4 de out de 2014

A crônica do derretimento de Marina

Ela
Marina desabou na pior hora: quando as chances de recuperação são mínimas, dado o limite do tempo.

É como levar um gol no finalzinho do jogo.

Caso se confirme sua derrota, ela poderá encontrar consolo num pensamento caro aos que creem: Deus não quis.

Longo do plano divino, Marina começou a cair quando piscou diante de quatro tuítes de Malafaia.

Malafaia manifestou revolta contra os termos do programa de Marina em relação à comunidade LGBT.

Ameaçou tirar o apoio.

Rapidamente, com uma explicação que não convenceu ninguém, o programa de Marina foi alterado para agradar Malafaia.

Foi um gesto fatal.

Ali Marina mostrou um traço de personalidade que seria explorado com sucesso tanto por Dilma quanto por Aécio: a instabilidade, a hesitação, a dificuldade em lidar com pressão.

O leitor percebeu.

Com Malafaia, foi a primeira de uma série de fraquejadas que confirmariam a impressão inicial de tibieza.

A empreendedores, Marina falou em atualizar a legislação trabalhista, o que significa subtrair direitos.

Diante da reação negativa, ela foi se desdizendo até chegar ao contrário do que afirmara. No debate da Globo, já desesperada, ela prometeu dar direitos a quem não está registrado pela CLT.

Também num gesto de quem pressente o abismo, ela disse que daria um 13º aos beneficiários do Bolsa Família.

Nos dois últimos debates, Marina estava claramente exaurida mental e fisicamente. Parecia torcer que para que tudo acabasse o mais rápido possível.

Sumira a autoconfiança de quem disparara nas pesquisas com o refrão da “nova política”, em oposição ao PT e ao PSDB.

E assim Aécio, que parecia morto a poucos dias da eleição, chega ao 5 de outubro com chances concretas de ir ao segundo turno.

Não foi ele que cresceu. Foi Marina que diminuiu.

Para o PT, a derrocada de Marina é uma semivitória. Os petistas sempre preferiram enfrentar Aécio num eventual segundo turno, em vez de Marina.

Os eleitores de Aécio migrariam maciçamente para Marina, em nome do antipetismo.

Quanto aos eleitores de Marina, a maior parte tem sérias restrições a Aécio e ao PSDB.

De certa forma, caso se confirma a tendência que as pesquisas mostram na véspera das eleições, é a repetição do quadro das três últimas eleições, 2002, 2006 e 2010. PT versus PSDB.

Em todas elas, o PT venceu.

Exatamente por isso, num último espasmo, Marina está dizendo que só ela pode bater o PT porque o PSDB está acostumado a perder.

São meras palavras, com impacto infinitamente menor do que o recuo de Marina diante dos tuítes de Malafaia.

Ali começava a morrer a Marinamania.

Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

Em Minas é Pimenta com tomate

Candidato tucano ao governo de MG estava em carro aberto com Aécio.
Incidente ocorreu em Santa Luzia, na Grande BH.


O candidato ao governo de Minas Gerais, Pimenta da Veiga (PSDB), foi atingido por um tomate durante campanha neste sábado (4), em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O incidente ocorreu quando ele estava em cima de um carro aberto, ao lado do candidato à presidência Aécio Neves e o candidato ao senado Antonio Anastasia.

Não há informações sobre quem teria jogado o tomate no candidato. A ação foi rápida e não teve repercussão imediata, mas foi flagrada pela reportagem da TV Globo.

Pimenta e Aécio ainda desceram do veículo para cumprimentar moradores e não mencionaram o ocorrido.
Além de Santa Luzia, os dois percorreram os municípios de Ribeirão das Neves, Contagem e Betim, também na Região Metropolitana.

A assessoria de imprensa da campanha de Pimenta da Veiga informou que o candidato não se machucou e que passa bem (mal).

Leia Mais ►

Dilma: quem tem competência?


Quem tem apoio político para fazer as reformas?

Leia Mais ►

Pesquisas: Dilma pode ser reeleita já no domingo

Acabaram de sair as novas pesquisas do Ibope e do Datafolha, pouco antes de começar o futebol neste sábado à tarde.

Desta vez, os dois institutos anunciaram, logo de cara, os índices dos votos válidos, que mostram, pela primeira vez, Aécio na frente de Marina, e a presidente Dilma a um passo da reeleição no primeiro turno.

No Ibope, Dilma chega a 46%, Aécio tem 27% e, Marina, 24%.

No Datafolha, Dilma tem 44%, Aécio, 26%, e Marina, 24%.

Para liquidar a fatura no primeiro turno, o que parece possível nesta véspera da eleição, mas é difícil de acontecer, Dilma precisa de 50% dos votos válidos mais um. Pode bater na trave.

De qualquer forma, estas pesquisas servem para mostrar, nos últimos momentos de campanha, que Marina Silva era fogo de palha, Aécio não estava morto e Dilma era bem mais forte do que os números dos institutos apontavam até a semana passada.

É sempre assim: à medida em que se aproxima a abertura das urnas, as pesquisas procuram chegar mais próximas da verdade dos eleitores.

Uma coisa é certa: mesmo que não liquide a fatura já no primeiro turno, a presidente Dilma Rousseff entrará no segundo com larga vantagem sobre Aécio ou Marina.

Neste quadro, não há antecedentes, desde a redemocratização, de uma inversão de resultados.

Em resumo: Dilma é mais favorita do que nunca, em qualquer circunstância, tanto no primeiro como no segundo turno. Caminha para a reeleição.

Leia Mais ►

Vox Populi mostra Dilma na liderança, e Aécio à frente de Marina

A um dia das Eleições 2014, tucano sobe cinco pontos e alcança a 23% das intenções de voto


Nova pesquisa Vox Populi indica que a presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, subiu um ponto percentual e possui agora 41% das intenções de voto no primeiro turno da corrida à Presidência da República. A novidade, porém, foi Aécio Neves (PSDB) que, a um dia das eleições, ultrapassou a ex-senadora Marina Silva (PSB) na preferência do eleitorado.

Encomendada pela TV Record, Record News e R7, a pesquisa mostra que o tucano subiu cinco pontos percentuais e chegou a 23% das intenções de voto, enquanto a ex-ministra do Meio Ambiente caiu dos 24% da pesquisa anterior para 20% agora.

A candidata Luciana Genro (PSOL) tinha 1% e agora subiu para 2%. Everaldo Pereira (PSC) manteve 1% da pesquisa anterior. Os demais candidatos não marcaram pontos. Os votos brancos e nulos somam 6%, mesmo percentual de eleitores indecisos.

Considerando apenas os votos válidos, ou seja, excluindo-se intenções de votos brancos, nulos e eleitores indecisos, Dilma tem 47% das intenções de voto, contra 26% de Aécio Neves e 23% de Marina Silva.

Segundo turno

O Vox Populi fez duas simulações de segundo turno. Na primeira, entre Dilma Rousseff e Aécio Neves, a petista tem 46% contra 41% do tucano. Na pesquisa anterior, Dilma tinha 48% contra 38% do tucano.

Em outro cenário, com Dilma e Marina, a candidata do PT tem 48% contra 37% de Marina Silva. Na pesquisa anterior, Dilma tinha 46% da preferência, contra 39% da ex-senadora.

No R7
Leia Mais ►

Debate na Globo — Melhores Momentos - II

Leia Mais ►

DataCaf: 1° turno nas mãos da militância

Dilma 41 vs 22 Aécioporto

Bláblá com 21

Aécioporto passa a Bláblá.

O efeito do veloriomício chega ao fim.

E ela se recolhe à insignificância, sem explicar quem é o dono do jatinho.

E Dilma continua muito perto do 1°. turno.

* * *

Dilma passou a liderar em São Paulo

Rodrigo 13, no twitter — Em MG, não disfarçam: Estampam o 45 nos carros. Globo é 45
Em São Paulo, Dilma assumiu a liderança.

Dilma 29 vs 28 Bláblá vs 27 Aécioporto.

Bláblá caiu dois pontos em dois dias em SP.

Dilma subiu um ponto só ontem.

Neste sábado, a militância em BH e Porto Alegre foi para a rua e criou “um p… clima bom”.

Dilma está a menos de um ponto dos votos válidos para ganhar no primeiro turno.

Nas mãos do PT.

Paulo Henrique Amorim
Leia Mais ►

Dura lex, sed lex é uma ova!


Aproximando-se o dia das eleições, um pequeno comerciante me procurou no Fórum para saber sobre os critérios da Portaria que o Juiz Eleitoral (no caso, eu) iria baixar proibindo a abertura de bares e venda de bebidas alcoólicas no dia da eleição, em respeito à Lei Seca. Certamente, nosso comerciante é novo no ramo e ainda não sabe que não “baixo” este tipo de Portaria nas eleições em que sou o Juiz Eleitoral.

O que me chamou a atenção, no entanto, é o fato de que, pelo menos no interior da Bahia, existe a forte ideia de que existe uma lei, a “Lei Seca”, que regulamenta a proibição da abertura de bares e venda de bebidas alcóolicas no dia das eleições e que esta Lei se efetiva através de uma Portaria do Juiz Eleitoral. Embora alguns — inclusive juízes — insistam neste absurdo, o TSE já reconheceu que este tipo de Portaria é inconstitucional, pois ofende o princípio da reserva legal.

Incrédulo, o comerciante me ouviu explicar que a Lei Seca não existe e que um Juiz de Direito não tem o poder, através de uma Portaria, de regulamentar sobre assunto que não é da sua competência, pois a atividade comercial, mesmo em dia de eleições, não pode ser objeto de Portaria de um Juiz de Direito. No caso, somente uma Lei, mesmo assim cuidando de não ofender princípios constitucionais, poderia dispor sobre o assunto. Ao final, mais incrédulo ainda, indagou:

— Quer dizer que posso abrir meu bar e vender bebida normalmente, doutor?

Respondi afirmativamente e acrescentei:

— Sei que algumas pessoas irão beber em demasia e até causar algum problema nos locais de votação, mas na democracia é assim mesmo. Não se pode punir o ato que ainda não aconteceu, pois sei que outros vão votar logo cedo, aproveitar o domingo para “tomar umas”, comer bem, dormir a tarde e acordar para comemorar a vitória de seu candidato ou lamentar a derrota. Na verdade, o papel do juiz é garantir o princípio constitucional da liberdade de ir e vir, de comercializar e até de se embriagar. De outro lado, caso o bêbado cometa algum crime eleitoral, poderá ser preso em flagrante pela polícia militar.

Só os tolos, e como são muitos, podem imaginar que através de uma Portaria, ou qualquer outra norma, o sistema de justiça ou de polícia podem impedir que as pessoas bebam no domingo de eleição. Ora, bebidas são vendidas livremente em supermercados ou depósitos de bebidas e as pessoas podem comprar na véspera e armazenar em suas residências. Além disso, os mesmos que defendem a ordem proibitiva para o bem do processo democrático, certamente, almoçarão em clubes ou restaurantes familiares e abrirão o apetite com um chopp bem gelado ou uma dose de uísque bem caprichada.

Assim, embora alguns respeitem a inexistente “Lei Seca”, esta é apenas mais uma norma absolutamente inócua e que de nada vale para o fim a que aparentemente se destina — impedir o uso de bebida no dia da eleição. Vive-se, portanto, o juiz que editou a portaria, o policial militar que vai para as ruas, o Delegado de Polícia que vai receber os presos em flagrante e o proprietário do bar, na ilusão de que a norma proibitiva regula a vida das pessoas e que a violação dessa norma implica em rigorosa sanção para “exemplar” os outros que ainda estariam pensando em também violar a dita norma.

Continuando a conversa com nosso comerciante, perguntei sobre a localização do seu estabelecimento e proximidade com algum local de votação. Segundo me informou, o bar fica em um bairro da periferia em que sequer existe local de votação. Sendo assim, apenas lhe recomendei para evitar vender bebidas a menores de 18 anos e nem permitir que tivessem acesso ao bar. Balançando negativamente a cabeça, respondeu:

— Adianta não, doutor, se eu não vendo aos menores, tem sempre um maior que compra para eles. Depois, se eu não vendo, tem sempre outro dono de bar que vende. No fim, doutor, esse negócio de que é proibido vender bebida para menores é igual a Lei Seca que o senhor me explicou: não vale de nada e serve só de propaganda e ilusão de que os meninos não estão bebendo!

Como é duro para um Juiz de Direito ouvir certas verdades e, pior ainda, concordar com elas. Como pode um jurista admitir, sem sofrimento, que o Estado edita uma lei proibindo a venda de bebidas a menores de 18 anos, mas não tem como fazer valer esta lei, pois os próprios menores e os donos de bar vão encontrar artifícios os mais diversos para violar a lei? Neste caso, é de se perguntar: mas é a lei que vai resolver o problema do alcoolismo precoce ou a família e a educação? Pode se transferir, portanto, para ao sistema de justiça criminal soluções que deveriam ser pensadas e efetivadas em esferas da vida privada?

Para aumentar o sofrimento do jurista, não é só a lei que proíbe a venda de bebidas a menores de 18 anos que é burlada e se tornou inócua. São muitas e quase todas as que proíbem condutas. Pensemos, por exemplo, em relação à lei de drogas. Então, de que adianta uma lei dizendo que fumar maconha é proibido se a coisa mais simples do mundo é conseguir um baseado de maconha e fumar com os amigos?

Aliás, o conceito de usuário e traficante depende muito da pessoa, de sua cor, do local que resolveu fumar o baseado e de quem sejam seus amigos. Para uns, portanto, Themis vai tirar a venda dos olhos e serão imediatamente liberados; para outros, de venda nos olhos, Themis vai aplicar os rigores da lei, pois a lei é dura, mas é a lei e, por isso mesmo, deve ser observada por todos. Fosse em um certo debate, uma certa candidata diria solenemente: “dura lex, sed lex é uma ova!

Gerivaldo Neiva, Juiz de Direito (Ba), membro da Associação Juízes para a Democracia (AJD), membro da Comissão de Direitos Humanos da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e Porta-Voz no Brasil do movimento Law Enforcement Against Prohibition (Leap-Brasil)
Leia Mais ►

Bahia: Rui Costa ganha direito de resposta na Veja por ‘acusações de roubo’

Segundo o magistrado, houve “uma maquinação criminosa que ainda será objeto de investigação pelos órgãos competentes apresentada em clara associação à figura de Rui Costa”.

O candidato ao governo Rui Costa (PT) conseguiu direito de resposta, nesta quinta-feira (02), na próxima edição da revista Veja, por conta da denuncia relatada por Dalva Sele Paiva, ex-presidente do Instituto Brasil. De acordo com o Juiz relator Márcio Reinaldo Miranda Braga, “faltou cuidado básico em apurar os fatos”.

O juiz disse estar “convencido de que, neste particular, a representada violou as disposições contidas no artigo 58 da Lei das Eleições e, por tal, motivo, deve ceder espaço para regular exercício do direito de resposta”.

Segundo o advogado da coligação Pra Bahia Mudar Mais, Pedro Scavuzzi, o Juiz considerou que o texto da revista foi calunioso e inverídico, por isso, o direito de resposta será exercido na revista e também no perfil do Facebook da Veja. “Trata-se de acusação de roubo, com foto chamativa, exposta em um contexto donde se infere: o candidato Rui Costa foi sim atingido”, escreveu o juiz em sua decisão.

Ainda segundo o magistrado, houve “uma maquinação criminosa que ainda será objeto de investigação pelos órgãos competentes apresentada em clara associação à figura de Rui Costa”.
Leia Mais ►

Globope e DatafAlha — últimos números

Leia Mais ►

Urariano Mota: O debate depois do último na Globo

O escritor e jornalista pernambucano Urariano Mota, em sua coluna “Prosa, Poesia e Política”, faz comentários sobre o último debate entre os presidenciáveis ocorrido nessa quinta-feira (3), na Globo. Urariano também analisa a repercussão do debate na imprensa tradicional.

“Marina às vezes consegue momentos de boa comédia, porque em último recurso para deter a sua queda, promete 13º para o Bolsa Família. E ataca com a imagem de Ceia no Natal. Mas não seria melhor uma doação de castanhas, queijo do reino, farofa, peru e champanhe?”, pergunta o escritor pernambucano.

Ouça a coluna na íntegra



Ramon de Castro, para a Rádio Vermelho
Leia Mais ►

Debate na Globo — Melhores Momentos - I


Leia Mais ►

Coordenador da campanha de um certo candidato à Presidência envia dinheiro a paraíso fiscal

 A autenticidade desta história, pelas informações hoje disponíveis, não pode ser assegurada — bem como não pode ser descartada. 
ibid Folha de S.Paulo

Calote é estimado em R$ 160 milhões
O empresário e coordenador da campanha de um certo candidato à Presidência da República, B, um dos responsáveis na equipe de notáveis encarregada de elaborar o plano de governo para a área energética do candidato é acusado de, na sua atividade empresarial, ter dado um calote de R$ 160 milhões na praça e de ter direcionado nos últimos anos grande volume de dinheiro para os chamados paraísos fiscais.

Ao lado do parceiro no negócios, M, que trabalha atualmente no comitê de campanha de outro candidato a um governo estadual, ele teria se valido da P S/A e de outras empresas de fachadas para fazer a operação que resultou no rombo milionário.

A P cresceu ganhando diversas licitações junto aos órgãos federais de todo o país, mas entrou em processo de falência.

Um perito contratado pelo juiz de Falência e Recuperação Judicial de determinada capital, descobriu que os sócios simplesmente sumiram com o capital e o patrimônio da empresa, deixando evidências de que a falência teria sido fraudulenta.

Em função das suspeitas levantadas, unidades de inteligências financeiras (espécies de Coafs da Europa) foram acionadas pela Justiça e conseguiram rastrear e localizar o dinheiro. Segundo a apuração dos especialistas, ele foi para as Ilhas Virgens Britânicas. Um paraíso fiscal que ganhou fama depois que se descobriu que era lá que Ricardo Sérgio de Oliveira (ex-diretor do Banco do Brasil), Verônica Serra (filha do ex-governador de São Paulo, José Serra) entre outros “Privatas do Caribe”, como esse esquema já amplamente denunciado ficou conhecido, amoitavam a dinheirama surrupiada das privatizações.

Empresário experiente, B presidiu diversas e teve importante papel no processo de privatização ocorrido durante o governo FHC.

Ele foi ainda secretário de governo de um importante estado da federação, e atualmente desempenha também o papel de cabo eleitoral, enviando cartas ao empresariado com o intuito de angariar votos para o candidato.

Helcio Zolini
Leia Mais ►

Quanto mais vê, menos enxerga — Rede Bobo


Você consegue ver?

Leia Mais ►

Crime eleitoral. E-mail de prefeitura tucana ataca PT e pede voto em Aécio

Às vésperas da eleição presidencial, um e-mail disparado pela Prefeitura de Botucatu (SP) chamou a atenção de jornalistas, vereadores e outros integrantes da lista de endereços eletrônicos da administração municipal.

O conteúdo trazia um convite para a cerimônia marcada para anunciar oficialmente a construção de uma unidade do Bom Prato, o restaurante popular do governo estadual que fornece refeições a um real à população de baixa renda. No campo destinado ao assunto, no entanto, o texto fez um ataque ao PT e pediu votos ao candidato Aécio Neves, que disputa a eleição à presidência da República pelo PSDB.

“Chegou a hora de levarmos o Aécio para o segundo turno pra tirar essa quadrilha que atende pelo nome de PT do poder #aécio45”, dizia o texto.

O e-mail foi distribuído pela Secretaria de Comunicação da prefeitura no meio da tarde de quarta-feira 1º, com logotipo e números de telefones da administração municipal. O convite chamava para a cerimônia de anúncio do Bom Prato nesta sexta-feira 3, no campus local da Unesp (Universidade Estadual Paulista), com a presença de representantes do governo Geraldo Alckmin (PSDB), como o secretário estadual de Desenvolvimento Social, Rogério Hamam, e o diretor do Bom Prato, Ceme Suaiden Júnior.

O prefeito de Botucatu, João Cury Neto, é hoje um dos principais líderes do PSDB em São Paulo e um dos mais próximos ao candidato a presidente. Tanto é que foi escolhido para coordenar a campanha de Aécio no interior do estado.

No dia 8 de agosto, Aécio fez campanha em Botucatu ao lado de Alckmin, o tucano candidato à reeleição, e de José Serra, que disputa uma vaga no Senado pelo PSDB. Eles visitaram uma clínica para tratamento de dependentes químicos e percorreram ruas centrais junto com prefeito e com o irmão dele, Fernando Cury, candidato a deputado estadual pelo PPS.

Durante a campanha, os Cury e Aécio trocaram elogios públicos. Os irmãos são de família tradicional na política regional. O jornalista Aurélio Alonso, do Jornal da Cidade de Bauru, foi um dos primeiros a perceber o problema. “O JC recebeu a mensagem às 15h52 com o logotipo da prefeitura e as mesmas letras do material que é enviado diariamente”, escreveu em matéria publicada no jornal.

Segundo informações da Câmara Municipal de Botucatu, o e-mail com o ataque chegou para todos os vereadores, no mesmo horário em que foi distribuído à imprensa. “Todo mundo viu, inclusive vereadores da situação”, diz uma funcionária que prefere não dizer o nome.

O PT promete cobrar providências. “Vamos ao Ministério Público e à Justiça Eleitoral pedir uma apuração”, informa o vereador Lelo Pagani (PT), um dos que receberam o correio eletrônico da prefeitura com o ataque aos petistas e propaganda de Aécio. “O e-mail saiu de um computador da prefeitura, isso é certeza”.

Email

Em nota oficial, a prefeitura alega ter sido vítima da ação de hackers, que teriam usado o endereço da Secretaria Municipal de Comunicação para enviar os convites acompanhados de mensagem com a propaganda política.

“Solicitamos a todos que receberam tal mensagem que desconsiderem o teor da informação porque não corresponde à verdade nem à opinião da atual administração”, disse Carlos Alberto Pessoa, secretário municipal de Comunicação. A nota afirma ainda que, por dever institucional. a prefeitura é apartidária, imparcial, democrática e “não comunga com as posições pessoais ou de segmentos”.

A prefeitura promete adotar providências para apurar como o e-mail ofensivo ao PT e com a propaganda de Aécio foi distribuído com o endereço eletrônico da Secretaria de Comunicação. Também promete aumentar a segurança de sua rede de informática.

O PT questiona a alegação de que os computadores podem ter sido invadidos por hackers. “Invasão de hacker para atacar a oposição?”, indaga o vereador Lelo.

Após a repercussão, um novo email apenas com o convite para o anúncio sobre o Bom Prato foi enviado para a lista de contatos da prefeitura.

No Poços10
Leia Mais ►

Assista o debate na Globo — vídeo completo


Leia Mais ►

Sérgio Porto # 5


Leia mais clicando aqui.
Leia Mais ►

Essa é do Barão... 63


Leia mais clicando aqui.
Leia Mais ►