21 de jun de 2012

Estaria o mundo realmente aquecendo? - IV

Leia Mais ►

Nota Públlica sobre a PM na Universidades: o episódio na UNIFESP

Os abaixo-assinados, professores de distintas universidades brasileiras, estão convencidos de que é inaceitável a utilização da Polícia Militar para resolver conflitos internos à comunidade acadêmica. Os recentes episódios configurados pelas prisões arbitrárias e violências físicas contra estudantes e funcionários em universidades brasileiras são fatos intoleráveis que devem ser repudiados e denunciados pela consciência democrática.
Ao tomarmos conhecimento da violenta ação repressiva da PM paulista contra vários estudantes da Universidade Federal de São Paulo, campus Guarulhos, no dia 14 de junho, não podemos senão manifestar nossa inteira concordância com a NOTA da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis dessa universidade. Os termos da digna e ponderada NOTA são os seguintes:
“Frente à ação policial ocorrida no campus Guarulhos da Unifesp no dia 14 de junho de 2012, a Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE) manifesta a toda comunidade acadêmica e a toda sociedade o veemente repúdio à opção de tratar as questões universitárias, por mais complexas e controversas, por meio da violência. Ressaltamos que são valores da PRAE o compromisso com a democracia e o respeito à diversidade intelectual, cultural, social e política”.
Signatários:
Adma MUHANA, USP
Adrián Pablo FANJUL, USP
Afrânio Mendes CATANI, USP
Álvaro CROSTA, Unicamp
Antônio MIGUEL, Unicamp
Arley MORENO, Unicamp
Beatriz RAPOSO, USP
Caio N. de TOLEDO, Unicamp
Cilaine Alves CUNHA, USP
Cristiane GOTTSCHALK, USP
Edmundo DIAS, Unicamp
Eleonora A. FRANCO, Unicamp
Fernando Ponte SOUZA, UFSC
Francisco ALAMBERT, USP
Heloisa FERNANDES, USP
Hector BENOIT, Unicamp
Iná CAMARGO, USP
Iumna Maria SIMON, USP
Jair PINHEIRO, UNESP
Jorge L. SOUTO MAIOR, USP
Jorge MIGLIOLI, Unicamp
José C. LOMBARDI, Unicamp
Fernando LOURENÇO, Unicamp
Flávio AGUIAR, USP
Isabel LOUREIRO, Unicamp
Leda PAULANI, USP
Lincoln SECCO, USP
Lincoln PENNA, UFRJ
Lúcio Flávio ALMEIDA, PUC-SP
Luiz MARTINS, USP
Luis PUSCAS, UFPI
Marcos DEL ROIO, UNESP
Marcos SILVA, USP
Marcos Barbosa de OLIVEIRA, USP
Margareth RAGO, Unicamp
Maria Moraes SILVA, UFSCAR/UNESP
Maria Victoria BENEVIDES, USP
Maria Orlanda PINASSI, UNESP
Marly VIANNA, USO
Milton PINHEIRO, UNEB/ICP
Osvaldo COGGIOLA, USP
Patrícia TRÓPIA, UFU
Paulo CENTODUCATTE, Unicamp
Paulo CUNHA, UNESP
Paulo OLIVEIRA, Unicamp
Plínio Arruda SAMPAIO Jr., Unicamp
Raul Vinhas RIBEIRO, Unicamp
Reinaldo CARCANHOLO, UFES
Ricardo ANTUNES, Unicamp
Roberto FRANCO, UESPI
Ruy BRAGA, USP
Sean PURDY, USP
Sérgio LESSA, UFAL
Sergio SILVA, Unicamp
Sofia MANZANO, USJ
Tânia M. BEZERRA, UFPI
Valério ARCARY, CEFET-SP
Virgínia FONTES, UFF
Vladimir SAFATLE, USP
Leia Mais ►

Flanelinha da bicicleta

Leia Mais ►

Cidinha Campos narra: "Garotinho e sua Vida"

Leia Mais ►

Lula se encontra com Raúl Castro no Rio

Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula
O ex-presidente Lula e o presidente cubano Raúl Castro se encontraram na tarde desta quinta-feira (21) no Rio de Janeiro. Raúl Castro está na cidade para a Conferência Rio+20 e aproveitou para fazer uma visita de cortesia ao ex-presidente.
Leia Mais ►

Presidentes da Unasul pedem respeito à ordem democrática no Paraguai

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, anunciou hoje (21) que integrará uma missão de chanceleres da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) que vai a Assunção, no Paraguai, reforçar o compromisso dos países integrantes da Unasul com a democracia. Patriota disse que a presidenta Dilma Rousseff e os demais lideres sul-americanos presentes na Rio+20 se reuniram nesta tarde e expressaram convicção quanto à preservação da ordem democrática do Paraguai.
Segundo Patriota, os presidentes fizeram uma análise dos acontecimentos no Paraguai em função do conflito ocorrido em 15 de junho entre agentes policiais e camponeses e da posterior iniciativa dos partidos de iniciar um processo de impeachment contra o presidente do Paraguai, Fernando Lugo.
“Diante da iniciativa dos partidos políticos de promoverem julgamento do presidente Fernando Lugo, os presidentes da Unasul decidiram o envio de uma missão de chanceleres que partirá hoje, às 19h, do Rio de Janeiro para Assunção (…) Essa missão se desloca a Assunção no espírito do protocolo adicional do Tratado Constitutivo da Unasul sobre compromisso com a democracia”, disse Patriota.
Segundo Patriota, os presidentes expressaram sua convicção de que se deve preservar a estabilidade e o pleno respeito à ordem democrática do Paraguai, observado o cumprimento dos dispositivos constitucionais e assegurado o direito de defesa e o devido processo legal.
“Os presidentes consideram que os países da Unasul conquistaram com muito esforço a democracia e, nesse sentido, nós todos devemos ser defensores extremados da integridade democrática da América do Sul”, afirmou o ministro.
Leia Mais ►

FHC fez sumir a foto que tirou com Maluf; Lula conseguiria?

A foto que emoldura este texto é rara. Foi preciso esforço para encontrá-la. E não foi achada em arquivo de algum órgão de imprensa, mas perdida em alguma página esquecida da internet. É de 1998, durante um dos vários encontros públicos que Fernando Henrique Cardoso e Paulo Maluf tiveram naquele ano. A foto de um deles foi parar em um outdoor que a campanha malufista ao governo do Estado espalhou pelas ruas de São Paulo.
Não há paulista que não se lembre dos outdoors em que FHC, Maluf e o seu candidato a vice, Luiz Carlos Santos, apareciam perfilados e sorridentes. Havia um outdoor daqueles em cada esquina. Todavia, na internet, onde a história mais recente do país está registrada em incontáveis milhões de fotos, não se acha uma só imagem de cena que agora que se deu com Lula poderá ser encontrada daqui a um século de tantas reproduções que já recebeu.
Àquela época, apesar de alguns raros textos jornalísticos terem tocado no assunto, nenhum veículo estampou a imagem de FHC e Maluf com destaque sequer parecido com o que foi dado à foto de Lula com Maluf tirada durante esta semana. É mais do que óbvio que há registros daquela imagem, ao menos pela imprensa. Porém, algum interesse levou a grande mídia a sumir com ela. Que interesse será, não?
Não acredito que Lula venha a tentar apagar esse momento de sua biografia – Lula não é dado a esse tipo de covardia. Mas, se quisesse, certamente não conseguiria. Não só por sua foto ao lado de Maluf, à diferença da de FHC com o mesmo Maluf, ter ido parar na primeira página dos principais jornais do país, mas, também, porque eles não fariam pelo petista o que fizeram pelo tucano.
Em benefício da memória do país é preciso corrigir tal distorção. Não tirando a foto de Lula e Maluf dos arquivos dos jornais, mas trazendo para a internet imagem que mostra FHC indo muito mais longe do que o petista ao apoiar a eleição do mesmo Maluf – e, ainda por cima, contra o candidato do PSDB que o enfrentava, Mario Covas. Não se pode permitir que a imprensa partidarizada e políticos covardes mutilem a memória do país.
No Blog da Cidadania
Leia Mais ►

Pauta negativa e decorrências

Já faz tempo que a grande mídia se esmerou em transformar ações positivas em manchetes e em matérias negativas. Quando o governo anuncia que mais de 50% das obras do PAC estão concluídas ou em fase de conclusão, as manchetes trazem, em geral, que quase 50% das obras do PAC estão em atraso ou não saíram do papel. Quando o governo anuncia a queda dos juros, uma parte continua proclamando que, apesar da queda, os juros se mantêm altos, enquanto outra parte alerta que isso pode causar corrida ao consumo, à inadimplência e à inflação.
Nas últimas semanas, isso que se poderia chamar de pauta negativa ganhou contornos ainda mais sofisticados. A grande mídia, que durante o domínio neoliberal foi incapaz de enxergar a quebradeira da indústria nacional e a destruição ambiental causada pelo agronegócio, ou de sentir o mau cheiro da pobreza e da miséria em expansão, agora decidiu fazer coberturas e reportagens extensas sobre a situação caótica do atendimento médico público, o caos ambiental, o descalabro do saneamento, as obras paradas, a lentidão do PAC, os salários inferiores das mulheres, o crescimento da violência, e vai por aí afora.
Em parte, todos esses problemas ainda existem, são verdadeiros. Mas são decorrência do descalabro histórico herdado dos sucessivos governos das classes dominantes, com destaque especial para os períodos da ditadura militar e do predomínio neoliberal, descalabro que não se supera em dez anos. E a grande mídia não se importa em fazer tal retrospecto. A mensagem sibilina é clara: os governos petistas foram incapazes de resolver tais problemas. Por coincidência – só pode ser por coincidência –, a propaganda partidária tucana se empenha em denunciar os mesmos problemas, ao mesmo tempo em que anuncia seu retorno reciclado para resolver tudo por meio de uma nova abordagem.
Se na propaganda ideológica e política a grande mídia e o tucanato parecem – parecem! – articulados nessa ofensiva que esconde as responsabilidades históricas, na propaganda econômica firma-se cada vez mais o bordão de que cresce a dicotomia entre os reclamos do país por mais investimentos e mais liberdade para as empresas, em contraposição à tendência governamental de elevação do consumo e de intervencionismo estatal.
Isso mostra que a oposição conservadora se deu conta de que as reformas tópicas, empreendidas pelos governos Lula e Dilma, já não conseguem manter um ritmo firme de progresso em virtude de amarras estruturais da sociedade brasileira. Embora aquelas reformas tenham melhorado, e muito, a situação do país - superando alguns dos piores descalabros herdados do demotucanato, entre os quais se pode incluir a hipocrisia com que PFL e PSDB arrotavam sua luta contra a corrupção, tendo o senador Demóstenes Torres como uma das principais vestais -, elas estão dando sinais de cansaço.
A extrema-esquerda deve estar se regozijando, já que sempre defendeu que as condições estruturais representavam uma muralha às reformas empreendidas pelo governo Lula e continuadas pelo governo Dilma, e que somente uma revolução poderia transformar essas estruturas. Nós, por nossa parte, podemos até achar que sem uma revolução não será possível resolver os principais problemas da sociedade brasileira e elevar o conjunto do povo brasileiro a uma situação de alto padrão material e cultural. O problema, no caso, reside em que somente o povo pode realizar tal revolução e que, no momento, ele ainda acha possível continuar no caminho das reformas progressivas daquelas amarras.
Em grande parte, em sua sabedoria, o povão tem razão. Ainda é possível sair da armadilha do perigoso binômio elevação do consumo + intervenção estatal, acrescentando a ele o crescimento vigoroso dos investimentos estatais e privados, exigindo da burguesia que coloque a mão no bolso onde aplica seu capital rentista e invista na produção industrial, e que aceite a concorrência capitalista como parte de sua natureza, e não só como chavão propagandista. É lógico que isso vai exigir mais rapidez do governo em definir prioridades no adensamento das cadeias produtivas e nas áreas que realmente devem ser estimuladas.
Por exemplo, as obras em infra-estrutura são uma prioridade consensual. No entanto, isso é genérico. Será necessário determinar que os transportes ferroviário e marítimo mereçam mais atenção do que o transporte rodoviário, embora isso mexa com os interesses dos setores econômicos envolvidos com este tipo de transporte. Além disso, continuaremos nas generalidades se, no caso da construção ferroviária e metroviária, não tivermos políticas claras para ter um parque siderúrgico capaz de produzir os novos tipos de trilhos para ferrovias de alta densidade de tráfego e alta velocidade, e para a instalação de novas plantas produtoras de equipamentos e componentes para tração elétrica e diesel-elétrica, como rodeiros, truques, vagões, carros de passageiros, tandem de locomotivas, grupos geradores, motores elétricos, compressores etc. etc.
O mesmo ocorre nas demais áreas da infra-estrutura. No caso da geração e transmissão de energia elétrica, em que continua sendo indispensável a construção de hidrelétricas, associada à construção de parques eólicos e à ampliação de parques solares e fotovoltaicos, é fundamental cuidar da instalação de plantas de fabricação de turbinas, grupos geradores, transformadores, cabos e outros equipamentos indispensáveis à geração e à transmissão. Para muitos, continua parecendo um mistério insondável que, com empresas estatais fortes e de longa experiência no setor, elas não sejam utilizadas para associar-se a empresas fabricantes de equipamentos e máquinas para o setor, nacionais e estrangeiras, acelerando o adensamento das cadeias produtivas dessa área estratégica.
Em outras palavras, os setores de comunicação política do governo e dos partidos de sua base terão que intensificar a denúncia da hipocrisia tucana, inclusive fazendo algo que já deveria ter sido feito, como o levantamento minucioso não só das negociatas promovidas pela privatização das estatais e outras empresas públicas, mas principalmente da quebradeira industrial e do sucateamento da infra-estrutura, realizados durante o período neoliberal. Mas nunca perdendo de vista que o campo onde a batalha decisiva será travada será o da economia política, em que o crescimento dos investimentos e da industrialização, a constante elevação do consumo e a presença reguladora do Estado serão os principais instrumentos, ou armas, capazes de mobilizar multidões se os conservadores e os reacionários pretenderem mudar os rumos que o país adotou a partir de 2003.
Wladimir Pomar, escritor e analista político.
No Correio da Cidadania
Leia Mais ►

Paraguaios se levantam contra golpe de Estado

A sociedade paraguaia está recorrendo a todos os meios, inclusive as redes sociais, como o Facebook, para tentar barrar o que eles consideram um golpe de Estado contra a presidência de Fernando Lugo.
Segundo informam a resistência paraguaia, que se levanta contra o pedido de impeachment de Lugo no Congresso, esta é a vigésima quarta vez que a maioria colorada e oviedista tenta derrubar o presidente democraticamente eleito.
Leia Mais ►

Depois da operação Gilmar, a Operação Toffoli pelo Globo

Primeiro, a operação que emprenhou Gilmar Mendes pelo ouvido - levando-o à explosão inconsequente e à antecipação do julgamento do "mensalão". Agora, a Operação Toffolli, visando constranger o Procurador Geral e provocar o impedimento de Tofolli para o julgamento. Em ambos os casos, O Globo.
O "mensalão" merece um julgamento severo e técnico. Mas a interferência da mídia no processo ultrapassa qualquer limite de bom senso. Comporta-se como o poder maior da República, de fato.
A lista em questão é aberta a todos os procuradores e contem todos os tipos de emails e comentários. Alguns deles referem-se diretamente à coluna Radar, da Veja, como veículo de estratégia midiática de Carlinhos Cachoeira, por exemplo. Em outras áreas, espaço para bate papos. Ao todo, mais de 200 emails por dia.
O que o jornal faz é selecionar parte dos comentários - que representa pensamento de ALGUNS procuradores -, e apresentar como se fosse a opinião DOS procuradores. Muito embora haja um sentimento contrário à presença de Toffoli, é evidente uma enorme forçada de barra.
Há motivos para questionar a presença de Tofoli, como motivos mais que evidentes para questionar a isenção de Gilmar Mendes. Mas o viés do noticiário mostra uma compulsão de interferir no julgamento que atropela normas básicas de direito.
Luis Nassif
No Advivo

Mensalão: procuradores querem Toffoli fora do julgamento

Grupo mandou a Gurgel motivos que tornariam ministro impedido de julgar caso
Júnia Gama
BRASÍLIA - Procuradores da República estão pressionando o procurador-geral, Roberto Gurgel, para que peça o impedimento do ministro José Antônio Dias Toffoli no julgamento do mensalão. O grupo já preparou uma sustentação teórica defendendo que Toffoli deve ser declarado impedido e manda recados para que Gurgel interceda. Os procuradores manifestam incômodo com a atitude do procurador-geral no caso, porque avaliam que ele deveria ter atuado nesse sentido, já que a permanência de Toffoli, na avaliação deles, pode prejudicar o julgamento.
O GLOBO teve acesso a e-mails trocados pelos procuradores em um sistema de rede interna do Ministério Público. Nas mensagens, procuradores enumeram fatos jurídicos para sustentar o impedimento de Toffoli.
Para uma procuradora ouvida pelo GLOBO, apesar do que já saiu na imprensa, Toffoli parece não se constranger. Essa integrante do MPF diz que Gurgel tem ciência dessa discussão entre os colegas, porque participa da rede de e-mails que discute os mais variados assuntos.
— Esperamos que ele atenda o nosso pedido de provocar a suspeição do ministro neste julgamento — disse a procuradora da República, que pediu para não ser identificada.
Entre os pontos destacados pelos procuradores está a atuação de Toffoli como advogado do PT à época em que ocorreram os primeiros fatos denunciados — os empréstimos feitos por Marcos Valério para saldar dívidas do PT. Depois de ser advogado do partido, Toffoli foi subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, em uma sala contígua à do então ministro José Dirceu, hoje réu no processo.
O terceiro fator de suspeição seria a atuação da namorada do ministro, a advogada Roberta Rangel, na defesa de réus do processo do mensalão. Os procuradores apontam "vastas provas da ligação visceral de Toffoli com José Dirceu e outros réus também integrantes da cúpula".
"De todos os ministros indicados por Lula para o Supremo, Toffoli é o que tem mais proximidade política e ideológica com o presidente e o partido. Sua carreira confunde-se com a trajetória de militante petista. Essa simbiose é, ao fundo e ao cabo, a única justificativa para encaminhá-lo ao Supremo", diz uma das mensagens.
— É preciso uma decisão rápida sobre a participação do ministro Dias Toffoli no julgamento do mensalão, para que sejam afastadas as sombras de especulações de se tratar de um julgamento político. Em prol da boa técnica de um julgamento isento, esse é um tema sobre o qual o Supremo Tribunal Federal precisa ostensivamente decidir — afirma o presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), Alexandre Camanho.
Toffoli tem dito que não decidirá agora se vai ou não se declarar impedido. Gurgel não comentou as cobranças dos colegas.
Leia Mais ►

Tourinho manda soltar braço direito do bicheiro Cachoeira

Desembargador Tourinho Neto, que concedeu habeas corpus ao contraventor, mandou soltar Gleyb Ferreira da Cruz, apontado como auxiliar do esquema de jogos ilegais; segundo o desembargador, mesmo ilegais, os jogos de azar são “largamente aceitos” pela sociedade
O desembargador Fernando Tourinho Neto, do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF1), mandou soltar nest quarta-feira (20) Gleyb Ferreira da Cruz, suposto braço direito do esquema criminoso liderado por Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Gleyb está preso desde 29 de fevereiro como resultado da Operação Monte Carlo, que apurou esquema de corrupção e exploração ilegal de jogos no Centro-Oeste.
Gleyb é apontado nas investigações como laranja de empreendimentos de Cachoeira. Ele também aparece em interceptações telefônicas feitas pela Polícia Federal como o elo entre o empresário e o delegado da Polícia Federal Deuselino Valadares, acusado de ser sócio de Cachoeira em uma empresa de segurança.
Na decisão em que manda soltar Gleyb, o desembargador relativizou a suposta atividade ilegal do grupo. Segundo Tourinho, mesmo ilegais, os jogos de azar são “largamente aceitos” pela sociedade. Tourinho disse que o estado de Goiás editou duas leis que autorizavam a exploração de jogos de azar e que só em 2007 o STF derrubou a prática. “Veja-se que muitos setores da sociedade defendem a legalização dos jogos de azar, visto que a prática é largamente aceita pela sociedade em geral, ainda que seja ilegal”, ressalta em trecho da decisão.
Tourinho também entende não existe crime de formação de quadrilha para pessoas que exploram jogos de azar, lembrando que o principal crime imputado a Gleyb é justamente o da contravenção. Segundo apurações da Polícia Federal, o auxilar de Cachoeira era “laranja” em empreendimentos do empresário e era considerado seu braço direito.
Apesar de ter conseguido habeas corpus no TRF, Gleyb da Cruz não poderá ser solto porque é alvo de outro mandado de prisão, segundo confirmou o Ministério Público do Distrito Federal. Ele é acusado de participar de esquema de fraude na área de transporte público no Distrito Federal. É a mesma situação vivida por Cachoeira, que continua preso em Brasília após ter conseguido alvará de soltura da Justiça Federal.
No Agência Brasil
Leia Mais ►

Desencontros

Me desencontrei algumas vezes com ele. Quando cheguei no Rio em 1962 — sem emprego, sem dinheiro, sem perspectivas, mas com amigos — a Clarice Lispector se ofereceu para marcar um encontro meu com ele. Talvez houvesse algo para mim na agência em que ele trabalhava — ou dirigia, não me lembro mais. Também não me lembro se cheguei a falar com ele por telefone. Acho que não, e que nunca sequer ouvi a voz do Ivan Lessa. De qualquer maneira, o encontro não aconteceu.
Depois, na minha convivência esporádica com o Millor, o Jaguar, o Ziraldo, o Tarso e outros na época do “Pasquim”, por alguma razão o Ivan nunca apareceu. Estava sempre para chegar ou tinha acabado de sair. Anos mais tarde um grupo foi convidado a ir a Portugal — Millor, os Caruso, Aroeira, eu e outros — para uma exposição de cartuns, se não me falha de novo a memória. Estávamos hospedados num hotel de Estoril e foi anunciado que o Ivan Lessa, que vivia em Londres, estava na terra, onde vivia sua mãe, e iria se encontrar conosco no hotel.
Finalmente, pensei. O mito vai virar gente e eu vou poder conhecê-lo e dizer como o admiro. Mas me convocaram para uma entrevista ou coisa parecida em Lisboa justamente na hora da visita dele. Foi nosso último desencontro. Agora não tem jeito. Fiquei só com o mito.
CHEGA
O Ivan Lessa pouco depois do Millor... Este está sendo, definitivamente, um ano mal-humorado.
REALPOLITIKAGEM
“Realpolitik” é um termo conveniente para desculpar o baixo oportunismo, contradições ideológicas e calhordice em geral. O termo nasceu na Alemanha e tem uma longa história, sendo invocado sempre que um acordo ou um arranjo politico agride o bom-senso ou a moral. Há uma graduação na “realpolitik” que vai do tolerável (uma acomodação com o vizinho do lado para assegurar a paz no prédio, mesmo tendo que aceitar o cachorro) ao indefensável (o pacto Stalin/Hitler no começo da Segunda Guerra Mundial, por exemplo). É difícil saber onde colocar o pacto Lula/Maluf nessa escala. O hipotético acordo com o vizinho é um sacrifício pelo entendimento e o Stalin estava tentando ganhar tempo até ter um exército. No acordo com o Maluf trocou-se uma história e uma coerência por um minuto e pouco a mais de espaço para o candidato do PT na TV. Ó Lula!
Luís Fernando Veríssimo
Leia Mais ►

Advogado de Demóstenes confirma viagens com o bicheiro

O Ministério da Justiça enviou à Comissão Parlamentar de Inquérito dados que mostram que o senador e sua mulher, Flávia, viajaram pelo menos duas vezes para os Estados Unidos ao lado de Cachoeira
O Ministério da Justiça enviou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira dados que mostram que o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) e sua mulher, Flávia, viajaram pelo menos duas vezes para os Estados Unidos ao lado do bicheiro.
O advogado do senador, Antonio Carlos Almeida Castro, confirmou a informação. Em janeiro de 2011, os dois viajaram ao lado de outras 20 pessoas para participar do aniversário de um empresário goiano em Miami.
Castro alega, no entanto, que na segunda viagem relatada à CPI, ocorrida em fevereiro deste ano, o senador não estava presente, apenas sua mulher, "por ser amiga de Andressa Mendonça, esposa do bicheiro". Para a defesa, não há nada de ilegal nas viagens. "Eles tinham uma relação pessoal", disse.
No 247
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 1311

Leia Mais ►

O jornalismo mediúnico de Fernando Rodrigues

Lula disse seis palavras sobre a repercussão de sua foto com Maluf. Com esse material o destacado jornalista consegue produzir um artigo inteiro sobre o que Lula pensa.
Eu sei que a vida é dura e um emprego desses não cai do céu, mas é realmente impressionante como essa gente tem a cara de pau de analisar o que Lula, Dilma ou seja lá quem for PENSAM.
Existe um hiper-direitista por aí chamado Jorge Serrão que também publica o que as pessoas mais importantes do Brasil e do mundo conversam na intimidade e pensam, mas ele é evidentemente louco, nem sei se declara-se "jornalista".
Mais grave é que a análise mediúnica de Rodrigues é interessante, principalmente a parte onde FHC diz que a importância do caso vai depender de como a mídia usá-lo. Claro que no jornalismo mediúnico não é possível saber se ele disse isso mesmo, pensou e o jornalista ouviu ou apenas o Rodrigues está atribuindo ao FHC o que ele mesmo pensa, mas em qualquer hipótese quem quiser ler pode fazê-lo aqui.
No Esquerdopata
Leia Mais ►

A sorte de Haddad

Fernando Haddad ganhou, e não foi pouco, com a renúncia de Luiza Erundina a vice em sua candidatura a prefeito paulistano. Não tardaria a que o problema para Haddad, e não pequeno, fosse superar os previsíveis embaraços provocados pela maneira irascível, grosseira e individualista que Erundina se permite a pretexto de política.
Luiza Erundina é inconvivível politicamente. Já em seus últimos tempos no PT, a recusa rígida que manteve, diante de dirigentes do partido, ao exame das divergências, deixou mais do que frustração. Há ressentimentos pessoais inapagados até hoje. E motivadores de muitas das reações negativas, nos quadros mais altos do PT, à entrega da vice a Erundina.
Ao menos desde o governo Itamar Franco, que a homenageou com um cargo no governo por escolha sua, de presidente, ficou claro o que significa a proximidade política com Erundina. Do início ao fim de seu breve trânsito pelo governo, Erundina mais pareceu da oposição dura. Até o rompante final em que exibiu arrogância e presunção incapazes de poupar mesmo a quem a homenageara.
Fernando Haddad não teria a esperar senão problemas de convivência com a vice, da vice com a campanha e, bem provável, com segmentos do eleitorado. Mas no PT e no PSB isso não era - não poderia ser - ignorado por nenhum dos que produziram a "ideia" de dar a vice a Luiza Erundina.
A ansiedade de Lula de impor o seu plano para Recife, cassando ao prefeito João Costa o direito à possível reeleição, pode explicar parte da escolha. Mas nada explica que ao ato autoritário, com que atendeu o governador Eduardo Campos, Lula sobrepusesse falta de lucidez a ponto de aceitar Erundina, tão bem conhecida por ele, para representar o PSB junto a Haddad.
O desgaste maior recai sobre Lula, ainda mais por ser o caso Erundina caudatário do acordo com Paulo Maluf. Mas Fernando Haddad também recebe a sua quota. Por mais sorte sua, o episódio se dá quando nem campanha há ainda. É daqueles que tendem a evaporar sozinhos, se os planos estaduais de Lula permitirem.
Ao esquentar da campanha, também o acordo com Paulo Maluf não será o prato saboroso que o PSDB de José Serra espera.
Há muito noticiário impresso e gravado, muitas declarações e evidências de que o acerto com Maluf era buscado também pelos peessedebistas. E negociado pelo próprio governador Geraldo Alckmin, cuja administração conta com um afilhado de Maluf. Matéria-prima abundante para respostas (senão ataques) contundentes.
Fernando Haddad é o único que nada perdeu com a renúncia de Luiza Erundina. E ganhou, no mínimo, a oportunidade de uma companhia na chapa mais ao seu estilo.
Janio de Freitas
No Falha
Leia Mais ►

Dilma depõe aos 'Gurilas'

Fotógrafo publica hoje foto inédita da Presidenta Dilma na sua adolescência, cercada de outros jovens idealistas, depondo aos covardes que se escondiam atrás das armas.
O fotógrafo Fernando Rabelo publicou em sua página pessoal do Facebook, nesta quarta-feira (20), uma imagem do Arquivo Municipal de Juiz de Fora, que mostra a presidenta Dilma Rousseff e alguns de seus companheiros durante um interrogatório na 4ªRM MG, em 1972.
No texto que acompanha a imagem, o fotógrafo explica que em 1972 Dilma ficou encarcerada por dois meses em Juiz de Fora. Segundo ele, em 2011, o fotógrafo Aelson Foto Faria Amaral, que pesquisava o acervo fotográfico do Diário Mercantil no Arquivo Municipal de Juiz de Fora, localizou essa fotografia inédita (autor desconhecido).
Na foto aparecem Marco Rocha, José Raimundo Jardim Alves Pinto, Guido de Souza Rocha, Ageu Heringer Lisboa, o atual ministro Fernando Pimentel, Gilberto Vasconcelos e Dilma Rousseff. Em outubro de 2001, nove anos antes de ser eleita presidente, Dilma Rousseff revelou em depoimento ao Conselho dos Direitos Humanos de Minas Gerais, que sofreu torturas em Juiz de Fora. Ao todo, Dilma ficou presa durante três anos em prisões no Rio e São Paulo.
Leia Mais ►

Em maio, desemprego foi de 5,8%

A taxa de desocupação foi estimada em 5,8%, registrando uma variação não significativa de -0,2 ponto percentual frente a abril de 2012 (6,0%). Em comparação com maio do ano passado (6,4%), recuou 0,6 ponto percentual. A população desocupada (1,4 milhão de pessoas) apresentou estabilidade em relação ao mês anterior e queda de 7,1% frente a maio de 2011 (menos 107 mil pessoas nessa condição). A população ocupada (23 milhões) aumentou 1,2% em comparação a abril. No confronto com maio de 2011, ocorreu aumento de 2,5% nessa estimativa (mais 554 mil ocupados). O número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado (11,2 milhões) não registrou variação na comparação com abril. Na comparação anual, houve uma elevação de 3,9%, representando um adicional de 427 mil postos de trabalho com carteira assinada.
O rendimento médio real habitual dos ocupados (R$ 1.725,60), não apresentou variação na comparação mensal e aumentou 4,9% frente a maio de 2011. A massa de rendimento real habitual (R$ 40,0 bilhões) cresceu 1,2% em relação a abril e 7,5% em relação a maio de 2011. A massa de rendimento real efetivo dos ocupados (R$ 39,6 bilhões), estimada em abril de 2012, subiu 0,7% no mês e 6,9% no ano.
A Pesquisa Mensal de Emprego é realizada nas regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. A publicação completa da pesquisa pode ser acessada na página www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pme_nova/.
Desocupação fica estável em todas as regiões metropolitanas frente a abril de 2012
A taxa de desocupação (proporção de pessoas desocupadas em relação à população economicamente ativa, que é formada pelos contingentes de ocupados e desocupados) foi estimada em 5,8% para o conjunto das seis regiões metropolitanas. Regionalmente, na análise mensal, a taxa de desocupação não registrou variação significativa em nenhuma das regiões metropolitanas pesquisadas. No confronto com maio de 2011, a taxa recuou 2,5 pontos percentuais na região metropolitana de Salvador e manteve-se estável nas demais regiões:
Na análise mensal, o contingente de desocupados (pessoas sem trabalho que estão tentando se inserir no mercado) manteve-se estável. No confronto com maio de 2011, verificou-se queda no número de desocupados na região metropolitana de Salvador (-23,8%). Nas demais regiões não ocorreram variações significativas.
Nível da ocupação fica em 54,2%
O nível da ocupação (proporção de pessoas ocupadas em relação às pessoas em idade ativa), estimado em 54,2% no total das seis regiões, cresceu 0,5 ponto percentual frente a abril último e 0,6 ponto percentual em relação a maio do ano passado. Regionalmente, na comparação mensal, houve elevação de 0,8 ponto percentual na região metropolitana de São Paulo. Frente a maio de 2011, esse indicador subiu 1,2 ponto percentual no Rio de Janeiro.
Analisando o contingente de ocupados segundo os grupamentos de atividade, de abril para maio de 2012, apenas o grupamento de Educação, saúde, serviços sociais, administração pública, defesa e seguridade social registrou variação (2,7%, 100 mil pessoas a mais). No confronto com maio de 2011, ocorreram acréscimos nos grupamentos da Construção (4,8%, 83 mil pessoas a mais), Serviços prestados a empresas, aluguéis, atividades imobiliárias e intermediação financeira (4,9%, 176 mil pessoas a mais), Educação, saúde, serviços sociais, administração pública, defesa e seguridade social (6,1%, 217 mil pessoas a mais) e nos Outros serviços (3,6%, 140 mil pessoas a mais).
Na comparação anual, rendimento médio aumenta em três das seis regiões
Na análise regional, o rendimento médio real habitual dos trabalhadores (R$ 1.725,60 no conjunto das seis regiões) subiu frente a abril em Recife (4,0%), São Paulo (0,5%) e Belo Horizonte (0,4%). Apresentou declínio em Salvador (6,6%) e Porto Alegre (1,2%) e manteve-se estável no Rio de Janeiro. Na comparação com maio do ano passado, o rendimento cresceu em todas as regiões:
Na classificação por grupamentos de atividade, o maior aumento no rendimento médio real habitualmente recebido em relação a maio de 2011 foi de 9,7%, referente a Serviços domésticos:
Já na classificação por categorias de posição na ocupação, o maior aumento no rendimento médio real habitualmente recebido em comparação com maio de 2011 foi para as Pessoas que trabalham por conta própria (11,5%):
No IBGE
Leia Mais ►

Pinto Jr, o Juiz-Censor do Paraná

O ansioso blogueiro pode supor, por exemplo, que não tem o direito de fazer uma critica ao filme “Tropa de Elite”.
O ansioso blogueiro nao viu e não gostou
A Censura acabou com o regime militar, não é isso?
Não, amigo navegante.
O Censor agora é o Juiz.
É o que alimenta, por exemplo, a alma do Daniel Dantas e o bolso de seus 1001 advogados.
Este ansioso blogueiro convive com este problema há algum tempo, como se percebe na aba “Não me calarão”.
Mas, poucas vezes se viu diante de tão inusitada decisão quanto a que acompanhou as duas ações que, com muito orgulho, acaba de receber.
São de autoria de um notável deputado tucano, o policial Francischini, de edificante carreira no Espirito Santo e no Paraná.
Um exemplo de policial a ser seguido!
Acompanha a ação inusitada decisão do Juiz-Censor José Roberto Pinto Junior, da 8ª Vara Cível de Curitiba.
Ele exige que um dos posts publicados sobre o exemplar policial seja retirado do ar, sob pena de multa diária.
O que, por si só já é um ato de Censura, uma vez que a ação ainda não foi julgada, mas o Juiz já resolveu interditar , antes de saber quem tem razão, o livre curso da liberdade de expressão.
Com alguma relutância, o ansioso blogueiro seguiu instrução de seu sensato advogado, Dr Cesar Marcos Klouri e fez o que o Juiz-Censor mandou fazer.
A decisão merece uma tese de Doutorado.
A certa altura, diz assim: o réu fica IMPEDIDO de publicar matérias SIMILARES !
Matérias similares!
Quer dizer que, além de calar a boca de um jornalista num texto especifico sobre a ampla e polêmica atuação do deputado, o ansioso blogueiro FICA IMPEDIDO DE TRATAR DE MATÉRIA SIMILAR.
“Similar”.
Os Censores do Regime Militar eram mais precisos.
Ou mais liberais.
O ansioso blogueiro pode supor, por exemplo, que não tem o direito de fazer uma critica ao filme “Tropa de Elite”.
O Conversa Afiada toma a liberdade (se é que ainda dispõe de alguma …) de encaminhar esse provavelmente impróprio post aos doutos Juízes Ayres Britto – gabcarlosbritto@stf.jus.br – e Eliana Calmon – gab.eliana.calmon@stj.jus.br
O Ministro Ayres Britto, como se sabe, determinou ao Conselho Nacional de Justiça que explicasse aos Juízes brasileiros que a “liberdade de expressão é irmã siamesa da Democracia”; que “a liberdade de expressão é a maior expressão da liberdade”; e que Juiz não é Censor.
Sendo assim, o ansioso blogueiro e o blog Conversa Afiada deram cumprimento à ordem do Dr Pinto Junior e esperam que ele receba as recomendações do Ministro Britto e Dra Calmon com boa vontade – e humildade.
Em tempo: o escritório que defende o notável policial tucano é o “Kfouri&Gorski”. Por coincidência, “Kfouri” é o sobrenome que leva Miguel Kfouri Neto, maxima autoridade do Tribunal de Justiça do Paraná.
Paulo Henrique Amorim, cidadão brasileiro, protegido pela Carta de 1988, e que vai continuar a analisar a carreira do deputado e policial Francischini, porque ele não está acima de Lei.
Leia Mais ►