14 de ago de 2012

Pacotão do Latifúndio


Levantamento inédito do livro "Partido da Terra" (Alceu Luís Castilho, Editora Contexto, 2012).
A base foi a declaração entregue por mais de 5 mil prefeitos à Justiça Eleitoral, em 2008.
Leia Mais ►

A homofobia da cínica ICAR

 
Será a mesma igreja que impede o plano natural de deus não deixando os padres constituirem família?
ICAR = Igreja Católica Apostólica Romana
Leia Mais ►

Facebook abre su plataforma a los juegos de azar

La red social más grande del mundo, Facebook, acaba de permitir a los usuarios británicos jugar en su plataforma a los juegos de azar con dinero real y premios.
Los expertos, sin embargo, no están muy seguros de que la medida ayude a la empresa a sacar importantes beneficios ni a frenar la caída de la cotización de sus acciones en el mercado.
El equivalente ruso de Facebook, Vkontakte, durante mucho tiempo no imponía restricciones a los juegos de azar ofrecidos a los ususarios en su página, pero mas tarde, bajo la presión de los inversores, decidió acatar la legislación del país y poner fin a dichas actividades.
Facebook, en cambio, se está moviendo en dirección contraria, de momento, solo en el Reino Unido, donde los juegos de azar están permitidos y bastante bien posicionados. De modo que la red social no se enfrentará a problemas legales.
La pregunta es “¿traerá la medida en cuestión importantes beneficios a la empresa y serán capaces de suplir éstos el retroceso de la imagen de Facebook en aquellos países donde, como en Estados Unidos la práctica de los juegos de azar está limitada y vista con cierta desconfianza?”

Bingo, el primer juego de azar en Facebook

Facebook se estrena en los juegos de azar con la aplicación Bingo&Slots Friendzy, lanzado por la empresa británica Gamesys. Se supone que solo recibirán acceso a esta aplicación los usuarios mayores de 18 años. El juego es una fusión del popular Bingo y del clásico slot del bandido manco, donde es necesario hacer combinaciones determinadas de imágenes iguales.
Los representantes de la empresa aseguran que ni usuarios menores de 18 años ni dueños de cuentas registradas fuera del Reino Unido tendrán acceso a la aplicación. Sin embargo, no es ningún secreto que las restricciones pueden ser saltadas.
Facebook no descarta la aparición de este tipo de aplicaciones en otros países, donde los juegos de azar estén legalmente permitidos. Anuncia no tener de momento planes de firmar acuerdos con otras empresas que no sea Gamesys.
Sin embargo, según datos de la cadena BBC, el año que viene el principal diseñador de juegos para Facebook, la empresa Zynga, tiene previsto presentar juegos con posibilidad de ganar dinero real.
Zynga es propietario de la aplicación más popular del Facebook, que permite jugar gratis al póquer. En la actualidad la aplicación disfruta de más de 64 millones de “me gusta”, expresión de apoyo en la red y al mismo tiempo, divisa virtual. El número diario de jugadores asciende a 7,5 millones de personas, superando de esta forma la cantidad de visitantes de las páginas de póquer comerciales más populares de la red.
En opinión de Yuri Mazánik, socio de la empresa 'Belka Technology', dedicada a diseñar aplicaciones de juego para redes sociales, los altos índices de popularidad del póquer gratuito no significan obligatoriamente que en caso de premios en dinero real tenga el mismo éxito.
En todo caso, las experiencias de la red Vkontakte no permiten llegar a esta conclusión. “Por una extraña razón, hay más gente que juega al póquer por el mero placer de jugar que con dinero real”, cuenta. Posiblemente en las páginas comerciales de juegar al póquer entra gente realmente dispuesta a perder o ganar importantes sumas, mientras que en las redes sociales los usuarios buscan algo de diversión.
De momento se desconoce cuáles son las expectativas de Facebook de en cuanto a introducción de juegos de azar. Los representantes de la empresa no revelaron qué comisión cobrará la red social, pero confirmaron la existencia de un acuerdo comercial con Gamesys. Normalmente, Facebook cobra una comisión del 30% por cualquier transacción realizada dentro de las aplicaciones de su plataforma.
De un juego supuestamente gratuito a uno real Es curioso que hasta hace poco, la política de Facebook respecto a los juegos de azar fuera haciéndose más severa.
Según uno de los colaboradores rusos de una de las páginas de póquer más importantes del mundo, desde 2010 no solo los juegos de azar, sino también todo enlace o publicidad externa de una sala de póquer o un casino en línea estaban prohibidos.
Es decir, los propietarios de este tipo de recursos simplemente no podían hacerse usuarios de Facebook bajo su nombre verdadero. La gente, por supuesto, encontraba manera de saltarse las restricciones. La empresa Poker Stars, por ejemplo, apoya en el segmento ruso de la red social la escuela de póquer Poker Starter, promoviendo de manera sutil e indirecta su página, con el objetivo final de atraer más jugadores.
Pero ahora, desde que fuera abierta la caja de Pandora, todos los sitios web más importantes de juegos de azar intentarán garantizarse la presencia en Facebook, dado que en un mercado civilizado habrían de estar descartados los monopolistas.
Los juegos sociales con apuestas nulas llevan tiempo existiendo en Facebook y algo menos como fórmula a medio camino entre un juego gratuito y uno pagado desde que Zynga Poker permitió a los jugadores comprar fichas virtuales y los jugadores de Rocket Frog, pudieron aspirar a premios reales.
De ahora en adelante, Facebook permitirá poner depósitos y sacar del juego fondos reales, al igual que lo hacen casinos electrónicos y páginas de póquer. Todo parece indicar que la empresa cuenta con recibir importantes beneficios.
En el segundo trimestre de 2012, la empresa anunció pérdidas netas de 157 millones de dólares contra 240 millones de beneficios obtenidos durante el mismo período de 2011. Fue el primer período de perdidas para Facebook en los últimos dos años y medio.
Ilyá Ber
No RIA Novosti
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 1398

Leia Mais ►

Conta de luz: um “erro” de 11 bilhões


O Tribunal de Contas da União (TCU) julga nesta semana se o valor cobrado indevidamente nas contas de luz entre 2002 e 2010 será devolvido aos usuários. Cálculos anteriores apontavam que o “erro”, já admitido pela própria Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), custou cerca de R$ 7 milhões aos consumidores. Mas um estudo mais recente aponta que o roubo superou os R$ 11 bilhões.
A pendenga sobre o “erro nas contas de luz” se arrasta há sete anos no TCU. A Aneel faz corpo mole diante das empresas, a mídia “privada” evita alardear o assunto – está mais preocupada com o “mensalão petista” – e as companhias se recusam a ressarcir os usuários. No máximo, o governo estuda a proposta de reduzir os próximos reajustes, sem garantir a devolução da grana roubada.
O TCU já concluiu que os reajustes foram maiores que os devidos a partir de 2002; a Aneel já reconheceu o erro e mudou a forma de cálculo a partir de 2010. Mesmo assim, ela argumenta que não há motivo para devolver a dinheiro aos usuários, já que “não houve quebra de contrato”. Ou seja: as empresas, na maioria de multinacionais, nunca são punidas. O Brasil realmente é o paraíso do capitalismo sem risco!
Leia Mais ►

O suposto mensalão e o dever de julgar

Todos os julgamentos são políticos, quando os crimes prováveis se cometem contra a República. São políticos, se levamos em conta que as vítimas são os membros da comunidade lesada, no caso em que tenha havido os delitos apontados. A partir desse raciocínio, não há como desacreditar, in limine, o volumoso processo contra parlamentares, servidores do poder executivo, ministros de Estado, publicitários e outros, acusados de desviar recursos públicos, mediante ardilosos expedientes. Se as provas forem robustas e as leis penais violadas, o julgamento técnico suportará o juízo político. Se não forem suficientemente sólidas, ainda que sugiram a probabilidade do delito, o Supremo, como é de sua história e natureza, na obediência ao princípio de que a dúvida os beneficia, absolverá os réus.
Tantos anos depois da denúncia, a nação quer conhecer a verdade, pelo menos a verdade que os autos, sob o exame do STF, indicarão. É certo que não será toda a verdade, e é provável que muitos portem culpas alheias, mas os juízes, e principalmente os mais altos magistrados do país, não julgam com provas secretas. Eles se aterão - como impõe a natureza humana e a inteligência de quem julga - aos documentos reunidos pela Procuradoria Geral da República.
Ainda que os juízes venham a condenar os réus, seria exagerado considera-lo o julgamento do século e a sentença política final contra o PT e seu dirigente Lula. A História não é a imagem de manchas negras do pecado sobre o fundo imaculado da inocência. Ela se faz da combinação aleatória entre os vícios e as virtudes. O Partido dos Trabalhadores, com todos os erros que tenha cometido, contribuiu - ao suportar a carreira e a candidatura de Lula - para o grande avanço social no país. Entre outros de seus méritos, Lula devolveu aos brasileiros a parcela de autoconfiança que perdera durante o governo francamente entreguista e submisso aos poderosos do mundo, de seu antecessor Fernando Henrique Cardoso.
Não se pode mais prolongar a suspeita. Se os acusados são inocentes, do ponto de vista da legislação penal, que tenham os seus direitos restaurados e sua honorabilidade recuperada. Não obstante isso, estarão sujeitos ao julgamento da opinião pública. De qualquer forma, depois da decisão do Supremo, os fatos passam oficialmente ao arquivo da História.
Processos como esses podem contribuir para a reconstrução da República, de acordo com as exigências do presente. Está faltando bom senso às nossas instituições republicanas, desde a violação da Carta de 1946, pelo golpe militar. A Constituição de 1988, foi amputada, ex-abrupto, pelas emendas antinacionais impostas por Fernando Henrique. E quando lhe falta o senso comum, conforme a síntese ético-lógica de George E. Moore, todo pensamento filosófico – incluído o político – é falso. Lula exerceu o cargo com o senso comum reclamado por Moore, mas não dispunha de poder suficiente para reconstruir todo o edifício constitucional do país.
Falta bom senso a um sistema que se estrutura sobre grupos de interesse corporativo - como as bancadas do agronegócio, dos banqueiros, dos industriais paulistas, das multinacionais - e não sobre as idéias e doutrinas que busquem identificar e defender o interesse comum da nacionalidade. Falta bom senso a um sistema que se declara fundado na independência dos três poderes, mas que se exerce na prática da promiscuidade cômoda para os que dela se aproveitam, e inaceitável aos homens de bem.
Ainda que esse mal seja comum a todas as sociedades políticas contemporâneas, em nosso caso o problema parece maior, o que é natural, porque é dentro de nossas fronteiras que vivemos, submetidos às contingências própria dessa circunstância. E, com todas as dificuldades, a pressão do povo tem contribuído para o aprimoramento de nossas instituições.
Leia Mais ►

Presidente do Equador nega que tenha decidido sobre asilo a Assange

assange correa
Julian Assange terá asilo político no Equador.
Fundador do Wikileaks está refugiado na embaixada há 2 meses.
Momentos após uma fonte da Presidência do Equador confirmar ao jornal britânico The Guardian que o país havia aceitado o pedido de asilo político feito pelo jornalista Julian Assange em junho, o presidente Rafael Correa publicou em sua conta do Twitter que “não há nenhuma decisão a respeito” e que ainda “aguarda um informe da chancelaria”.
Mais cedo nesta terça-feira (14/08), um alto funcionário do governo equatoriano revelou à correspondente do Guardian em Quito que o país “vai conceder asilo a Julian Assange". Na última segunda-feira (13/08), Correa fez um pronunciamento na ECTV e declarou que tomaria uma decisão sobre o assunto ainda esta semana.
Nesse período de espera, Correa assegurou que analisou uma enorme quantidade de material sobre legislação internacional para adotar um posicionamento responsável. A agência holandesa de notícias BNO teve acesso ao Ministério das Relações Exteriores do Equador, que alega que ainda não tomou uma decisão sobre o pedido de Assange.
No documento que entregou à época às autoridades diplomáticas equatorianas, Assange diz que considera "impossível" seu retorno a seu país de origem após a "lamentável declaração efetiva de abandono" recebida pelo governo da Austrália.
A Suprema Corte britânica anunciou em junho que o recurso feito por Assange após ser condenado à extradição para a Suécia foi negado. Com isso, não restavam mais possibilidades de reversão da sentença do jornalista dentro da Justiça do Reino Unido.
Com a apelação julgada “sem mérito” pelos magistrados britânicos e com a autorização para extradição, a equipe de advogados de Assange havia ficado apenas com a opção de recorrer à Corte Europeia de Direitos Humanos em Estrasburgo. "A Corte Suprema do Reino Unido desestimou o pedido apresentado por Dinah Rose, advogada do Sr. Julian Assange, que buscava reabrir sua apelação", declarou a máxima instancia judicial do país na ocasião.
Os magistrados haviam aprovado a extradição de Assange no fim do último mês de maio. Contudo, sua defesa decidiu reabrir imediatamente a causa requerendo a revisão da sentença que autorizava a extradição.
O fundador do Wikileaks, que revelou milhares de documentos confidenciais da cúpula política, diplomática e militar dos EUA, foi detido em Londres mediante uma ordem de extradição movida pelas autoridades da Suécia. Durante todo o decorrer de seu julgamento, viveu sob fortes medidas de segurança na mansão de um amigo seu no sudeste da Inglaterra. Ele recorreu da decisão ao Supremo depois de o Tribunal Superior aprovar seu envio à Estocolmo em novembro do ano passado.
Leia Mais ►

Brasil tem como objetivo aumentar o número de medalhas em 2016, afirma Dilma

Leia Mais ►

Hora da verdade para parceria Veja-Cachoeira

todos Hora da verdade para parceria Veja Cachoeira
Em tempo (atualizado às 13h45):
Ao voltar do almoço, leio na capa do R7 que, antes mesmo de ser apresentado o requerimento de convocação de que trato no post abaixo, um acordo entre os partidos que formam a CPI do Cachoeira já melou tudo (leia aqui).
A mídia pode investigar, julgar e condenar todo mundo, mas ninguém pode mexer com a intocável mídia nativa. Este é o retrato dos limites da nossa democracia, num país em que o quarto poder quer ser o primeiro e único, e os parlamentares morrem de medo dos jornalistas e de seus patrões.
* * *
Esta matéria você não vai encontrar nas primeiras páginas dos jornalões e nem nas capas das revistonas, é claro, mas um fato inédito na nossa história política recente pode surgir na tarde desta terça-feira, em Brasília, quando a CPI do Cachoeira se reúne para decidir sobre a convocação do dono da Editora Abril, Roberto Civita, e de Policarpo Jr., redator-chefe da revista Veja.
Chegou a hora da verdade. É a primeira vez em que se terá a oportunidade de investigar a fundo os longos braços da sociedade secreta que se formou, desde 2004, entre a organização criminosa do "empresário de jogos" Carlinhos Cachoeira, que está preso desde fevereiro, o senador cassado Demóstenes Torres e a maior revista semanal do País.
Baseado num relatório com mais de cem interceptações telefônicas feitas pela Polícia Federal nas operações Vegas e Monte Carlo, que mostram as relações muito especiais do jornalista da Editora Abril com o esquema de Cachoeira, o deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR) vai finalmente romper a barreira do silêncio imposta pela grande imprensa ao apresentar um requerimento de convocação de Civita e Policarpo Jr.
Até aqui, apenas os telejornais da Rede Record e reportagens da revista Carta Capital trataram do assunto, enquanto o restante da mídia só queria falar de mensalão e acabar logo com a CPI.

Em reportagem assinada por Leandro Fortes, a parceria Veja—Cachoeira é assim resumida na Carta desta semana:
"(...) Cachoeira fornecia fotos, vídeos, grampos e informações privilegiadas do mundo político e empresarial ao jornalista. O bicheiro usava, sem nenhum escrúpulo, a relação íntima que mantinha com Policarpo Jr. para planejar notícias contra inimigos. Em contrapartida, a revista protegia políticos ligados a ele e deixava, simplesmente, de publicar denúncias que poderiam prejudicar os interesses da quadrilha."
Tudo é amplamente documentado no relatório de mais de cem páginas que será apresentado pelo parlamentar, com base nas informações enviadas à CPI pela Polícia Federal.
Mais do que uma simples relação profissional entre repórter e fonte, como a direção da Veja alegou desde o início da história, as gravações da PF revelam um trabalho conjunto para servir, de um lado, aos negócios ilegais de Cachoeira e, de outro, aos interesses políticos da revista, que  queria derrubar o governo do PT e, derrotada nas urnas, em 2006 e 2010, dedica-se atualmente a desgastar a imagem do ex-presidente Lula.
Em várias ocasiões, o "jornalismo investigativo" da revista, como revelam os diálogos gravados pela PF, foi baseado em material produzido por dois arapongas de Cachoeira, Idalberto Matias de Araújo, o Dadá, e Jairo Martins (também presos na operação Monte Carlo e já soltos), em parceria com Policarpo Jr., como na recente reportagem sobre encontros mantidos pelo ex-ministro José Dirceu com membros do governo num hotel em Brasília.
Ricardo Kotscho
Leia Mais ►

Miro Teixeira: de dia, moralista; de noite é advogado de bandido

Leonel Brizola vai puxar seu pé, safado

O deputado Miro Millenium Teixeira (PIG-RJ) é sócio do escritório de advocacia de Eduardo Ferrão, famoso advogado de Brasília que atua nos tribunais superiores e já defendeu alguns políticos e empresários encalacrados com a Polícia Federal.
Ferrão, inclusive, foi também um dos maiores doadores de campanha para Miro. Somados com os outros advogados de seu escritório doou R$ 305 mil em 2010.
Miro Millenium em movimento combinado com os holofotes da TV Globo retirou o foco da CPI que, talvez, já voltasse as atenções em breve para a questão da parceria Veja-Cachoeira, e fez estardalhaço com o "sigilo gastronômico" do dono da empreiteira Delta, Fernando Cavendish, ao preocupar-se mais com um almoço em Paris do que com o sigilo bancário da empreiteira, já quebrado.
Leia mais aqui e aqui.
No Ateísmo pelo Mundo
Leia Mais ►

CPMI não vota convocação de jornalista da Veja

O senador Fernando Collor (PTB-AL) disse, em reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito Mista que investiga a quadrilha de Carlinhos Cachoeira, que foi no dia 2 de março deste ano, uma sexta-feira, que os procuradores Alexandre Camanho de Assis, Daniel de Rezende Salgado e Léa Batista de Oliveira submeteram a dois repórteres da revista Veja, Gustavo Ribeiro e Rodrigo Rangel, a íntegra dos inquéritos que resultaram das operações Vegas e Monte Carlo, que corriam sob segredo de Justiça.
Collor identificou Alexandre como o braço direito do procurador-geral da República, Roberto Gurgel.
O senador disse esperar que a informação levasse a CPI a aprovar os requerimentos que pedem a convocação do diretor da revista em Brasília, Policarpo Jr., e do proprietário da Editora Abril, Roberto Civita, para depor.
Collor disse que Roberto Gurgel é “uma peça apodrecida” dentro da Procuradoria Geral da República, “um criminoso, um prevaricador, um chantagista”.
Segundo o senador petebista, “no coração desta organização criminosa [a de Carlinhos Cachoeira] estão a Editora Abril e a PGR”.
Os requerimentos para convocação do diretor de Veja em Brasília, Policarpo Jr., e do proprietário da editora Abril não entraram na pauta de hoje da CPI, como se esperava.
“Não podemos ficar protelando aqui com um discurso de proteção da mídia”, afirmou o deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR), autor de um dos requerimentos, depois de dizer que a convocação não representará ameaça à liberdade de imprensa.
“Não estou pedindo condenação, nem dizendo que ele cometeu crimes”, disse o deputado em relação ao diretor da revista.
“Eu me preocupei, presidente, porque enquanto as vozes vem do esgoto da política, eu não me preocupo”, afirmou o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ), em seguida. Segundo ele, convocar jornalistas representa “restrição, coação”.
Segundo Miro, a convocação de Policarpo Jr. seria o primeiro passo em direção a um estado policial.
“É assim que começam certos movimentos”, disse Miro Teixeira, depois de fazer um alerta a todos os jornalistas e aos meios de comunicação.
Para Miro, os jornalistas precisam entender “que esse é o primeiro e que outros virão atrás”. Ele disse que, aberto o precedente em nível federal, até mesmo prefeitos poderiam passar a coagir jornalistas.
A intervenção de Miro Teixeira veio em resposta ao discurso do líder do PT na Câmara, Jilmar Tatto, que falou antes de Collor e Rosinha. Miro se disse surpreso com a manifestação da liderança petista.
Tatto, em sua fala, havia afirmado que o jornalista Policarpo Jr. participou ou foi citado em 73 conversas telefônicas grampeadas legalmente envolvendo os integrantes da quadrilha de Carlinhos Cachoeira. “Este jornalista, o nome dele vem aparecendo em todos os momentos da investigação”, disse o líder petista.
Depois de se referir à gravação clandestina, em vídeo, de autoridades do governo nos corredores do Hotel Naoum, em Brasília, onde residia o ex-ministro José Dirceu — que resultou em reportagem da revista Veja –, Tatto disse que Policarpo Jr. “na minha opinião atravessou o Rubicão”, ou seja, teria ido além da mera apuração jornalística.
Tatto disse que o jornalista “começa a envergonhar a categoria” e teria “usado a sua inteligência, a sua profissão e a revista Veja” para se aliar ao crime organizado.
Dizendo acreditar que “no momento adequado” a CPI vai convocar Policarpo Jr., o líder do PT na Câmara afirmou: “Que nós não tenhamos medo”.
PS do Viomundo: A decisão mais importante da sessão administrativa da CPI foi reconvocar Carlinhos Cachoeira para depor.
Luiz Carlos Azenha
No Viomundo
Leia Mais ►

Carlos Brilhante Ustra é torturador

Brilhante
São Paulo - O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) negou nesta terça-feira (14) um recurso do coronel reformado do Exército Carlos Brilhante Ustra contra a sentença, de outubro de 2010, que o declarou culpado pela tortura de três integrantes da família Teles, nas dependências do DOI-Codi (Destacamento de Operações e Informações – Centro de Operações de Defesa Interna), órgão de repressão da ditadura então comandado pelo réu.
A ação movida em 2005 é de caráter cível declaratória: a intenção é apenas que a Justiça reconheça Ustra como torturador e que ele causou danos morais e à integridade física de Maria Amélia de Almeida Teles, César Augusto Teles, Criméia Schmidt de Almeida, Janaína Teles e Edson Luís Teles durante o período em que estiveram detidos, no começo dos anos 1970.
A sentença de primeira instância foi dada pelo juiz Gustavo Santini, da 23ª Vara Civil. Ele julgou improcedente, no entanto, o pedido de Janaína e Edson, filhos de Maria Amélia e com quatro e cinco anos na época. Na ocasião, foi a primeira vez na história do país em que houve o reconhecimento judicial de que um agente de Estado participou efetivamente de torturas contra civis – anteriormente, todas as decisões semelhantes haviam sido contra a União. Em sua sentença, Santini refutou o argumento dos advogados de Ustra de que o processo não poderia continuar em razão da Lei da Anistia.
família teles ustra coronel
O juiz Gustavo Teodoro considerou procedente a ação
da família Teles e declarou oficialmente Ustra torturador.
Os Teles: Janaína, Edson, Amelinha e César. Foto: divulgação
O julgamento do recurso do coronel reformado teve início em maio deste ano. Após a sustentação oral do advogado da família Teles, Fábio Konder Comparato, que argumentou contrariamente às questões preliminares alegadas por Ustra para revogar a sentença de primeira instância, o desembargador Rui Cascaldes retirou o processo de pauta. Relator do caso no TJ-SP, Cascaldes afirmou que havia elaborado seu voto há muito tempo e que, após ouvir os argumentos da família Teles, precisaria reler os autos do caso e gostaria de mais tempo para proferir sua decisão. A ação possui ao todo sete volumes.
Em sua sustentação oral, Comparato também rechaçou a tese de que a ação da família Teles estava impedida de continuar por causa da Lei de Anistia. “É preciso uma dose exemplar de coragem para sustentar hoje que a anistia penal elimina a responsabilidade civil. O artigo 935 do Código Civil é textual: a responsabilidade criminal independe da civil”, disse.
O advogado dos Teles afirmou ainda que o que estava em jogo no julgamento da ação era a credibilidade do Estado brasileiro diante da opinião pública nacional e internacional. “Não se trata aqui de decidir simplesmente de modo frio e abstrato, se há ou não uma relação de responsabilidade civil que liga o apelante aos apelados. Trata-se antes, de julgar se um agente público, remunerado pelo dinheiro do povo, exercendo funções oficiais de representação do Estado, que podia ordenar e executar, sem prestar contas à Justiça, atos bestiais de tortura contra pessoas presas sob sua guarda.”
Utilizando o codinome de Major Tibiriçá, Ustra comandou, entre setembro de 1970 e janeiro de 1974, a unidade paulista do DOI-Codi. Segundo entidades de direitos humanos, no período foram torturados no local 502 presos políticos, 40 dos quais morreram em decorrência dos abusos.
Em junho deste ano, o coronel reformado do Exército foi condenado em primeira instância pela Justiça de São Paulo a pagar uma indenização de R$ 100 mil à família do jornalista Luiz Eduardo da Rocha Merlino, morto sob tortura em julho de 1971 na sede do órgão. Em sua sentença, a juíza da 20ª Vara Cível do foro central de São Paulo, Claudia de Lima Menge, destacou que a Lei de Anistia não guardava relação com ação por danos morais movida por parentes da vítima.
Leia Mais ►

Comunicação: Erundina, arretada, baixa a lenha!

Já me referi, aqui no blogue, sobre as críticas dos movimentos sociais pela comunicação como direito humano sobre a nomeação do Conselho de Comunicação Social pelo Senado/Congresso Nacional . Pois que os ânimos estão longe de se acalmar, mesmo depois da posse, que se deu na quarta-feira, 08. A deputada Luíza Erundina (PSB-SP), que preside a Frentecom – Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e Direito à Comunicação com Participação Popular, foi à tribuna, e colocou o dedo na ferida.
Postei no Facebook, mas não poderia deixar de transcrever aqui, pois é assunto do interesse de todos. Assista e avalie, se ela não tem razão:
Além da Frentecom e do FNDC  - Fórum Nacional pela Democratização da comunicação (na postagem linkada), a nomeação e a posse – restritas aos de sempre com raras exceções -, foram objeto de crítica, também,  da Frentex-SP – Frente Paulista pelo Direito à Comunicação. Clique para ler a nota a respeito.
No Observatório da Comunicação, matéria assinada por Cecília Bizerra analisa o que pode estar por trás da medida, sem dúvida, autoritária e nada transparente: os impactos no novo marco civil para a internet, que anda a passos de cágado, são fáceis de projetar. Aliás, não é de se estranhar, uma vez que o presidente do Senado, e portanto do Congresso Nacional, José de Ribamar Sarney, é latifundiário do setor, lá em terras maranhenses.
Claro que sempre alguém vai dizer que um conselho pífio é melhor que conselho algum, já que ficamos seis anos a ver navios. Ocorre que esta demanda incorpora uma luta de mais de 30 anos, foi puxada pela organização dos jornalistas – sindicatos e Fenaj – e radialistas, mas não chega a lugar algum se não contar com a pressão dos movimentos sociais, a sociedade civil real.
Portanto, o tempo de baixar as armas ainda está muito longe.
Aqui a relação de integrantes do CCS. O Conselho vai ser presidido  por um bispo católico – o Estado é ou não é laico!? -, secundado por ninguém menos que o assessor de Sarney, desde os tempos da Presidência da República.
Sulamita Esteliam
No A Tal Mineira
Leia Mais ►

Phantasmagoria Fantástica

Charge do Duke
Leia Mais ►

As lições de Guernica, 75 anos depois

O poder da arte em transformar armas em arados, e resistir à guerra, é constantemente renovado.
Há setenta e cinco anos, a cidade espanhola de Guernica foi bombardeada e reduzida a escombros. O ato brutal levou a que um dos maiores artistas do mundo pintasse um quadro em três semanas de trabalho intenso. “Guernica” de Pablo Picasso, um óleo de 3,5 x 7,8 metros retrata de forma cruel os horrores da guerra, refletidos nos rostos das pessoas e animais. Isto não prova que tenha sido o pior ataque durante a Guerra Civil de Espanha, mas tornou-se no mais famoso, graças ao poder da arte. O impacto de milhares de bombas lançadas sobre Guernica, o fogo das metralhadores aéreas que disparavam sobre civis tentando fugir do inferno, ainda hoje é sentido – pelos idosos sobreviventes, que ansiosamente partilham as suas memórias vividas, bem como pela juventude de Guernica, que luta por um futuro para a sua própria cidade longe da sua história dolorosa.
A Legião Condor da Luftwaffe Alemã (Força Aérea Alemã durante a Alemanha Nazi) fez o bombardeio a pedido do Gen. Francisco Franco, que liderou uma revolta militar contra o governo espanhol democraticamente eleito. Franco pediu ajuda a Adolf Hitler e Benito Mussolini, que estavam ansiosos para pôr em prática técnicas modernas de guerra sobre os indefesos cidadãos de Espanha. O ataque contra Guernica foi a primeira destruição completa de uma cidade civil na história europeia efetuada por bombardeamento aéreo. Enquanto casa e lojas eram destruídas, algumas unidades de fabrico de armas, juntamente com uma ponte importante e a linha férrea foram deixadas intactas.
Ativo e lúcido aos 89 anos de idade, Luís Iriondo Aurtenetxea, sentou-se comigo nos escritórios da organização Gernika Gogoratuz, que em língua Basca significa “Recordar Guernica”. O basco é uma língua antiga e um elemento fundamental na independência feroz do povo Basco, que vive há milhares de anos na região fronteiriça entre Espanha e França.
Luís tinha catorze anos e trabalhava como assistente num banco local quando Guernica foi bombardeada. Era dia de feira, por isso a cidade estava cheia, a praça do mercado repleta de pessoas e animais. O bombardeamento começou às 16.30h da tarde do dia 26 de Abril de 1937. Luís recorda: “Nunca mais acabava. O ataque durou três horas e meia. Quando terminou, saí do abrigo e vi toda a cidade a arder. Estava tudo em chamas.”
Luís e outras pessoas fugiram até à aldeia vizinha de Lumo, no cimo da colina, onde, com o cair da noite, viram a sua cidade arder e as suas casas ruírem pelas chamas. Deram-lhes um lugar onde dormir num celeiro. Luís continua: “Não me recordo se era meia-noite ou outra hora qualquer, porque na altura não tinha relógio. Ouvi alguém chamar-me... No fundo, podia ver-se Guernica em chamas, e graças à luz do fogo, eu vi que era a minha mãe. Já tinha encontrado os meus outros três irmãos. Eu era o último.”Luís e a sua família foram refugiados de guerra durante muitos anos, acabando por regressar a Guernica, onde ele ainda vive e trabalha como pintor – tal como Picasso em Paris.
Luís levou-me até ao seu estúdio, com as suas paredes cobertas de pinturas. A mais proeminente era a que ele pintou sobre aquele momento em Lumo quando sua mãe o encontrou. Perguntei-lhe como se sentiu naquela altura. Os seus olhos marejaram-se de lágrimas, Pediu-me desculpa e disse que não podia falar disso. Apenas a alguns quarteirões de distância situa-se uma das fábricas de armas que foi preservada da destruição. Um edifício onde são fabricadas armas químicas e pistolas, chamado Edificio Astra. Embora Astra se tenha mudado, a empresa de fabrico de armas mantém a sua ligação com a cidade, uma vez que várias das suas armas automáticas são denominadas de “Guernica” desenhadas “por guerreiros, para guerreiros”.
Há alguns anos, um grupo de jovens ocupou o edifício vazio, exigindo que fosse transformado num centro cultural. Oier Plaza é um jovem ativista de Guernica que me contou, “A princípio a polícia expulsou-nos, mas nós voltamos a ocupar o edifício. Finalmente, a câmara comprou-o, e iniciámos este processo de recuperação do edifício para criar o projeto Astra.”
O objetivo do projeto Astra é reconverter esta fábrica de armas num centro cultural com aulas de arte, vídeo e outros meios audiovisuais. “Temos de olhar o passado para compreender o presente e criar um futuro melhor. E eu acho que Astra faz parte desse processo. É o passado, é o presente, e é o futuro desta cidade.”
De “Guernica” de Picasso ao auto-retrato de Luís Iriondo Aurtenetxea com a sua mãe, passando pela iniciativa de Oier Plaza e os seus jovens amigos, o poder da arte em transformar armas em arados, e resistir à guerra, é constantemente renovado.
Artigo publicado em Democracy Now a 20 de julho de 2012.
Dennis Moynihan colaborou na produção jornalística desta coluna.
Tradução de Noémia Oliveira para o Esquerda.net
Leia Mais ►

E tem gente que ainda sonha com a Ditabranda...

(Ele emocionou a plateia que lotou o auditório da OAB ao lembrar que foi torturado diante da mulher e da filha, então com 12 anos. Depois, contou que elas foram torturadas e abusadas sexualmente diante dele: "Esses monstros fizeram isso com uma criança de 12 anos. Eu disse 12 anos. Ela até hoje não consegue falar sobre isso".)
Integrante da Comissão Nacional da Verdade, Paulo Sérgio Pinheiro, que foi secretário nacional de Direitos Humanos no governo FHC, afirmou que as torturas ocorridas no país de 1964 a 1985 foram "políticas de Estado".
"Não foi abuso, não foi excesso: foi uma política de Estado. As dezenas de jovens assassinados no Araguaia foram mortos por uma política pública que dizia que eles não poderiam sair vivos de lá. As casas de tortura também operavam por ordem dos ministérios militares", disse.
"Se não conseguirmos comprovar que todas as práticas de agentes contra militantes foram políticas de Estado, falharemos em nosso papel", afirmou Pinheiro.
As declarações de Pinheiro foram feitas durante audiência pública da comissão na seccional da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio, que reuniu ontem parentes de presos políticos e mortos durante a ditadura militar.
Também participaram advogados e representantes de ONGs que atuam na defesa dos direitos humanos.
Na audiência, o aposentado José Maria Gagliassi pediu que a comissão identifique os culpados por torturas.
Ele emocionou a plateia que lotou o auditório da OAB ao lembrar que foi torturado diante da mulher e da filha, então com 12 anos. Depois, contou que elas foram torturadas e abusadas sexualmente diante dele: "Esses monstros fizeram isso com uma criança de 12 anos. Eu disse 12 anos. Ela até hoje não consegue falar sobre isso".
"Temos o compromisso para que documentos existentes venham a público. O que vai acontecer no final do trabalho da comissão eu não sei, mas o Brasil não será como antes", afirmou Gilson Dipp, ministro do Superior Tribunal de Justiça e presidente da Comissão da Verdade.
Marco Antônio Martins
No DoLaDoDeLá
Leia Mais ►

O futuro do jornal e do peixe

Leia Mais ►

E agora Aécio? Delegado da PF complica Azeredo e tucanos

Na segunda-feira o jornal Folha de São Paulo entrevistou o delegado da PF Zampronha, que investigou a Ação Penal 470, apelidada de 'mensalão'.
O jornalão manchetou evazivamente: "Para delegado, mensalão é maior que o julgado no STF".
A manchete induz o leitor a pensar que os petistas, que tiveram a vida devassada, teriam cometido mais coisas do que foram acusados, porém o que se extrai do texto é que a parte maior dita pelo delegado seria um grande esquema de lavagem dinheiro, que envolve corruptores, e muito mais gente de todos os partidos, sobretudo o tucanato e seus aliados, que não foram devidamente investigados.
Pela entrevista, se conclui que o mensalão tucano de 1998 foi (com provas) tudo aquilo que a imprensa acusou de ser o chamado mensalão petista, enquanto o petista, segundo o delegado, ficou, em parte, nas más intenções, sendo abortado sem chegar a perpetrar grande parte dos crimes atribuídos, o que mostra a farsa do processo.
Segundo as palavras do delegado, dá para concluir:
1) o mensalão tucano teve um ciclo criminoso completo, com começo, meio e fim. Ou seja, houve empréstimos dos bancos, via empresas de publicidade, e foram quitados com dinheiro arrecado pelo esquema, inclusive desviado de estatais.
2) o próprio delegado afirma que, a exemplo do mensalão tucano, os empréstimos ao PT eram reais, e não simulados como afirmou o Procurador-Geral, e seriam (mas não foram), quitados com dinheiro arrecadado da corrupção. Segundo o delegado, a ideia seria replicar o que fizeram os tucanos. Mas não há como saber, com certeza, como seriam pagos estes empréstimos, pois as investigações não encontraram quitação com desvios de dinheiro público.
3) Não conseguiram provas contra José Dirceu, e o jornalão tem uma forma peculiar de dizer isso ao escrever: "Sobre Dirceu, o delegado da PF diz: Há vários elementos que indicam que ele sabia dos empréstimos e dos repasses para os políticos". Ora, indícios exigem investigações para comprovar ou não. Quando investigaram a vida, os sigilos bancários e telefônicos de Dirceu, os testemunhos, tudo isso mostrou distância dos demais envolvidos. Ou seja, quanto mais devassaram a vida de Dirceu, mais as provas apontaram para o sentido contrário às acusações e indícios iniciais.
4) O delegado também acredita que a denúncia deveria ser de caixa-2 e não de compra de votos. Ele, inclusive acha que caixa-2, conforme o caso, poderia levar doadores de campanha e operadores do mercado financeiro a serem denunciados por lavagem de dinheiro.
5) O PGR também errou ao denunciar funcionários que eram meros assessores, e diretores do Banco Rural sem responsabilidade pelos empréstimos.
6) Segundo acredita o delegado, a parte que teria provas mais robustas seria o caso Visanet. Ele acredita que o dinheiro foi público. A defesa alega que foi privado. É coisa que os juízes do STF terão que decidir com base nos estatutos e normas das empresas.
7) Resumindo, o 'menlasão' petista foi sem nunca ter sido, pois os empréstimos ao PT foram reais e não chegaram a ser quitados com dinheiro desviado dos cofres públicos, como aconteceu com o mensalão tucano de 1998.
A Folha repetiu o padrão que o ministro Joaquim Barbosa do STF, já disse. Toda vez que deu entrevista sobre o 'mensalão', perguntava ao final se o repórter não iria perguntar também sobre o 'mensalão tucano', e obtinha como resposta apenas sorrisos sem-graça.
Eis a matéria da Folha:

Para delegado, mensalão é maior que o julgado no STF

Luís Flávio Zampronha na associação de delegados da PF em Brasília

O delegado da Polícia Federal Luís Flávio Zampronha, que investigou de 2005 a 2011 a existência do mensalão, rompe o silêncio mantido nos últimos anos e afirma: "O mensalão é maior do que o caso em julgamento no Supremo Tribunal Federal".
Em entrevista exclusiva à Folha, Zampronha diz que o esquema era mais amplo nas suas duas pontas, de arrecadação e distribuição. Deveria, afirma, ser encarado como um grande sistema de lavagem de dinheiro -e não só como canal para a compra de apoio político no Congresso.
O delegado abasteceu de provas o Ministério Público Federal, que, em 2006, ofereceu a denúncia ao STF.
Zampronha manteve seu trabalho na PF para aprofundar as investigações e identificar mais beneficiários. Deixou o caso em fevereiro de 2011, após entregar relatório pedindo novas apurações.
Embora evite críticas diretas à Procuradoria, Zampronha revela divergências da PF em relação à denúncia em julgamento neste mês no STF.
Segundo o delegado, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu e o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares poderiam ter sido denunciados também por lavagem de dinheiro -o que não foi feito pelo Ministério Público Federal.
Na ação a que respondem no STF, os dois são acusados de corrupção ativa e de formação de quadrilha (com penas máximas de 12 anos e 3 anos, respectivamente).
Para Zampronha, as provas mais robustas contra eles são por lavagem de dinheiro (até dez anos de prisão).
Sobre Dirceu, o delegado da PF diz: "Há vários elementos que indicam que ele sabia dos empréstimos e dos repasses para os políticos".
Origem do Dinheiro
O delegado diz que o mensalão "seria empregado ao longo dos anos não só para transferências a parlamentares, mas para custeio da máquina partidária e de campanhas eleitorais e para benefício pessoal dos integrantes".
"O dinheiro não viria apenas de empréstimos ou desvios de recursos públicos, mas também poderia vir da venda de informações, extorsões, superfaturamentos em contratos de publicidade, da intermediação de interesses privados e doações ilegais."
Por outro lado, Zampronha também considera haver "injustiças" na denúncia -referência a réus que eram subordinados dos operadores e beneficiários do mensalão.
"Os funcionários não sabiam o que estava acontecendo", afirma o delegado, citando Anita Leocádia (assessora parlamentar) e Geiza Dias (gerente da SMPB, agência do publicitário Marcos Valério).
Empréstimos
Outra discordância refere-se à acusação da Procuradoria de que os empréstimos obtidos nos bancos Rural e BMG eram de fachada.
Para Zampronha, os empréstimos eram verdadeiros e seriam quitados com dinheiro a ser arrecadado pelo esquema -a exemplo do que teria ocorrido no chamado "mensalão mineiro" (suposto esquema de Valério com tucanos em Minas em 1998).
Ele considera que a Procuradoria errou ao denunciar quatro dirigentes do Banco Rural pelo envolvimento nos empréstimos, pois não teria ficado configurada a ligação pessoal deles com as operações (a cargo, diz, do ex-dirigente da instituição José Augusto Dumont, já morto).
Zampronha afirma que os recursos desviados do fundo Visanet (apontado como fonte do mensalão) e repassados à agência de Marcos Valério eram públicos, pois pertenciam ao Banco do Brasil.
Os réus no STF alegam que os recursos eram privados. "O dinheiro era do Visanet, mas repassado ao Banco do Brasil. A partir daí, o dinheiro passava a ser do banco e o Visanet não tinha mais ingerência nas decisões sobre a destinação dos recursos."
Para Zampronha, a participação do réu e ex-diretor do banco Henrique Pizzolato nos repasses foi comprovada.
No Amigos do Presidente Lula
Leia Mais ►

Por que a velha mídia, principalmente a Globo, odeia o José Dirceu?


Pelos seguintes motivos: 
1 - Foi Dirceu, quando Ministro da Casa Civil, (chefe do Gushiken), que deu a ideia de se regular as mídias. Criar uma Ley De Medios, e a Globo não perdoa.
2 - Foi Dirceu que acabou com a farra da Globo. Antes de Lula, toda a verba de publicidade do governo era dividida somente entre 499 veículos.
3 - E para cada R$ 1,00 de verba publicitária do governo, a Globo ficava com R$ 0,80 (80%). 
4 - Dirceu redistribuiu a verba publicitária do governo entre quase 9.000 veículos. Antes eram só 499. Agora, Globo só recebe 16% do total.
5 - Foi ideia do José Dirceu criar o Ministério das Cidades que acabou com o poder dos coronéis locais. Oposição e velha mídia não perdoam. 
6 - Foi Dirceu quem acabou com a farra dos livros didáticos que eram publicados pela Editora Abril e Fundação Roberto Marinho. 
7 - Foi Dirceu que articulou e viabilizou a governabilidade do governo Lula. 
8 - Foi Dirceu que BARROU Demóstenes de ser o Secretário Nacional de Justiça. Demóstenes e Cachoeira se juntaram para ferrar Dirceu. 
9 - Por que Dirceu sofre preseguição do Ministério Público? Em 2004, foi ideia de Dirceu de se criar um controle externo sobre o MP. 
10 - Por que Peluso não gosta de Dirceu? Márcio Thomaz Bastos indicou a Lula o nome de Peluso para o STF. Dirceu barrou. Márcio Thomaz Bastos forçou a barra.
11- Dirceu, quando Ministro Chefe Casa Civil, fechou as portas do BNDES à mídia: "dinheiro só para fomentar desenvolvimento, jamais pagar dívidas".
12 - Dirceu fez o BNDES parar de financiar as privatizações e deixar de ser hospital para empresas privadas falidas.
@Stanley Burburinho
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 1397

Leia Mais ►

Terrorismo midiático não afeta avaliação do governo Dilma

 Repare que pela margem de erro não existe alteração 

62% classificam administração Dilma como boa ou ótima, índice só 2 pontos abaixo do recorde
Na comparação com os mandatos anteriores, a taxa atual só equivale à do ex-presidente Lula em setembro de 2008
Após atingir seu recorde em abril, a taxa de aprovação do governo Dilma Rousseff oscilou dois pontos para baixo. De acordo com pesquisa realizada pelo instituto Datafolha no dia 9 de agosto, o governo agora é classificado como ótimo ou bom por 62% dos eleitores. Outros 30% avaliam que a administração Dilma é regular. A desaprovação (soma de ruim e péssimo) está em 7%.
O Datafolha ouviu 2.562 pessoas com 16 anos ou mais em 159 municípios. A margem de erro é de 2 pontos.
A aprovação do governo varia pouco conforme o nível de conhecimento das pessoas em relação ao julgamento do mensalão, em curso no Supremo Tribunal Federal. Entre os que dizem ter tomado conhecimento do julgamento, o governo é aprovado por 62%. No grupo dos que ignoram o julgamento, a aprovação é quase idêntica, 63%.
Na comparação com os quatro mandatos presidenciais anteriores, só o ex-presidente Lula atingiu mais de 60% de aprovação no período equivalente. Em setembro de 2008, já em seu segundo mandato, ele tinha 64% de ótimo e bom.
Ataxa mais baixa de aprovação da administração Dilma está entre os eleitores mais instruídos. No universo dos que responderam ter ensino superior completo (14% da amostra), o governo tem 52% de ótimo e bom. A margem de erro nesse grupo, porém, é bem maior.

Recortes

No recorte conforme as regiões do país, a maior aprovação está no Nordeste, onde 68% dos eleitores classificam o governo Dilma como ótimo ou bom. A taxa mais baixa está no Sul, com 54%.
Conforme a renda familiar, o maior índice de aprovação do governo ocorre entre os que recebem até dois salários mínimos, 66%.
Quem mora em município do interior do país tende a avaliar melhor o trabalho da presidente Dilma do que quem mora em capitais ou em cidades próximas de capitais. No interior, a aprovação chega a 68%. Nas regiões metropolitanas, essa taxa é de 54%.
O Datafolha também pediu para cada entrevistado atribuir uma nota de 0 a 10 ao desempenho da administração Dilma Rousseff. A nota média foi 7,4. Em abril, a nota foi só um pouco melhor: 7,5.
Ricardo Mendonça
No Falha
Título do Esquerdopata
Leia Mais ►

Jefferson também deu nó no jornal O Globo

Jefferson também deu nó no jornal O Globo

Palavra de Jefferson, que vale para condenar alguns réus da Ação Penal 470, não vale contra o ex-presidente Lula e, agora, segundo o jornal carioca, faz parte de estratégia para “enfraquecer procurador” Roberto Gurgel
Não foi só o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que ancorou sua peça acusatória nas acusações formuladas pelo ex-deputado Roberto Jefferson. Da mesma forma, diversos veículos de comunicação também vêm sustentando a tese do mensalão, entendido como compra de votos no Congresso por meio de pagamentos regulares a parlamentares, no que foi dito por Jefferson – que já se disse movido por espírito de vingança. E o “chefe da quadrilha” seria José Dirceu.
No entanto, ontem, Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Jefferson, disse que até Dirceu cumpria ordens do ex-presidente Lula. “Lula era um pateta? Tudo acontecendo sob suas barbas e nada? É claro que não. E não só sabia como ordenou o encadeamento disso tudo”, disse ele.
Ora, se a palavra de Jefferson vale contra os outros, deve valer contra Lula. E se não vale contra Lula, não pode valer contra os demais réus. Apesar dessa lógica cristalina, qual é a manchete do Globo desta terça-feira? “Para enfraquecer procurador, Jefferson agora acusa Lula”. Ou seja: o Globo define quando o que Jefferson diz é verdade ou mentira. Antes, era verdade. Agora, é mentira.
O que enfraquece o procurador não é o fato dele de Jefferson lembrá-lo, a esta altura do campeonato, que houve uma omissão importante na denúncia, mas sim o fato de Gurgel ter aceitado correr o risco de tomar como verdadeiras as afirmações de um delator que, movido por vingança, fantasiava. Mais do que isso: Gurgel correu o risco de oferecer uma denúncia sem provas materiais, mas ancorada numa testemunha polêmica. Jefferson acaba de comprovar que, ao contrário do que dizia o procurador, a palavra tem bem menos peso do que se imaginava. E veículos de comunicação que embarcaram nessa linha ficaram na mesma sinuca de bico.
No 247
Leia Mais ►

Dilma pede mais 'agressividade' no plano de concessões

Meta de geração de investimentos em 5 anos vai passar de R$ 90 bi para R$ 100 bi, com a inclusão de novos trechos
Prazo de exploração de rodovias será de 25 anos, e o de ferrovias, de 30 anos; anúncio será feito amanhã
O pacote de estímulo ao investimento que a presidente Dilma anuncia amanhã deve fixar o prazo das concessões de rodovias em 25 anos, e o de ferrovias, em 30 anos.
O programa será fechado hoje e sua meta de geração de investimentos deve passar dos R$ 90 bilhões previstos antes para mais de R$ 100 bilhões, em cinco anos, nos dois setores que terão participação do setor privado.
A Falha apurou que, na reta final, Dilma pediu um "programa mais agressivo", por isso o valor que os ganhadores das concessões terão de investir deve aumentar.
O pacote previa a concessão de rodovias à iniciativa privada com a exigência de duplicação de pelo menos 5.700 km (a distância de São Paulo a Belém, ida e volta).
No setor ferroviário, a meta é conceder a exploração de no mínimo 8.000 km (oito vezes a distância entre São Paulo e Brasília) em novas linhas.
Novos Trechos
Os cálculos iniciais apontavam que, em cinco anos, as concessões de rodovias deveriam gerar um investimento de pelo menos R$ 40 bilhões, e as de ferrovias, R$ 50 bilhões. O governo deve elevar esses valores com a inclusão de novos trechos e nova previsão de investimentos.
O ganhador das concessões terá de bancar os investimentos de ampliação e renovação das rodovias previstos pelo governo e oferecer a menor tarifa de pedágio.
Já nas ferrovias, a ideia é passar à iniciativa privada a construção de novos trechos ou a reformulação de trechos muito antigos. As concessões serão num modelo diferente do atual, em que o concessionário tinha exclusividade na região. Agora, quem vencer terá que oferecer ao mercado o espaço disponível para a passagem dos trens de diferentes empresas.
As medidas serão anunciadas amanhã no Planalto em reunião com dirigentes empresariais -além do grupo de 30 grandes empresários, Dilma convidou donos de empresas dos setores de transportes rodoviário e ferroviário.
Na sequência, o governo deve divulgar na próxima semana medidas no setor de portos. Na primeira quinzena de setembro, devem ser anunciadas medidas na área de aeroportos, redução do custo de energia e desoneração da folha de pagamento.
Valdo Cruz e Dimmi Amora
No Falha
Leia Mais ►

Projeto das novas ferrovias brasileiras

Leia Mais ►

Segunda fase

Mesmo que o restante da semana seja frustrante, o começo deixa marcas que não se apagarão do julgamento
Tardou, mas o espetáculo do mensalão enfim abriu a semana com a promessa de justificar as atenções recebidas e, até então, pouco retribuídas.
Ainda sem considerar os demais fatos que logo agitariam o ambiente do julgamento, o ministro Marco Aurélio Mello deu a sua contribuição: é preciso rever o mecanismo adotado para o julgamento, sob pena de que uma situação caótica e longa resulte da soma de cansaço, votos complexos e extensos (dois se anunciam com mais de mil páginas) e a confusão das sentenças variadas.
Se houvesse alguma dúvida de que o sistema adotado não é sensato, para condená-lo bastaria atentar para as muitas fotos de magistrados sucumbindo às sonecas.
Também desse ponto de vista, à parte o discutível fundamento jurídico, a recusa ao desmembramento do processo levou a um acúmulo absurdo de documentos, manifestações orais de defesa, relatórios e revisões enormes, e uma grande balbúrdia indomável de fatos, ficções, deduções e contestações. Tudo em fartos plurais.
É muito duvidoso que os 11 ministros possam atravessar esse cipoal até chegar a sentenças seguras e sem ressalvas no seu sentido de justiça.
Mas o que corrigir e como fazê-lo, a esta altura, é um problema sem proposta de solução. Apesar das informações de que a inquietação alcança todos os ministros.
Contribuição inesperada para o novo clima, o delegado Luís Flávio Zampronha, responsável pelo inquérito do mensalão na Polícia Federal, atribui ao processo limitações que deixam práticas graves, e respectivos autores, fora do julgamento do Supremo Tribunal Federal ou em situação atenuada.
A Polícia Federal é dada, em particular nos períodos eleitorais, a procedimentos mal explicados. É mais um caso desses: por que só agora o delegado decide falar da exclusão de fatos gravíssimos?
Zampronha não ampara suas afirmações nem apenas em exemplos de uma ou outra prática apurada. Ainda assim, o que diz não poderia passar sem atenção imediata e efetiva do procurador-geral da República.
Até porque alguma comprovação do que Zampronha diz, sobre extorsão e venda de informações, pode produzir agravantes em muitos aspectos do processo em julgamento no STF.
Por sua vez, o brilhante ex-juiz e advogado Luiz Francisco Corrêa Barbosa, defensor de Roberto Jefferson, lançou teses em todas as direções, inclusive na que declara a invalidade do processo do mensalão.
Ao afirmar que Lula "ordenou" o sistema do mensalão, porém, sua eloquência fértil e firme faltou com alguma sustentação factual, indispensável em acusação de tamanha gravidade.
Mas a face jurídica de suas teses e a arte ao apresentá-las venceram o tédio dos ministros e dos espectadores lá e fora.
Por fim atentos, todos, para uma defesa que também atingiu o procurador-geral e acusador Roberto Gurgel. Neste caso, atingiu em cheio.
Mesmo que o restante da semana seja frustrante, o seu começo deixou marcas que não se apagarão no restante do julgamento. Nem depois, talvez.
Leia Mais ►

As alianças políticas, absolutamente necessárias, e seus limites

 Entrevista especial com Luiz Werneck Vianna 

"As alianças feitas no presidencialismo de coalizão não servem para que uma determinada orientação seja posta em prática, ou um determinado programa se viabilize, mas apenas para garantir maioria parlamentar para o governante", constata o cientista político.
Na visão do sociólogo Werneck Vianna, a ampla maioria que hoje o chefe do Executivo tem conseguido lograr no Legislativo tem dado estabilidade à política brasileira. “Mas é uma estabilidade que não faculta a aventura, o risco, a descoberta, a inovação. Certas reformas muito necessárias para que o país dê um avanço, um salto, esbarram nessa larguíssima coalizão que atinge várias dimensões, desde a economia e a política até a sociedade. Os ventos cruzados que se estabelecem no interior da coalizão governamental fazem com que haja um comportamento paquidérmico do governo, que é obrigado a respeitar os limites dados por essa amplíssima base governamental, onde todos cabem e onde tudo cabe”.
Na entrevista que concedeu por telefone para a IHU On-Line Werneck afirma que o sistema partidário brasileiro “não foi feito para que a sociedade encontre formas expressivas de se incluir no mundo da política. Ele está feito para expressar interesses e diferenças regionais; não é um quadro que favoreça a limpeza e a firmeza de identidade. Ele está voltado para uma grande competição eleitoral. Isso certamente não oferece um bom cenário para a democracia política brasileira”. E constata: “estamos vivendo um momento em que os efeitos dessa política de presidencialismo de coalizão começam a se tornar cada vez mais complicados”.
Luiz Werneck Vianna (foto) é professor-pesquisador na PUC-Rio. Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo, é autor de, entre outros, A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil (Rio de Janeiro: Revan, 1997); A judicialização da política e das relações sociais no Brasil (Rio de Janeiro: Revan, 1999); e Democracia e os três poderes no Brasil (Belo Horizonte: UFMG, 2002). Sobre seu pensamento, leia a obra Uma sociologia indignada. Diálogos com Luiz Werneck Vianna, organizada por Rubem Barboza Filho e Fernando Perlatto (Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2012) (mais informações em http://bit.ly/IVmpmg).
Confira a entrevista.
IHU On-Line – Que espécie de política se desenha em nosso país a partir das alianças que vêm sendo feitas em nome da busca pelo poder?
Werneck Vianna – Nossa forma não programática de alianças, que são feitas por meros interesses eleitorais – como o tempo de televisão –, já têm uma certa história. O presidencialismo de coalizão tem tido essa característica entre nós, porque não necessariamente ele deve ser tão arbitrário quanto à orientação programática. Mas o fato é que ele tomou essa característica desde o governo Fernando Henrique Cardoso, porque as alianças têm sido desencontradas. Ao longo dos mandatos do PT, especialmente a partir do segundo mandato do presidente Lula, isso tomou uma proporção imensa. Na verdade, essas alianças não são feitas para que uma determinada orientação seja posta em prática, ou um determinado programa se viabilize, mas apenas para garantir maioria parlamentar para o governante.
Aliás, o tema da maioria parlamentar se tornou um espantalho desde o impeachment do governo Collor. Hoje a queda é atribuída, em boa parte de modo verdadeiro, ao fato de ele vir de um partido minoritário e não ter sabido compor uma base congressual. A partir daí, esse espantalho vem dominando o presidencialismo brasileiro. O fato é que, desde que essa política foi sendo vitoriosa, caíram todas as reservas, todas as prudências, formando-se um campo aberto de troca. Esse é o lado nefasto.
No entanto, olhando de outro ângulo, essa base larga, essa ampla maioria que hoje o chefe do Executivo tem conseguido lograr no Legislativo tem dado estabilidade à política brasileira. Mas é uma estabilidade que não faculta a aventura, o risco, a descoberta, a inovação. Certas reformas muito necessárias para que o país dê um avanço, um salto, esbarram nessa larguíssima coalizão, que atinge várias dimensões, desde a economia e a política até a sociedade. Os ventos cruzados que se estabelecem no interior da coalizão governamental fazem com que haja um comportamento paquidérmico do governo, que é obrigado a respeitar os limites dados por essa amplíssima base governamental, onde todos cabem e onde tudo cabe. São empates que se sucedem e que têm um consenso muito difícil, e que não dão nenhum bônus, não dão agilidade e limitam a capacidade de uma nação em um momento em que inovar é fundamental.
É preciso mudar o repertório da política que está anacrônico já há algum tempo. É evidente que essas alianças, por outro lado, afetam a identidade partidária. Os partidos já são naturalmente enfraquecidos por uma série de circunstâncias sociais que não são atuantes apenas aqui no Brasil, mas com essas acrobacias se tornam ainda mais vulneráveis. Por exemplo, em tese é aceitável, mas é difícil digerir o apoio de Paulo Maluf à candidatura do PT, por causa do histórico de oposição entre eles e pela história pessoal de Maluf, que não é muito recomendável.
IHU On-Line – É possível governar sem alianças políticas em um regime democrático?
Werneck Vianna – As alianças são absolutamente necessárias. Quanto a isso não resta nenhuma dúvida. Em uma sociedade plural, como a brasileira, pensar que uma tendência ou partido, ou apenas um sistema de orientação dará cabo dos problemas existentes é cair na ilusão, mesma ilusão que o Collor teve, de que a partir de um Executivo forte é possível reformar e reestruturar o país. Essa experiência foi feita também por Jânio Quadros antes de 1964, que governou sem uma base forte de sustentação e isso o levou à crise e à renúncia.
IHU On-Line – O problema está nos limites dessas alianças...
Werneck Vianna – Certamente. O limite deveria ser o programa. Mesmo que não fosse um programa explícito, mas um programa que tivesse certa abrangência, que pudesse admitir parceiros com identidades diversas e que pudesse ser revisado, e não essa “feira” ideológico-político-partidária em que nos encontramos, cujo efeito é o de estimular o decisionismo do Executivo, porque, dado esse empate entre as forças políticas que têm orientação desencontrada, esse poder se sente compelido a agir por sua própria orientação, tentando produzir resultados quase autocraticamente, através desse sistema decisionista, vertical. Este é um efeito muito negativo dessa construção.
IHU On-Line – O senhor poderia fazer uma breve análise do atual quadro partidário brasileiro?
Werneck Vianna – Não é fácil. Se formos tentar trabalhar a partir da clivagem mais ideológica, de velho tipo, teremos os partidos de orientação socialista e os partidos de orientação liberal-burguesa. Num campo teremos o PT, o PCdoB, o PSOL, o PPS de certo modo, que tem até o socialismo no nome, e teremos o PSB. E do outro lado teremos o DEM e outros que de memória não consigo recuperar. Não posso esquecer de mencionar o PDT, que entra no campo doutrinário do socialismo, isso se formos tomar o que é dito e não o que é praticado. Essa linha ideológica se mostra inoperante para recortar o quadro atual.
O que temos é agregação de interesses. Temos partidos que agregam os evangélicos, os ruralistas e as corporações, que também se fazem presentes. Elas invadem a vida partidária. Esse sistema partidário não foi feito para que a sociedade encontre formas expressivas de se incluir no mundo da política. Ele está feito para expressar interesses e diferenças regionais; não é um quadro que favoreça a limpeza e a firmeza de identidade. Ele está voltado para uma grande competição eleitoral. Isso certamente não oferece um bom cenário para a democracia política brasileira. Por outro lado, tudo o que existe em nossa sociedade encontra formas de expressão na vida política partidária, o que é uma dimensão saudável. No entanto, isso cria um quebra-cabeça de enorme dificuldade.
O presidencialismo de coalizão é uma resposta a isso: é criar certa unidade a partir deste mundo extremamente fragmentário. O problema é que só quem pode estabelecer essa unidade é o Executivo, o que faz com que esse quadro, que é aparentemente ameno e afável de expressão da diversidade existente na sociedade brasileira, contenha elementos autoritários, que favorecem a ação do Executivo, porque só ela é capaz de cimentar e soldar essa multiplicidade de identidades e interesses.
Diga-se de passagem que o presidente Lula demonstrou um enorme tirocínio e habilidade em trabalhar diante desse cenário, tirando proveito desse quadro político e colocando-o a seu favor. Essa solda, esse cimento que ele soube instituir não é uma arte de fácil transferência. Essa era uma das características dele, pela sua capacidade de articulação que veio do seu treinamento no mundo sindical.
Com a Dilma temos outro quadro na mesma política. Ela imprime outra administração, de alta burocracia do mundo da gestão, o que não quer dizer que ela seja indiferente à política. E não é. Mas ela não tem nem o mesmo gosto, nem o mesmo treino. Além do mais, “o Natal mudou”. O mundo já não é mais aquele de cinco anos atrás. A gravidade da crise econômica atesta isso. A necessidade de se fazer algumas reformas, como a reforma da legislação trabalhista, está se tornando cada vez mais imperativa.
No entanto, a coalizão governamental que conhecemos é muito pouco permeável a uma reforma como essa. Basta pensar no PCdoB, que reage a essa reforma, ou no PDT, que é o partido do ex-governador Brizola. É um conjunto de forças que, dentro da coalizão governamental, reage a essa reforma, que parece ser cada vez mais inadiável.
Outra questão é esse sistema altamente sensível da previdência. O fator previdenciário que o governo tenta extinguir por medidas de saneamento fiscal, em função da crise que já se abate sobre nós e que tende a se aprofundar, não encontra apoio na sua base governamental, inclusive no próprio PT. Estamos vivendo um momento em que os efeitos dessa política de presidencialismo de coalizão começam a se tornar cada vez mais complicados. Não só porque falta o Lula. Mesmo com ele esse quadro, que agora se exerce sobre a presidente Dilma, estaria presente.
IHU On-Line – Quais são os cenários possíveis de mudança nos próximos anos, levando em conta que, apesar de todas as fragilidades e incongruências, permitiu-se que vivamos o maior período de regime democrático?
Werneck Vianna – A democracia política tende a se aprofundar. Por exemplo, no julgamento do chamado processo do mensalão foram levados a tribunal líderes políticos do partido hegemônico da coalizão governamental. Não há registro na nossa história dessa autonomia das instituições, em que o judiciário, com independência do poder político, obedece aos procedimentos e leva a julgamento pessoas ligadas ao vértice do sistema de poder. Esse é um sinal. Não importa o resultado do julgamento, importa ver essas pessoas lá no tribunal, onde a questão é técnico-jurídica.
Do ponto de vista político, importa que personalidades e figuras participantes do poder vão a julgamento e a sociedade participa desse processo apenas como observadora, como comentarista, sem que haja nenhuma comoção maior nas ruas. Não há nenhum assédio físico no Supremo Tribunal Federal. Isso é uma novidade, um avanço extraordinário das nossas instituições. Além disso, registre-se que, desde agora, com as eleições municipais, as fraturas desse sistema estão mais do que denunciadas.
Basta ver o processo eleitoral em Fortaleza, no Ceará; em Recife, em Pernambuco; e em Belo Horizonte, Minas Gerais. Isso para mencionar apenas casos muito fortes, em que se observa que a coalizão governamental não consegue operar da mesma forma que estava acostumada, isto é, impondo ao local, ao municipal o seu programa de ação política. Isso mostra como a maturação da sociedade está pondo em xeque essa forma verticalizada de administração da política, que é o presidencialismo de coalizão.
Tudo isso é muito favorável à vida democrática. O que se pode arguir é que é difícil construir um quadro político mais ordenado com essa pluralidade de partidos ou pelo menos com essa legislação que permite a partidos sem nenhuma expressividade terem acesso aos recursos do fundo partidário, ao tempo de televisão, dando a eles um poder de troca que, na verdade, favorece apenas às oligarquias que comandam as suas legendas. Estamos, por ora, condenados a fazer política num cenário em que as linhas de força vão todas no sentido da fragmentação e que a unificação disso depende de uma ação externa, que é o governo.
Então fica essa marca autoritária, da dominação da dimensão vertical sobre a horizontal, que só uma reforma adicional pode dar conta. De modo que temos que aprender a trabalhar com esse quadro e superar as dificuldades que ele impõe à política. É um quadro caótico que só faz sentido no fim. Só o resultado da ação faz sentido, porque não faz sentido na articulação de cada parte, pois cada uma entra nisso pelo seu motivo particular. Isso dá um mapa desencontrado, que só pode fazer algum sentido por uma ação externa, de um outro, superposto a esses interesses desencontrados, que consegue estabelecer uma linha em que todos possam ser minimamente atendidos.
IHU On-Line – Na política brasileira hoje quem é antagonista de quem?
Werneck Vianna – Há antagonismos, mas nem sempre com a lógica do amigo e inimigo. Há uma lógica adversarial, mais do que de confronto, que vise levar à eliminação de um polo. Nós temos mais lutas agônicas do que lutas antagônicas. A política está se tornando, entre nós, mais um campo adversarial. Inclusive porque os dois principais partidos políticos brasileiros – PT e PSDB – têm muitas afinidades de fundo. Ambos estão com as raízes fincadas na social-democracia.
IHU On-Line – Em entrevista concedida a nossa revista em março deste ano, o senhor apostava no ressurgimento da política nos próximos anos com muita força, apontando que “não há mais possibilidade de segurar a sociedade com esse jogo de manter os contrários em permanente equilíbrio” . Como avalia essa declaração hoje, quatro meses depois?
Werneck Vianna – Confirmo-a inteiramente. Só que quando me refiro aos “contrários”, não falo das concepções antagônicas do mundo como, por exemplo, concepções socialistas e concepções liberal-capitalistas. Eu estava me referindo a interesses. O que eu estava dizendo é que o governo Lula foi capaz de trazer para o seu interior múltiplos interesses divergentes como a agricultura familiar e o agronegócio. Eu dizia que essa operação tinha um prazo de validade e que no governo Dilma tenderia a se derruir. E vejo que está se derruindo diante dos nossos olhos. Nós podemos dizer que a política volta agora de forma muito clara. As eleições municipais estão deixando isso manifesto. A pluralidade da sociedade está procurando formas expressivas como independência dessa forma política do presidencialismo de coalizão.
IHU On-Line – Qual é o balanço que o senhor faz do governo Dilma Rousseff? Algo ameaça uma possível reeleição da presidente?
Werneck Vianna – Essa é uma questão muito delicada e perturbadora para o cenário político atual. Nós estamos diante de um quadro em que há uma dualidade de representação. Quem detém, de fato, o poder: o governo ou o seu partido e a coalização que esse partido montou? Qual o papel aí do ex-presidente Lula como que representando o poder real, afastado por circunstâncias do calendário eleitoral, mas para o qual se espera uma volta triunfal em 2014? Esse é um quadro que cria muita instabilidade. Os movimentos e os partidos devem calcar a sua orientação pelo governo Dilma ou pela expectativa do retorno “sebastianista”  do ex-presidente Lula? Isso tudo, essa dualidade, afeta o quadro atual, introduz nele elementos de instabilidade e tira força e capacidade de coesão dessa forma de presidencialismo de coalizão ao qual fomos acostumados nos dois governos de Lula. Essa é uma ambiguidade que atua de forma escondida na cena atual e não favorece o assentamento das forças políticas atuantes. O próprio partido hegemônico, o PT, se questiona a quem obedecer: ao governo ou ao seu líder maior, apenas contingentemente fora do governo, mas que logo voltará a ele? E Dilma poderá ou deverá se afirmar uma liderança nova, o que significa candidatar-se à reeleição desde agora? As incertezas quanto a isso favorecem a perda de controle que hoje está estabelecida por parte do centro do poder político sobre a sociedade e as forças políticas envolvidas.
IHU On-Line – O senhor acredita na volta de Lula à presidência em 2014? Dilma cederia espaço para ele?
Werneck Vianna – É difícil prever. O fato é que não faz bem ao governo dela, agora, abdicar da reeleição. Ela precisa do horizonte da reeleição para ter mais força hoje, especialmente em um momento em que o país está na iminência de viver perturbações derivadas da situação econômica. Nesse sentido, deverão existir forças orientadas a robustecer Dilma agora porque é preciso um presidente forte na hora da crise. E um presidente forte agora significa um presidente que vai lutar para a reeleição. Se isso viola o sistema de lealdades de Dilma com Lula é difícil de dizer, pois é uma questão subjetiva. No entanto, do ponto de vista da situação presente, o fato é que o país vive a necessidade de uma presidência forte por causa da crise.
Leia Mais ►