7 de mai. de 2014

Vale tudo: oposição barra Direito de Resposta por denúncias contra o governo

Ontem à noite o projeto de lei do Direito de Resposta, de autoria do senador Roberto Requião (PMDB), que garante que ofendidos injustamente por matérias jornalísticas tenham direito de responder com mesmo destaque, periodicidade e dimensão estava para ser votado na Câmara e havia sido feito um acordo de lideranças para que ele fosse aprovado.

Mas começou a discussão e de repente deputados do DEM, do PSDB e do PPS passaram a alardear o perigo de se dar o direito de resposta “especialmente” em um momento de denúncias que a imprensa faz ao governo de Dilma Rousseff.

O deputado Roberto Freire, do PPS, lembrou que o PT quer regular a mídia e que poderia usar esta lei como um início deste processo. “Nós estamos discutindo isso em um momento em que o Brasil está vivendo um momento crucial da CPI da Petrobras, e a imprensa tem tido um papel fundamental”, disse. “Com esta lei nós vamos calar a imprensa na investigação dos escândalos de corrupção.”

A relatora Luciana Santos (PCdoB) saiu em defesa do projeto de lei, mas ele acabou saindo da pauta de votação. É um vexame que um argumento tão estapafúrdio de defesa da liberdade da imprensa permitindo crimes contra a honra e dignidade cidadã prevaleçam no Congresso brasileiro. O vale tudo da oposição chegou a níveis alarmantes. Mais alarmantes do que o risco de falta de água em São Paulo.

Renato Rovai

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.