5 de jan de 2013

Aécio Neves anuncia pré-candidatura ao BBB

Aécio Neves anuncia pré-candidatura ao BBB
Aécio foi flagrado combinando votos com FHC para colocar Alckmin e Serra no paredão
LEBLON - Pressionado por Fernando Henrique Cardoso, Geraldo Alckmin, Luciano Huck, Otavio Leite e Regina Duarte, o senador Aécio Neves finalmente assumiu sua pré-candidatura. "Cogitei concorrer a prefeito da Cidade da Música, a governador de Ipanema e a presidente do Cordão do Bola Preta. Mas o dever cívico falou mais alto". Após uma pausa para conter a emoção, Aécio empostou a voz e concluiu: "Serei pré-candidato ao elenco do Big Brother Brasil".
A notícia se espalhou rapidamente. Do bar do hotel Fasano, no Arpoador, aos quiosques de água de coco do Leblon não se falava em outra coisa.
Merval Pereira foi visto assinando o pacote pay-per-view do BBB. Inconformado, José Serra candidatou-se à Fazenda de Verão.
Procurado pela reportagem do Piauí Herald para comentar o assunto, o ex-presidente em exercício Lula demonstrou estupefação: "Aécio? Quem é esse rapaz? Vai jogar no Corinthians?", perguntou.
Pelo twitter, Pedro Bial negou sua candidatura ao governo de Minas.
No The i-Piauí Herald
Leia Mais ►

Presidente do Galo se rebela contra Privataria Tucana no Mineirão

Aécio Neves (PSDB-MG), quando era governador, recebeu a "benção" do ex-cartola da CBF, Ricardo Teixeira, para fazer uma Privataria Tucana no Mineirão
O estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, foi reinaugurado com reformas para a Copa e deveria ser motivo de festa, palco dos grandes clássicos mineiros, entre Atlético e Cruzeiro.
Mas o presidente do Atlético Mineiro, Alexandre Kalil, disse que seu clube não jogará no Mineirão enquanto não corrigirem abusos que trará prejuízos ao clube. Até os jogos internacionais da Taça Libertadores, Kalil afirmou que o clube jogará no estádio Independência: "Quero avisar para todo mundo que está comprando camarote. O Atlético não vai jogar no Mineirão. Eles estão mentindo. Mandaremos todos os jogos no Independência que, inclusive, já possui novos camarotes",
Por trás da reclamação está a Privataria Tucana. Quando era governador, Aécio Neves (PSDB-MG) privatizou a operação do estádio por 25 anos para a empresa "Minas Arena", composta pelas construtoras Construcap, Egesa e HAP Engenharia. Agora a empresa quer tirar seus lucros através de contratos draconianos com os clubes para usar o estádio.
"O Mineirão é de uma empresa privada que quer liquidar o futebol mineiro. A brincadeira é algo em torno de R$ 3 bilhões. Estou dizendo porque estudamos os números. Estamos marcando com o governador para mostrar o horror que é o contrato que estão oferecendo no Mineirão", disse Kalil em entrevista à Rádio Itatiaia. (Com informações do Jornal Hoje em Dia)
ZéAugusto
No Amigos do Presidente Lula
Leia Mais ►

Uma boa verdade para começar 2013

 
Ao dar posse a José Genoíno, o Congresso lembrou aos brasileiros que a Constituição está em vigor. A decisão se baseia no artigo 55, aquele que define que cabe exclusivamente a Câmara cassar o mandato de deputados, por maioria simples e voto secreto. (O mesmo artigo define regras idênticas para o caso de senadores).
O julgamento do mensalão encerrou-se com uma frase muito repetida por ministros. Eles diziam que a Constituição é aquilo que o “Supremo diz que ela é.” Essa definição de caráter absoluto resume uma visão de que o Supremo é um poder acima dos demais, afirmação que contraria o pensamento de OIiver Holmes, o juiz da Suprema Corte americana que disse, em 1905, que a “lei é aquilo que o tribunal diz que ela é.”
Holmes fez essa afirmação numa situação específica, quando uma maioria conservadora na Suprema Corte conseguiu impedir leis que limitassem a jornada de trabalho a um máximo de 60 horas. Em minoria, Holmes lembrou que embora a Constituição americana não atribuísse  ao governo a função de definir a jornada de trabalho, ela aceitava que o Estado tinha o dever de proteger a saúde da população – e que a jornada era uma forma de se fazer isso.
Mas em várias oportunidades Holmes deixou claro que não cabia ao tribunal “fazer” a Justiça como bem a entendesse. Conforme explicam estudiosos de sua obra, Holmes gostava de explicar aos jovens advogados que um tribunal apenas “aplica” a lei.
É um raciocínio coerente, quando se trata de um artigo como o 55, escrito, votado e aprovado por ampla maioria de constituintes, em 1988. Não cabe, sequer, levantar artigos de leis infraconstitucionais, como dizem os juristas, porque a Constituição se superpõe a eles, como eu aprendi num curso chamado ginásio, obrigatório para adolescentes de minha geração.
E  é  um ensinamento importante, em particular quando se recorda que a Constituição brasileira foi escrita por parlamentares eleitos em 1986, que criou o mais amplo regime de liberdades da nossa história.
É por isso que não há o que fazer diante do artigo 55, a não ser garantir que seja cumprido – da forma que os parlamentares acharem melhor. Estamos no mundo da política, onde apenas os representantes eleitos do povo exercem a prerrogativa de  cassar ou não o mandato de seus pares. Há várias possibilidades.
Os deputados podem fazer um acordo para garantir que o assunto seja debatido na Casa – e cada um vote como quiser, assegurado, como diz a lei, o direito a ampla defesa. Também podem fazer um acordo apenas para garantir o direito a defesa na tribuna de cada condenado – e por ampla maioria, negociada anteriormente, decidir sua cassação. Ou, pelo contrário, podem decidir rejeitar o pedido. O importante é sempre assegurar a regra democrática de que o Congresso é um poder soberano e não pode ser arranhado como expressão da vontade popular.
Em qualquer caso, não há surpresa nenhuma diante da reação de Marco Maia, presidente da Câmara que se recusou a submeter-se a uma decisão que contraria a Constituição. As manifestações públicas de  Henrique Eduardo Alves, provável sucessor de Maia, vão na mesma direção.
Nos dois casos, o Congresso apenas reafirma o artigo número 1 da Constituição, onde se diz que “todo pode emana do povo, que o exerce através de seus representantes eleitos.”
É bom começar o ano relembrando uma verdade tão simples e tão bela, concorda?
Paulo Moreira Leite
No Vamos combinar
Leia Mais ►

Plano para matar presidente do Equador está na agenda da CIA, revela dossiê

Rafael Correa é candidato à reeleição no Equador e concentra o maior
apoio popular entre os demais candidatos
O jornalista chileno Patricio Mery alertou às autoridades equatorianas, nesta sexta-feira, para um plano da Agência Central de Inteligência norte-americana (CIA, na sigla em inglês) para assassinar o presidente do Equador, Rafael Correa. A medida seria em retaliação ao fechamento de uma base dos EUA naquele país, que existiu até 2009, e por dar asilo ao jornalista australiano Julian Assange, diretor do sítio WikiLeaks, na internet.
O repórter apresentou suas pesquisas ao ministro das Relações Exteriores do Equador, Ricardo Patiño, e promoveu uma conferência com jornalistas nesta capital. À agência latino-americana de notícias Andes, Mery revelou detalhes do trabalho de apuração realizado ao longo dos últimos cinco anos.
Sua pesquisa abre várias frentes de investigação e detalha as relações de autoridades chilenas com a CIA. Ele organizou um roteiro que se repete em vários países da região. A agência norte-americana, com o apoio de autoridades do governo chileno, promove a entrada de drogas produzidas no Equador, cerca de 200 quilos de cocaína por mês, a fim de gerar dinheiro sujo: chega no Chile segue para a Europa e os Estados Unidos. Do dinheiro gerado, uma parte permanece no Chile “e me disseram as fontes que este dinheiro é destinado a desestabilizar o governo do presidente Correa”, afirma o jornalista.
Mery comprova as informações passadas ao governo equatoriano com uma denúncia, feita no Chile, pelo inspetor Fernando Ulloa, após reunião com ministro do Interior da época, Rodrigo Hinzpeter, ao qual apresentou um dossiê com todos os fatos e nomes dos líderes do PDIs (Polícia de Investigações, na sigla em espanhol) envolvidos com o tráfico de drogas, incluindo Luis Carreno, “que aponto como um agente da CIA e que agora trabalha como inspetor área de Arica e integra o alto comando do PDI. Após a denúncia, a única medida tomada foi afastar o denunciante, Fernando Ulloa, de suas funções.
A apuração do jornalista começou quando ele suspeitou da corrupção nos meadros policiais de seu país e um agente da Agência Nacional de Inteligência (ANI) confirmou-lhe que a droga serviria para abastecer financeiramente um plano de desestabilização do presidente Correa, por dois motivos: o líder equatoriano havia fechado a base de Manta e concedido asilo a Julian Assange, que pode ser condenado a morte se for extraditado de Londres, onde se encontra, para os EUA, por vazar informações de segurança nacional sobre os norte-americanos. A partir dessa perspectiva Correa tornou-se também um alvo da CIA. A agência, com base em Langley, no Estado da Virgínia, atua em paralelo ao governo dos EUA e aplica suas próprias regras nas ações daquele país em território estrangeiro.
No relatório entregue ao governo equatoriano, Mery afirma que algumas fontes lhe permitiram revelar seus nomes:
– Minhas fontes são: Hector Guzman, Fernando Ulloa, um terceiro membro da Polícia de Investigações que prefiro não revelar ainda seu nome porque sua vida está em perigo no Chile e há uma quarta fonte, que é o agente da ANI. Reúno também documentos histórico e fatos devidamente checados, como a reunião com o ministro Rodrigo Hinzpeter, que atualmente é o ministro da Defesa no meu país – relatou.
O ministro Hinzpeter esteve envolvido em quatro “armações” no Chile: no primeiro caso, que o liga diretamente com a CIA, um paquistanês chamado Saif Khan é chamado à embaixada dos EUA e dizem que vão lhe arranjar um emprego. Eles o deixaram trancado em um quarto e, ato seguinte, entra Grupo de Operações Especiais da Polícia (OGPE, na sigla chilena) e o levam preso.
– O homem não sabia de nada, é paquistanês e espero que saiba falar Inglês. Ele é acusado de ter traços de TNT (explosivos), ou seja, como se tivesse entrado com uma bomba na embaixada. A operação foi coordenada por um agente da CIA chamado Stanley Stoy, que ordena à polícia de investigações para que faça uma incursão na casa de Saif Khan, o que é irônico, porque a Polícia Nacional não pode receber ordens de um policial estrangeiro. Em seguida, descobriu-se que o jovem Saif Khan não tinha nada a ver com o que o estavam acusando, mas a parafernália serviu para mostrar como o país auxilia os EUA na luta contra o terrorismo no mundo. No Chile, temos um quadro onde podemos ver que as autoridades mais altas estão ligadas à CIA e à extrema-direita norte-americana – disse.
Um outro escândalo denunciado a Portiño mostra que Rubén Ballesteros, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), foi o juiz que participou dos conselhos de guerra da ditadura de Augusto Pinochet e ordenou o fuzilamento de prisioneiros.
– Ele é acusado de violação dos Direitos Humanos e mantém ligações estreitas com a direita dos EUA – acusa o jornalista.
Ainda segundo o relatório de Mary, Sabas Chahuán, procurador-geral da República (PGR), quem deve investigar os crimes no país, “tem uma relação estreita com o FBI através de um acordo firmado com os EUA, depois da prisão de Saif Khan”. De acordo com documentos apresentandos pelo jornalista, com base na prisão arbitrária foi criado um programa chamado LEO, o qual permite que os norte-americanos obtenham qualquer informação acerca dos cidadãos chilenos.
– E tudo o que o FBI sabe, a CIA sabe também – presume.
Chahuán teria recebido ordens da Embaixada dos EUA no Chile para criar essas “armações”, denuncia Mary.
– Com tudo o que eu disse, mais o que disseram as fontes e provam os documentos e fatos, há uma estrutura que nos permite dizer que a CIA coordena as políticas daquele país com o exterior – garantiu.
Drogas contra o socialismo
As ligações entre a CIA e o governo chileno, segundo as denúncias, permitem que a agência norte-americana monitore a situação política no pais vizinho. No Equador, o presidente é socialista e tem um dos mais altos índices de aprovação popular.
– Nossas fontes afirmam que a droga traficada para fora do Chile destina-se a desestabilizar ou até matar o presidente Correa. Por quê? Porque quando um presidente passa em um mês de 60% de aprovação pública para 80%, de acordo com pesquisas divulgadas nesta quinta-feira, e reúne todas as condições para vencer as eleição no Equador, a única maneira de tirá-lo do caminho é por meio de um assassinato – afirmou.
Embora não acuse diretamente o governo do presidente Barack Obama de participar do plano para matar um colega sul-americano, “parece uma atitude muito suspeita da CIA e temos as provas que definem as relações entre a CIA e o governo do meu país. O presidente Sebastián Piñera é filho de José Piñera, que foi embaixador do Chile nos Estados Unidos. Ele também é irmão de José Piñera, que foi ministro do (ditador Augusto) Pinochet”.
Em 1980, lembrou, “o presidente Piñera faliu o Banco de Talca. Ele era gerente e promoveu um imenso desfalque. Devia estar preso. Nada foi investigado sobre a participação da CIA neste episódio, mas a informação que temos é que o presidente Piñera foi retirado do país por quase um ano, para que não precisasse enfrentar a Justiça. O pai do presidente sempre teve laços estreitos com os EUA e com a CIA”.
– Temos agora todos os elementos que mostram pelo menos 90% de possibilidade da existência de um processo de desestabilização permanente contra o presidente Correa, por ele fechar a base de Manta e dar asilo a Julian Assange. Mas isso, na realidade, não é uma questão política, e sim, comercial, porque a CIA tráfica de drogas, e faz isso através do PDI chileno, e você diz um nome, Luis Carreno, quando se chega ao bolso de um empresário, um empreendedor, mesmo ilegal, ele fica chateado e busca vingança – esclarece.
Mery acredita que haja um esquema em que CIA desestabiliza os governos, uma semana antes de tomarem posse.
– Foi o caso do presidente Salvador Allende. Eles mataram o comandante-em-chefe, René Schneider. Este crime foi perpetrado pela CIA, segundo telegramas revelados, nos quais há uma conversa entre Richard Nixon e Henry Kissinger, que assume total responsabilidade pela morte de Schneider – disse Mery à agência de notícias.
Mídia corrompida
No relatório do jornalista consta também a entrega de US$ 3 milhões ao jornal El Mercurio, do empresário Agustín Edwards Eastman, como pagamento pela cobertura favorável às “armações” realizadas pela agência de inteligência norte-americana.
– Durante a ditadura, o jornal disse que não havia desaparecidos, negou que os direitos humanos tenham sido violados e agora, todos os dias publica notas e matérias contra os presidentes Correa e Hugo Chávez, da Venezuela – constata.
Mery também aponta o fato de o ex-chefe do PDI, Arturo Herrera estar ligado a um caso de pedofilia, como um cliente de uma rede de exploração sexual infantil.
– Posteriormente, ele foi nomeado vice-chefe da Interpol. Como uma pessoa acaba de ser acusado de pedofilia e assume como vice-diretor da Interpol? – questiona.
Herrera, segundo o dossiê entregue ao governo equatoriano, “foi contratado para desestabilizar o governo de Hugo Chávez. Como fez isso? Armando uma série de histórias para vincular Chávez às FARC. Em seguida, ligam Correa às Farc para, finalmente, envolver o Partido Comunista do Chile, especialmente Guillermo Teillier e Lautaro Carmona, os deputados chilenos que disseram ter ligações com membros das FARC. Esse é o mesmo roteiro utilizado na Venezuela, Equador e Chile”.
Mery convidado pelo ministro Ricardo Patiño, em uma visita oficial, para a entrega do relatório.
– O que ele vai fazer com essa informação é uma atribuição do governo equatoriano. Eu confio no julgamento do chanceler. Depois de nos conhecermos, ele lançou uma nota no Twitter para dar maior peso ao que lhe havia dito. Então, eu entendo que é uma questão sensível e levada a sério – concluiu.
No Correio do Brasil
Leia Mais ►

Maduro denuncia intentos de oposición para que se dé golpe de Estado en Venezuela

En una entrevista desde Caracas, el vicepresidente venezolano hizo pública una carta difundida por el secretario ejecutivo de la Mesa de Unidad Democrática (MUD, Coalición opositora) a las embajadas del mundo en ese país, en la que se busca manipular el texto de la Constitución Nacional.
El vicepresidente de Venezuela, Nicolás Maduro, denunció este viernes la creación de una ofensiva nacional e internacional por parte la alianza opositora Mesa de la Unidad Demócrática (MUD), que pretende dar un golpe de Estado en Venezuela a días de la fecha establecida para la juramentación del presidente Hugo Chávez.
En una entrevista ofrecida desde Caracas (capital, al norte del país), Maduro afirmó que los sectores de oposición están creando escenarios pretendiendo que el presidente del Parlamento, Diosdado Cabello, dé un golpe de Estado contra Hugo Chávez, declarando una “falta absoluta” que no tiene condiciones de ser decretada.
"Ramón Guillermo Aveledo (secretario ejecutivo de la MUD) pretende aquí que nosotros, en este caso, nuestro querido compañero Diosdado Cabello y la Asamblea Nacional le den un golpe de Estado al presidente Chávez", acusó Maduro.
También denunció nuevamente la "guerra sucia y psicológica" a través de medios y redes sociales sobre el estado de salud del mandatario, quien aseguró "sigue en funciones presidenciales".
El segundo al mando del Ejecutivo venezolano recordó que los sectores de derecha están llevando a cabo una campaña de “rumores malsanos y malintencionados” que además de “crear zozobra”, quieren “sembrar dudas y confusión” sobre un posible vacío de poder en Venezuela.
Maduro citó una carta difundida por Aveledo, y criticó que en ella “se quiere manipular el texto de la Constitución Nacional” haciendo creer que Chávez está obligado a juramentarse el próximo 10 de enero ante la Asamblea para asumir el período constitucional 2013-2016.
“El señor Aveledo está dirigiendo esta carta a todos los embajadores y residencias que representan a sus Gobiernos en Venezuela, una carta llena de muy mala intención, porque pone a correr una especie absolutamente falsa de lo que es la Constitución”, expresó.
En Venezuela no hay falta absoluta
El vicepresidente explicó los artículos 231,233 y 235 de la Carta Magna venezolana y se sustentó en ellos para aclarar que en el país no se ha presentado el caso de “falta absoluta”, así como también decir que el Presidente podrá cumplir con el formalismo de su juramentación después de la fecha pautada, incluso ante el Tribunal Supremo de Justicia (TSJ).
Con el apoyo en la Carta Magna, Maduro también criticó que “lo que dice Aveledo es falso, absolutamente falso”, e invitó a todos los venezolanos a “sacar su Constitución y defenderla”, así como defender la democracia y la paz en el país.
A su vez, rechazó la campaña de “mentira e intriga”, que sostiene la oposición y pidió el cese de la misma, para que se “respeten los derechos de Chávez” de recuperarse y el dolor de sus familiares, quienes están dolidos por el percance de salud.
"A los medios, a todos, apéguense a la verdad y no jueguen con candela. Nosotros que tenemos cargos públicos, vamos a actuar para que se respete al pueblo de Venezuela y al Comandante, quien tiene derecho a su privacidad y a recuperarse. Venezuela tiene derecho a la paz. Déjense de loquera (desorden), respeten la democracia, amarren a sus locos", enfatizó.
Desmintiendo rumores
Consultado por el Ministro de Comunicación e Información, Ernesto Villegas; Maduro también desmintió que en los partes oficiales sobre la salud del Presidente se hayan presentado contradicciones y negó las supuestas divisiones entre líderes socialistas.
En este punto, insistió en que el Gobierno “ha informado de la verdad, de la verdad, verdadera, y el presidente Chávez está en una batalla, compleja, y nosotros estamos poniendo todas nuestras fuerzas por tenerlo más temprano que tarde, en el momento que él lo determine, en Venezuela”.
También dijo que en las líneas de oposición “están cerca de la hora loca, de tirar una ofensiva nacional e internacional contra el pueblo, para enrarecer el clima de desarrollo que el país tiene y aprovechar las circunstancia de la batalla por la salud que está dando Chávez”.
Por último, Maduro fue enfático en aseverar que “jamás he tenido ambiciones” por la Presidencia de la República y destacó que su intención es seguir trabajando por el pueblo hasta que “podamos tener a nuestro comandante Hugo Chávez de vuelta con nosotros”.
“Con el comandante para todo. Que nadie se meta con nosotros, nosotros no nos metemos con nadie”, concluyó.
Leia Mais ►

Polícia uruguaia diz que preso é filho de Alckmin, governo nega

 
Depois de afirmar e desconfirmar, a polícia de Punta del Este, no Uruguai, insiste que é mesmo um dos filhos do governador Geraldo Alckmin um dos presos na noite da sexta-feira (4), no balneário, após uma briga em uma danceteria.
Acionado pelo jornal Brasil 247, assessor de plantão na área de comunicação do Palácio dos Bandeirantes, negou a informação veiculada pela polícia de Punta del Este, no Uruguai, e pelo portal U Notícias. "Um dos filhos do governador está no México e outro em São Paulo", informou a fonte do governo paulista. "O consulado do Brasil em Punta foi contatado para transmitir o esclarecimento às autoridades uruguaias", acrescentou.
A polícia de Punta del Este, no Uruguai, havia confirmado que se tratava, sim, de um filho do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, um dos dois jovens detidos no balnerário, na noite da sexta-feira (4), durante um incidente em uma danceteria.
Os jovens brigaram com seguranças e foram levados para a delegacia local. As informações são do portal uruguaio U Notícias.
Abaixo, notícia mais recente do portal U Noticias, em espanhol, dando conta da confirmação, pela polícia uruguaia, da detenção do filho do governador:
Versiones encontradas sobre identidad del joven detenido por disturbios
Mientras que la gobernación de San Pablo afirma que ningún hijo de Geraldo Alckmin estaba en Uruguay, la policía confirma que se trataba de él y que fue liberado luego de pagar los daños efectuados.
Todo comenzó el jueves cuando dos turistas extranjeros fueron detenidos por un incidente que los enfrentó a la guardia de seguridad de el boliche Sojo, de Punta del Este.
Los jóvenes concurrieron en la noche del jueves al boliche nocturno como parte de su veraneo en Punta del Este. En una habitual movida de este tipo de negocios, los jóvenes quedaron enfrentados a un forcejeo con un guardia de seguridad.
El forcejeo se convirtió en una pelea a golpes de la que intervinieron otros guardias y el amigo de quien dijo ser el hijo de Alckmin, por lo que el incidente cobró otras proporciones.
La policía bajo cuya jurisdicción se encuentra el boliche fue advertida de lo ocurrido, y cuando llegó al local puso fin a la pelea con la detención de los dos jóvenes extranjeros. Los dos muchachos eran puestos a disposición judicial este viernes 4 de enero.
Luego de pagar todos los daños fueron liberados. Mientra la gobernación de San Pablo califica de "falsa" la información y emitió un comunicado diciendo que ningún hijo del gobernador estaba en nuestro país, la policía confirma que se trató de él y menciona que fue lo primero que el joven argumentó cuando fue detenido para evitar que se lo llevaran.
Montevideo, Uruguay
Unoticias y FM Gente
Leia Mais ►

Zeca Pagodinho e seu quadriciclo

A ajuda de Zeca Pagodinho aos moradores de Xerém, na Baixada Fluminense, atingidos pelas fortes chuvas desta semana gerou o primeiríssimo meme de 2013. Com seu quadriciclo vermelho, as fotos do cantor se multiplicam na internet, em homenagens e brincadeiras. Até uma página no Facebook, Zequinha da Depressão, já foi criada para reunir situações em que o pagodeiro vai embora em sua motoca. O blog Não Salvo compilou fotos e posts de internautas que fazem Zeca Pagodinho 'desistir' da internet. Já o 'Piauí Herald' brincou com a fama de bom de copo de Zeca e com uma blitz da Lei Seca para seu quadriciclo.
Veja algumas das montagens que pipocam por aí:
 
Já o 'Piauí Herald' brincou com a fama de bom de copo de Zeca e a Lei Seca para seu quadriciclo:
No O Globo
Leia Mais ►

Filho do Xuxu é preso em Punta del Este

Hijo de gobernador de San Pablo detenido en Punta del Este por riña en un boliche

Dos turistas extranjeros, uno de ellos hijo del gobernador de San Pablo, Geraldo Alckmin, fueron detenidos por un incidente que los enfrentó a la guardia de seguridad de un boliche nocturno en Punta del Este.
Los jóvenes concurrieron en la noche del jueves a un boliche nocturno como parte de su veraneo en Punta del Este. En una habitual movida de este tipo de negocios, los jóvenes quedaron enfrentados a un forcejeo con un guardia de seguridad.
El forcejeo se convirtió en una pelea a golpes de la que intervinieron otros guardias y el amigo de Alckmin, por lo que el incidente cobró otras proporciones.
La policía bajo cuya jurisdicción se encuentra el boliche fue advertida de lo ocurrido, y cuando llegó al local puso fin a la pelea con la detención de los dos jóvenes extranjeros. Los dos muchachos eran puestos a disposición judicial este viernes 4 de enero.
La información policial no señala si alguno de los guardias de seguridad fue detenido, o demorado por este incidente.
Montevideo, Uruguay
UNoticias
Fuente: FM Gente.
No U Noticias
Leia Mais ►

Eduardo Galeano - Sangue Latino

..
Filmado no Uruguai em novembro de 2009.
Diretor: Felipe Nepomuceno
Dir. de Fotografia: Breno Cunha
© 2010 Urca Filmes
No Blog dos Desenvolvimentistas
Leia Mais ►