3 de mar de 2014

A verdadeira situação na Ucrânia


  • O governo de Kiev anunciou mobilização geral do exército: apenas 1-1,5% dos alistados apresentaram-se.
  • Uma dúzia de prefeituras, das principais cidades — praticamente todas a sudeste da linha que vai de Cracóvia a Odessa — hastearam a bandeira tricolor da Rússia.
  • A nave-madrinha da Marinha da Ucrânia está navegando com bandeira da Rússia.
  • O recém-nomeado comandante da Marinha da Ucrânia desertou para o lado russo, na Crimeia, poucas horas depois de nomeado.
  • A maioria das unidades militares na Crimeia passaram-se voluntariamente para o lado russo, sem que um único tiro tivesse sido disparado.
  • Tropas ucranianas de Kirov receberam ordem de marchar para a Crimeia, mas recusaram-se a cumprir ordens (ilegais) do governo de Kiev.
  • Ao longo das últimas duas semanas de fevereiro, 143 mil cidadãos ucranianos pediram asilo na Rússia.

Una base aérea de Ucrania declara su lealtad a Crimea



Las fuerzas de autodefensa de Crimea se han reforzado con 49 cazas ahora que la 204.ª base aérea de Ucrania ha jurado lealtad a la república autónoma, según informó la agencia Interfax.

Un miembro del gobierno de la República Autónoma de Crimea explicó que la base, ubicada en Belbek, cerca de Sebastopol, cuenta con 45 cazas MiG-29 y cuatro aviones de entrenamiento L-39, mantenidos por más de 800 efectivos.

Añadió que solo cinco aviones son funcionales.

De esta manera, la cantidad total de militares ucranianos que apoyan al pueblo de Crimea se aproxima a las 6.000 personas, según la fuente.

La semana pasada la República Autónoma de Crimea se negó a reconocer la legitimidad del nuevo Gobierno ucraniano que se instaló como resultado de las protestas que se han venido desarrollando en parte del país durante los últimos meses.

El Consejo de Ministros de esta autonomía decidió celebrar un referéndum sobre el futuro de Crimea el 30 de marzo.

Más de 3.000 militares ucranianos le juran lealtad a Crimea


La cantidad de militares ucranianos que juraron lealtad a Crimea se ha duplicado en 24 horas sobrepasando los 3.000 reclutas, según informó este lunes la agencia de noticias Itar-Tass

"Han jurado lealtad más de 1.500 efectivos de las tropas del Ministerio del Interior y unos 1.700 efectivos del servicio estatal de guarda fronteras de Ucrania desplegados en la península", afirmó una fuente en el gobierno de la República Autónoma de Crimea.

Según el interlocutor de la agencia, la transferencia se concretó de manera totalmente pacífica.

La misma fuente añadió que se espera el pase a las tropas leales a Crimea de una considerable cantidad de jefes militares con los que se están llevando a cabo negociaciones.

El comandante de la Armada ucraniana, el contralmirante Denís Berezovski, ya ha jurado lealtad al pueblo de Crimea.

La semana pasada la República Autónoma de Crimea se negó a reconocer la legitimidad del nuevo Gobierno ucraniano que se instaló como resultado de las protestas que se han venido desarrollando en parte del país durante los últimos meses.

El Consejo de Ministros de esta autonomía decidió celebrar un referéndum sobre el futuro de Crimea el 30 de marzo.

"Kerry usa la retórica de la Guerra Fría y busca castigar a Rusia y no a los golpistas"


El jefe de la diplomacia estadounidense, John Kerry, usa la retórica de la Guerra Fría y busca un castigo para Rusia y no para los que organizaron el golpe de Estado en Ucrania, según una declaración del ministerio ruso de Asuntos Exteriores.

"EE.UU. y sus aliados han hecho la vista gorda ante las atrocidades de los combatientes de Maidán, los ataques contra los opositores políticos y civiles, la rusofobia y el antisemitismo y la profanación de la memoria de los héroes de la Gran Guerra Patria [Segunda Guerra Mundial]", subraya el texto.

La declaración señala también que las amenazas del jefe de la diplomacia estadounidense, John Kerry, son inaceptables.

Además, apunta que entre los aliados de Occidente se encuentran auténticos neonazis, que destruyen iglesias ortodoxas y sinagogas.

Moscú acusó también a las potencias europeas de estar de brazos cruzados mientras el "régimen recién nacido de Kiev" pisoteaba el pacto de la Unión Europea alcanzado el pasado 21 de febrero, en el que el depuesto presidente ucraniano Víktor Yanukóvico llegó a un acuerdo con la oposición para resolver la crisis.

"La posición de Rusia ha sido y sigue siendo coherente y abierta. Si para algunos políticos occidentales, Ucrania es únicamente un territorio para el juego geopolítico, para nosotros es un país hermano con el que compartimos una larga historia común", agrega.

No RT
Leia Mais ►

Qué es Crimea y cuál es la raíz de los disturbios



La península de Crimea siempre ha sido un cruce de culturas y un escenario de conflictos. Estos caóticos días para Ucrania cada grupo étnico de Crimea tiene su propia visión del futuro de la región.

¿Qué es Crimea? La tierra de la República Autónoma de Crimea, la pintoresca península del mar Negro, fue conquistada y colonizada en numerosas ocasiones a lo largo de los siglos. Los griegos, los escitas, el Imperio bizantino, los godos y los hunos dejaron allí sus huellas en forma lingüística, genética y toponímica. La influencia más duradera fue la de los mongoles, que se mezclaron con el pueblo turco local y formaron el Kanato de Crimea. Los pueblos indígenas de la zona empezaron a conocerse como 'tártaros de Crimea'. Después de independizarse de la Horda Dorada, la península pronto se encontró bajo el protectorado de Turquía.

¿Cuál es el papel de Rusia?

El Kanato de Crimea cobró mala fama por las incursiones que hacía en las tierras de Rusia, Polonia, Letonia y Ucrania, donde capturaban decenas de miles de personas para esclavizarlas y venderlas al Imperio otomano y en Oriente Próximo.

Cuando los zares de Rusia acumularon poder suficiente para proteger sus fronteras en el sur, aceptaron la lealtad de la Hueste de Zaporozhie, una república cosaca que también dejó una profunda huella en la formación de la Ucrania actual.

Después de una serie de victorias militares de Rusia sobre Turquía, se firmó un acuerdo en 1774 según el cual el Kanato de Crimea se convertía en aliado ruso. Poco después la zarina Catalina II anexó las tierras al Imperio ruso.

En 1853-1856 Crimea volvió a ser escenario de guerra entre Rusia y el Imperio otomano, esta vez apoyado por Francia e Inglaterra. Durante este conflicto, conocido como la Guerra de Crimea, la ciudad de Sebastopol fue asediada durante 11 meses. Aunque Rusia perdió la guerra, la resistencia de Sebastopol es un evento icónico de la historia rusa, asociado con el coraje de sus militares.

Durante la II Guerra Mundial la resistencia de Sebastopol contra la Alemania nazi le valió el título de Ciudad Heróica.

Las contradicciones étnicas

En vísperas de la llegada del siglo XX los rusos y los tártaros de Crimea eran las etnias principales de la zona en igualdad demográfica. Crimea se convirtió en el balneario de los zares y la inspiración de muchos poetas y artistas rusos.

La situación cambió drásticamente dos décadas después, con la guerra civil rusa y la hambruna de 1921-1923, donde mayoritariamente sufrió la población tártara. Durante la II Guerra Mundial una parte de los tártaros colaboraron con los nazis. Debido a ello, después de la guerra Stalin ordenó la expulsión de todo el grupo étnico a otras repúblicas. Los tártaros no pudieron volver a su natal hasta finales de los años 1980. La deportación volvió a los tártaros contra el régimen soviético. Sin embargo, de esa época muchos ciudadanos soviéticos guardaron con nostalgia un recuerdo de su balneario favorito.


¿Cómo se separó Crimea de Rusia?

En 1954 el entonces mandatario de la URSS, Nikita Jruschov, transfirió Crimea a la República Soviética Socialista de Ucrania. Este 'regalo' fue criticado mucho tras la caída de la Unión Soviética, cuando Rusia perdió la zona y con ella la ciudad de Sebastopol, que era una base naval importante de Rusia. Después de largas negociaciones, la ciudad obtuvo un estatus especial y sus instalaciones navales están oficialmente arrendadas a Rusia hasta al menos 2047.



Los referendos y las esperanzas

En 1991 en un referendo realizado entre la población de Crimea el 93,25% de los votantes se declararon a favor de formar la República Autónoma de Crimea dentro de la URSS. El 1991 fue un año de grandes cambios para el país y pronto se realizó otro referendo sobre la independencia de Rusia, que apoyó el 54%. Se prohibieron más consultas independentistas, algo que muchos vieron como un violación de sus derechos por parte de Kiev.

"¡No penséis en la economía antes de resolver la situación política de Crimea!" (Manifestaciones en Crimea, 1992)
 

La situación se complicó más con el regreso de los tártaros deportados, que empezaron a formar órganos para representar sus intereses. En términos generales las diferentes etnias de Crimea han aprendido a convivir en paz, pero  algunos políticos radicales de todas partes usan las diferencias étnicas para promover sus intereses.

¿Quién vive en Crimea?

La mayoría étnica de Crimea son los rusos, que forman el 58,3% de la población según el censo de 2001. La segunda étnica con más representantes son los ucranianos, que forman el 24%, y en el tercer lugar están los tártaros: 12%. En Sebastopol, la ciudad más grande de Crimea, el 70% de la población es rusa; el 22%, ucraniana; y casi no hay tártaros.

El 97% de la población de Crimea tiene el ruso como lengua principal. Esto significa que a Crimea le afecta mucho una de las primeras decisiones del nuevo Gobierno interino de Kiev, que canceló la ley que permitía que el ruso (y otros idiomas minoritarios) fuera oficial en las regiones multiculturales.

 

¿Qué está pasando allí ahora?

Después de que el presidente Yanukóvich fuera destituido y el Gobierno interino se instalara en Kiev, la mayoría rusa se reunió ante el Parlamento local en Simferópol para demandar su apoyo. Exigían la vuelta a la Constitución de 1992, que contemplaba la existencia de un presidente y de independencia en la política internacional de Crimea.

El miércoles 26 de febrero, el Parlamento local tenía que decidir sobre el futuro de la república. Sin embargo, los tártaros se expresaron en contra de una la sesión sobre el asunto, demostrando el apoyo al nuevo poder ucraniano. 

En las protestas ante el Parlamento dos personas murieron y unas 30 resultaron heridas. Horas después del inicio de las protestas fue anunciado el aplazamiento sin fecha de la sesión. Los ciudadanos de la región empezaron a formar milicias populares para garantizar la seguridad. En Sebastopol los ciudadanos también se reunieron para protestar contra el cambio de poder en Ucrania y se mostraron a favor de la unión con Rusia, con lo cual eligieron un nuevo alcalde de ciudadanía rusa.

¿Ahora, qué?

La población de Crimea reclama un referendo para decidir si la región mantiene su estatus actual. Por ahora, insisten en que tienen derecho a no obedecer al Gobierno interino, que muchos consideran ilegal. Por su parte, los tártaros sienten que los rusos intentan "expulsar a Crimea de Ucrania".

Los ultraderechistas de Ucrania occidental amenazaron con enviar a la región "trenes de amistad" con fuerzas para sofocar cualquier tipo de resistencia a la 'revolución'.

Para proteger al pueblo de Crimea contra los abusos y la violencia, el primer ministro de la República Autónoma, Serguéi Aksiónov, se dirigió al presidente ruso, Vladímir Putin, para solicitarle que tome medidas que conduzcan a estabilizar la situación. El sábado el Senado ruso aceptó la propuesta del presidente Putin sobre el envío de un número limitado de tropas a Ucrania, aunque la decisión se concretará dependiendo del desarrollo de la situación.

Este sábado el presidente del Parlamento de la República Autónoma de Crimea, Vladímir Konstantínov, anunció que en el referéndum del próximo 30 de marzo se planteará a los habitantes de la península si quieren que Crimea reciba el estatus de Estado, subrayando, asimismo, que las autoridades de la península operaran rigurosamente en el marco de la Constitución y de las leyes de Ucrania. Además, hizo hincapié en que el Parlamento de Crimea asume la responsabilidad política de la situación en la península "en condiciones de la profunda crisis en la que Ucrania está sumergida, en términos de ilegalidad y arbitrariedad" que se apoderaron de Kiev y algunas otras regiones del país.

Asimismo, este domingo la mayoría de los miembros de las Fuerzas Armadas de Ucrania desplegados en la península de Crimea, juraron lealtad a las autoridades de la autonomía, en una transición totalmente pacífica. El primer ministro de Crimea prometió crear su propio ministerio de Defensa y aseguró que los militares de la península se habían unido en masa a las autoridades locales después de haberles ordenado que no secundaran las órdenes de Kiev.

No RT
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 2032

Leia Mais ►

La gaffe di Papa Francesco: 'In questo cazzo...'


Leia Mais ►

Começar de novo


Se o Supremo Tribunal Federal pretende recuperar sua respeitabilidade, só há uma saída: refazer, do começo ao fim, o julgamento do chamado mensalão petista. A admissão, pelo presidente do STF, de que penas foram aumentadas artificialmente em prejuízo dos réus fez transbordar o copo de irregularidades da Ação Penal 470.

Relembrando algumas: a obrigatoriedade de foro privilegiado para acusados com direito a percorrer várias instâncias da Justiça; a adoção do princípio de que todos são culpados até prova em contrário, cerne da teoria do "domínio do fato"; o fatiamento de sentenças conforme conveniências da relatoria. E, talvez a mais espantosa das ilegalidades, a ocultação deliberada de investigações.

A jabuticaba jurídica tem nome e número: inquérito 2474, conduzido paralelamente à investigação que originou a AP 470.

Não é um documento qualquer. Por intermédio dos 78 volumes do inquérito 2474, repleto de laudos oficiais e baseado em investigações da Polícia Federal, réus poderiam rebater argumentos decisivos para sua condenação.

A negativa do acesso ao inquérito foi justificada da seguinte forma: "razões de ordem prática demonstram que a manutenção, nos presente autos, das diligências relativas à continuidade das investigações [...], em relação aos fatos não constantes da denúncia oferecida, pode gerar confusão e ser prejudicial ao regular desenvolvimento das investigações." O autor do despacho, de outubro de 2006, foi ele mesmo, Joaquim Barbosa.

Imagine a situação: o sujeito é acusado de homicídio, o julgamento do réu começa e, durante os trabalhos da corte, antes mesmo de qualquer decisão do júri, a suposta vítima aparece vivinha da silva. "Ah, mas outra investigação afirma que ele estava morto", argumenta o promotor. "Isto vai criar confusão". O julgamento continua. O vivo respira, mas nos autos está morto. E o réu, que não matou ninguém, é condenado por assassinato.

O paralelo parece absurdo, mas absurdo é o que fez o STF. A existência do inquérito 2474 tornou-se pública em 2012, em reportagem desta Folha sobre o caso de um executivo do Banco do Brasil, Cláudio de Castro Vasconcelos.

A conexão com a AP 470 era evidente, pois focava o mesmo Visanet apontado como irrigador do mensalão. O processo havia sido aberto seis anos antes, em 2006, portanto em tempo mais do que hábil para ser examinado.

Nenhum desses fatos é propriamente novidade. Eles ressurgiram em janeiro deste ano, quando o ministro Ricardo Lewandovski liberou a papelada aos advogados de Henrique Pizzolato. Estranhamente, ou convenientemente, o assunto passou quase despercebido.

É hora de acender a luz. O comportamento ao mesmo tempo espalhafatoso e indecoroso do presidente do STF tende a concentrar as atenções no desfecho da AP 470. Neste momento, por razões diversas, pode ser confortável jogar nas costas de Joaquim Barbosa o ônus, ou o bônus, do julgamento. É claro que seu papel é inapagável, mas ele tem razão ao lembrar que o fundamental foi decidido em plenário.

No final das contas, há gente condenada e presa num processo que tem tudo para ser contestado. O país continua sem saber realmente se houve e, se houve, o que foi realmente o chamado mensalão.

Conformar-se, ou não, com o veredicto da inexistência de formação de quadrilha é muito pouco diante das excentricidades jurídicas, para dizer o menos, que cercaram o julgamento e têm orientado a execução das penas.

Embora desperte curiosidade justificada, o que menos importa é o futuro de Barbosa. Quem está na berlinda é o STF como um todo: importa saber se o país possui uma instância jurídica com credibilidade para fazer valer suas decisões.

Ricardo Melo
No fAlha
Leia Mais ►

Como falar sobre Direitos Humanos?


Em texto recém publicado neste blog, fiz uma forte provocação: usando termos chulos e pesados, citando casos de estupros e espancamentos, conclamei os ativistas de direitos humanos a mudarem o discurso em um eventual debate com pessoas conservadoras ou apenas desinformadas (a quem chamei de “coxinhas”. Convenhamos, perto de defensor de bandido, “coxinha” é um termo light. Aliás, é o meu salgado preferido).

No Brasil, infelizmente, existe um falso consenso na população de que segurança pública é sinônimo de “porrada”, de tortura e de violência. Justiça então se confunde com vingança. Décadas de jornais ou programas de TV de cunho sensacionalista martelando essas falsas ideias reforçaram esses conceitos nefastos no brasileiro médio.

Este vídeo é bom para demonstrar esse falso consenso: Ratinho fala abertamente em matar bandidos e o povo vibra. Aqueles que vibraram com a ideia higienista do apresentador não eram membros nossa famigerada elite branca, mas pessoas da classe média baixa ou pobre mesmo.


Infelizmente, no Brasil, direitos humanos servem só para bandidos. É nisso que o povo acredita! Um estudo do Ministério da Justiça confirma que uma boa parte da população costuma associar DH a ladrões, assassinos, delinquentes, marginais etc. (Ver página 254, quadro 20: http://portal.mj.gov.br/sedh/biblioteca/livro_percepcoes/percepcoes.pdf).

É urgente melhorar a reputação dos DH no Brasil. Políticos de cunho conservador enxergam no discurso higienista uma ótima plataforma eleitoral, com grande capital político a ser explorado.

A Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados correu o risco de ser presidida exatamente pelo representante-mór dos reacionários, Dep. Jair Bolsonaro (PP-RJ), cujas declarações são de dar inveja a qualquer nazista, para substituir o Dep. Marco Feliciano (PSC-SP), que dispensa maiores comentários. Na Câmara dos Vereadores de São Paulo, existe a bancada da bala, composta por ex-policiais militares com longo histórico de homicídios. E o potencial político desse discurso está longe de se esgotar.

Nós, ativistas e defensores de direitos humanos, devemos sair das universidades, dos nossos círculos fechados e falar diretamente à população o que são Direitos Humanos, para que servem e por que eles deveriam valorizá-los como seus próprios direitos, e não apenas como direitos de proteção a bandidos.

O povo precisa ver na prática o que a não observância dos direitos humanos causa, perceber o quanto é nociva para todos nós, por isso, relatos como os de estupros de inocentes em cadeias, de mulheres que sofreram revista íntima quando foram visitar alguém na prisão, entre outros, são muito importantes. Além disso, precisamos falar a linguagem do povo: claramente, todos são livres para dosar ou sequer utilizar termos chocantes e chulos, mas posso garantir que essas palavras pesadas contribuem para que a mensagem seja bem compreendida pelo receptor.

Devemos criar vídeos em que os relatos de abusos sejam expostos, veiculando-os nas redes sociais e nas TVs; devemos exigir direito de resposta quando algum apresentador faça o que o Ratinho fez no vídeo acima. O mais importante é mostrar aos cidadãos que todos um dia podem ser vítimas da violência, dos abusos de um agente do Estado ou de um particular e, assim, precisar que seus “direitos humanos sejam respeitados”, como dizem por aí.

Discurso claro, compreensível e com boa dose de provocação, invertendo papeis e questionando diretamente esse falso consenso brasileiro: assim, talvez, a gente reverta a má reputação dos direitos humanos no Brasil. Assim, talvez, dê para impedir que o discurso higienista ganhe força suficiente para destruir todos os avanços trazidos pela Constituição Cidadã de 1988.

Mike Stucin, nascido na cidade de Reggio nell' Emilia, Itália, em 1987. Bacharel em Direito pelas Faculdades Integradas de Jaú (2012) e professor de língua italiana. É editor do Blog Bule Voador, da Liga Humanista Secular do Brasil.
Leia Mais ►

Por que a Rússia é um importante contraponto ao poder unilateral dos Estados Unidos

Putin quer que a Rússia volte a ser grande

Na época de reunificação da Alemanha, fato contra o qual se bateu, Margaret Thatcher deixou escapar um desabafo numa reunião de líderes mundiais: “Lá vêm os alemães.”

Pois é.

Lá vêm os russos, como o caso da Crimeia mostra claramente.

Uns gostam dos russos, outros detestam, alguns ignoram, mas o que é claro que o mundo precisa de um anteparo ao poder unilateral dos Estados Unidos.

É uma necessidade, um imperativo geopolítico.

O que se viu depois da desintegração da União Soviética foi uma única superpotência abusar da paciência do mundo.

A Guerra do Iraque — feita com premissas mentirosas e não questionadas — é o maior exemplo disso, e está longe de ser o único.

Na Era da Informação, ficou difícil para os americanos sustentar a pose de campeões da liberdade. Não existe um único caso de um país que você possa dizer que melhorou depois de uma intervenção militar americana.

No mundo menos imperfeito, você não precisaria de contraponto aos Estados Unidos, mas este mundo em que vivemos é absurdamente imperfeito.

É admissível que o horror do Iraque não tivesse ocorrido com uma Rússia forte freando a agressividade destruidora dos Estados Unidos.

Putin, aparentemente, entende que a obra de sua vida é devolver grandeza global à Rússia. Haverá nisso mais ganho que perda, embora a Rússia não seja a Madre Teresa de Calcutá.

A Rússia tem a única coisa que os Estados Unidos verdadeiramente respeitam nas relações internacionais: bombas. Muitas bombas. São armas capazes de destruir várias vezes os Estados Unidos.

O outro possível contraponto ao poder americano, a China, tem uma economia fabulosa, mas sem armas acaba tendo escasso poder intimidatório para Washington.

Devemos ler com algum cuidado o noticiário nacional e internacional sobre a Rússia e Putin, pois a tendência é demonizar ambos.

Mas uma coisa é certa: com todos os defeitos da Rússia, é melhor um mundo com ela do que um mundo sem ela — ao menos enquanto os Estados Unidos estiverem tão dispostos a fazer uso de seus armamentos.

Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

"Ucrania solo es una pieza de ajedrez de EE.UU. para poder rodear a Rusia"




La crisis ucraniana responde a intereses geoestratégicos que están por encima de la propia Ucrania, y es que EE.UU. quiere controlar las fronteras con Rusia para rodearla con una especie de Estado militarizado fronterizo, opinan los expertos.

"La cuestión aquí es que EE.UU. quiere tener el control sobre las fronteras con Rusia; además quiere tener sus bases de la OTAN alrededor de toda Europa para así poder rodear a Rusia", opina el analista internacional Alex Corrons.

Este domingo el secretario de Estado de EE.UU., John Kerry, advirtió que Moscú corría el riesgo de caer en el "aislamiento económico" y de sufrir "sanciones" internacionales si no cambia su posición acerca de Crimea, y calificó la decisión de desplegar tropas rusas en Ucrania de "acto de agresión". Además, amenazó a Rusia con excluirlo del G8, el club de las grandes potencias.

"Es posible que en el pueblo ucraniano haya cierto fervor en la necesidad de avanzar en cuestiones democráticas, pero evidentemente esto ha sido un golpe de Estado llevado a cabo por militantes de extrema derecha armados hasta los dientes entrenados por Washington. Además esta medida responde a intereses geoestratégicos que están por encima de la propia Ucrania, donde este país es simplemente una pieza más en un 'ajedrez' que está jugando Washington apoyado por la OTAN y la Unión Europea", señaló Corrons.

Según el analista internacional, lo que EE.UU. pretende es "desestabilizar al gobierno de Rusia, mientras ellos siguen liderando su proyecto globalizador y desestabilizar a los BRICS [Brasil, Rusia, India, China y Sudáfrica], que están formando un contrapoder a la hegemonía estadounidense a la que nos tienen acostumbrados".

Además, el experto señaló que a Europa no le conviene seguir los "dictados de EE.UU.", porque tiene "evidentes tratos comerciales con Rusia" y "debido a esta confrontación tendría graves dificultades para cubrir sus necesidades energéticas".

No RT
Leia Mais ►

Rusia: "La información sobre un ultimátum a militares ucranianos es un disparate"




El Ministerio ruso de Defensa tachó de "disparate" la información sobre el presunto ultimátum impuesto a Ucrania para que sus fuerzas militares en Crimea se rindan.

Asimismo, una fuente del Ministerio de Defensa ruso explicó a RT que no tienen conocimiento alguno sobre dicho ultimátum.

La fuente reveló que únicamente habían oído hablar del mismo a través de la agencia de noticias rusa Interfax.

"Estamos interesados en mantener relaciones amistosas con el pueblo de Ucrania y preservar la estabilidad", subrayó.

"Los medios no pueden enfrentar a los marineros de Rusia y Ucrania, la información sobre el ultimátum es absurda", afirmó el mando general de la Flota rusa del Mar Negro.

Este lunes, una fuente del Ministerio de Defensa ucraniano dijo que la Flota del Mar Negro de Rusia informó a las fuerzas ucranianas en la región de Crimea de que deberán rendirse a las 5:00, hora local, del martes. De lo contrario, agregó, deberían afrontar una ofensiva militar.

No RT
Leia Mais ►

O PT e o plebiscito popular da Constituinte


O PT tem participado da campanha do plebiscito pela constituinte do sistema político desde o seu lançamento e reafirmou este apoio na abertura do V Congresso, em dezembro.

O período de votação do plebiscito popular será entre os dias 1º e 7 de setembro com seguinte pergunta à população: “Você é a favor de uma constituinte exclusiva e soberana sobre o sistema político?”. A meta da campanha é ultrapassar a marca de 10 milhões de votos em todo o Brasil, também alcançada pelo Plebiscito contra a Alca em 2002.

Desde setembro, a campanha se organizou em 21 comitês estaduais, 45 comitês regionais e municipais e tem realizado cursos de formadores em todo o país. No último dia 15 de fevereiro, em Brasilia, também foi realizada a 2ª Plenária nacional do plebiscito popular pela Constituinte Exclusiva e Soberana do sistema político.

O principal objetivo da plenária era iniciar uma segunda fase de mobilização da campanha, no sentido de ampliar e interiorizar o plebiscito nos estados e municípios, bem como impulsionar a criação de comitês locais nas escolas, diretórios de partidos, sindicatos, associações de bairros, igrejas e na comunidade de um modo geral.

Uma das iniciativas da campanha ao longo do semestre será a realização dos “cursos dos mil”, dirigidos à formação massiva de multiplicadores da campanha nos estados. Foi também distribuída às entidades e comitês presentes a segunda edição da cartilha do plebiscito. As versões eletrônicas e em formato aberto para a impressão, também estão disponíveis no site www.plebiscitoconstituinte.org.br

A plenária cumpriu um papel importante de mobilização para a campanha. O desafio é ampliar a unidade dos movimentos sociais e partidos de esquerda e fazer chegar a campanha aos setores populares, à juventude, às mulheres, aos negros/as, aos indígenas e aos setores organizados e não organizados da classe trabalhadora.

A defesa de uma constituinte exclusiva e soberana do sistema político foi retomada no Partido dos Trabalhadores desde o 3º Congresso do partido, em 2007, e constava como um dos pontos defendidos no abaixo assinado do partido pela Reforma Política. O PT partia da constatação de que depois de frustradas tentativas do nosso governo e bancada, uma reforma política popular não viria por iniciativa do Congresso – cujos membros são beneficiados em sua maioria pelo atual sistema político.

De igual modo, nos idos de junho de 2013, a presidenta Dilma também apresentou a proposta da Constituinte como um dos pactos nacionais firmados em diálogo com as manifestações daquele período.

No atual contexto de mobilizações, devemos priorizar as lutas por reformas estruturais representadas pelo plebiscito da constituinte, pela coleta de assinaturas da lei da mídia democrática, pela jornada de 40 horas, pelas reforma agrária e urbana, entre outras pautas da classe trabalhadora.

A partir dessas pautas comuns e da unidade do campo democrático e popular, devemos antecipar desde já a nossa mobilização, para que consigamos incidir nas manifestações em curso a partir das reivindicações dos trabalhadores e não da oposição de direita, dos setores violentos ou do esquerdismo que em vários momentos têm reduzido o horizonte das lutas sociais à questão da Copa.

Reorientar a ação dos partidos de esquerda e dos movimentos populares para uma ofensiva política nos próximos meses é condição indispensável para que a Constituinte também se torne uma pauta concreta para aqueles milhares de jovens que foram as ruas dizendo que a política tradicional “não nos representa”.

É importante que cada companheira e companheiro nosso se engaje ativamente no plebiscito, participando das reuniões e plenárias dos comitês estaduais, criando os comitês locais em todos os espaços em que atuamos e aproveitando o plebiscito como um instrumento pedagógico de conscientização, formação política e mobilização da população.

Por fim, a próxima plenária nacional foi convocada para o dia 17 de maio, em São Paulo. É importante que desde já nos organizemos para participar. Até lá é importante pautar o plebiscito nas mobilizações do 8 de março, na jornada de lutas da juventude, no abril vermelho, na mobilização das centrais do dia 9 de abril, nos atos em razão dos 50 anos do golpe militar e nas demais mobilizações do período.

Sem prejuízo a outras ações partidárias, é fundamental que o PT promova atividades e iniciativas que fortaleçam o plebiscito popular, como:

a - Incluir na carta compromisso das candidaturas do PT que nossos candidatos em 2014 assumam entre seus compromissos de campanha o apoio ao plebiscito em setembro, inclusive abrigando nos comitês de campanha os comitês populares do plebiscito;

b - Orientar que toda instância partidária indique pelo menos um dirigente diretamente responsável por acompanhar a campanha, incluindo organizar a participação ativa dos dirigentes e militantes do PT nas plenárias, nas atividades de rua, nos cursos de formação e a criação de comitês populares nos diretórios locais;

c - Contribuir com a edição das cartilhas, cartazes e folders da campanha, em quantidade suficiente para distribuir a todos os diretórios partidários;

d - Elaboração de um boletim do PT sobre o plebiscito de ampla circulação, em formato eletrônico e impresso e que reúna trechos das resoluções partidárias, textos dos dirigentes e informações a respeito da campanha;

e - Mobilização nas redes sociais: gravação de vídeos, twitaços, “memes” sobre o plebiscito, entre outras ações.

Bruno Elias, Secretário Nacional de Movimentos Populares do PT
No Blog do Júlio Garcia
Leia Mais ►

O pensamento vivo de Marina Silva


No SQN
Leia Mais ►

Cerveja: o transgênico que você bebe


Vamos falar sobre cerveja. Vamos falar sobre o Brasil, que é o 3º maior produtor de cerveja do mundo, com 86,7 bilhões de litros vendidos ao ano e que transformou um simples ato de consumo num ritual presente nos corações e mentes de quem quer deixar os problemas de lado ou, simplesmente, socializar.

Não se sabe muito bem onde a cerveja surgiu, mas sua cultura remete a povos antigos. Até mesmo Platão já criou uma máxima, enquanto degustava uma cerveja nos arredores do Partenon quando disse: “era um homem sábio aquele que inventou a cerveja”.

E o que mudou de lá pra cá? Jesus Cristo, grandes navegações, revolução industrial, segunda guerra mundial, expansão do capitalismo… Muita coisa aconteceu e as mudanças foram vistas em todo lugar, inclusive dentro do copo. Hoje a cerveja é muito diferente daquela imaginada pelo duque Guilherme VI, que em 1516, antecipando uma calamidade pública, decretou na Bavieira que cerveja era somente, e tão somente, água, malte e lúpulo.

Acontece que em 2012, pesquisadores brasileiros ganharam o mundo com a publicação de um artigo científico no Journal of Food Composition and Analysis, indicando que as cervejas mais vendidas por aqui, ao invés de malte de cevada, são feitas de milho.

Antarctica, Bohemia, Brahma, Itaipava, Kaiser, Skol e todas aquelas em que consta como ingrediente “cereais não maltados”, não são tão puras como as da Baviera, mas estão de acordo com a legislação brasileira, que permite a substituição de até 45% do malte de cevada por outra fonte de carboidratos mais barata.

Agora pense na quantidade de cerveja que você já tomou e na quantidade de milho que ela continha, principalmente a partir de 16 de maio de 2007.

Foi nessa data que a CNTBio inaugurou a liberação da comercialização do milho transgênico no Brasil. Hoje já temos 18 espécies desses milhos mutantes produzidos por MonsantoSyngentaBasfBayerDow AgrosciencesDupont, cujo faturamento somado é maior que o PIB de países como Chile, Portugal e Irlanda.

Tudo bem, mas e daí?

E daí que ainda não há estudos que assegurem que esse milho criado em laboratório seja saudável para o consumo humano e para o equilíbrio do meio ambiente. Aliás, no ano passado um grupo de cientistas independentes liderados pelo professor de biologia molecular da Universidade de Caen, Gilles-Éric Séralini, balançou os lobistas dessas multinacionais com o teste do milho transgênico NK603 em ratos: se fossem alimentados com esse milho em um período maior que três meses, tumores cancerígenos horrendos surgiam rapidamente nas pobres cobaias. O pior é que o poder dessas multinacionais é tão grande, que o estudo foi desclassificado pela editora da revista por pressões de um novo diretor editorial, que tinha a Monsanto como seu empregador anterior.

Além disso, há um movimento mundial contra os transgênicos e o Brasil é um de seus maiores alvos. Não é para menos, nós somos o segundo maior produtor de transgênicos do mundo, mais da metade do território brasileiro destinado à agricultura é ocupada por essa controversa tecnologia. Na safra de 2013 do total de milho produzido no país, 89,9% era transgênico. (Todos esses dados são divulgados pelas próprias empresas para mostrar como o seu negócio está crescendo)

Enquanto isso as cervejarias vão “adequando seu produto ao paladar do brasileiro” pedindo para bebermos a cerveja somente quando um desenho impresso na latinha estiver colorido, disfarçando a baixa qualidade que, segundo elas, nós exigimos. O que seria isso se não adaptar o nosso paladar à presença crescente do milho?

Da próxima vez que você tomar uma cervejinha e passar o dia seguinte reinando no banheiro, já tem mais uma justificativa: “foi o milho”.

Dá um frio na barriga, não? Pois então tente questionar a Ambev, quem sabe eles não estão usando os 10,1% de milho não transgênico? O atendimento do SAC pode ser mais atencioso do que a informação do rótulo, que se resume a dizer: “ingredientes: água, cereais não maltados, lúpulo e antioxidante INS 316.”

Vai uma, bem gelada?"

Flavio Siqueira Júnior e Ana Paula Bortoletto
No Brasil! Brasil!
Leia Mais ►

A matrioska de Putin e os neo-nazistas da Ucrania...

Leia Mais ►