26 de dez de 2014

SP: com Haddad é tarifa zero. Já com Alckmin…

Prefeito de São Paulo anuncia passe livre para estudantes de escolas públicas. O governador só confirmou aumento de tarifa do metrô


O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, informou, nesta sexta-feira (26), que a partir de 2015 a capital contará com passe livre para estudantes de escolas públicas e universitários beneficiados pelo Prouni, Fies ou cotistas.

Segundo ele, em sua conta no twitter, a tarifa zero foi dirigida hoje à Câmara Municipal:



No entanto, a tarifa de ônibus vai sofrer reajuste de R$ 0,50 e passará a custar R$ 3,50 já em janeiro.

De acordo com dados da Prefeitura, o aumento deve atingir apenas 8% dos usuários, já que estudantes de escolas privadas do ciclo básico ou superiores que não sejam atendidos por programas sociais do governo federal têm 50% de desconto na tarifa, como manda a legislação. Idosos com mais de 60 anos estão isentos.

Metrô

Já o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), só confirmou nesta sexta que o valor das tarifas de trens e metrô aumentará no próximo ano.

Ele, porém, não divulgou quanto irá custar. Atualmente, o paulistano desenbolsa os mesmos R$ 3 dos ônibus.

“Ela [a tarifa] deve ser reajustada porque já não foi reajustada nesse ano (2014) e nem em 2013. Então, é natural que haja esse reajuste”, disse.

Movimento Passe Livre

Em 2013, o aumento no valor das passagens nos transportes coletivos em São Paulo provocou protestos, liderados pelo Movimento Passe Livre, que se espalharam pelo país. À época, o reajuste seria de R$ 0,30.

Na ocasião, Haddad chegou a classificar os manifestantes como “ingênuos e espertos”.

O ansioso blogueiro definiu o movimento como “Doença infantil do Transportismo”.

Alisson Matos
No Conversa Afiada
Leia Mais ►

Algunas de las mejores fotos que nos deja el año 2014

Aviones Black Eagles de la Fuerza Aérea de Corea del Sur realizan una demostración aérea durante la Exhibición Aérea de Singapur, el 13 de febrero de 2014 en Singapur. Yuli SeperiGetty Images
Aviones Black Eagles de la Fuerza Aérea de Corea del Sur realizan una demostración aérea durante la Exhibición Aérea de Singapur, el 13 de febrero de 2014 en Singapur. Foto: Getty Images.

Este 2014 concluye cargado de eventos, protestas, celebraciones y momentos espectaculares que sirvieron a los reporteros gráficos y fotógrafos del mundo para captar imponentes imágenes. A continuación, una pequeña muestra de las cien mejores fotos del año.

Durante la semana del 22 de octubre de 2014 dio mucho de qué hablar un lujoso campo de golf financiado con dos millones de euros de Fondos Europeos y ubicado en Melilla, a pocos metros de la frontera entre Marrueco
Durante la semana del 22 de octubre de 2014 dio mucho de qué hablar un lujoso campo de golf financiado con dos millones de euros de Fondos Europeos y ubicado en Melilla, a pocos metros de la frontera entre Marrueco y España, en cuyas vallas se vive día a día el desgarrador drama de la inmigración. ¿Un jardín aterciopelado con palmeras para ocultar la realidad? En la imagen se ve a una jugadora de golf pegándole a la pelota mientras un grupo de inmigrantes africanos se sienta encima de la cerca en un intento por cruzar al territorio español. Foto: Reuters.

El banderillero Vicente Cabanes pierde su calzado tras ser embestido por un toro de la ganadería Guardiola Fantoni, durante una corrida en la plaza de Las Ventas, en Madrid, España, el 10 de agosto de 2014. AP Phot
El banderillero Vicente Cabanes pierde su calzado tras ser embestido por un toro de la ganadería Guardiola Fantoni, durante una corrida en la plaza de Las Ventas, en Madrid, España, el 10 de agosto de 2014. Foto: AP.

En esta foto proporcionada por Woodbine Racetrack, un pura sangre es lavado cuando sale el sol después de un entrenamiento temprano en la mañana en el hipódromo de Woodbine en Toronto este martes 16 de septiembre d
En esta foto proporcionada por Woodbine Racetrack, un pura sangre es lavado cuando sale el sol después de un entrenamiento temprano en la mañana en el hipódromo de Woodbine en Toronto. Foto: AP.

En la imagen se aprecia el contraste de una vivienda básica con el edificio Burj Khalifa en el fondo mientras un camello pasa caminando el 17 de abril de 2014 en Dubai, Emiratos Árabes Unidos.(Photo by Warren Littl
En la imagen se aprecia el contraste de una vivienda básica con el edificio Burj Khalifa en el fondo mientras un camello pasa caminando el 17 de abril de 2014 en Dubai, Emiratos Árabes Unidos. Foto: Getty Images.

Espectadores observan el choque de las olas en el muelle de Porthcawl, durante una subida de la marea, el 5 de febrero de 2014, en Porthcawl, Reino Unido. Matthew HorwoodGetty Images
Espectadores observan el choque de las olas en el muelle de Porthcawl, durante una subida de la marea, el 5 de febrero de 2014, en Porthcawl, Reino Unido. Foto: Getty Images.

He Liang maneja su moto-maleta casera en una calle en la provincia china de Hunan este 28 de mayo de 2014. Liang ha pasado 10 años modificando esta valija para convertirla en un vehículo motor que puede alcanzar lo
He Liang maneja su moto-maleta casera en una calle en la provincia china de Hunan este 28 de mayo de 2014. Liang ha pasado 10 años modificando esta valija para convertirla en un vehículo motor que puede alcanzar los 20 km/h a su máxima velocidad y tiene capacidad para viajar unos 50 a 60 kilómetros con una carga de batería. Foto: Reuters/China Daily.

La bailarina escocesa de danza folklórica Mairie McGillivray de 16 años, baila en la playa en Bridgend mientras posa para una fotografía en la isla Hebridean de Islay este 11 de marzo de 2014. REUTERSPaul Hackett
La bailarina escocesa de danza folklórica Mairie McGillivray de 16 años, baila en la playa en Bridgend mientras posa para una fotografía en la isla Hebridean de Islay este 11 de marzo de 2014. Foto: Reuters.

Un hombre posa frente a un barco que fue arrastrado a tierra por el tifón Haiyan el 18 de abril de 2014 en Tacloban, Leyte, Filipinas. (Photo by Chris McGrathGetty Images)
Un hombre posa frente a un barco que fue arrastrado a tierra por el tifón Haiyan el 18 de abril de 2014 en Tacloban, Leyte, Filipinas. Foto: Getty Images.

Un manifestante vierte leche sobre sus ojos después de haber sido rociado con gas lacrimógeno por la policía de Seattle el lunes 24 de noviembre de 2014. Los manifestantes salieron a las calles de Ferguson, Missour
Un manifestante vierte leche sobre sus ojos después de haber sido rociado con gas lacrimógeno por la policía de Seattle el lunes 24 de noviembre de 2014. Los manifestantes salieron a las calles de Ferguson, Missouri, en respuesta a la decisión del jurado de no procesar al oficial Darren Wilson por la muerte de Michael Brown. Foto: AP.

Un niño abraza un gato, mientras descansa en un refugio en la zona donde ocurrió el terremoto en el condado de Ludian, en la provincia de Yunnan este 5 de agosto de 2014. Un terremoto ocurrido en China durante el f
Un niño abraza un gato, mientras descansa en un refugio en la zona donde ocurrió el terremoto en el condado de Ludian, en la provincia de Yunnan este 5 de agosto de 2014. Foto: Reuters.

Un niño palestino mira de cerca la quema de neumáticos durante los enfrentamientos con soldados israelíes a raíz de una protesta cerca del asentamiento judío de Qadomem este 19 de septiembre 2014 .REUTERSAbed Omar
Un niño palestino mira de cerca la quema de neumáticos durante los enfrentamientos con soldados israelíes a raíz de una protesta cerca del asentamiento judío de Qadomem este 19 de septiembre 2014. Foto: Reuters.

Un tanque de la Marina de Indonesia rebota tras disparar un misil durante la conmeoración del 69 aniversario de los cuerpos militares de la República, el 7 de octubre de 2014, en Surabaya, Indonesia. Robertus Pudya
Un tanque de la Marina de Indonesia rebota tras disparar un misil durante la conmeoración del 69 aniversario de los cuerpos militares de la República, el 7 de octubre de 2014, en Surabaya, Indonesia. Foto: Getty Images.

Una niña de la etnia minoritaria yazidi, oriunda de la población iraquí de Sinjar y que huye de la persecución de combatientes del Estado Islámico, es fotografiada en el cruce fronterizo entre Irak y Siria, en Fish
Una niña de la etnia minoritaria yazidi, oriunda de la población iraquí de Sinjar y que huye de la persecución de combatientes del Estado Islámico, es fotografiada en el cruce fronterizo entre Irak y Siria. Foto: Reuters.


Vista general del Lago Michigan congelado, visto desde la North Avenue Beach, en Chicago, Illinois, el 6 de enero de 2014, después que la ciudad alcanzara una temperatura record de -16 grados Farenheit. Scott Olson
Vista general del Lago Michigan congelado, visto desde la North Avenue Beach, en Chicago, Illinois, el 6 de enero de 2014, después que la ciudad alcanzara una temperatura record de -16 grados Farenheit. Foto: Getty Images.

No Cuba Debate
Leia Mais ►

Satélite leva internet à população e aprimora área da Defesa Nacional

O satélite pesa 5,8 toneladas, tem vida útil de 15 anos
e previsão de ser lançado à órbita da Terra em 2016
O governo federal liberou R$ 404,7 milhões para a construção do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), projeto que levará internet de banda larga a municípios com menos de 50 mil habitantes e vai aprimorar a comunicação dos órgãos de Defesa Nacional.

O projeto, cujo orçamento total é de R$ 1,8 bilhão, está em andamento na França e conta com técnicos brasileiros no seu desenvolvimento. Parte dos recursos que foram liberados na última quarta-feira (17) é do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2.

"Vamos ter um satélite próprio agora. Não precisaremos mais contratar serviços estrangeiros, o que vai gerar economia aos cofres públicos, e levaremos internet a municípios pequenos onde é inviável implantar fibra ótica", disse o diretor de Banda Larga do Ministério das Comunicações, Artur Coimbra.

A licitação para a construção do primeiro satélite brasileiro foi vencida por uma empresa francesa, a Thales Alenia Space. Mas ao contrário de outros satélites usados pelo Brasil, que são controlados por estações estrangeiras, o novo equipamento será 100% controlado por instituições brasileiras.

Além disso, o contrato assinado em setembro de 2014 prevê transferência de tecnologia ao Brasil, por meio da empresa Visiona Tecnologia Espacial, joint-venture da Telebrás e Embraer que atua como empresa integradora do projeto.

O satélite pesa 5,8 toneladas, tem vida útil de 15 anos e previsão de ser lançado à órbita da Terra em 2016. Participam do projeto os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação; das Comunicações; e da Defesa, além das empresas Embraer e Telebras, e a Agência Espacial Brasileira (AEB).



Inpe divulga imagens feitas por satélite sino-brasileiro CBERS-4

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) processou as primeiras imagens das câmeras do satélite CBERS-4, desenvolvido em parceria por Brasil e China. Apesar de estar em fase de testes, as imagens feitas pelo satélite da cidade de São Felix do Xingu (PA) são promissoras e devem garantir que o país aprimore as suas atividades de monitoramento em florestas, recursos hídricos e agricultura, entre outros. As imagens capturadas pelo satélite só devem ser usadas para estudos após os testes, que devem durar três meses.

Leia Mais ►

Perícia: no JN, Graça disse a verdade sobre denúncias


Análise da entrevista da presidente da Petrobras ao Jornal Nacional na última segunda-feira 22 conclui que ela fez um "esforço massivo" para responder às perguntas e "foi verdadeira na maior parte de suas respostas, ou seja, ela não tomou conhecimento de denúncias feitas por Venina" Velosa da Fonseca na estatal; Graça Foster também é verdadeira, segundo análise de voz, em relação ao episódio em que a ex-gerente teria pedido para voltar para Cingapura com um salário maior, ao contrário do que contou; análise da entrevista da ex-funcionária ao Fantástico aponta o contrário: que ela não foi verdadeira na maior parte das respostas.

Uma análise de voz realizada a partir do áudio da entrevista concedida pela presidente da Petrobras, Graça Foster, ao Jornal Nacional na última segunda-feira 22 aponta que a dirigente "foi verdadeira na maior parte de suas respostas", ou seja, não mentiu quando disse que não foi informada das irregularidades ocorridas na empresa apontadas pela ex-gerente Venina Velosa da Fonseca. O documento foi divulgado pelo Diário do Centro do Mundo (veja a íntegra aqui).

Um dia antes, em entrevista ao Fantástico, Venina disse que chegou a dizer, por mais de uma vez, à então gerente Graça Foster sobre irregularidades em processos de contratação na companhia, como contratos supervalorizados e não comprovação da prestação de serviços. A mesma análise também foi feita a partir da entrevista de Venina e concluiu que ela não foi verdadeira em diversos pontos de sua fala.

Os laudos foram produzidos pela empresa Truster Brasil e assinados pelo perito em veracidade Mauro J. Nadvorny. Eis sua conclusão sobre a fala de Graça Foster: "Com relação ao assunto das denúncias ela foi verdadeira na maior parte de suas respostas, ou seja, ela não tomou conhecimento de denúncias feitas por Venina, seja através de e-mail, seja pessoalmente informado a ela, ou ainda em alguma reunião da diretoria".

O especialista também constata, a partir das emoções transmitidas na voz da presidente da Petrobras, que ela disse a verdade quando relatou o episódio de Cingapura. Segundo ela, Venina foi para lá duas vezes, a primeira para fazer um curso, porque havia se desentendido com seu superior direto, Paulo Roberto Costa, e a segunda porque pediu, pois seria promovida e teria um salário maior.

De acordo com Venina, a transferência para Cingapura foi uma forma de a Petrobras mantê-la afastada dos negócios da empresa, depois de ter feito denúncias de irregularidades. O perito afirma ainda que Graça fez um "esforço mental massivo" para responder a todas as perguntas no JN, "talvez devido ao processo como um todo e a questão específica de estar sendo acusada de ter conhecimento das denúncias e nada ter feito para impedi-las".
Leia Mais ►

Parado no STF o processo sobre a escuta ilegal no Planalto


Está parado no STF (Supremo Tribunal Federal) processo que apura a escuta do Ministério Público do Distrito Federal no Palácio do Planalto.

Na época, houve um conluio entre o então presidente do STF Joaquim Barbosa, o juiz da Vara de Execuções e procuradores do Ministério Público do Distrito Federal, que acabou passando aos procuradores a sensação de falta de limites.

Em cima de uma denúncia anônima — seguramente falsa, provavelmente armada pelo grupo —, sobre os supostos telefonemas de José Dirceu, os procuradores conseguiram autorização para escuta em uma área que englobava o próprio Palácio do Planalto.

Constatada a irregularidade, foi encaminhada uma denúncia ao STF. Mas ela está parada desde junho passado.


Luís Nassif
No GGN
Leia Mais ►

‘Se eu tivesse um cérebro...’

Nestes dias entre feriados, os principais jornais de circulação nacional chegam esquálidos aos seus leitores, recheados apenas com a minguada cota de textos e imagens suficientes para completar os cadernos regulamentares. Há poucos anúncios, alguns dos principais colunistas aproveitam para tirar férias e as corriqueiras tempestades de verão, que costumam apanhar milhares de turistas nas estradas, preenchem o espaço das páginas de papel e o tempo dos meios eletrônicos.

No noticiário político, a falta de acontecimentos interessantes faz aumentar ainda mais a já elevada taxa de declarações, mas neste início de verão nem mesmo a troca de ministros é capaz de produzir animação. A imprensa apenas encaminha especulações ou registra nomes cogitados ou confirmados, sem avançar em análises sobre o perfil do futuro governo.

Por baixo dessa modorra geral pode-se observar que a capacidade de criar uma agenda coletiva, principal trunfo que transformou o jornalismo em atividade básica da modernidade, está murchando junto com a relevância dos meios tradicionais.

Observando os jornais deste período entre o Natal e o Ano Novo, pode-se ter uma ideia de como está mudando o papel da imprensa, e não apenas a imprensa de papel. Há sinais em profusão de que a mídia tradicional perde influência sobre a sociedade e que só mantém a capacidade de pressão sobre as instituições porque elas estão tomadas por indivíduos incapazes de reconhecer a nova circunstância que favorece uma relação mais dinâmica entre a sociedade e seus representantes.

Veja-se, por exemplo, o movimento iniciado pelo economista Roberto Giannetti da Fonseca, que foi durante dez anos, até 2013, diretor de Relações Internacionais da Fiesp, contra as manobras que permitem ao atual presidente da entidade, Paulo Skaf, manter-se indefinidamente no comando da federação das indústrias paulistas.

Em artigo publicado na edição de terça-feira (23/12) da Folha de S.Paulo, Giannetti criticava a passividade dos dirigentes de sindicatos da indústria, que aceitaram uma mudança nos estatutos, que permitirá a Skaf continuar usando a entidade para alimentar seu projeto político (ver aqui).

Boneco de ventríloquo

No entanto, o que ele chama de “golpe na Fiesp” ganhou apenas uma curta repercussão no outro jornal paulista de circulação nacional, O Estado de S.Paulo, e mais nada. Nenhuma reportagem adicional, nenhuma pesquisa entre empresários, nem um estudo sobre a passividade bovina da outrora pujante indústria que foi um dia a locomotiva da economia nacional. Principalmente, chama atenção o fato de que nenhuma voz se levantou entre os representantes do setor para referendar ou desafiar a acusação do economista.

Em outro campo do noticiário, onde se publicam e analisam os nomes que virão a compor o futuro ministério, a ênfase da imprensa se limita ao ajuste de interesses entre as chamadas tendências do Partido dos Trabalhadores e as agremiações que fazem parte da aliança que venceu a eleição de outubro.

Aqui e ali podem-se anotar reparos à conveniência de dar ao governador do Ceará, Cid Gomes, o Ministério da Educação, ou de deslocar o ministro de Esportes, Aldo Rebelo, para o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Exceto por algumas citações em blogs especializados, nada se lê na mídia tradicional sobre planos estratégicos ou definição de políticas públicas para esses dois setores fundamentais da estrutura do Estado.

Há oportunidade, por exemplo, para relacionar as dificuldades da indústria, cuja importância na economia nacional encolhe ano a ano, e o uso político da Fiesp, à nomeação de um parlamentar comunista para o ministério que mais afeta o setor. Ainda que seja discutível considerar que Aldo Rebelo não tem perfil para o cargo por causa de sua orientação ideológica, o que surpreende é que sua indicação não causa estranheza a uma imprensa habituada a fazer muito barulho por nada.

O futuro ministro certamente tem ideias para o novo papel que lhe será dado, mas em vez de instigá-lo a dizer que ideias tem, principalmente para estimular nossa anêmica capacidade de inovação, os jornais preferem fazer especulações fora de contexto, aqui e ali. É como se a imprensa tivesse encarnado o boneco de ventríloquo que estrela a propaganda do jornal O Estado de S.Paulo, e que vive repetindo: “Se eu tivesse um cérebro...”

Luciano Martins Costa
No OI
Leia Mais ►

Com vistas a 2018, Alckmin ressuscita o inacreditável Roberto Freire


As análises dos grupos de mídia sobre o ministério de Dilma obedecem ao seguinte manual:

1.     Se for um Ministério eminentemente técnico, critique pelo fato de Dilma enfraquecer a base de apoio. E não elogie pelo fato de ser um Ministério técnico.

2.     Se for um Ministério eminentemente político, critique o fato de Dilma não montar um Ministério técnico. E não reconheça que o Ministério fortaleceu a base de apoio.

3.     Se o Ministério contentar o grupo majoritário de um partido da base, dê a palavra ao grupo minoritário, preferencialmente em off, e coloque as reclamações debaixo de um genérico: “Ministério descontentou partido da base”. Não explique que descontentou apenas o lado minoritário, caso contrário enfraquece a crítica.

Não aplique os mesmos critérios na análise do Secretariado de Alckmin. Na Folha de hoje, diz-se que Alckmin está escolhendo um secretariado com vistas às eleições de 2018.

Os dois candidatos apresentados são Roberto Freire, a mais deplorável herança que o comunismo-fisiológico legou à política brasileira; e José Luiz Penna, segundo suplente do PV.

Há tempos a representatividade de Freire reduziu-se a ele e meia dúzia de apaniguados. Dos tempos do velho comunismo herdou apenas a virulência desqualificadora, a capacidade de regurgitar ódio, o uso de qualquer ferramenta para a luta política. E a serviço de quê? De Serra, de Campos, de Alckmin e de quem mais vier, sem um vestígio de princípios políticos legitimadores.

Luís Nassif
No GGN
Leia Mais ►

Que falta faz estudar, né deputada? Sobre a proposta do “auxílio-vítima”


Ela
A deputada Antônia Lúcia (PSC-AC) é autora de um projeto de emenda à Constituição (PEC 304/13) que visa a suprimir o direito ao auxilio-reclusão, previsto na Constituição de 1988.

O texto original do inciso IV,, do art. 201 é: “IV – salário-família e auxílio-reclusão para os dependentes dos segurados de baixa renda.”

Pela proposta da deputada, passaria a ser: “salário-família para os dependentes dos segurados de baixa renda.” Exclusão, pura e simples, do auxílio-reclusão.

Não contente com apenas excluir o auxílio-reclusão, a deputada ainda tenta criar um “auxílio-vítima”:

“VI – a garantia de um salário mínimo de benefício mensal à pessoa vítima de crime, pelo período que for afastada da atividade que garanta seu sustento e, em caso de morte da vítima, conversão do benefício em pensão ao cônjuge ou companheiro e dependentes da vítima, na forma da lei.”

É interessante ver o argumento da deputada para defender seu projeto:

“Ainda que a família do criminoso, na maior parte dos casos, não tenha influência para que ele cometa o crime, acaba se beneficiando da prática de atos criminosos que envolvam roubo, pois a renda é revertida também em favor da família. Ademais, o fato do criminoso saber que sua família não ficará ao total desamparo se ele for recolhido à prisão, pode facilitar sua decisão em cometer um crime.

Neste sentido, entendemos que é mais justo amparar a família da vítima do que a família do criminoso.”

A nobre deputada assume, como hipótese de verdade, que as famílias sempre são beneficiárias do produto do roubo.

Primeiro erro: nem todos os presos são presos por roubo. Há os homicidas, os estupradores e mais um monte de tipos penais dos quais as famílias não se beneficiam. E mais, como propor um objeto partindo de uma “verdade” que pode não ser verdade? Que lhe garante que TODAS as famílias se beneficiam do roubo? E quem rouba para comprar drogas para si? Que beneficio a família tem com isso?

Parece, também, que a deputada não entende nada de psicologia, de comportamento humano: se alguém fosse pensar na família, antes de cometer crimes, é bem provável que não os cometa.

Por fim, o argumento mais pífio que possa existir em termos de criação de uma lei (ainda mais para se tornar constitucional): é mais justo isso do que aquilo. É mais justo o auxílio-vítima do que o auxílio-reclusão.

Diferente da nobre deputada e de seus eleitores — e de todos quantos insistem em não entender os fundamentos do auxílio-reclusão — os constituintes tinham outro sentido do que seja justiça.

O primeiro sentido a ser lembrado está lá art. 5º, XLV, da CF88: “nenhuma pena passará da pessoa do condenado”. Isso significa dizer que o Estado não pode, ao mesmo tempo que pune um cidadão faltoso, punir, também, sua família, deixando-a sem condições de sobrevivência, embora até possa tê-las, como sói acontecer com os criminosos de colarinho branco. Não se trata, assim, de um argumento do tipo “mais justo isso do que aquilo”, no qual se baseia a deputada.

Um segundo sentido pode ser entendido se entendermos o princípio fundamental que informa a Previdência Social, expresso no art. 201 e seus incisos:

“I – cobertura dos eventos de doença, invalidez, morte e idade avançada; II – proteção à maternidade, especialmente à gestante; III – proteção ao trabalhador em situação de desemprego involuntário; IV – salário-família e auxílio-reclusão para os dependentes dos segurados de baixa renda; V – pensão por morte do segurado, homem ou mulher, ao cônjuge ou companheiro e dependentes…”

Não são necessários muitos neurônios (que parecem faltar à deputada e a tantos quantos… ) para extrair daí o fundamento de toda a previdência: a proteção do cidadão — e de seus dependentes — em situação de risco.

Aliás, deputada, esse é o princípio fundamental de qualquer sociedade: a proteção dos seus cidadãos. Talvez a nobre deputada não tenha entendido, mas cometer crimes não exclui a cidadania. Um criminoso paga pelos seus crimes, ao menos no Brasil, com a perda da liberdade, mas não da DIGNIDADE ou da cidadania. Tanto é assim, que a mesma constituição diz claramente que compete ao Estado a garantia da vida e da dignidade dos presos. Sugiro-lhe a atenta leitura dos incisos XLIX e L, também do artigo 5º.

Muito ainda poderia escrever, deputada, para lhe explicar os sentidos da existência de uma sociedade, ou mesmo de uma Nação, mas antes devo fazer uma sugestão: estude mais antes de fazer propostas como essa.

Por fim, quanto à criação de um auxílio-vítima, e nas condições propostas, é tão justa quanto o auxílio-reclusão, pois parte do mesmo princípio, ou seja, a sociedade socorre seus membros em situação de risco.

Mas veja: o argumento não é “isso é mais justo que aquilo” e, sim, isso é justo na mesma medida que aquilo.

Isso é o sentido da palavra justiça. Entendeu ou quer que continue desenhando?

Estude e recomende aos seus que também estudem.

Luiz Afonso Alencastre Escosteguy
Leia Mais ►

Ambientes inóspitos nutrem crenças em deuses julgadores e poderosos


Uma análise de 583 culturas mostrou que ambientes com condições desafiadoras, tais como enchentes e fome, levam as culturas a adotarem crenças em deuses superiores moralizantes. A pesquisa poderá ajudar a explicar o surgimento de certas religiões, incluindo o judaísmo, cristianismo e islamismo.

Antes deste estudo os antropólogos eram inclinados a explicar o começo da religião como fruto de fatores ambientais ou culturais, mas não ambos. O novo estudo corrige isso ao descrever como práticas complexas e características emergiram de uma mistura dinâmica de variáveis ecológicas, históricas e culturais.

Crenças Adaptativas

Em um nível intuitivo essa pesquisa faz sentido. Na ausência de explicações científicas, nossos ancestrais eram forçados a concluir, razoavelmente, que dificuldades como pragas, enchentes e fome eram causadas por forças sobrenaturais além de sua compreensão e controle, e que o comportamento humano era responsável por instigá-las, e que “correções” nesses comportamentos poderiam ajudar a prevenir problemas futuros. E mais, as adaptações socioculturais necessárias para sobreviver a essas dificuldades inevitavelmente levaram a alterações drásticas na organização, cooperação e valores humanos.

“Quando a vida é dura ou incerta as pessoas acreditam em grandes deuses.” Disse o professor da Universidade de Auckland e diretor fundador do Max Planck Institute for History and Science em Jena, Alemanha, Russel Gray.

“Comportamentos pró-sociais podem ajudar as pessoas a se saírem bem em condições difíceis e ambientes imprevisíveis”, diz o professor.

De fato, assim como certas adaptações físicas conferem adaptações para populações específicas de animais, é concebível que a crença em deuses julgadores e poderosos também pode ser vantajosa para culturas humanas em ambientes inóspitos. O processo pode ser entendido como um mecanismo memético, e uma maneira de melhor entender e reconciliar o mundo.

E mais, a crença em deuses poderosos e moralizantes tende a promover a cooperação entre humanos; a crença em um deus todo poderoso e onipotente, cujos seguidores devem viver de acordo com certas regras morais, une comunidades que vivem em ambientes inóspitos e quando a comida é escassa.

“Mesmo que certos aspectos da religião pareçam má adaptações a prevalência quase universal das religiões sugere que deve haver algum valor adaptativo nelas e que observando como essas coisas variam ecologicamente, podemos melhorar nosso entendimento,” comentou Gray.

Uma conexão ecológica

Para o estudo, um grupo de pesquisadores que incluiu especialistas em biologia, ecologia, linguística, antropologia e religiões foi reunido. Dados etnogeográficos de sociedades que cultuam deuses moralizantes foram plotados em um mapa. Os pesquisadores descobriram que a distribuição era semelhante ao mapa de reprodução cooperativa em aves, um paralelo que sugere que fatores ecológicos desempenham um papel nas distribuições.

I2

Distribuição das sociedades que acreditam em deuses moralizantes (azul) e aquelas que não (vermelho). O sombreamento em cinza claro indica um menor potencial de crescimento de plantas, com as áreas mais escuras significando alto potencial de crecimento (Carlos Botero)

Depois eles usaram dados históricos, sociais e ecológicos de 583 sociedades para mostrar a relação multifacetada entre a crença em deuses moralizantes e variáveis externas. Diferentemente de trabalhos anteriores, que consideraram estimativas aproximadas das condições ecológicas, o novo estudo utilizou dados globais de alta resolução para variáveis como crescimento vegetal, precipitação e temperatura. Os pesquisadores também buscaram pelo Ethnographic Atlas (uma base de dados eletrônica de mais de mil sociedades do século XX) por coordenadas geográficas e dados sociológicos, incluindo a presença de crenças religiosas, agricultura e pecuária.

As religiões estudadas incluem o cristianismo, islamismo e religiões mais raras como Zahv, o sistema de crenças do povo Akha do sudeste da Ásia. Curiosamente, alguns pesquisadores suspeitam que mudanças dramáticas no clima ao redor do ano 535 DC podem ter sido responsáveis pela expansão do Islã pelo mundo na época.

De modo geral essa abordagem foi bem sucedida em prever a distribuição global de crenças em deuses julgadores e poderosos, com acurácia de 91%.

“O cenário emergente não é nem o de pura transmissão cultural nem determinismo ecológico, mas uma mistura complexa de elementos sociais, culturais e ambientais”, concluem os autores do estudo, que agora aparece no PNAS. “Nossos métodos e descobertas fornecem um modelo de como o aumento da riqueza de dados ecológicos, linguísticos e históricos podem ser utilizados para entendermos as forças que moldaram o comportamento de nossa própria espécie.”

Dito isso os autores advertem contra a simplificação exagerada da disseminação das religiões, acrescentando que esperam investigar como o comércio, conquistas e a disseminação dos idiomas também desempenharam papel no processo.

Autor: George Dvorsky
Fonte: io9
Tradução: Adelino De Santi Júnior & Lucas Tesser
No Bule Voador
Leia Mais ►

A exposição de Dilma


Apelo ao Ministério Público revela fraqueza dos serviços de informação do governo

Quando Dilma Rousseff anunciou que iria consultar o Ministério Público antes de nomear ministros que podem estar implicados nas investigações sobre a Petrobras, minha primeira reação foi achar muito razoável.

Afinal, é justo que um governante faça o possível para evitar a nomeação de um ministro envolvido em práticas condenáveis.

Mudei de ideia diante da consideração de que o Ministério Público é uma instituição que tem como uma de suas maiores prerrogativas investigar o próprio Executivo. No caso de ministros e presidentes, apenas o MP tem o direito de apresentar uma denúncia frente ao STF. Não lhe cabe, portanto, funcionar como peça auxiliar dos governantes, pois isso pode envolver um conflito de interesses.

Essa pequena lição de liturgia não merece irritantes pancadas além da conta, porém. Para começar a Constituição não garante apenas a separação entre os poderes. Também diz que eles devem ser harmônicos. Em termos políticos, essa expressão significa que devem colaborar entre si.

É o básico: se a presidência pode dançar bossa nova enquanto o MP pode preferir rock pesado, não custa lembrar que ambos são personagens de um mesmo regime democrático. Sobrevivem sob o mesmo teto.

A favor de Dilma, pode-se dizer que ela fez o pedido — mesmo inadequado — a partir de uma preocupação legítima. Agiu com transparência, numa entrevista coletiva.

Não sugeriu troca de favores nem engavetamentos que, no passado, jamais provocaram as mesmas reações indignadas, certo? Pediu ajuda para cumprir a lei.

Salvo em situações de crise política profunda, quando costumam ocorrer conflitos abertos entre poderes de Estado, não existem nem podem existir segredos para um presidente da República.

Isso porque a presidente vem a ser a única autoridade que os brasileiros escolheram — pelo voto direto e secreto — para garantir seus direitos e proteger a Constituição de seus inimigos, internos e externos.

Entre outras coisas, a presidente tem o título de comandante-em-chefe das Forças Armadas, o que está longe de ser uma prerrogativa simbólica, vamos combinar. Os tanques lhe devem obediência.

É claro que nenhum presidente poderá cumprir essa prerrogativa de forma adequada se determinados subalternos forem autorizados a fazer segredos de fatos e pessoas que podem prejudicar a República e até colocar o governo em risco, certo?

Até por essa razão a presidente indica o chefe da Procuradoria Geral da República, a partir de uma lista tríplice definida pelo Ministério Público. O mesmo acontece com o diretor-geral da Polícia Federal, que é escolhido pela presidência – sem a lista tríplice.

O pressuposto, aí, não é cumplicidade. Mas lealdade.

O fato de um escolher e do outro ser o escolhido indica uma certa hierarquia, já que a única forma de procuradores e delegados influírem — legalmente — na escolha de um presidente é entrar na fila de 140 milhões de eleitores.

Chega a ser uma banalidade, nos Estados Unidos, assistir à humilhação de candidatos a uma vaga no ministério que acabam desconvidados depois que a Casa Branca é informada de que têm um dossiê complicado. Uma possível secretária do Trabalho no governo de George W Bush perdeu o emprego quando se soube que havia contratado uma empregada doméstica sem respeitar os direitos devidos. Um senador que era candidato a secretário da Saúde de Barack Obama foi derrubado no meio do caminho quando se soube que costumava aceitar favores de empresas privadas de saúde.

Um candidato a presidente da Suprema Corte, indicado por Lyndon Johnson na década de 1960, teve de retirar a candidatura quando se divulgou que recebia honorários milionários para dar consultas a empresas com interesses nas decisões da mais alta instância do Judiciário norte-americano.

Na maioria absoluta desses casos, as informações são atribuídas a um genérico conhecido como “serviço secreto,” palavra que é um guarda-chuva destinado a encobrir a CIA, o FBI, a NSA e outras agências ocupadas em investigações de caráter reservado. É impensável, nos EUA, que elas escondam — do próprio presidente — informações comprometedoras para o bom funcionamento do governo.

Numa visão benigna, esse comportamento seria visto como janela para chantagens, traço que marcou o longo reinado de John Edgar Hoover na chefia do FBI.

Numa versão maligna, não passa de uma forma de sabotagem contra o Estado.

Sem retirar um único louro de toda a glória que o caso Watergate representa para o jornalismo do século XX, é possível trazer aquele episódio que produziu a renúncia de Richard Nixon para sua dimensão política real. Por trás das manchetes, dos furos, dos casos envolvendo o presidente e seus assessores, ocorria um acerto de contas secreto de um dos principais diretores do FBI com o presidente dos Estados Unidos, em função de uma questão nada gloriosa — divergência na partilha de cargos mais altos, a começar pela direção-geral da organização. Esquecendo por um minuto todos os sentimentos que uma personalidade como Richard Nixon despertou em tantos de seus contemporâneos, inclusive na América do Sul, e reconhecendo que sua queda trouxe benefícios reais a humanidade, cabe registrar o ponto de partida do Watergate em termos técnicos: sem disposição para fazer uma investigação convencional sobre uma ação de espionagem de funcionários da Casa Branca contra uma convenção do Partido Democrata, preferiu-se criar um escândalo político com auxílio de dois repórteres do Washington Post e alvejar o presidente dos Estados Unidos.

O Brasil de 2014 encontra-se a milhares de anos-luz dos EUA de Richard Nixon. Não há comparação possível.

A presidente foi reeleita, tem bons índices de aprovação popular e a oposição desmoraliza-se a cada tentativa de virar a eleição no tapetão. Não há um movimento popular contra Dilma e seu governo.

Mas o apelo de Dilma ao Ministério Público mostra que o governo não tem sido capaz de mobilizar seus serviços de informação — como o Gabinete de Segurança Institucional, a Abin, e a própria Polícia Federal — para auxiliar o Planalto a tomar decisões e fazer escolhas.

Este é um problema sério, que cabe à presidente resolver.

Leia Mais ►

Venina cria conta no Twitter e é chamada de ‘petralha’



Venina Veloso criou uma conta no Twitter, atualizada por sua equipe. No tuíte mais compartilhado, ela disse que não se calará. Embora exista a possibilidade de ser uma conta falsa, o conteúdo sugere que é Venina mesma.


@VeninaVelosa: Por fim, desabafo! Desabafo reafirmando que não calarei-me e que não me calarei, enquanto souber e puder falar tudo aquilo que sei.


Um internauta comentou: @KaliqEmir: @VeninaVelosa @pacefeco Uma petralha valente? Não acredito. Pq não denunciou antes? Com medo de perder o emprego? Conta outros querida.





Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

Seleção das capas do jornal de Aécio na campanha

Primeiras páginas circulam pela internet.


Circulam na internet fotos da primeira página da campanha eleitoral do jornal mineiro Gazeta de São João Del Rei, da família de Aécio.

Amostras:





No CAf
Leia Mais ►

Venina foi braço direito de Costa em Abreu e Lima


Ex-gerente da Petrobras foi uma das três integrantes do Conselho de Administração criado pela companhia em 2008 para administrar a refinaria de Pernambuco, alvo central da Operação Lava Jato; nessa função, ela atuou como braço direito de Paulo Roberto Costa, que presidia o conselho, além de Carlos Cosenza, atual diretor de Abastecimento; no período em que Venina esteve no conselho, a refinaria assumiu os contratos bilionários da obra que eram de responsabilidade da Petrobras, abriu concorrência com empresas investigadas na Lava Jato e assumiu contratos de R$ 4,2 milhões com a estatal Compesa; segundo Costa, o governador à época, Eduardo Campos, era um dos beneficiários do esquema de propina

Nova personagem das últimas denúncias contra a Petrobras, a ex-gerente Venina Velosa da Fonseca fez parte de um conselho de administração criado pela companhia em 2008 para administrar a Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Segundo reportagem dos jornalistas Ricardo Brandt e Fausto Macedo, do jornal O Estado de S. Paulo, ela integrou o grupo entre 7 de março de 2008 e 21 de junho de 2009.

Enquanto esteve na função, Venina atuou como braço direito de Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da estatal, que presidia o conselho. O terceiro integrante do grupo era Carlos Cosenza, atual diretor de Abastecimento. Os três passaram a ser responsáveis por contratos bilionários da obra da refinaria, alvo central da Operação Lava Jato, que eram de responsabilidade da Petrobras.

O jornal fez um levantamento com base em 70 atas — de um total de 123 — e concluiu que o conselho também abriu concorrências incluindo empresas investigadas na Lava Jato e assumiu um contrato de R$ 4,2 milhões com a Companhia Pernambucana de Saneamento de Pernambuco (Compesa), uma estatal de Pernambuco, que à época era governado por Eduardo Campos (PSB), morto em agosto em um acidente de avião.

Segundo afirmou Paulo Roberto Costa em delação premiada, Campos era um dos beneficiários do esquema de propina em contratos armado na Petrobras. O esquema, segundo ele, cobrava de 1% a 3% em propina para cada contrato. O custo inicial da obra era estimado em R$ 2 bilhões. Hoje, já ultrapassou R$ 20 bilhões e ainda não foi concluída. Sob o comando de Costa, o conselho aprovou R$ 201 milhões em aditivos contratuais para empresas investigadas e autorizou adiantamento de pagamentos milionários.

Em 11 de fevereiro de 2009, foi aprovada a transferência de 18 contratos da obra, que eram de responsabilidade da Gerência de Engenharia, para o conselho onde atuava Venina e Costa. Os contratos somavam valores como R$ 1 bilhão, 8,7 milhões de euros e US$ 4 milhões, todos com consórcios formados por empresas investigadas pela Polícia Federal, como Odebrecht, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa e Galvão Engenharia.

No 247
Leia Mais ►

Eu não vou à posse da Presidenta Dilma

O novo ministério de Dilma e o papel da esquerda e do PT

O ministério até agora divulgado pela presidenta Dilma Rousseff provocou reações variadas entre os que apoiaram sua reeleição.

Há desde elogios rasgados, passando por críticas ponderadas, até ataques duros contra certas escolhas e/ou contra o conjunto da obra.

Entre estes últimos, há variadas doses de surpresa e decepção com o espaço ministerial ocupado por quadros conservadores, seja da direita oposicionista (como Levy), seja da ala direita da coligação que elegeu Dilma (como Kassab e Kátia Abreu).

Desconheço o tamanho de cada grupo (elogios, críticas, ataques), mas uma coisa é certa: se entre o eleitorado medido pelas pesquisas de opinião cresceu a confiança na presidenta, entre a militância que fez sua campanha cresceu a desconfiança.

Sem o contraponto da quase inexistente mídia petista, a desconfiança é adubada pelo oligopólio da comunicação, que torce por uma presença minguada na posse da presidenta.

Seja como for, o ministério até agora divulgado não constitui propriamente uma surpresa, ao menos para quem leva em conta a correlação de forças, a estratégia majoritária na esquerda brasileira e o estilo da presidenta.

Vencemos as eleições presidenciais de 2014. Mas, comparado a eleições anteriores, recuamos. O mesmo ocorreu nas eleições para governos estaduais e para o Congresso nacional.

A correlação de forças institucional é pior, hoje, do que em 2003. E desde então nossa capacidade de organização, de mobilização e de comunicação não cresceu mais do que cresceram as de nossos inimigos.

Apesar disto, seria totalmente possível compor um ministério mais parecido com a campanha do segundo turno e menos parecido com a “base” do governo no Congresso nacional.

Entretanto, se não estamos falando apenas de nomear ministros provenientes da ala esquerda da coligação que elegeu Dilma, se estamos falando também e principalmente de aplicar políticas governamentais mais à esquerda, isto significaria um segundo mandato Dilma que sofreria uma resistência ainda maior por parte do oligopólio da mídia, do grande capital e da oposição de direita.

Desde 2003, a resistência da oposição vem num crescendo. Nossos governos realizam políticas públicas, mas enfrentam uma oposição de direita cada vez mais radical e cada vez mais massiva, que atua como se estivéssemos fazendo reformas estruturais ou ameaçando com uma revolução.

Portanto, caso o segundo mandato Dilma realmente venha a trilhar o caminho das reformas estruturais, enfrentará uma resistência muito maior do que a que já enfrenta hoje.

Para enfrentar e derrotar esta resistência, dependeremos de uma mobilização também muito superior àquela que conseguimos, por exemplo, no segundo turno das eleições presidenciais de 2014.

Esta mobilização superior também é possível de alcançar, sempre e quando os partidos e movimentos sociais que integram o campo democrático e popular sejam capazes não apenas de aprovar resoluções mais radicais, mas também sejam capazes — ao longo dos próximos quatro anos — de fazer de maneira organizada aquilo que fizemos de maneira em grande medida espontânea nos meses de setembro e outubro de 2014.

Entretanto, isto significa que tais partidos e movimentos, especialmente o Partido dos Trabalhadores, têm que mudar a estratégia adotada desde 1995, estratégia que num certo sentido foi “radicalizada” pela Carta aos brasileiros em 2002 e ainda mais “radicalizada” pela dupla Palocci-Meirelles em 2003-2004.

Antes de 1995, nossa estratégia apontava que para transformar o Brasil, seria necessário combinar ação institucional, mobilização social e organização partidária, operando uma verdadeira “revolução cultural” no modo de fazer politica das classes trabalhadoras. Mas a partir de 1995 ocorreu uma hipertrofia da ação institucional, em detrimento dos outros componentes da estratégia.

Antes de 1995, nossa estratégia supunha articular a luta por reformas estruturais democráticas e populares com a luta pelo socialismo. A partir de 1995, o objetivo socialista e as reformas estruturais foram cedendo lugar às políticas públicas. Necessárias e importantes, mas que como estamos confirmando hoje são insuficientes não apenas para transformar o Brasil, mas também insuficientes para desmontar as bases de poder de nossos inimigos.

Antes de 1995, nossa estratégia apontava o conjunto do grande capital como inimigo estratégico. A partir de 1995, parcelas do grande capital e de seus representantes políticos passaram a ser tratados como aliados. A Carta aos brasileiros e o período Palocci-Meirelles foram além, com suas concessões ao grande capital financeiro e transnacional.

Os defensores da estratégia de 1995 argumentam que ela foi fundamental para vencer as eleições presidenciais de 2002. Podemos concordar ou não com esta afirmação. A esquerda petista discorda. Mas, hoje, doze anos depois, não é preciso ser da esquerda petista para perceber que a estratégia de 1995 é, ao menos em parte, responsável por não termos conseguido fazer nenhuma reforma estrutural.

Além disso, a estratégia de 1995 tem “efeitos colaterais” que estão ameaçando nossas vitórias institucionais, nosso acúmulo social, nossa atuação partidária e até mesmo nossa capacidade de fazer políticas públicas. Aliás, a estratégia de 1995 nos levou, desde então e até agora, a geralmente preferir fazer um acordo ruim a comprar uma boa briga.

Assim como outro ministério é possível, assim como outra correlação de forças é possível, outra estratégia é possível e urgente.

Mudar a estratégia não é apenas nem principalmente aprovar outra resolução ou eleger outra direção. Mudar a estratégia é corrigir o comportamento geral do Partido em todas as dimensões da luta de classes e no seu funcionamento interno. Portanto, um processo trabalhoso e demorado. Cujos alicerces precisam ser lançados nos debates do 5º Congresso do Partido dos Trabalhadores.

Portanto, das três variáveis que explicam (mas não justificam) o ministério até agora nomeado, podemos e devemos mudar duas: a correlação de forças e a estratégia majoritária na esquerda brasileira. Mas isto exigirá um grande esforço, envolverá uma boa dose de risco e demandará certo tempo.

Talvez por isto muita gente esperasse que a presidenta Dilma liderasse este processo, seja para facilitá-lo, seja para apressá-lo.

Obviamente, quem esperava isto, sofreu uma decepção em dose tripla com o ministério até agora anunciado. Pois ele deixa claro que, na melhor das hipóteses, a presidenta não se dispõe a comandar o processo de “retificação” da estratégia e de alteração na correlação de forças.

Aliás, a própria presidenta já deixou claro não ser presidenta do PT, nem da esquerda brasileira, mas sim presidenta do Brasil. Com isto ela deixou claro como enxerga seu papel e que não compartilha a lógica (que a direita denomina caricaturalmente como “bolivariana”) segundo a qual caberia ao chefe do governo nacional protagonizar o processo de mudanças estratégicas no país.

Gostemos ou não disto, não há porque esperar que ela faça o que não se propõe a fazer, o que não foi eleita para fazer e o que ela provavelmente não saberia fazer.

Isto posto, quem deseja um segundo mandato Dilma superior ao primeiro não deve esperar que a iniciativa parta do governo ou da presidenta.

Para criarmos as condições para um segundo mandato superior ao primeiro, devemos nos concentrar em mudar a estratégia da esquerda e em mudar a correlação de forças na sociedade, ao mesmo tempo em que seremos forçados a disputar os rumos do governo Dilma.

Disputar os rumos do governo Dilma inclui dizer clara e publicamente à presidenta que seu ministério está aquém do necessário e do possível. Mas inclui, principalmente, organizar nossa base social para derrotar não apenas a direita oposicionista, mas também a direita governista. Até porque não há concessão que faça o lado de lá aceitar nossa presença na presidência da República.

Em resumo, estão corretos aqueles que criticam o peso que a direita possui no ministério anunciado até agora pela presidenta Dilma Rousseff. Mas é preciso converter esta crítica em capacidade de organização, mobilização e comunicação da esquerda política e social. E, no caso dos que somos petistas, é preciso fazer com que esta crítica se converta em uma nova estratégia e em um novo comportamento partidários.

Por tudo isto, como não poderei comparecer pessoalmente à esta posse da presidenta Dilma Rousseff, além de contribuir para a presença de nossa militância, farei como a esmagadora maioria dos eleitores e militantes da campanha à reeleição: erguerei um brinde ao êxito de novo governo e outro brinde à continuidade da nossa luta por um segundo mandato superior, no rumo das reformas estruturais e do socialismo.

Até porque não basta ganhar, tem que levar.

Valter Pomar
Leia Mais ►

Sérgio Porto # 86


Leia mais clicando aqui.
Leia Mais ►

Essa é do Barão... 144


Leia mais clicando aqui.
Leia Mais ►