18 de mai de 2013

Cae Blesa, socio de Aznar y de la mafia cubanoamericana de Miami

Trio Parada Dura: Malan, Blesa e Aznar
Miguel Blesa, banquero español amigo de José María Aznar y al frente de Caja Madrid durante trece años, duerme ahora en prisión por haberse asociado a planes fraudulentos inspirados por el ex presidente del gobierno español y sus socios de la mafia cubanoamericana de Miami.
Blesa, hasta ahí financiero de éxito en gran parte por su alianza con la red de cabecillas del Partido Popular español, dirigió la compra por parte de Caja Madrid del City National Bank of Florida, por el que se pagó un sobreprecio multimillonario que terminó despertando la atención de autoridades judiciales.
Entre los conspiradores designados por el juez encargado del caso, en una primera etapa de la investigación, sobresalió la figura de Guillermo Martínez Lluch, director de la representación en Miami de Banacaja, entidad bancaria valenciana asociada a la figura de José María Aznar.
Es conocido como Aznar construyó desde los años 90 una alianza con la Fundación Nacional Cubano Americana y su jefe, el oficial CIA Jorge Más Canosa, cuya generosidad ayudó el político español a construirse unos sabrosos fondos de campaña.
Se sabe hoy que, en el desarrollo de sus lazos con Miami – ciudad por la cual se quedó fascinado – involucró a Esperanza Aguirre, la ex presidenta de la Comunidad de Madrid y prima donna del PP, que realizó varios viajes a la Florida que le permitió comprometerse con la fauna local.
La designación de Lluch como cómplice de la colosal estafa se apoyó entonces sobre los negocios sulfurosos del empresario Francisco Correa quién – según se sospecha - manejaba personalmente en la entidad bancaria de Miami las cuentas de varios politiqueros y, según testigos, alardeaba de su amistad con José María Aznar y el PP para abrirse las puertas mejor cerradas.
Grabaciones de conversaciones telefónicas confirman los lazos de Correa con la pareja Alejandro Agag y Ana Aznar, hija del ex presidente del Gobierno. En la Florida, vivió también el financiero Juan Villalonga, amigo íntimo de José María Aznar. Su nombre aparece en una de estas conversaciones
Caja Madrid destinó más de 1.000 millones de euros al desarrollo de sus proyectos sucios en la Florida, y a la compra del City National Bank of Florida, a costa de un enorme agujero que termina con su Blesa en la cárcel.
Los planes del banquero corrupto para casarse el próximo 8 de junio en una finca de las afueras de Madrid quedan suspendidos.
Blesa busca ahora los 2,5 millones de euros que le permitirían pagar la fianza que le devolvería la libertad. No hay duda que, con la perspectiva de encontrarlos, le recordará a Aznar su vinculación con los hechos delictivos.
LA ALIANZA CON LA RED DE MAS CANOSA
En marzo de 2009, larepublica.es publicó un comentario sobre las relaciones de Esperanza Aguirre con la fauna terrorista cubanoamericana de Miami y sobre las ramificaciones de la red española en Florida en el que se precisaba que “el director de la sucursal de Bancaja en Miami, una entidad bancaria española vinculada a Aznar, es un personaje que entre sus muchos (des) atributos tiene el de una estrecha relación con la Fundación Nacional Cubano Americana desde la época de su ahora fallecido titular y agente de la CIA estadounidense, Jorge Más Canosa”.
El 29 de enero último, falleció en Bayamón, Puerto Rico, Antonio “Toñin” Llama, terrorista y padrino de esta alianza de Aznar y su clan con la mafia miamense, concluida en noviembre de 1995. Llama organizó luego en Madrid la creación de la llamada Fundación Hispano-Cubana, una sucursal de su organización miamense, a la cual se asoció Esperanza Aguirre en sus manifestaciones de histeria anticubana.
En una foto famosa, tomada durante uno de sus viajes a Miami, Aznar se exhibe al lado de sus nuevas y millonarias amistades: Jorge Más Canosa, entonces capo de la FNCA, y el propio Llama.
Mas falleció de cáncer en noviembre de 1997. Pero Aznar, agradeciendo su generosa amistad, favoreció la adquisición por sus hijos, Jorge y Juan Carlos Mas Santos, de la firma SINTEL, filial de la estatal Telefónica.
La operación, propiamente escandalosa, se convirtió en un megafraude que provocó la quiebra de la empresa privatizada y condenó al desempleo a sus 1,828 trabajadores
Aznar y sus amigos siempre supieron que la Fundación Nacional Cubano Americana, de Miami, entre otras actividades terroristas, orientó, organizó y financió durante años las actividades terroristas de Luis posada Carriles.
Jean-Guy Allard
No ISLAmía
Leia Mais ►

Maggie

Leia Mais ►

As chances de Aécio são matemáticas

O PSDB, para não se extinguir, tem que encontrar o seu Francisco.
Não é ele que vai resgatar os tucanos
Não é ele que vai resgatar os tucanos
Aécio tem alguma chance de ser presidente de algo que vá além do PSDB?
A melhor resposta é: tem chances matemáticas. E ponto.
Ele tem dois obstáculos monstruosos pela frente com vistas a 2014.
O primeiro é o seu partido: o PSDB há anos perdeu o rumo. Deslocou-se para a direita quando o zeitgeist – o espírito do tempo, na grande expressão alemã – é o oposto.
Os tucanos não se deram conta de que o grande mal do mundo moderno se chama iniquidade social.
Até a Igreja Católica, em sua lentidão monumental, captou isso e fez de Francisco um papa devotado aos pobres e desvalidos.
Em busca da sobrevivência, o Vaticano foi buscar o homem que pode reaproximar a Igreja das pessoas. Dos 99%, para usar o brilhante termo consagrado pelo movimento Ocupe Wall St.
Porque quem pode lotar missas é o 99%.
Francisco deu um choque positivo nos fiéis e até nos infiéis como eu: ora, enfim um papa que anda de ônibus, viaja de econômica, vai visitar pobres e é claramente contra a injustiça social.
Um papa que é, genuinamente, contra um modelo econômico em que poucos têm muito e muitos não têm nada.
Parecia óbvio o que a Igreja tinha que fazer para combater o declínio, mas é só olhar para Ratzinger para ver que não era.
Aécio não é Francisco, definitivamente.
E então chegamos ao segundo obstáculo da candidatura Aécio: o próprio Aécio.
Há muito tempo ele pertence, inteiramente, ao 1%. Imaginar que ele vá conseguir convencer as massas a optar por ele é o chamado triunfo da esperança.
O PSDB, se não quiser desaparecer, tem que encontrar o seu Francisco, o seu anti-Serra. Ou formá-lo.
Aécio não é esse homem.
Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

Os Arapongas se bicam

Leandro Fortes
No CartaCapital
Leia Mais ►

Fujimori internado en una clínica de Lima por problemas de hipertensión

El expresidente de Perú, Alberto Fujimori, ingresó este sábado a una clínica de Lima (Capital) por hipertensión y problemas digestivos que padece últimamente, según su médico Alejandro Aguinaga.
Aguinaga informó que "Fujimori no ha estado bien los últimos días. Aparte de tener hipertensión tiene dificultades digestivas y continúa perdiendo peso".
Fujimori, de 74 años, será sometido a pruebas médicas este domingo, para determinar su actual estado de salud. Aguinaga, informó que los resultados de los exámenes determinarán cuando el expresidente regresará a la prisión.
Por otra parte, el exmandatario está esperando una respuesta sobre la solicitud de indulto humanitario que presentaron sus cuatro hijos el pasado octubre.
Los argumentos presentados por estos se centran en que su padre es un paciente de cáncer de alto riesgo y su enfermedad debía ser tratada fuera de la cárcel, además de sufrir otras dolencias se perjudican su salud debido al encierro.
Actualmente, Fujimori se encuentra cumpliendo la pena de 25 años de prisión por delitos de lesa humanidad y corrupción cometidos durante su mandato (1990-2000).
Según las Constitución del Perú, el pedido de indulto será evaluado por una comisión especial encargada de estos casos y que, sin ningún plazo determinado, deberá enviar un informe al presidente Ollanta Humala, quien tomará una decisión definitiva.
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 1781

Leia Mais ►

Celso de Mello diz que Joaquim Barbosa (o herói nacional) está errado

Recentemente defendi que, do ponto de vista do Estado de Direito vigente, os réus do mensalão poderiam, sim, apresentar reclamações junto à Comissão Interamericana de Direitos Humanos. A reação do ministro Joaquim Barbosa a essa tese foi a mais contundente e populista imaginável. Mas o ministro Celso de Mello também o contestou. O debate está aberto.
Em artigo que publiquei na Folha de S. Paulo (13.10.12), secundado recentemente por Valério Mazzuoli, afirmei que, do ponto de vista do Estado de Direito vigente, os réus do mensalão poderiam, sim, apresentar reclamações junto à Comissão Interamericana de Direitos Humanos, que pode levar o caso para a Corte respectiva (em San Jose da Costa Rica), sobretudo tendo em vista o precedente Barreto Leiva, onde este último tribunal garante o duplo grau de jurisdição, ou seja, no campo criminal, todo réu tem direito a dois julgamentos, mesmo que o primeiro tenha emanado da corte máxima do país (como é o caso do mensalão).
A reação do ministro JB, a essa tese, foi a mais contundente e populista imaginável (do jeito que o povão não letrado juridicamente entende):
“Barbosa diz que falar em recurso no exterior 'é enganar o público'. Para relator, corte internacional não reverte resultado do julgamento. Advogados falaram em questionar decisão do Supremo Tribunal Federal. O relator do processo do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, afirmou que os advogados dos réus tentam "enganar o público leigo" quando dizem que questionarão o resultado do julgamento na Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA). "É enganar o público leigo e ganhar dinheiro às custas de quem não tem informação. Que leiam a Constituição brasileira, que leiam as leis que regem os tribunais", afirmou o relator do mensalão após sessão desta terça, na qual José Dirceu foi condenado por corrupção ativa (oferecer vantagem indevida). Na semana passada, o ministro Marco Aurélio Mello já havia afirmado não ver chances de reverter as condenações e chamou a possibilidade do recurso de "direito de espernear". Sediado na cidade de San José, capital da Costa Rica, a corte interamericana é voltada para processos em que tenham ocorrido violações de direitos humanos. Para o ministro Joaquim Barbosa, dizer que a decisão do Supremo pode ser revertida é um "cinismo". “Pergunte se em algum lugar do Brasil nos últimos 30 anos, 40, 50, 60 anos, tenha sido procedido de maneira diferente. Porque é muito cinismo dizer isso, uma pessoa que já foi juiz ou procurador, vir a público enganar as pessoas com argumentos desse tipo”, afirmou Barbosa.” (trecho do portal G1)
Em seu voto no processo do mensalão o Min. Celso de Mello, contrariando frontalmente a verborragia do ministro JB, afirmou, conforme divulgado no Consultor Jurídico:
“O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Mostra-se claro inexistir qualquer nexo de prejudicialidade externa entre esta causa penal e qualquer procedimento instaurado perante a Comissão Interamericana de Direitos Humanos. É que não se pode determinar a suspensão prejudicial deste processo penal em razão de alegadamente existir provocação formal dirigida, nos termos do art. 44 do Pacto de São José da Costa Rica, à Comissão (não à Corte) Interamericana de Direito Humanos. Assinale-se, a título de mero registro, que, no contexto do Sistema Interamericano de Defesa e Proteção dos Direitos Humanos, a pessoa física ainda não dispõe de legitimidade ativa para fazer instaurar, desde logo, ela própria, processo perante a Corte Interamericana de Direitos Humanos, eis que essa qualidade para agir junto a referido organismo judiciário restringe-se, unicamente, aos Estados-partes e à Comissão Interamericana (Pacto de São José, Artigo 61, nº 1), uma vez atendidos os requisitos de procedibilidade fixados no Artigo 46 e nos Artigos 48 a 51 da Convenção Americana (Artigo 61, nº 2). De qualquer maneira, no entanto, não há como inferir, das cláusulas que compõem o Pacto de São José da Costa Rica, a existência de relação de prejudicialidade externa que imponha a suspensão deste processo penal pelo só fato de haver postulação deduzida perante a Comissão Interamericana de Direitos Humanos.
O SENHOR MINISTRO JOAQUIM BARBOSA (RELATOR) - E seria absurda, não é, Ministro?
O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Nada impedirá, contudo, que a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, sediada em Washington, D.C., esgotada a jurisdição doméstica (ou interna) atendidas as demais condições estipuladas no Artigo 46 e nos Artigos 48 a 51 do Pacto de São José, submeta o caso à jurisdição contenciosa da Corte Interamericana de Direitos Humanos, em ordem a permitir que esta exerça o controle de convencionalidade. Não há, porém, possibilidade de se determinar, neste momento, a suspensão prejudicial da presente causa penal.
O SENHOR MINISTRO AYRES BRITTO (PRESIDENTE) -
Sobrestamento do processo.
O SENHOR MINISTRO RICARDO LEWANDOWSKI (REVISOR)
- Ministro Celso, apenas uma nota brevíssima de Direito Comparado: essa possibilidade existe no sistema de Direito comunitário europeu. Há um instituto chamado reenvio prejudicial, ou renvoi préjudiciel: quando um juiz local tem uma dúvida, ou alguém, uma das partes suscita um incidente acerca do Direito comunitário, sobresta-se o processo e faz-se uma consulta à Corte europeia, sediada em Luxemburgo. Mas, claro que o sistema interamericano não agasalhou essa hipótese.
O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Há, presentemente, no contexto do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, celebrado em 1966 (e a que o Brasil somente aderiu em 1992), um mecanismo viabilizador do acesso direto e imediato da própria pessoa física interessada à jurisdição tutelar do Comitê de Direitos Humanos, incumbido de atuar como órgão de implementação dos direitos e garantias fundamentais em escala global, pois aquele Pacto Internacional, por haver sido promulgado no âmbito das Nações Unidas, reveste-se de projeção universal. Essa significativa ampliação da legitimidade ativa em favor de qualquer pessoa interessada decorreu do Protocolo Adicional Facultativo ao Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos. Não é, porém, o que se registra no âmbito do Pacto de São José da Costa Rica, segundo o qual a pessoa interessada (ainda) não dispõe de “locus standi” para, ela própria, fazer instaurar, de imediato, a jurisdição contenciosa da Corte Interamericana de Direitos Humanos.
O SENHOR MINISTRO GILMAR MENDES - Mas essa é uma hipótese de aplicação do próprio Direito europeu.
O SENHOR MINISTRO RICARDO LEWANDOWSKI (REVISOR) - Sim, não tem nada a ver com nossa sistemática.
O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Tem razão o eminente Revisor.
SENHOR MINISTRO JOAQUIM BARBOSA (RELATOR) - Não há como. E mais, Ministro Celso: Justiça que se preza não se submete, ela própria, a órgãos externos de natureza política. E a Comissão o é.
O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: A questão central, neste tema, Senhor Relator, considerada a limitação da soberania dos Estados (com evidente afastamento das concepções de JEAN BODIN), notadamente em matéria de Direitos Humanos, e a voluntária adesão do Brasil a esses importantíssimos estatutos internacionais de proteção regional e global aos direitos básicos da pessoa humana, consiste em manter fidelidade aos compromissos que o Estado brasileiro assumiu na ordem internacional, eis que continua a prevalecer, ainda, o clássico dogma – reafirmado pelo Artigo 26 da Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados, hoje incorporada ao ordenamento interno de nosso País (Decreto nº 7.030/2009) –, segundo o qual “pacta sunt servanda”, vale dizer, “Todo tratado em vigor obriga as partes e deve ser cumprido por elas de boa fé”, sendo-lhe inoponíveis, consoante diretriz fundada no Artigo 27 dessa mesma Convenção de Viena, as disposições do direito interno do Estado nacional, que não poderá justificar, com base em tais regras domésticas, o inadimplemento de suas obrigações convencionais, sob pena de cometer grave ilícito internacional. Não custa relembrar que o Brasil, apoiando-se em soberana deliberação, submeteu-se à jurisdição contenciosa da Corte Interamericana de Direitos Humanos, o que significa, considerado o formal reconhecimento, por parte de nosso País, da competência da Corte (Decreto nº 4.463/2002), que o Estado brasileiro comprometeu-se, por efeito de sua própria vontade político-jurídica, “a cumprir a decisão da Corte em todo caso” de que é parte (Pacto de São José da Costa Rica, Artigo 68). “Pacta sunt servanda”...
O SENHOR MINISTRO JOAQUIM BARBOSA (RELATOR) – Da Corte, mas não da Comissão.
O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: O Brasil, no final do segundo mandato do Presidente Fernando Henrique Cardoso (Decreto nº 4.463, de 08/11/2002), reconheceu como obrigatórias a jurisdição e a competência da Corte Interamericana de Direitos Humanos, “em todos os casos relativos à interpretação ou aplicação desta Convenção” (Pacto de São José da Costa Rica, Artigo 62), o que legitima o exercício, por esse importante organismo judiciário de âmbito regional, do controle de convencionalidade, vale dizer, da adequação e observância, por parte dos Estados nacionais que voluntariamente se submeteram, como o Brasil, à jurisdição contenciosa da Corte Interamericana, dos princípios, direitos e garantias fundamentais assegurados e proclamados, no contexto do sistema interamericano, pela Convenção Americana de Direitos Humanos.
O SENHOR MINISTRO GILMAR MENDES - De resto, vamos fazer uma observação. Raramente teve-se um processo com tal cuidado de observância do devido processo legal; quer dizer, o recurso à Corte Interamericana – vamos reconhecer – é um recurso de retórica processual.
O SENHOR MINISTRO JOAQUIM BARBOSA (RELATOR) - Pois é. Eu tive o cuidado de trazer tudo, quase tudo a este Plenário, exatamente para evitar esse tipo de mumbo jambo, não é?
O SENHOR MINISTRO AYRES BRITTO (PRESIDENTE) – Em rigor, essas matérias estão preclusas desde o início.
O SENHOR MINISTRO JOAQUIM BARBOSA (RELATOR) – Estão totalmente preclusas.”
Juristas (como o JB) formados sob o império do tradicional modelo do Estado de Direito liberal (onde se impõe o legalismo), que é herança do século XIX, sobretudo depois da Revolução francesa, têm muita dificuldade de entender o funcionamento do pós-moderno Estado de Direito democrático internacional e universal (veja nossos livros Direito Supraconstitucional, Comentários à Convenção Americana de Direitos Humanos etc.).
JB chegou a afirmar que só “leigos” admitem recurso para o Sistema Interamericano. Só “leigos” e “cínicos”. O Min. Celso de Mello, que de leigo não tem nada, categoricamente confrontou o entendimento (juridicamente) estapafúrdio de JB que, animado pela popularidade das suas declarações, vem “habilmente” iludindo o povo (juridicamente) desletrado com seus arroubos verborrágicos do tipo “vá chafurdar no lixo”, “estão enganando os leigos”, “são cínicos os que admitem recursos para po Sistema Interamericano”, “é só ler a Constituição e as leis” etc. A considerar o incensurável e brilhante voto do Ministro Celso de Mello, realmente está faltando leitura da Constituição e das leis brasileiras, assim como dos tratados internacionais firmados pelo Brasil.
Luiz Flávio Gomes, jurista, diretor-presidente do Instituto Avante Brasil e coeditor do portal atualidadesdodireito.com.br. Mais informações em blogdolfg.com.br
Leia Mais ►

Ex-BBBs retiram prótese de silicone em solidariedade a Angelina Jolie

ILHA DE CARAS - Em evento patrocinado por uma marca de sabonetes, dezenas de ex-BBBs decidiram retirar suas próteses de silicone para demonstrar solidariedade à Angelina Jolie. "Meu projeto para 2013 é aderir a diversas causas sociais" disse Jéssica Aline, enquanto sensualizava com um bisturi.
Animadas com a repercussão de atos solidários no site Ego, centenas de celebridades prometeram sensualizar em prol do próximo. Para dar conta da demanda, o governo brasileiro anunciou a importação de seis mil paparazzi cubanos.
Sabrina Boing Boing sensualiza em prol dos animais em extinção
Preta Gil publica no instagram uma foto em que sensualiza em apoio à Lei Seca
Ex-BBB retirou os pelos das axilas num ato corajoso contra o futum
Latino denunciou as condições de trabalho dos pilotos brasileiros
Geisy Arruda fez 126 lipoaspirações para denunciar as modelos que recorrem a inúmeras cirurgias plásticas em busca de um padrão estético opressor.
No The i-Piauí Herald
Leia Mais ►

Golpe Comunista 2014 no Brasil !

Leia Mais ►

Golpe comunista 2014 – A reação virá dos Shoppings

Começa a Pátria a se levantar da letargia indolente na qual foi deitada pelos malévolos asseclas do bolchevismo petista durante a usurpação ilegítima do poder iniciada pelo despreparado sr. Lula da Silva, assustada pelo perigo do golpe comunista que já se faz notar no horizonte e que poderá mergulhar o país em trevas definitivas se nada fazermos agora para evitar este mal maior. A hora é crucial para o estabelecimento de nossas trincheiras democráticas, de nossos batalhões em defesa da família cristã e da propriedade, contra os grilhões do marxismo escarlate satânico que já marcham ao nosso encontro.
Mas eis que a juventude consciente se levanta primeiro, erguendo o brado retumbante diretamente de seu lugar tenente, mobilizando milhões em um exército juvenil, transformando-os aguerridamente em muralhas do Brasil contras as ideologias vermelhas que agita as massas sublevadas desrespeitosamente pela camarilha fétida do partido dos trabalhadores infames, o qual tenciona dar mais um passo rumo a implantação da ditadura total marxista. Levantai jovem, levantai, que nossa força estará convosco nesta difícil, mas gloriosa batalha contra o comunismo.
Das praças de alimentação de todo país sairão, não só os milhões de soldados dessa luta, mas a consciência febril de que o golpe precisa ser evitado. Já tomaram seus espaços nas faculdades, hoje conspurcadas pelo Prouni, Enem, cotas raciais e outras bobagens socialistas, agora só vos resta reagir do único quartel general não dominado pela gentalha ignara do PT, convertendo esse espaço em um berço democrático, uma casa da liberdade, do capitalismo e da livre empresa brasileira. Vossas armas serão o celular que grava vídeo HD, o WiFi do shopping e as redes sociais. O comunismo no Brasil já está com os dias contados. Alvíssaras!

Homenagem musical à juventude que luta contra o golpe comunista 2014

No Prof. Hariovaldo
Leia Mais ►

Cuidado com a FIAT

Cuidado ao comprar um carro da FIAT, ele pode vir "bichado", e a garantia de fábrica é um engodo
 
À VIA SUL PIEDADE
Av. Barreto de Menezes, 697,
Piedade - Jaboatão – PE
Recife, 16 de maio de 2013.
Itárcio José de Souza Ferreira, brasileiro, maior, união estável, Auditor das Contas Públicas do Estado de Pernambuco, residente à Rua Arnoldo Magalhães, xx – Apartamento xxx – Casa Amarela – Recife - CEP xxxxx-xxx, vem através da presente solicitar:
- Cópia de laudo técnico emitido por essa Concessionária, narrando detalhadamente, o que aconteceu com o veículo FIAT IDEA Adventure, Placa PGE-1500, Modelo 2012/2013, adquirido pelo requerente em agosto de 2012;
- Informações, por escrito, das providências que serão tomadas para a resolução do problema;
- Carro reserva para minha locomoção, adaptado as minhas necessidades, ou pagamento de meus deslocamentos, através de táxi, em virtude de minha deficiência física e dificuldade de movimentação.
Fico surpreso que um veículo comprado há apenas 09 (nove) meses, tenha apresentado um problema tão sério, ou seja, um eixo ligado à roda dianteira, do lado do carona, quebrou.
(Trizeta quebrada)
 Segundo mecânico consultado, e inclusive o pessoal do SISPOL, que fizeram a ocorrência, se o veículo estivesse há mais de 60 km, o mesmo teria capotado.
Minha esposa dirigia a menos de 40 km/h, num percurso de 49 metros, da casa nº 115 até a casa nº 164, e mesmo assim não conseguiu controlar o veículo que colidiu com outro que estava parado a frente da casa citada.
Na colisão, os dois airbags foram acionados, o que isto significa? Que toda a parte elétrica do veículo deverá ser mexida para o conserto, e isto nos trazendo mais insegurança em dirigir o veículo todo refeito por uma oficina.
Se na fábrica, deu no que deu, imagine em uma oficina.
Hoje eu poderia ter perdido a minha esposa pela incompetência, irresponsabilidade e falta de controle de qualidade da fábrica FIAT.
Confesso que estou muito insatisfeito com a qualidade do carro, uma peça essencial, ou melhor, de segurança do veículo quebrar desta maneira.
O mesmo havia tido a sua primeira revisão, de 7.500 km, no dia 28/03/13. No momento da revisão fizemos três queixas sobre o carro, das quais apenas uma foi sanada.
Já havíamos agendando para o dia 20/05/13, a revisão da revisão, bem como a revisão da diamantização da pintura.
Como posso me sentir seguro em dirigir um veículo “bichado”?
Para minha surpresa hoje, dia 16/05, sou informado pela Via Sul Piedade que o meu carro só será avaliado tecnicamente se eu acionar meu seguro! Que absurdo! O carro está na garantia, uma peça importantíssima para a estabilidade do veículo está visivelmente quebrada. E se o veículo não estivesse segurado?
Qer dizer que a garantia que a FIAT oferece é um engodo?
Totalmente transtornado, subscrevo-me,
Itárcio José de Souza Ferreira
CPF xxx.xxx.xxx-xx
Em tempo:
1. O acidente com o veículo, ou seja, a quebra da trizeta, ocorreu no domingo, dia 12/05/13;
2. O veículo foi entregue na Via Sul Piedade no final da tarde da terça-feira, dia 14/05/13; quando na verdade havíamos solicitado que o mesmo fosse entregue na Via Sul Arruda;
3. A Via Sul Arruda fica a 10 minutos do bairro em que eu moro; a Via Sul Piedade fica na cidade de Jaboatão, enquanto eu moro em Recife, uns 60 km de distância;
4. Na terça-feira, dia 14/05, fomos atendidos, via telefone, pelo mecânico Felipe, que nos informou que a perícia e o laudo técnico, sairiam em 48 horas;
5. No final da tarde da quinta-feira, dia 16/05, fomos informados, pelo mecânico Roberto, que o laudo técnico só sairia sem acionássemos o seguro do veículo;
6. Pedimos, eu e minha esposa, para falarmos com o Gerente da Oficina, mas, ou as ligações caiam ou chamavam e ninguém atendia;
7. Chegamos à conclusão que seria mais fácil falar com o Papa do que com o Gerente da Oficina da Via Sul Piedade;
8. Como sou portador de deficiência física, hoje, dia 17/05, minha esposa foi, com nosso filho, a Piedade. Vamos ver se alguém tem piedade de nós e nos atenda com qualidade.
Em resumo, para evitar que alguma atendente da FIAT nos ligue para saber a nota sobre o atendimento, serviços, etc., informamos de antemão que a nota é ZERO.
No Blog do Itárcio
Leia Mais ►

Número 2 de Alckmin pode ser investigado

Os desdobramentos da chamada Operação Fratelli apareceram em reportagens recentes da Record e do Estadão.
Por que Edson Aparecido (número dois do governo paulista) é chamado de “jumento” nas escutas?

A bancada do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo entrará, na próxima semana, com representação no Ministério Público do Estado e pedido de investigação na Polícia Federal para apurar contratos do esquema de fraudes em licitações de 78 prefeituras do interior paulista, que ficou conhecido como “Máfia do Asfalto”. Segundo interceptações telefônicas da Operação Fratelli, ação da PF e do MP, parlamentares e seus assessores tiveram ligações diretas com o empreiteiro Olívio Scamatti, apontado como chefe da organização criminosa.
De acordo com o líder da bancada petista, deputado Luiz Claudio Marcolino, empresas do grupo Scamatti fecharam contratos fraudulentos com importantes autarquias do governo do Estado, como o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo (Codasp) e Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).
“A bancada do PT, com base nas informações que estamos apresentando, quer uma investigação detalhada sobre a ação dos agentes do Estado, como Délson José Amador [DER e Dersa] e Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto [Dersa], em obras do interior paulista. Eles estão ligados a essas empresas do grupo Scamatti, que são alvo da Operação Fratelli”, explicou Marcolino.
No final de abril, reportagem de O Estado de S.Paulo revelou que a “Máfia do Asfalto” ampliou seu raio de ação, entre 2008 e 2010, para o DER. Desde 2007, diz o texto, duas empresas de Scamatti, a Demop e a Scamatti & Seller, fecharam contratos com o DER que, somados, chegam a R$ 321 milhões.
O líder petista afirma ainda que obteve contratos em que se pode concluir “superfaturamento”. Exemplo disso é uma obra na Rodovia SP-527, que liga as cidades de Mira Estrela e Fernandópolis, noroeste paulista. “A obra foi licitada em R$ 2,4 milhões e foram pagos por ela R$ 6 milhões. Fica claro que houve problema nesse caso. E temos vários outros para apresentar”, diz Marcolino.
Segundo deputados petistas, o partido precisa se posicionar diante das acusações que atingem “o coração do governo Geraldo Alckmin”, na figura do secretário da Casa Civil, Edson Aparecido, que aparece em um grampo feito nas investigações pedindo asfaltamento na cidade de Auriflama, administrada à época por um de seus aliados políticos.
Além disso, um ex-assessor de Aparecido, Osvaldo Ferreira Filho, conhecido como Osvaldin, seria o elo entre as prefeituras e a empreiteira de Scamatti. O tucano admite contatos com o empreiteiro, mas afirma que ele “nunca solicitou nada que indicasse qualquer irregularidade”.
Não à CPI
Durante as últimas reuniões da bancada petista na Assembleia foi discutida a possibilidade de se pedir a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Operação Fratelli. No entanto, não foram todos os deputados que apoiaram a ideia. Antonio Mentor, Enio Tatto, Alencar Santana e João Paulo Rilo eram, inicialmente, contrários à medida.
Nos grampos da operação há menções a deputados federais do PT, como Vander Loubet (MS), Cândido Vaccarezza (SP), Arlindo Chinaglia (SP), hoje líder do governo na Câmara, e José Mentor (SP), irmão de Antonio Mentor. Outras interceptações indicam ainda relações de um ex-assessor do ministro da Educação, Aloizio Mercadante, Féliz Sahão, com Scamatti. Félix trabalhou no gabinete de Mercadante no Senado, entre 2005 e 2010.
O deputado Antonio Mentor afirma que “não há nenhuma preocupação” quanto às menções a petistas na investigação. “Os parlamentares do PT que foram citados nos grampos se justificaram perfeitamente bem”. Segundo ele, a cautela era em razão da “possibilidade real” de instaurar a CPI. “Não queremos que seja apenas um requerimento”, explicou Mentor a Terra Magazine.
Para que a CPI fosse instaurada, a bancada do PT precisaria de 32 assinaturas. O PT tem 22 deputados na Casa. “Geralmente, conseguimos chegar a 28 assinaturas, e não mais que isso”, argumentou Marcolino.
Bob Fernandes do Terra Magazine
No Escrevinhador
Leia Mais ►

Anastasia tenta calar Sindifisco-MG; presidente diz que não vai recuar


No mês de março, o  Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Estadual de Minas Gerais (Sindifisco-MG) começou a veicular uma campanha publicitária para denunciar  as políticas do governador Antonio Anastasia (PSDB-MG) que estão desmantelando a fiscalização e os serviços públicos do Estado, com prejuízos tanto aos servidores quanto à sociedade mineira.
Segundo o Sindifisco-MG, os anúncios na mídia exploram os eixos: a necessidade de realização de concurso público para auditor fiscal da Receita Estadual de Minas Gerais, a valorização do trabalho do auditor fiscal, a tributação de ICMS sobre bens essenciais, a política de concessão desenfreada de benefícios fiscais do governo de Minas e a sonegação fiscal.
O governador Anastasia, porém, entrou com uma ação na Justiça, visando à suspensão da campanha (íntegra da ação abaixo).
“Nós não vamos nos intimidar nem recuar na campanha”, afirma Lindolfo Fernandes de Castro, presidente do Sindifisco-MG. “É um absurdo essa ação. É uma censura a uma decisão tomada em assembleia da categoria. O governo Anastasia está interferindo na nossa liberdade de atuação sindical.”
A exemplo do que já havia feito com os professores, o governador Anastasia parte para a criminalização da movimento sindical e judicialização das lutas trabalhistas.

Conceição Lemes
No Viomundo
Leia Mais ►

Protógenes diz que MPF perde prazo da Satiagraha e Dantas se livra da cadeia

Daniel Dantas, o “Dono do Brasil”
Segundo o Delegado protógenes, a Procuradoria Geral da República perdeu o prazo para recorrer no STJ da decisão que anulou as provas obtidas pela Polícia Federal na Operação Satiagraha.
Segundo o Deputado, o Ministério Público Federal estaria deixando Daniel Dantas ficar livre simplesmente porque teria perdido o prazo para recorrer de uma decisão que muitos ministros do STJ consideravam absurdas, e que cairia no Pleno do Tribunal.
Não estamos falando de um processo trabalhista de 500 merréis. Estamos falando do processo penal mais importante em andamento no país, contra a quadrilha mais poderosa que se tem notícia.
O maior absurdo disso tudo é que a PGR disse que não foi notificada, depois que passou para um subprocurador que teria se aposentado.
Daqui a pouco vai colocar a culpa no contínuo.
Gurgel, tome vergonha na cara  e peça pra sair
Se este fosse um país sério, neste momento o Procurador Geral, Roberto Gurgel, estaria demitido, e o responsável pelo processo estaria se preparando para dormir na prisão.
Mas não, semana que vem nosso “Procurador” estará todo serelepe na televisão dando alguma entrevista em nome da moralidade, ou ainda articulando o aumento no seu salário, próximo de R$ 30 mil.
E ninguém vai cobrar do magistral Ministério Público uma investigação para saber o responsável pela impunidade dantesca?
Daniel Dantas já tinha dado a senha a seu advogado: “resolva meus problemas na primeira instância, que lá em Brasília eu resolvo”.
Daniel Dantas pode bater no peito e dizer: “Este país tem dono…Eu sou o Dono do Brasil”.
Leia Mais ►

Videla: como morrem as ratazanas

Nasceu entre baionetas e armas e morreu só, em uma cela, ao amanhecer, como costumam morrer algumas ratazanas. O ex-ditador argentino Jorge Rafael Videla chegou ao mundo em 2 de agosto de 1925 em uma pequena cidade da província de Buenos Aires. Seu pai era militar e seu avô havia sido governador na província de São Luis, no final do século XIX, em um período onde era amo e senhor da Argentina outro assassino, Julio Argentino Roca, o homem que conduziu a campanha militar que exterminou os indígenas na Patagônia e que instaurou o projeto oligárquico e liberal reivindicado pelos ricos produtores agropecuários do porto de Buenos Aires para impor seu projeto de república bananeira.
Foi assim como seu destino esteve ligado desde o início à casta militar a que pertencia. Uma casta que, durante o século XX, se erigiu em guardiã da ordem conservadora, interrompendo pela força os processos democráticos populares desde 1930, sempre sob as ordens dessa oligarquia portenha que se acreditava dona do país, que havia se aliado com a Inglaterra no século XIX e que, partir de 1955, se aliaria com os Estados Unidos.
E como as armas sempre estão acompanhadas pela cruz, o futuro assassino dos pampas se transformou desde jovem em um católico devoto. Ele se casou com uma senhora de pomposo sobrenome anglo-saxão, filha de um embaixador, com quem teve sete filhos, e em poucos anos ascendeu como estrela fulgurante entre a dura hierarquia das baionetas. Em 1960 – enquanto a Argentina mergulhava em um dos períodos políticos mais instáveis, com o peronismo proscrito desde 1955 e os militares interrompendo a vida civil do país de forma contínua -, dirigiu a Academia Militar, até que o então ditador Alejandro Agustín Lanusse o nomeou diretor do Colégio Militar da Nação, uma das instituições aristocráticas nas quais se formavam os futuros generais que depois conduziam os golpes de estado.
Em 1973, o ex-presidente Juan Domingo Perón consegue que seu movimento político possa participar nas eleições depois de 18 anos de proibição e regressa ao país em meio a uma agitada situação política, com os militares em retirada e um punhado de movimentos guerrilheiros surgidos nos anos sessenta que ameaçavam encerrar também pelas armas a luta de poder no país. São os tempos da Guerra Fria e em todo o continente as castas militares e seus aliados econômicos se preparam para executar o que logo se conheceria como Plano Condor, uma repressão sistemática e generalizada coordenada pelos Estados Unidos para acabar para sempre com a insurgência armada e qualquer possibilidade de estabelecer alianças e sistemas econômicos diferentes na América Latina em relação aos então vigentes. Nesse ano, Videla se transformou no chefe do Estado Maior do Exército, promovido pelos seus próprios pares.
Em 1974, o envelhecido Juan Domingo Perón morre e assume o governo sua mulher, a direitista María Estela Martínez de Perón, “Isabelita”, que abre o caminho para a formação de grupos de ultradireita como a Triple A, que, à sombra do Estado, começam a executar dirigentes de esquerda, deputados, intelectuais, abrindo as portas ao terrorismo de estado. Em 1975, “Isabelita” o nomeia comandante em chefe do Exército, o lugar a partir do qual executará no ano seguinte o último golpe de estado na história contemporânea argentina.
Desde o começo, a ditadura inaugurada por Videla em 1976 teve muito claro seus objetivos: “reorganizar” o país através de um “processo” sangrento (o governo se autodenominou “Processo de reorganização nacional”), capaz de extirpar pela raiz toda possibilidade de instaurar outro projeto econômico que não o apoiado pelas elites portenhas proprietárias das ricas terras expropriadas a força dos povos indígenas, um século antes.
O novo ditador assumiu com gosto sua função de exterminador, tal como havia feito um século atrás Juan Lavalle, o primeiro militar argentino que colocou à disposição dos latifundiários as armas do exército para dirimir pela força os diferentes projetos de país em disputa que tinham surgido da Revolução de Maio e da independência da Espanha, em 1816. Ele se sentia tão cômodo em sua nova função que até se permitiu conceber um novo método para assassinar inimigos políticos: a desaparição forçada de pessoas. Dessa maneira, explicou, se poupavam o aborrecimento de ter que fuzilar os seus opositores. Para isso, os militares sob seu comando criaram uma rede de campos de concentração clandestinos nos quais os prisioneiros eram torturados primeiro e depois lançados ao mar ou em uma fossa comum, impedindo que seus familiares encontrassem seus corpos. Para completar o horror, as Forças Armadas se apropriavam não só das propriedades dos presos desaparecidos, como também de seus filhos, que eram distribuídos entre militares e empresários amigos.
O regime que inaugurou e que dirigiu até 1980, afundou na própria infâmia depois da derrota na Guerra das Malvinas, em 1982. Em 1983, junto com o retorno da democracia, chegam também os primeiros ares de justiça e, em 1984, começa o mítico processo judicial das Juntas Militares que culmina com a condenação à prisão perpétua de Videla e seus capangas. Em 1991, o peronista Carlos Menem os indulta, como parte de seu projeto político neoliberal que implica ter as Forças Armadas contentes enquanto os setores oligárquicos continuam desfrutando do modelo econômico instaurado em 1976.
Em 2003, assume a presidência Néstor Kirchner, um peronista mais próximo da esquerda, que anula os indultos e abre a porta para a continuidade dos julgamentos. Videla volta á prisão e é envolvido em um punhado de julgamentos, dos quais sai condenado. O mais simbólico ocorre em 2010, quando é apontado como um dos principais responsáveis pelo roubo de bebês, um dos crimes mais repugnantes da ditadura.
Passou seus últimos anos na cadeia, já que seu excelente estado de saúde não permitiu que gozasse dos benefícios da prisão domiciliar, usufruído por alguns de seus cúmplices. Da sua solidão e ostracismo até se permitiu questionar o atual governo por ter permitido que se retomassem os julgamentos, mas nunca quis pedir perdão nem se mostrou arrependido de seus crimes. Ao cair da noite da quinta-feira, sentiu-se mal e comunicou o fato a seus carcereiros. Na madrugada de 17 de maio morreu como havia nascido, entre armas, na solidão e no ostracismo, tal como devia morrer: na prisão, condenado por seus crimes contra a humanidade. Agora só lhe restará o consolo dos obituários que seguramente muitos sobrenomes ilustres publicarão no jornal La Nación, sintoma de que a oligarquia argentina chora o último de seus bandidos.
Oscar Guisoni
No Escrevinhador
* * *

Quando o Pinguim mandou retirar o Gorila da parede


O gorila Videla morreu hoje, na prisão, como devem morrer os assassinos, sequestradores e genocidas. No Brasil, os genocidas de farda morrem de pijama, no lar.
No Diário Gauche
* * *

El 24 de marzo de 2004, el día que Kirchner hizo bajar el cuadro del Colegio Militar

Aquel día el entonces presidente tomó una decisión histórica, cuando le ordenó al titular del Ejército, Roberto Bendini, que bajara de una de las galerías del Colegio Militar los cuadros de Videla y Reynaldo Bignone.
"Proceda", le dijo Kirchner a Bendini durante el acto para recordar los 28 años del golpe de Estado de 1976.
En ese acto Kirchner destacó que el retiro de los cuadros marcaba "definitivamente un claro posicionamiento" del país, de las Fuerzas Armadas, del Ejército y de él mismo, en su carácter de presidente y de Comandante en Jefe de las Fuerzas Armadas, "de terminar con esa etapa lamentable" y de que esté "consolidado el sistema de vida democrático y desterrado el terrorismo de Estado".
Tras saludar a los estudiantes que aguardaban su llegada, Kirchner se trasladó hasta la denominada "galería de directores" del Colegio Militar, donde, luego de darle la escueta orden de "proceda", Bendini, descolgó los cuadros con los rostros de los dictadores Videla y Bignone que nunca, desde el retorno de la democracia, habían dejado de estar exhibidos en el lugar.
En el discurso que pronunció tras el emblemático gesto, Kirchner instó a las Fuerzas Armadas a "nunca más utilizar el terrorismo de Estado y las armas contra el pueblo argentino".
"Nunca más tiene que volver a subvertirse el orden institucional en la Argentina. Es el pueblo argentino por el voto y la decisión de él mismo, quien decide el destino de la Argentina. Definitivamente terminar con las mentes iluminadas y los salvadores mesiánicos, que solo traen dolor y sangre a los argentinos", comenzó Kirchner su discurso.
En una breve alocución, el presidente señaló que "no hubiera querido nunca tener que estar ante esta instancia, porque recordar el 24 de marzo de 1976 es uno de los instantes más dolorosos y más crueles que le ha tocado vivir a la historia argentina en su conjunto".
El mandatario señaló además que "los argentinos todos, civiles, militares, tengamos la responsabilidad que tengamos, tenemos que generar un acto de conciencia y de identidad que nos permita definitivamente entrar a marcar en el ángulo justo de la historia aquel hecho terrible y lamentable".
"Quiero dejar en claro que el terrorismo de Estado es una de las formas más injustificables y sangrientas que le pueden tocar vivir a una sociedad. No hay nada, por lo grave que sea, que esté pasando en un determinado momento de la sociedad argentina o de cualquier sociedad, que habilite el terrorismo de Estado", agregó el entonces presidente.
No Telam
Leia Mais ►

A aula de Democracia dada por Lewandowski

:
Numa ação em que se discutia a competência do Senado Federal para o controle de constitucionalidade, a mesma em que Marco Aurélio Mello perguntou a Gilmar Mendes se ele pretendia "declarar guerra total ao Congresso Nacional", o ministro Ricardo Lewandowski resgata os fundamentos teóricos da separação entre os poderes e afirma que não se pode deslocar a competência atribuída pela sociedade brasileira ao Legislativo para o Judiciário; Gilmar está cada vez mais isolado na sua invasão ao Congresso
Foi preciso que o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, resgatasse Montesquieu, pai da teoria da separação entre os poderes, para ensinar ao colega Gilmar Mendes que um determinado poder não pode invadir as prerrogativas de outro – como Gilmar fez recentemente ao impedir a tramitação de uma lei sobre fidelidade partidária. Isso ocorreu na mesma sessão em que outro ministro, Marco Aurélio Mello, perguntou a Gilmar se ele pretendia "declarar guerra total ao Congresso" (leia mais aqui).
No 247
Leia Mais ►

Banda larga democratizada será pá de cal no bloqueio à informação

Virá o momento em que informações urgentes não passarão mais pelos grandes meios para chegar ao público. Em São Paulo, a prefeitura anuncia o acesso gratuito à internet nas ruas, passo decisivo para o avanço da democratização das informações.
Em 1994, o respeitável jornal inglês “The Guardian” atirou no que viu e acertou no que não viu. Em um exercício premonitório encartou numa de suas edições alguns exemplares do que poderia ser o jornal no então longínquo ano de 2004.
A novidade, além do tamanho reduzido, era a personalização das informações. Através de um banco de dados, o jornal saberia exatamente quais eram os interesses de cada um dos seus leitores os quais, através de um cartão magnético, imprimiriam um exemplar pessoal em qualquer banca.
Havia ainda o requinte de a impressão ser feita em um tipo de fibra impermeável, capaz de resistir a água das banheiras, local onde o jornal poderia ser lido com grande conforto, bem ao gosto dos ingleses.
A forma não vingou, mas o conteúdo personalizado ganhou força através de outro caminho, a internet. Com uma diferença fundamental: o fim da rígida divisão entre emissores e receptores. Papeis que agora são assumidos sem distinção por todos os envolvidos nas trocas de mensagens eletrônicas.
O resultado já pode ser percebido num ainda incipiente mas promissor crescimento da liberdade de expressão pelo mundo. Quem está se dando mal são os grandes grupos empresariais de comunicação, até aqui senhores absolutos da verdade.
Muitos já acusam o golpe, alguns discretamente, outros de forma ensandecida como certos colunistas da grande mídia que têm suas informações e opiniões contraditadas em blogs e nas redes sociais.
Um desses, “José Neumânne Pinto, foi ao Congresso pedir uma ‘lei dura’ para a internet, usando um caso de ofensa pessoal, típico no Código Penal, para restabelecer mecanismos de exceção”, como apontou o site Brasil 247.
Antes dele, nas eleições presidenciais a força da comunicação alternativa já havia sido sentida pelo candidato José Serra. Acostumado a controlar os grandes meios de comunicação com telefonemas para seus proprietários e editores e receber deles total apoio, Serra viu-se diante do contraditório exposto por diferentes blogues, chamados por ele de “sujos”. Era o reconhecimento explicito do poder da nova mídia que veio para ficar.
São inúmeras as notícias censuradas pela velha mídia e que só chegam ao conhecimento de parte do público graças a internet. Por exemplo, por qualquer critério jornalístico as mortes de oito apoiadores do presidente Maduro da Venezuela, logo após as eleições naquele país, seriam notícia. Com detalhamento das circunstâncias em que ocorreram e a completa identificação da vítimas. Mas quem se informou pelo Jornal Nacional nada ficou sabendo como bem mostrou o blogueiro Eduardo Guimarães.
Quando os temas são mais complexos a censura é ainda pior. Basta ver o debate em torno da alta de preços de alguns produtos e os riscos inflacionários. Posições diferentes daquelas que defendem a alta de juros como solução não tem vez na grande mídia.
No auge dessas discussões a ‘Globonews’, numa conversa entre os seus invariáveis comentaristas, colocou durante alguns minutos na tela a legenda implacável: “Dilema da política econômica: inflação ou juros altos”. Qualquer outra opinião estava liminarmente censurada.
A pá de cal nesse bloqueio informativo a que os brasileiros estão submetidos há décadas será dada quando a banda larga da internet se universalizar. Virá o momento em que informações urgentes não passarão mais pelos grandes meios para chegar ao público.
Aliás, quem já está ligado à rede testemunhou isso na notícia da prisão do segundo suspeito dos atentados em Boston, divulgada em primeira mão através do twitter.
Em São Paulo, a prefeitura anuncia o acesso gratuito à internet nas ruas, passo decisivo para o avanço da democratização das informações.
Com isso, parte da profecia do 'Guardian' se concretizará, com o cidadão buscando as notícias de forma personalizada mas sem a necessidade do cartão magnético. Ficam faltando, para os ingleses, computadores e celulares impermeáveis a água da banheira.
Laurindo Lalo Leal Filho, sociólogo e jornalista, é professor de Jornalismo da ECA-USP. É autor, entre outros, de “A TV sob controle – A resposta da sociedade ao poder da televisão” (Summus Editorial). Twitter: @lalolealfilho.
Artigo publicado originalmente na ‘Revista do Brasil’ – edição de maio de 2013
Leia Mais ►

Português é quinto idioma mais usado na internet

http://www.blogbahiageral.com.br/site/wp-content/uploads/2013/05/L%C3%ADngua-Portuguesa_e_a_Internet-230x159.jpg
A língua portuguesa é o quinto idioma mais usado na internet, ficando atrás do inglês, do chinês, do espanhol e do japonês, segundo dados divulgados pela União Internacional de Telecomunicações (UIT). A pesquisa traz informações referentes ao ano de 2011. De acordo a UIT, mais de 82,5 milhões de pessoas utilizam a língua portuguesa para se comunicar e navegar pela web.
O português ficou à frente do alemão, do árabe, do francês, do russo e do coreano e perde para o japonês, que está em quarto lugar, por cerca de 16,59 milhões de usuários. Segundo a UIT, o crescimento do português se deve à expansão da internet no Brasil nos últimos dez anos.
Segundo os dados da UIT, o crescimento do português na internet no período entre 2000 e 2011 foi 990,1%, o quarto maior crescimento entre as dez línguas mais utilizadas na web. O árabe teve o maior crescimento (2.501%) seguido pelo russo (1.825%) e pelo chinês (1.478%). O menor crescimento foi registrado pelo inglês, que teve um aumento de 1,4% entre os usuários que falam o idioma. Em geral, a internet cresceu 481,7% no período e é acessada por 2,099 bilhões de pessoas.
Apesar do baixo crescimento, o inglês permanece em primeiro lugar como a língua mais usada na internet há mais de dez anos, com 565 milhões de usuários (26,8% do total), mas o seu domínio está ameaçado pela língua chinesa, utilizada por 510 milhões (24,2%). Em terceiro lugar está o espanhol, com 165 milhões (7,8%).
Dentre as dez línguas mais usadas na web, as populações que falam alemão e japonês são as mais conectadas do mundo, respectivamente, com 79,5% e 78,4% dos usuários com acesso à internet. Em terceiro lugar estão os que falam coreano, com 55,2% de sua população conectada, e os que falam inglês com 43,4% de acesso à internet. Os falantes de português estão em sétimo, com 32,5% das pessoas com acesso à web.
No Agência Brasil
Leia Mais ►

Sobre a MP dos Portos


Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 1786

Leia Mais ►

Discurso del presidente Lula en inauguración Universidad UMET en Buenos Aires

Leia Mais ►

Golpe en el infierno

Imagem: AFP
Falleció en el penal de Marcos Paz, donde estaba preso, condenado por delitos de lesa humanidad. Fue el principal brazo ejecutor del terrorismo de Estado y, como tal, responsable de asesinatos, torturas y robo de niños.
Murió Jorge Rafael Videla y escapó así de su infierno. Del infierno de saberse preso, condenado y repudiado. El dictador, principal brazo ejecutor del terrorismo de Estado en todo el país entre 1976 y 1983, murió a los 87 años en la cárcel de Marcos Paz de muerte natural, a diferencia –como se ha dicho hasta el cansancio, pero no por eso deja de ser cierto– de las miles de víctimas, en su mayoría jóvenes, que ordenó secuestrar, torturar, asesinar y tirar al mar para ocultar sus cuerpos.
La muerte
Estaba preso en el pabellón 6 del módulo IV de Marcos Paz. El jueves lo revisó un médico y lo encontró bien, teniendo en cuenta las dolencias que tenía, propias de una persona mayor. Hipercolesterolemia, hipertensión, arritmia y cáncer de próstata eran algunas de las cuestiones por las que era atendido regularmente en la cárcel. A las 6.40 de la mañana de ayer los agentes encargados realizaron una recorrida por el lugar y reportaron que no había novedades. A las ocho, en el recuento general, el celador miró por la ventana de la celda y vio a Videla en el inodoro. Quince minutos después, el hombre volvió a pasar y como el represor no respondía al llamado solicitó la presencia de un médico. Cuando llegó, el profesional verificó que no tenía signos vitales e hizo un electrocardiograma que confirmó la muerte. Por la tarde se practicó la autopsia que ordenó el juez federal de Morón Juan Pablo Salas, a quien la familia sondeó para saber si el genocida podía ser cremado, cosa que no fue autorizada al menos hasta que estén los resultados de los estudios toxicológicos, lo que ocurrirá en tres semanas. El juez devolvió a la familia la ropa y los efectos personales del dictador, pero preservó la documentación.
Vida y obra
Videla nació en Mercedes el 2 de agosto de 1925 y fue bautizado con el nombre de sus hermanos mellizos muertos Jorge y Rafael. Hijo de un militar conservador, en 1943 entró en el Colegio Militar de la Nación, de donde egresó con el sexto lugar de su promoción, de la que también formaron parte los represores Roberto Viola y Carlos Guillermo Suárez Mason. En 1948 se casó con Alicia Raquel Hartridge, con quien tuvo siete hijos. El tercero, Alejandro, sufría de oligofrenia y epilepsia y fue internado en la Colonia Montes de Oca, donde murió antes del golpe de Estado. El 27 de agosto de 1975 fue designado comandante en jefe del Ejército.
El 24 de marzo de 1976 a la una de la mañana la asonada encabezada por Videla por el Ejército, Emilio Eduardo Massera por la Armada y Orlando Agosti por la Fuerza Aérea derrocó a la debilitada presidenta María Estela Martínez de Perón. Las Fuerzas Armadas tomaron el poder y pusieron en práctica un plan para asesinar a militantes políticos, gremialistas, estudiantes y todo aquel que fuera necesario para impartir el terror en la población e imponer el modelo económico que reclamaba el establishment y que diseñó José Alfredo Martínez de Hoz. Para eso, con la Doctrina de Seguridad Nacional norteamericana y la Escuela Francesa de la guerra de Argelia como sostén y el apoyo espiritual de la Iglesia, se montaron centros clandestinos de detención, tortura y exterminio y se decidió ocultar los cuerpos de las víctimas.
“La existencia de los campos de concentración-exterminio se debe comprender como una acción institucional, no como una aberración producto de un puñado de mentes enfermas o de hombres monstruosos; no se trató de excesos ni de actos individuales sino de una política represiva perfectamente estructurada y nombrada por el Estado mismo”, explica Pilar Calveiro, en Poder y Desaparición. “Los campos concebidos como depósitos de cuerpos dóciles que esperan la muerte fueron posibles por la diseminación del terror (...) Un terror que se ejercía sobre toda la sociedad, un terror que se había adueñado de los hombres desde antes de su captura y que se había inscrito en sus cuerpos por medio de la tortura y el arrasamiento de su individualidad”, dice Calveiro.
Anticomunista, antiperonista, Videla trabajó su imagen de “profesional, austero y buen católico” en oposición a su colega de la Marina, Emilio Eduardo Massera, que era el político y farandulero. Pero la imagen más recordada del dictador es, tal vez, la de la conferencia de prensa que dio en 1979 en la que, gesticulando con sus manos levantadas explicaba: “Frente al desaparecido en tanto está como tal, es una incógnita el desaparecido. Si el hombre apareciera tendría una tratamiento x, si la aparición se convirtiera en certeza de su fallecimiento tiene un tratamiento z, pero mientras sea desaparecido no puede tener un tratamiento especial: es un desaparecido, no tiene entidad, no está ni muerto ni vivo, está desaparecido. Frente a eso no podemos hacer nada”. El año pasado, él mismo reconoció ante la Justicia que “la figura del desaparecido era una figura ‘cómoda’, entre comillas, porque no impactaba en la sociedad (...) Se puede discutir el procedimiento aplicado en ese momento a personas desaparecidas, que no era el impacto de un fusilamiento público porque la sociedad no lo iba a tolerar”.
Tribunales
En 1985, en el Juicio a las Juntas, Videla fue condenado a prisión perpetua por 66 homicidios doblemente calificados, cuatro torturas seguidas de muerte, 93 tormentos, 306 privaciones ilegales de la libertad y 26 robos. Estuvo preso hasta 1990, cuando a través de dos decretos, el entonces presidente Carlos Menem lo indultó. Le “perdonó” la condena y lo liberó de otras causas que aún estaban en trámite. Vivió tranquilo como un buen vecino del barrio de Belgrano que iba a misa todos los domingos hasta que la confesión del ex marino Adolfo Scilingo hizo insoportable seguir escondiendo la basura bajo la alfombra. Comenzaron así los juicios en el exterior y finalmente se reactivaron algunos en la Argentina.
El 9 de junio de 1998 Videla volvió a prisión, acusado de ser responsable de apropiación de niños, hijos de desaparecidos. Esa mañana, el juez federal Roberto Marquevich había interrogado al médico militar Julio César Cassero-tto, quien se había desempeñado desde principio de 1977 como jefe del Servicio de Obstetricia del Hospital militar de Campo de Mayo, donde funcionó una maternidad clandestina de la dictadura. Casserotto explicó que el hospital dependía en última instancia del comandante en jefe del Ejército.
A las seis de la tarde el jefe de la Delegación San Isidro de la Policía Federal tocó el timbre del 5º A de Cabildo 639. El dictador abrió la puerta y el comisario le informó que el juez había ordenado su detención. Cuando el policía se enteró de que tenía que ir a cumplir con esa medida, había extendido sus brazos y preguntado: “¿Esto hay que hacerlo?”.
Videla estuvo 38 días en la Cárcel de Caseros, después se fue a su casa con el beneficio del arresto domiciliario hasta 2008, cuando fue llevado a Campo de Mayo. Murió en el penal de Marcos Paz, donde iba a la misa que oficiaba el cura condenado Christian Von Wernich.
Después de la anulación de las leyes de punto final y obediencia debida y los indultos se abrieron en todo el país decenas de procesos contra el dictador. El 22 de diciembre de 2010 fue condenado a perpetua por los crímenes cometidos en la Unidad Penitenciaria 1 de Córdoba, entre ellos, el asesinato de 31 presos políticos. En julio del año pasado recibió 50 años por su responsabilidad en la sustracción, retención y ocultamiento de menores, hijos de desaparecidos, aquellos delitos por los que había vuelto a prisión catorce años antes. Sin embargo, la única condena confirmada por la Corte Suprema es la de 1985. Su última aparición pública fue esta misma semana, al negarse a declarar en el juicio en el que se investigan los delitos del Plan Cóndor, la acción de coordinación represiva entre las dictaduras del Cono Sur.
La historia
En el prólogo de El Dictador, María Seoane y Vicente Muleiro señalan que Videla aceptó entrevistas porque el silencio que se había impuesto era “insoportable para su profundo y escondido deseo de seguir modelando la historia”. Seguramente por las mismas razones habló con Ceferino Reato para Disposición Final – que se convirtió en su testamento político – y quiso ser reporteado por la revista española Cambio 16, donde hizo la mejor propaganda para el Gobierno, al asegurar que su peor momento llegó “con los Kirchner” y hasta llamó a tomar las armas para derrocar a Cristina Kirchner, o como él dijo, “en defensa de las instituciones básicas de la República”.
Videla no será enterrado con honores porque fue destituido del Ejército y porque en 2009 la ministra Nilda Garré dispuso que los militares involucrados en delitos de lesa humanidad fueran excluidos de los discursos oficiales y fanfarrias. Pero su muerte tampoco fue festejada. Es que, como dijo ayer el nieto recuperado Manuel Gonçalves, “lo importante no es su muerte, sino lo que hizo con su vida”. Y la vida de Videla remite a muchas otras muertes. “Se fue un ser despreciable. Nunca se arrepintió”, aseguró Estela Carlotto, presidenta de Abuelas de Plaza de Mayo. No había tristeza por Videla, pero sí por la información que se murió con él: los datos sobre el destino de los desaparecidos y los niños, hoy jóvenes treinteañeros, que fueron apropiados y no conocen su identidad.
No hubo grandes emociones ante su muerte, sí una ola de repudio por lo que hizo en vida. El rechazo unánime a su figura contrasta con los buenos augurios que recibió cuando aceptó prestar sus servicios para “salvar a la Patria”. Es el reflejo de la gran tarea realizada por Madres, Abuelas y otros organismos de derechos humanos en estos 37 años. Y supone la esperanza de un Nunca Más ante la posible existencia de otros que se acerquen a los valores que él encarnó.
Victoria Ginzberg
No Pagina|12
Leia Mais ►

Veja usa carro de líder do PSDB no Acre...

:
...para rondar a casa do governador Tião Viana; equipe da Veja se encontra em Rio Branco para acompanhar a Operação G-7, que deteve o diretor da Secretaria de Saúde do Acre, Tiago Viana das Neves Paiva, que é sobrinho do governador; "Não fiquei surpreso com essa relação promíscua. A revista Veja há muito tempo deixou de fazer jornalismo. Faz panfletagem tucana para atingir governos do PT", disse o secretádio de Comunicação do governo, Leonildo Rosas
Um fotógrafo da revista Veja foi flagrado na tarde desta quinta-feira nas imediações da casa do governador Tião Viana dentro de um carro de propriedade do deputado estadual e líder do PSDB na Assembleia Legislativa, Wherles Rocha. O repórter fotográfico foi abordado pelos policiais militares que fazem segurança na casa do governador e confirmou que fazia parte da equipe da revista.
No 247
Leia Mais ►

Para descontrair

Leia Mais ►