2 de jul de 2012

Galvão Bueno garante que ‘o Corinthians é o Brasil na Libertadores’

Ele sabe que a verdade é outra. Mas não pode dizer. A Globo é o Corinthians na Libertadores…

"O Corinthians é o Brasil na Libertadores."
Galvão Bueno soltou a frase na transmissão da final da Eurocopa.
Como se são paulinos, palmeirenses e santistas tirassem suas camisas do Corinthians do armário...
E se preparassem para assistir a final com a foto de Romarinho grudada no peito.
Tadeu Schmidt encerrou os gols do Fantástico no gramado do Pacaembu.
E desejando toda a sorte para o time de Andrés Sanchez na quarta-feira.
Galvão e Tadeu estão sendo trucidados nas redes sociais da Internet.
Torcedores rivais nunca verão o Corinthians como seu representante na Libertadores.
Muito pelo contrário.
O foguetório aqui em São Paulo foi muito maior no gol do Boca do que do time paulista na semana passada.
Disparada a maior torcida no Brasil para a final da Libertadores é anticorintiana.
Até pela supervalorização do clube em relação ao torneio, a grande maioria dos torcedores quer a vitória do Boca.
Mas para a TV Globo não é uma questão de simples torcida.
Muito menos de Galvão Bueno que todos sabem ser flamenguista doente.
O problema para a emissora carioca é o dinheiro e a audiência que o clube paulista mais popular gera.
A Globo já tomou um solavanco quando a Fox exerceu seus direitos e tirou a Libertadores da Sportv.
Justo nesta competição que pela primeira vez os corintianos chegaram à final.
A emissora a cabo teve de se contentar com showbol, vôlei, basquete e Copa do Brasil.
A Fox Sports está fazendo a festa logo no ano de sua estreia no Brasil.
Na tevê aberta, os executivos da Globo sabem bem que a audiência vem despencando há anos.
Os únicos clubes a conseguir segurar mais os telespectadores são Flamengo e Corinthians.
Não por acaso, as equipes a ser mais mostradas em todos os torneios que estiverem envolvidas.
Como a TV Globo tem os direitos de transmissão do futebol desde os tempos da ditadura, a tabela dos torneios é feita com o aval dela.
Por isso tantos jogos do Flamengo e Corinthians às quartas-feiras e domingos.
Não é por acaso.
É para serem mostrados.
Quanto mais audiência, mais a emissora poderá cobrar dos patrocinadores.
Para garantir que os clubes mais populares do Brasil tenham os melhores times, a Globo resolveu contribuir.
Corinthians e Flamengo receberão mais dinheiro nos próximos anos da emissora.
Eles têm a obrigação de contratar melhores jogadores.
Se eles se transformarem em Barcelona e Real Madrid do Brasil, deixando os outros para trás, não importa.
O que Marcelo Campos Pinto, executivo maior do futebol da emissora, quer é audiência.
Houve uma grande preocupação quando, por exemplo, Palmeiras e Botafogo de Ribeirão chegaram ao recorde em um domingo de março deste ano.
A partida foi a menos vista da história na TV Globo aos domingos.
Teve apenas 12 pontos de audiência.
Os patrocinadores do futebol ficaram ressabiados.
E também respingou em quem paga a publicidade de Fausto Silva.
Portanto o Corinthians ter chegado à final da Libertadores é uma dádiva para a Globo.
As audiências dos jogos decisivos das últimas fases da competição têm sido ótimas.
Contra o Vasco no Pacaembu foi de 34 pontos.
Diante do Santos, 43 pontos, a melhor audiência para a Globo como um todo desde 2010.
A partida contra o Boca na Bombonera deu 42 pontos.
Há a perspectiva de que a de quarta-feira, dia da final, seja excelente.
Talvez passe dos 50 pontos.
Pouco importa se metade ou mais tenham sido de torcedores adversários, torcendo pela derrota corintiana.
O que vale para a emissora é audiência.
Não importa quem assista.
Para não pegar mal, Galvão Bueno e Tadeu precisam posar de corintianos.
E fingir que falam para a população brasileira, toda corintiana.
Os dois sabem muito bem que estão falando bobagem.
Mas têm ordens para isso.
Se o Corinthians vencer a Libertadores está garantida audiência maravilhosa para o Mundial de Clubes.
E certamente com anunciantes de última hora.
A chegada da equipe de Andrés Sanchez refletirá também nos programas esportivos da emissora.
A empolgação com o futebol estará garantida até o final de 2012.
E até 2013, já que se o Corinthians vencer a Libertadores estará classificado para o próximo ano.
Assim, mais audiência e mais dinheiro na conta da emissora carioca.
Traduzindo.
Quando o flamenguista Galvão Bueno diz: 'O Corinthians é o Brasil na Libertadores'...
O que ele quer dizer é "A Globo é o Corinthians na Libertadores."...
(Para desmoralizar ainda mais a frase de Galvão Bueno, só Tite...
O treinador corintiano fez questão de destacar hoje.
"O Corinthians não é o Brasil.
O Corinthians é o Corinthians."
Ficou mais do que claro.
A Globo é o Corinthians na Libertadores.)
No Cosme Rímoli
Leia Mais ►

Pedofilia na internet envolve filhos da ex-secretária da Receita Federal, Lina Vieira

Os filhos da ex-secretária da Receita Federal, Lina Vieira, estão sendo acusados de pertencerem a uma rede de pedofilia via internet. Um deles, Rodrigo Vieira Emereciano - o Mução -, é um famoso humorista e radialista nordestino.
Preso pela Polícia Federal, Mução [apresentador das "Pegadinhas do Mução"] já foi posto em liberdade, graças a uma reviravolta no caso que revelou ser o irmão mais novo do apresentador o verdadeiro criminoso.
Em nota divulgada, Mução se diz "Aliviado com o desfecho judicial". Leia abaixo íntegra da nota:
Aliviado com o desfecho judicial que reconheceu a minha absoluta inocência em relação às graves acusações que me foram injustamente imputadas, venho a público agradecer aos meus fãs, espalhados por todo o mundo, pelo apoio irrestrito e a confiança na minha palavra.
Da mesma forma, gostaria de firmar agradecimento à imprensa que agiu com prudência e esperou a elucidação dos fatos; e aos meus patrocinadores e afiliados que em nenhum momento retiraram seu apoio profissional e pessoal.
Por fim, reitero o meu repúdio a qualquer conduta voltada à inaceitável prática de pornografia e pedofilia.
Recife-PE, 30 de junho de 2012.
A Polícia Federal também emitiu nota sobre o caso em que afirma ter o irmão do radialista confessado o crime. Leia abaixo:
NOTA À IMPRENSA
“Polícia Federal esclarece desdobramentos da prisão do conhecido radialista ocorrida dentro da operação “DIRTY-NET”.
A Polícia Federal em Pernambuco, através da presente nota, vem esclarecer os desdobramentos da operação “DIRTY-NET”, deflagrada no dia 28/06/2012, com o cumprimento de 04 (quatro) Mandados de Busca e Apreensão (02 em Recife, 01 em Natal e 01 em Fortaleza) e 01 (um) Mandado de Prisão Temporária, os quais foram expedidos pela 13ª Vara Criminal Federal da Seção Judiciária de Pernambuco.
Na referida ação foi preso temporariamente, no bairro de Meireles em Fortaleza/CE, o investigado pela prática delituosa.
Ressalte-se que a prisão temporária tem natureza provisória e é decretada pelo Poder Judiciário, quando imprescindível para as investigações do inquérito policial e tem por objetivo propiciar a coleta de provas (buscas, interrogatórios, acareações e etc) enquanto perdurar a medida.
Após a prisão, durante as buscas e interrogatórios, foi levantada – pelo próprio investigado – a possibilidade de os acessos terem sido feitos por uma terceira pessoa, com acesso amplo e irrestrito ao suspeito, aos seus locais de residência e trabalho, bem como aos seus dados pessoais.
Assim, a partir dos dados fornecidos no interrogatório, novas diligências foram feitas culminando com a identificação, intimação e a consequente confissão do irmão do investigado, o qual ocupava um cargo de direção na empresa deste.
Durante seu interrogatório, além do conhecimento das senhas pessoais, o irmão do investigado admitiu que criou e-mails e perfis de usuários em nome daquele, através dos quais, acessou, por diversas vezes, em diferentes ocasiões e localidades programas de compartilhamento de dados utilizados para divulgação e trocas de imagens contendo cenas de sexo explícito e pornográficas, como se o investigado fosse.
Descortinados os fatos, prosseguem as investigações com fito de esclarecer toda a prática delituosa.
Por essas razões e por ter sido plenamente atendida, no caso, a função da prisão temporária, foi representada judicialmente pela revogação da medida.
Recife/PE, 29 de junho de 2012.
Comunicação Social SR-PE
Veja o vídeo com reportagem do Domingo Espetacular, da Record:
No Terra Brasilis
Leia Mais ►

Montagem da P-55 em Rio Grande entra em fase final

Acoplamento de módulo ao casco para formação de plataforma dependerá de condições do tempo
Está pronta para ocorrer a fase mais desafiadora da construção da plataforma P-55.
Será realizado o mating, operação para unir o casco fabricado em Pernambuco ao módulo construído no Estaleiro Rio Grande.
O dique do estaleiro no sul do Estado está sendo inundado completamente pela primeira vez para que o casco da plataforma seja deslocado do canal de acesso ao porto para dentro da estrutura.
É a última preparação antes da integração das partes. O processo de manobra da embarcação está previsto para ocorrer na manhã desta segunda-feira. O enchimento do dique seco tinha previsão de durar quase todo o fim de semana passado em Rio Grande.
Estrutura com 350 metros de comprimento, 130 metros de largura e profundidade de 13,8 metros abaixo do nível do mar, o dique tinha previsão de ficar completamente cheio de água por volta da 1h30min desta segunda, depois de 36 horas de trabalho.
Se as condições climáticas estiverem favoráveis, ainda antes do amanhecer, por volta das 6h, será aberta a porta batel (portão do dique), permitindo a entrada do casco, que será guiado por rebocadores.
O processo de esvaziamento deve começar somente amanhã. Para evitar contato com a água, o deckbox (convés da plataforma) já foi erguido a mais de 10 metros de altura e está preso no dique.
Na terça-feira, ocorrerá o içamento da estrutura em mais 37 metros, chegando a cerca de 47 metros no total. Essa etapa poderá ser vista da cidade. O passo seguinte será o encaixe dos módulos no casco, com o dique já esvaziado.
Depois de pronta, a gigante de mais de 8,8 mil metros quadrados será a maior plataforma semissubmersível do Brasil.
A P-55 será instalada no Campo de Roncador, na Bacia de Campos (RJ), com capacidade para produzir 180 mil barris de petróleo por dia. A previsão da Petrobras é de que a plataforma comece a operar no primeiro semestre do próximo ano.
No Hidrovias Interior
Leia Mais ►

Equador não seguirá participando da "Escuela de las Américas"

Na quarta-feira, 27 de junho, o Presidente do Equador, Rafael Correa, a pedido de uma delegação da School of the Americas Watch, tomou a decisão de não continuar o envio de soldados equatorianos à Escola das Américas.
Queremos manifestar nossa alegria por esta decisão do governo do Equador, com a certeza de que a Escola das Américas – hoje chamada de Instituto de Segurança e Cooperação do Hemisfério Ocidental – eficazmente treinou e treina os soldados latino-americanos sob a doutrina da segurança nacional, baseada no combate ao inimigo interno, o que incide efetivamente em violações aos direitos humanos em toda América Latina.
No ano de 2010, o Informe da Comissão da Verdade, que investigou as violações aos direitos humanos no Equador, chamou a atenção sobre o treinamento recebido pelos militares equatorianos na Escola das Américas e recomendou ao Estado a não continuar o envio de soldados a este instituto militar. Hoje, essa recomendação foi levada em conta e nos sentimos felizes.
As milhares de vítimas de violações dos direitos humanos no Equador e em toda a América Latina têm o direito de conhecer os responsáveis pelos assassinatos, desaparecimentos forçados e torturas e que estes sejam levados à Justiça para que paguem por seus crimes. Ao mesmo tempo, os Estados devem dar garantias de não repetição de tais crimes à sociedade e aos sobreviventes. Uma medida concreta é terminar com a formação militar na Escola das Américas, que tanto dano e sofrimento causou aos nossos povos.
O Equador se soma à Venezuela, ao Uruguai, à Argentina e à Bolívia, compreendendo que nada de bom pode esperar do treinamento oferecido pelo Exército dos Estados Unidos.
Conclamamos os demais países da América Latina a suspenderem o quanto antes os envios de soldados à Escola das Américas, que segue fomentando, agora sob o pretexto da luta contra o terrorismo e o narcotráfico, a violência contra a população.
Felicitamos o Presidente Rafael Correa por esta decisão soberana, impedindo que se cometam futuramente graves violações dos direitos humanos.
Leia Mais ►

A saída do Paraguai do Mercosul e seu isolamento

O atual governo paraguaio passará por um isolamento político, após ser suspenso das reuniões do Mercado Comum do Sul (Mercosul), ao menos até as próximas eleições presidenciais, em abril de 2013. O mandato de nove meses, a ser cumprido por Federico Franco, e o processo que conduzirá o país às próximas eleições, será monitorado pelo Mercosul, que de acordo com o cenário político internacional, poderá prolongar o prazo de suspensão. Com o Paraguai temporariamente carta fora do jogo, a crise interna do país foi a oportunidade vista pelo Mercosul para crescer com a inclusão da Venezuela.
“Venezuela é o quarto exportador de petróleo, e tem poder de voto nas Nações Unidas. Distribui petróleo a muitos países e tem negócios fortes. O Paraguai leva o voto de Taiwan. O que posso lhe dizer?”.
As projeções frente ao atual cenário de conflito político internacional vivido pelo Paraguai foram desenhadas por Milda Rivarola, historiadora e socióloga. Paraguaia, exilada política na Espanha e na França, por dez anos, durante a ditadura de Alfredo Stroessner (1954-1989). Ela afirmou não ser “luguista” e contou ter rejeitado o cargo de ministra de Relações Exteriores, ao ver a impossibilidade de trabalhar com os políticos disponíveis no Congresso.
“Suspender e observar. Em linguagem médica se chama quarentena. Alguém que tem um vírus perigoso é afastado dos demais, observado e depois são tomadas as medidas, se é que essa enfermidade é realmente contagiosa”, concluiu, irônica, Milda Rivarola.
Segundo a socióloga, a classe política paraguaia irá entender as desvantagens em não participar do Mercosul, quando for tomada alguma medida econômica, como a elevação dos impostos aos empresários que comercializam com os países do bloco.
Pois, de acordo com Rivarola, apenas com aplicações econômicas os empresários agroexportadores que apoiaram e fomentaram o golpe contra o ex-presidente Fernando Lugo, entenderão o que significa a suspensão do Mercosul e, assim, poderiam deixar de apoiar o atual governo de Federico Franco.
“Quando os produtores de soja, os pecuaristas e industriais perceberem o que lhes custou o golpe, aí podem deixar de apoiar o governo. Eles acreditaram que o golpe sairia grátis. É preciso mostrar o que custa ser suspenso do Mercosul. Que sintam no bolso, pois é o único lugar onde entendem”, afirmou Rivarola.
Ao tratar a classe política paraguaia de predadores do Estado, Rivarola ressaltou que o parlamento atuou sem pensar nas consequências políticas, pois não sabem administrar e não têm conhecimento sobre relações exteriores.
“Não pensaram nas consequências. Provocaram um conflito externo que não sabem dirigir. Não administram a posição e situação que o Paraguai tem no mundo”, disse Rivarola, que lembrou o fato de que o início da guerra da Tríplice Aliança (1864-1870) foi celebrado no Paraguai, e ela acredita que agora o cenário se repete.
“Estão fazendo o mesmo convertendo um conflito externo no Mercosul, que não podem administrar, em propaganda política interna. Retornaram da reunião da OEA dizendo que foi um êxito, quando foram desmerecidos. E falam como se não existisse internet”, afirmou Rivarola. Durante a reunião da Organização dos Estados Americanos (OEA), não foi decidido o envio de uma delegação ao país, o que fez o secretário-geral, José Miguel Insulza, disponibilizar-se para verificar a situação político-social.
Suspenso até...
A possibilidade de seguir suspenso das reuniões do Mercosul, após abril de 2013 – mesmo ao cumprir com as eleições presidenciais livres e democráticas – não deixa de ser considerada pela possível continuidade dos desacordos entre as políticas externas e internas implementadas pelo Paraguai e os demais países do bloco.
Para Milda Rivarola, o país não traz benefícios ao Mercosul, pois impõe vetos aos projetos de crescimento do bloco, como era a impossibilidade de acordos comerciais com a China, devido as relações do Paraguai com Taiwan, e além de sempre haver sido o único país contrário ao ingresso da Venezuela.
“Isso era o Paraguai no Mercosul, um país pequeno que não oferecia nenhuma vantagem comparativa e impunha veto a todos os projetos de desenvolvimento do bloco para construção de um conjunto competitivo frente à União Europeia e outras uniões mundiais”, disse Rivarola.
Mais um fator que poderia somar como justificativa para o prosseguimento da suspensão do Paraguai, no Mercosul, é quem será o presidente eleito no próximo ano. Questionada sobre a possível vitória de um dos três empresários mais ricos, Horacio Cartes, candidato pelo Partido Colorado, que deixou de governar o país, por primeira vez na história, após a vitória de Fernando Lugo.
“Difícil pensar que sentarão para dialogar com Horacio Cartes”, afirmou Rivarola. Horacio Cartes esteve preso por evasão de divisas, na época da ditadura militar, hoje, é dono de várias empresas, inclusive da marca de refrigerante mais popular do Paraguai (Pulp) e conhecido como dono do “Club Libertad”, o qual atualmente preside.
Maíra Vasconcelos, de Montevidéu
No Advivo
Leia Mais ►

Se gostou do Acordo Ortográfico então vai adorar o VOC

Parece mau demais para ser verdade.
Cortesia da emissão da Televisão de Angola, fiquei a saber - talvez muita gente já soubesse mas eu pessoalmente não sabia - da nova "modernização" da Língua Portuguesa que está na calha. Chama-se Vocabulário Ortográfico Comum, e será um dos temas a serem tratados, entre amanhã e Quinta-feira, em Luanda, no Colóquio Internacional «O Português nas Organizações Internacionais», uma iniciativa do IILP – Instituto Internacional da Língua Portuguesa, em parceria com o Ministério das Relações Exteriores de Angola.
Em que consiste o Vocabulário Ortográfico Comum? Simples: em integrar na Língua Portuguesa todos os vocabulários em uso nas línguas autóctones de países lusófonos. Por exemplo, e tal como explicou o director-executivo do IILP, o professor brasileiro Gilvan Müller de Oliveira, as palavras das línguas bantus de Angola ou dos dialectos dos índios amazónicos passarão a fazer parte da Língua Portuguesa, podendo ser usadas em pé de igualdade com as palavras do Português original e no mesmo texto, na mesma frase. Ou seja, será possível usar na mesma frase termos mauberes, kikongos e tupinambás, sempre sem deixar de falar Português. E estamos realmente a falar de todos os vocábulos dessas línguas, uma vez que o processo de recolha dessas palavras em línguas locais será feito com recurso a programas informáticos funcionando na internet, efectuando um rastreio a sites ou documentos PDF à procura de novas palavras, que assim serão registadas e integradas automáticamente na base de dados que constituirá o VOC.
É claro que a cada novo vandalismo com a cultura portuguesa surgirão sempre ardentes defensores da "evolução", e da "dinâmica" cultural, com argumentos em favor da aproximação de gentes e de formas de encarar o mundo. Outros justificarão com razões geopolíticas de que Portugal tem de acompanhar o processo. Melhor compreensão é que seguramente não poderá ser argumento.
De acordo com o anunciado, o colóquio poderá ser seguido pela internet, seguindo as indicações do blogue do IILP em:  http://iilp.wordpress.com/
No Estado Sentido
Leia Mais ►

Arthur Virgílio Fantasma?

Arthur Virgílio deveria pegar no batente por 40h semanais no MRE
O funcionário público Arthur Virgílio Neto (PSDB-AM) deveria cumprir jornada de 40 horas semanais no Ministério das Relações Exteriores, desde 2011, quando o povo do Amazonas o demitiu do Senado, mas ele costuma ser visto longe do batente, em Manaus, mais precisamente fazendo pré-campanha para tentar a prefeitura.
http://www.portaltransparencia.gov.br/servidores/Servidor-DetalhaServidor.asp?IdServidor=1297216
No portal da transparência não consta que ele esteja afastado, nem licenciado. Pelo contrário, ele recebeu o salário do mês de maio regularmente, no valor de R$ 3.308,26 (fora verbas indenizatórias, que ainda não estão disponíveis no portal).
http://www.portaltransparencia.gov.br/servidores/Servidor-DetalhaRemuneracao.asp?Op=1&IdServidor=1297216
Reincidência
Arthur Virgílio, quando era senador, admitiu que manteve em seu gabinete um funcionário fantasma, estudando na Espanha por 18 meses, e recebendo salários regularmente como se fosse seu assessor no Senado, sem trabalhar.
O tucano, para escapar de processos com base no artigo 171 do código penal, fez um acordo para devolver aos cofres públicos os R$ 210 mil em salários desviados dos cofres públicos do Senado, parcelado em três vezes. Porém ele só apresentou ao público o recibo da primeira parcela de R$ 70 mil. As duas últimas, nunca mais tocou no assunto. O povo quer saber: os outros R$ 140 mil que ficaram faltando, foram devolvidos aos cofres públicos?
ZéAugusto
No Amigos do Presidente Lula
Leia Mais ►

Com tiranos não combinam brasileiros corações

Hoje, dois de julho, é feriado na Bahia. É o dia em que comemoramos a nossa independência, mas na verdade esta é a data em se deveria comemorar a independência do Brasil. A rigor, o dois de julho é mais importante para o processo de luta pela independência do Brasil do que mesmo o sete de setembro. Não é bairrismo de baiano, não! É verdade!
Aliás, a imagem que o Brasil tem da independência é aquela do quadro do pintor Pedro Américo em que o imperador Pedro I, montado a cavalo e empunhando uma espada, gritou para uns poucos soldados: independência ou morte! Sem povo, sem luta, sem guerra, sem sangue, tudo na paz...
Na Bahia, não. Aqui teve luta e foi daqui que os portugueses foram definitivamente expulsos das terras brasileiras. Há também relatos fantasiosos como a participação de Maria Quitéria, mulher vestida de soldado, no exército brasileiro e do cabo-corneta, Luiz Lopes, que teria salvado o exército brasileiro ao tocar “avançar a cavalaria, e sucessivamente à degola”, ao contrário do toque de retirada ordenado pelo Tenente-coronel Barros Falcão, na histórica batalha de Pirajá.
O certo é que as tropas do português Bandeira de Mello foram sitiadas em Salvador e abandonaram a cidade em 1º de julho de 1823. No dia seguinte, em dois de julho de 1823, o exército brasileiro entrou em Salvador pela Estrada das Boaiadas (hoje bairro da Liberdade), Lapinha, Soledade, Carmo, Pelourinho, Terreiro de Jesus, Praça da Sé e Praça Municipal.
O dois de julho, portanto, ficou marcado na história do Brasil como sendo a data em que, definitivamente, o exército brasileiro, com luta e apoio popular, tomou o último reduto português em nosso solo.
Depois, conta a história que o resultado não foi bem aquele esperado pelo povo, pois a elite continuou no poder e o povo, caboclos, índios e negros continuaram sem terra, sem casa e sem pão. Teriam vindo daí os sem-terra de hoje?
Gosto muito do refrão do hino ao dois de julho: nunca mais o despotismo regerá nossas ações, com tiranos não combinam brasileiros corações...
HINO AO DOIS DE JULHO
Letra: Ladislau dos Santos Titara
Música: José dos Santos Barreto
Nasce o sol a 2 de julho
Brilha mais que no primeiro
É sinal que neste dia
Até o sol é brasileiro.
Nunca mais o despotismo
Regerá nossas ações
Com tiranos não combinam
Brasileiros corações.
Salve, oh! Rei da Campinas
De Cabrito e Pirajá
Nossa pátria hoje livre
Dos tiranos não será.
Nunca mais o despotismo
Regerá nossas ações
Com tiranos não combinam
Brasileiros corações.
Cresce, oh! Filho de minha alma
Para a pátria defender
O Brasil já tem jurado
Independência ou morrer.
No Gerivaldo Neiva
Leia Mais ►

A Prisão de Lupicínio


A Comissão da Verdade não sabe, mas depois do golpe militar de 1964, o compositor gaúcho Lupicínio Rodrigues (1914-1974) foi preso e permaneceu vários meses trancafiado, primeiro no Quartel da PE, no centro de Porto Alegre e, depois, no presídio da Ilha da Pintada, apesar de nunca ter tido qualquer atividade política. Lá, foi humilhado, espancado e torturado, teve a unha arrancada para não tocar mais violão e contraiu uma tuberculose agravada pelo vento frio do rio Jacuí.
Quem me confidenciou isso foi um dos filhos de Lupicínio, Lôndero Gustavo Dávila Rodrigues, também músico, 67 anos, que hoje trabalha como motorista na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). O fato é pouco conhecido, pois Lupicínio não gostava de tocar no assunto. Preferiu silenciá-lo. Morria de vergonha. "E a vergonha é a herança maior que meu pai me deixou", cantava ele em "Vingança", um grande sucesso dois anos antes de sua morte.
- Pra quem tem dinheiro ou diploma, a prisão política pode até ser uma medalha, tem algo de heroico. Mas para as pessoas humildes, como ele, que não se metia em política, a prisão é sempre uma humilhação, algo que deve ser escondido, esquecido - conta o filho de Lupicínio, a quem conheci recentemente, quando ele, dirigindo o carro da Universidade, veio me buscar para participar de uma banca de mestrado lá em Seropédica.
A viagem de ida-e-volta durou mais de cinco horas. Nos primeiros cinco minutos, eu já havia lhe contado que era amazonense, do bairro de Aparecida e, quando deu brecha, mostrei-lhe fotos da minha neta. Nos cinco minutos seguintes, ele já tinha me falado de Lupicínio, seu pai, de dona Emilia, sua mãe, de sua infância em Rio Pardo (RS) e de suas andanças como músico por 29 países. Quando nos despedimos, já éramos amigos de infância.
Nervos de aço
Lôndero tem memória extraordinária e admirável dom de narrar. Suas histórias, que jorraram aos borbotões, podem ocupar várias crônicas dominicais. Ele próprio é um personagem, suas andanças dariam um livro. Mas o que ele viveu com seu pai, boêmio e mulherengo, dá outro livro. Não sei nem por onde começar. Talvez por onde já comecei: a prisão do pai, que teria provocado uma reação até mesmo em "pessoas de nervos de aço, sem sangue nas veias e sem coração".
- Nós, da família, sofremos muito com a injustiça da prisão. Sabíamos que Lupicínio não se metia em política - contou seu filho, informando ainda que antes da prisão, o pai havia feito uma versão musical - quanta ironia! - para aquela letra da "oração do paraquedista" encontrada com um militar francês morto em 1943 no norte da África. Lôndero recita:
- Dai-me Senhor meu Deus o que vos resta /Aquilo que ninguém vos pede / Dai-me tudo o que os outros não querem / a luta e a tormenta / Dai-me, porém, a força, a coragem e a fé.
Lupicínio precisou mesmo de muita coragem e fé para amargar a prisão, onde em vez de tainha na taquara ou peixe assado no espeto de bambu, comeu foi o pão que o diabo amassou. Tudo isso por causa de uma ligação pessoal dele com Getúlio Vargas, relação que acabou sendo herdada, posteriormente, por Jango e Brizola.
Segundo Lôndero, Lupicínio, que já era um compositor consagrado em 1950, fez um jingle para a volta de Getúlio Vargas, com aquela marchinha de carnaval de Haroldo Lobo, que foi também gravada por Francisco Alves: "Bota o retrato do velho outra vez / Bota no mesmo lugar / o sorriso do velhinho / faz a gente trabalhar".
Pede deferimento
Vargas já gostava das músicas de Lupicínio antes de ele ser sucesso nacional. Por isso, decidiu bancar a entrada do compositor na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Lupicínio, que havia cursado só até o 3º primário, foi nomeado bedel da Faculdade de Direito, onde trabalhou também como porteiro.
Um belo dia - conta Lôndero - Lupicínio caiu na farra, virou a noite e saiu direto dos bares para a Universidade. O reitor deu um flagrante nele, quando o encontrou bêbado na portaria. Deu-lhe um esporro, publicamente, humilhando-o na frente de alunos, professores e colegas. No dia seguinte, Lupicínio entrou com um requerimento com letra de samba, que seu filho sabe de cor:
- Magnífico Reitor, que a tua sabedoria e soberba não venha a ser um motivo de humilhação para o teu próximo. Guarda domínio sobre ti e nunca te deixes cair em arrogância. Se preferires a paz definitivamente, sorri ao destino que te fere. Mas nunca firas ninguém. Nestes termos, pede deferimento. Assinado: Lupicínio Rodrigues, porteiro.
Não sabemos se o reitor deferiu o requerimento e a partir de então passou a sorrir ao destino sem ferir ninguém. O certo é que Lupicínio deixou o emprego na Universidade e foi cantar em outra freguesia, em bares, restaurantes e churrascarias, onde aliava trabalho com boemia.
Foi ele, Lupicínio, quem compôs o hino tricolor do Grêmio, do qual era um fanático torcedor, ganhando com isso um retrato no salão nobre do clube. Depois do suicídio de Vargas, em 1954, Lupicínio, já consagrado nacionalmente, continuou mantendo relações amistosas com Jango e Brizola, que também admiravam sua música. Por conta disso, foi preso e torturado, segundo seu filho.
Autor de grandes sucessos como "Felicidade foi se embora", "Vingança", "Esses moços", "Nervos de aço", "Caixa de Ódio", "Se acaso você chegasse", "Remorso" e dezenas de outros, Lupicínio compôs "Calúnia", cuja letra pode muito bem ter outra leitura, quando sabemos de sua prisão e a forma como foi feita:
- Você me acusa / Mas não prova o que diz / Você me acusa / De um mal que eu não fiz/ A calúnia é um crime / que Deus não perdoa / Você vai sofrer / aqui neste mundo.
A letra de "Calúnia", gravada por Linda Batista em 1958, termina com Lupicínio rogando: "Eu não quero vingança / A vingança é pecado / Só a Justiça Divina / Pode seu crime julgar". Mas se prevalecer a letra de "Vingança", cantada também por Linda Batista e depois por Jamelão, os torturadores da ditadura não terão paz e serão punidos pela Justiça: "Você há de rolar como as pedras que rolam na estrada, sem ter nunca um cantinho de seu pra poder descansar".
No Boca Digital
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 1330

Leia Mais ►

Maluf

Leia Mais ►

Omissão obriga Google a indenizar em R$ 20 mil homem difamado em blog

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve condenação da Google Brasil Internet Ltda. a pagar indenização por danos morais, no valor de R$ 20 mil, por não ter retirado do ar ofensas publicadas em blog contra diretor de faculdade em Minas Gerais. A Turma entendeu que não se pode responsabilizar direta e objetivamente o fornecedor do serviço pelas ofensas de terceiros, mas sua omissão pode ser penalizada.
O diretor acionou o Google depois de encontrar conteúdo difamatório produzido por alunos no site Blogspot, mantido pela empresa. Ele obteve tutela antecipada determinando a remoção das mensagens, mas a ordem não foi cumprida pela empresa. Houve então condenação em R$ 20 mil a título de danos morais.
O Google recorreu ao STJ, argumentando que o provedor não podia ser responsabilizado por material divulgado por terceiros. Alegou também que a empresa só não forneceu o endereço eletrônico (IP) do responsável pela postagem por estar impossibilitada, por força de norma constitucional, de identificar o usuário, ressalvando que “não houve pedido e muito menos ordem judicial determinando a quebra do sigilo dos dados”.

Internet e consumo

A ministra Nancy Andrighi afirmou que nem a gratuidade do serviço prestado pelo provedor nem seu aspecto virtual descaracterizam a relação de consumo. “No caso do Google, é clara a existência do chamado cross marketing, consistente numa ação promocional entre produtos ou serviços em que um deles, embora não rentável em si, proporciona ganhos decorrentes da venda de outro”, esclareceu.
“Apesar de gratuito, o Blogspot exige que o usuário realize um cadastro e concorde com as condições de prestação do serviço, gerando um banco de dados com infinitas aplicações comerciais”, afirmou. “Há, portanto, inegável relação de consumo nos serviços de Internet, ainda que prestados gratuitamente”, concluiu.

Filtragem ativa

No entanto, a relatora estabeleceu limites para a responsabilidade da empresa. “O serviço do Google deve garantir o sigilo, a segurança e a inviolabilidade dos dados cadastrais de seus usuários, bem como o funcionamento e a manutenção das páginas na internet que contenham os blogs individuais desses usuários”, anotou.
Mas ela ponderou que a fiscalização do conteúdo postado pelos usuários não constitui sua atividade intrínseca, não sendo possível considerar defeito do serviço a falta de exame do conteúdo gerado pelos usuários. “Tampouco se pode falar em risco da atividade como meio transverso para a responsabilização do provedor por danos decorrentes do conteúdo de mensagens inseridas em seu site por usuários. Há de se ter cautela na interpretação do artigo 927, parágrafo único, do Código Civil de 2002”, afirmou.
Para a ministra, não se pode considerar que o dano moral a terceiros seja um risco inerente às atividades dos provedores de serviço de internet, já que não implicam riscos maiores para esses terceiros que as atividades comerciais em geral.

Violação de sigilo

A ministra Nancy Andrighi ainda considerou que a filtragem prévia de conteúdo viola a Constituição Federal: “O controle editorial prévio do conteúdo das informações se equipara à quebra do sigilo da correspondência e das comunicações. Não bastasse isso, a verificação antecipada, pelo provedor, do conteúdo de todas as informações inseridas na web eliminaria – ou pelo menos alijaria – um dos maiores atrativos da internet, que é a transmissão de dados em tempo real”, completou.
“Em outras palavras, exigir dos provedores de conteúdo o monitoramento das informações que veiculam traria enorme retrocesso ao mundo virtual, a ponto de inviabilizar serviços que hoje estão amplamente difundidos no cotidiano de milhares de pessoas, como é justamente o caso dos blogs cuja dinâmica de funcionamento pressupõe sua rápida e constante atualização. A medida, portanto, teria impacto social e tecnológico extremamente negativo”, asseverou a relatora.

Subjetividade discricionária

“Mas, mesmo que fosse possível vigiar a conduta dos usuários sem descaracterizar o serviço prestado pelo provedor, haveria de se transpor outro problema, de repercussões ainda maiores, consistente na definição dos critérios que autorizariam o veto ou o descarte de determinada informação”, acrescentou.
“Ante a subjetividade que cerca o dano moral, seria impossível delimitar parâmetros de que pudessem se valer os provedores para definir se uma mensagem ou imagem é potencialmente ofensiva. Por outro lado, seria temerário delegar o juízo de discricionariedade sobre o conteúdo dessas informações aos provedores”, alertou a ministra.

Desamparo social

Porém, a relatora entendeu que não seria razoável afastar qualquer responsabilidade dos fornecedores de serviços de internet usados para atividades ilegais. Ela comparou normas internacionais e projeto de lei brasileiro que tratam das responsabilidades desses fornecedores, tendendo a afastar a fiscalização prévia, mas impondo a ação imediata em caso de notificações.
“Realmente, este parece ser o caminho mais coerente. Se, por um lado, há notória impossibilidade prática de controle, pelo provedor de conteúdo, de toda informação que transita em seu site; por outro lado, deve ele, ciente da existência de publicação de texto ilícito, removê-lo sem delongas”, afirmou.

Identificação e anonimato

A relatora acrescentou às obrigações do Google o dever de propiciar meios que permitam a identificação de seus usuários, sob pena de responsabilização subjetiva por negligência.
“Dessa forma, ao oferecer um serviço por meio do qual se possibilita que os usuários externem livremente sua opinião, deve o provedor ter o cuidado de propiciar meios para que se possa identificar cada um desses usuários, coibindo o anonimato e atribuindo a cada manifestação uma autoria certa e determinada”, asseverou a ministra.
Ela observou que não se trata, porém, de burocratizar excessivamente a internet. “Há de se ter em mente, no entanto, que a internet é reflexo da sociedade e de seus constantes avanços. Se, ainda hoje, não conseguimos tutelar com total equidade direitos seculares e consagrados, seria tolice contar com resultados mais eficientes nos conflitos relativos à rede mundial de computadores”, considerou.
“Em suma, pois, tem-se que os provedores de conteúdo: não respondem objetivamente pela inserção no site, por terceiros, de informações ilegais; não podem ser obrigados a exercer um controle prévio do conteúdo das informações postadas no site por seus usuários; devem, assim que tiverem conhecimento inequívoco da existência de dados ilegais no site, removê-los imediatamente, sob pena de responderem pelos danos respectivos; devem manter um sistema minimamente eficaz de identificação de seus usuários, cuja efetividade será avaliada caso a caso”, concluiu.
No STJ
Leia Mais ►