1 de mar de 2014

As lujosas propiedades de los 'líderes del Euromaidán'


Luego de que el presidente de Ucrania, Víktor Yanukóvich, fuese depuesto, la atención se centró en sus propiedades, resaltando la ostentosidad de las mismas. Sin embargo, algunos señalan que los líderes opositores no se quedan atrás en excentricidad.

El periodista Oleg Lurie se preguntó en su blog por qué la atención del público se centra ahora en los bienes raíces de Yanukóvich y del exfiscal general Víktor Pshonka (en cuya casa, entre acabados en oro y otros lujos se encontraron incluso reliquias de santos), pero no se tienen en cuenta los bienes raíces de los "líderes del Euromaidán".

Según el periodista ruso, nacido en la ciudad ucraniana de Járkov, estos últimos también merecen amplia cobertura y que las visite el público en excursiones como las que organizó la oposición.

Lurie publicó una selección de fotos de las casas de lujo de Yulia Timoshenko, Arseni Yatseniuk y Vitali Klichkó compiladas de diversas publicaciones ucranianas.

Según Lurie, la situación económica de la gran familia de Yulia Timoshenko no es tan mala como quieren hacer ver los partidarios de la 'revolución del Maidán'. En 2008, Tatiana Sharápova, hermana de Timoshenko, se mudó a vivir a una mansión ubicada en el centro de la ciudad Dniepropetrovsk.

El palacete se encuentra junto a la legendaria estructura conocida en la ciudad como 'casa Timoshenko'. Esta mansión fue construida a mediados de la década de 1990, en pleno apogeo de las actividades comerciales de la compañía de energía Sistemas Energéticos Unidos de Ucrania, dirigida entonces por Timoshenko.

Sin embargo se dice que ella no alcanzó a vivir plenamente allí, ya que luego de ser elegida como diputada nacional en 1996 pasaba la mayor parte del tiempo en Kiev. "Según testigos presenciales, el interior de la casa cuenta con un ascensor, y las paredes están decoradas con tapices de una belleza inusual".

El periodista asegura que, asimismo, la madre y una tía de Timoshenko viven en una de estas mansiones, unidas por un jardín interior, y que recientemente fue construida una tercera casona en medio de las dos, también llena de lujos.

La residencia de la propia Yulia Timoshenko está situada a orillas del embalse de Koncha Zaspa, próximo a Kiev, en una exclusiva localidad. El lugar cuenta con un embarcadero y tiene su propia playa.

El probable futuro primer ministro de Ucrania, Arseni Yatseniuk, tiene una propiedad de dos pisos en la aldea de Petrivtsi. Junto a la residencia principal hay una casita para los guardias de seguridad, una piscina y un amplio jardín.


En cuanto a las propiedades del líder del partido UDAR, Vitali Klichkó, se sabe que oficialmente vive en el centro de Kiev, en un antiguo edificio de seis plantas en estilo clásico construido en 1901. En el primer piso se conservan tallas decorativas y molduras inspiradas en la época imperial. El apartamento cuenta con tres niveles, seis habitaciones y cuatro cuartos de baño con una superficie total de 225 metros cuadrados. 

Lurie señala que en la declaración de renta de Klichkó solo figura este apartamento, pero en realidad las propiedades inmobiliarias del 'Dr. Puño de Hierro' no terminan allí. La residencia principal de Klichkó, de acuerdo con Lurie, se encuentra en Alemania, concretamente en Othmarschen, una de las zonas más prestigiosas de Hamburgo. Esta finca es más que digna, incluso en comparación con las casas de los burgueses locales, dijo el periodista. 

La residencia de Timoshenko:
Ver imagen en Twitter

Mansión de Klitchkó en Alemania:
Ver imagen en Twitter

El apartamento de Klitchkó en Kiev:
Ver imagen en Twitter

No RT
Leia Mais ►

Embajador de Rusia ante la ONU: La comunidad internacional debe influir en los radicales de Ucrania


En la sesión abierta del Consejo de a Seguridad de la ONU, el representante permanente de Rusia, Vitali Churkin, ha hecho un llamamiento a la comunidad internacional para que influya en los radicales de Ucrania.

"Hay que mantener la cabeza fría, hay que devolver la situación a la vía política y a los marcos constitucionales. Hay que regresar al acuerdo de 21 de febrero y a la creación de un Gobierno de unidad nacional. También hay que renunciar a los intentos de hablar con los oponentes usando el lenguaje de la fuerza" , dijo Churkin.

Según él, es imprescindible "apretar las clavijas" a los radicales que operan en el país y "aconsejar a la oposición ucraniana y a aquellos que aparecieron en Kiev distanciarse de los radicales, y no permitirles comandar en el territorio de Ucrania"m ya que -dijo- “tales acciones pueden conducir a un desarrollo muy grave de los acontecimientos", advirtió Churkin. "Esto es los que trata de prevenir Rusia", añadió.

Según el acuerdo firmado el 21 de febrero entre el presidente de Ucrania, Víktor Yanukóvich , y los líderes de la oposición, Ucrania debía recuperar la Constitución de 2004, de tal forma que hasta septiembre 2014 tenía que ser aprobada la reforma constitucional, que busca equilibrar los poderes del presidente, el Gobierno y el parlamento. Las elecciones presidenciales, según el acuerdo, debían celebrarse inmediatamente después de la adopción de la nueva Constitución de Ucrania, pero no más tarde de diciembre de 2014. También debía ser aprobada una nueva legislación electoral. Daniel Utrilla

"El Gobierno de Kiev es ilegítimo y está compuesto por simpatizantes nazis"

El Gobierno de Kiev es ilegítimo y está compuesto por simpatizantes nazis, según el doctor en historia contemporánea Higinio Polo, que ha valorado los acontecimientos en Ucrania.



"El Gobierno de Kiev es ilegítimo, es un Gobierno compuesto de ultranacionalistas, miembros de la extrema derecha, e incluso de simpatizantes nazis que están enviando grupos de matones armados por diferentes territorios de Ucrania en su intento de apoderarse de la mayor parte del país y, a partir de ahí, impulsar un determinado programa", asegura Polo.

El historiador enfatiza que no hay que olvidar las visitas al Maidán de "ministros, senadores y responsables de la Unión Europea y norteamericanos" que, según apunta, tuvieron un decisivo papel en la evolución de los acontecimientos.

"Hay que recordar también que la financiación de estos miembros de la oposición que se han apoderado del Gobierno en Kiev les llegó desde distintos países occidentales", subraya el experto.

No RT
Leia Mais ►

Helicópteros de combate russos cruzaram a fronteira da Ucrânia

Leia Mais ►

Putin está pronto para invadir Ucrânia; tropas tomam a Crimeia


Tropas russas aparentemente já tomaram a península da Crimeia, rejeitando apelos ocidentais para contenção; primeiro-ministro da Ucrânia, Arseniy Yatseniuk, disse que uma intervenção militar russa levaria à guerra e ao fim de qualquer relação com Moscou; ele pediu uma solução política; o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, disse que "não há desculpa" para intervenção

O presidente russo, Vladimir Putin, pediu e conseguiu neste sábado a aprovação de seu Parlamento para invadir a Ucrânia, onde as suas tropas aparentemente já tomaram a península da Crimeia, rejeitando apelos ocidentais para contenção.

Conversas sobre confronto ou guerra total se espalharam rapidamente por toda a Ucrânia, com manifestantes pró-Moscou levantando a bandeira da Rússia em prédios do governo em várias cidades e políticos antirussos pedindo mobilização.

O primeiro-ministro da Ucrânia, Arseniy Yatseniuk, disse que uma intervenção militar russa levaria à guerra e ao fim de qualquer relação com Moscou. Ele pediu uma solução política.

A afirmação aberta de Putin sobre o direito de enviar tropas para um país de 46 milhões de habitantes na Europa Central criou o maior impasse entre a Rússia e o Ocidente desde a Guerra Fria.

A medida também rejeita o apelo de líderes ocidentais por uma não intervenção russa, incluindo o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que na véspera pronunciou um discurso transmitido pela televisão para avisar Moscou das consequências de uma eventual ação.

Tropas sem identificação, mas claramente russas — algumas em veículos com placas registradas na Rússia — já tomaram a Crimeia, uma península isolada no Mar Negro onde Moscou tem uma base militar. As novas autoridades de Kiev não têm sido capazes de intervir na região.

O Ocidente pediu uma resposta, mas até agora isso tem sido limitado a palavras de raiva de Washington e seus aliados europeus. Uma autoridade dos EUA disse que o secretário de Defesa norte-americano, Chuck Hagel, conversou com o seu homólogo russo, Sergei Shoigu. O funcionário disse que não houve mudança de postura militar dos EUA.

A chefe de Relações Exteriores da União Europeia, Catherine Ashton, afirmou que a aprovação russa para o uso da força na Ucrânia representava uma escalada injustificada e exortou Moscou a não enviar tropas ao país vizinho.

Da Suécia, o chanceler Carl Bildt disse que a ação russa era "claramente contra a lei internacional". O presidente tcheco, Milos Zeman, lembrou a invasão soviética da Tchecoslováquia em 1968.

"Necessidade urgente de alívio (da tensão) na Crimeia", pediu o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Anders Fogh Rasmussen, em mensagem no Twitter. "Os aliados da Otan continuam acompanhando de perto."

A Grã-Bretanha convocou uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas para este sábado com o objetivo de discutir os acontecimentos na Ucrânia.

Putin pediu ao Parlamento para aprovar o uso da força "em conexão com a situação extraordinária na Ucrânia, a ameaça à vida dos cidadãos da Federação Russa, os nossos compatriotas" e para proteger a Frota do Mar Negro na Crimeia.

A Câmara Alta rapidamente aprovou o pedido de forma unânime em uma votação que foi transmitida pela TV.

A autorização durará "até a normalização da situação sociopolítica no país", disse Putin em seu pedido. Sua justificativa — a necessidade de proteger os cidadãos russos — era a mesma que ele usou para lançar uma invasão da Geórgia, onde as forças russas tomaram duas regiões separatistas e as reconheceram como independentes em 2008.

Até agora não houve nenhum sinal de ação militar russa na Ucrânia para além da Crimeia, a única parte do país com uma maioria étnica russa, que em muitas vezes expressou intenções separatistas.

Enquanto a tensão aumentava neste sábado, manifestações se tornaram violentas em cidades do leste, onde a maioria das pessoas, embora etnicamente ucraniana, fala russo, e muitas apoiam Moscou e o presidente deposto Viktor Yanukovich.

"A guerra chegou"

Apesar de não haver dúvidas de que as tropas não identificadas que já tomaram a Crimeia sejam russas, o Kremlin ainda não confirmou abertamente. Um porta-voz do governo russo disse que Putin ainda não tinha decidido sobre a intervenção e que ainda esperava evitar uma nova escalada.

O ritmo acelerado dos acontecimentos abalou os novos líderes da Ucrânia, que tomaram o poder em um país à beira da falência quando Yanukovich fugiu de Kiev na semana passada depois de a polícia matar dezenas de manifestantes da oposição na capital do país.

A crise na Ucrânia começou em novembro do ano passado, quando Yanukovich, sob pressão de Moscou, desistiu de assinar um pacto de livre comércio com a UE para estreitar os laços com a Rússia.

Após o anúncio do pedido de Putin para intervir, o presidente interino da Ucrânia, Oleksander Turchynov, convocou uma reunião de seus chefes de segurança. Vitaly Klitschko, outro líder da oposição, pediu uma mobilização geral.

Na Praça da Independência de Kiev, onde os manifestantes acamparam durante meses em protesto contra Yanukovich, um filme de Segunda Guerra Mundial sobre a Crimeia era exibido em uma tela gigante. O ex-ministro do Interior Yuri Lutsenko interrompeu para anunciar: "A guerra chegou."

Na Crimeia em si, a chegada das tropas foi aplaudida pela maioria russa. Na cidade costeira de Balaclava, as famílias posaram para fotos com os soldados.

"Eu quero viver com a Rússia. Eu quero me juntar à Rússia", disse Alla Batura, de 71 anos, que viveu em Sebastopol por 50 anos. "Eles são bons... estão nos protegendo, assim nos sentimos seguros."

Grã-Bretanha diz que "não há desculpa" para intervenção militar na Ucrânia

A Grã-Bretanha pediu à Rússia neste sábado que contribua para o alívio da situação na Ucrânia, depois que o presidente russo, Vladimir Putin, recebeu a aprovação do Parlamento para invadir o território do país vizinho.

"Não há nenhuma desculpa para intervenção militar estrangeira na Ucrânia - um ponto que citei ao presidente Putin quando conversamos ontem (sexta-feira)", disse o primeiro-ministro britânico, David Cameron.

"Todos devem pensar cuidadosamente sobre as suas ações e trabalhar para diminuir, não aumentar a tensão. O mundo está assistindo."

A Grã-Bretanha convocou uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas para este sábado com o objetivo de discutir os acontecimentos na Ucrânia.

O ministro das Relações Exteriores britânico, William Hague, descreveu a ação russa como uma "ameaça potencialmente grave" à soberania, independência e integridade territorial da Ucrânia que viola um pacto assinado em 1994 por Rússia, Estados Unidos, Grã-Bretanha e Ucrânia.

"Condenamos qualquer ato de agressão contra a Ucrânia", disse ele.

Hague, que deve ir a Kiev no domingo, disse que a Grã-Bretanha apoiou o pedido do governo ucraniano para consultas urgentes, de acordo com o Memorando de Budapeste de 1994.

O memorando prevê garantias de soberania e integridade da Ucrânia em troca de um compromisso ucraniano de desistir de suas armas nucleares da era soviética.

O acordo obriga os países signatários a se abster de usar qualquer força que ameace a integridade territorial da Ucrânia ou a independência política, nunca usar armas contra a Ucrânia, exceto em legítima defesa, e promover consultas se surgir algum evento que desafie esses compromissos.
Leia Mais ►

A lenda dos dois ministros


Quem critica escolha de dois ministros que ajudaram a derrubar crime de quadrilha deveria lembrar como foi escolha de Joaquim Barbosa

Em tom de acusação mal disfarçada, comentaristas de veículos conservadores tem divulgado a versão, lançada por Joaquim Barbosa após a derrota no julgamento dos embargos sobre formação de quadrilha, de que a mudança deve ser atribuída a dois ministros indicados por Dilma Rousseff para o STF, Luiz Roberto Barroso e Teori Zavaski.

Eu acho inacreditável que se possa sugerir que Barroso e Zavaski entraram no julgamento como votos de cabresto.

Nessa visão, o julgamento da AP 470 foi tão imaculado, tão patriótico, que qualquer dissidência só se explica por motivos baixos.

O fundo desse raciocínio é esconder a decepção profunda de quem esperava que o debate sobre embargos fosse uma simulação, um joguinho de aparências para livrar a cara do STF depois que vários aspectos condenáveis do julgamento — como a ausência de um segundo grau de jurisdição — começaram a causar constrangimento entre juristas respeitados, dentro e fora do país.

Por fim, vamos começar lembrando o seguinte. Qualquer que seja sua opinião sobre a qualidade dos dois novos ministros, sua isenção, sua competência, será difícil negar que, em qualquer caso, a escolha dos dois obedeceu a critérios mais adequados e consistentes, do ponto de vista da Justiça e do Direito, do que os métodos empregos em 2003, quando Luiz Inácio Lula da Silva escolheu Joaquim Barbosa para integrar o STF. Por exemplo.

Tanto para indicar Zavaski como para apontar Barroso a presidente deixou de lado questionáveis critérios extrajurídicos que tiveram peso na escolha de Joaquim. Lula deixou claro, em 2003, que pretendia quebrar um parâmetro no STF e decidiu escolher um jurista negro para ocupar uma das vagas em aberto. A partir daí, em várias consultas, o ministro da Justiça Marcio Thomaz Bastos começou conversar com possíveis candidatos. Fez duas entrevistas, gostou dos nomes, mas os dois candidatos possuíam impedimentos maiores. O governo até pensou em desistir por um momento mas já era tarde.

A notícia de que Lula pretendia indicar um negro para o STF fora divulgada pela coluna de Monica Bergamo, na Folha, colocando os movimentos de luta contra o racismo de pé, cobrando a nomeação. Foi assim que surgiu o nome de Joaquim Barbosa, que havia se apresentado a um velho amigo de Lula, Frei Betto, numa sala de espera da Varig. A candidatura teve um apoio social importante, muito além de lideranças do movimento negro. Então um sindicalista de prestígio no governo Lula, o próprio Henrique Pizzolato — hoje preso na Itália — foi acionado para ajudar na escolha de Joaquim e defendeu seu nome junto a Gilberto Carvalho.

Cabe fazer outras considerações em torno das insinuações baixas sobre Barroso e Barbosa.

Seria uma observação razoável se Luiz Fux, o ministro que comparou o PT ao bando de Lampião, não tivesse sido nomeado, ele também, por Dilma.

Sublinhando dois votos novos, como se fossem inaceitávais, sem fundamemento jurídico, estamos falando de uma contabilidade conveniente, onde números aparecem quando interessa e desaparecem quando convém.

Com ela, pretende-se esconder vários fatos jurídicos e políticos relevantes.

O primeiro é a fragilidade da denúncia sobre o crime de quadrilha do ponto de vista de vários juristas respeitáveis.

Eles consideram difícil imaginar que José Dirceu, José Genoíno, Delúbio Soares e tantos outros condenados tenham se associado para cometer crimes — e não para fazer política.

Você pode até afirmar que cometeram atos ilícitos. Pode apontar desvios.

Mas para acreditar que trocaram a luta política para se transformar numa espécie de criminosos de colarinho branco é preciso encontra provas e fatos mais consistentes do que a teoria do domínio do fato.

Uma quadrilha é formada por pessoas que cometem crimes com a finalidade de cometer mais crimes.

Não se iludam.

Se a denúncia de formação de quadrilha fosse mais do que a literatura agressiva, bem arquitetada mas oca que se ouve no STF desde 2006, o placar teria sido outro. É isso que se quer esconder no debate para fingir que tudo pode ser resumido a uma troca de favores.

Um dado essencial na decisão é a perda de autoridade de Joaquim Barbosa entre colegas. Acompanhada de um comportamento interno, autoritário, parcial e grosseiro, a movimentação política-eleitoral de Joaquim diminui sua credibilidade como presidente do STF.

Vários ministros se perguntam o que ele faz por convicção jurídica, o que faz por interesse político. E muitos se perguntam o que fará com eles próprios — diante das câmaras de TV — caso sintam necessidade de divergir do presidente.

O que se viu no debate sobre formação de quadrilha é que o plenário começou a reagir a Joaquim.

Quando ficou claro que o presidente pretendia encerrar a sessão de qualquer maneira, na quarta-feira, o que deixaria Barroso solitário em seu voto contra o crime de quadrilha, ocorreu uma cena outrora impensável. Joaquim foi interrompido por Carmen Lúcia, que pediu que os demais ministros antecipassem seus votos, mostrando quem é que estava em minoria.

O dia terminou em 4 a 1 contra Joaquim, impedindo que se repetisse, desta vez, o circo dos meios de comunicação para socorrer o presidente do STF, como se fez contra Celso de Mello no debate sobre os embargos.

O discurso de Joaquim, após a derrota, foi ouvido em silêncio por um plenário que já não lhe dá muita atenção. Foi um pronunciamento agressivo, impróprio e inócuo. Ofendeu Dilma. O presidente do tribunal disse que fazia um alerta a Nação, o que é absolutamente inapropriado para um juiz e sempre serve como advertência quando colocada na boca de um candidato.

Falar à Nação? Ame-o Ou Deixe-o? Salvador da Pátria?

Isso é coisa para um juiz?

A tentativa de denunciar — o que é verdade — que os ricos tem tratamento preferencial na Justiça enquanto pobres são condenados com muito mais frequência ficou prejudicada pelo currículo de seus companheiros de voto. Você pode gostar ou não de quem se aliou a Joaquim. Pode reconhecer méritos e conhecimentos jurídicos em sua história. Ou pode identificar, ali, casos de desprezível oportunismo. Mas foi com essas pessoas que ele tentou impedir, de qualquer maneira, que o STF corrigisse um erro de oito anos.

Um dos ministros absolveu Fernando Collor. Outro deu habeas corpus para o banqueiro Salvatore Cacciola. Um terceiro abriu a porta da prisão, duas vezes, para o banqueiro Daniel Dantas. O quarto foi atrás de ricos, pobres e até acusados da Ação Penal 470 para conseguir apoio para vestir a toga do STF.

O terceiro fato relevante da decisão envolve, sim, os dois novos juízes. Luiz Roberto Barroso e Teori Zavaski demonstraram, no julgamento, uma cultura jurídica consistente, de quem tem argumentos próprios para tomar decisões e não se deixa intimidar. Se a experiência ensina que até os melhores juízes são miseravelmente humanos, e nenhum deles está inteiramente vacinado contra pressões e valores de sua época, os dois demonstraram ali, quando era previsível que receberiam as críticas feitas agora, que seu conhecimento e suas convicções teriam mais importância na tomada de decisões do que outros fatores.

Assumiram posturas coerentes com aquilo que sempre disseram em outras ocasiões. Sempre foram elogiados por seus argumentos. O simples fato de votarem contra um capítulo do “maior julgamento da história” deve colocá-los sob suspeita?

Com o aposentadoria antecipada de Joaquim Barbosa, que confirmou a saída em breve até para Dilma Rousseff, o STF entrará em nova fase. Novo presidente, Ricardo Lewandovski sai da AP 470 maior do que entrou. Mostrou personalidade para manter suas convicções ainda que o comportamento intolerante de Joaquim em plenário tenha servido de estímulo a reações selvagens quando andava na rua.

Também teve capacidade para apontar pontos fracos em vários momentos do julgamento.

Lewandovski se manifestou a favor do desmembramento, em agosto de 2012, abrindo um debate necessário que se prolonga até hoje, quando o STF terá de julgar a renúncia de Eduardo Azeredo.

Lewandovski ainda registrou o agravamento artificial das penas pelo crime de quadrilha, num levantamento que seria empregado por Barroso e Zavaski na quinta-feira.

Se, em setembro passado, foi Celso de Mello quem deu o voto decisivo que permitiu aos réus apresentarem seus embargos infringentes, única chance de uma revisão do julgamento, limitada e especialíssima, Lewandovski ajudou a cimentar a base de ministros que formou a maioria daquela vez.

Embora tenha sido derrotado na maioria das votações da ação penal 470, assumiu a postura respeitosa que se revelou vitoriosa no fim. Podia perder no voto mas ganhava na atitude.

Como revisor, ele foi tratado como um inimigo — sim, inimigo — pelo relator e depois presidente da corte, que poucas vezes agiu com a isenção que se espera de um juiz. Quase sempre em minoria, Lewandovski foi um dos arquitetos do ambiente de tolerância e abertura à divergência, que levou a derrota do crime de quadrilha e permite aguardar por um debate maduro sobre os embargos que envolvem o crime de lavagem de dinheiro.

Leia Mais ►

Barbosa deu o sinal. E o coxismo golpista se solta no SBT, sob o silêncio do Ministério Público


Um cidadão chamado Paulo Martins, que tem todo o direito pessoal de ser adepto da ultra-direita, está usando desavergonhadamente um canal de TV, concedido pela União, para fazer propaganda golpista e para desmoralizar o Judiciário.

E o mote de suas falas vergonhosas é, como já se esperava (e ficará pior, com os desdobramentos políticos que, escrevam, virão logo), o senhor Joaquim Barbosa.

Diz que o PT “aparelhou” o Supremo Tribunal Federal.

Fala que Joaquim Barbosa está certo “quando diz que eles (o STF dominado pelo petismo) não vão parar” .

- A Corte, cada vez mais dominada pelo PT, tende a interpretar a lei de acordo com os interesses dos “bolcheviques do ABC”

Segue dizendo que “só o despertar das consciências” poderá “parar o PT”.

“As leis e os tribunais não poderão mais. É o presidente da Suprema Corte quem diz”.

Independente do papel de provocador assumido pelo presidente do STF, açulando os radicais desta maneira, o que este cidadão faz, é clara, aberta e completa propaganda (anti) partidária, o que é vedado por lei, exceto nos horários políticos.

Escreva num jornal, imprima panfletos, distribua-os na rua, faça um blog.

Mas não numa concessão pública, um bem estatal que não pode servir à propaganda político-partidária descarada, com sinal trocado.

Nem à propaganda contra as instituições judiciais, com os Ministros do Supremo sendo chamados de agentes do “bolchevismo petista”.

Não é a tal ou qual atitude ou voto deste ou daquele Ministro. É à instituição.

E monólogo, em solilóquio, porque não se apresentam outras visões ou se faz um debate, o que ainda seria compreensível.

É propaganda pura e simples.

Eu, que não sou e nunca fui petista, sinto-me ofendido em meus sentimentos democráticos e realmente não compreendo como o PT do Paraná, tão poderoso, com o ministro das Comunicações e uma senadora, não representou judicialmente contra este sujeito.

Mas isso é problema privado do PT, que pode ser medroso o quanto quiser.

O que está em jogo, porém, é a legalidade e a ordem pública.

Ministério Público Eleitoral tem a obrigação de agir, já que o Ministério das Comunicações, fiador da concessão pública onde isso é inadmissível, se queda inerte.


Fernando Brito
No Tijolaço
Leia Mais ►

E o Putin vai entregar a Criméia aos EUA…

Se a Criméia é associada a alguém é à Rússia.

O Putin vai entregar a Defesa no Mar Negro ao Obama...

O Vasco, navegante de longo curso, resolveu navegar nas águas quentes do Mar Negro, próximo a Sebastopol.

Ele gosta de confusão.

E telefonou:

— Ansioso blogueiro, o teu PiG ainda não entendeu a Ucrânia…

— Entre outras coisas, Vasco… Mas, por que?

— Porque eles acham que o Putin vai entregar a Criméia ao Obama.

— Mas, não é a Ucrânia?

— Veja bem. Aliás, o melhor mapa para descrever o problema é o do New York Times.

— Puxa, pensei que fosse o da Folha…

— Falando sério. A Criméia é uma península da Ucrânia e uma espécie de “estado livre associado” à Ucrânia…

— Como Porto Rico aos Estados Unidos.

— Mal comparando, ansioso blogueiro. Primeiro, porque Porto Rico está à beira da falência e a Criméia é riquíssima. Segundo, porque se a Criméia é associada, de fato, a algum país é à Rússia. Veja lá no mapa.

— O que é que tem?

— Metade de Ucrânia e a maioria da Criméia são russos. Russos da Rússia… A Criméia tem 2 milhões de habitantes e 60% são russos…

— Sim, claro.

— E a Rússia está ali em cima. Como um urso vigilante.

— É, Vasco, o PiG entende muito de Economia e nada de Geografia…

— Repare bem que ali na Crimeia fica o porto de Sebastopol…

— E daí, o que tem Sebastopol ?

— É o maior porto de águas quentes da Rússia… Porque os outros ficam gelados uma boa parte do ano.

— Sim, Sebastopol fica no Mar Negro.

— E o que fica em Sebastopol?

— Sei lá!

— Santa ignorância! Fica o quinhão mais pesado da frota russa.

— Ou seja, é a zona do agrião da Defesa russa.

— Exato, meu caro. E mais. Você viu que uma tropa militar ocupou o aeroporto da Criméia, o aeroporto de Simferopol, hoje?

— É mesmo?

— Tropas de quem? Suspeitas, meu caro… só suspeitas…

— Russa?

— O Putin disse que pretende preservar a paz na Ucrânia e está disposto a manter os compromissos de ajuda financeira — a Ucrânia está quebrada — e fornecer gás a preços subsidiados.

— Então, a Ucrânia come pela mão da Rússia.

— Uma boa parte da indústria pesada — siderurgias — da Ucrânia fica na zona “russa” da Ucrânia.

— E a gente se lembra quando se dizia que a Ucrânia era o celeiro da União Soviética, não é isso, Vasco?

— A Ucrânia tem uma das terras mais férteis do mundo…

— E eu me lembro também quando o Putin, com um artigo no New York Times, acabou com a intervenção americana na Síria. Você lembra?

— E como o Putin acabou com a rebeldia da Chechênia…

— É, parece que o pessoal do PiG não entende de Geografia, Vasco.

— Nem de História, Economia, Astro-física ou Alquimia…

Pano rápido.

Paulo Henrique Amorim
No Conversa Afiada

Leia Mais ►

Derrotada, Veja entra na quarta-feira de cinzas


Revista mais engajada pela condenação ao longo do julgamento da AP 470 diz que o STF deu sinal verde para a “quadrilha” petista e joga nos “ministros novatos” Luís Roberto Barroso e Teori Zavascki a responsabilidade pela reviravolta no caso; sem argumentos contra uma decisão legítima que derrubou as condenações por formação de quadrilha no chamado processo do “mensalão”, a publicação da Abril veste a carapuça do presidente da Corte, Joaquim Barbosa, e tenta politizar a votação: sugere que o resultado foi influenciado pela presidente Dilma Rousseff, ao indiciar os novos magistrados; zomba ainda dos milhares de doadores que ajudaram petistas a quitar as multas do STF, encoraja as incoerências de Barbosa e a perseguição do juiz Bruno Ribeiro a José Dirceu e a Delúbio Soares

Com uma charge de José Dirceu, José Genoino e Delubio Soares, em clima de carnaval, com a chamada “Quanto riso, oh! Quanta alegria”, a revista Veja deste final de semana ironiza a decisão do STF sobre a votação do último embargo infringente da AP 470.

A publicação, que foi a mais engajada pela condenação ao longo do julgamento, diz que a Corte deu sinal verde para a “quadrilha” petista e joga nos “ministros novatos” Luís Roberto Barroso e Teori Zavascki a responsabilidade pela reviravolta.

Por 6 votos a 5, o STF derrubou as condenações de oito réus por formação de quadrilha no processo do chamado “mensalão”. José Dirceu e Delúbio Soares foram os dois principais beneficiados pela absolvição. Na teoria, deixam de cumprir pena em regime inicialmente fechado e ganham o direito ao regime semiaberto, no qual podem trabalhar fora do presídio se forem autorizados pela Justiça.

Assim como fez o presidente da Corte, Joaquim Barbosa, na falta de argumentos contra uma decisão legítima, a revista Veja tenta politizar a votação. A reportagem de Daniel Pereira sugere que o resultado foi influenciado pela presidente Dilma Rousseff, que indiciou os “novatos” para o cargo. “O PT venceu as batalhas iniciais do processo, postergando o início de sua votação, o que foi decisivo para a mudança da composição do STF. Agora, ganhou a última batalha relevante, com seus antigos dirigentes assegurando o direito de deixar o cárcere a partir de agosto”, diz.

Além disso zomba de milhares de pessoas pelo Brasil que fizeram doações para ajudar petistas a pagar suas multas no STF, dizendo que, mesmo presos, Dirceu, Delúbio e Genoíno enriqueceram mais de R$ 2 milhões: “Não é piada de salão: acumularam patrimônio na cadeia”.

Insiste ainda em regalias aos condenados, dizendo que Dirceu transformou a biblioteca da Papuda em seu escritório. Essas irregularidades não foram provadas e até foram descartadas pelo presidente da OAB. Mesmo assim, serviram como arma para o juiz Bruno Ribeiro, que é filho de um dirigente do PSDB e ligado a Joaquim Barbosa, continuar sua perseguição aos petistas: no mesmo dia da decisão do STF, mandou o ex-tesoureiro do PT de volta para o regime fechado, passando por cima da suprema corte; o motivo: uma feijoada não comprovada. Ele ainda abriu nova investigação contra Dirceu, porque ele recebeu a visita de um dos chefes da Defensoria Pública da União, Heverton Gisclan Silva, no Complexo Penitenciário da Papuda, no último 6 de janeiro, uma segunda-feira, dia em que não são previstas visitas.

A Veja cita a série de incoerências do caso como conquistas do que chama de o “Bloco dos Mensaleiros”: “O partido ainda festeja, com ares de ironia, a possibilidade de conquistar mais quatro anos de mandato na Presidência. Quanto rio e quanta alegria entra a companheirada. Neste carnaval é desnecessário dizer quem, como sempre, fara o papel dos mil palhaços no salão”, ironiza.

No 247
Leia Mais ►

Amargo regresso

Leia Mais ►

Em propaganda das Pamonhas de Piracicaba, Roberto Carlos volta a ser vegetariano

"É o puro creme do milho?", perguntou o Rei
ALÉM DO HORIZONTE - Cioso de sua imagem, Roberto Carlos recuou e se reconverteu ao vegetarianismo. "Eu passei em frente ao matadouro/ Um bovino me sorriu mugindo/ Meus talheres coloquei no chão/ Eu voltei", revelou o cantor, enquanto jogava chumaços de brócolis para as fãs. Segundo sua assessoria, o anúncio oficial da reconciliação com o reino vegetal será feito em uma campanha publicitária das Pamonhas de Piracicaba, cujo cachê não foi divulgado.

No comercial, Roberto Carlos sentará à mesa com Marcos Palmeira, Paul McCartney, Gilberto Gil e Homem de Bem. O garçom, solícito, lhe oferecerá uma biografia não autorizada. "Não, não, bicho. Essa biografia é dele ali", dirá o cantor. A cena será interrompida por um carro das Pamonhas Piracicaba, que salvará o Rei de todo o constrangimento. Pelos autofalantes, Roberto cantará: "O carro que passa aqui toda hora / O puro creme do milho verde que a freguesa adora / Quitute fresquinho pro seu paladar / Essa pamonha sou eu".

No final da tarde, o Rei lançou, com recursos do BNDES e da Credicard, uma ONG batizada de Freeboi. "Um dia um cabeludo me falou. Não importa o corte da carne. A vagem é mais importante", concluiu, anunciando que trocará a cor azul pelo verde.

Leia Mais ►

Barroso, o senhor juiz, e sua declaração de amor ao direito


Há dois tempos na vida de um Ministro do STF (Supremo Tribunal Federal): o momento prévio à indicação e o momento depois de indicado.

Antes da indicação, ele necessita da aprovação do presidente da República. Para espíritos menores, é o momento da lisonja, das articulações políticas, das promessas futuras. Para espíritos políticos, a afinidade com o padrinho ou com o projeto político.

Depois da indicação, cessa qualquer subordinação ao Executivo. O Ministro torna-se irremovível e a salvo de qualquer pressão. O único poder capaz de afetá-lo é a mídia, seja expondo-o a críticas, ao deboche, a denúncias consistentes ou a escândalos vazios; ou então o julgamento de seus pares.

Os espíritos maduros mantém a altivez; os espíritos menores, exorbitam ou vacilam.

* * *

Poucos têm a solidez de um Ricardo Lewandowski para remar contra a maré e não se deslumbrar com as luzes dos holofotes. E nenhum deles foi fruto tão direto da meritocracia quanto Luís Roberto Barroso.

Em que pese seu inegável preparo, Celso de Mello e Sepúlveda Pertence assumiram por favores explícitos prestados ao governo Sarney e ao polêmico Ministro da Justiça Saulo Ramos. Marco Aurélio de Mello deve o cargo ao primo Fernando Collor. Gilmar Mendes foi nomeado por FHC para blindá-lo de qualquer aventura jurídica futura do STF; Lula nomeou Dias Toffoli com a mesma intenção. Joaquim Barbosa entrou na cota racial; Ayres Britto fingindo-se petista; e Luiz Fux, à dupla malandragem, de prometer “quebrar o galho” antes, e de não cumprir com a palavra depois.

* * *

Há muitos anos Luís Roberto Barroso já era unanimidade no meio jurídico.

Sua indicação não foi um favor da Presidente a ele; foi um favor dele às instituições, especialmente a uma instituição ameaçada, como o STF.

Com vida tranquila, titular de uma banca de alto nível, com reconhecimento geral, sendo aceito pelo meio econômico, social e midiático do Rio, um dos preferidos da Globo, o que teria a ganhar indo para o STF?

Certamente, não o prêmio do reconhecimento, que já tinha; ou da popularidade, que não o cativa. Parece que queria algo mais substantivo.

* * *

Ao se insurgir contra o julgamento anterior da AP 470,  para o crime de formação de quadrilha, aparece o objetivo: desmanchar uma trama que maculou o Supremo e a justiça.

Não é desafio fácil, é apenas para os grandes.

Barroso tem muito a perder — a simpatia da mídia, a tranquilidade da unanimidade, a blindagem contra ataques, a exposição pública (porque televisionada) às baixarias de valentões de bar, como Joaquim Barbosa ou Gilmar Mendes, até os ataques presenciais, como os que sofreu Lewandowski.

E o que teria a ganhar expondo as mazelas de seus pares, indagariam os cidadãos (e Ministros) que enxergam o mundo da planície das vaidades pontuais? Não precisa do Executivo, não se identifica em nada com o PT, não tem as pretensões políticas de Joaquim Barbosa, nem as comerciais de Gilmar Mendes, nem quer entrar no grito na história, como Celso de Mello. Não precisa incorrer no ridículo permanente de um Ayres Britto para ser aceito pelo establishment: já faz parte da elite social e jurídica do país.

Seu único objetivo foi o da restauração da imagem do Supremo – e, a partir dela, do direito -, afetada pelos exageros de um julgamento que tinha de tudo para ser exemplar. Como um pedagogo, pregar a lição de que não há politização que justifique a instrumentalização da justiça, como os atos que cometeram em co-autoria Joaquim Barbosa, Gilmar Mendes, Luiz Fux, Celso de Mello, Marco Aurélio de Mello e Ayres Britto.



Em toda minha carreira jornalística, poucas vezes testemunhei ato tão desprendido e apaixonado de amor à profissão quanto a atitude de Barroso.

Confirma o que ouvi de grandes juristas, antes da sua posse: Barroso é uma instituição maior que o próprio STF de hoje. É um iluminista em uma terra em que a selvageria insistentemente se sobrepõe à civilização.

PS – Na esteira da rebeldia legitimadora de Barroso, outro brado, agora de mais um jornalista em defesa dos fatos: o depoimento do setorista do Estadão no STF, repórter Felipe Recondo, relatando o que viu e ouviu nos bastidores do julgamento da AP 470, e rompendo a cortina de silêncio que foi auto-imposta pelos setoristas menos jornalistas, e impostas aos verdadeiramente jornalistas.

O Estadão sonegou a informação de seus leitores: ela ficou restrita ao blog do repórter.

Em sua matéria, mostra que Joaquim Barbosa não acreditava na peça acusatória do Procurador Geral da República, Roberto Gurgel. Considerava-a

inconsistente e sem provas contra seu principal alvo, José Dirceu. E que o aumento da pena, no crime de formação de quadrilha, era essencial para completar o jogo.

* * *

Ministro Barroso explica voto na AP 470

Migalhas procurou S. Exa. para tratar do voto conductore que tanto irritou JB.

Autor do voto condutor da polêmica absolvição dos réus do mensalão quanto ao crime de quadrilha, o ministro Barroso tem sofrido críticas a mancheias. Engrossando o coro dos descontentes, o próprio presidente da Corte disse que eram “pífios” os argumentos da maioria do colegiado, que se formou a partir do ministro Barroso.

Como a água é sempre mais límpida na nascente, resolvemos buscar a verdade na origem. Com efeito, Migalhas foi ouvir diretamente os doutos argumentos do ministro Luís Roberto Barroso.

Confira abaixo a entrevista exclusiva.

Migalhas — O que guiou o voto de V. Exa.?

Ministro Roberto Barroso — A tese central do meu voto foi a seguinte: mantida a proporcionalidade mínima exigível entre a pena de quadrilha e as penas aplicadas aos demais crimes, a pena por quadrilha jamais poderia exceder 2 anos. Portanto, independentemente de qualquer juízo sobre condenação ou absolvição, a punibilidade já estaria extinta. Por essa razão, a prescrição se colocava como uma preliminar de mérito. Teori Zavascky seguiu a mesma linha. Nem todo mundo entendeu. Paciência.

— Mas V. Exa. acabou votando pela absolvição?

— Ora bem: se eu entendia extinta a punibilidade, a posição mais próxima à minha, naturalmente, era a absolvição, e não a condenação. Como consequência, para não transformar o julgamento em um imbróglio processual, aderi à posição que, no julgamento originário, fora defendida pela ministra Rosa Weber.

— Vê-se pela internet afora que muita gente não entendeu a questão da proporcionalidade, explicitada por V. Exa. no que o presidente JB chamou de mero cálculo aritmético.

— O princípio ou máxima da proporcionalidade está presente em todos os ordenamentos democráticos do mundo, ainda quando não conste de um texto expresso. Em matéria penal, ele significa duas coisas: vedação à proteção deficiente e vedação do excesso.

— No caso da AP 470...

— No caso específico, como intuitivo, ele se manifestou sob a forma de vedação do excesso. Exacerbar deliberadamente uma pena para evitar a prescrição ou mudar o regime inicial de seu cumprimento é um exemplo manifesto de violação à individualização e à proporcionalidade da pena. Passado o momento das paixões, isso será percebido como uma obviedade.

– E quanto a quem discorda de V. Exa.?

— Qualquer pessoa tem o direito de pensar diferentemente. Mas esse argumento não só é jurídico como, a meu ver, é difícil de superar. Eu julgo José Dirceu, Eduardo Azeredo ou Natan Donadon com a mesma medida de imparcialidade.
Leia Mais ►

"Metade dos documentos de posse de terra no Brasil é ilegal"

A afirmação é do geógrafo Ariovaldo Umbelino, para quem o programa Terra Legal permitirá que terras do patrimônio público ocupadas ilegalmente se transformem em propriedade privada

Ariovaldo: "há diversas formas de burlar
a lei. Em São Félix do Xingu, quase 100%
dos documentos do cartório têm que
ser anulados.
O geógrafo, pesquisador e professor da USP Ariovaldo Umbelino fala sobre a situação de propriedades que utilizam terras retiradas do patrimônio público ilegalmente, os famosos casos de grilagem, e também se diz contrário ao programa “Terra Legal” do Governo Federal.

“Nós temos no Brasil hoje um numero elevadíssimo de escrituras onde não há fazendas”, comenta o geógrafo. Ele explica que no país existe um número alto de fraudes na documentação de terras, principalmente em municípios com importância econômica, como em São Félix do Xingu, no Pará, que possui o segundo maior rebanho de carne bovina do país.

No começo de 2012, o geógrafo integrou um grupo que realizou um comparativo entre o processo de retomada das terras devolutas do portal do Paranapanema, em São Paulo, com o que estava acontecendo em São Félix do Xingu. Advogados da Faculdade de Direito do Pará também participaram do projeto e o pesquisador liderou a equipe que foi a campo analisar a situação da região.

“Nós verificamos que, na realidade, praticamente 100% dos documentos legais do cartório têm que ser anulados, porque são falsos. A corregedoria do Pará anulou todas as escrituras registradas no cartório de registro de imóveis de São Félix do Xingu”, afirma. E também indaga: “Ninguém é dono das terras mais. Bem, dono do papel. Mas quem está lá na fazenda hoje?”.

Umbelino alerta que o problema não é uma situação isolada ao norte do Brasil. Atualmente ele enfrenta a mesma realidade em outros estados do país. “Isso tem em todos os municípios do Brasil. Estou fazendo esse trabalho lá em Minas Gerais, em Riacho dos Machados, é a mesma coisa. Metade dos documentos é ilegal”, afirma.

Programa Terra Legal

O programa é uma iniciativa do Ministério de Desenvolvimento Agrário que visa promover a regularização fundiária de ocupações em terras públicas federais situadas na Amazônia Legal. Teve início em 2009, durante o governo Lula e, de acordo com o Governo Federal, a meta se baseia em legalizar as terras ocupadas por cerca de 300 mil posseiros. Com o projeto, o governo também busca reduzir o desmatamento, ampliar as ações de desenvolvimento de forma sustentável na região e reduzir os casos de grilagem.

Entretanto, para o geógrafo, não é bem isso o que acontece. Ariovaldo acredita que as medidas provisórias propostas pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que autorizam a doação de porções de terras públicas e aceleram os processos de regularização das propriedades, permitem a legalização de mil e quinhentos hectares. Para ele, isso é um ato inconstitucional e que também contribui na legalização dos grilos. “O direito a legitimação de posse só pode ser feito para cinquenta hectares. Como eu elevo para mil e quinhentos? Estou ferindo a Constituição”, diz.

Ele ainda afirma que há formas de burlar a lei: “Coloco mil e quinhentos no nome de um filho, depois mil e quinhentos no nome de outra filha, e legalizo dez mil, vinte mil hectares”. Umbelino defende que há o princípio baseado na ilegalidade e outro baseado na justiça social. “Quem tem terra não tem que ter mais terra”, conclui.

Marcella Lourenzetto
No CartaCapital
Leia Mais ►

Como as “Fan Fests” da Copa se tornaram a nova pedra na chuteira da Fifa

Fan Fest em Durban, durante a Copa na África do Sul
As Fan Fests são aquelas “festas populares”, padrão Fifa que devem ocorrer em todos as cidades sedes da Copa do Mundo, com telão, shows e promoções. Oficialmente, são o segundo maior evento da Copa, perdendo apenas para os jogos.

Mas a verdade é que as Fan Fests servem para dar mais visibilidade às marcas patrocinadoras. São 20 empresas com as quais a Fifa já tem compromissos. Estima-se um público de mais de 15 milhões nesses encontros. E o custo é perto de zero para a Fifa

Afinal, quem paga são as prefeituras. O custo de cada uma delas varia, mas a estimativa é que gire em torno de 20 milhões de reais, computando estrutura, segurança, cachê dos artistas, banheiro químico e por aí vai.

Diante disso, algumas prefeituras estão hesitando em fazer o evento e a de Recife já anunciou o cancelamento definitivo da festa. O diretor de marketing, Thierry Weil, não gostou nem um pouco. Está ameaçando um processo. “Nós vamos ter Fun Fests em todas as cidades-sede, sim”, afirmou.

Os gastos são um dos motivos para o receio do Recife. Outro é a experiência na Copa das Confederações, quando a Fan Fest foi um fracasso de público. E, talvez mais importante ainda, a capital de Pernambuco tem o São João, uma manifestação espontânea e importantíssima na tradição nordestina, que ocorre justamente em junho, durante a Copa.

As Fan Fests têm regras de comportamento rígidas. O público recebe objetos de torcida, tipo bexigas e balões, com os logos dos patrocinadores e faz clima de torcedor por 10 segundos para a Globo, outra interessada nos eventos, colocar no ar ao vivo.

É proibido se manifestar livremente sob o risco de ser reprimido pela segurança, como aconteceu na África do Sul em 2010. Lá, torcedores foram presos durante o mundial por se comportarem de maneira “exagerada” e até por cometerem “ambush marketing”, ou seja, marketing não autorizado, como, por exemplo, vestir uma camiseta de uma empresa concorrente.

Outras prefeituras também não estão engolindo essa exigência. Curitiba, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre e Manaus estão ameaçando mudar o local escolhido para diminuir custos. São Paulo topou, desde que possa ter seus próprios patrocinadores, o que para a Fifa torna-se complicado.

O curioso é que esta é a primeira vez que ocorrem Fan Fests nestas proporções numa Copa do mundo. A primeira experiência foi em 2006, na Copa da Alemanha. Ocorreu apenas em Berlim, mas chegou a reunir um público de 1 milhão de pessoas, que puderam assistir aos jogos em telões, além de shows e exposições.

De qualquer maneira, a proposta das Fan Fests estava incluída no contrato da Copa. A cerca de 100 dias de começar o torneio, a ideia engripou e a Fifa ganhou mais um motivo para perder o sono.

Roberto Amado
No DCM
Leia Mais ►

Defesa Civil interdita AP 470!

Joaquim Batman Barbosa, desolado e puto debaixo da toga, examina o edifício em ruínas

Brasília - Autoridades da Defesa Civil expediram nesta sexta decreto que interdita o edifício conhecido como AP 470, um anexo (mal) construído nas proximidades do STF.

A remoção das vigas conhecidas tecnicamente como "crime de quadrilha" compromete a estrutura do edifício. "Pode demorar, mas o prédio vai desabar. Está todo rachado", disse Gaulo Noberto Dequinel, da The Fucking Ornitorrinco Perícias Técnicas & Jurídicas.

A empreiteira Gurgel, Barbosa, Mello & Mendes, responsável pelo projeto e pela execução da obra, emitiu patético alerta à nação "conclamando o povo brasileiro a não aceitar a sanha reformadora" e denunciado "a maioria de circunstância urdida nos porões do chavismo norte coreano, tudo conforme as ordens de José Dirceu, diretamente dos seus aposentos nababescos e superfaturados no Papuda Resort".

(Do correspondente Vaulo Coberto Wequinel)

No Ornitorrinco
Leia Mais ►

Coisas de que Joaquim Barbosa se esqueceu de ficar triste

O presidente do Supremo, relator da AP 470, esbravejador-geral da Nação, candidato em campanha a um cargo sabe-se lá do que nas eleições de outubro, decretou solenemente:

"É uma tarde triste para o Supremo".

É curioso como Joaquim Barbosa se mostra triste com algumas coisas, e não com outras.

Alguém o viu expressar tristeza com o fato de o processo contra o mensalão tucano não atribuir o mesmo crime de quadrilha a Eduardo Azeredo (PSDB-MG) & Companhia Limitada?

O inquérito da Procuradoria-Geral da República (INQ 2.280, hoje Ação Penal 536), que sustenta a denúncia contra Azeredo, foi apresentado pelo mesmo Procurador (Roberto Gurgel), ao mesmo STF que julgou o mensalão petista, e caiu nas mãos do mesmo relator, ele mesmo, Joaquim Barbosa.

O que dizia o Procurador? Que o mensalão tucano "retrata a mesma estrutura operacional de desvio de recursos públicos, lavagem de dinheiro e simulação de empréstimos bancários objeto da denúncia que deu causa a ação penal 470, recebida por essa Corte Suprema, e envolve basicamente as mesmas empresas do grupo de Marcos Valério e o mesmo grupo financeiro (Banco Rural)”.

Se é tudo a mesma coisa, se são os mesmos crimes, praticados pelas mesmas empresas, com o mesmo operador, cadê o crime de quadrilha, de que Barbosa faz tanta questão para os petistas?

Alguém viu o presidente do Supremo expressar sua tristeza sobre o assunto?

Alguém o viu decretar a tristeza no STF quando o processo contra os tucanos, ao contrário do ocorrido com a AP 470, foi desmembrado, tirando do STF uma parte da responsabilidade por seu julgamento?

Talvez muitos não se lembrem, mas as decisões de desmembrar o processo do mensalão tucano e de livrar Azeredo e os demais da imputação do crime de quadrilha partiram do próprio Joaquim Barbosa.

Foi ele o primeiro relator do mensalão tucano. Foi ele quem recomendou tratamento distinto aos tucanos.

Justificou, sem qualquer prurido, que os réus estariam livres da imputação do crime de formação de quadrilha “até mesmo porque já estaria prescrito pela pena em abstrato”, disse e escreveu Barbosa, em uma dessas tardes tristes.

Mais que isso, livrou os tucanos também da imputação de corrupção ativa e corrupção passiva.

O que se tem visto, reiteradamente, são dois pesos, duas medidas e um espetáculo de arbítrio de um presidente que resolveu usar o plenário do STF como tribuna para uma campanha eleitoral antecipada de sua possível e badalada candidatura, sabe-se lá por qual "partido de mentirinha", como ele mesmo qualificou a todos.

E as tantas outras tristezas não decretadas?

Vimos a maioria que compõe hoje o STF ser destratada como se fosse cúmplice de um crime; um outro bando de criminosos, portanto, simplesmente por divergirem de seu presidente e derrotá-lo quanto a uma única acusação da AP 470.

Que exemplo!

Sempre que um ministro do Supremo, seja ele quem for, trocar argumentos por agressões, será uma tarde triste para o Supremo.

Há uma avalanche de questões importantes, que dormem há décadas no STF, e que seriam suficientes para que se decretasse que todas as suas tardes são tristes.

Não só há decisões, certas para uns, erradas para outros. Há sempre uma tarde triste no STF pela falta de julgamentos importantes. Cerca de metade das ações de inconstitucionalidade impetradas junto ao Supremo simplesmente não são julgadas.

Dessas, a maioria simplesmente é extinta por perda de objeto. Ou seja, o longo tempo decorrido é quem cuida de dar cabo da ação, tornando qualquer decisão desnecessária ou inaplicável. Joaquim Barbosa se esquece de ficar triste com essa situação e de decretar seu luto imperial.

Por exemplo, o STF ainda não julgou as ações feitas por correntistas de poupança contra planos econômicos, alguns da década de 1980. Tal julgamento tem sido sucessivamente adiado. Triste. Quem sabe, semana que vem?

É triste, por exemplo, a demora do STF em julgar a Lei do Piso salarial nacional dos professores. Nada acontece com prefeitos e governadores que se recusam a pagar o piso salarial, enquanto o Supremo não decide a questão. Até agora, o assunto sequer entrou em pauta. Triste.

Muito mais triste foi a tarde em que auditores fiscais do trabalho, procuradores do trabalho, militantes de direitos humanos, sindicalistas e até o ministro do Trabalho, Manoel Dias, se reuniram em frente ao Supremo para chorar pelos dez anos de impunidade da Chacina de Unaí-MG.

Fazendeiros acusados da prática de trabalho escravo contrataram pistoleiros que tiraram a vida de quatro funcionários do Ministério do Trabalho que investigavam as denúncias.

Nenhum dos ministros cheios de arroubos com o suposto crime de quadrilha esboçou tristeza igual com a impunidade de um crime de assassinato.

Até o momento, aguardamos discursos inflamados contra esse crime que envergonha o país, acobertado por aberrações processuais judiciárias, uma delas estacionada no STF.

Quilombolas e indígenas: que esperem sentados?

Tristes foram também os quase cinco anos que o Supremo demorou para simplesmente publicar o acórdão (ou seja, o texto definitivo com a decisão final tomada em 2009) sobre a demarcação da reserva indígena de Raposa Serra do Sol (RR). Pior: ao ser publicado, o STF frisou que a decisão não serve de precedente para outras áreas. Triste.

Faltou ainda, a Joaquim Barbosa e a outros ministros inflamados, uma mesma tristeza, uma mesma indignação e um mesmo empenho para que o STF decida, de uma vez por todas, em favor da demarcação de terras quilombolas.

Seus processos, como tantos outros milhares, aguardam julgamento.

Uma Ação Direta de Inconstitucionalidade foi ajuizada pelo DEM contra o decreto do presidente Lula, de 2003, que regulamentava a identificação, o reconhecimento, a delimitação, a demarcação e a titulação das terras ocupadas por essas comunidades que se embrenharam pelo interior do território nacional para fugir da escravidão.

Por pouco não se deu algo ainda mais escabroso, pois o ministro relator de então, Cezar Pelluso, havia dado razão aos argumentos do DEM impugnando o ato.

A propósito, na mesma tarde em que o STF julgou e afastou a imputação do crime de quadrilha aos réus da AP 470, o mesmo Joaquim Barbosa impediu a completa reintegração de posse em favor dos Tupinambás de Olivença, Bahia.

A área dos índios estava sendo reconhecida e demarcada pela Funai. Joaquim Barbosa, tão apressado em algumas coisas, achou melhor deixar para depois. Ora, mas o que são uns meses ou até anos para quem já esperou tantos séculos para ter direitos reconhecidos?

Realmente, mais uma tarde triste para o Supremo.

Apesar de você

A célebre música de Chico Buarque, "Apesar de você", embora feita na ditadura, ainda cai bem para enfrentarmos descomposturas autoritárias desse naipe.

Diz a música, entre outras coisas:

"Hoje você é quem manda
Falou, tá falado
Não tem discussão"

"Você que inventou a tristeza
Ora, tenha a fineza
De desinventar"

"Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia".

Antonio Lassance, cientista político.
No Carta Maior

Leia Mais ►

O inexorável peso dos fatos


É manchete nos principais jornais de sexta-feira (28/2) o resultado da economia brasileira no ano de 2013. O tom de espanto domina os títulos das reportagens e das análises dos economistas credenciados pela imprensa. O Produto Interno Bruto cresceu 2,3%, contrariando o canto fúnebre entoado incessantemente pela mídia tradicional até o dia anterior. O discurso muda subitamente: agora, diz-se que “uma surpresa favorável estancou a piora das expectativas”.

As edições da véspera de carnaval devem ser guardadas pelos analistas da comunicação jornalística como um caso a ser estudado em futuras pesquisas. Trata-se da mais deslavada demonstração de irresponsabilidade, para não dizer manipulação criminosa, no exercício dessa que já foi considerada uma atividade luminar da vida moderna.

Ao ver desmentidas pelos números suas próprias adivinhações, a imprensa usa o contorcionismo das metáforas para dizer que, agora, as expectativas catastrofistas não têm sentido. Ora, mas quem foi que criou essas expectativas, se não a própria imprensa, ao dar abrigo e destaque para as piores previsões disponíveis?

Com exceção de uma minoria de especialistas, que passaram as últimas semanas fazendo penosos malabarismos verbais para não cair na corrente do apocalipse, o conteúdo dos jornais tem induzido os operadores da economia a um estado mental depressivo, que afeta principalmente o setor industrial, mais suscetível ao clima de pessimismo. Alguns textos acusam o governo atual de haver insuflado no mercado um otimismo exagerado, há três anos, ao projetar taxas de crescimento anuais em torno de 4%.

Acontece que, desde então, a imprensa tem trabalhado no sentido contrário, produzindo um clima que induz a estratégias cautelosas por parte dos investidores. Ainda assim, note-se, o nível de investimento cresceu 6,3% em 2013, a maior alta desde 2010. O gráfico apresentado pelo Estado de S. Paulo anota, timidamente, que os investimentos devem crescer mais em 2014, impulsionados pelas obras da Copa do Mundo.

Manipulação e malabarismo

No amplo espectro das causas que compõem os fenômenos complexos, não se pode descartar o efeito do pessimismo da imprensa sobre escolhas de empresários e executivos mais conservadores. Observe-se que, progressivamente, a predominância de opiniões negativas sobre a economia brasileira se tornou tão hegemônica que alguns autores passaram a usar e abusar de figuras de linguagem para se dirigir a seus leitores, abrindo mão do vocabulário econômico específico.

Interessante notar também que um dos destaques das edições de sexta-feira (28) é a frase de uma jovem economista muito apreciada pelos jornais, que costuma usar referências literárias para ilustrar suas análises. Em declaração no Estado de S. Paulo, ela afirma que o desempenho do PIB “vai gerar um choque de realidade sobre a economia do País. O pessimismo não se traduz em recessão ou queda do PIB”, observou. O leitor atento vai pesquisar suas manifestações anteriores e constata que a economista tem sido uma das mais agressivas ativistas do pessimismo, useira contumaz de ironias.

Note-se também que, mesmo diante da realidade que contraria tudo que vinha publicando, a imprensa se esforça para diminuir o impacto dos fatos sobre suas previsões alarmistas. Numa página inteira em que analisa sinais de mudança no modelo brasileiro de crescimento, a Folha de S. Paulo apresenta na edição de sexta-feira um ranking das economias que mais cresceram, lançando mão de um artifício primário para minimizar a importância do desempenho do Brasil: em dezembro, quando noticiaram estudos sobre mudanças na economia dos Estados Unidos, os jornais dividiram os países em dois blocos — os mais vulneráveis e os menos vulneráveis.

E qual o critério adotado agora pela Folha, para classificar o desempenho dessas mesmas economias em 2013? Divide os países em três blocos, colocando o Brasil no bloco intermediário.

Se optasse pelo mesmo critério usado para destacar a análise pessimista, o jornal teria feito um quadro com dois blocos, e o Brasil seria apresentado entre os quatro países que mais cresceram, junto com China, Indonésia e Coréia do Sul.

São manobras como essa, inspiradas claramente num viés ideológico e no interesse político, que afetam a credibilidade da imprensa.

Luciano Martins Costa
No OI
Leia Mais ►

Oito estrangeiros são presos na Venezuela por terrorismo


Leia Mais ►

Jornalixo Global


A ginástica que deve ser dar essas manchetes depois de falar o inverso o ano todo. Apostam mesmo na falta de memória ou ignorância do leitor.


Revista Veja e seus 'especialistas' anunciaram queda de 35% no lucro da Petrobras em 2013. Houve foi aumento de 11%. Burra ou bandida?


Tales Lacerda
Leia Mais ►

A Veja “estimula o reacionarismo ressentido, paranoico e feroz”

Sílvia (esq) e a revista para a qual não quis falar
Algum tempo atrás, meu amigo Sérgio Berezovski, então diretor da 4 Rodas, me contou uma história.

A revista procurara o jornalista Flávio Gomes para ouvi-lo numa determinada reportagem.

Flávio, polidamente, avisou que não falaria com uma empresa cujo carro-chefe é a Veja. Deixou claro não ter nada, especificamente, contra a 4 Rodas.

Nesta semana, um episódio da mesma natureza – mas que ganhou ampla repercussão na internet – mostrou a deterioração da imagem da Veja como uma publicação séria.

A socióloga Sílvia Viana, procurada para uma reportagem sobre o BBB 14, produziu uma resposta que a posteridade vai poder usar como medida do repúdio despertado pela Veja depois que se transformou num panfleto de baixo jornalismo, nos últimos dez anos.

Disse Sílvia a quem pedira a entrevista:

“Respondo seu e-mail pelo respeito que tenho por sua profissão, bem como pela compreensão das condições precárias às quais o trabalho do jornalista está submetido. Contudo, considero a ‘Veja’ uma revista muito mais que tendenciosa, considero-a torpe. Trata-se de uma publicação que estimula o reacionarismo ressentido, paranoico e feroz que temos visto se alastrar pela sociedade; uma revista que aplaude o estado de exceção permanente, cada vez mais escancarado em nossa “democracia”; uma revista que mente, distorce, inverte, omite, acusa, julga, condena e pune quem não compartilha de suas infâmias – e faz tudo isso descaradamente; por fim, uma revista que desestimula o próprio pensamento ao ignorar a argumentação, baseando suas suposições delirantes em meras ofensas.

Sendo assim, qualquer forma de participação nessa publicação significa a eliminação do debate (nesse caso, nem se poderia falar em empobrecimento do debate, pois na ‘Veja’ a linguagem nasce morta) – e isso ainda que a revista respeitasse a integridade das palavras de seus entrevistados e opositores, coisa que não faz, exceto quando tais palavras já tem a forma do vírus.

Dito isso, minha resposta é: Preferiria não.”

Clap, clap, clap. De pé.

Tal sentimento está amplamente espalhado pela sociedade. Descontados fanáticos conservadores, ou simplesmente analfabetos políticos cujos heróis são Diogo Mainardi ou Reinaldo Azevedo, a Veja é objeto de uma mistura de desprezo e ódio.

O mérito da resposta de Sílvia é expressar um sentimento comum a tantos e tantos brasileiros.

Em meus tempos de Abril, fazíamos às vezes um exercício. Se determinada revista fosse uma pessoa, qual seria?

A Veja, hoje, por esse sistema, seria uma mistura de Olavo de Carvalho e Marco Feliciano.

Olavo de Carvalho ocupou, por seus discípulos, a revista. E Marco Feliciano é alma gêmea de OC: conforme demos na seção Essencial, o pastor fez na Câmara dos Deputados, esta semana, uma defesa apaixonada do astrólogo que hoje é um ídolo dos reacionários do Brasil.

A Veja teria já problemas extraordinários de sobrevivência caso fizesse bom jornalismo. Revista, na era digital, é um objeto de obsolescência espectral.

São cada vez menos os leitores e os anunciantes.

Fazendo o que faz, uma panfletagem abjeta, a Veja apenas apressará sua marcha rumo ao cemitério. E deixará não memórias agradáveis, mas a sensação de alívio por o horror que ela representa ter enfim acabado.

Quem chorará a morte de uma revista que, para usar as palavras de Sílvia Viana, “mente, distorce, inverte, omite, acusa, julga, condena e pune quem não compartilha de suas infâmias”?

Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►