5 de dez de 2012

Conversando com FHC

É enternecedor o carinho de nossa grande imprensa com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.
Sempre que o entrevistam, é uma conversa amena. Percebe-se a alegria dos jornalistas em estar na sua presença.
O tom é cordial, as perguntas são tranquilas. Tudo flui na camaradaria.
O que não chega a ser surpreendente. FHC é um boa prosa, que sabe agradar os interlocutores. Além de ser uma pessoa respeitável, seja pela trajetória de vida, seja por sua maturidade.
Natural que o tratem com consideração.
Estranho é constatar que a amabilidade com que é recebido não se estende a seu sucessor. A mesma imprensa que o compreende tão bem costuma ser intransigente com Lula. Para não dizer francamente hostil e deselegante.
Quem lê o que ela tem falado a respeito do petista nos últimos dias e o compara ao tratamento que recebe Fernando Henrique deve achar que um deixou a Presidência escorraçado e o outro sob aplauso. Que a população odeia Lula e adora o tucano.
Esta semana, tivemos mais um desses bate-papos. Saiu na Folha de S.Paulo.
FHC discorreu sobre o Brasil e o mundo. Falou do PSDB, de Aécio e Serra. Meditou sobre o julgamento do mensalão com a sabedoria de quem o vê a prudente distância. Opinou sobre Dilma e Lula. Contou de sua vida particular, a família e os amores.
Foi uma longa conversa, sóbria e comedida — embora com toques de emoção.
Mas foi frustrante. Acabou sendo mais uma oportunidade perdida para ouvir FHC sobre algumas questões que permanecem sem resposta a respeito de seu governo.
É pena. Não está na moda "passar o Brasil a limpo"? "Mudar o Brasil?" "Sermos firmes e intransigentes com a verdade?"
Ninguém deseja que Fernando Henrique seja destratado, hostilizado com perguntas aborrecidas e impertinentes ou que o agridam.
Um dia, no entanto, bem que alguém poderia pedir, com toda educação, que falasse.
Que descrevesse o projeto do PSDB permanecer no poder por 20 anos e como seria posto em prática, quais as alianças e como seria azeitado (sem esquecer a distribuição, sem licitação, de quase 400 concessões de TVs educativas a políticos da base).
Que relembrasse os entendimentos de seu operador com o baixo clero da Câmara para aprovar a emenda da reeleição. Quanto usou de argumentos. E o que teve que fazer para que nenhuma CPI sobre o assunto fosse instalada.
Que apontasse os critérios que adotou para indicar integrantes dos tribunais superiores e nomear o procurador-geral da República. Que explicasse como atravessou oito anos de relações com o Judiciário em céu de brigadeiro.
Que refletisse sobre o significado de seus principais assessores econômicos tornarem-se milionários imediatamente após sairem do governo — coisa que, se acontecesse com um petista, seria razão para um terremoto.
Enfim, FHC poderia em muito ajudar os amigos. Esses que fingem ter nascido ontem e se dizem empenhados em "limpar" a política.
Bastaria que resolvesse falar com clareza.
No mínimo, diminuiria a taxa de hipocrisia no debate atual e reduziria o papo furado. O que é sempre bom.
Marcos Coimbra, sociólogo e presidente do Instituto Vox Populi
Leia Mais ►

Beneficios de Ley de Comunicación Audiovisual de Argentina

Leia Mais ►

Luciano Huck vai processar Rafinha

Em nota divulgada ontem à noite, o apresentador global Luciano Huck, que foi barrado por uma blitz da Lei Seca no Rio de Janeiro e se recusou a fazer o teste do bafômetro, informou que vai processar o “humorista” Rafinha Bastos. Logo após o incidente, o ex-CQC não perdeu a chance e disparou contra o rival da TV Globo. “Da próxima vez, vai de táxi, seu bosta”, ironizou Rafinha, numa referência ao antigo sucesso musical de Angélica, esposa de Luciano Huck e também estrela global. A reação às “grosserias” foi imediata.
Numa nota lacônica, sua assessoria de imprensa informou: "Sobre a apreensão da sua CNH, Luciano Huck já se manifestou a respeito em sua fanpage no Facebook. Quanto à discussão gerada, não existe a necessidade de nenhum comentário extra por parte do apresentador que ressalta que discussões positivas são sempre bem-vindas. Sobre as grosserias gratuitas e desproporcionais, ele entende que este assunto deve ser tratado nas esferas do judiciário. E assim será”.
Baixarias das celebridades midiáticas
A rápida reação acuou novamente o agressivo “humorista” e o ex-CQC apressou-se em pedir desculpas. “Li e reli o meu post anterior e decidi escrever. Personifiquei a minha ira contra a hipocrisia do planeta na figura do Luciano Huck... Acabei transformando o caso em um palanque para despejar uma série de ofensas pessoais contra o trabalho do apresentador. Atitude desnecessária. Feia. Eu poderia ter exposto a minha opinião de uma forma muito mais inteligente e eficiente. Não sei se haverá algum processo judicial contra mim. Não é esta a questão. Estou aqui apenas para deixar claro que desta vez sinto que me equivoquei. Errei e por isso peço desculpas”, escreveu Rafinha.
O caso pode não dar em nada e sumir da mídia – o que é muito comum no país. Mas ele serve ao menos para desmistificar o mundo das celebridades midiáticas. Luciano Huck sempre foi apresentado como um exemplo de “bom-mocismo” – foi até capa da revista Veja, que adora queimar a língua (vide Demóstenes Torres, o “mosqueteiro da ética”). Recentemente, ele chegou a ser cogitado pelo PSDB para ser candidato. Agora, é flagrado numa blitz e foge do bafômetro. Já Rafinha é uma das maiores expressão do humorismo reacionário do país. Eles se merecem!
*****
Só para se divertir com as baixarias no mundo das celebridades, leia o que Rafinha escreveu sobre Huck antes de se “arrepender” e pedir desculpas:
Luciano, você bebeu antes de dirigir. Fez merda. Mas não se preocupe: Para a maioria do país, comunicador FDP não é aquele coloca a vida dos outros em risco, é aquele que fala o que pensa. Fique tranquilo.
No fundo você está pensando: "Só bebi um pouquinho e estava a 20 Km/h. Essa lei é muito radical no Brasil e com a dose que bebi, eu não seria sequer multado em nenhum outro país". Não é isso que está na sua cabeça? Eu sei que é. Eu conheço cabeça de playboy inconsequente.
Mas é claro que você não vai dizer nada disso. Sabe porque? Porque dizer o que pensa é mais arriscado do que dirigir alcoolizado. Você nunca falou nada que desagradasse o seu público, não é em um momento de crise que você irá fazer isso, tô certo?
Você não vai jogar fora toda uma credibilidade construída durante anos de assistencialismo barato na TV, não é?
Para se sair bem desta, segue a minha dica: Fala que não agiu certo. Isso. Veste aquela máscara de celebridade arrependida e vai pra TV fazer de conta que você se importa com o assunto. Melhor ainda... faz campanha contra a combinação direção + álcool. Perfeito! Nossa, vai pegar super bem! O povo vai te amar ainda mais.
Genial.
Bem... nem sei porque estou aqui dando dicas. Você sabe muito bem o que fazer, afinal, teatrinho falso na TV é a tua especialidade.
Tenho certeza que tudo vai acabar bem.
E da próxima vez, se não for atrapalhar muito a sua vida, tenta não colocar a vida dos outros em risco. Pega um táxi, seu bosta.
Altamiro Borges
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 1599

Leia Mais ►