11 de mar de 2014

Unasul: a areia na engrenagem do golpe

Algo de singular importância acontece na AL. O software do golpe não roda mais tão facilmente. A reunião da Unasul desta 4ª feira é parte da areia em ação.

A reunião da Unasul  desta 4ª feira, que acontece no Chile, em seguida à posse da Presidenta Bachelet, redime a força da política num momento em que os ventos da economia mundial sopram desfavoravelmente sobre a região.

Argentina, Brasil, Venezuela e outros manejam uma delicada transição cambial.

Não é uma operação contábil:  mudanças no câmbio alteram o poder de compra dos salários; definem antecipadamente  ganhadores e perdedores de um novo ciclo; estabelecem o fôlego das exportações; devolvem ou não espaço à indústria  local.

A recuperação das economias ricas, e a queda nas cotações das commodities, inverteu a dinâmica das contas externas que impulsionou o crescimento regional por uma década.

O financiamento encareceu. As receitas com exportação caíram.

Déficits em conta corrente se avolumam, dificultando atender o avanço da demanda com mais importações. Pressões inflacionárias robustecem.  Quem não tem reservas, o  Brasil é uma exceção de quase US$  400 bi, enfrenta escassez de dólares e incerteza no abastecimento.

Não por acaso, os escrutínios eleitorais apontam resultados cada vez mais apertados: a eleição de Maduro decidiu-se em casas decimais; Correa perdeu a capital, Quito, para a direita; Cristina sofre corrosão parlamentar na Argentina; o favoritismo da esquerda no 2º turno deste domingo em El Salvador deu lugar a uma vitória por diferença mínima para a Frente Farabundo Martí.

As oposições conservadoras lambem os beiços e esfregam as mãos: é a hora do abate, cogitam.

A ferocidade com que se lançam às ruas na Venezuela é  a expressão desabrida de um apetite mais geral.

A contrapelo do fatalismo mecanicista, que ignora as mediações específicas no interior das grandes transições de ciclo econômico, algo de singular importância  acontece, porém,  na América Latina.

Há uma resistência política articulada à investida conservadora.

O  software da ‘crise’  não roda mais tão facilmente na máquina regional.

A saber: à crispação golpista interna sucede-se o isolamento internacional dos governantes progressistas.

Seguem-se sanções econômicas e políticas desfechadas pelos EUA, com apoio da briosa gente do jornalismo isento.

Tudo em nome da democracia.

Contra a desordem econômica, o desgoverno, o desabastecimento e as ameaças  à família e à propriedade — como denunciariam as ‘marchas’ brasileiras de 1964, a primeira delas realizada em 19 de março, seis dias depois do histórico comício da Central do Brasil, que completa 50 anos nesta 5ª feira.

Na tradição latino-americano, o desfecho golpista invariavelmente ganharia o selo de legitimidade da OEA — braço direito do Departamento de Estado no manejo dos interesses do grande capital na região.

Desde que foi criada, em 1948, a OEA notabilizou-se por ser esse cartório complacente de reconhecimento de firma do golpismo.

Foi sua (dos EUA) a iniciativa de expulsar Cuba do organismo, na reunião de  Punta del Este, em 31 de janeiro de 1962, pelas seguintes alegadas razões: a) declaração do caráter socialista da revolução — incompatível com o sistema interamericano; b) alinhamento com o bloco comunista, quebrando a unidade e a solidariedade do continente; c) adesão ao marxismo-leninismo, incompatível  com os princípios e objetivos do sistema interamericano.

Dois anos depois, a entidade guardiã do capital e dos bons princípios daria, pelas mesmas razões, o atestado de legalidade ao golpe de Estado contra Jango.

Um ano depois de Jango, legitimaria a invasão de São Domingos por tropas majoritariamente norte-americanas, temperadas com batalhões de vários exércitos aliados, inclusive 250 soldados da agradecida ditadura brasileira, que a OEA benzeu.

A mesma boa vontade e cooperação o organismo demonstraria com o golpe sangrento contra a democracia chilena, em 1973.

Assim por diante.

Em todos esses casos e nos demais, a engrenagem azeitada não encontraria repto à altura de sua institucionalidade na região.

Não é mais assim.

O modelo emperrado tentou pegar no tranco na reunião da OEA  realizada nos EUA, no último dia 6 de março.

O alvo deste revival  era a Venezuela, de Maduro, sacudida por violenta onda de protestos, liderada pela facção de extrema direita do conservadorismo local.

A conversa da semana passada na OEA avançou noite adentro.

Mas não conseguiu aprovar uma resolução apresentada pelos EUA, Canadá e Panamá — ou seja, uma proposta do Departamento de Estado norte-americano — de envio de uma missão não solicitada pelo governo Maduro ao país.

O apoio ao intervencionismo dissimulado saiu como entrou: circunscrito a 3 votos, contra 29 vetos.

Não apenas isso.

Chanceleres de 12 Estados integrantes da União das Nações Sul-americanas (a Unasul) marcaram um encontro no Chile, nesta 4ª feira, para discutir o mesmo tema em ambiente desinfetado da crispação norte-americana contra o bolivarianismo.

O veto e a redefinição do locus deixam claro:

a) a OEA não fala mais pela América Latina;

b) o colar de governos progressista da região — ancorado no tripé Brasil-Argentina-Venezuela — detém liderança para, ao menos, desestimular o adesismo de forças regionais;

c) essa guinada, repita-se, em meio a um quadro internacional adverso no plano econômico, é uma bem-vinda novidade histórica que não deve ser subestimada.

Se além de barrar o golpismo, a Unasul dispusesse de estrutura para acelerar a construção da democracia social na América Latina, as diferenças seriam ainda mais expressivas.

Não é assim, por enquanto.

Nascida oficialmente em 23 de maio de 2008, ela reúne 12 nações, um PIB de quase US$ 8 trilhões (o dos EUA é de US$ 15  tri) e uma população de 387 milhões de pessoas, distribuídas num imenso território de 18 milhões de km2 que acomoda autossuficiência energética, alimentar, mineral, abundância de água e reservas ambientais as mais expressivas do planeta.

Além da criação de um Parlamento único, uma moeda e um banco central da comunidade, a Unasul incluía, por sugestão brasileira, a instituição de um Conselho sul-americano de Defesa.

A dimensão militar da integração foi interditada então pelo direitoso presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, mergulhado até o pescoço na aliança com a CIA e as forças militares dos EUA, na guerra contra as Farcs.

 A Unasul, como bem disse Lula na criação da entidade, em Brasília, pretendia retomar a tradição da luta pela integração econômica regional. E ir além dela.

 Abandonada por governos conservadores, a agenda que remete a Bolívar, como gostava de lembrar Chávez, cedeu lugar nos anos 90 à determinados de abrir integralmente o mercado regional ao livre comércio com o poderio norte-americano, através da ALCA.

A luta contra o subdesenvolvimento — marcado pela iníqua distribuição de renda e do patrimônio, o baixo desenvolvimento tecnológico e industrial e elevada primarização das exportações — cedeu lugar assim à panaceia desregulatória.

O saldo é conhecido e impulsionou a volta da agenda integracionista ao final dos anos 90.

Desdenhada pela lógica neoliberal, ela provou sua pertinência como alavanca de crescimento e cooperação.

Basta ver os sérios problemas que a redução das compras argentinas e venezuelanas tem causado às exportações brasileiros de manufaturados para dar a essa condicionalidade a sua real abrangência.

A economia regional já vivenciou práticas avançadas de comércio no âmbito da ALALC ( a Unasul dos anos 60).

Um Convênio de Créditos Recíprocos (CCR) assinado então entre os países da região permitia a intensificar as trocas comerciais sem o uso de divisas fortes, graças a uma caixa de compensação de créditos quadrimestral.

O mecanismo funcionou plenamente — sem casos graves de default — até meados dos anos 80.

Foi sufocado com o avanço da logica neoliberal no interior das administrações nacionais, a partir de então.

‘Estamos deixando para trás uma longa história de indiferença e isolamento recíproco. Nossa América do Sul não será mais um mero conceito geográfico, disse Lula na retomada dessa tradição, na assinatura do tratado da Unasul, há seis anos.

Recebida com previsível menosprezo pelas viúvas da ALCA, a Unasul vive paradoxalmente seu auge político em meio ao aparente estreitamento de seu fôlego econômico.

Não por acaso, às dificuldades internacionais, a região assiste à retomada da agenda do livre comércio através da nova menina dos olhos do conservadorismo local, a Aliança do Pacífico.

A Aliança do Pacífico seduz as classes dominantes por substituir a agenda incomoda da integração política pela confortável promessa de bonança através do livre comércio.

A dimensão política do desenvolvimento é um aspecto do jogo do poder compreensivelmente demonizado pelos interesses dominantes de cada época.

Pelo simples fato de que ela os inclui como parte dos entraves ao avanço de sociedades carentes de decisões que arejem estruturas concentradoras do excedente econômico.

A necessidade de integrar a economia latino-americana às grandes cadeias de suprimento global, e de incorporação de  tecnologia, não é incompatível com a determinação de construir a democracia social na região.

As condicionalidades econômicas de uma época não definem, à priori, quem será beneficiado ou penalizado pela superação de seus gargalos.

A existência da Unasul transcende o papel passivo de um ferrolho contra o golpismo.

O simples fato de ela existir — e funcionar — amplia a margem de manobra política para a América do Sul ir além de seus erros e acertos, dos erros e acertos de outras experiências de integração.

E dar uma resposta positiva à premonição de Perón, que disse um dia:

‘O século XXI nos encontrará integrados — ou destruídos’.

Saul Leblon
No Carta Maior
Leia Mais ►

Dez empresas que controlam (quase) tudo que você consome

Desde produtos de limpeza, passando pelo segmento de beleza e higiene pessoal, até alimentos para pessoas e animais: dez megacorporações fornecem quase tudo que as pessoas consomem em todo o mundo.

O gráfico “The Illusion of Choice”, divulgado pelo sítio PolicyMic, mostra que muitas das marcas mais consumidas do mundo são controladas pelas mesmas empresas.

http://images.infomoney.com.br/banners/outros/marcas_04112013.jpg
Clique na imagem para ampliar
Leia Mais ►

TSE não vê problema em reunião no Alvorada


Ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Admar Gonzaga negou o pedido de liminar feito pelo PSDB, que queria proibir a presidente Dilma Rousseff de encontrar-se com correligionários no Palácio da Alvorada; deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) classificou como "constrangedor" encontro de Dilma com o ex-presidente Lula; "Em juízo preliminar, não verifico a presença dos pressupostos autorizadores para a concessão da medida pleiteada", afirmou o ministro; caso ainda será analisado pelo plenário do TSE; em artigo, FHC chamou a foto de Dilma e Lula de "chocante" e "esdrúxula"
Leia Mais ►

Joaquim e Felipões


Parece ponto final: "Não serei candidato a presidente, realmente não quero". Mas pode ser o início de um novo capítulo do mesmo enredo.

As negativas do ministro Joaquim Barbosa, a respeito de possível candidatura à Presidência, têm tanta firmeza quanto, de repente, dubiedade: "não penso nisso ainda" é uma frase em aberto, por ele repetida em inúmeras ocasiões. A força que parece haver em "não penso nisso" está, de fato, em "ainda".

À "Época", o ministro disse que não se vê na política. "Não me vejo fazendo isso. O jogo da política é muito pesado, muito sujo." Verdadeiro no geral e definitivo no particular, não? Ou só em parte: "Acho que não seria apropriado eu, como presidente do Supremo, sair por aí fazendo negociações políticas. No dia em que sair daqui, estarei livre para fazer isso". A política está no futuro, portanto.

Mas o plano anunciado, para o imediato Joaquim Barbosa liberado do Supremo, é outro: dedicar-se a um projeto em defesa da igualdade racial. Ideia com duas vertentes, uma pública e uma particular.

Um projeto assim daria sentido, por sua utilidade, ao prestígio que o papel mais de promotor que de juiz deu a Joaquim Barbosa no chamado julgamento do mensalão. Tipos como Felipão, para quem questionar o racismo "é uma bobagem, não deveríamos nem debater isso, não adianta punir, a solução é ignorar", podem praticar sua mentalidade retardada, assim tão à vontade, porque o ambiente lhes é favorável. Ou inofensivo. Outros são os ofendidos. Resta saber com que mentalidade o próprio Joaquim Barbosa pensa o seu projeto e o efetivaria.

Na segunda vertente, um movimento contra o preconceito racial pode constituir-se em uma força política gigantesca, pela dimensão e pela influência, eleitoral e mais que isso. Para quem sente desprezo pelos partidos vigentes, um forte movimento negro não precisaria de nenhum deles para nada: pode ser e ter o seu próprio partido. Atraente onde quer que o preconceito racial tenha doído em alguém. Ou seja, no Brasil todo.

No governo Kennedy, primeiros dos anos 1960, um estudo conduzido por Robert McNamara, secretário de Defesa, concluiu que em 20 anos os negros estariam em condições de eleger um negro presidente dos Estados Unidos. Foram necessários mais 20, mas o estudo teve efeito poderoso. O governo Kennedy, tomado do temor de que em duas décadas, menos de uma geração, o poder estivesse em mãos do ressentimento negro, considerou urgente começar a ruptura dos grilhões segregacionistas mantidos pelos brancos. E rompeu muitos deles, no ensino, nos transportes, no comércio, em calçadas mesmo.

Sem falar em movimento contra o preconceito racial Joaquim Barbosa já motivara temores por aí, só pela combinação de sua demonstrada truculência e dos boatos sobre candidatura à Presidência.

Janio de Freitas
No fAlha
Leia Mais ►

Maioria oprimida


No que parece ser apenas mais um dia comum, um homem está exposto ao sexismo e violência sexual em uma sociedade governada por mulheres.

Um Filme de Eleonore Pourriat

Com Pierre Benezit, Marie-Lorna Vaconsin, Marie Favasuli, Céline Menville

Tema de Abertura: Comme un garçon, by StereoTotal

Tema Final: Pocket Harmony feat. Moïra Conrath


Legendado em PT-BR por Amanda Mariano Rozas

Leia Mais ►