2 de fev de 2012

Aqui, lá e em todo lugar

Bem-vindo ao apagão midiático
(Isso não está acontecendo)
No Esquerdopata
Leia Mais ►

Rita arrasou

O que os policiais militares sergipanos pretendiam, abrindo caminho a cotoveladas na platéia de um espetáculo musical lotado? Quem disse que prender maconheiros garante a segurança de qualquer coisa? Rita Lee pode, sim, chamar os cossacos de filhos da puta, sempre que agirem como filhos da puta. É a PM que deve temer os cidadãos, jamais o contrário.
Chega dessa estupidez de reverenciar homens fardados. Se a polícia quer tratamento de “autoridade”, que faça por merecer. Sabemos que é majoritariamente honesta, sofrida e trabalhadora, mas as pessoas que ela empurra e achaca também são. Repudiemos a truculência que as autoridades de segurança destinam ao público de grandes eventos (shows, partidas de futebol, manifestações), antes que eles sejam esvaziados por causa da incompetência de quem deveria protegê-los.
A coreografia de saudações nazistas que ondula na sociedade civil quando alguém ameaça confrontar Sua Majestade O Soldado explica muito sobre o atual clima de cerceamento de direitos e criminalização da divergência. Enquanto aceitamos arrotos moralistas como se fossem anedotas de botequim político, a sanha reacionária irrompe da esfera ideológica e se transforma em leis e políticas oficiais.
Tudo isso faz parte de uma tentativa articulada para refrear a inevitável descriminalização das drogas, particularmente da maconha, que já pode ser cultivada e consumida em quase todas as democracias estáveis do mundo. Apologia é defender uma legislação que viola direitos individuais e fomenta o crime organizado. O discurso da legalidade absoluta serve fácil para o baseado alheio; se ameaçam prender quem trafica músicas e seriados pela internet, viram todos revolucionários.
Que uma artista do porte de Rita Lee Jones seja ouvida e respeitada não apenas pelo que ela representa na história cultural do país, mas também pela coragem de afrontar o sono do bom-mocismo provinciano, da falsa rebeldia com arreios, das liberdades cerceadas por escudos e cassetetes.
No Guilherme Scalzilli
Leia Mais ►

Resfriamento ou aquecimento global?

Esses búlgaros da foto querem é mais aquecimento global...
A Europa está vivendo o inverno mais gélido dos últimos cem anos.
No Rio de Janeiro, o tradicional verão “saárico” não aconteceu.
O verão no Rio está parecendo um inverno mais quentinho.
De um lado, os ambientalistas – e aqueles que como o Sérgio Abranches, da CBN, ganham a vida aterrorizando os radio-espectadores com profecias apocalípticas – que afirmam que estamos no aquecimento global progressivo, que provocará o extermínio da raça humana nos próximos cem anos.
De outro, os climattólogos (ou será climatologistas?) que afirmam que estamos vivendo mais uma etapa do ciclo de resfriamento global, que ocorre periodicamente.
Os ambientalistas (como o Sérgio Abranches), que não podem perder o seu ganha-pão de profetas do caos, diante do evidente esfriamento global, tentam justificar a atual situação de esfriamento, usando a tese do aquecimento.
É mais ou menos assim: o resfriamento global atual é fruto do aquecimento global!
Ou seja, o aquecimento global derrete os pólos Ártico e Antártico, provocando correntes marinhas mais geladas, que esfriam o restante do planeta, como o Rio de Janeiro.
Essa tese seria perfeita se países como a Ucrânia e a Bulgária não tivessem vivendo o pior verão dos últimos cem anos, com temperaturas inferiores a – 38 graus Célsius.
Ou seja, esse tal de aquecimento global não está sendo bem distribuído.
No que depender dessa galera da Europa e Ásia, veremos, nos próximos anos, crescer o movimento “Mais Aquecimento Global Já”!
No FBI
Leia Mais ►

Líbia afunda na barbárie

Milícias rivais líbias travam confronto em Trípoli
Milícias rivais travaram nesta quarta-feira um tiroteio de duas horas em uma luxuosa casa de praia transformada em quartel em Trípoli, num fato que ilustra a volátil situação na Líbia depois da derrubada do regime de Muammar Gaddafi.
Um repórter da Reuters escutou disparos de armas leves e pesadas vindos do bairro de El Saadi, na orla tripolitana, região onde ficam o hotel Marriott e prédios de escritórios.
Desde a queda de Gaddafi, as milícias dividiram Trípoli e o resto da Líbia em feudos rivais, e cada uma se aferra à parcela de poder que julga ter direito.
Uma testemunha que relaxava na praia com a família (?!) disse a uma TV local que combatentes armados com baterias antiaéreas passaram em alta velocidade pela avenida litorânea e invadiram a residência murada.
"Foi um caos, os combatentes de repente chegaram em carros e começaram a atirar na casa. Famílias fugiram da praia", disse Abdul Musharim.
Um membro do Alto Comitê de Segurança do governo provisório líbio disse que o combate envolveu os milicianos de Misrata e Zintan, dois grupos que estiveram aliados na luta contra Gaddafi.
Da Reuters
No Esquerdopata
Leia Mais ►

Peluso quer vitimizar Poder Judiciário

É interessante como funciona o corporativismo brasileiro, estava lendo o discurso proferido ontem pelo presidente do Superior Tribunal Federal, César Peluso, quando me deparo com esta pérola: "Só uma nação suicida ingressaria voluntariamente em um processo de degradação do Poder Judiciário."
Refere-se, claro às atuais críticas ao corporativismo reinante neste poder- e no Executivo e Legislativo também, diga-se de passagem-, só que ele inverte a questão: quem criou a crise foram ele e boa parte de seus pares que defendem a manutenção do status quo atual, onde, por exemplo, um magistrado que vende sentença é "punido" rigorosamente com uma bela aposentoria compulsória; um país onde criminosos provenientes das elites raramente vão para a cadeia por seus crimes; um país onde o nosso STJ proporciona aos seus ministros muito mais mordomias do que dispõe a Suprema Corte dos EUA; um país onde pagamos impostos escorchantes para sustentar uma elite estatal que se acha- e quase sempre está!- acima das leis; um país com uma Justiça cara, morosa e burocrática, o que a torna, mais das vezes, injusta.
Vossa excelência está enganado, ministro, quando a sociedade se coloca ao lado da ministra Eliana Calmon, corregedora do Conselho Nacional de Justiça, é porque não suporta mais trabalhar para sustentar a orgia generalizada com nosso dinheiro que é usado para manter uma casta estatal privilegiada, insensível e, boa parte dela, corrupta e impune.
Quem desmoraliza os poderes constituídos da Nação não somos nós, honorável excelência, são os que exercem os poderes que lhes conferimos para usá-los em proveito próprio. O resto é diversionismo barato, embora pretensamente democrático e culto, para manter vossos privilégios. As vítimas somos nós, meu douto ministro, não vossa excelência e seus pares.
Mas, apesar das dificuldades, o país está mudando e a sociedade aprendendo que não tem só deveres, mas direitos e não é obrigada a sustentar castas de marajás.
Relembrando o velho e genial Chico Buarque: " Apesar de você amanhã há de ser outro dia..."
Zatonio Lahud
No Interrogações
Leia Mais ►

A inteligência dos leitores do UOL

O leitor do UOL Paulo Boçal (tirei foto e sobrenome do "ser humano"), no afã de criticar o ex-ministro Orlando Silva, mostra toda a sua sapiência. Para o asinino, como vocês podem observar, o Acre não fica no Brasil. Ou então, o indivíduo é desses que considera Norte e Nordeste como párias deste país. Não sei o que é pior.
No Pitacos Genéricos
Leia Mais ►

Arcebispo denuncia corrupção no Vaticano e é transferido

arcebispo Carlo Maria Vigano
O arcebispo Carlo Maria Vigano, secretário-geral do Vaticano até 2011, denunciou no ano passado, em cartas enviadas ao papa Bento XVI, a "corrupção" e a desordem observadas na administração do menor Estado do mundo, informaram meios de comunicação italianos. O Papa nomeou Vigano como núncio apostólico nos Estados Unidos em agosto de 2011, uma promoção interpretada como um castigo para o prelado, conhecido pelo rigor na gestão do Vaticano durante dois anos.
Os jornais Corriere della Sera e Libero publicaram extratos das cartas ao Papa. "Minha transferência (para os Estados Unidos) servirá para desanimar os que acreditaram que seria possível limpar o Vaticano de numerosos casos de corrupção e desvios de verba, escreveu Vigano. Numa das cartas, deu a entender que outros cardeais "conheciam bem a situação", reprovando seus predecessores, mas também os banqueiros italianos que fazem parte do Comitê de Finanças e Gestão, que teriam privilegiado "os próprios interesses".
Em dezembro passado, segundo suas acusações, uma operação financeira desastrada causou uma perda de US$ 2,5 milhões. Vigano introduziu cortes drásticos no orçamento, como o da administração dos jardins do Vaticano e o do tradicional presépio de Natal, que em 2009 ficou em 550.000 euros, reduzidos depois para 200.000 euros. O saneamento promovido por Vigano permitiu ao Vaticano sair de um déficit de 8 milhões de euros, em 2009, a um lucro de 34,4 milhões de euros, em 2010.
Não deixe de ver também: É muita hipocrisia e escárnio!
Leia Mais ►

Diários Associados fecham jornais da Paraíba

Na manhã desta quarta-feira, 1º de fevereiro, pessoas que foram em busca de receber o jornal O Norte, o mais antigo da Capital paraibana foram surpreendidas com a notícia do fechamento da publicação, que não ira mais circular pela cidade. A decisão foi tomada pela direção dos Diários Associados, que também fecharam as portas de o Diário da Borborema (Campina Grande).
Em João Pessoa, o sindicato já está sendo procurado pelos jornalistas que exigem o pagamento dos seus direitos. A redação do WSCOM Online tentou entrar em contato com o sindicato para saber mais informações, porém o contato não foi efetivado.
O fechamento não atinge a rádio e a TV Clube, que continuam funcionando normalmente. A respeito da TV Clube, os Diários Associados renovou o contrato com a Band até 2017.
História
Os Diários Associados, também conhecidos como Condomínio Acionário dos Diários e Emissoras Associados, ou simplesmente D.A, são o sexto maior conglomerado de empresas de mídia do Brasil. A corporação já foi a maior da história da imprensa no Brasil, fundada pelo Assis Chateaubriand ou Chatô, nascido em Umbuzeiro [PB], foi um dos homens públicos mais influentes do Brasil nas décadas de 1940 e 1960.
diario1
O jornal O Norte foi fundado pelos irmãos Oscar Soares e Orris Eugênio Soares em João Pessoa, no dia 7 de maio de 1908. Na época, a capital paraibana se chamava Parahyba.
O jornal O Norte foi criado dentro de padrões jornalísticos modernos para aquela época, com ótima qualidade gráfica e textual, revolucionando a imprensa da Paraíba naquele ano.
Seu lançamento fora mostrado até pelo rival direto, o jornal “A União”, que hoje é o jornal mais antigo ainda em circulação no estado da Paraíba. Foi impresso em seu início em apenas quatro páginas e diagramado em sete colunas de texto.
Nos primeiros anos o jornal publicava reportagens, editoriais e colunas sociais. Circulava em seu inicio como independente de vínculos e disputas políticas, mas por volta de 1915, motivado por dificuldades financeiras, o jornal passa a se envolver em brigas políticas nacionais, dando apoio explícito à candidatura do paraibano Epitácio Pessoa à Presidência da República, que assumiu o cargo em 20 de julho de 1919. Entre esses 1915 a 1919, o jornal foi considerado o “órgão oficial” do epitacismo. O jornal chegou a criar intensa rivalidade com o “Diário do Estado”, que era favorável a Walfredo Leal e contrário a Epitácio Pessoa.
diario2
O jornal campinense Diário da Borborema teve sua primeira edição publicada em 2 de outubro de 1957 e contou com seis cadernos. A tiragem inaugural foi impressa em 15 minutos, imediatamente após o corte da fita inaugural promovido pelas autoridades locais da época, como o prefeito Elpídio de Almeida e do Bispo Dom Otávio Aguiar, em sua antiga sede localizada na Rua Venâncio Neiva.  
Fotos Antigas: Blog Retahos Históricos de Campina Grande
No Folha 13
~ O ~
Com fechamento dos jornais, 500 pessoas ficam sem emprego
Assim como já previsto em publicação recente da Revista Época, de veiculação nacional, o jornal Diário da Borborema, de Campina Grande (PB), e o jornal O Norte da Paraíba, situado em João Pessoa, fecharam as portas.
A informação foi dada aos funcionários na manhã desta quarta-feira (1). Assim que chegaram à redação, todos foram pegos de surpresa ao descobrirem que os impressos não circularão mais a partir desta quinta (2).
À Imprensa, Simone Duarte, Diretora do Sindicato dos Jornalistas na Paraíba (SJPB), afirmou que a decadência decorre da falta de estrutura das redações. “Éramos a escória da empresa, não nos viam”, comenta a jornalista, que já fez parte do Diário da Borborema. A jornalista ainda acrescenta que “só trabalhavam para concorrer aos prêmios regionais da Paraíba e talvez conseguir algum reconhecimento. Ganhamos o prêmio Esso, em 2001, de melhor capa".
Em entrevista à Rádio Paraíba FM, Rafael Freire, presidente do SJPB, afirmou que a empresa vinha há tempos sucateando os veículos; faltavam equipamentos e os salários estavam atrasados. Portanto, o fechamento dos jornais não foi surpresa, mas uma decepção. “Há uma história construída por vários profissionais. O Norte da Paraíba tinha 103 anos de existência, enquanto o Diário da Borborema contava com 55 anos.”, comenta Freire.
Quanto à demissão de aproximadamente 500 funcionários, Freire disse que não há como empregar todo mundo. A Paraíba não está preparada para absorver todos os profissionais que perderam seus empregos.
“O sindicato procura fazer com que todos os direitos trabalhistas sejam garantidos e o nosso papel agora é aguardar até que todos sejam pagos”, acrescenta Freire.
Para garantir que isso aconteça, a Diretoria do Sindicato se reuniu com o chefe do Setor de Relações de Trabalho (Seret), José Cursino Raposo, e agendou uma mesa redonda entre a Diretoria do Sindicato, os jornalistas demitidos e a direção dos Diários Associados, com mediação da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego na Paraíba (SRTE-PB). De acordo com Freire, a reunião será realizada na próxima terça (7/2), às 09h30, na sede da Superintendência.
Leia Mais ►

Ban ki e Yoani recolham-se à sua insignificância

Isso a senhora Yoani não vê...
Ban Ki-Moon e Yoani Sanchez formam o casal perfeito.
Ban Ki-Moom é o tal secretário geral da ONU que não manda absolutamente nada, recebe um régio salário e vive passeando às nossas custas.
Yoani Sanchez é a cubana agente da CIA (ainda em fase experimental) que possui um blog para falar mal de Cuba
Yoani e Ban Ki têm em comum obediência cega às ordens da Casa Branca.
Formam um belo casal cuja meta de vida é mergulhar em águas repletas de candirus.
Ban Ki foi à Palestina Invadida, cuja porção ocupada se autodenomina Israel.
Os israelenses não lhe deram a mínima importância e em Gaza( Palestina Livre) foi recebido a sapatadas.
Yoani Sanchez, não satisfeita em ofender o povo cubano, voltou seu ódio ao Brasil.
E por que esse seu ódio ao Brasil?
Porque a presidente Dilma recusou-se a recebê-la em audiência.
Yoani agiria com mais dignidade se exigisse a retirada dos Estados Unidos de Guantánamo, território cubano ocupado e que foi transformado em prisão medieval, para onde são levadas vitimas inocentes para serem torturadas.
Isso não sensibiliza a cubana que diz defender os direitos humanos.
Direitos humanos de quem?
Dos torturadores?
Dona Yoani, pense duas vezes antes de vir conspurcar as terras brasileiras.
Aqui não precisamos de apoiadores de torturadores.
Aqui, os nossos torturadores já contam com o apoio incondicional da mídia.
E quanto ao senhor Ban ki, precisa se dar o respeito e parar de obedecer cegamente às ordens do Império.
Ban ki e Yoani, o melhor que vocês podem fazer e se recolherem à sua insignificância.
Leia Mais ►