15 de out de 2014

O Datafolha parece mostrar que o “momento” de Aécio passou

No debate, foi confrontado com o aeroporto
Quando saíram os resultados do primeiro turno, escrevi que os tucanos tinham motivos para ir às ruas festejar enquanto os petistas deveriam entender melhor o que aconteceu.

Agora, com o Datafolha que acaba de sair, a situação é mais ou menos inversa, a nove dias da eleição.

O empate técnico entre Dilma e Aécio — 51% a 49% para ele — é brutalmente frustrante para a oposição.

Este sentimento fica exposto num tuíte postado por um antipetista entusiasmado, Ricardo Noblat.

“Desfavorável para Aécio a pesquisa Datafolha. Ele não saiu do lugar depois de uma semana de notícias só positivas para ele e negativas para Dilma”, disse Noblat.

Sim, na semana passada o Datafolha trouxera exatamente aqueles números. Só que, de lá para cá, houve fatos como a adesão de Marina e Renata Campos a Aécio, para não falar do bombardeio da mídia no caso Petrobras.

(Isso chama a atenção: Marina, aparentemente, teve impacto ZERO com seu apoio. Provavelmente, seus eleitores mais à esquerda optaram por não segui-la.)

Uma leitura mais minuciosa da pesquisa piora ainda mais o quadro para Aécio.

A aprovação de Dilma, que batera em 32% em julho passado, chegou agora a 40%. No mesmo período, a rejeição baixou de 29% para 21%.

Aécio parece no caminho contrário. Sua rejeição, por exemplo, subiu de 34% para 38%.

A pesquisa não capta o debate de ontem, no qual, fora do antipetismo convicto, pouca gente atribuiu vitória a Aécio, acossado pela exposição de escândalos de corrupção que vão da compra de votos para a reeleição de FHC ao aeroporto de Cláudio.

A decepção com os resultados da pesquisa fora captada pela manhã pela Bolsa de Valores, que caiu 3,24%.

Virou já um dos fatos pitorescos das eleições de 2014: você sabe de dia, pela Bolsa, se as pesquisas que serão divulgadas à noite trarão boas ou más notícias para Dilma.

Nove dias são uma eternidade, numa campanha tão acirrada como esta. Como dizem os locutores de futebol, tudo pode acontecer.

Mas que os ventos, neste momento, sopram vigorosamente a favor de Dilma, isto é indiscutível.

O momento de Aécio, como aconteceu com Marina algumas semanas atrás, dá sinais de estar perto do fim — se é que já não acabou.

Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

Anatomia de um Debate


Assim que o debate entre Dilma e Aécio chegou ao fim, li algumas pessoas criticando a dicção da presidente. Mesmo, amigos? Chegamos a isso? Não sabia que Dilma estava concorrendo ao posto de Mestre Intergaláctica de Oratória. Achei, sinceramente, que o mais importante fosse o CONTEÚDO do que estava sendo dito, não a forma — e, neste aspecto, Dilma moeu Aécio Neves.

Não que isto seja difícil: depois de uma carreira inteira em uma Minas Gerais com uma imprensa amordaçada, Aécio perdeu a capacidade de lidar com o contraditório — e, talvez por isso, em vários momentos ergueu a voz e o dedo para a presidente (assim como havia feito com Luciana Genro) e se mostrou descontrolado. Para debater, é preciso conteúdo e honestidade. E ajuda, também, se o candidato tiver ideias para apresentar e, principalmente, se puder falar com orgulho do que já fez. E Aécio não tem e não pode, como ficou muito claro neste confronto.

Não é à toa que, ao final do debate, Dilma sugeriu que os telespectadores fossem ao Google pesquisar e confirmar as informações que ofereceu, enquanto Aécio sugeriu que as pessoas fossem consultar... o site do PSDB.

Aliás, devo citar aqui o bom apontamento do cineasta Kléber Mendonça Filho (do magistral O Som ao Redor): "Nunca vi isso nos 20 anos que acompanho a política no Brasil. Um candidato de oposição que não quer propor mudança no sistema, mas dar seguimento a projetos revolucionários que o governo que ele quer desbancar conseguiu implantar."

Esta foi a dinâmica de Aécio: depois de criticar por anos, ao lado do PSDB, o Bolsa-Família, chamando-a de Bolsa-Esmola, ele subitamente se mostrou determinado a dizer que esta foi invenção de seu partido. Agora imaginem: seus eleitores insistem em gritar contra o programa, seu partido o atacou por anos (até mesmo em editorial no site tucano)(1) e, subitamente, Aécio quer assumir sua paternidade. Anos e anos e anos com o PT explicando que a Bolsa Família era um grande avanço, os caras dizendo que era "esmola", que era "assistencialismo barato", e agora tentam se apropriar da autoria da ideia.

Mas me adianto.

O que vimos neste debate foi um espetáculo mentiras por parte de Aécio. E como na Internet mentira tem perna curta, creio ser fundamental, para os eleitores indecisos, constatarem como o presidenciável não se intimida em faltar com a verdade de maneira incrivelmente cínica. Analisemos sua participação no debate em ordem cronológica:

1) Já de início, antes mesmo de o debate começar, Aécio disse na porta da Band que fazia "uma campanha só de verdades". Curioso, porque uma das coisas que vem dizendo é que vai transformar o Bolsa-Família em lei. Ora, ele não sabe que ela já é lei desde 2004, quando a Medida Provisória 132/2003 se transformou, em janeiro de 2004, na Lei 10836/04? (2)

2) Em seguida, Aécio afirmou que o Brasil "perdeu credibilidade no exterior". Provavelmente não leu, entre outras coisas, a análise que a FORBES fez sobre Dilma e o país há poucos meses.(3)

3) Logo depois, o presidenciável afirmou, sem hesitar, que as contas da Saúde de seu governo foram aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado. Não. (4) Para piorar, quando Dilma afirmou que o parecer do TCE poderia ser verificado online, o site, que fica sob os cuidados do atual governo tucano de MG (que, felizmente, será substituído em janeiro), simplesmente SAIU DO AR E NÃO RETORNOU ATÉ O MOMENTO EM QUE PUBLICO ESTE POST, 8 horas depois. Mas há outras fontes.(5)(6)

4) Aécio diz que MG foi o Estado que mais investiu em Saúde durante seu governo. Opa: dos 26 estados (mais o DF) da União, MG ficou em 24º lugar. Sim, 24º entre 27.(7)

5) Dilma apontou que Aécio ameaçava acabar com os bancos públicos e este negou veementemente. Ora, deveria ter consultado Armínio Fraga, que ele já anunciou que será seu Ministro da Fazenda e que declarou, quanto ao BNDES, Caixa Econômica e Banco do Brasil, que, se assumirem, "nem sabe o que vai sobrar deles".(8) Aliás, há ÁUDIO de Fraga dizendo isso.(9)

6) Aliás, quando Dilma fez questionamentos sobre Armínio Fraga, Aécio disse que ela estava "preocupada" demais com este. Ora, e deveria mesmo estar — não só como ela, mas também o eleitor. Quando Fraga assumiu a presidência do BC, em 1999, elevou a taxa de juros a 45% ao ano. Nos três anos seguintes, sabem o que aconteceu com a inflação que os tucanos insistem em dizer que controlaram? Ela DOBROU de tamanho, indo de 6,5%, em 2000, para 12,5% em 2002.(10) Aécio, vale apontar, é bem corajoso ao tentar falar de inflação com Dilma, já que, ao contrário do que ele tenta fazer parecer, a média anual da inflação nos anos Dilma é a segunda MENOR em CINCO MANDATOS PRESIDENCIAIS, sendo bem próxima à de Lula e muito inferior à de FHC.(11)

7) Confrontado com relação ao "choque de gestão" em MG, Aécio afirmou que as finanças do estado estão saudáveis. Outra mentira: Minas está quebrada.(12) O mais incrível: ao voltar a falar sobre o Bolsa Família, Aécio disse que o Plano Real foi um programa de "redistribuição de renda" muito mais eficiente. De onde tirou isso, não sei, mas — claro — não é verdade.(13)

8) Quando o assunto mudou para Educação, Aécio deu outro show de desinformação. Em primeiro lugar, cobrou de Dilma resultados das escolas públicas MUNICIPAIS e ESTADUAIS, que, como já fica claro pelo... ora... pelo "municipais e estaduais", são responsabilidade do município e dos estados — COMO DETERMINA A CONSTITUIÇÃO. O pior: Aécio afirmou que MG tem a "melhor educação do país" — mas como isto pode ser possível se, de novo, entre 26 estados (mais o DF), Minas ficou em 24º em termos de investimento na Educação?(14) Além disso, os professores mineiros ABOMINAM Aécio Neves (15)(16)

9) A seguir, Dilma trouxe à baila a questão da corrupção. E apontou como, ao contrário do que houve nos anos FHC, a era Lula-Dilma criou mecanismos de investigação e condições para que a PF agisse de forma eficaz. Basta dizer que nos OITO anos de FHC, apenas 48 operação da PF foram feitas, enquanto nos doze anos de Lula e Dilma, foram realizadas MAIS DE DUAS MIL OPERAÇÕES. Isto para não mencionar o fato de que o procurador-geral da época engavetava todas as denúncias.(17) Dilma apontou também que nenhum tucano jamais foi investigado por todos os desmandos do mensalão tucano mineiro, do cartel do metrô, da privataria, do banco Marka, da SUDAM, etc, etc, etc.

10) Aécio insistiu em dizer que Dilma se mostrava obstinada em olhar pra trás, enquanto ele queria olhar pra frente. Dá pra entender por que ele prefere olhar para um futuro hipotético do que para o passado, com todos os seus dados e fatos registrados.(18)

11) Em seguida, Aecio disse que foi "inocentado" com relação ao aecioporto. Mentira. A procuradoria-geral disse que não havia indícios de ilícito em esfera FEDERAL, mas encaminhou a denúncia para o MPE para investigação de IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA do governo tucano.(19)

12) Veio, então, a parte mais inacreditável do debate. Dilma questionou os vários parentes que Aécio mantém empregados em seu governo. Ele negou que isto fosse verdade e disse, por exemplo, que sua irmã não trabalha com ele. Esta fez MG rir em conjunto, já que Andrea Neves foi uma das figuras mais poderosas do governo Aécio. Tanto que entrou numa lista das 60 pessoas MAIS PODEROSAS DO PAÍS (na 42ª posição)(20)(21) Isto para não mencionar que, sim, ele empregou outros parentes.(22)(23)

13) A seguir, Dilma perguntou a Aécio sobre "violência contra a mulher". Do ponto de vista de estratégia de debate, era óbvio que ela fazia referência a algo específico para desconcertar o oponente.(24) Conseguiu. (A propósito: Aécio ameaçou, mas curiosamente não processou Kfouri pelo que este publicou em seu blog.)

14) Aécio criticou empréstimo do BNDES a Cuba. Ué, e o feito por FHC, podia? (25)

15) Aécio tenta criticar os investimentos de Dilma na área das escolas técnicas. O governo do PT criou 214. O de FHC? ZERO. Aécio nem deveria ter tocado neste assunto.(26) Como se não bastasse, Aécio disse que Dilma não cumpriu promessa de construir seis mil creches. Outra mentira.(27)

16) Logo a seguir, outro momento em que Aecio se perdeu totalmente. Dilma questionou — e atenção para isso — o investimento que o GOVERNO DE MG fez em anúncios nas rádios PERTENCENTES À FAMÍLIA DE AÉCIO. Ele negou que isto tenha acontecido. Ops.(28)(29)(30)(31)(32)

17) Dilma levantou, então, a questão dos quase CEM MIL servidores públicos contratados IRREGULARMENTE por Aécio no governo de MG. Ele mais uma vez negou qualquer irregularidade. Mentira. Uma mentira, aliás, que foi custar os empregos destas quase cem mil pessoas numa lei que Aécio tentou passar pra corrigir o problema, mas que era INCONSTITUCIONAL.(33)(34)

18) Neste ponto do debate, Aécio começou a falar repetidas vezes de "meritocracia". Ele não é a melhor pessoa pra falar do assunto, já que, aos 17 ANOS, foi indicado por seu pai para um cargo de confiança em Brasília quando este era deputado do Arena, partido que apoiava o regime militar. Não só Aécio tinha 17 anos como aparentemente também desempenhou este cargo (em Brasília) do RIO DE JANEIRO, onde morava.(35) Poucos anos depois, Aécio foi nomeado para o cobiçado cargo de diretor de Loterias da Caixa quando seu primo, Francisco Dornelles, era Ministro da Fazenda.(36) Meritocracia. Sei.

19) Outras mentiras pontuais: Aécio disse que não foi contra o Mais Médicos (que ele agora afirma que vai melhorar). Opa, foi, sim.(37)

20) Aécio acusou Dilma de não cuidar da segurança pública nos estados. Desconhece que, SEGUNDO A CONSTITUIÇÃO, esta é de competência dos governos estaduais — ou seja: dele. Então, Dilma apontou que a violência em MG subiu 52% durante governo de Aécio. Ele negou veementemente. Estava mentindo.(38)

21) Aécio disse, em certo momento, que "todas as eleições que disputei em MG, venci". Opa. Em 1992, concorreu à prefeitura de BH. Perdeu para Patrus Ananias, do PT.

22) Aécio afirmou que o Brasil teve queda "em todos os indicadores sociais". Deveria ter lido o relatório do IBGE, que mostrou melhora na renda, no acesso ao ensino fundamental, queda na mortalidade infantil, entre outros.(39)

Pra finalizar, Dilma mencionou brevemente Montezuma, mas acabou se concentrando no aeroporto de Cláudio. Pena. Há muito que falar sobre Montezuma.(40)

Talvez no próximo debate, embora, se julgarmos pelo que ocorreu nesse, Aécio provavelmente não hesite em negar a existência de qualquer problema.

(P.S: vi gente compartilhando foto de Dilma cercada de assessores, no intervalo do debate, e Aécio sozinho. A sugestão é a de que ele não precisa de assessores. Ops: https://twitter.com/pablovillaca/status/522321107438014464)



FONTES:

1.http://www.cartacapital.com.br/politica/por-que-o-psdb-agora-e-a-favor-do-bolsa-familia-8786.html

2.http://www.m.vermelho.org.br/noticia/251305-1#.VDz4MhHrJNU.twitter

3.http://www.forbes.com/sites/kenrapoza/2014/10/05/in-brazil-elections-president-dilma-has-a-better-country-on-her-side/

4.http://t.co/k4FdNNx9Ba

5.http://amp-mg.jusbrasil.com.br/noticias/100647784/minas-investe-menos-do-que-define-a-constituicao-em-educacao-e-saude

6.https://twitter.com/fernandocabral/status/522221808867872768

7.http://t.co/rq0bpEM66X

8.http://t.co/VF1krtF32O

9.http://t.co/VF1krtF32O

10.http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi05039906.htm

11.http://achadoseconomicos.blogosfera.uol.com.br/2014/01/10/inflacao-anual-de-dilma-e-proxima-a-de-lula-e-inferior-a-de-fhc/

12.http://t.co/gl7X2CdsyS

13.http://goo.gl/FwFxJQ

14.http://t.co/Fi6xi9imFO

15.http://www.pragmatismopolitico.com.br/2014/10/professores-de-minas-alertam-sobre-riscos-de-eleger-aecio-neves.html

16.http://www.sindutemg.org.br/novosite/files/11-09-BoletimEspecial-Geral.pdf

17.https://t.co/yKJurCmrAS

18.http://goo.gl/yLuARu

19.http://g1.globo.com/politica/noticia/2014/10/pgr-arquiva-representacao-contra-aecio-por-construcao-de-aeroporto.html

20.http://t.co/zdbVLJ971t

21.http://t.co/zNnl4pfaOG

22.http://t.co/TIciOuWa1M

23.http://www.redebrasilatual.com.br/blogs/helena/2014/07/aecio-usa-lei-para-contratar-parentes-no-governo-de-mg-6376.html

24.http://t.co/rB3mgwiC7G

25.http://t.co/Kuooc4vuLL

26.http://t.co/9fomImiyYa

27.http://t.co/P8LPR0OUL6

28.http://www.valor.com.br/eleicoes2014/3735146/aecio-desconversa-sobre-gastos-publicos-com-radios-de-sua-familia

29.http://www1.folha.uol.com.br/fsp/especial/190765-aecio-diz-que-nao-sabe-valor-que-seu-governo-pagou-a-suas-radios.shtml

30.http://www.blogdacidadania.com.br/2014/10/escandalo-das-radios-de-aecio-foi-descoberto-em-blitz-da-lei-seca/

31.http://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,aecio-diz-desconhecer-repasse-do-governo-a-radio-de-sua-familia,1576768

32.http://www.diariodocentrodomundo.com.br/e-decente-um-governador-colocar-dinheiro-publico-em-radios-da-familia/

33.http://t.co/gwJ7iOVI93

34.http://t.co/l71W6ByB1L

35.http://t.co/hHNPJMQbve

36.http://www.redebrasilatual.com.br/blogs/helena/2014/10/aecio-critica-mas-ja-foi-beneficiado-por-aparelhamento-em-divisao-da-caixa-8080.html

37.https://www.youtube.com/watch?v=8pKZAnji68k

38.http://www.pautandominas.com.br/en/May2013/minas_gerais/771/Em-dez-anos-número-de-homicídios-cresce-52-no-Estado.htm

39.http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv66777.pdf

40.http://www.redebrasilatual.com.br/blogs/helena/2014/07/como-aecio-ficou-dono-de-latifundio-de-terras-publicas-do-estado-de-minas-9863.html

Pablo Villaça
Leia Mais ►

Tracking DataCaf: Dilma 44 a 42

E ainda não registra o DilmaBATE!


Comentário de máximo guru petista:
“A chinelada que ela deu foi tão forte que até o… do Boechat sentiu a…”.

Bastidores do DilmaBATE:

- Boechat cumprimentou Dilma por estar tão bem preparada;

- e informou que audiência foi alta.
Em tempo: Boechat, porém, não chegou ao ponto do Ali Kamel que, no debate da Globo, só não se ajoelhou diante da Presidenta porque precisou fazer um selfie da mulher e da filha com ela.

Em tempo2: nunca se sabe, amigo navegante…

Leia Mais ►

Documento prova: Aécio mentiu; Dilma falou verdade


A casa do Aécio Neves (PSDB) caiu no debate na Band.

Dilma disse que ele, quando governador de Minas, desviou dinheiro da saúde para outras coisas.

Aécio tentou desqualificar Dilma dizendo que suas contas foram aprovadas pelo Tribunal de Contas, insinuando que a presidenta estaria mentindo.

Dilma disse que o telespectador poderia consultar no site do TCE-MG para comprovar que havia um Termo de Ajuste dizendo com todas as letras que o governo tucano de Minas não aplicou o mínimo constitucional em Saúde, conforme disse a presidenta.


O documento citado por Dilma foi publicado no site alternativo slideshare (acima). É o Termo de Ajustamento de Gestão, assinado pelo governo de Minas em abril de 2012 que comprova o que Dilma disse:
O presente Termo de Ajustamento de Gestão tem por objeto a definição de um período para a adequação gradual da aplicação por parte do Governo do Estado de Minas Gerais dos recursos nas áreas de ações e serviços públicos de saúde e da manutenção e desenvolvimento do ensino, visando o cumprimento dos índices mínimos previstos, respectivamente, no art. 198 e no art. 212 da Constituição da República de 1988.
Curiosamente o site do TCE-MG saiu do ar e quem quis consultar durante o debate não conseguia.


Agora (18h45 de quarta-feira, 15), tentei acessar e o site ainda está fora do ar.

Curioso que quem tem o link direto dentro deste mesmo site para o documento citado por Dilma consegue abrir:


Tecnicamente então os computadores estão funcionando e não há congestionamento de acessos. É a página principal que dá acesso à navegação por todas as outras páginas que está fora do ar, o que exala forte cheiro de que tenha sido retirada de propósito para reduzir danos à imagem de Aécio.

Leia também:

No Amigos do Presidente Lula
Leia Mais ►

10 perguntas que eu queria fazer para Arminio Fraga (mas ele não quis responder)


Estou convencida de que nós, que não entendemos nada de economia, precisamos fazer um esforcinho extra, porque este é o principal assunto nesta eleição, ao lado das questões morais. Escolher entre dois modelos econômicos distintos, que definirão qual é o Brasil que queremos: é isto que vamos fazer no segundo turno. O problema, a meu ver, é que falta transparência ao projeto do PSDB. O do PT a gente já conhece. Obviamente são necessários ajustes (o ex-ministro Bresser-Pereira falou muito bem aqui), mas, na pior das hipóteses, será mais do mesmo. Enfim, sabemos qual é o projeto econômico do PT, mas não sabemos qual é exatamente o projeto econômico do PSDB. A não ser pelo que os mais velhos já vivenciamos, o que não é nada animador.

Pensando nisso, resolvi colocar mãos à obra e decidi procurar a melhor pessoa para esclarecer minhas dúvidas: o principal assessor econômico de Aécio Neves, ex-presidente do Banco Central de Fernando Henrique Cardoso e cotado como futuro ministro da Fazenda se o tucano for eleito. O carioca Arminio Fraga, 57 anos, brasileiro com dupla nacionalidade norte-americana, não possui assessor de imprensa. Sua assistente me disse que escrevesse um e-mail solicitando a entrevista, com os meus contatos. Foi o que fiz.
“Olá, Márcia, tudo bom? Acabei de falar contigo pelo telefone. Então, como te expliquei, fiz há poucos dias uma entrevista com o ex-ministro Bresser que repercutiu muito no meu blog. E gostaria muito de fazer algo semelhante com o dr. Arminio Fraga. Ou seja, uma entrevista para ‘leigos’ em economia, para tentar entender mais ou menos qual é o projeto econômico do PSDB.

Um abraço e obrigada,

Cynara”
A resposta chegou em exatos 13 minutos:
“Prezada Cynara,

O Dr. Arminio Fraga lhe agradece, porém não poderá atender sua solicitação de entrevista.

Cordialmente,

Márcia”
Claro que ele tem todo o direito de não querer me atender, só acho uma pena. Reforça a impressão de que o PSDB esconde alguma coisa. Nada me impede, porém, de divulgar aqui as perguntas “leigas” que gostaria de ter feito a Arminio. E que, tenho certeza, milhões de brasileiros gostariam de ver respondidas:

1. Quando o senhor assumiu o Banco Central no governo FHC, aumentou os juros para 45% (hoje os juros brasileiros ainda estão entre os mais altos do mundo, mas na casa dos 11%). Isso vai acontecer novamente?

2. O senhor falou que acha que o salário mínimo “cresceu muito”. E, no entanto, alguns economistas apontam o aumento do salário mínimo nos anos que o PT governa como uma das principais razões para a diminuição da desigualdade social no Brasil, mais até que o bolsa-família. Qual será a política econômica do PSDB em relação ao salário mínimo? Vocês pretendem acabar com o reajuste automático?

3. Existe um áudio circulando nas redes sociais em que o senhor fala que está provado que os bancos públicos não são um “modelo que favorece o crescimento” e que iria reduzir as funções deles até que “não sobrasse muito”. O que o senhor quis dizer com isso? O que vai acontecer com a Caixa, o Banco do Brasil e o BNDES em um virtual governo Aécio Neves?

4. Volta e meia o PSDB acena também com mudanças nas leis trabalhistas. Quais seriam elas exatamente?

5. O jornal Financial Times publicou um artigo recentemente dizendo que o senhor decepcionou no debate com Guido Mantega, ministro da Fazenda de Dilma, porque “precisa achar uma forma de desconstruir a crença que o que é bom para os mercados é ruim para as pessoas e vice-versa”. Mas o que é bom para os mercados pode de fato ser bom para as pessoas? Como, se em geral o que é bom para os mercados faz concentrar ainda mais a renda?

6. O modelo que vocês propõem é, de acordo com o candidato Aécio Neves, retomar o crescimento de “forma sustentável”. Para mim isso soa como “embromation”. O que significa crescer de forma sustentável?

7. O senhor pode garantir que, com o modelo do PSDB em prática no governo, não haverá arrocho, recessão e desemprego no País?

8. Este crescimento “sustentável” irá continuar ajudando a diminuir a desigualdade social ou isto não é o foco?

9. A área social do governo sofrerá cortes? Seriam cortes na área social as medidas que o candidato Aécio diz que serão “decisões impopulares” de um provável governo seu?

10. A experiência do PSDB no governo — fora a estabilização da moeda, que vem do governo Itamar Franco — é de triste memória para os brasileiros que a viveram. Desemprego alto, recessão e também inflação na casa dos 12%. O que vocês fariam diferente agora?

Silêncio.

Cynara Menezes
Leia Mais ►

Lula desmente Aécio


Nota sobre declaração do candidato Aécio Neves

15/10/2014

"Ontem, o candidato Aécio Neves mentiu no debate da TV Bandeirantes ao falar que eu teria convidado Armínio Fraga para permanecer no Banco Central após o término do governo Fernando Henrique Cardoso. Nunca fiz esse convite. É lamentável um candidato falsificar fatos históricos em um debate para a Presidência da República."

Luiz Inácio Lula da Silva
Leia Mais ►

Aécio garante o emprego: da família!

O tucano desafiou Dilma a informar onde trabalha a irmã dele. O Conversa Afiada ajuda a responder!


Durante o debate de ontem (14), realizado na Rede Bandeirantes, a Presidenta Dilma acusou Aécio Neves de praticar o nepotismo ao nomear parentes para cargos públicos em Minas Gerais. O tucano negou e desafiou a Presidenta a informar onde trabalha a irmã dele.

O Conversa Afiada publica, com auxílio da Rede Brasil Atual, a lista dos familiares de Aécio que Dilma citou no debate:

— Oswaldo Borges da Costa Filho (genro do padrasto do governador), presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico e Minas Gerais;

— Fernando Quinto Rocha Tolentino (primo), assessor do diretor-geral do Departamento de Estradas e Rodagem (DER/MG);

— Guilherme Horta (primo), assessor especial do governador;

— Tânia Guimarães Campos (prima), secretária de agenda do governador;

— Frederico Pacheco de Medeiros (primo), secretário-adjunto de estado de governo;

— Andréia Neves da Cunha (irmã), diretora-presidente do Serviço de Assistência Social de Minas Gerais (Servas);

— Ana Guimarães Campos (prima), servidora do Servas;

— Júnia Guimarães Campos (prima), servidora do Servas;

— Tancredo Augusto Tolentino Neves (tio), diretor da área de apoio do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG).
Leia Mais ►

A capacidade de simular indignação torna complicado debater com Aécio

Sobre ontem à noite
Não é fácil debater com Aécio Neves, como ficou claro ontem.

Aécio tem um atributo clássico em políticos tradicionais, ou em demagogos, caso você prefira uma palavra mais exata: a capacidade de simular indignação e, assim, comover as pessoas mais crédulas e inocentes.

Vê-lo em ação me lembra, sempre, uma passagem de Orestes Quércia num Roda Viva. Quércia fingiu indignar-se com uma pergunta e chegou a se levantar da cadeira para tentar agredir fisicamente, aspas, o autor dela.

Mas estava claro, a quem não era tão ingênuo assim, que Quércia estava tão calmo naquele momento como se estivesse tomando uma cerveja com amigos num domingo de sol.

No debate da Band, Aécio recorreu à indignação calculada quando Dilma mencionou o nepotismo que o marca como administrador.

O nepotismo é a maior negação da meritocracia, uma palavra que Aécio usa com obsessão nesta campanha como alternativa ao “aparelhamento” petista.

A maior expressão do nepotismo de Aécio — longe de ser a única — é sua irmã, Andrea Neves. Como é amplamente sabido, Andrea trabalha com Aécio e é uma das pessoas que mais o influenciam.

O marido de Andrea, Luiz Marcio, é quem cuida da agenda de Aécio na campanha.

Citada Andrea, o talento de Aécio para simular indignação jorrou no debate da Band.

Ele chamou Dilma de “leviana” e disse que ela tinha a obrigação de dizer o que Andrea fazia.

É uma pena que o debate seja tão engessado, e que Dilma não tenha demonstrando presença de espírito para continuar no assunto para expor a falácia de Aécio sobre a irmã.

Dilma não é uma debatedora natural, e isso pode custar caro a ela em enfrentamentos com um adversário com uma carga mínima de escrúpulos.

A mesma falsa indignação apareceu quando veio à tona o aeroporto que Aécio mandou construir, com dinheiro público, numa fazenda da família.

Aécio reagiu no mesmo tom com que respondeu a Luciana Genro quando esta o enquadrou num debate no primeiro turno.

Há aí um traço peculiar de Aécio. Com Dilma e Luciana, ele foi extremamente incisivo ao defender o indefensável, o aeroporto privado pago com dinheiro público.

Com Bonner, quando o tema foi levantado na sabatina do Jornal Nacional, o tom foi bem diferente, nada áspero. Bonner não foi chamado de “leviano”, ou coisa do gênero.

Outra característica que torna complicado debater com Aécio é a sem cerimônia com que ele aponta nos outros defeitos que ele próprio tem em alta dose.

Várias vezes, no debate de ontem, ele acusou Dilma de “falta de generosidade”, e de não reconhecer erros.

Alguma vez Aécio reconheceu qualquer erro? Ele mostrou algum traço de generosidade nos debates?

No extremo oposto disso, ele repetidas vezes tentou ontem usurpar os méritos do Bolsa Família.

A paternidade do Bolsa Família, repetiu Aécio, seria não de Lula, mas de FHC. Ora, durante muito tempo o programa foi desprezado, por Aécio e tucanos, como Bolsa Esmola.

Agora o pai é FHC?

O repertório demagógico de Aécio é vasto. Ele disse ontem, mais uma vez, que o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa se demitiu, conforme consta de uma ata da empresa.

Ora: todo mundo sabe como funciona o cerimonial em tantas corporações e governos. A pessoa é despedida e, oficialmente, pede demissão.

Tivemos, há pouco, o caso de Patrícia Poeta na Globo. No comunicado da Globo, depois de excelentes serviços prestados ao JN, ela estava saindo porque desde o começo estipulara que ficaria três anos no posto, conforme registrado em seu contrato.

Haverá outros debates.

Aécio seguirá em seu tom. Dilma tem que se preparar melhor. Não estou dizendo que ela tenha que ser demagoga, ou cínica, ou falaciosa como seu adversário.

Mas tem que ser mais rápida e mais convincentes nas respostas, e não abandonar assuntos como o do nepotismo enquanto não forem esgotados.

Na economia, isso é particularmente importante.

Aécio faz um corte maroto e diz, insistentemente, que o Brasil cresce menos que os vizinhos.

Há copiosos dados — de organismos internacionais — que dão contexto justo e esclarecedor ao estado da economia do Brasil.

A poderosa Alemanha está em recessão, a recuperação econômica americana não veio e até a China cresce a taxas tímidas se comparadas às de alguns anos atrás.

Minas mesmo: dados do IBGE mostram como a economia de Minas, em anos sob Aécio, cresceu bem menos que os vizinhos.

Nos próximos debates, Dilma não deve agir como Aécio, porque seria péssimo para os brasileiros serem manipulados não por um dos candidatos, mas por ambos.

Mas ela poderia incorporar um pouco, ou muito, do espírito de Luciana Genro.

Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

Aécio cita mar de lama, mote golpista em 54 e 64; Tancredo treme no túmulo

Carlos Lacerda em 1967, 13 anos após o suicídio de Getulio Vargas
Foto Folhapress
Se o vencedor de um debate televisivo é quem vende melhor seu peixe, seja pescado fresco ou com odores suspeitos, Aécio Neves (PSDB) levou o da Band, encerrado na madrugada de hoje.

Em matéria de conteúdo, Aécio também se destacou, contra sua oponente Dilma Rousseff (PT). A questão é qual conteúdo.

A certa altura do entrevero, digo, debate, discorrendo sobre a roubalheira na Petrobras, o tucano empregou a expressão “mar de lama''.

Além de imprópria, a começar pelo fato de que nem mesmo o senador insinua que a presidente da República seja mão-leve, a fórmula “mar de lama'' foi o mote de uma das mais sinistras conspirações golpistas da história republicana do Brasil: a que levou ao suicídio do presidente constitucional Getúlio Vargas na manhã de 24 de agosto de 1954, horas depois de ser virtualmente deposto.

E olha que sessenta anos atrás Getúlio era acusado de ter ordenado o atentado que resultou em ferimento a bala do jornalista de oposição Carlos Lacerda e na morte do major-aviador Rubens Vaz. Jamais surgiram indícios dignos de confiança sobre a participação de Vargas no plano contra o “Corvo'', como os partidários do gaúcho desqualificavam Lacerda.

Em suma, “mar de lama'' evoca leviandade, mentira, desprezo pela legalidade e aversão à democracia.

Apelar a tal expediente é mais grave no caso de Aécio, que não é um mentecapto: o ministro da Justiça de Getúlio Vargas, na quadra sombria de 1954, era Tancredo Neves.

Ao contrário de muitos traíras, Tancredo batalhou até o fim contra a turma que alardeava haver um “mar de lama'' de responsabilidade do governo.

Em 1964, os golpistas que haviam recuado depois da morte de Getúlio voltaram à carga e derrubaram o presidente João Goulart num golpe de Estado contra o Brasil. Qual era o mantra dos opositores de Jango? “Mar de lama'', “mar de lama'', “mar de lama''…

Primeiro-ministro no arremedo de parlamentarismo improvisado em 1961, com Goulart na Presidência, Tancredo Neves deixaria a função, mas permaneceria político influente. Na virada de março para abril de 1964, ele novamente desfraldou a bandeira da legalidade, contra o golpe. E contra a pregação sobre o dito “mar de lama'', cujo porta-voz mais ruidoso era, adivinha, Carlos Lacerda.

O constrangimento para Aécio não é a árvore genealógica. Ninguém é obrigado a sair aos seus.

Mas o tucano não se cansa de mostrar na TV a convivência e a parceria com o avô Tancredo.

Pelo visto, aprendeu pouco.

Hoje, o simpático mineiro que só subiu morto a rampa do Planalto deve estar esperneando no túmulo, ao ver o neto, como um simulacro de Lacerda, recorrer ao “mar de lama'' para ganhar a eleição.

Leia Mais ►

Aécio no debate: uma vergonha, uma covardia só!


O ex-ministro José Dirceu conta que uma de suas avós em Minas Gerais – ele é de lá, de Passa Quatro, nas terras altas da Mantiqueira — quando queria dizer que alguém foi mal, partia para uma constatação breve: “(fulano) apanhou de chinelo até chorar”.

Foi isso que aconteceu ontem com o candidato demotucano ao Planalto, senador Aécio Neves, no debate da Rede Band, o primeiro da campanha eleitoral do 2º turno. O senador Aécio apanhou, não chorou, mas a cara de decepção e tristeza — às vezes de enfado até — do mediador, jornalista Ricardo Boechat, dizia tudo.

A presidenta Dilma dominou o debate o tempo todo. Ela escolheu e impôs os temas, o ritmo do confronto e colocou o candidato demotucano na defensiva. Aécio parecia um principiante, um amador. Assustado com a altivez e segurança da presidenta ele partiu para a ignorância, agredindo-a. A presidenta se manteve altiva e serena.

Presidenta dominou o debate do começo ao fim

O senador passou a se esconder na arrogância e na ironia, com um sorriso falso no rosto toda vez que a presidenta o confrontava com os fatos. Como com os escândalos não investigados, impunes, simples e lamentavelmente arquivados do governo FHC. Estes e outros, como os do nepotismo e empreguismo do próprio Aécio no governo de Minas (2003-2010), seus gastos com propaganda — parte feitos em rádios de sua família —, o aeroporto construído em Cláudio (MG) com recursos públicos para sua família e em terras da família, do tio-avô Múcio Tolentino…

E olha que a presidenta fez uma lista pequena dos escândalos impunes e não investigados do governo FHC (mais de 40 escândalos nos 8 anos de 1995 a 2002), como o da compra de votos para aprovar a emenda da reeleição, o do Sistema de Vigilância da Amazônia (SIVAM), o da “pasta rosa” (conluio de tucanos com banqueiros). Da mesma forma que arrolou poucos dos muitos escândalos dos 8 anos de governo Aécio em Minas, como esse da construção do aeroporto para presentear a família, o desvio de R$ 7,5 bi da Saúde…

Ontem o Brasil pode, então, conhecer melhor o candidato tucano que foi incapaz de apresentar qualquer proposta para o país. Ele se perdeu num discurso de ódio e rancor contra o PT e de negação de todo e qualquer avanço nesses últimos 12 anos, esteve perdido, errante e errático, a não ser para dizer que vai continuar tudo o que fizemos na área social.

Promete continuar programas sociais como se fossem dissociados da política econômica

Promete, visivelmente sem convicção e sem convencer, que vai continuar tudo o que os governos Lula e Dilma fizeram na área social como se esta área fosse separada, ou não dependesse da política econômica que Lula/Dilma implantaram. Política econômica que o futuro — nunca — ministro da Fazenda de Aécio, Armínio Fraga, promete rever começando pelo papel dos bancos públicos e pelo cálculo do salário mínimo, duas de suas medidas impopulares que o candidato demotucano não teve coragem de defender.

Confrontado com a memória dos governos tucanos, com o que marcou suas gestões, como desemprego, inflação alta, baixo crescimento, e endividamento, Aécio se escondeu e se apequenou. Principalmente quando confrontado de novo com dados sobre segurança, educação e saúde em seus governos em Minas.

Quando confrontado, então, com sua derrota na eleição do último dia 5 para governador de Minas e presidente da República em seu Estado, disse candidamente que não era o governador e sim senador, dando a entender que quem perdeu a eleição foi seu sucessor e o vice-governador que assumiu o governo em maio último.

Uma vergonha! Uma covardia só!

Leia Mais ►

Aécio descaradamente mente e Globo desmente

Leia Mais ►

Dilma jantou Aécio com palitinhos no debate da Band


O debate da Band costuma ser o que decide a eleição. Em 2006, Geraldo Alckmin parecia ter ganho o debate de Lula. Este blogueiro foi contra a corrente e disse que achava o contrário. Em 2010, Dilma foi pra cima de Serra quando a sua vantagem diminuía em relação a ele e estava em 4%. A carta do Paulo Preto lhe foi tascada na testa. E Serra tremeu. Hoje, Dilma jantou Aécio. Aeroporto de Cláudio, agressão a mulheres, condenação por não investir o necessário na saúde, entre outras coisas, fizeram o tucano ficar completamente fora do prumo.

O que estava em jogo neste debate da Band não era a massa de eleitores, mas as suas militâncias e o percurso da campanha. Ou seja, se a linha estava correta para os 10 dias que se seguem. Dilma venceu fácil esse desafio.

Aécio fez um discurso do “pois bem telespectador” e do “o Brasil quer mudança”. Dilma foi pra cima na desconstrução da imagem do candidato e na demonstração de que ele não tem o que apresentar para implementar se sair vitorioso.

No primeiro bloco, Aécio empatou com Dilma. Na hora de falar sozinha, sem confronto, Dilma não é tão boa.

Mas na hora do pau a pau, do confronto cara a cara, deu pena de Aécio. Parecia a disputa entre a mulher que viveu uma vida dura e sabia sair das dificuldades contra o mauricinho do Leblon. O garotão que se acha bom porque sabe mentir na hora certa.

Quando Dilma lhe perguntou sobre a Lei Maria da Penha, Dilma falava da reportagem que Juca Kfouri publicou. Você pode ler aqui. Na época, estupefato, este blogueiro não deu bola para a defesa que um colega de blogosfera fez de Aécio e foi entrevistar Juca. Porque outros amigos haviam lhe confirmado a mesma coisa, que de fato havia tido agressão na festa.

Quando Dilma lhe acusou de não cumprir o orçamento da saúde, Aécio tentou desmentir. Mas o processo continua em aberto. E o candidato do PSDB tentou tirar essa matéria da Fórum do ar via Google, mas não conseguiu.

Foi um massacre. Dilma jantou Aécio com palitinhos. Não precisou nem de garfo e nem de facas. E mais do que isso, lhe enfiou um excelente apelido Aécio Fabulação. No universo de Aécio, ele fez o melhor governo da história de Minas. Mas perdeu a eleição por lá. A máscara de Aécio caiu no debate da Band. E esse debate é o decisivo. Se Dilma abrir vantagem agora, o debate da Globo conta muito pouco e passa a não valer muita coisa.

Aécio foi completamente derrotado. Dilma fez o que precisava. E animou a militância de esquerda que é a que está ao seu lado na sua eleição.

Renato Rovai
Leia Mais ►

Assista na íntegra o debate na Band


Leia Mais ►

Com Aécio nervoso, Dilma ataca aecioportos, parentes no governo e diz que não saiu de Minas Gerais “a passeio”


O candidato do PSDB, Aécio Neves, estava atipicamente nervoso. Depois de empate no primeiro bloco, a candidata petista Dilma Rousseff deixou o adversário nas cordas no segundo, ao lembrar que o adversário construiu aeroportos nas duas regiões onde a família dele tem terras: Cláudio e Montezuma, em Minas Gerais.



Além disso, a petista golpeou duramente o tucano, depois de uma discussão sobre corrupção, ao falar sobre nepotismo: segundo ela, Aécio emprega seis parentes no governo mineiro. Dilma frisou: eu não tenho parentes no governo.

No terceiro bloco, Dilma voltou ao ataque, de forma indireta. Sua primeira pergunta foi sobre violência contra a mulher. Não mencionou a acusação do jornalista Juca Kfouri de que Aécio agrediu a namorada num hotel do Rio de Janeiro.

No quarto bloco, a petista voltou a encaixar um bom golpe ao dizer que “não sai a passeio” de Minas Gerais, enfatizando que Aécio Neves perdeu em primeiro turno as eleições no estado que governou.

A petista também foi bem quando afirmou que Aécio ingressava no campo da “fabulação” e da “lenda” ao comparar os programas sociais do governo Fernando Henrique Cardoso com os desenvolvidos nos governos Lula/Dilma e ao justificar os empréstimos do BNDES a Cuba.

Dilma frisou que os programas sociais dos tucanos, no período de FHC, atendiam apenas 5 milhões de pessoas, contra mais de 40 milhões agora.

A audiência do debate da Band ficou acima da expectativa: chegou a bater em 12 pontos, superando tanto a Globo quanto a Record.

Não foi um 7 a 1, mas Dilma ganhou o debate.

Luiz Carlos Azenha
No Viomundo
Leia Mais ►

Sérgio Porto # 16


Leia mais clicando aqui.
Leia Mais ►

Essa é do Barão... 74


Leia mais clicando aqui.
Leia Mais ►

BOMBA! – Durante o “Debate Na Band” site do Tribunal de Contas de Minas Gerais sai do ar


No debate da Band, Dilma disse que Aécio teve ressalva na aprovação de contas de Minas, por desviar verbas da saúde no valor de 7.6 bilhões.

Aécio tentou dizer que era mentira.

Dilma insistiu e falou que o telespectador poderia comprovar que era verdade, entrando no site do TCE-MG (Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais).

Estranhamente o site do TCE-MG saiu do ar.

O órgão tem forte influência dos tucanos mineiros, aliados de Aécio.

Vale lembrar que os tucanos tem histórico de engavetamento, e esconder escândalos.

Os aliados de Aécio Neves tem fama histórica por tentar calar a imprensa.

TCU

VEJA O LINK DO SITE:


Fora do ar até depois do fim de debate.

Aécio Neves tem histórico por tentar calar a imprensa. Veja a busca no Google:

AECIO NEVES

Gustavo Vidal | TV Tudo
No Amigos do Presidente Lula
Leia Mais ►

Dez razões para não se acreditar na mídia

http://www.correiodopovo.com.br/blogs/juremirmachado/?p=6511

1 – Reinaldo Azevedo

2 – Merval Pereira

3 – Eliane Cantanhede

4 – Arnaldo Jabor

5 – Lobão

6 – Rodrigo Constantino

7 – Ricardo Noblat

8 – Demétrio Magnoli

9 – Ruy Castro

10 – Nelson Motta
Leia Mais ►