15 de jan. de 2014

Um desabafo do DP — o maltratado Dinheiro Público

Um péssimo exemplo para os brasileiros
Caro DCM:

Eu sou o Dinheiro Público, mas pode me chamar de DP.

Mando esta mensagem não com a esperança de que alguma coisa mude efetivamente, mas como um desabafo.

Por que sou tão maltratado? Por que me usam sem a menor cerimônia, como se eu estivesse à disposição de todos os privilegiados brasileiros?

Não nasci para financiar o salmão do Renan, o caviar da Roseana e coisas do gênero.

Não nasci para proporcionar transplante de cabelo ou para pagar uma reforma de 90 000 reais nos banheiros do apartamento funcional do presidente do STF.

Não nasci para pagar uma fortuna por comerciais numa Globo cada vez mais cara e cada vez com menos audiência, e nem para comprar revistas Veja que não vão ser lidas pela criançada nas escolas.

Alguns ingênuos dizem que tudo isto é “trocado”.

Caro DCM: isto é uma falácia.

Uma cultura nacional em que eu, o DP, sou tão mal utilizado não pode funcionar.

Uma sociedade justa e equânime tem no respeito por mim um de seus principais fundamentos.

Gosto do Brasil, e detesto ser exportado em grandes quantidades para paraísos fiscais. Vocês publicaram aqui uma denúncia do Wikileaks — admiro-o, aliás — segundo a qual a governadora Roseana Sarney tem uma fortuna nas Caimãs.

Prova de quanto sou desprezado, ninguém na mídia investigou. Ninguém sequer repercutiu.

Agora mesmo, DCM, eu vou ser utilizado por Joaquim Barbosa. Em férias na Europa. O pretexto são palestras que ele fará, uma em Londres e outra em Paris.

Duvido que sejam palestras gratuitas, além do mais. Duvido que os responsáveis pelo convite não tenham oferecido acomodação e cachê.

Mas mesmo assim lá sou eu solicitado: 14 mil reais.

Ninguém me defende? Ao me defender, ninguém defende os brasileiros, sobretudo os desvalidos para os quais eu deveria ser primordialmente usado?

Na Inglaterra ou na França, um presidente do STF que me utilizasse assim cairia imediatamente em desgraça. A opinião pública não tolera.

Nos últimos anos, desenvolvi uma admiração plena por Mujica. Sobretudo pela simplicidade de sua vida — que é base do respeito por mim, DP, em qualquer país, em qualquer cidade, em qualquer lugar.

Como o papa, outro gigante inspirador, Mujica voa de classe econômica, por exemplo.

Retrucarão os ingênuos: é apenas simbólico.

Eu responderei, DCM: tudo se faz com simbologia. O resto é consequência.

Aceite um abraço esquálido, mas sincero.

DP.

Paulo Nogueira
No DCM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.