano, a quantidade de poeira se mostra variável. Houve uma mudança de 86% entre a maior quantidade de poeira transportada em 2007 e o menor em 2011, disse Yu.

Por que tanta variação? Os cientistas acreditam que isso tem a ver com as condições do Sahel, uma longa faixa de terra semi-árida na fronteira sul do Saara. Depois de comparar as alterações no transporte de poeira a uma variedade de fatores climáticos, Yu e seus colegas descobriram uma correlação com a precipitação em Sahel. Quando as chuvas aumentaram, o transporte de poeira do próximo ano foi menor.

Yu acredita que o aumento das chuvas significa mais vegetação e menos solo exposto à erosão eólica. Uma segunda explicação é que a quantidade de chuva está relacionada com a circulação dos ventos, que são o que finalmente varrem a poeira.

Além da poeira, a Amazônia é o lar de muitos outros tipos de aerossóis, como fumaça de incêndios, bactérias, fungos, pólen e esporos liberados pelas próprias plantas. No futuro, Yu e seus colegas planejam explorar os efeitos desses aerossóis em nuvens locais -- e como eles são influenciados pela poeira da África.

"Este é um mundo pequeno, e estamos todos ligados", disse Yu.

Com informações da Nasa.
Leia Mais ►

Inscrições abertas para o Encontro Estadual de Blogueiros do ES


Estão abertas as inscrições para o Encontro Estadual de Blogueiros e Ativistas Digitais do Espírito Santo, o ES Blogs 2015, que ocorre nos dias 6 e 7 de março, em Vitória. O prazo para garantir a participação gratuita foi até dia 25 de fevereiro, com direito à hospedagem no alojamento do evento. A partir do dia 26, o valor é de R$ 30,00 (sem direito à hospedagem).


Programação

06/03 - SEXTA-FEIRA

17:30 - Credenciamento
18:00 - Abertura
18:30 - Conferência: “Democratizar é preciso - Internet trincheira de lutas”, com Altamiro Borges
19:30 - Plenária: Debate de construção da ação (Aparecido Araújo, Fabio Malini, Orlando Lopes e Tereza Briggs)
22:00 - Noite Cultural

Auditório:
Sarau Cultural (a atualização será feita à medida em que forem confirmadas atrações. Em breve será divulgado o link para inscrição de interessad@s em se apresentar no Sarau Cultural.)

Estacionamento:
Apresentações de Cultura Popular
Música

07/03 - SÁBADO

08:00 - Café CULT
09:00 - Oficina Teatro do Oprimido, com Tereza Briggs
12:00 - Almoço
13:00 - Internet Banda Larga Cidadã - Liberdade e independência - Nós podemos ter a nossa propria Internet
14:00 - Grupos de Trabalho e Oficinas (adições serão feitas à medida em que novas atividades forem sendo confirmadas)
Do Pasquim ao Midia Livre: Oficinas de Linguagem Formas diversas de comunicação.
17:00 - Plenária final e eleição do representante dos Blogueiros no ES

Confira, abaixo, o comunicado publicado na página do ES Blogs 2015:

O ES abrirá os encontros de 2015. Dias 06 e 07 de março, na UFES, com uma programação que trará Altamiro Borges, Aparecido Araujo Lima, Tereza Briggs e Marcelo Saldanha entre outros blogueiros. Falaremos de Trincheira de lutas, democratização da mídia, banda larga e Teatro do Oprimido como ferramenta de empoderamento popular, tudo isto em meio a oficinas e eventos culturais.

Saiba mais e participe. Juntos somos fortes!

E temos novidades: O ES BLOG não acaba em março. Durante o Ano de 2015, um sábado por mês, segue em encontros com o PROJETO DE EXTENSÃO “Democratização da Mídia – Internet trincheira de lutas – mobilização e qualificação de produção de conteúdo engajado no ES”, desenvolvido em parceria com o Seminário Metodológico “Economia Criativa no ES”, realizado pelo prof. Orlando Lopes (DLL/CCHN/UFES) e com a Comissão Permanente de Cultura do CCHN. A participação nos encontros mensais abordará temas estratégicos para a ação comunicacional engajada em causas sociais e culturais e dará direito a certificações com registro na PROEX-UFES de até 60 horas no total.
Leia Mais ►

Sérgio Porto # 150


Leia mais clicando aqui.
Leia Mais ►

27 de fev de 2015

Serra tira a fantasia: o negócio é fatiar e vender a Petrobras


O vendedor da Vale — título que lhe foi concedido pelo próprio ex-presidente Fernando Henrique Cardoso — lista o que se tem de fazer com a maior empresa brasileira.

Vai falando meias-verdades, como a de dizer que a Petrobras está “produzindo fio têxtil”, vai circulando a presa, como um velho leão.

O “fio textil” é poliéster, derivado integral de petróleo, que é produzido em Suape, como parte da cadeia de valor gerada pela refinaria, junto com a resina PET, com a que se produz garrafas.

São plásticos, enfim, um dos frutos de maior valor da cadeia de refino de petróleo.

Depois, diz que a Petrobras “não tem que fabricar adubo”.

Parece que está falando de esterco, mas é, simplesmente, de um dos insumos mais importantes da imensa produção agropecuária brasileira: amônia, que é produzida a partir do gás extraído junto com o petróleo.

É o “N” da famosa fórmula NPK dos fertilizantes, que o Brasil, incrivelmente, importa às toneladas.

Depois, fala em vender as usinas termelétricas de eletricidade, que já foram das multis e que a Petrobras teve de assumir porque elas só queriam o negócio com os subsídios que lhes deu FHC na época do apagão de 2001, subsídios que, além disso, eram suportados por nossa petroleira.

A seguir, fala em vender a distribuição, os postos Petrobras.

Aqueles onde o dim-dim entra, sonante, chova ou faça sol.

E aí, finalmente, diz que a empresa deve se conservar na extração de petróleo, mas que este deve ser “aberto ao mercado”.

Como já é, deve-se ler isso como a entrega da parcela exclusiva, de 30%, das imensas jazidas do pré-sal.

Claro que, nos negócios da cadeia do refino de petróleo, a Petrobras pode comprar, vender, dividir, agir como age um empresa que busca concentrar recursos em suas prioridades.

Isso inclui, senador Serra, o tal “fio têxtil”.

É tão bom negócio que seus amigos da Chevron o produzem em larga escala através da Chevron-Phillips, em oito países.

Assim como a Chevron produz adubo e está cheia de passivos ambientais pela forma terrível que o faz, antes como Texaco e agora  usando  o “codinome” de Ortho.

E, claro, a Chevron não vai abrir mão de seus mais de 8 mil postos de abastecimento só nos Estados Unidos…

Quer dizer, as receitas de Serra para a Petrobras são exatamente o contrário do que fazem seus amigos da Chevron…

Senador, mas o que é bom para os Estados Unidos não é bom para o Brasil?

Fernando Brito
No Tijolaço
Leia Mais ►

Dilma inaugura no Rio Grande do Sul o maior parque eólico da América Latina


Parque atende ao consumo de cerca de 1,5 milhão de pessoas. Presidenta também entrega sistema de transmissão na cidade gaúcha

A presidenta Dilma Rousseff inaugura, nesta sexta-feira (27), o Parque Eólico Geribatu, que integra o maior complexo eólico da América Latina. O parque em Santa Vitória do Palmar atende ao consumo energético de aproximadamente 1,5 milhão de habitantes. Os empreendimentos entregues — parque eólico e sistemas de transmissão associados — estão previstos no PAC2 e somam R$ 2,1 bilhões em investimentos.

Além de Geribatu, outros dois parques — Chuí e Hermenegildo — estão em implantação nos municípios de Santa Vitória do Palmar e Chuí. Juntos, os parques formarão o Complexo Eólico Campos Neutrais, gerando aproximadamente 4,8 mil empregos diretos e indiretos.

O Parque Eólico Geribatu, que agrega 258 MW ao Sistema Interligado Nacional (SIN), reúne 129 aerogeradores (2 MW de potência cada), distribuídos em dez usinas, que ocupam uma área de 47,5 quilômetros quadrados.

Geribatu é o maior dos três parques que compõem o Complexo Eólico Campos Neutrais. Os outros são Chuí (144 MW) e Hermenegildo (181 MW), nos quais estão sendo investidos R$ 1,7 bilhão. São quase 170 turbinas eólicas já instaladas em Geribatu e Chuí: 129 e 39, respectivamente. O complexo tem capacidade para atender ao consumo de cerca de 3,3 milhões de habitantes.

Leia Mais ►