2 de mai. de 2012

O nome Brizola

Brizola volta do exílio para assustar a "elite": o medo permanece até hoje
Quando entrei no Estadão, no longínquo ano de 1986, o nome Brizola não podia ser escrito nem publicado. Ele era simplesmente o "caudilho". Nem o de Orestes Quércia, vulgo "governador". Maluf também era vetado, seguindo uma tradição dos Mesquitas de tentar apagar da história - pelo menos a do seu jornal - aqueles que considerava inimigos. Ou que eram simples desafetos. Ou de quem simplesmente não gostavam. O exemplo mais antigo que me lembro é Adhemar de Barros, que o jornal grafava, só para espicaçar, como "A. de Barros". Idiossincracias de quem se julgava acima dos mortais comuns...
Brizola, porém, não incomodava só o Estadão. Era detestado por praticamente toda a "elite" brasileira, que tem até hoje nessa imprensa provinciana a máxima expressão de seus sentimentos. As poderosas organizações Globo, por exemplo, viam em Brizola a representação de todo o mal que existe no Universo e simplesmente o tratavam como se deve tratar o demônio, exorcizando-o do corpo infestado.
Ontem, o nome Brizola voltou às manchetes dos jornalões. Seu neto, o deputado federal Carlos Daudt Brizola, mais conhecido como Brizola Neto, foi escolhido pela presidente Dilma Rousseff para ser o seu ministro do Trabalho. Ele tem apenas 33 anos, edita um blog que é referência entre a esquerda nativa, o Tijolaço, remetendo aos textos que Leonel Brizola mandava publicar com esse título em jornais cariocas para se contrapor à campanha incessante que O Globo movia contra ele e, tudo indica, pode fazer um bom trabalho na área trabalhista, honrando, por tabela, a tradição do partido a que está filiado, o PDT fundado pelo avô famoso.
Mas bastou a notícia se confirmar para que o nome Brizola novamente despertasse a ira de tantos quantos dignos representantes dessa imprensa que trabalha noite e dia para derrubar o governo petista legitimamente eleito por ampla maioria da população - e que andavam mais calmos desde que Lula cedeu lugar ao seu "poste".
De uma hora para outra, aqueles que andavam elogiando o governo, sempre com ressalvas, é claro, soltaram o verbo contra a escolha, como se, a partir dela, toda a governabilidade tão arduamente construída pelos partidos que sustentam o governo fosse desmoronar.
É como se Brizola Neto encampasse, por causa do nome, tudo o que seu avô representava contra os interesses da burguesia nacional, essa porção udenista da sociedade brasileira que odeia pobres e pretos, não tolera minorias, só pensa em erguer muros mais altos para separá-los do resto desse Brasil miscigenado, vive apenas em função dos desejos de seus ícones de cabelos loiros e olhos azuis e age como um macaquinho domesticado que imita os gestos de seu dono.
Como essa gente é fraca!
Como é que eles podem ter a pretensão de voltar a mandar no Brasil se ainda não conseguiram nem superar o medo desse nome que transformaram num fantasma aterrorizador?
Ah, por que a presidente Dilma foi escolher logo alguém com o sobrenome Brizola para o seu governo?
Era o que faltava, devem pensar, para que este país se transforme numa república sindicalista, ou, pior, numa verdadeira democracia, onde todos têm oportunidades iguais, não importa o nome que carreguem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.