3 de set de 2012

Toffoli julga mulher de Noblat sobre rombo de R$ 33 milhões no INCRA

Agora está explicada a obsessão do blogueiro da Globo contra o ministro Dias Toffoli, do STF.
http://www.stf.jus.br/portal/processo/verProcessoAndamento.asp?incidente=2485274
Toffoli é relator da Reclamação 4895 no STF, onde Raul Jungmann (PPS-PE) reclama ser julgado pelo STF em Ação onde é réu por improbidade administrativa junto com a ré Rebeca Scatrut, mulher de Noblat.
A Ação foi movida pelo Ministério Público Federal do DF, e acusa fraude em contratos com agências de publicidade feitos pelo Ministério da Reforma Agrária, comandado por Jungmann no governo FHC, envolvendo a empresa da mulher de Noblat, RNN Comunicação.
O rombo nos cofres públicos foi de R$ 33 milhões em dinheiro da época, segundo o MPF.
http://processual.trf1.gov.br/consultaProcessual/processo.php?proc=200634000378430&secao=DF
O MPF-DF cobra a devolução dos R$ 33 milhões aos cofres públicos, neste processo.
Houve outro inquérito criminal por peculato e corrupção ativa e passiva sobre esses mesmos fatos, com os mesmos réus, mas como não eram petistas, acabou sendo arquivado a pedido do Ministério Público, alegando prescrição. Mas esse outro fato quase tão esquesito quanto o engavetamento da Operação Vegas em 2009, já é assunto para outra nota.
ZéAugusto
No Amigos do Presidente Lula
Leia Mais ►

Fantástico ataca farmácias populares

O programa Fantástico, da TV Globo, exibiu na noite de domingo uma longa reportagem sobre a corrupção nas farmácias privadas com dinheiro do Sistema Único de Saúde (SUS). As denúncias devem ser apuradas e os criminosos, que desviam recursos públicos e penalizam a sociedade, devem ser exemplarmente punidos. A matéria, porém, faz uma crítica generalizada as chamadas "farmácias populares", criadas no governo Lula para garantir acesso a medicamentos para a população mais carente.
Diante deste ataque, a Federação Nacional dos Farmacêuticos (Fenafar) divulgou hoje "nota de repúdio à reportagem do programa dominical da Rede Globo" e "em defesa do interesse público, da saúde e dos farmacêuticos". Ela é assinada pelo presidente da entidade, Ronald Ferreira dos Santos. Reproduzo-a na íntegra:
A categoria farmacêutica, sabedoura de sua responsabilidade com a saúde do povo brasileiro, desde o início da década de 90 do século passado, colocou como sua prioridade máxima a luta pela transformação da Farmácia de comércio em um estabelecimento de saúde.
Em um país aonde o gasto das famílias (privados) com saúde representam 55% de toda a renda - e para as famílias que recebem até quatro salários mínimos os medicamentos representam mais de 60% dos gastos com saúde - medidas na direção de colocar o medicamento em uma posição estratégica na garantia do Direito à Saúde são fundamentais.
Dados de 2011 do SINDUSFARMA-SP demostram que 77% das aquisições de medicamentos se deram por desembolso direto do cidadão nas farmácias e drogarias brasileiras, e o volume de 62 bilhões de reais que circularam no comércio varejista de produtos farmacêuticos, que o IBGE conseguiu identificar, é o mesmo valor do total que o Governo Federal aplicou em ações e serviços de saúde em 2010.
Portanto, o papel do medicamento, dos Farmacêuticos e das Farmácias merecem das autoridades, da imprensa e das organizações da sociedade uma atenção maior e mais responsável. Ao abordarmos os desafios contratados em nossa Constituição Federal - particularmente no que diz respeito à Ordem Econômica, que se fundamenta na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, e que tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados diversos princípios, entre os quais a Função Social da propriedade - verificamos algumas contradições na atual conformação do setor farmacêutico nacional.
No Brasil, a diferença da natureza da atividade econômica Comércio com atividade econômica Saúde ganhou maior destaque a partir da Constituição de 1988 - que elevou a Saúde à categoria de Direito. Porém, infelizmente, o que ainda preside a lógica do acesso aos medicamentos, elemento essencial na garantia do direito à saúde, é o interesse comercial. Interesses que os números revelam serem muito poderosos.
Nós, farmacêuticos, desenvolvemos há mais de 15 anos a campanha “Farmácia Estabelecimento de Saúde. Sua vida não tem preço” . Por mais de três vezes já ocupamos a esplanda dos Ministérios, em Brasília, o Congresso Nacional, centenas de Praças, Universidades, espaços legislativos, e estivemos presentes em eventos diversos para afirmar que os Farmacêuticos Brasileiros, que a Farmácia Brasileira e que o medicamento devem estar inseridos nas ações e estratégias que garantam o direito à Saúde.
Com o advento da Farmácia Popular do Brasil e do Aqui tem Farmácia Popular, testemunhamos importantes avanços, entre eles o estabelecimento do compromisso desta atividade econômica com ações estratégicas de saúde em relação à Hipertensão, Diabetes e Asma. Milhões de brasileiros que antes não tinham acesso aos mediamentos passaram a ter, é claro que em uma atividade na qual predomina o interesse meramente mercantil os riscos de desvios estão sempre presentes.
Nós Farmacêuticos repudiamos e condenamos todo e qualquer malfeito com dinheiro público, mas também todo e qualquer malfeito com o dinheiro privado, particularmente aquele que foi conseguido com muito suor pelo trabalhador brasileiro e é deixado na Farmácia.
Nós farmacêuticos temos buscado nos preparar cada vez mais para as nossas reponsabilidades, temos dado uma grande contribuição para a melhoria da qualidade de vida do povo brasileiro, voltando a ocupar com maior destaque o espaço das Farmácias, resgatando nosso papel de profissional da saúde, e podemos hoje afirmar com convicção que a sociedade pode confiar em nosso trabalho. Agora, quanto aos comerciantes inescrupulosos que apenas carregam o título de farmacêutico, para eles defendemos o mesmo tratamento que qualquer criminoso merece, lembrando que 66% dos farmacêuticos são empregados.
Não só porque o “Saúde não tem preço” reforça o movimento dos farmacêuticos brasileiros, é que nos manifestamos favoravelmente ao Farmácia Popular, mas principalmente por se tratar de uma iniciativa que permite colocar a discussão sobre o acesso aos mediamentos sob uma ótica não presidida pelo interesse mercantil, e possibilita pautarmos entre outros temas de grande relevância a Farmácia Estabelecimento de Saúde e a tributação sobre medicamentos, o que ao nosso entender significa defender o Interesse Público, a Saúde e os Farmacêuticos.
Ronald Ferreira dos Santos - Presidente da Fenafar - Federação Nacional dos Farmacêuticos
No Blog do Miro
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 1438

Leia Mais ►

Serra mente novamente

Explicada a rejeição em Serra.
José Serra quer enganar eleitor paulistano outra vez.
É muita cara-de-pau, ou muito mau-caráter, ou ambos.
Ô Coiso, chega de mentiras!
Melhor explicar a 'Privataria Tucana'.

Leia Mais ►

Manuela e Fortunati lideram disputa em Porto Alegre. Marina Silva apoia candidato do PT

Pesquisas apontam situação de empate técnico entre a candidata do PCdoB, Manuela D'Ávila, e o atual prefeito, José Fortunati (PDT). Datafolha aponta Fortunati com 36% e Manuela com 32%. Já o Ibope coloca Manuela na frente com 42%, contra 39% de Fortunati. Adão Villaverde, candidato do PT, que aparece em terceiro com índices que variam de 5 a 7%, recebeu o apoio neste final de semana da ex-ministra do Meio Ambiente e ex-candidata à presidência, Marina Silva.
Porto Alegre - A candidata do Partido Comunista do Brasil (PC do B), Manuela D’Ávila, aparece em primeiro lugar na pesquisa Ibope para a prefeitura de Porto Alegre, contratada pelo Grupo RBS e divulgada sábado (1º). A deputada federal tem 37% das intenções de voto, enquanto o atual prefeito José Fortunati, do Partido Democrático Trabalhista (PDT), aparece em segundo, com 35%, o que configura uma situação de empate técnico, com ligeira vantagem para Manuela.
O candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), o deputado estadual Adão Villaverde, aparece em terceiro lugar, com 5% de intenções de voto e, em quarto, vem Roberto Robaina, do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), com 1% na pesquisa estimulada. Na espontânea, Manuel tem 32%, Fortunati, 31%, e Villaverde, 4%.
A pesquisa do Ibope também fez uma simulação de segundo turno, mas considerou apenas a disputa entre as candidaturas de Manuela e Fortunati, gerando um protesto, inclusive, da parte da candidatura Villaverde. Nesta simulação, a deputada comunista venceria com 42%, contra 39% do atual prefeito de Porto Alegre.
Os números do Ibope são semelhantes aos do instituto Datafolha, divulgados na última quarta-feira e que também apontaram uma situação de empate técnico, só que, neste caso, com uma vantagem para a candidatura de José Fortunati, que tem 36% contra 32% para Manuela. Na simulação de segundo turno realizada pelo Datafolha, Fortunati e Manuela aparecem empatados com 43%. Ainda segundo o Datafolha, o candidato do PT aparece com 7% das intenções de voto.

Marina Silva apoia candidato do PT

A ex-ministra do Meio Ambiente e ex-candidata pelo PV à presidência da República Marina Silva, anunciou neste final de semana seu apoio à candidatura de Adão Villaverde (PT) para a prefeitura de Porto Alegre. O anúncio foi feito após encontro entre os dois, sábado, no Rio de Janeiro. Segundo nota distribuída pela assessoria do candidato, o apoio de Marina deve-se às “propostas apresentadas pelo candidato que revelam o mais absoluto compromisso com a sustentabilidade”.
Entre essas propostas está o projeto Lixo é Luz, que é o de transformar os resíduos sólidos em energia elétrica através de biodigestores, implantados em um futuro Ecoparque, para gerar biogás. Cada usina de biogás poderia atender 30 mil residências, ou cerca de 120 mil a 150 mil pessoas. Outra é a criação de condições para a inclusão do uso da bicicleta como meio de transporte individual e a adoção de políticas que coloquem o aeromóvel, o catamarã e os ônibus como integrantes do sistema modal de mobilidade urbana na capital. 
"Existem aqueles que assinam com a mão e aqueles que assinam com o coração e com a vida. Eu sempre procuro apoiar esses últimos”, disse Marina ao declarar apoio ao candidato. No encontro, Villaverde presenteou Marina com uma edição do Atlas Ambiental de Porto Alegre, produzido por Rualdo Menegat, Maria Luiz Porto, Clovis Carlos Carraro e Luís Alberto Dávila Fernandes e que mostra a evolução geológica e a história natural da cidade.
Marco Aurélio Weissheimer
No Carta Maior
Leia Mais ►

Márcio Lacerda fala sobre Patrus Ananias

Leia Mais ►

Aécio, o “mensalão” e o bafômetro

http://ajusticeiradeesquerda.blogspot.com.br/
Aécio Neves, o cambaleante presidencial tucano, não gostou da visita de Lula a Belo Horizonte na última sexta-feira. Em seu primeiro comício desta campanha eleitoral, em apoio ao petista Patrus Ananias, o ex-presidente criticou o PSDB por ter “quebrado” Minas Gerais - fato que já foi denunciado inúmeras vezes na Assembléia Legislativa do estado. Irritado, o senador retrucou ontem, num evento pela reeleição de Marcio Lacerda, citando o julgamento do chamado “mensalão”.
“O PT se apropria das empresas públicas como fez, agora comprovado pelo Supremo Tribunal Federal, em relação ao Banco do Brasil. Uma vergonha. Uma instituição secular, o símbolo do Brasil que se e desenvolveu que avançou, é utilizada da forma como foi provada agora pelo STF, para atender a interesses do partido. Esse é um problema grave do PT. Ele tem muita dificuldade de separar o que é público do que é privado”, atacou Aécio Neves, no maior cinismo.

O falso moralismo do tucano

Será que o deputado Eduardo Azeredo, também do PSDB, estava presente ao comício em apoio a Lacerda? Caso tenha participado, ele não deve ter gostado do falso moralismo de Aécio. Afinal, foi na sua frustrada campanha à reeleição para o governo mineiro que foi montado o esquema de caixa dois pelo publicitário Marcos Valério. Azeredo até já confessou que a grana “não contabilizada” irrigou a campanha de FHC em 1998. Apesar das provas, o STF protela o julgamento do “mensalão tucano” e a mídia evita tratar do assunto.
A mídia demotucana é, de fato, bastante complacente com o presidenciável do PSDB. Ontem ela deu destaque aos seus ataques contra Lula, mas evitou falar sobre o “mensalão mineiro” – ela nem sequer o rotula de “mensalão tucano”. Na semana passada, ela também nada falou sobre um vídeo que agitou a internet, exibindo o senador mineiro aparentemente embriagado num bar do Rio de Janeiro. Só hoje saiu uma notinha na coluna Painel da Folha, sem dar detalhes sobre a curiosa cena. Mesmo assim, vale a pena reproduzi-la:
* * *

Teste do bafômetro

O ex-ministro Walfrido dos Mares Guia (PSB) ofereceu jantar na sua casa na quinta-feira para receber o ex-presidente Lula e amigos. O principal tema das conversas foi o vídeo em que o senador Aécio Neves (PSDB) aparenta estar embriagado, saindo de um bar no Rio de Janeiro.
- Se fosse comigo, ia ser um escândalo, disse Lula.
No dia seguinte, em almoço com candidatos, o fotógrafo que acompanha o ex-presidente pediu que ele afastasse de sua frente um copo d'água para tirar uma foto.
- Vamos tirar o copo, senão os tucanos vão dizer que é vodca, provocou Lula, voltando ao assunto.
Leia Mais ►

Nota Oficial da Presidenta da República Federativa do Brasil

A presidenta Dilma Rousseff afirmou hoje (3), em nota oficial, ter recebido uma herança bendita do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Dilma afirmou ter recebido um país com economia sólida, crescimento robusto e inflação sob controle. Leia abaixo a íntegra da nota:
Citada de modo incorreto pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em artigo publicado neste domingo, nos jornais O Globo e O Estado de S. Paulo, creio ser necessário recolocar os fatos em seus devidos lugares.
Recebi do ex-presidente Lula uma herança bendita. Não recebi um país sob intervenção do FMI ou sob a ameaça de apagão.
Recebi uma economia sólida, com crescimento robusto, inflação sob controle, investimentos consistentes em infraestrutura e reservas cambiais recordes.
Recebi um país mais justo e menos desigual, com 40 milhões de pessoas ascendendo à classe média, pleno emprego e oportunidade de acesso à universidade a centenas de milhares de estudantes.
Recebi um Brasil mais respeitado lá fora graças às posições firmes do ex-presidente Lula no cenário internacional. Um democrata que não caiu na tentação de uma mudança constitucional que o beneficiasse. O ex-presidente Lula é um exemplo de estadista.
Não reconhecer os avanços que o país obteve nos últimos dez anos é uma tentativa menor de reescrever a história. O passado deve nos servir de contraponto, de lição, de visão crítica, não de ressentimento. Aprendi com os erros e, principalmente, com os acertos de todas as administrações que me antecederam. Mas governo com os olhos no futuro.
Dilma Rousseff
Presidenta da República Federativa do Brasil
Leia Mais ►

Serra já está empatado em 18% com Haddad nas pesquisas diárias

Tendência consolidada - confirmada pelas pesquisas IBOPE de 6ª feira pp. e Datafolha da 5ª feira - a candidatura tucana de José Serra (PSDB-DEM-PV) embicou para o despenhadeiro de queda continua na intenção de voto e da rejeição crescente.Assim, a eleição em Sampa caminha para uma disputa entre os concorrentes do PRB, ex-deputado Celso Russomanno e o nosso candidato, ex-ministro da Educação, Fernando Haddad (PT-PCdoB-PSB-PP).
Tudo indica, teremos um 1º e 2º turno diferentes, não mais com aquela tradicional polarização PT x PSDB que marca as eleições em São Paulo desde o final da década de 80. José Serra continua caindo e já esta empatado de fato - e não apenas tecnicamente - com Haddad, ambos com 18% nas pesquisas diárias.
Elas indicam que o candidato do PMDB, deputado Gabriel Chalita (PMDB-SP) tende a crescer um pouco e Haddad vai se aproximar de Russomanno que tem cerca de 30% no IBOPE e no Datafolha. O petista tende a chegar ao 1º turno dia 7 de outubro com a preferência de 1/3 do eleitorado paulistano, a votação tradicional do PT na capital e no Estado na 1ª etapa da disuta. Na 2ª, dia 28 de outubro, no segundo turno, Haddad ganha.

O PSDB é alijado do poder em todo o Sul e Sudeste

Com a derrota tucana previsível na maior capital do país, o PSDB caminha para não governar nenhuma cidade das regiões Sul-Sudeste. Dai a explicação para a pressão que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) exerceu sobre o prefeito candidato à reeleição em Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB-PSDB), prometendo sabe-se lá o que para que ele rompesse a aliança PT-PSB que mantinha conosco desde 2008 (que o elegeu, diga-se de passagem) e excluísse o PT da vice em sua chapa em BH.
Uma das razões para o tutor Aécio forçar o tutelado Mácio Lacerda a romper a aliança, sabe-se, é sua candidatura a presidente da República em 2014, que exige hegemonia política total pelo menos em Minas Gerais. E que Aécio não conquistará, dentre outras razões porque deixou o Estado falido para o sucessor que elegeu, o governador, também tucano, Antônio Anastasia.
Já Haddad caminha para a conquista de céu de brigadeiro na rota final de chegada ao 1º turno. O oposto da dupla José Serra e seu principal apoiador, o prefeito paulistano Gilberto Kassab (ex-DEM-PSDB,hoje PSD).
José, vive seu pior momento com o forte crescimento da rejeição a sua candidatura e abandono pelos candidatos a vereador que temem se associar a sua imagem. Eles já tentam descolar sua imagem da de Serra, não pedem mais votos para ele e omitem seu nome em panfletos e material de campanha.

José e Kassab na marcha inexorável para uma derrota histórica

José e Kassab vão ao encontro de uma derrota histórica pela reprovação à gestão Kassab; o desejo da população de mudança na Prefeitura; a desconfiança de 2/3 do eleitorado de que José eleito abandonaria de novo o governo municipal; e a rejeição a ele, hoje já na casa de 50% entre os jovens e crescendo no eleitorado mais conservador.
Nas quatro semanas que nos restam até o 1º turno, a questão é saber quem representará este desejo de mudança do eleitor e cidadão paulistano - Russomanno ou Haddad. Pelas pesquisas Datafolha e IBOPE, mais a avaliação dos programas de campanha no rádio e TV, hoje Russomanno com 31% de intenções de voto ainda está em 1º lugar no imaginário do eleitor.
Mas, as pesquisas também sinalizam claramente o crescimento de Haddad e que a força eleitoral do PT, do ex-presidente Lula e da senadora Marta Suplicy (PT-SP), que entrou na campanha, o credencia para disputar o 2º turno com Russomanno.
Melhor, agora, que José Serra viajou de vez num ônibus, com essa sua história de que os adversários estão propalando nos coletivos da capital que ele vai deixar a prefeitura de novo caso se elegesse. A candidatura José perdeu de vez o rumo e a rota.
Leia Mais ►

Serra desativou programa de prevenção de incêndios em favelas em São Paulo

Gilberto Kassab teve a chance de reativar o projeto, de baixo custo e testado na gestão de Marta Suplicy, mas preferiu editar um decreto para um programa que não recebeu recursos até hoje
Serra desativou programa de prevenção de incêndios em favelas em São Paulo
Enquanto prefeitura rejeita as boas ideias, população pobre sofre com 
sucessão de incêndios em favelas de SP 
(©Folhapress/Arquivo)
São Paulo – Um projeto implantado durante a gestão da Marta Suplicy (PT) na cidade de São Paulo conseguiu, nos seus dois anos de atividade, controlar todos os focos de fogo em favelas antes que se tornassem grandes incêndios. A ideia se mostrou tão eficiente como simples: equipar algumas casas com extintores e treinar moradores para acabar com as chamas antes que se propagassem para moradias vizinhas. Apesar do custo reduzido e do sucesso nas ações, ele foi extinto por José Serra (PSDB) em 2005, quando assumiu a prefeitura. Sucessor do tucano, Gilberto Kassab (PSD) teve a chance de reativar o trabalho depois que um projeto de lei foi aprovado pela Câmara Municipal em 2009, mas não tocou a ideia adiante.
“O problema dos incêndios em favelas já foi solucionado. É só a prefeitura querer continuar o que já deu certo”, afirma o técnico do laboratório de segurança ao fogo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Jose Carlos Tomina, que foi responsável pela metodologia do chamado Programa de Segurança Contra Incêndio, implantado em parceira com a prefeitura e com empresas de equipamentos de proteção contra fogo.
O projeto foi implantado nas favelas Vila Dalva, na zona oeste, Maria Cursi, na zona leste, Jardim Jaqueline, na zona oeste, Cabuçu, na zona norte, Viela da Paz, na zona sul e o Cortiço da Rua Sólon, no centro. Em cada uma, 50 moradores foram treinados para atuarem como brigadistas e cada um deles recebeu dois extintores de incêndio polivalentes, capazes de apagar fogo de qualquer natureza.
“Os bombeiros são muito importantes, mas quando eles chegam o fogo já destruiu muito. Os brigadistas impedem que o fogo se espalhe por já estarem na comunidade e agirem rapidamente”, conta Tomina. Segundo ele, os brigadistas apagaram mais de 100 incêndios e conseguiram controlar todas as ocorrências antes que tomassem grandes proporções. “É muito barato. Precisamos apenas do equipamento de segurança para os brigadistas e dos extintores. Isso é muito menos frente os gastos que se tem para atender os desabrigados de grandes incêndios”.
Nos últimos cinco anos, o Corpo de Bombeiros contabiliza 530 incêndios em favelas, e boa parte das ocorrências registradas este ano ainda não entrou no cálculo. O tema chamou tanto a atenção que a Câmara Municipal abriu uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para apurar a possibilidade de se tratar de uma atuação criminosa. Dominada pela base do prefeito Gilberto Kassab (PSD), porém, a CPI não realizou qualquer investigação até agora. Após mais quatro incêndios em duas semanas, o colegiado finalmente nomeou vice-presidente e relator, e montou um calendário de reuniões.
“Mesmo assim, a nova gestão [do ex-prefeito de São Paulo, José Serra] não tocou o projeto, sem dar justificativa. Já tínhamos tudo pronto, inclusive profissionais treinados, era só continuar”, conta. A Rede Brasil Atual procurou a prefeitura para questionar por que o programa foi interrompido e não obteve resposta. O coordenador-geral da Defesa Civil, coronel Jair Paca de Lima, que assumiu o cargo em 2005, primeiro ano do mandato do tucano, afirmou que não tem conhecimento sobre o programa anterior.
Retomada
Em 2009, o vereador Celso Janete (PTB) apresentou um projeto de lei para a implantação de um novo programa de prevenção a incêndios em favelas, que foi aprovado em plenário. Quase um ano depois, o prefeito Gilberto Kassab, então do Democratas, firmou um decreto que criou o Programa de Prevenção Incêndios em Assentamentos Precários (Previn).
“Quando fiquei sabendo que seria lançado um programa nos moldes do anterior procurei a coordenadoria das subprefeituras e me dispus a ajudá-los a montar o projeto, com o know-how que eu já possuía. Nunca recebi um retorno”, conta Tomina.
Semelhante à ação da gestão Marta, o programa, implantado em 2010, prevê nomeação de um zelador comunitário, instalação de hidrantes e retirada de “gatos” de energia. A Rede Brasil Atual solicitou informações sobre o andamento do programa a Secretaria das Subprefeituras, responsável pela ação, mas não obteve resposta. No Orçamento de 2011, o projeto chegou a receber dotação orçamentária de R$ 1 milhão, mas, segundo as planilhas disponíveis, nada foi efetivamente investido. Neste ano, novamente o montante executado foi nulo.
Sarah Fernandes
No Rede Brasil Atual
Enquanto isso, em São Paulo agora a tarde...

Incêndio destrói favela na Zona Sul de São Paulo


Fogo atinge área na Rua Cristóvão Pereira com Avenida Roberto Marinho
Neste ano, bombeiros registraram incêndio em 32 favelas em SP
Favela fica na Rua Cristóvão Pereira com Avenida Jornalista Roberto Marinho
 (Foto: Reprodução/TV Globo)
Leia Mais ►

A Ficha (Limpa?) do Candidato Tucano em Joinville - SC

Marco Tebaldi (PSDB-SC)
Câmara dos Deputados/BR
Nome de batismo: Marco Antonio Tebaldi
CPF: 256.712.350-49
Eleito(a) pelo: PSDB


Exceto por itens em que se informam datas de atualização, os dados de Marco Tebaldi foram alterados por último em 05/03/2012. A Transparência Brasil só se responsabiliza por referências extraídas daqui após essa data.
Cargos relevantes: Foi vice-prefeito (2001-2002, PSDB) e prefeito (2002-2004/ 2005-2008, PSDB) de Joinville (SC), onde também exerceu mandato de vereador (1993-1997, PFL). Ocupou os cargos de secretário de Habitação da prefeitura de Joinville (1993-2000) e de Educação de Santa Catarina (2011-2012).
Outros dados: Formado em engenharia sanitária e ambiental. Presidiu a Agência de Águas e Saneamento de Joinville (2001-2002).
Histórico de filiações partidárias: PSDB.(PFL)
Candidaturas:
Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas
As informações sobre ocorrências nas Justiças estaduais e nos Tribunais de Contas dependem da disponibilidade de dados em cada Corte, havendo grande disparidade de estado a estado. Por isso, pode acontecer eventual ausência de menção a processo em que algum parlamentar é réu ou foi punido. Processos que correm em primeira instância só são incluídos quando movidos pelo Ministério Público ou outros órgãos públicos. No caso de contas de campanha rejeitadas, todas as decisões são assinaladas (desde que o político não tenha obtido a anulação da decisão), mesmo que o parlamentar tenha corrigido o problema (no caso de erros formais, por exemplo). São anotadas ocorrências relativas a homicídio, estupro e pedofilia, mas não são incluídos litígios de natureza privada (como disputas por pensão alimentícia), nem queixas relacionadas a crimes contra a honra (porque políticos são freqüentemente alvo desse tipo de processo). Assinalam-se inscrições na dívida ativa previdenciária e na lista de autuados por exploração do trabalho escravo.
É alvo de ações penais movidas pelo Ministério Público por emprego irregular de verbas/ rendas públicas, falsidade ideológica e crimes de responsabilidade e previstos na lei de licitações:
STF - Processo nº 569 - Foi condenado em primeira instância: TJ-SC Comarca de Joinville - Processo nº 0014825-74.2009.8.24.0038 (A Justiça determinou prestação de serviços à comunidade e a inabilitação para o exercício de cargo público).
STF - Processo nº 595 - Foi condenado em primeira instância: TJ-SC Comarca de Joinville - Processo nº 0031844-93.2009.8.24.0038 (A Justiça determinou prestação de serviços à comunidade e a inabilitação para o exercício de cargo público).
É alvo de inquéritos que apuram sonegação de contribuição previdenciária e crimes de responsabilidade e previstos na lei de licitações:
É alvo de ações de improbidade administrativa movidas pelo MP - por exemplo:
TJ-SC Comarca de Joinville - Processo nº 0019952-03.2003.8.24.0038 - A Justiça determinou o ressarcimento ao erário e pagamento de multa.
TJ-SC Comarca de Joinville - Processo nº 0031040-38.2003.8.24.0038 - A Justiça determinou a suspensão dos direitos políticos e ressarcimento ao erário.
O TCE-SC detectou irregularidades na gestão da prefeitura de Joinville - por exemplo:
Deu no Jornal
Saiba mais...
Clique em "saiba mais" para ver todas menções a Marco Tebaldi no noticiário sobre corrupção, integridade do Estado e assuntos correlatos acumulado no projeto Deu no Jornal, da Transparência Brasil. Ao fazer isso, observe que a presença de um certo nome numa matéria que trata desses assuntos não significa necessariamente que a pessoa esteja envolvida em algum caso como acusada de corrupção, mas apenas que é mencionada. Atenção a possíveis homonimias: verifique pelo contexto da notícia se o parlamentar em questão é de fato mencionado no texto, e não outra pessoa com o mesmo nome.
Foi condenado pela Justiça por irregularidades cometidas quando prefeito. (Diário Catarinense: 14.mar.2010, 7.out.2006, 15.jun.2011)
Matérias legislativas
Veja todas as matérias apresentadaspor Marco Tebaldi
Examinaram-se todas as proposições apresentadas por Marco Tebaldi nesta Casa, nos anos indicados. Clique no botão "Saiba mais" para ver todas as proposições de sua autoria apresentadas no período. As matérias são classificadas pela Transparência Brasil em diversas categorias temáticas. Tais categorias, por sua vez, são divididas em duas classes: sem relevância e outras. As categorias sem relevância são: Homenagens a pessoas e instituições; Criação de honrarias; Batismos de logradouros, salas etc.; Simbologia; Cidades-símbolo, Cidades-irmãs; Pedidos de convocação de sessões solenes e especiais; e Datas comemorativas.

Classificação 2011 2012 Total %
Sem relevância 2 1 3 15,0
Outras 3 14 17 85,0
Total 5 15 20
Marco Tebaldi formulou ainda: 17 requisições e/ou pedidos de informação a outros órgãos, principalmente do Executivo; .
Veja aqui o resumo da produção legislativa de todos os integrantes desta Casa.
Dados atualizados em 13/07/2012.
Como votou
Clique no título da matéria para ver a sua ementa
Veja como Marco Tebaldi votou as matérias apresentadas ao Plenário nesta legislatura. A lista tem algumas lacunas, porque o banco de dados da Câmara dos Deputados deixa de registrar diversas votações. As matérias são ordenadas conforme as datas de votação.

PL Nº 382/2011 - DVS - Bloco PvPps - EXPR: "por meio de decreto" - ART. 3º DO PL 382/2011 (...)Não
PL Nº 382/2011 - DVS - DEM - EMENDA Nº 22Sim
PL Nº 382/2011 - DVS - PSDB - EMENDA Nº 1Sim
PEC Nº 445/2009 - SEGUNDO TURNOSim
MPV Nº 550/2011 - DVS - PSD - EMENDA 19Sim
PEC Nº 153/2003 - PRIMEIRO TURNOSim
PL Nº 2330/2011 - DVS - PSC - EMENDA Nº 46Sim
PL Nº 2330/2011 - DVS - PSDB/PSC/PvPps... - EMENDA DE PLENÁRIO Nº 1Sim
MPV Nº 549/2011 - DVS - DEM - expressão "medicamentos" Art. 8º PLVNão
PEC Nº 153/2003 - 2º TURNOSim
MPV Nº 551/2011 - DVS - PSDB - Emenda nº 9Sim
MPV Nº 551/2011 - DVS - PT - exp. "provenientes...público", do Art. 1º do PLVNão
PLP Nº 230/2004 - SUBEMENDA SUBSTITUTIVA DE PLENÁRIOSim
PL Nº 1876/1999 - DVS - PT - § 7º DO ART. 62, P/ FINS DE SUA MANUTENÇÃONão
PL Nº 1876/1999 - SUBSTITUTIVO DO SF - DISPOSITIVOS COM PARECER PELA REJEIÇÃONão
MPV Nº 554/2011 - DVS - PSDB - EMENDA 15Sim
MPV Nº 558/2012 - PARECER DO RELATOR PELA ADMISSIBILIDADEAusência justificada
MPV Nº 558/2012 - PARECER DO RELATOR PELA ADMISSIBILIDADEAusente
PEC Nº 471/2005 - SUBSTITUTIVO DA COMISSÃO ESPECIAL - PRIMEIRO TURNOAusência justificada
PEC Nº 471/2005 - SUBSTITUTIVO DA COMISSÃO ESPECIAL - PRIMEIRO TURNOAusente
PEC Nº 438/2001 - SEGUNDO TURNOSim
PLP Nº 362/2006 - SUBSTITUTIVO DA CFT AO PLP 362/2006Sim
PEC Nº 416/2005 - PRIMEIRO TURNO - SUBSTITUTIVO DA COMISSÃO ESPECIALNão votou
MPV Nº 559/2012 - DVS - PSDB - ART. 28 DO PLVNão
PL Nº 643/2011 - EMENDA DO RELATOR DA CCJCNão
PEC Nº 416/2005 - SEGUNDO TURNOAusência justificada
MPV Nº 567/2012 - DVS - PSDB - EMENDA Nº 17Não votou
Dados atualizados em 12/07/2012
Assiduidade (todo o mandato)
Saiba mais...
Assiduidade em plenário (sesssões - pode haver mais de uma sessão por dia)
Presenças 79
Licenças para Tratamento de Saúde 4
Faltas 10
Atendimento a Obrigação Político-Partidária 23
% Faltas 31%
Dados atualizados em 10/07/2012.

Assiduidade em Comissões Permanentes e Especiais em que é titular
ComissãoSessõesPresençasFaltas
JustificadasNão just.%
Cdu - Desenvolvimento Urbano 25 18 5 2 28%
Cpicrian - Cpi 12 2 2 8 83%
Totais 37 20 7 10 45%
Dados atualizados em 10/07/2012.
Viagens oficiais no mandato
InícioFimFinalidadeDestinoDiáriasMontante total
Dados atualizados em 12/07/2012.
Cota parlamentar/Verba indenizatória (acumulado)
Saiba mais...

Dados disponíveis desde o início do mandato.

Aluguel R$ 2.342,90
Consultorias/Divulgação R$ 26.978,09
Diversos R$ 3.897,87
Transportes/Estadias R$ 76.835,45
Total R$ 110.054,31
Atualizado em 11/07/2012.

Clique para ver a correspondência entre as categorias de despesas usadas aqui e os itens de custos originais.
Bens declarados à Justiça Eleitoral
Saiba mais...
Soma dos bens declarados em 2010R$ 2.195.159,20
Patrimônio
Montante
FUNDO DE AÇÕES, INCLUSIVE CARTEIRA LIVRE E FUNDO DE INVESTIMENTO NO EXTERIOR: FUNDO DE INVESTIMENTOS EM COTAS FI CEF
R$ 758.752,00
APARTAMENTO: APTO EM ITAPEMA-SC
R$ 280.000,00
OUTRAS APLICAÇÕES E INVESTIMENTOS: SALDO DO PLANO DE PREVIDENCIA DA CAIXA VIDA E PREVIDENCIA
R$ 241.905,00
CASA: CASA DE ALVENARIA COM 34670M2 RUA LAGES, 1445
R$ 210.000,00
CRÉDITO DECORRENTE DE EMPRÉSTIMO: VALOR REF A EMPRESTIMOS A GERSON ALECIO STROSSI
R$ 177.908,00
VEÍCULO AUTOMOTOR TERRESTRE: CAMINHÃO, AUTOMÓVEL, MOTO, ETC. VEICULO PASSATCONFORT LINE 2005/2006
R$ 126.000,00
FUNDO DE AÇÕES, INCLUSIVE CARTEIRA LIVRE E FUNDO DE INVESTIMENTO NO EXTERIOR: FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIA CEF
R$ 118.406,00
CADERNETA DE POUPANÇA: SALDO EM CADERNETA DE POUPANÇA CEF
R$ 52.220,20
APLICAÇÃO DE RENDA FIXA (CDB, RDB E OUTROS): BB CDB DI B BRASIL
R$ 47.000,00
VEÍCULO AUTOMOTOR TERRESTRE: CAMINHÃO, AUTOMÓVEL, MOTO, ETC: VEICULO IMMC PAJERO SP 4X4 2002/2003
R$ 40.000,00
TERRENO: DOIS TERRENOS URBANOS EM JOINVILLE-SC COM 60112M2 E 66055M2
R$ 34.650,00
CONSÓRCIO NÃO CONTEMPLADO: CONSORCIO DE IMOVEL FEITO COM A CAIXA CONSORCIOS S/A ADM DE CONSORCIOS
R$ 31.923,80
DEPÓSITO BANCÁRIO EM CONTA CORRENTE NO PAÍS: CONTA CORRENTE BANCO DO BRASIL
R$ 25.768,00
QUOTAS OU QUINHÕES DE CAPITAL: QUOTAS DE CAPITAL ÓTICA VISION EM 2009
R$ 25.000,00
CADERNETA DE POUPANÇA: CADERNETA DE POUPANÇA B BRASIL
R$ 11.712,10
TERRENO: TERRENO URBANO LOTEAMENTO MORADA DO SOL ERECHIM-SC
R$ 8.662,50
DEPÓSITO BANCÁRIO EM CONTA CORRENTE NO PAÍS: CONTA CORRENTE CEF JOINVILLE
R$ 2.716,61
QUOTAS OU QUINHÕES DE CAPITAL: PARTICIPAÇÃO NO CAPITAL SOCIAL DA COOPERCRED
R$ 2.534,99
Doações eleitorais realizadas
Políticos não apenas recebem doações eleitorais. Eles também financiam campanhas – geralmente de si próprios, mas por vezes de outros candidatos. Aqui são apresentadas as doações realizadas por Marco Tebaldi a partir das eleições de 2002.
Doações a candidatos realizadas em 2010
BeneficiárioCandidaturaPartidoMunicipioEstadoMontante
MARCO ANTONIO TEBALDIDeputado FederalPSDB
SC168.251,00
TotalR$ 168.251,00
Doações a candidatos realizadas em 2008
BeneficiárioCandidaturaPartidoMunicipioEstadoMontante
ERVINO SPERANDIOPrefeitoPSDBITAPOÁSC10.000,00
TotalR$ 10.000,00

Doações a candidatos realizadas em 2004
BeneficiárioCandidaturaPartidoMunicipioEstadoMontante
MARCO ANTONIO TEBALDIPrefeitoPSDBJOINVILLESC6.800,00
TotalR$ 6.800,00
Leia Mais ►

A Lei de Acesso à Informação pegou

Há vários exemplos: autuações do Ibama, doações eleitorais, os votos do Copom, os salários do setor público e até o caso de boxeadores de Cuba deportados
É lugar-comum, mas apenas meia verdade, a afirmação de que as leis não mudam nada.
A verdade inteira parece ser que as leis, sozinhas, não são suficientes para alterar a realidade, se não passam de um texto sobre papel. Mas quando uma lei nasce de um anseio real da sociedade e encontra, da parte do poder público, efetiva disposição para implementá-la, aí o resultado pode, sim, ser uma intervenção transformadora no mundo real.
Veja-se o que está ocorrendo com a Lei de Aceso à Informação - a lei 12.527 de 2011.
Em pouco mais de três meses, ela já serviu para atender a mais de 30 mil pedidos de cidadãos, somente perante órgãos federais, universo monitorado pelo Sistema Eletrônico da Controladoria-Geral da União (CGU). Perto de 90% desses pedidos já foram respondidos (em média, na metade do prazo legal) e 80% o foram positivamente. O percentual de recursos -que significam respostas insatisfatórias- não chega a 7%.
Até aí, poderíamos concluir apenas que essa foi uma "lei que pegou". Mas isso não é tudo. Ela vem produzindo efeitos para além dos que decorrem de seu estrito cumprimento (o que já não seria pouca coisa). E vem provocando a divulgação espontânea de informações de grande relevo para a sociedade.
Os exemplos são vários. Logo na entrada em vigor, o Banco Central resolveu abrir a íntegra dos votos nas decisões do Copom; depois, foi o Ministério da Defesa que abriu documentos do Estado-Maior das Forças Armadas entre 1946 e 1991; o Arquivo Nacional escancarou documentos da ditadura; o Ibama divulgou as empresas autuadas por biopirataria; o Planejamento abriu as informações sobre imóveis funcionais; e o Governo Federal garantiu total transparência aos salários de 570 mil servidores civis e 350 mil militares.
Abrem-se, assim, uma após outra, várias das antigas "caixas pretas" do Estado Brasileiro, além da divulgação que já promovíamos, no Portal da CGU, onde o leitor pode ver, na manhã de hoje, todos os gastos e investimentos federais feitos até a noite de ontem. Por esses avanços é que o governo brasileiro é, hoje, um dos mais transparentes do mundo. E continuamos avançando.
No tocante ao atendimento de pedidos específicos, vale destacar, por exemplo, a decisão do Ministro da Justiça, afastando o sigilo dos processos sobre a deportação dos boxeadores cubanos após o Pan de 2007; e a do Ministro da Defesa, abrindo as informações sobre a exportação de armamentos.
Mas nada se equipara, em importância para o aperfeiçoamento dos nossos costumes políticos e, portanto, para a redução da corrupção, à recente decisão da ministra Carmen Lúcia, presidente do TSE, de adotar, em âmbito nacional, o que já fizera o juiz Marlon Reis, no interior do Maranhão: a divulgação das doações, de empresas ou pessoas físicas, aos candidatos e aos partidos políticos, antes das eleições, e não apenas depois, como se fazia até agora.
É a primeira vez que isso ocorre no país e é uma decisão histórica, que deve ser saudada por todos quantos se interessem pelo progresso de nossas instituições políticas e pelo combate à corrupção.
Enquanto não avançamos mais, rumo à total vedação do financiamento empresarial do acesso aos cargos eletivos - que está na raiz da corrupção - é fundamental dar o máximo de transparência a esse financiamento.
E isso tem que acontecer, é claro, antes da eleição, como determinou o TSE com base na nova Lei de Acesso à Informação, para que o eleitor, ao votar, já saiba, pelo menos, quem está financiando quem.
Jorge Hage, ministro-chefe da Controladoria-Geral da União
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 1437

Leia Mais ►

Nota à Imprensa - Ministério da Saúde

A respeito da reportagem Como o governo deixou estragar 55 mil bolsas de sangue, publicada na edição deste fim de semana da revista Isto É, o Ministério da Saúde esclarece que:
  • Após apuração interna, a atual gestão iniciou, em novembro de 2011, os procedimentos para descarte das bolsas de plasma vencidas entre 2008 e 2009. As bolsas estão estocadas no almoxarifado no Distrito Federal desde 2004, por força de decisões judiciais envolvendo os contratos fechados para o seu beneficiamento, pela empresa suíça Octopharma, em 2001.
  • Em fevereiro de 2012, o processo de licitação para contratação de empresa capaz de realizar, com segurança, o descarte deste material foi iniciado, seguindo as normas sanitárias vigentes, como a Resolução da Diretoria Colegiada 306, de 2004, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
  • O Ministério da Saúde informa que já está com edital pronto para contratação de empresa especializada, o que deve ocorrer no prazo de 30 dias.
  • A respeito do contrato com a empresa LFB, a atual gestão do Ministério da Saúde enviou equipe técnica à sede da empresa, na França, para auditar o contrato número 77, firmado em 2007.
  • O relatório produzido pela equipe técnica identificou irregularidades, entre elas, a baixa produção de imunoglobulina e albumina, a partir do plasma enviado do Brasil e a não-entrega da totalidade dos produtos.
  • De posse deste relatório, o Ministério da Saúde determinou, em outubro de 2011, à empresa LFB o beneficiamento total do material estocado (plasma brasileiro) e a sua transformação em medicamentos, conforme previsto no contrato. Todas essas conclusões foram enviadas ao TCU por iniciativa do Ministério da Saúde.
  • O Ministério da Saúde também solicitou à empresa indenização dos produtos que não foram beneficiados e entregues ao Ministério. O não-cumprimento dessas determinações ocasionará multas e outras sanções previstas no contrato.
  • Desde 2011, iniciativas voltadas ao desenvolvimento industrial do país e mudanças na metodologia de compras possibilitaram a economia, em um ano, de R$ 60 milhões na compra de hemoderivados pelo Ministério da Saúde.
Assessoria de Comunicação do Ministério da Saúde
No Blog do Mário
Leia Mais ►

A herança maldita



O governo Lula recebeu uma herança maldita do governo FHC, refletida numa profunda e prolongada recessão, no desmonte do Estado, na multiplicação por 11 da dívida pública, no descontrole inflacionário. O controle da inflação jogou-a para baixo do tapete: transferiu-a para essa multiplicação da dívida pública.
O povo entendeu, rejeitou FHC e derrotou os seus candidatos: Serra duas vezes e Alckmin. Isso é história, tanto no sentido que é verdade incorporada à história do Brasil, como história porque o governo Lula, com grande esforços, superou a recessão profunda e prolongada herdada e conduziu o Brasil ao ciclo expansivo que dura até hoje.
Para não aguçar o clima de instabilidade que a direita pretendia impor no começo do seu governo, Lula preferiu não fazer o dossiê do governo FHC, que incluísse tudo o que foi mencionado, mais os escândalos das privatizações, da compra de votos para a reeleição, da tentativa de privatização da Petrobras, entre outros.
Não por acaso FHC é o político mais repudiado pelos brasileiros. Já na eleição de 2002, Serra tratou de distanciar-se do FHC. Em 2006, as privatizações, colocadas como tema central no segundo turno, levaram a uma derrota acachapante do Alckmin. Em 2010, de novo o Serra nem mencionou FHC, tentou aparecer como o melhor continuador do governo Lula, para a desmoralização definitiva do governo FHC.
Ao lado disso, economistas da ultra esquerda esposaram a bizarra tese de que não havia herança maldita, que o governo Lula era continuidade do governo FHC, que mantinha o modelo neoliberal. Além de se chocarem com a realidade das transformações econômicas e sociais do país, foram derrotados politicamente pelo total falta de apoio a essas teses no final do governo Lula, quando o candidato que defendeu essas posições, apesar de toda a exposição midiática, teve 1% dos votos.
FHC não ouve ninguém, despreza os que o cercam, mas sofre da teoria da dependência da dor de cotovelo. Dedica as pouco claras forças mentais que lhe restam para atacar Lula, cujo sucesso – espelhada no apoio de 69,8% dos brasileiros que querem Lula de volta como presidente em 2014 e nenhuma pesquisa sequer faz a mesma consulta sobre o FHC, para não espezinha-lo ainda mais – fere seu orgulho à morte.
Esses amigos tentam convencê-lo a não escrever mais, a não se expor ainda mais à execração publica – com efeitos diminutos, porque ele não ouve, seu orgulho ferido é o maior dos sentimentos que ele tem, mas também porque ninguém lê seus artigos – a se retirar definitivamente da vida pública. Cada vez que ele se pronuncia, aumentam os apoio ao Lula e à Dilma.
A historia diz, inequivocamente, que o Lula é um triunfador e FHC um perdedor. Isso a direita e seu segmento midiático não perdoam, mas é uma batalha perdida para todos eles.
Leia Mais ►

Kassab-Serra-Alckmin fazem São Paulo passar vergonha diante do país com medidas ridículas

O paulista se orgulha de seu estado, que chama de locomotiva do Brasil. O paulistano também enche o peito para elogiar São Paulo, terra de negócios, prosperidade, restaurantes e vida cultural intensa.
No entanto, paulista e paulistano, na hora de votar, pensam pequeno, apostam geralmente em administradores medíocres, e só uma vez ou outra se arriscam em busca de algo novo.
Agora, parece que a realidade caiu sobre as cabeças paulistas e paulistanas. Uma sucessão de serrismo (que abandonou a prefeitura antes de um ano e meio), kassabismo (que tem a administração reprovada por 43% dos paulistanos), e alckmismos (um carola à frente do maior estado brasileiro), têm exposto o estado e a cidade ao ridículo diante do Brasil.
Uma lei estadual definiu que todos os que forem comprar bebidas alcoólicas devem mostrar documento de identidade com foto. Seguindo a cabeça dos Três Patetas Caipiras paulistas, houve caso de uma senhora de 76 anos ter que mostrar documento para provar ser maior de 18 anos.
Mesmo a exigência do documento surpreende quem não conhece a lei. "Me senti rejuvenescida, com 18 anos", brinca Maria Antonieta Rudge do Amaral, de 76. Ela teve o documento solicitado nesta segunda-feira, 6, no supermercado Pão de Açúcar da Avenida Angélica, em Higienópolis, região central. Mas disse não se importar com a anotação de dados. [Fonte]
Em seu excelente blog (que indico sem restrições), Xico Sá elencou os kassabismos que expõem São Paulo ao ridículo:
Então reprisemos, pois, as proibições mais ridiculas proibições do alcaide paulistano. É bom ressaltar que, algumas delas, têm as digitais da co-autoria tucanados tucana -aliados na gestão desta moderníssima aldeia de Piratininga:
I) É proibido mendigo deitar em banco de praça. Os bancos passaram a ter barras de ferros para impedir tal gesto dos feios, sujos e malvados.
II) É proibido, mesmo no verão, se molhar nas fontes e chafarizes públicos. Se é que ainda existem.
III) É proibido comer cachorro quente ou quaisquer comida de rua.
IV) É proibido painel eletrônico ou qualquer outros anúncios, como outdoor etc. No princípio, lindo, mas tempos depois, pergunto: quem cuidou das fachadas ainda mais feias e sujas? Os luminosos além de deixar SP mais iluminada contra os larápios, ainda davam um rápido ar de Tóquio em decadência. Eu achava lindo!
V) É proibido galinha à cabidela (molho pardo), sob pena de multa da vigilância sanitária, em todos os restaurantes da capital gastronômica do país.
VI) É proibido beber na calçada dos bares depois da uma da madruga. Qualquer barulho, multa de R$ 30 mil aos estabelecimentos. Aí o cara começou matar a vocação da cidade como uma das melhores noites do mundo.
VII) É proibido feirante gritar em feira livre. Praticamente proibiu o clássico“moça bonita não paga, mas também não leva”.
VIII) É proibido embrulhar peixe ou qualquer outro produto da feira em jornais – matou a única utilidade mais, digamos, real do jornalismo.
IX) É proibido arte nas ruas. Cantar ou tocar, comer fogo etc.
X) É proibido ser camelô onde passam possíveis compradores. Só pode nos “desertos” da urbanidade.
XI) É proibido,essa é demais em tempos de redes sociais e intagrans etc: fotografar qualquer coisa ou gente em terminais de ônibus.
XII) É proibido saunas, pequenos puteiros ou casas de sacanagem de luxo que não obedeçam a uma legislação digna do Vaticano. [íntegra aqui]
Dá pra entender agora por que cresce a rejeição a Serra (nos mesmos 43% dos que consideram ruim/péssima a administração Kassab) e 80% dos paulistanos querem mudança?
Chega de ridículo. São Paulo merece um administrador que pense grande, como a cidade, como o estado. A primeira tarefa pode ser feita agora nas urnas. A próxima, em 2014.
Leia Mais ►

Ministério da Pesca lança 9ª edição da Semana do Peixe

Leia Mais ►

Tucanolices e coisa séria

O maior feito monetário do conservadorismo brasileiro foi jogar a taxa de juro do país no patamar meliante de 44%. O colosso se deu em 1999. Paradoxalmente, na gestão do principal analista financeiro da atualidade, Fernando Henrique Cardoso, que se dedica à generosa tarefa de explicar à Presidenta Dilma,como se sabe uma jejuna em economia perto dos seus cabedais, que o problema central da Nação hoje é o legado do ciclo Lula.
Para ficar apenas no alicerce fiscal/monetário: em dezembro de 2002 - último mês do PSDB na Presidência da República - a relação dívida/PIB atingia estratosféricos 63,2%, praticamente o dobro dos 30,2% existentes no início do ciclo tucano, em 1994. Anote-se: isso, depois de um salto da carga fiscal, que passou de 28,6% para 35% no período. Hoje a relação dívida/PIB é de 35%; a previsão para 2013 é de 32,7%.
Reverteu-se o desastre com uma oscilação de apenas 2 pontos na receita tributária, sem considerar as desonerações e incentivos fiscais. A média da taxa de juros real (acima da inflação) no período de 1997 a 1999 foi de estupendos 21,4%. Hoje é de inéditos 1,98%. Regressões e digressões tucanas, um pleonasmo, elidem o que de fato importa: apesar da queda de 4,5 pontos nos juros desde agosto de 2011, o orçamento de 2013 reserva aos rentistas R$ 108 bi; destina R$ 38 bi à educação e R$ 79,4 bi à saúde.
Aos investimentos (PAC e Minha Casa) couberam R$ 187 bi. Mesmo que se reduza à metade o gasto com juro, o espaço fiscal para um salto substantivo - indispensável - nos recursos aos investimentos e serviços essenciais continuará magro. Depois da vitórias contra a pobreza, chegou a vez de afrontar a desigualdade. Entre outras tarefas estruturais, isso pressupõe ampliar o universo tributável de modo a abranger o estoque da riqueza existente. O oposto das tolices regurgitadas por FHC, que ainda festeja uma das derradeiras e melancólicas vitórias da agenda demotucana: subtração de recursos à saúde pública. Registre-se para os anais esse carimbo de uma cepa ideológica, em artigo no Estadão, neste domingo: "a oposição conseguiu suprimir a CPMF, cortando R$ 50 bilhões de impostos, e a derrama continuou impávida..." Basta isso.
Saul Leblon
No Blog das Frases
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 1436

Leia Mais ►

Márcio Lacerda em BH - Novo Jingle

Leia Mais ►