18 de jul de 2012

Vídeo íntimo de Denise Leitão Rocha 'Furacão da CPI', é divulgado no congresso

A assessora jurídica do senador Ciro Nogueira (PP), Denise Leitão Rocha, que ficou famosa após ter suas fotos íntimas divulgadas na internet, e por causa disso está sendo considerada uma das musas da CPI do caso Cachoeira, é assessora especial e não precisa comprovar frequência no gabinete de Ciro Nogueira. Segundo informações disponíveis no Portal Transparência, no Diário Oficial e no ato de nomeação da advogada no Senado, Denise Rocha foi nomeada para o cargo de assistente parlamentar – AP-03 com salário de R$ 4.084,29 (Quatro mil, oitenta e quatro reais e vinte nove centavos) por indicação de senador Ciro Nogueira na data de 15 de fevereiro de 2011 e não precisa bater ponto, pois está incluída no regime especial de frequência.
A advogada e assessora do senador Ciro Nogueira (PP), Denise Rocha, tem chamado as atenções masculinas durante os trabalhos da CPMI do Cachoeira. A jovem, que possui um corpo escultural tem sido bastante assediada e até um suposto vídeo de sexo da jovem estaria rondando no Senado e agora caiu na internet.
Quer assistir ao vídeo?
[ATENÇÃO! CONTEÚDO, EXCLUSIVAMENTE, ADULTO. SE VOCÊ NÃO SE ENQUADRA NESTA CATEGORIA, FAVOR NÃO ACESSAR.] Então, está AQUI.
No Terra Brasilis
Observação:
Se você não está encontrando o vídeo no link acima, pode ver também aqui ou aqui. Dica de leitores publicadas nos comentários deste post.
Leia Mais ►

Política e polícia higienista em São Paulo

Leia Mais ►

A bruxa de Canapi

A entrevista da ex-primeira-dama Rosane Collor no Fantástico revela muito da disposição da velha mídia com a CPI do Cachoeira, a qual quer ver enterrada o mais rapidamente possível.
Rosane, para quem não sabe ou não se lembra, era mulher de Fernando Collor de Mello e por ele foi colocada na presidência da extinta Legião Brasileira de Assistência (LBA). Lá, ela organizou um esquema de roubo e desvio de dinheiro que escoava verbas de Brasília para os corfres da família dela em Canapi, no sertão de Alagoas.
Dinheiro destinado ao combate à seca. Agora, transmutada em “pastora evangélica”, foi à TV Globo dizer que o ex-tesoureiro Paulo César Farias tinha muita influência no governo Collor e que o ex-marido mexia com bruxaria… Então, uma informação às novas gerações: PC Farias, entre outras atribuições, bancava as CALCINHAS de Rosane Collor.
A estratégia de dar voz à pastora Rosane, nesse momento, nada tem a ver com interesses morais, quiçá republicanos. A velha mídia quer atingir e demonizar o senador Fernando Collor para intimidá-lo na CPI do Cachoeira.
Collor investiu contra o procurador-geral Roberto Gurgel por este ter engavetado a Operação Vegas, que já tinha pego Demóstenes Torres, em 2009. Collor investe contra a Editora Abril e a revista Veja, e trabalha pela convocação de Roberto Civita e Policarpo Junior.
Collor, o monstro criado, alimentado e eleito pela TV Globo e pela Veja, em 1989. Esse mundo dá mesmo muitas voltas.
Leandro Fortes
No CartaCapital
Leia Mais ►

Anatel decide suspender vendas de Claro, Oi e TIM

A Anatel decidiu suspender a partir desta quarta-feira a venda de chips de três das maiores operadoras de telefonia móvel do país: TIM, Oi e Claro.
Somadas, as três empresas têm cerca de 70% do mercado de telefonia móvel no país - Claro (24,59%), Oi (18,59%) e TIM (26,88%).
As vendas ficarão interrompidas até que elas apresentem um plano de investimento para os próximos dois anos, com metas para resolver problemas na qualidade dos serviços prestados aos consumidores.
Os técnicos da Anatel trabalhavam, nesta manhã, com previsão de impedir a venda e a ativação de novas linhas pela TIM em cerca de 15 Estados, pela Oi em 6 e pela Claro em 3.
A medida, que deve ser anunciada pela Anatel nesta tarde, em coletiva à imprensa, foi motivada pelo índice de reclamação dos consumidores sobre essas três empresas.
A Vivo, que é a maior operadora do país, não será afetada. Todas as operadoras, porém, serão obrigadas a melhorar os serviços.
A Anatel tomou a decisão após avaliar dados das empresas pelos últimos seis meses. Um dos maiores problemas é que as chamadas são interrompidas no meio do telefonema.
O plano que as empresas serão obrigadas a apresentar deve considerar: melhora na infraestrutura; no atendimento ao consumidor; completamento de chamada.
A Anatel deve ingressar com medidas cautelares em cada Estado e individualizada por operadora para suspensão dos serviços.
A agência pretendia executar medida contra a TIM, devido ao grande número de queixas dos consumidores, no entanto, decidiu, antes de aplicar a sanção, aprofundar estudos sobre os casos de outras empresas de telefonia.
Na ocasião, o ministro Paulo Bernardo (Comunicações) disse que a proibição das vendas deveria ser "o último recurso" na tentativa de colocar uma companhia de volta nos trilhos.
As ações da TIM caíram 7,55% após a ameaça de suspensão nas vendas.
Leia Mais ►

A entrevista de Rosane Collor

Leia Mais ►

CNN elogia a saúde no Brasil como “direito de todos e dever do Estado”

Em meio às discussões da reforma do Sistema de Saúde dos Estados Unidos, o portal do canal a cabo de notícias norte-americano CNN divulgou um artigo elogiando o Sistema Único de Saúde (SUS). O autor do texto, Eduardo Gómez, ressalta que, desde o início do século XX, o governo brasileiro e a sociedade civil têm trabalhado juntos para estabelecer a saúde como um bem comum, ao compartilhar o ônus de pagar pelos serviços por meio de impostos.
Para ele, os norte-americanos precisam aprender uma lição importante com o Brasil: perceber que a saúde é um direito humano fundamental. “O SUS é descentralizado, de modo que a gestão, formulação e implementação de políticas são de responsabilidade dos governos estaduais e municipais. Além de fornecer cuidados de saúde primária, cirurgias e medicamentos, o SUS também oferece o Programa Saúde da Família, onde médicos e enfermeiros visitam famílias que vivem em lugares de difícil acesso”, explica o autor.
Segundo Gómez, todo o trabalho do SUS tem valido a pena. “A expectativa de vida do Brasil melhorou em um ritmo mais rápido do que o dos EUA desde 1960, apesar de continuar para trás. A expectativa de vida dos brasileiros subiu de 54.49 anos, em 1960, para 73.1, em 2010. Nos Estados Unidos, a expectativa aumentou de 69.77 anos para 78.24”, exemplifica.
O autor aponta, também, alguns dos desafios da saúde no Brasil, como as dificuldades na gestão de hospitais e a falta crônica de médicos e enfermeiros, especialmente em áreas rurais (o que a matéria aponta também como problema nos EUA). Mas, apesar dos problemas, a América pode certamente aprender uma grande lição de seu parceiro do sul.
“Os brasileiros nos mostram que o direito à saúde precisa ser discutido incessantemente em debates políticos, independentemente dos inúmeros desafios que os sistemas de saúde possam enfrentar. Os brasileiros nos mostram, ainda, que a saúde é um bem comum que todos os norte-americanos deveriam apoiar”, finaliza Gómez.
No Blog da Saúde
Leia Mais ►

O dia em que Pedro pôs Pedro no bolso. Cardoso versus Bial

"O patrão não aparece aqui".
"O patrão são as Organizações Globo, hehehe."
"Corta, corta", grita o diretor do switcher.
Aposto que depois dessa o Pedro Cardoso vai passar uma temporada sem convites.
Ainda bem que ele tem a Grande Família para se divertir e o teatro para se consagrar.
Chupa Bial!
Vi no DoLaDoDeLá
Leia Mais ►

Globo não transmite último amistoso da seleção olímpica de futebol

AFP PHOTO/Will Oliver
O atacante Neymar é assediado pela imprensa no desembarque da seleção olímpica em Londres
O atacante Neymar é assediado pela imprensa no desembarque da seleção olímpica em Londres
Fato raríssimo, a Rede Globo não vai transmitir um amistoso da seleção brasileira de futebol. Marcado para sexta-feira, às 15h45 (horário de Brasília), o jogo contra a seleção da Grã-Bretanha é preparatório para os Jogos Olímpicos de Londres, que começam no próximo dia 27.
A partida será disputada em Middlesbrough, na Inglaterra, e terá transmissão exclusiva do canal pago SporTV. No horário do jogo, a Globo programa exibir um capítulo de "Chocolate com Pimenta" e o filme "Lilo & Stitch".
A última vez que a Globo não exibiu um amistoso da seleção foi no dia 10 de agosto de 2010, na estreia de Mano Menezes como técnico da equipe. Marcado para às 21h, mesmo horário em que a emissora exibia então a novela “Passione”, o jogo contra os Estados Unidos foi vencido pela seleção por 2 a 0.
A Globo detém os direitos de transmissão para TV aberta de todos os amistosos da seleção brasileira. Os direitos de mostrar a equipe em ação durante os Jogos de Londres, porém, pertencem à Record, o que pode explicar o desinteresse em exibir esta última partida antes da competição.
No Mauricio Stycer
Leia Mais ►

Relatório do Congresso dos EUA denuncia lavagem de dinheiro no HSBC

O banco britânico HSBC colocou em risco o sistema financeiro americano ao se expor a possíveis atividades de lavagem de dinheiro vinculado ao tráfico de drogas ou ao financiamento do terrorismo, indicou nesta segunda-feira um relatório do Senado americano.
O relatório de uma comissão de investigação do Senado vinculada à Segurança interior destacou as "graves omissões" no sistema antilavagem da filial americana do HSBC, o HBUS, que não conseguiu - segundo os parlamentares - vigiar de forma eficaz as atividades suspeitas.
Desta forma, segundo os congressistas, o banco expôs o sistema financeiro americano a possíveis operações de lavagem de dinheiro da droga dos cartéis mexicanos. A filial mexicana transferiu, deste modo, cerca de 7 bilhões de dólares ao HBUS entre 2007 e 2008.
O HBUS também manteve relações financeiras com estabelecimentos bancários suspeitos de ter vínculos com supostas organizações terroristas. O informe de 330 páginas citou, deste modo, o banco saudita Al Rajhi Bank.
"Na era do terrorismo internacional, da violência vinculada à droga em nossas ruas e em nossas fronteiras, do crime organizado, deter o fluxo de dinheiro que apoia estes horrores é uma prioridade para a segurança nacional", escreveu em um comunicado o senador democrata Carl Levin, que preside a comissão.
No AFP
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 1355

Leia Mais ►

A Lei de Responsabilidade Educacional

Em 1943, o psicólogo Ibrahim Maslow, desenvolveu uma série de conceitos visando estimular as pessoas para o aprendizado. Criou uma escola de pensamento que se contrapos, ao longo das décadas, ao mecanicismo do ensino convencional.
Uma de suas constatações é que o ser humano consegue aprender uma cota máxima de informações por dia. Perdeu o dia, perdeu a cota, que não será recuperada nos dias seguintes.
Essa constatação trouxe implicações profundas na educação e no aprendizado – escolar e empresarial.
A educação é um processo cumulativo e não tem como recuperar o dia que se perdeu, já que em cada dia cabe apenas uma cota. Porque um jovem leva 25 anos do primário à educação superior completa? Porque não tem como acumular mais informações no período.
Por isso mesmo, não se pode parar nunca, usando a escola, a Internet, as leituras em casa para acumular conhecimento.
* * *
A partir dessas constatações, Vicente Falconi – professor emérito da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e consultor renomado – percebeu algo historicamente muito errado na educação brasileira, a partir da definição federativa: o curso fundamental (9 anos) é de responsabilidade dos prefeitos; o curso médio, dos governadores; a educação superior, do governo federal.
* * *
A parte mais relevante é o básico, período onde a criança irá acumular conhecimento que lhe permitirá, mais tarde, entender o curso médio e o superior. E está entregue à instância menos organizada da administração pública: as prefeituras, sujeitas a toda sorte de injunções políticas, sofrendo da descontinuidade administrativa, do assédio de cursos apostilados e outras aventuras.
* * *
Recentemente, Falconi visitou Santa Rita do Sapucaí que com a ETE (Escola Técnica de Eletrônica) e a Inatel tornou-se uma referência de tecnologia no país. Na minha adolescência, aliás, terminar o ginásio e entrar na ETE era o sonho de todo estudante. Eu mesmo estudei 6 meses por lá até perceber que minha vocação era o jornalismo.
Falconi indagou sobre o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio). Apenas mediano, responderam. A razão principal é que os alunos que chegavam passavam por um ensino fundamental horrível. A ETE precisou criar um reforço de 6 meses para prepará-los para o curso, mesmo assim sendo insuficiente.
* * *
De que maneira superar esse problema?
O MEC (Ministério da Educação) já desenvolveu indicadores satisfatórios, no ENEM e no IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica). Personagem central desses indicadores, é o Secretário Executivo do MEC José Henrique Paim Fernandes.
O MEC conseguiu montar um sistema nacional de acompanhamento. A rede do MEC junta indicadores de toda ordem e consegue falar online com praticamente todas as escolas da rede pública.
Ganhou-se capacidade de controle, mas não de execução – que continuou nas mãos de Estados e municípios.
O caminho é a aprovação de uma Lei de Responsabilidade Educacional, nos moldes da Lei de Responsabilidade Fiscal. Não apenas para controlar a aplicação dos recursos mas, principalmente, os indicadores de desempenho.
Luiz Nassif
No Advivo
Leia Mais ►

Prêmio por serviços prestados

Leia Mais ►

EUA aprovam primeira droga de prevenção ao vírus da Aids

O laboratório Gilead Sciences informou na segunda-feira que obteve aprovação dos Estados Unidos para comercializar seu medicamento Truvada como profilaxia para reduzir o risco de contaminação pelo HIV, vírus que causa a Aids.
Esse é o primeiro remédio contra o HIV para pessoas ainda não infectadas. Ele foi aprovado para pessoas expostas a risco elevado de contaminação, e para quem mantenha relações sexuais com parceiros soropositivos.
A droga deve ser tomada diariamente, em combinação com as práticas habituais de sexo seguro, para reduzir o risco de contaminação em adultos sob alto risco.
O Truvada já havia sido aprovado em combinação com outros agentes para o tratamento de soropositivos adultos e maiores de 12 anos.
“"A aprovação de hoje representa um marco importante na nossa luta contra o HIV", disse em nota Margaret Hamburg, comissária da FDA (Administração de Alimentos e Drogas dos EUA).
A cada ano, cerca de 50 mil adultos e adolescentes dos EUA recebem o diagnóstico de contaminação pelo HIV, segundo Hamburg. "Novos tratamentos além de métodos de prevenção são necessários para combater a epidemia de HIV neste país."
O FDA decidiu reforçar um alerta no rótulo do Truvada, orientando os médicos a se certificarem de que o usuário não está contaminado pelo HIV, e a refazerem os exames a cada três meses.
A aprovação inclui como contrapartida um programa de mitigação do risco, com treinamento e orientação voltadas para o aconselhamento de pessoas que usem o Truvada como profilaxia.
Outra exigência é que a Gilead recolha amostras de indivíduos que contraírem o HIV durante o uso do Truvada, avaliando uma possível resistência do vírus à droga. Também deverão ser monitorados os resultados das gestações de mulheres que engravidarem durante o uso do medicamento.
As ações da Gilead fecharam em alta de 1,5 por cento no pregão da Nasdaq, cotadas a 51,94 dólares.
No Reuters Brasil
Leia Mais ►

Africare abre escritório no Brasil e propõe parceria com Instituto Lula

Christian Isely, diretor da Africare no Brasil e Darius Mans, presidente da Africare, visitam o Instituto Lula para entregar o prêmio Africare 2011 ao ex-presidente.
Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula Foto de arquivo 2.abr.2012
A Africare, maior organização sem fins lucrativos focada exclusivamente na África, acaba de abrir um escritório no Brasil. O Instituto Lula, que acompanhou de perto a vinda da Africare, comemora mais este passo rumo ao estreitamento de laços entre Brasil e África. Em novembro do ano passado, o ex-presidente Lula foi agraciado com o prêmio Africare 2011. Esse prêmio é concedido anualmente a um indivíduo ou grupo que tenha feito impacto significativo em elevar as condições de vida na África. Na época, Lula afirmou: “essa é uma importante honraria, prova de que devemos trabalhar ainda mais para reforçar os laços do Brasil com a África”.
No momento em que a Africare abre seu escritório no Rio de Janeiro, o Instituto Lula conversou com Christian Isely, diretor de Parcerias Estratégicas no Brasil, para que ele pudesse apresentar um pouco o trabalho da organização aos brasileiros. “Isto não é apenas o culminar de nossos esforços ao longo do ano passado para envolver os nossos parceiros brasileiros, mas também o início de uma parceria longa e frutífera entre Africare e o povo do Brasil”, declarou.
Entre as tarefas que Cristian Isely pretende desempenhar no Brasil está o estabelecimento de uma parceria com o Instituto Lula, o desenvolvimento de projetos com empresas brasileiras a fim de beneficiar comunidades locais africanas e o reforço da parceria  com o governo brasileiro, além de solicitar doações diretas de indivíduos brasileiros e fundações para projetos em benefício de comunidades africanas. Para saber mais sobre a entidade, visite o site oficial: www.africare.org (em inglês).
O que é a Africare?
Somos a maior organização sem fins lucrativos focada exclusivamente na África. A missão da Africare é melhorar a qualidade de vida dos africanos. Há 42 anos, trabalhamos em parceria com os povos africanos de 35 países para construir uma vida sustentável, saudável e produtiva para as comunidades. Além disso, somos também uma voz líder nas questões de desenvolvimento da África.
E o que motivou a abertura de um escritório aqui no Brasil?
O surgimento do Brasil como uma potência mundial econômica e diplomática criou oportunidades significativas para o povo brasileiro apoiar o desenvolvimento do continente africano. O objetivo do escritório da Africare no Brasil é engajar diretamente o Brasil como um país doador para a África e garantir que o apoio brasileiro responda de maneira eficaz às necessidades urgentes das comunidades africanas.
Como você vê a importância da relação Brasil–África?
É uma relação extremamente importante, que a Africare pretende ajudar a fomentar. Uma forte relação multifacetada entre a África e Brasil não será apenas mutuamente benéfica, como também irá gerar impactos  positivos globais nos campos econômico, social e da saúde. Esse relacionamento tem o potencial de demonstrar como laços históricos e culturais podem servir de base para fortes laços econômicos e promover o bem-estar e a qualidade de vida para pessoas de todo o continente africano e do Brasil.
O Brasil não é o único país que está aumentando o seu envolvimento com a África. Outras economias em crescimento, como China e Índia também estão reforçando a sua presença no continente. O que diferencia o Brasil é o seu foco no emprego de mão-de-obra africana local e seu desejo de ajudar as comunidades locais beneficiadas por investimentos brasileiros. O Brasil pode servir como um exemplo poderoso para outros países do BRIC, e mesmo para a Europa e os Estados Unidos.
Em que áreas a Africare imagina que pode haver colaboração Brasil-África e como cada parte se beneficia disso?
A África tem uma imensa oportunidade de aprender com o esforço bem sucedido do Brasil para tirar as pessoas da pobreza e oferecer a eles acesso à saúde e à educação. Os programas sociais, como Bolsa Família, Fome Zero, Mais Alimentos e PAC (só para mencionar alguns) podem ser adaptados à realidade africana. Além disso, o Brasil, como uma potência agrícola e com um clima semelhante ao da África, está em uma posição para compartilhar tecnologias agrícolas inovadoras a fim de melhorar a produção de alimentos, aumentar as rendas individuais e desenvolver fontes alternativas de energia.
Da mesma forma, o Brasil pode também aprender com a África. Os povos africanos têm um forte sentimento de espírito de comunidade que pode ser mobilizado para efetivamente melhorar a qualidade de vida. A maioria dos projetos da Africare são implementadas em nível local, pelas próprias comunidades, o que ajuda a desenvolver um forte sentimento de orgulho da comunidade e de propriedade — qualidades que as comunidades de qualquer parte do mundo valorizam e se esforçam para incorporar.
Como o Instituto Lula e outras instituições parceiras podem trabalhar em conjunto com a Africare?
Com relação ao Instituto Lula, a Africare gostaria de estabelecer uma parceria para fomentar atividades e eventos que promovam a relação entre a África e o Brasil. A Africare acredita que juntos podemos educar o povo brasileiro sobre as necessidades mais críticas das comunidades na África. Exemplos concretos podem incluir conferências envolvendo palestrantes africanos para discutir iniciativas específicas, sucessos e desafios, a implementação de campanhas de angariação de fundos variados, o uso de eventos esportivos (especialmente a Copa do Mundo em 2014 e os Jogos Olímpicos em 2016), e a divulgação de informação nos meios impressos, televisivos e eletrônicos sobre o crescente relacionamento entre a África e o Brasil.
A Africare está desenvolvendo projetos com as grandes empresas brasileiras nos setores de construção, mineração, petróleo e agricultura (incluindo produção de alimentos e bioenergia), com planos de implementar projetos comunitários em cooperação com parceiros corporativos em toda a África. Nós podemos ajudar a construir projetos com elevados padrões de sustentabilidade e que contribuem para o valor das operações dessas empresas, provocando ao mesmo tempo uma melhoria da qualidade de vida das comunidades vizinhas. Os projetos podem incluir reassentamento, agricultura, saúde, educação, água e saneamento, o empoderamento das mulheres e a criação de microempresas.
A Africare também busca formar parcerias e colaborar com algumas das maiores instituições do Brasil que também estão promovendo a relação África-Brasil, incluindo BNDES, Fiesp, Unica, Ubrabio, e Banco do Brasil.
Por fim, a Africare pretende promover a benevolência dos filantrópicos brasileiros individuais, especialmente brasileiros, que se beneficiaram do forte crescimento econômico do Brasil na última década. Os brasileiros são conhecidos pelo seu carinho e compaixão que, combinados com o desejo de participar no desenvolvimento da África, são uma receita poderosa e positiva para o sucesso.
Como a Africare vê a situação da África atualmente e quais as prioridades da entidade?
Apesar de uma série de desafios, a situação da África é bastante promissora. A África se saiu relativamente bem durante a crise econômica e algumas das economias que mais crescem nos últimos anos foram os países africanos. Isso aconteceu em parte como resultado de um investimento significativo de países estrangeiros, como o Brasil. O desafio é garantir que este crescimento econômico beneficie toda a população da África e que leve a um desenvolvimento social duradouro.
Para a Africare, as áreas prioritárias são as seguintes:
1º Agricultura e Segurança Alimentar – A África tem um imenso potencial para a agricultura. Mas os agricultores locais precisam de ajuda na melhoria da produtividade e no acesso a mercados. A Africare tem uma experiência significativa nessa área.
2º Saúde – A África continua a sofrer com a baixa expectativa de vida e as altas taxas de mortalidade materna e infantil. Doenças transmissíveis como a malária, Aids e as doenças tropicais negligenciadas continuam a persistir por todo o continente. A Africare desenvolveu programas eficazes através das comunidades locais e governos africanos para melhorar prevenção, diagnóstico e tratamento dessas doenças. Já há um progresso significativo nos locais onde estamos trabalhando.
3º Água e Saneamento – A falta de práticas de higiene e acesso limitado a água potável é um grande problema em todo o continente africano. Doenças facilmente evitáveis, como a diarréia podem levar rapidamente a condições de saúde debilitante e até à morte. A Africare tem um histórico comprovado de trabalhar com as comunidades locais para a construção de poços e infraestrutura hídricas compartilhadas.
Sobre sua experiência pessoal, há quantos anos você está na Africare?
Trabalhei para Africare durante três anos, como o Diretor Nacional em Angola. Eu já havia trabalhado para outras organizações de desenvolvimento antes em outros países, mas a Africare tem um lugar especial no meu coração. Há um sentimento muito forte de família, que é muito africano. Mais de 90% dos nossos funcionários são africanos e eles incorporam o verdadeiro espírito da Africare. Acho que este espírito tem sido fundamental para nos ajudar aumentar a conscientização sobre as necessidades da África e formar parcerias efetivas.
Por exemplo, em Angola, temos um programa inovador para vacinar as crianças contra a paralisia infantil, como parte do esforço da erradicação global dessa doença. Em 2011, começamos a recrutar voluntários estranhgeiros em Luanda para participar das campanhas de vacinação. Temos hoje mais de 200 voluntários ativos de diversos países como Brasil, França, Estados Unidos, Inglaterra, Noruega e outros. A Odebrecht e a Petrobras também mobilizaram seus voluntários e recursos para ajudar. Juntos, nossos voluntários estrangeiros e locais formam uma grande família que atingiu a marca de mais de 20.000 crianças vacinadas. Acredito que esses esforços têm contribuído para a diminuição dos casos da doença em Angola. Em 2010, houve 33 casos confirmados, mas ete ano não houve nenhum caso de paralisia infantil em Angola. Os brasileiros são em grande parte responsáveis por este sucesso. Os voluntários e veículos fornecidos pela Odebrecht e Petrobras permitiram que chegássemos às mais distantes comunidades, e os brasileiros são duplamente úteis, porque eles têm a vantagem de falar a língua local.
Este é apenas um exemplo entre muitos. O futuro está cheio de oportunidades sem precedentes para a relação entre África e Brasil para melhorar a qualidade de vida de todos os africanos.
No Instituto Lula
Leia Mais ►

Tem coisas que só a Folha consegue fazer

Sei nem por onde começar. Bom, deixa eu começar agradecendo ao Loyola que, além de produzir esse avatar fófis de Cudi Ampola que eu uso, ainda me manda coisas como a que estampará este post.
Gente, verdade seja dita: a capacidade da Folha de gerar posts para este blog tende ao infinito. E tenho que dar o braço a torcer: o jornal da Barão de Limeira tem todo um estilo próprio, intransferível e inconfundível pra fazer merda. E uma folhice é eterna, não prescreve.
Esta daqui, por exemplo, tem praticamente dois anos. Vamos acompanhar:
Homem que esfaqueou três em mercado de SP foi contido meia hora após ataque

AFONSO BENITES [faço questão de manter o nome do autor da teteia.]
DE SÃO PAULO

“Quem quer morrer?”, dizia o auxiliar de pedreiro que matou uma pessoa e feriu duas com uma faca de churrasco anteontem à noite num hipermercado de Guarulhos, na Grande São Paulo. [Tá. O texto até que começou legal. Eu distribuiria uns pontinhos no lugar das vírgulas que é pra dar pra respirar direito, mas isso realmente não vem ao caso. Próxima frase, por favor!]

José Marcelo de Araújo, 27, percorreu quase todas as seções do Extra, no centro[Epa! Citou o nome do estabelecimento! Na boa, não havia necessidade. E, se o autor realmente fizesse questão de citar o local, que o fizesse de maneira mais formal, tipos: "o hipermercado Extra da avenida tal, no centro de Guarulhos], ameaçando as pessoas. Empunhava uma faca de churrasco, que furtou no próprio local (Tramontina, modelo Ultracorte, pacote com quatro tamanhos: R$ 53,90) [.... e zás! Chegamos à nossa folhice em questão! Só tenho uma dúvida: isso aqui foi excesso de apuração ou jabá?].

Era dia de promoção – a Quarta Extra (até 30% de desconto em frutas e legumes) [RE-PI-TO: ISSO É EXCESSO DE APURAÇÃO OU JABÁ?!?!?!?!?!] . A loja estava cheia.

A primeira vítima foi o comerciante chinês Ding Yu Chi, 60, esfaqueado próximo à banca de tomates, ao lado da mulher. Sem motivo aparente, Araújo deu-lhe duas facadas na barriga. Afastou-se e voltou a esfaqueá-lo. Ao todo, desferiu oito golpes.

Ding andou por 30 metros e pediu ajuda. Seguranças disseram para ele se deitar no chão e esperar o socorro. Gemendo, no colo da mulher, dizia: “Não aguento mais”.

Uma poça de sangue se formou debaixo de seu corpo. Clientes começaram a gritar que um “maluco” tinha esfaqueado um homem. Seis mulheres desmaiaram.

A segunda vítima foi outro comerciante. Ele se deparou com Araújo, tentou fugir, mas foi ferido nas costas. Antes de fazer a terceira vítima (um fiscal do Extra atingido no abdômen), Araújo tentou esfaquear outro cliente, que jogou um carrinho de compras contra ele.

Pânico e correria duraram quase meia hora. “Quando começou a confusão, eu tinha acabado de passar minha primeira compra no caixa, às 20h41 [E ao chegar aqui nós percebemos que o zifio repórti peca por excesso, mesmo! O texto está muito bem escrito, com excesso de riqueza de detalhes!]. Quando acabou, eu terminei [Cejura que você terminou quando acabou? Que maravilha, isso, não? A conclusão que coincide com o término! Que grande revolução! Nego num pode elogiar muito um texto da Folha que eles vêm e pimba de novo, cacete!]. Eram 21h13″, disse a dona de casa Karina Marques, 31, exibindo o cupom fiscal com horários.

Um policial disparou dois tiros no meio da loja – mais gritos, mais pânico. Não o atingiram o agressor, que acabou detido pela PM.

A família de Ding estuda processar o Extra por omissão de socorro. Testemunhas dizem que ele sangrou sem parar na loja e só foi removido ao fim da confusão. Morreu ao entrar no hospital.

O Extra não divulgou cenas de câmeras internas. Em nota, informou ter “tomado todas as medidas cabíveis”. Também disse que acionou a PM, “lamenta profundamente o ocorrido” e se mantém “à disposição das autoridades”.

Preso, Araújo afirmou que era perseguido desde sua casa, em Guararema, a 40 km de Guarulhos, mas não disse quem o seguia. Segundo a polícia, ele não conhecia as vítimas. Na delegacia, disse não se lembrar de nada. Não parecia estar sob efeito de drogas nem alcoolizado.

A polícia ainda tem poucos dados dele. Só sabe que nasceu em São Bento do Una (PE) e nunca foi condenado. As outras duas vítimas passaram por cirurgias e não correm risco de morte.
 O texto está realmente muito bem escrito. Tão bem escrito que eu aposto que o zifio era novo na Folha. Deve ter aprendido as manhas da redação e perdido toda a capacidade de escrever direito que Nossa Senhora da Boa ortografia lhe deu.
Mas aí eu fico pensando se esse jabá (Proposital? Inocente?) já não era um prenúncio ou, sem querer, uma compensação para o que aconteceria pouco mais de um mês depois
Enfim: PORRA, FOLHA!!!! SEU ESTILO DE FAZER MERDA É INIMITÁVEL, CACETE!!!!
No Objetivando Disponibilizar
Leia Mais ►

PSDB omite que plagiou projeto do PT em emenda à MP 563

O PSDB plagiou um projeto do PT e o apresentou na forma de emenda a uma medida provisória (MP 563/12) que fortalece o Plano Brasil Maior, aprovada na sessão da Câmara da última segunda-feira (16/07). O líder tucano na Câmara reconheceu a autoria do projeto, mas o portal oficial do partido omitiu esta informação em notícia publicada nesta terça-feira (17/07), sob o título “PSDB zera imposto da cesta básica”.
O projeto de lei (PL 3154/12), de autoria do deputado Paulo Teixeira (PT-SP), em conjunto com o líder da Bancada do PT, deputado Jilmar Tatto (SP), e com outros sete deputados petistas, isenta de impostos os alimentos da cesta básica. O PL foi apresentado juntamente com a proposta de criação do Imposto sobre as Grandes Fortunas (IGF), que tramita na Câmara na forma do PLP 130/12.
Paulo Teixeira se disse satisfeito com a aprovação do projeto, mas lamentou que o PSDB não tenha dado o crédito ao PT no seu portal. “Sem dúvida, estamos felizes com a aprovação do projeto, que terá um impacto positivo muito grande para a população brasileira, especialmente para as parcelas de renda mais baixa.
Mas seria importante que o PSDB reconhecesse em seus meios de comunicação que a proposta é do PT e que tem a marca da nossa história de luta em favor dos direitos básicos da sociedade brasileira”, afirmou o parlamentar paulista. Na apresentação da emenda, já no final da sessão, Bruno Araújo assumiu que o projeto era do PT. “Tenho a honra de ser o autor dessa emenda. Mas precisamos ser justos: nada mais fiz do que reproduzir um projeto de lei assinado pelo líder do PT, Jilmar Tatto, e pelos deputados petistas Paulo Teixeira e Ricardo Berzoini (SP)”, revelou Araújo. Esse “detalhe”, até as 17h30 desta terça, não constava na notícia publicada pelo PSDB.
Além de Paulo Teixeira, Jilmar Tatto e Ricardo Berzoini, o PL 3154/12 é assinado pelos deputados petistas Amauri Teixeira (BA), Assis Carvalho (PI), Cláudio Puty (PA), José Guimarães (CE), Pedro Eugênio (PE) e Pepe Vargas (RS), atuam ministro do Desenvolvimento Agrário.
Rogério Tomás
No PT no Senado
Leia Mais ►