29 de out de 2011

El papel genocida de la OTAN (Cuarta parte)

El dos de marzo, bajo el título de “La guerra inevitable de la OTAN” escribí:
“A diferencia de lo que ocurre en Egipto y Túnez, Libia ocupa el primer lugar en el Índice de Desarrollo Humano de África y tiene la más alta esperanza de vida del Continente. La educación y la salud reciben especial atención del Estado. El nivel cultural de su población es sin dudas más alto. Sus problemas son de otro carácter. […] El país requería abundante fuerza de trabajo extranjera para llevar a cabo ambiciosos planes de producción y desarrollo social.”
“Disponía de enormes ingresos y reservas en divisas convertibles depositadas en los bancos de los países ricos, con las cuales adquirían bienes de consumo e incluso, armas sofisticadas que precisamente le suministraban los mismos países que hoy quieren invadirla en nombre de los derechos humanos.
“La colosal campaña de mentiras, desatada por los medios masivos de información, dio lugar a una gran confusión en la opinión pública mundial. Pasará tiempo antes de que pueda reconstruirse lo que realmente ha ocurrido en Libia, y separar los hechos reales de los falsos que se han divulgado.”
“El imperio y sus principales aliados emplearon los medios más sofisticados para divulgar informaciones deformadas sobre los acontecimientos, entre las cuales había que inferir los rasgos de la verdad.”
“El imperialismo y la OTAN ─seriamente preocupados por la ola revolucionaria desatada en el mundo árabe, donde se genera gran parte del petróleo que sostiene la economía de consumo de los países desarrollados y ricos─ no podían dejar de aprovechar el conflicto interno surgido en Libia para promover la intervención militar.”
“Pese al diluvio de mentiras y la confusión creada, Estados Unidos no pudo arrastrar a China y la Federación Rusa a la aprobación por el Consejo de Seguridad de una intervención militar en Libia, aunque logró en cambio obtener, en el Consejo de Derechos Humanos, la aprobación de los objetivos que buscaba en ese momento.”
“El hecho real es que Libia está ya envuelta en una guerra civil, como habíamos previsto, y nada pudo hacer Naciones Unidas para evitarlo, excepto que su propio Secretario General regara una buena dosis de combustible en el fuego.
“El problema que tal vez no imaginaban los actores es que los propios líderes de la rebelión irrumpieran en el complicado tema declarando que rechazaban toda intervención militar extranjera.”
Uno de los cabecillas de la rebelión, Abdelhafiz Ghoga, declaró el 28 de febrero en un encuentro con los periodistas: “Lo que queremos es informaciones de inteligencia, pero en ningún caso que se afecte nuestra soberanía aérea, terrestre o marítima.”
“La intransigencia de los responsables de la oposición sobre la soberanía nacional reflejaba la opinión manifestada en forma espontánea por muchos ciudadanos libios a la prensa internacional en Bengasi, informó un despacho de la agencia AFP el pasado lunes.
“Ese mismo día, una profesora de Ciencias Políticas de la Universidad de Bengasi, Abeir Imneina, ―adversaria de Gaddafi― declaró:
“Hay un sentimiento nacional muy fuerte en Libia.”
“’Además, el ejemplo de Irak da miedo al conjunto del mundo árabe’, subraya, en referencia a la invasión norteamericana de 2003 que debía llevar la democracia a ese país y luego, por contagio, al conjunto de la región, una hipótesis totalmente desmentida por los hechos.”
“’Sabemos lo que pasó en Irak, es que se encuentra en plena inestabilidad, y verdaderamente no deseamos seguir el mismo camino. No queremos que los norteamericanos vengan para tener que terminar lamentando a Gaddafi’, continuó esta experta.”
“A las pocas horas de publicarse este despacho, dos de los principales órganos de prensa de Estados Unidos, ‘The New York Times’ y ‘The Washington Post’, se apresuraron en ofrecer nuevas versiones sobre el tema, de lo cual informa la agencia DPA al día siguiente 1º de marzo: ‘La oposición libia podría solicitar que Occidente bombardee desde el aire posiciones estratégicas de las fuerzas fieles al presidente Muamar Al Gaddafi, informa hoy la prensa estadounidense’.”
“El tema está siendo discutido dentro del Consejo Revolucionario libio, precisan ‘The New York Times’ y ‘The Washington Post’ en sus versiones online.”
“En el caso de que las acciones aéreas se realicen en el marco de las Naciones Unidas, éstas no implicarían intervención internacional, explicó el portavoz del consejo, citado por ‘The New York Times’.”
“’The Washington Post’ citó a rebeldes reconociendo que, sin el apoyo de Occidente, los combates con las fuerzas leales a Gaddafi podrían durar mucho y costar gran cantidad de vidas humanas.”
De inmediato me pregunté en esa Reflexión:
“¿Por qué el empeño en presentar a los rebeldes como miembros prominentes de la sociedad reclamando bombardeos de Estados Unidos y la OTAN para matar libios?”
“Algún día se conocerá la verdad, a través de personas como la profesora de Ciencias Políticas de la Universidad de Bengasi, que con tanta elocuencia narra la terrible experiencia que mató, destruyó los hogares, dejó sin empleo o hizo emigrar a millones de personas en Iraq.
“Hoy miércoles dos de marzo, la Agencia EFE presenta al conocido vocero rebelde haciendo declaraciones que, a mi juicio, afirman y a la vez contradicen las del lunes: ‘Bengasi (Libia), 2 de marzo. La dirección rebelde libia pidió hoy al Consejo de Seguridad de la ONU que lance un ataque aéreo ‘contra los mercenarios’ del régimen de Muamar Al Gaddafi.’”
“¿A cuál de las muchas guerras imperialistas se parecería esta?
“¿La de España en 1936, la de Mussolini contra Etiopía en 1935, la de George W. Bush contra Iraq en el año 2003 o a cualquiera de las decenas de guerras promovidas por Estados Unidos contra los pueblos de América, desde la invasión de México en 1846, hasta la de Las Malvinas en 1982?
“Sin excluir, desde luego, la invasión mercenaria de Girón, la guerra sucia y el bloqueo a nuestra Patria a lo largo de 50 años, que se cumplirán el próximo 16 de abril.
“En todas esas guerras, como la de Vietnam que costó millones de vidas, imperaron las justificaciones y las medidas más cínicas.
“Para los que alberguen alguna duda, sobre la inevitable intervención militar que se producirá en Libia, la agencia de noticias AP, a la que considero bien informada, encabezó un cable publicado hoy, en el que se afirma: ‘Los países de la Organización del Tratado del Atlántico Norte (OTAN) elaboran un plan de contingencia tomando como modelo las zonas de exclusión de vuelos establecidas sobre los Balcanes en la década de 1990, en caso de que la comunidad internacional decida imponer un embargo aéreo sobre Libia, dijeron diplomáticos’.”
Cualquier persona honesta capaz de observar con objetividad los acontecimientos, puede apreciar la peligrosidad del conjunto de hechos cínicos y brutales que caracterizan la política de Estados Unidos, y explican la bochornosa soledad de ese país en el debate de Naciones Unidas sobre la “Necesidad de poner fin al bloqueo económico, comercial y financiero contra Cuba”.
Sigo de cerca, a pesar de mi trabajo, los Juegos Panamericanos Guadalajara 2011.
Nuestro país se enorgullece de esos jóvenes que son ejemplos para el mundo por su desinterés y espíritu de solidaridad. Los felicito calurosamente, ya nadie podrá arrebatarles el lugar de honor que se han ganado.
Proseguirá.
Fidel Castro Ruz
Octubre 28 de 2011
7 y 14 p.m.
Leia Mais ►

O fogão, o avião e a corrupção

Uma conhecida trocou de fogão e quis doar o antigo, ainda funcional, à igreja da Matriz, em Botafogo, no Rio de Janeiro. Próxima à favela de Santa Marta, a igreja sempre abasteceu os moradores com objetos e roupas doados. Mas para surpresa de minha amiga, ao procurar o padre, foi informada que a igreja não poderia receber o fogão, porque o depósito já estava repleto. Segundo o padre, com o crescimento da economia e a oferta de crédito, as pessoas estão comprando eletrodomésticos novos e não precisam mais recorrer a objetos de segunda mão.
“Antigamente, os objetos não ficavam duas semanas aqui. Bastava a notícia circular que rapidamente apareciam interessados. Agora, estamos sem espaço”, contou o padre, de sotaque estrangeiro, impressionado com a rápida transformação da realidade brasileira.
Um amigo também comentou recentemente que a empregada que trabalha há muitos anos em sua casa foi visitar a família que vive no Maranhão, e, pela primeira vez, usou o avião como meio de transporte. A passagem, parcelada, coube no orçamento dela e permitiu uma viagem rápida e mais confortável do que as que fazia de ônibus. Sua intenção é tornar as visitas mais regulares, sem o sacrifício de dias no interior de um ônibus, do Rio a São Luís.
Estas duas histórias ilustram bem a realidade do Brasil nos últimos anos, que está à nossa frente, mas que muitas vezes deixamos de ver por conta de uma suposta realidade apresentada pelos que não estavam acostumados a dividir os aeroportos com a população e que procuram questões econômicas e políticas para dizer que o país não funciona e corre risco. Podemos afirmar que o Brasil teria, então, duas realidades. Uma percebida pela maioria da população, satisfeita com os rumos que o país vem tomando nos últimos anos, e, outra, fabricada por uma minoria insatisfeita e saudosa de privilégios perdidos, que se esforça em fazer crer que os avanços não existem.
O problema para esta minoria é que o reconhecimento ao rumo adotado pelo Brasil não se limita aos pobres, que costumam considerar como ignorantes, mas a estudiosos daqui e de fora, que buscam conhecer cada vez mais as experiências sociais e econômicas, que levaram o país a colocar uma Argentina em termos de população na classe média. Um contingente que passou a ter mais renda, a fortalecer o mercado interno e a ajudar o país a ter condições de enfrentar as turbulências internacionais.
A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) acaba de apresentar relatório, no qual destaca os “avanços extraordinários” do Brasil na última década, com uma redução da pobreza e da desigualdade “nunca vista”. O Brasil virou referência de crescimento com distribuição de renda e sua atuação na crise econômica internacional iniciada em 2008, deixando de lado o receituário ortodoxo, despertou atenção sobre as possibilidades de uma alternativa ao fracassado modelo econômico global, que continua causando ruínas e despertando cada vez mais indignação.
Estes avanços e conquistas não significam que a condução do país só tem virtudes. O Brasil enfrenta sérias questões éticas na pólítica, que precisam ser atacadas de forma consequente tanto pelo governo, quanto pela população. Os casos de corrupção são uma afronta, mas sempre envolvem dois lados: o corrupto e o corruptor. Quem tem telhado de vidro não pode atirar pedra. Agora mesmo, uma pesquisa da Organização Internacional de Trabalho revelou o perfil de quem pratica o trabalho escravo no Brasil. O escravocrata do século 21 é branco, nasceu no Sudeste, tem curso superior e é filiado a partido político. A pesquisa apontou o PMDB, o PSDB e o PR como as legendas escolhidas.
Provavelmente, essa gente também critica os desvios existentes no governo como se fossem cidadãos decentes. Assim como odeiam o governo, e mais ainda a Lula, que já deixou de ser presidente, mas que continua magnetizando os rancores da elite, aquela contrária a uma estação de metrô em bairro chique de São Paulo. Devem integrar a legião dos supostos indignados os que furam fila no cinema e no teatro, os que oferecem dinheiro ao guarda quando flagrados em irregularidade e os que querem sempre levar vantagem em tudo, certo?
Precisamos avançar nas questões éticas simultaneamente às melhorias econômicas e sociais. Por outro lado, não podemos permitir que elas sejam utilizadas para causar paralisia no que vem dando certo e foi determinado pelo povo, por escolha democrática. O governo e a política não são os vilões da história, pois os desvios se espalham por todo o tecido social. Apenas estão mais expostos e sobre eles podemos exercer nossa influência. Um bom momento está colocado para tanto. Mas é preciso distinguir bem quem realmente está interessado no aprimoramento das instituições de quem só quer se valer da oportunidade para recuperar uma velha ordem.
Mair Pena Neto é jornalista
No Projeto Nacional
Leia Mais ►

Arábia Saudita e Emirados Árabes vão doar 300 milhões de dólares para a campanha de Obama

Obama curva-se diante do rei saudita. 
Reparem na turma de pedintes logo atrás
A doação é em agradecimento ao assassinato de Kadafi.
Esse é o mundo no qual vivemos, hoje subjugado pela indústria de entretenimento e pela mídia.
Ambas associadas ao Império.
Que lhes recompensa regiamente pela servidão.
E as migalhas que sobram ele distribui à mídia terceiro-mundista.
Entre elas a mídia da Casa Grande que já está com o bico torto de tanto ciscar.
Vejam que eu escrevi mídia terceiro-mundista e não do Terceiro Mundo.
Mas voltemos ao Hijaz.
Hijaz, como os leitores deste blog já sabem, é o atual território geograficamente surrupiado pelos colonialistas ingleses e presenteado à tribo saudita e aos emires do golfo.
Eles sempre odiaram Kadafi em razão de seus apelos às populações daquela região para derrubarem seus governantes-opressores.
Que ele chamava de "infiéis, hereges e de ofenderem o Alcorão".
E ao invés de iniciar seus discursos como habitualmente fazem os muçulmanos: “Em nome de Deus, o Clemente e Misericordioso”, ele o iniciava com outra frase do Alcorão: “Tudo o que há no céu e na terra a Deus pertence”.
O recado era bem claro.
Toda riqueza é impura.
Todo acúmulo de bens ofende Allah.
E como exemplo ele mostrava como distribuía a riqueza da Líbia.
Isso, evidentemente, irritava profundamente os governantes perdulários da região.
Hoje, sauditas e golfistas desconfiam de todo muçulmano e sua segurança pessoal é feita por agentes da CIA estadunidense e pelo MOSSAD Israelense.
Mas esses ditadores travestidos de reis e emires sabem que até a paciência de Deus tem limites.
Daí porque eles contam com Obama ou qualquer outro governante dos Estados Unidos para livrá-los de qualquer incômodo.
E a recompensa é régia.
Não escolhe lado.
Até o pré-candidato republicano Mitt Romney será recompensado se ajudar a derrubar o presidente sírio Bashar al-Assad.
Mitt declarou que "Deus criou os Estados Unidos para que o país liderasse o mundo".
Outro que poderá receber apoio será o pastor evangélico, e agora candidato a presidente, Terry Jones.
Terry Jones foi aquele pastor que queimou publicamente o Alcorão.
Tudo em nome de Deus.
Pobre diabo.
Leia Mais ►

O escândalo do tucano Derosso na Câmara Municipal de Curitiba

Câmara de Curitiba pagou por propaganda em 302 jornais, rádios e TVs; gasto acumulado desde 1999 ultrapassa R$ 62,6 milhões
Os recursos gastos pela Câmara Municipal de Curitiba com a publicação de matérias pagas, entre os anos de 2006 e 2010, totalizaram R$ 19,8 milhões e foram distribuídos entre 302 jornais, rádios, sites e emissoras de TV.
A lista dos veículos e o valor total dos gastos no período constam da instrução preliminar concluída esta semana pela Diretoria de Contas Municipais (DCM) do Tribunal de Contas (TC) do Paraná. O documento foi obtido pela assessoria do deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR).
Alguns dos veículos de comunicação citados são ligados a vereadores ou a seus parentes, entre eles uma irmã do próprio João Cláudio Derosso (PSDB), presidente do Legislativo. Houve até mesmo casos de pagamentos por aparições de vereadores em colunas sociais.
Entre as empresas listadas estão inclusive veículos sediados fora da capital paranaense, em cidades como Colombo, Mandirituba e Almirante Tamandaré.
"Este documento do Tribunal de Contas é mais um importante subsídio para o Conselho de Ética da Câmara. É também um balde de água fria naqueles que tentam absolver Derosso, que merece ser cassado e processado pela Justiça”, avalia Dr. Rosinha. “A CPI corre inclusive o risco de ser atropelada pela inspeção do Tribunal de Contas.”
No total, a planilha do TC aponta que a Câmara gastou R$ 34 milhões ao longo de cinco anos de contrato. Desse total, R$ 28 milhões foram repassados à empresa Visão Publicidade Ltda, e outros R$ 6 milhões, à Oficina da Notícia Ltda, de propriedade de Cláudia Queiroz Guedes, esposa do vereador tucano e ex-servidora do Legislativo. As duas empresas foram as únicas que participaram do processo licitatório.
“Analisados os documentos e informações encaminhados pela Câmara, a conclusão é a de que se deve aprofundar a fiscalização exercida pela Corte”, diz trecho da instrução da Diretoria de Contas Municipais do TC. O Legislativo remeteu ao tribunal apenas amostras dos documentos solicitados, alegando o grande volume da documentação existente.
A publicação de matérias pagas, no valor de R$ 19,8 milhões, representou 58,2% dos gastos. Outros 41,3% foram gastos com a suposta impressão do jornal “Câmara em Ação”, que custou R$ 14 milhões.
O documento da DCM conclui pela necessidade de instauração de um processo de tomada de contas extraordinária para, entre outras coisas, registrar as irregularidades, apurar os danos ao erário e os respectivos responsáveis.
Os eventuais culpados estarão sujeitos à devolução de recursos ao erário, multa sobre o dano e desaprovação de contas, o que implicaria em inelegibilidade.
A DCM aponta ainda a necessidade de uma equipe de ao menos cinco pessoas, formada por analistas de controle das áreas contábil e jurídica, para se dedicar com exclusividade à inspeção, ao longo de três meses. Essa equipe deverá fazer trabalhos de campo, como ouvir os envolvidos e visitar a Câmara Municipal, agências e empresas contratadas.
Mais de R$ 62,6 milhões
Conforme o documento elaborado pelos técnicos do TC, a agência Visão Publicidade presta serviços à Câmara de Curitiba ao menos desde 1998 – um ano antes, em 1997, Derosso assumia o primeiro de seus até hoje oito mandatos à frente da presidência da Casa.
Como na época ainda não existia o Sistema de Informações Municipais do tribunal, nem o próprio TC sabe informar ao certo qual o valor recebido pela empresa naquele primeiro contrato assinado por Derosso.
Já entre 2002 e 2006, através de um segundo contrato, após vencer uma nova licitação, a mesma Visão Publicidade recebeu repasses que totalizam R$ 20 milhões, de acordo com a instrução da DCM. Entre os meses de março e junho de 2006, a empresa ainda seria contratada sem licitação, e receberia mais R$ 656,6 mil.
De 2002 a 2010, portanto, a Câmara de Curitiba gastou ao menos R$ 54,7 milhões em contratos de propaganda, em valores não atualizados.
Somando-se os R$ 7,9 milhões gastos nos anos de 1999 e 2000 – valores obtidos por Dr. Rosinha em consulta ao arquivo do mandato do ex-vereador petista Adenival Gomes –, chega-se a um valor parcial de R$ 62,6 milhões, também sem atualização.
O valor total é certamente maior, porque nessa conta ainda não estão os dados de 1998, 2001 e parte de 2002.
Promoção pessoal
De acordo com a instrução do TC, as amostras de notícias encaminhadas pela Câmara apontam que o parágrafo primeiro do artigo 37 da Constituição Federal foi “claramente ofendido”. O dispositivo estabelece que a publicidade dos órgãos públicos deve “ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos”.
Os técnicos do tribunal apontam que o conteúdo das amostras está voltado a promover o trabalho de determinados vereadores. “Aliás, é emblemático que a amostra trazida aos autos pela Câmara contenha, inclusive, notícias pagas sobre a Câmara e seus vereadores em colunas sociais”, diz trecho da instrução. “Nota-se que o caráter da publicidade da Câmara quase nada teve de “educativo, informativo ou de orientação social”, e que na publicidade constaram claramente “nomes e imagens que caracterizam promoção pessoal de autoridades.”
Além da lesão ao patrimônio público, o documento aponta ofensa à ordem democrática e à isonomia nas eleições. E recomenda a instauração de procedimento voltado a avaliar a publicidade de outros órgãos públicos do Estado.
Além de sugerir a inconstitucionalidade dos gastos da Câmara de Curitiba, o documento do TC discute a própria necessidade de a Câmara contratar agência de propaganda para sua publicidade. “É muito provável que a publicidade da Câmara não tenha tido amparo na Constituição, constituindo-se em despesa indevida. [...] A quase totalidade dos serviços prestados pelas agências resumia-se a distribuir aos veículos de comunicação o material recebido da assessoria de imprensa da Câmara. Pergunta-se, assim, se haveria necessidade de inserir mais um agente na cadeia negocial apenas para intermediar a distribuição das notícias e ainda remunerá-lo por isso.”
Licitação direcionada
A instrução da DCM lista “sérios indícios de irregularidades”, praticadas antes, durante e depois da licitação, ao longo da execução dos contratos. “A fase de abertura da licitação apresentou vários vícios, que levantam suspeitas sobre eventual direcionamento da licitação”, atesta o documento.
Entre as irregularidades aventadas estão o fato de os autos da licitação não terem sido paginados. Vários atos preparatórios da licitação também foram produzidos num único dia. Exemplo: a indicação da dotação orçamentária pelo setor de contabilidade, a elaboração da minuta do contrato pela comissão de licitação, o lançamento do parecer pelo departamento jurídico e a autorização para a licitação por Derosso foram todos registrados no mesmo dia 30 de janeiro de 2006.
A publicação do edital, além de descumprir uma série de exigências da Lei de Licitações, não indicou o valor dos contratos e estabeleceu como prazo do certame o período de 12 meses, sem indicação da possibilidade de prorrogação. “Tantos vícios na publicidade da licitação certamente levaram à baixa participação na concorrência, em que apenas 2 empresas apresentaram propostas para um contrato milionário que vigorou por 5 anos – e foram ambas contratadas, já que o edital assim o permitia”, aponta o TC.
Servidora da Câmara no momento da licitação e dona da Oficina da Notícia, só foi exonerada do cargo no dia 8 de maio de 2006, no mesmo dia em que assinou o contrato para prestar serviços de publicidade à Câmara, o que contraria o artigo 9º da lei federal 8.666, em vigor desde 1993.
A Oficina da Notícia ainda foi habilitada na licitação mesmo sem ter cumprido itens previstos pelo edital de licitação.
Em resposta a questionamentos do TC, a Câmara apenas mencionou a existência de um “gestor informal” dos contratos, a quem competiria definir quais serviços deveriam ser prestados por cada uma das agências e aprovar os meios de comunicação que receberiam a publicidade da Câmara.
“Deixando de lado o problema envolvendo a designação de um gestor informal para os contratos – o que, no fundo, significa que não foram nomeados os gestores titular e substituto exigidos pelos contratos –, nota-se que a Câmara não mencionou quem, afinal, era o gestor informal do contrato.”
Pagamentos a mais
O documento do TC também questiona os pagamentos às agências de percentuais de até 20% dos anúncios, que somente seriam justificados se houvesse um processo de criação de peças publicitárias.
No caso em questão, porém, houve apenas uma intermediação de serviços prestados por terceiros, o que implicaria em honorários de apenas 10%.
“Considerando o montante dos pagamentos efetuados à empresa em percentual superior a 10%, o excesso da remuneração das agências em relação ao que estabelecia o contrato pode chegar a R$ 869 mil”, aponta a instrução do TC.
O documento também sugere que a equipe de inspeção verifique se houve casos de dupla remuneração, com os honorários de 10% e o desconto de agência de 20% ao mesmo tempo.
A Câmara declarou ao TC que as agências Visão Publicidade e Oficina da Notícia foram efetivamente remuneradas com R$ 3,1 milhões e R$ 778 mil, respectivamente.
Jornal “Câmara em Ação”
A respeito do jornal “Câmara em Ação”, que supostamente teve mais de oito milhões de exemplares mas jamais foi visto inclusive pelos próprios vereadores, o TC afirma que a inspeção deverá verificar a efetiva impressão e distribuição dos exemplares.
“O elevado número de exemplares do informativo impresso deveria acarretar na difusão da publicação à boa parte da população, mas, aparentemente, não foi isso o que ocorreu, pois o jornal é pouquíssimo conhecido”, diz o relatório do tribunal.
Os gráficos do custo e da suposta, que variavam muito mês a mês, levou os técnicos do TC a cogitar que o informativo, além de não ser objeto de prévio estudo e planejamento, destinava-se mais a justificar o desembolso de recursos pela Câmara do que a efetivamente comunicar ações da entidade à população.
“Aliás, um trecho do último ofício encaminhado a esta Corte pela Câmara parece corroborar esta conclusão, pois nele a entidade afirma que as impressões do informativo ‘eram variáveis em função dos recursos financeiros mensais’”, anotam os técnicos.
Há ainda elementos, conforme o parecer, que apontam que o papel da agência era apenas o de receber o exemplar do informativo dos jornalistas da Câmara e encaminhá-lo à impressão nas gráficas contratadas.
Impostos sonegados
A Câmara de Curitiba deixou ainda de reter os tributos devidos pelas agências ao próprio município.
Apesar de os contratos serem claro a respeito da necessidade de a Câmara reter os valores correspondentes ao Imposto de Renda (IR) e ao Imposto sobre Serviços (ISS) devidos pelas agências, o dinheiro foi depositado às agências.
Segundo o TC, a Câmara deixou de reter R$ 256 mil em tributos depositados às agências – R$ 197 mil em ISS e R$ 59 mil em IR.
Tramitação do procedimento no site do TC: veja aqui.
Trechos da instrução em PDF.
Lista dos 302 veículos de comunicação que receberam dinheiro da Câmara de Curitiba (2006-2010)


Instrução da DCM sobre o caso Derosso (páginas 9-11)

Instrução da DCM sobre o caso Derosso (páginas 25-27)

Especial sobre o Escândalo Derosso no site do mandato de Dr. Rosinha: veja aqui.
Derosso, Cláudia e Richa
No Dr. Rosinha
Leia Mais ►

Eu Não Vou me Mover

A mentira tem pernas curtas e cassetetes longos.

No Grupo Beatrice
Leia Mais ►

Slavoj Žižek: “Nosso inimigo é a ilusão democrática”

Anne Applebaum escreveu no Washington Post que os protestos em Wall Street e na Catedral de St Paul são parecidos, “na falta de foco, na incoerência e, sobretudo, na recusa a engajar-se nas instituições democráticas existentes”. “Diferentes dos egípcios” – prossegue ela – “com os quais os manifestantes de Londres e New York comparam-se abertamente (e ridiculamente) nós aqui temos instituições democráticas”. [1]
Claro que, se você reduz os protestos da Praça Tahrir a simples demanda por democracia à moda ocidental, como faz Applebaum, torna-se ridícula qualquer comparação entre Occupy Wall Street e os eventos do Egito: como poderiam os que protestam em Wall Street exigir o que já têm? O que a colunista do Washington Post bloqueia e não vê é a possibilidade de haver descontentamento geral com os sistemas capitalistas globais que assumem formas diferentes aqui e lá.
“Mas num sentido” – Applebaum concede – “o fracasso do movimento internacional Occupy, que não consegue apresentar propostas sólidas de novas leis, é compreensível: as fontes da crise econômica global e suas soluções estão, por definição, fora da competência de políticos locais e nacionais”. E acaba forçada a concluir que “a globalização já começou, visivelmente, a solapar a legitimidade das democracias ocidentais”.
Isso, precisamente, é o que os manifestantes estão mostrando e impondo à atenção de todos: que o capitalismo global solapa a democracia. Conclusão óbvia, daí em diante, é que temos de começar a pensar em meios para expandir a democracia para além da forma que tem hoje, baseada em estados-nação e sistemas multipartidários, e que se mostrou incapaz de gerenciar as consequências destrutivas da vida econômica.
Mas, em vez de dar esse passo adiante, Applebaum muda tudo, culpa os próprios manifestantes que protestam nas ruas, listando as seguintes questões:
Se os ativistas “globais” não tiverem cuidado, acabarão por acelerar o declínio daquele modelo. Os manifestantes gritam em Londres: “Queremos um processo!” Ora, eles já têm um processo: chama-se sistema policial britânico. Se não sabem usá-lo, só conseguirão enfraquecê-lo ainda mais...
O argumento de Applebaum, portanto, parece ser que, dado que a economia global está fora do alcance da política democrática, qualquer tentativa para expandir a democracia para que consiga manejar a economia global... acelerará o declínio da democracia. E o quê, então, devemos fazer? A jornalista sugere que continuemos engajados num sistema político que, segundo ela mesma, não é capaz de fazer o que se espera que faça.
Se há o que não falta hoje, é crítica do capitalismo: estamos inundados de histórias sobre o quanto as empresas poluem cruelmente nosso ambiente; de banqueiros que recebem gordos bônus enquanto seus bancos têm de ser ‘resgatados’ e são salvos com dinheiro público, sobre os pardieiros onde o trabalho de crianças é superexplorado para fabricar roupas baratas que são vendidas em bancas.
Mas há um truque escondido aí: todas essas histórias assumem que a luta contra esses crimes tenha de ser feita no quadro bem conhecido da democracia liberal. A meta (explícita ou implícita) é democratizar o capitalismo, ampliar o controle democrático sobre a economia global, mediante a exposição na mídia, os inquéritos parlamentares, leis mais duras, inquéritos e investigações judiciais etc. Mas não se questiona o quadro das instituições do estado democrático burguês. Esse é preservado, sacrossanto, até nas modalidades mais radicais do “anticapitalismo ético” – o Fórum Social Mundial de Porto Alegre, o movimento de Seattle etc. etc.
Aqui, o insight chave de Marx continua tão pertinente hoje quanto sempre foi: a questão da liberdade não deve ser enquadrada, basicamente, na esfera política – quer dizer, em coisas como eleições livres, judiciário independente, imprensa livre, respeito pelos direitos humanos. A verdadeira liberdade reside na rede “apolítica” das relações sociais, do mercado à família, onde a mudança necessária, para melhorar as coisas, não é alguma reforma política, mas uma mudança nas relações sociais de produção.
Os eleitores não votam para decidir quem será proprietário do quê, ou para decidir sobre as relações entre os trabalhadores numa fábrica. Essas coisas são deixadas entregues a processos fora da esfera política, e é ilusão supor que essas coisas possam ser mudadas com, simplesmente, alguma “ampliação” da democracia: por exemplo, criando bancos “democráticos” controlados pelo povo.
Mudanças radicais nesse campo têm de ser feitas fora da esfera de instrumentos democráticos, como direitos humanos e outros. Esses instrumentos democráticos têm um papel positivo, é claro, mas é preciso ter em mente que todos os mecanismos democráticos são parte de um aparelho de estado burguês previsto para garantir, sem perturbações, o funcionamento da produção capitalista.
Badiou acertou ao dizer que o nome do pior inimigo, hoje, não é “capitalismo”, “império”, “exploração” ou coisas do tipo, mas, sim “democracia”. Hoje, o que impede qualquer genuína transformação das relações capitalistas é a “ilusão democrática”, a aceitação de mecanismos democráticos burgueses como únicos meios legítimos de mudança.
Os protestos de Wall Street são só o começo, mas é preciso começar como já começaram lá, com um gesto formal de rejeição, que é mais importante que seu conteúdo propositivo, porque só um gesto desse tipo pode abrir espaço para novos conteúdos.
Assim sendo, não nos deixemos distrair pela pergunta “Mas o que querem vocês?”. É a autoridade masculina interrogando a mulher histérica: “Você só reclama! Você tem alguma ideia do que você realmente quer?” Em termos psicanalíticos, os protestos são uma explosão histérica que provoca o chefe e mina sua autoridade. E a pergunta do chefe (“Mas o que você quer?”) esconde seu subtexto: “Responda em língua que eu entenda, ou cale a boca!”
Até agora, os que protestam em Wall Street e pelo mundo, têm conseguido muito bem escapar à crítica que Lacan fez aos estudantes de 1968: “Como revolucionários, vocês são histéricas clamando por um novo chefe. Conseguirão”.
Nota dos tradutores
[1] Washington Post, 17/10/2011, em: What the Occupy protests tell us about the limits of democracy
Slavoj Žižek
London Review of Books (Blogs)
Democracy is the enemy
Traduzido pelo Coletivo da Vila Vudu
No Redecastorphoto
Leia Mais ►

Outra fraude no governo do tucano Serra

 Publicado aqui em 26 de outubro de 2010 

Resultado de licitação do metrô de São Paulo já era conhecido seis meses antes
Ricardo Feltrin
De São Paulo
A Folha soube seis meses antes da divulgação do resultado quem seriam os vencedores da licitação para concorrência dos lotes de 3 a 8 da linha 5 (Lilás) do metrô.
O resultado só foi divulgado na última quinta-feira, mas o jornal já havia registrado o nome dos ganhadores em vídeo e em cartório nos dias 20 e 23 de abril deste ano, respectivamente.
A licitação foi aberta em outubro de 2008, quando o governador de São Paulo era José Serra (PSDB) – ele deixou o cargo no início de abril deste ano para disputar a Presidência da República. Em seu lugar ficou seu vice, o tucano Alberto Goldman.
O resultado da licitação foi conhecido previamente pela Folha apesar de o Metrô ter suspendido o processo em abril e mandado todas as empresas refazerem suas propostas. A suspensão do processo licitatório ocorreu três dias depois do registro dos vencedores em cartório.
O Metrô, estatal do governo paulista, afirma que vai investigar o caso. Os consórcios também negam irregularidades ou “acertos”.
O valor dos lotes de 2 a 8 passa de R$ 4 bilhões. A linha 5 do metrô irá do Largo 13 à Chácara Klabin, num total de 20 km de trilhos, e será conectada com as linhas 1 (Azul) e 2 (Verde), além do corredor São Paulo-Diadema da EMTU.
Vídeo e Cartório
A Folha obteve os resultados da licitação no dia 20 de abril, quando gravou um vídeo anunciando o nome dos vencedores.

Três dias depois, em 23 de abril, a reportagem também registrou no 2º Cartório de Notas, em SP, o nome dos consórcios que venceriam o restante da licitação e com qual lote cada um ficaria.
O documento em cartório informa o nome das vencedoras dos lotes 3, 4, 5, 6, 7 e 8. Também acabou por acertar o nome do vencedor do lote 2, o consórcio Galvão/ Serveng, cuja proposta acabaria sendo rejeitada em 26 abril. A seguir, o Metrô decidiu que não só a Galvão/Serveng, mas todas as empresas (17 consórcios) que estavam na concorrência deveriam refazer suas propostas.
A justificativa do Metrô para a medida, publicada em seu site oficial, informava que a rejeição se devia à necessidade de “reformulação dos preços dentro das condições originais de licitação”.
Em maio e junho as empreiteiras prepararam novas propostas para a licitação. Elas foram novamente entregues em julho.
No dia 24 de agosto, a direção do Metrô publicou no “Diário Oficial” um novo edital anunciando o nome das empreiteiras qualificadas a concorrer às obras, tendo discriminado quais poderiam concorrer a quais lotes.

Leia Mais ►

Como seria um Brasil sem Lula?

Agora que as notícias dão conta da boa perspectiva de restabelecimento do Lula, é curioso debruçar nas análises apressadas sobre uma era pós-Lula.
Aliás, chocante a maneira como algumas comentaristas celebraram a doença de Lula. Até nos ambientes mais selvagens - das guerras, por exemplo - há a ética do guerreiro, de embainhar as armas quando vê o inimigo caído, por doença, tragédia ou mesmo na derrota. Por aqui, não: é selvageria em estado puro.
A analista-torcedora supos que, com a doença de Lula, haveria uma mudança radical no quadro político. Sem voz, Lula seria como um Sansão sem cabelos. Sem Lula, não haveria Fernando Haddad. Sem contar os diagnósticos médico-políticos-morais, de que Lula foi castigado por sua vida desregrada. Zerado o jogo político, concluiu triunfante.
Num de seus discursos mais conhecidos, Lula bradava para a multidão: "Se cortarem um braço meu, vocês serão meu braço; se calarem a minha voz, vocês serão minha voz...".
Qualquer tragédia com Lula o alçaria à condição de semideus, como foi com Vargas. O suicídio de Vargas pavimentou por dez anos as eleições de seus seguidores. É só imaginar o que seriam os comícios com a reprodução dos discursos de Lula. Haveria comoção geral.
A falta de Lula seria visível em outra ponta: é ele quem segura a peteca da radicalização. Quem seguraria suas hostes, em caso da sua falta? Seu grande feito político foi promover um pacto que envolveu os mais diversos setores do país, dos movimentos sociais e sindicais aos grandes grupos empresariais. E em nenhum momento ter cedido a esbirros autoritários, a represálias contra seus adversários - a não ser no campo do voto -, mesmo sofrendo ataques implacáveis.
Ouvindo os analistas radicais, lembrando-se da campanha passada, como seria o país caso Serra tivesse sido eleito? É um bom exercício. Não sobraria inteiro um adversário. Na fase Lula, há dois poderes se contrapondo: o do Estado e o da mídia e um presidente que nunca exorbitou de suas funções. No caso de Serra, haveria a junção desses dois poderes, em mãos absolutamente raivosas, vingativas.
Ao fechar todos os canais de participação, Serra sentaria em cima de uma panela de pressão. Sem canais de expressão, muitos dos adversários ganhariam as ruas. Sem a mediação de Lula, não haveria como não resultar em confrontos. Seria uma longa noite de São Bartolomeu.
Essa teria sido a grande tragédia nacional, que provavelmente comprometeria 27 anos de luta pela consolidação democrática.
Luís Nassif
No Blog De Um Sem-Mídia
Leia Mais ►

Turquia inicia intervenção na Síria

Apareceu na mídia norte-americana a primeira notícia de intervenção armada externa na Síria, que Damasco já denunciara, sem qualquer eco. O New York Times noticiou que a Turquia está ajudando e apoiando um grupo insurgente sírio.
Muito estranha essa repentina irrupção de “glasnost” [ru. “transparência”]. Significa que está começando uma nova fase da intervenção do ocidente, agora na Síria. A opinião pública mundial está sendo “avisada”. Tudo começou exatamente assim, também na Líbia.
Situação geoestratégica da Turquia
A Turquia não se atreveria a divulgar tão leve e despreocupadamente que está violando a Carta das Nações Unidas e a legislação internacional, se não estivesse coberta pela garantia de que age como testa-de-ferro dos EUA.
É momento histórico, também – em que se interrompem, cavalheirescamente, os oitenta anos de obediência à velha linha vermelha de demarcação, traçada por Kemal Ataturk, segundo a qual a Turquia não se envolveria em conflitos no mundo muçulmano e, em vez disso, se concentraria na “modernização” do país, de olhos postos na Europa.
A secretária de Estado Hillary Clinton dos EUA visitará a Turquia em novembro; o vice-presidente Joe Biden, em dezembro. Washington está dedicando lisonjeira atenção à Turquia. Dia sim, dia também, Barack Obama conversa longamente com o primeiro-ministro turco Recep Erdogan.
A agência Reuters noticiou que os EUA estão abastecendo a Turquia, gratuitamente, com equipamentos militares de alta tecnologia. Isso, depois de relatos de que a Turquia solicitara que os EUA deixassem por lá algumas armas avançadas usadas no Iraque, apesar de a retirada dos EUA do Iraque prosseguir. – Entre as tais armas, alguns aviões-robôs pilotados à distância, drones, Predator.
Mas a Turquia não se satisfaria só com ajuda militar. Quer mais incentivos – dinheiro, por exemplo, e muito, o qual dirão que é indispensável para sustentar todas aquelas atividades subversivas caríssimas, contra a Síria. Essa semana, o ministro de Relações Exteriores da Turquia Ahmet Davutoglu visitou o Qatar. O mesmo Qatar que financiou a intervenção militar ocidental na Líbia. A Turquia com certeza conta com o Emir do Qatar, para que abra liberalmente os cofres, para pagar os custos de intervir na Síria. O Qatar, evidentemente, mais do que apenas disposto a ajudar, deseja pagar tudo e está virtualmente suplicando que a Turquia pegue todo o dinheiro de que precise, desde que Ancara derrube, seja como for, o governo de Damasco.
Além do Qatar, também a Arábia Saudita quer ajudar. A Arábia Saudita é muito próxima da liderança do Partido Justiça e Liberdade (AKP), que governa a Turquia.
Situação geoestratégica da Síria
Davutoglu também visitou Amã. A Síria há muito tempo denuncia que há mão jordaniana por trás dos conflitos sírios, e que a Jordânia fornece armas à oposição.
Está em andamento, pois, um movimento de pinça contra a Síria: a inteligência turca atua no norte, e a inteligência jordaniana, no sul. Já há notícias, vindas do Líbano, de que a Síria tem plantado minas ao longo da fronteira, como medida defensiva, no sul.
Bem visivelmente, cristaliza-se o alinhamento regional – Turquia, Arábia Saudita, Qatar e Jordânia formam o eixo para a “mudança de regime” na Síria: exatamente o mesmo eixo que trabalhou para o ocidente, também na intervenção contra a Líbia.
O elo que falta nesse drama sombrio é, por enquanto, Israel. Mas a Turquia já suavizou muito a retórica nas referências a Israel. Ancara incluiu Israel entre os 30 países aos quais pediu auxílio para socorrer as vítimas do terremoto em Van. E Israel imediatamente despachou para o aeroporto de Ancara três imensos aviões carregados de suprimentos. O gelo foi quebrado.
Mais importante que tudo isso, já é sabido que o radar de mísseis antibalísticos (ABM) dos EUA, que a OTAN planeja instalar na Turquia, também fornecerá informações de inteligência a Israel, sobre a capacidade dos mísseis iranianos. Aparentemente, a Turquia sempre soube de tudo isso e não fez qualquer objeção. O principal partido da oposição na Turquia, CHP, sempre disse que a retórica anti-Israel do primeiro-ministro Recep Erdogan jamais passou de teatro para confundir a rua árabe e dar cobertura à parceria Turquia-EUA, no negócio para instalar o radar ABM dos EUA na região.
MK Bhadrakumar, Indian Punchline
Traduzido pelo Coletivo da Vila Vudu
No Redecastorphoto
Leia Mais ►

O Enem, sua metodologia e os vazamentos

Os itens que compõem a prova do ENEM são todos testados previamente. A metodologia da Teoria de Resposta ao Item se baseia num pré-teste, a fim de estabelecer parâmetros sobre cada item, como por exemplo dificuldade, interdisciplinaridade, capacidade de discriminar.
Um item com boa capacidade de discriminação o é porque a maior parte dos estudantes que vão bem no teste (nota agregada) o respondem corretamente, e a maior parte dos estudantes que vão mal o respondem incorretamente.
Calibrar uma prova, levando em conta os parâmetros citados, e outros mais, só é possível através de simulados de ENEM aplicados ao longo do ano em colégios do país afora. Admira que isto ainda seja surpresa, mas é impossível aplicar a metodologia da TRI e também o sigilo absoluto dos itens.
Contraponto 1: não estava previsto que professores pudessem fotocopiar cadernos de questões dos simulados. Tem que fiscalizar quem menos se desconfia.
Contraponto 2: na escolha de questões para a prova, é recomendável uma distribuição geográfica uniforme dos itens que a comporão. Com todas as letras, se há um erro do INEP, foi o de tirar 14 itens de um simulado aplicado em uma escola. Espera-se que, abolido o sigilo absoluto, não seja dado a conhecer a um grupo de potenciais candidatos, por pequeno que seja, o conhecimento sobre parte significativa da prova.
Se algum leitor aqui achou difícil estas explicações, fica fácil entender porque ainda não li em nenhum jornal sobre a impossibidade do sigilo absoluto no ENEM.
O que querem o procurador cearense e seus aliados do sul? Querem a continuação do vestibular como etapa da educação, porque não há escândalo... Mas escândalos podem ser fabricados. A ameaça maior do ENEM foram as palavras do ministro Haddad: em 10 anos, acaba o vestibular no Brasil. O que farão os colégios particulares, os cursinhos e as próprias divisões de concursos dentro das universidades?
Túlio Carvalho
No Advivo
Leia Mais ►

Falta de água é o maior entrave para alimentar população crescente

A necessidade de aumentar a produção agrícola para alimentar a crescente população mundial pressionará os recursos naturais, principalmente a água, segundo José Graziano, que em 2012 assumirá a direção geral da FAO (agência da ONU para agricultura e segurança alimentar).
Graziano foi eleito diretor-geral da FAO,
órgão da ONU responsável por políticas de alimentação
"A água se tornou o maior entrave à expansão da produção (de comida), especialmente em algumas áreas como a região andina, na América do Sul, e os países da África Subsaariana", diz à BBC Brasil Graziano, atualmente diretor da FAO para a América Latina e ex-ministro de Segurança Alimentar e Combate à Fome no governo Luiz Inácio Lula da Silva, quando foi o responsável pela implementação do Programa Fome Zero.
Segundo previsão da FAO, até 2050, a produção mundial de alimentos terá de crescer 70% para dar conta do aumento populacional.
Graziano diz que, apesar da pressão sobre os recursos naturais, é possível pôr fim à fome no mundo por meio de quatro ações principais: a aplicação de tecnologias modernas na lavoura (muitas já disponíveis), a criação de uma rede de proteção social para populações mais vulneráveis, a recuperação de produtos locais e mudanças nos padrões de consumo em países ricos.
"Se pudéssemos mudar o padrão de consumo em países desenvolvidos, haveria comida para todos", diz ele. "Nós desperdiçamos muita comida hoje, não só na produção, mas também no transporte e no consumo".
Segundo Graziano, enquanto a comida é mal aproveitada em nações ricas, cerca de 1 bilhão de pessoas passam fome em países emergentes.
"Precisamos assegurar que esse bilhão de pessoas sejam alimentados, que tenham bons empregos, bons salários e, se não pudermos dar-lhes empregos, encontrar uma forma de proteção social para eles".
Valorizar produtos locais, que não são commodities,
pode alivar fome no mundo, diz Graziano
Bolsa Família
Graziano afirma que programas de transferência de renda, como o Bolsa Família no Brasil, hoje atendem cerca de 120 milhões de pessoas na América Latina, ajudando a combater os índices de fome na região. Ele defende ampliar essas ações para outros países afetados pela falta de alimentos, especialmente na África.
Outra ação que Graziano advoga é recuperar produtos agrícolas típicos de cada região. Segundo ele, por não serem commodities, esses produtos não são afetados por variações bruscas de preços, o que favorece consumidores e produtores. Além disso, geram um ciclo de produção e consumo local, barateando a comida.
"O que é caro nos alimentos é o transporte, a produção de alimentos é muito barata. Se conseguirmos diversificar, fazer uma regionalização e melhor distribuição de alimentos e consumo, os preços serão muito mais baixos."
Graziano diz ainda que o estímulo à produção de produtos tradicionais ajudaria a diversificar a fonte de alimentos.
"Hoje caminhamos para ter poucos produtos responsáveis pela alimentação de quase 7 bilhões de pessoas. Precisamos diversificar essa fonte, criar maior variabilidade".
Ele afirma que a prioridade dada a alimentos cotados em mercados internacionais tem feito com que a América Latina, por exemplo, venha perdendo a capacidade de produzir feijão – um alimento tradicional altamente nutritivo, produzido a um custo baixo.
"Se pudéssemos mudar o padrão de consumo em países desenvolvidos, haveria comida para todos. Nós desperdiçamos muita comida hoje, não só na produção, mas também no transporte e no consumo"
José Graziano
Obesidade
A diversificação da produção agrícola, segundo Graziano, também ajudaria a combater outro problema global relacionado à alimentação: os crescentes índices de obesidade, inclusive em países emergentes.
Ele afirma que o número de pessoas com problemas de má alimentação ou obesidade já alcança 2 bilhões, duas vezes mais que o total de pessoas afetadas pela fome.
Ele atribui o índice à "comodidade da vida moderna", que amplia o acesso a produtos industrializados, com alta concentração de açúcares, ao mesmo tempo em que desestimula atividades físicas.
Para Graziano, o combate desse mal também deve incluir ações educativas.
"Achamos que nossas mães sabem o que devemos comer. Isso valia para nossas avós, que colhiam produtos na horta, mas hoje nossas mães buscam comidas prontas, fast food, já que elas também trabalham e têm longas jornadas fora de casa".
Graziano também cobra que as grandes empresas de fast food se sensibilizem quanto ao problema e ampliem a oferta de comidas frescas em seus cardápios.
Apesar de 1 bilhão passarem fome, aumenta a preocupação
com os 2 bilhões de obesos no mundo
Biocombustíveis
Na entrevista à BBC Brasil, Graziano também aborda outros dois temas que têm permeado discussões recentes sobre a produção de alimentos: a suposta competição entre a produção de comida e a de bicombustíveis e os riscos que o aumento da produção agrícola impõem à preservação ambiental.
Ele afirma que, em duas das três maiores regiões produtoras de biocombustíveis do globo (Estados Unidos e Europa), houve incremento em alguns preços de alimentos por causa da competição com biocombustíveis.
No Brasil, porém, ele afirma que a produção de etanol a partir da cana de açúcar não teve qualquer impacto nos alimentos, já que a produção cresceu principalmente em terras improdutivas e por meio da modernização de técnicas agrícolas.
Graziano também diz não ver conflitos em conciliar a preservação ambiental à necessidade de ampliar a produção agrícola.
"A intensificação da produção com modernas tecnologias, menor uso de fertilizantes e defensivos pode beneficiar muito o meio ambiente", diz.
"O avanço da tecnologia nessa direção permiria terminar com essa falsa dicotonomia entre ecologistas e agricultores".
João Fellet
No BBC Brasil
Leia Mais ►

Milorde, olha o seu rabo e deixa o do vizinho

A revista (conservadorissíma), The Economist, inglesa, publica hoje matéria digna da hipocrisia da “corte” econômica londrina.
Ela diz que a reputação do Banco Central do Brasil “está sendo manchada” pela redução da taxa de juros interna. E uma redução que foi de menos de um décimo, de 12,5% para 11,5%.
Acusa nossa autoridade monetária de “estar focada no crescimento econômico” em lugar de zelar de sua missão de guardião da moeda.
Que cinismo!
Dizem isso porque o crescimento – e, com ele, o emprego, a renda, o consumo, e a atividade econômica – é no Brasil. Quando se trata deles próprios, a história é completamente diferente.
Querem ver? O banco central inglês, desde 2009, mantém sua taxa de juros em 0,5% ao ano, o menor nível da história, vinte vezes menor do que a brasileira, em valores percentuais.
E a inflação na Corte de Sua Majestade, por acaso é comportadinha como uma “lady”?
Coisa nenhuma. Fechou setembro acumulando uma alta de 5,2%, mais do que o dobro da meta de 2% fixada pelo Banco Central inglês. Vejam bem, seria a mesma coisa que temos aqui, uma inflação de quasse 12% ao ano! O dobro, quase, da que vamos ter.
O juro real na Inglaterra, com essa inflação, é negativo em 4,5% ao ano enquanto os nossos são positivos, e de mais de 5%, no mesmo prazo.
E não aparece ninguém no jornalismo econômico brasileiro que tenha a coragem de lhes apontar o dedo e dizer o quanto há de cinismo nessa crítica pretensiosa e desonesta.
Porque não é incompetência, por trata-se de uma das mais importantes publicações do setor no mundo. É arrogância, mesmo.
Que vergonha!
Vivem, ao contrário, bajulando o que receita esta “nobreza”. Fica a dúvida se é por ignorância ou por pusilanimidade.
Se de um lado existem as “cabeças coroadas”, com seu ar empertigado, é porque, de outro, existem as “cabeças colonizadas”, sempre abaixadas pela submissão.
Fernando Brito
No Tijolaço
Leia Mais ►

Os subservientes bobos da corte

A subserviência dos bobos da corte a serviço dos interesses estrangeiros
O Wikileaks revelou esta semana que William Waack e Fernando Rodrigues, colunista do UOL, do grupo Folha de São Paulo, teriam mantido encontros secretos com altos funcionários da Casa Branca para passar informações ao governo estadunidense.
O fato em si não causa nenhum espanto, nem no mundo mineral, devido ao conhecimento geral, naturalizado e implícito, que estes personagens da imprensa conservadora brasileira e as empresas de que são empregados, comportam-se como prepostos de interesses externos, tentam fazer crer para a opinião pública que, pela nossa incapacidade, deveríamos nos alinhar com os poderosos da América.
Nenhum estupefato...
E quando houver revelações idênticas sobre Alexandre Garcia, Miriam Leitão, Ali Kamel, Reinaldo Azevedo, Arnaldo Jabor e outros tantos?
Também não será surpresa alguma.
A imprensa brasileira trava uma batalha insana contra a realidade e, em geral, salvo algumas exceções, se organizam partidariamente para demolir a estrutura de um Brasil que se constrói para todos e desqualificar todos os movimentos de soberania nacional.
Onde há disputa no exterior em favor de interesses nacionais, está a imprensa conservadora brasileira para desmontar esta postura e condenar políticas que privilegiem o que nos identifica como nação e aquilo que representamos, dentro e fora de nossos limites geográficos, pela nossa grandeza.
Apesar de nos últimos 9 anos o Brasil ter vivido o maior período consecutivo de crescimento econômico agregado a inclusão social de dezenas de milhões de pessoas, a grande imprensa brasileira dedicou-se, durante este mesmo período radicalmente, em seus noticiários a afirmar que o país vive uma crise, que não se sente, e que suas previsões traçam um destino, em curto prazo, nefasto para nós. Ano após ano tais afirmações e previsões foram superadas pela vida real, pelo que se pode nomear de Novo Brasil.
Mas o fôlego dessa gente que defende, com tintas e telas generosas, interesses de nações estrangeiras não se esgotou, muito pelo contrário, agora alimentam preconceitos e ódio, como o comentário infeliz do infeliz Arnaldo Jabor sobre Orlando Silva, ao afirmar que finalmente o ex-ministro "caiu do galho..."
Quanto mais avança-se para incluir todos os brasileiros ao Brasil, mais conservadora e agressiva a reação destes grupos se torna.
De fora para dentro
Lá fora o que se percebe é uma idéia bem construída de que o Brasil hoje é outro e o é desta maneira, somente, porque Lula mudou a trajetória de uma nação de quase 200 milhões habitantes, de maneira democrática e pacífica, estabelecendo prioritariamente a busca pela justiça social e um papel preponderante nos organismos multilaterais, a altura dos desafios de transformar-nos em liderança regional e global dos países em desenvolvimento e fazer com que ouçam uma agenda por tempo demais ignorada pelos mais ricos, do mundo e daqui.
O momento atual é de tensão no mercado internacional, graves crises afetam as economias dos países mais ricos do planeta. A Europa presencia, dramaticamente, o fracasso da zona do euro e os Estados Unidos um colapso de seu sistema financeiro, desregulado e demasiadamente injusto, produzindo milhões de desempregados onde antes sonhava-se uma prosperidade contínua e quando seus jovens conseguiriam juntar o primeiro milhão.
Onde situa-se o Brasil neste contexto?
Equilibrado, com sua situação fiscal elogiada interna e externamente, por especialistas e organismos respeitados.
Não há desemprego que gere convulsões sociais, como na Grécia, Estados Unidos e Espanha, que superou os 21% de desocupação estes dias, muito pelo contrário nossos índices estão situados entre os melhores da comunidade internacional, muito próximos de configurarem um estado de pleno emprego.
Mas o que se lê na imprensa daqui é um desestimulo ao investimento e ao planejamento de médio/longo prazo do setor produtivo e conselhos, mal disfarçados, para que as famílias parem de consumir como fazem até o momento.
Por que?
Porque Waack e Fernando Rodrigues estão a serviço da inteligência estadunidense e a desserviço da soberania nacional. Não somente eles, mas um conjunto de jornalistas, analistas políticos e econômicos, somados a algumas empresas de comunicação que desprezam a realidade e apostam (e até estimulam) na piora dos cenários que sustentam a estabilidade econômica e social brasileiras, para poderem, enfim, gabarem-se de suas certezas ultrapassadas.
Estas pessoas simbolizam a traição e o golpe contra o orgulho de sermos brasileiros, representam a terrível sensação de que não podemos caminhar nossos próprios rumos, com nossos próprios pés, que precisamos tirar os sapatos para entrar nos países ricos e abaixar a cabeça para os poderosos, sem emitir qualquer opinião ou discordância, a espera de agrados que se sirvam a poucos, mas afortunados subservientes bobos da corte infiltrados.
Leia Mais ►

Do orgulho à encrenca

Como foi a construção da Ponte do Guaíba
A ponte do Guaíba foi a solução para um baita problema. Hoje ela é um baita problema que aguarda solução.
Imagens da construção da ponte do Guaíba. 
Fotos: José Abraham/Acervo de Alfonso Abraham.
Nos anos 1950, as estradas que ligavam o resto do país à capital do Estado esbarravam no quase intransponível Delta do Jacuí para ir ao sul, e mesmo ao oeste. A ligação era feita por barcas do Daer (Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem) que saíam da Vila Assunção, levando veículos e passageiros numa viagem de 20 minutos – mais outros 40 minutos para embarque e desembarque.
Em 1953, quando o movimento era de 600 veículos e mais de mil passageiros por dia, o sistema exigia alternativas. Cinco anos depois, em 28 de dezembro de 1958, foi inaugurado o complexo de quatro pontes da sonhada travessia rodoviária, que foi denominada Régis Bittencourt, em homenagem ao primeiro diretor do DNER (Departamento Nacional de Estradas de Rodagem). Em 1962, o governador Leonel Brizola mudou o nome da ponte do Guaíba para Travessia Getúlio Vargas, mas o nome não foi reconhecido pelo governo federal.
A parte mais vistosa e complexa da obra foi a construção do vão móvel, que se tornou um dos cartões-postais da cidade. Sustentado por quatro torres de 43m de altura, um trecho de 58m de extensão – que pesa 400 toneladas – pode ser elevado mecanicamente a 24m, permitindo a passagem de embarcações de médio porte.
O que já foi tecnologia de ponta e orgulho gaúcho agora causa a inconveniente interrupção do fluxo de 40 mil veículos por dia e se revela uma grande encrenca.
Pane no sistema de freios do vão móvel paralisa o trânsito de veículos 
na ponte do Guaíba. 
Foto: Fernando Gomes
Os engenheiros alemães autores do projeto previram que poderíamos ter problemas 35 anos depois da inauguração. Como a ponte tem 53 anos e nada foi feito, aí estão eles. Estamos 18 anos atrasados. Dá para entender?
Colaborou Alfonso Abraham
Fonte: Blog Almanaque Gaúcho
No Hidrovias Interiores
Leia Mais ►

Presidenta Dilma Rousseff deseja rápida recuperação ao ex-presidente Lula

A presidenta Dilma Rousseff divulgou hoje (29) nota à imprensa em que deseja a “rápida recuperação do presidente Lula”. No texto, ela diz que como “Presidenta da República e ex-ministra do presidente Lula, mas, sobretudo, como sua amiga, companheira, irmã e admiradora” estará ao lado dele com apoio e amizade para acompanhar a superação de mais esse obstáculo.
Leia abaixo a nota oficial.
Em meu nome e de todos os integrantes do governo, junto-me neste momento ao carinho e à torcida de todo o povo brasileiro pela rápida recuperação do presidente Lula.
Graças aos exames preventivos, a descoberta do tumor foi feita em estágio que permite seu tratamento e cura. Como todos sabem, passei pelo mesmo tipo de tratamento, com a competente equipe médica do Hospital Sírio Libanês, que me levou à recuperação total. Tenho certeza de que acontecerá o mesmo com o presidente Lula.
O presidente Lula é um líder, um símbolo e um exemplo para todos nós. Tenho certeza de que, com sua força, determinação e capacidade de superação de adversidades de todo o tipo, vai vencer mais esse desafio. Contará também, para isso, com o apoio e a força de D.Mariza.
Como Presidenta da República e ex-ministra do presidente Lula, mas, sobretudo, como sua amiga, companheira, irmã e admiradora, estarei a seu lado com meu apoio e amizade para acompanhar a superação de mais esse obstáculo.
Dilma Rousseff
Presidenta da República Federativa do Brasil
Leia Mais ►

ENEM: PiG torce pelo crime. Jahilton é seu herói

Saiu na Folha:
Aluno aponta possível responsável por vazar questões do Enem
DE SÃO PAULO
Mensagens postadas no Twitter de um estudante dizem que os cadernos distribuídos aos alunos do colégio Christus, em Fortaleza, com questões iguais às que caíram no Enem, foram entregues por uma pessoa identificada como Jahilton. O site da escola informa que há um docente de física com esse nome. A Folha não o localizou.
O MEC (Ministério da Educação) confirmou nesta quinta-feira que 14 questões que estavam em apostila distribuída a alunos da instituição foram copiadas de dois dos 32 cadernos de pré-teste do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) aplicado no ano passado na escola.
Pela rede social, o estudante escreveu em 22 de outubro, primeiro dia de provas do exame: “O Christu mitou. Caiu 8 questões iguais do Enem que tava no nosso caderninho. Valeu Jahilton”.
No dia 26 de outubro, o mesmo estudante postou: “só quero ver o que o Jahilton vai far amanhã, ja que foi ele que entregou esses cadernos.”
(…)
O PiG e o Padim Pade Cerra (a corda e a caçamba) detestam o ENEM.
Porque o ENEM é a banda larga para o pobre entrar na universidade.
(Na USP, a porta de entrada de estudantes – que portam maconha – é com a polícia atrás.
A PM de São Paulo não leva o neo-FHC, o da maconha, a sério …)
E na campanha para impedir o acesso do pobre à universidade, o PiG incentiva o crime.
O excelente ministro Fernando Haddad ameaça processar o Globo, que, para desmanchar o ENEM, pode ter andado em cima da linha da criminalidade.
Agora, o PiG torce pelo Jahilton.
Que bom que o Jahilton do Ceará desmoralizou o ENEM.
O Jahilton deveria ser estagiário da Veja e tentar invadir o apartamento do Jose Dirceu em Brasília.
É desses heróis que vive o PiG.
Contra a Dilma, o Lula e o pobre – o crime compensa.
E Ley de Medios que é bom…
Em tempo: o que a Justiça do Ceará tem contra o ENEM? Por que essa fixação?
Paulo Henrique Amorim
No Conversa Afiada
Leia Mais ►

PSDB cobra 25% de propina em Alagoas

MACEIÓ (AL) - Cadê as provas? Toda vez que aparece uma denúncia de corrupção, a primeira providência do acusado é cobrar as provas do crime. Como ninguém costuma passar recibo registrado em cartório e com firma reconhecida para dar quitação da propina, na maioria dos casos não acontece nada e a maracutaia continua.
Pois aqui em Maceió, onde estou participando da V Bienal Internacional do livro de Alagoas, a Polícia Federal está investigando as provas de que o governo do PSDB cobrou 25% de propina para pagar uma dívida de R$ 3,3 milhões com o Banco Panamericano, a 60 dias das eleições de 2010, em que o governador Teotonio Vilela Filho foi reeleito.
"Wilson, na reunião realizada ontem a pedido do governo de Alagoas, o Dr. Luiz Otávio Gomes, Secretário de Estado, ratificou que a única forma de liquidarem o débito é efetuar o pagamento na forma abaixo, ou seja, retorno de 25% sobre o principal e devolução integral da correção monetária", diz um dos e-mails apreendidos pela PF, enviado por Luiz Carlos Parandin a Wilson Roberto de Aro, ambos dirigentes do Panamericano época em que o banco de Silvio Santos quebrou, deixando um rombo de 4,3 bilhões de reais.
Comentário do analista da Polícia Federal que consta do inquérito: "...e uma taxa chamada "RETORNO" que deverá ser paga pelo banco a cada repasse do governo alagoano na forma de doação de campanha para o PSDB mediante recibo ou emissão de nota fiscal por empresa que será indicada pelo secretário".
O nome de Luiz Otávio Gomes, secretário de Planejamento e Desenvolvimento Econômico do Estado, chamado por aqui de "super-secretário" é citado várias vezes na troca de correspondências que fazem parte do inquérito da Polícia Federal aberto por determinação do juiz Douglas Camarinha,da 6ª Vara Criminal da Justiça Federal.
O superintendente da PF em Alagoas, delegado Amaro Vieira, informou à "Gazeta de Alagoas", o jornal da família Collor de Mello, que, se houver necessidade, o governador Teotonio Vilela Filho poderá ser chamado para prestar depoimento.
No acerto feito entre o governo e o banco para o pagamento da dívida de R$ 3,3 milhões em quatro parcelas, o PSDB ficaria com uma taxa de retorno de 25% sob a rubrica "doação, no total de R$ 678,5 mil destinados ao "caixa dois" do partido que deveria ser repassado em espécie, ou seja, em grana viva.
O objetivo do inquérito da PF é investigar "provável ocorrência de corrupção passiva e ativa". Não é o único caso que está dando trabalho para a PF em Alagoas, "quase sempre em primeiro lugar no Brasil nos piores índices de desenvolvimento social", como registra o jornal dos Collor. Dos 102 municíos do Estado, há investigações em curso em 91 deles - 50 novos inquéritos foram abertos este ano.
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 877

Leia Mais ►

Abandonando o barco

Em retirada - ACM Neto: ele também está desistindo do DEMo
ACM Neto está negociando com Geddel Vieira Lima o seu ingresso no PMDB. As conversas andam céleres, mas Neto só dará bye-bye ao DEMo depois de deixar a liderança do partido, no início de 2012. Não quer perder a visibilidade que o cargo lhe confere.
Lauro Jardim
Leia Mais ►