4 de set de 2011

PT aprova limitação do número de mandatos parlamentares

Deputados poderão exercer até 3 mandatos consecutivos; senadores, 2.
Delegados do 4º Congresso Nacional aprovaram novo estatuto da legenda.
Delegados do PT aprovaram na noite deste sábado (3), no 4º Congresso Nacional, em Brasília, uma alteração no estatuto do partido que limita a quantidade sucessiva de mandatos de vereadores, deputados federais, estaduais e distritais e senadores.
A partir de 2014, vereadores e deputados poderão exercer três mandatos consecutivos pela legenda e senadores, dois. Os atuais detentores de mandatos legislativos entram "zerados" na disputa de 2014.
A proposta enfrentou resistência da cúpula, e só foi dada como aprovada após três votações. O objetivo seria estimular a renovação dos candidatos do partido.
"O PT quer dar o exemplo. Nós defendemos a lista fechada e muitos argumentam contra, dizendo não haver renovação. Então nós vamos fazer isso desde já", disse o deputado federal Reginaldo Lopes (MG), um dos defensores da proposta.
Leia Mais ►

Semana da Pátria: Será que a Globo é imbecil?

Vejam a pérola da Globo: “Foi a primeira vez, desde que assumiu a Presidência, que Dilma prestigiou a cerimônia”. Quantas “Semanas da Pátria” a Globo acha que existe em um ano? Este é o primeiro ano de governo Dilma.
A Globo ao tentar confundir seus leitores, acaba confundindo-se. Todo primeiro final de semana do mês, a bandeira brasileira na Praça dos Três Poderes é trocada e foi a primeira vez que Dilma participou da cerimônia, mas na ânsia de criticar e falar mal de tudo, eles acabaram se confundindo.
No Frases da Dilma
Leia Mais ►

Musical da Legalidade começando nesse momento AO VIVO, IMPERDÍVEL!

Leia Mais ►

"Los impuestos sobre la tierra son de una Izquierda Regresista"

El tipo es mediocre y mentiroso
hasta en español
La instalación del "Plan Real" en 1994 para solucionar el problema endémico de la inflación en Brasil catapultó a Fernando Henrique Cardoso desde el Ministerio de Economía al sillón presidencial en 1995, lugar que ocupó por dos períodos, hasta 2002. Sociólogo recibido en la Universidad de San Pablo y profesor de varias universidades, durante los años `60 Cardoso fue uno de los principales ideólogos de la Teoría de la dependencia, que postula que el orden mundial propicia y profundiza el subdesarrollo de los países del tercer mundo en beneficio de los países desarrollados. Durante su mandato llevó adelante la privatización de grandes empresas estatales, controló la inflación y enfrentó una crisis económica que derivó en la devalución del real en 1999. Hoy es presidente honorario del Partido de la Social Democracia Brasilera (PSDB).
"Normalmente no hablo de educación. Yo soy profesor, no educador", aclaró en línea con su perfil académico el expresidente brasileño Fernando Henrique Cardoso, que visitó Montevideo esta semana para inaugurar el primer Congreso Intercultural de Educación que organizó la escuela y liceo Elbio Fernández. El exmandatario y sociólogo, que llegó a Montevideo invitado por el expresidente Julio María Sanguinetti, festejó sus 80 años en junio. El hecho motivó a la actual presidenta Dilma Rousseff a reconocer la gestión de Cardoso, aunque Lula guardó silencio. En Montevideo, Cardoso habló de la "anestesia" que provocó Lula en los brasileños, la corrupción en su país, las perspectivas ante la crisis económica mundial, los gobiernos de izquierda, Mujica y las medidas de "agresión a la propiedad" que se aplican.
Hace un tiempo usted dijo que desde los tiempos de Lula Brasil está como anestesiado, y que no se llevan adelante algunos cambios fundamentales.
Sí. Brasil ahora vive un momento de euforia. Porque hay un crecimiento económico, que no es tan grande como se imagina. El crecimiento promedio de Brasil no es elevado, sigue siendo de alrededor de 4% que en comparación con Chile o con Paraguay no es tanto. Pero sin embargo el crecimiento es continuado, y eso da una cierta sensación de que estamos mejorando. Lo cual es verdad. Pero eso disminuyó un poco la capacidad crítica. La gente acepta con más docilidad las decisiones, porque todo va bien, la nave va. Es un poco un fenómeno de anestesia. Principalmente a lo que hace a la corrupción. Que es muy fuerte, y es escandalosa, pero no pasa nada. Hay denuncias, a menudo las personas tienen que salir de sus cargos, pero la sociedad no reacciona. Yo creo que corrupción siempre hay, pero quien está en el gobierno no puede dar excusas a la corrupción, tiene que estar en contra. En los momentos de Lula se decía `No es tan grave, son los compañeros`. Creo que la presidenta actual está reaccionando en contra de eso.
Esta semana se supo que Brasil creció menos de lo esperado en el trimestre. ¿Cree que se acerca una nueva crisis?
Lo que pasó es que el ministro reconoció que la economía no va a crecer como él esperaba. Pero las previsiones del ministro siempre son buenas. Esto es lo que pasa siempre. Ahora, ¿si la crisis actual puede alcanzarnos? Yo creo que sí. No en la forma dramática como nos ha alcanzado en otros momentos, porque tenemos reservas y porque el epicentro de la crisis no está acá, está allá. Pero ya está alcanzando, ya está afectando. Porque la inestabilidad de los mercados nos afecta, mañana o pasado puede que haya disminución del flujo de capitales. Pero especialmente lo que puede afectar es si hay una detracción más fuerte que alcance a China. Porque China fue una especie de salvación para toda la región. Los chinos comen más y necesitan minerales, y nosotros producimos comida y tenemos minerales.
¿Cómo se imagina el futuro de la región?
La región toda pasa por un momento positivo. No es por el gobierno tal o el gobierno cual. Porque esto viene del boom anterior de la economía mundial y de la continuidad de ese boom en China. Además de que también hicimos ajustes fiscales. De una manera u otra la gente aprendió a gastar más equilibradamente sus presupuestos. En promedio la región saldó su deuda externa, aprendió a controlar sus presupuestos y algunos países aprendimos también a redistribuir mejor la renta. En base a programas que son llamados de "income transfer", de transferencias de dinero a la población. Yo inicié esos programas en Brasil, y Lula los llevó al extremo.
¿Cree que esos mecanismos son efectivos para mejorar la economía?
Son positivos, pero hay que también estar alerta, porque eso no es desarrollo, eso es transferencia de renta, y no hubo un crecimiento correspondiente de la economía con vigor suficiente para no necesitarlos. Salvo quizás en Chile, donde hubo un progreso más visible, en los demás países son parches. Son buenos parches, llevan a ese alivio de la presión, pero no significa que el país esté consolidado en una economía de mercado.
¿Se puede pensar en sacar esas transferencias?
Yo creo que es muy difícil. Porque, por una parte, todavía la situación las requiere. Y si se sacan, la gente pierde mucha capacidad de compra y sería desastroso. Por otro lado, tampoco la gente aceptaría que se las quiten, y ese es un lado un poco perverso, por eso las transferencias de dinero se deben hacer con criterio. Para la gente que ya tenga posibilidades de mantenerse por sí mísma, se deben ir bajando.
¿Cómo ve al presidente José Mujica?
No lo conozco personalmente. Lo veo como un tipo simpático. Parece una persona sencilla, de sentido común, que habla lo que piensa. Y que en conjunto es más bien un tipo libertario, más que dogmático.
Quizás se parezca a Lula en que ambos provienen de la militancia radical pero no aplicaron medidas tan radicales.
Lula nunca fue radical. Nunca tuvo militancia ninguna de izquierda. Él empezó en eso cuando el régimen ya estaba liquidado. Lula era un líder sindical. Un "trade unionist".
Pero de concepciones radicales.
Tampoco, no. Lula nunca fue radical. Lula habla cosas radicales, pero no es. En su comportamiento nunca fue radical. Siempre fue negociador. Lula era un líder sindical que negociaba. Y no tiene una concepción propiamente de izquierda. Lula quiere el bien general. Eso sí se aplicaría a Dilma. Ella sí tenía una visión de izquierda. Y sin embargo, ahora cambió. La gente cambia con las posiciones que ocupa. Eso no significa que no tenga sus principios, pero sabe que la vida también obliga a ciertos ajustes.
¿A usted le pasó algo parecido?
En mucho menor escala. Yo nunca fui radical en ese sentido. Yo todavía me considero de izquierda, en el sentido de una izquierda moderna, que no tiene que ver con el estatismo, con la idea de que el Estado soluciona todo. Es una izquierda más liberal. Creo que el gobierno debe tener algunos instrumentos de regulación. Pero siempre con cuidado de evitar el control corporativo. Ese es el gran enemigo de la democracia: el corporativismo. O sea, grupos que se organizan, que hablan como si fuera en nombre de la sociedad pero en realidad hablan por sus propios intereses. Y la izquierda contemporánea es muy corporativa.
En un momento de fuertes inversiones en Uruguay el gobierno plantea un impuesto a la tierra. ¿En Brasil hay políticas similares?
-El movimiento de los Sin Tierra es fuerte, aunque ahora perdieron mucha fuerza. Yo siempre he sido partidario de la reforma agraria. Y la hicimos en Brasil, y Lula la mantuvo. Pero eso tiene límites. Porque hay que darle tierras a los que saben trabajarlas. Y hay que vincularlos a la economía de mercado. Yo creo que hoy la presión sobre la tierra es más que nada política. Entonces se ponen invasiones sin sentido, algunas de cariz nítidamente regresivo. Creo que es una demostración de atraso cultural. Hay un sector de la izquierda que se volvió regresista. ¿Quién se imagina que en el mundo actual todavía es posible crear una agricultura en base a unidades familiares pequeñas? Normalmente son medidas más en un sentido simbólico de agresión al principio de propiedad, que propiamente en miras de mejorar la productividad o las condiciones de vida de las personas.
En cuanto al Mercosur, ¿cree que en los últimos tiempos se ha vuelto un bloque más político que económico?
Sí. No tanto el Mercosur como la Unasur. Cuando yo estaba en el gobierno, me di cuenta de que el Mercosur no marchaba bien, porque quedó a mitad de camino. La idea de crear una unidad aduanera fue ambiciosa, pero nunca lo logramos completamente, por las perforaciones, porque cada país hace sus excepciones. Luego no hemos progresado realmente en la interconexión de los capitales. No progresamos en la distribución del proceso productivo en el espacio geográfico; hay una enorme concentración en Brasil. Durante mi gobierno propuse crear ejes de desarrollo infraestructural, de carreteras, energía y telecomunicaciones. Hicimos la conexión de gas con Bolivia, interconectamos la red con Argentina. Fue un comienzo. La idea era que la unión fuera basada en intereses comunes en la parte económica. Ahora se desplazó esta preocupación económica por una preocupación política. ¿Unidad política frente a quién? A Estados Unidos. Y eso perdió un poco de sentido también, porque Estados Unidos ya no tiene el rol que tenía antes.
Uruguay mantiene algunos diferendos con Argentina, en cuanto a trabas comerciales y desacuerdos energéticos. ¿Qué postura cree que debería tomar Brasil como socio principal del Mercosur?
Creo que Brasil en esas materias no ha estado a la altura de su porte. Porque empezó a hablar mucho de liderazgo, pero los líderes tienen que actuar, y no hemos actuado. En el caso de la papelera (Botnia) no hemos actuado y dejamos espacio para que otros tomaran el lugar. Brasil tiene la cosa un poco ambigua de tener simultáneamente la visión de liderazgo y el miedo de que ese liderazgo le cueste resentimiento. Entonces queda un poco al margen. Igual pasó con Bolivia, que nos ha expropiado Petrobras. Y nosotros lo aceptamos. Brasil tiene siempre esa ambigüedad, entre asumir su rol y querer ser amado por todos.
"Brasil está anestesiado, sobre todo en cuanto a la corrupción".
Veo a Mujica como un tipo simpático. Parece una persona que habla lo que piensa y un tipo libertario más que dogmático".
Lula nunca fue radical. Habla cosas radicales, pero no es. Lula no tiene una concepción de izquierda, quiere el bien general".
Gremios no aceptan evaluación
¿Qué situación enfrenta Brasil en materia educativa?
El tema está todo el tiempo sobre el tapete. Lo que pasa es que tenemos por primera vez que contar con la masificación de la educación. En Brasil las escuelas han sido siempre escuelas de elite, para pocos. Eso no se justifica más. Entonces eso requiere metodología, estandarización, utilización de algunos elementos electrónicos, computadoras, etc. Y en el caso brasileño hay otro problema. Principalmente por las grandes migraciones internas y por la movilidad social muy fuerte, las familias no tuvieron el mismo entrenamiento que tienen los niños. Entonces no tienen cómo darles soporte. Y la cultura tradicional se rompió. La gente se da de frente con la modernidad, sin un colchón. Entonces eso hace que la escuela tenga un sobrepeso.
¿Hay choques con los sindicatos?
Sí, hay mucha resistencia sindical. Por ejemplo, no aceptan, no les gusta vincular la remuneración al desempeño. No les gusta la evaluación. Pero no hay buena educación sin evaluación.
¿Qué medidas se podrían tomar ante la falta de mano de obra calificada?
Creo que abrir más las puertas a la mano de obra calificada de otros países. Es un buen momento para eso y Brasil hoy atrae mucha gente. Nuestras leyes son muy restrictivas y no debieran de ser. Debieran de ser como fueron en otras épocas y como hicieron los norteamericanos para atraer más gente de afuera. Pero eso no se sustenta a largo plazo, hay que formar gente de todas maneras. Y ahí hay cuellos de botella.
Pilar Besada
No Noticias del Uruguay
Leia Mais ►

O desafio de Malafaia aos blogueiros

O desprezível Silas Malafaia, no programa da semana passada (pois nessa semana ele está reprisando pela enésima vez a profetada gospel do Morris Cerullo), incitou os sites e blogs apologéticos, que criticam sua famigerada Teologia da Prosperidade, a postar o vídeo onde ele chama os blogueiros de “filhos do diabo”.
Pois bem, Silas, abaixo está o vídeo.
Que meda!
No Opinião & Cia
Leia Mais ►

Os evangélicos e a ditadura militar

Documentos inéditos do projeto Brasil: Nunca Mais - até agora guardados no Exterior - chegam ao País e podem jogar luz sobre o comportamento dos evangélicos nos anos de chumbo
No primeiro dia foram oito horas de torturas patrocinadas por sete militares. Pau de arara, choque elétrico, cadeira do dragão e insultos, na tentativa de lhe quebrar a resistência física e moral. “Eu tinha muito medo do que ia sentir na pele, mas principalmente de não suportar e falar. Queriam que eu desse o nome de todos os meus amigos, endereços... Eu dizia: ‘Não posso fazer isso.’ Como eu poderia trazê-los para passar pelo que eu estava passando?” Foram mais de 20 dias de torturas a partir de 28 de fevereiro de 1970, nos porões do Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), em São Paulo. O estudante de ciências sociais da Universidade de São Paulo (USP) Anivaldo Pereira Padilha, da Igreja Metodista do bairro da Luz, tinha 29 anos quando foi preso pelo temido órgão do Exército. Lá chegou a pensar em suicídio, com medo de trair os companheiros de igreja que comungavam de sua sede por justiça social. Mas o mineiro acredita piamente que conseguiu manter o silêncio, apesar das atrocidades que sofreu no corpo franzino, por causa da fé. A mesma crença que o manteve calado e o conduziu, depois de dez meses preso, para um exílio de 13 anos em países como Uruguai, Suíça e Estados Unidos levou vários evangélicos a colaborar com a máquina repressora da ditadura. Delatando irmãos de igreja, promovendo eventos em favor dos militares e até torturando. Os primeiros eram ecumênicos e promoviam ações sociais e os segundos eram herméticos e lutavam contra a ameaça comunista. Padilha foi um entre muitos que tombaram pelas mãos de religiosos protestantes.
O metodista só descobriu quem foram seus delatores há cinco anos, quando teve acesso a documentos do antigo Sistema Nacional de Informações: os irmãos José Sucasas Jr. e Isaías Fernandes Sucasas, pastor e bispo da Igreja Metodista, já falecidos, aos quais era subordinado em São Paulo. “Eu acreditava ser impossível que alguém que se dedica a ser padre ou pastor, cuja função é proteger suas ovelhas, pudesse dedurar alguém”, diz Padilha, que não chegou a se surpreender com a descoberta. “Seis meses antes de ser preso, achei na mesa do pastor José Sucasas uma carteirinha de informante do Dops”, afirma o altivo senhor de 71 anos, quatro filhos, entre eles Alexandre, atual ministro da Saúde da Presidência de Dilma Rousseff, que ele só conheceu aos 8 anos de idade. Padilha teve de deixar o País quando sua então mulher estava grávida do ministro. Grande parte dessa história será revolvida a partir da terça-feira 14, quando, na Procuradoria Regional da República, em São Paulo, acontecerá a repatriação das cópias do material do projeto Brasil: Nunca Mais. Maior registro histórico sobre a repressão e a tortura na ditadura militar (leia quadro na pág. 79), o material, nos anos 80, foi enviado para o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), organização ecumênica com sede em Genebra, na Suíça, e para o Center for Research Libraries, em Chicago (EUA), como precaução, caso os documentos que serviam de base do trabalho realizado no Brasil caíssem nas mãos dos militares. De Chicago, virá um milhão de páginas microfilmadas referentes a depoimentos de presos nas auditorias militares, nomes de torturadores e tipos de tortura. A cereja do bolo, porém, chegará de Genebra – um material inédito composto por dez mil páginas com troca de correspondências entre o reverendo presbiteriano Jaime Wright (1927 – 1999) e o cardeal-arcebispo emérito de São Paulo, dom Paulo Evaristo Arns, que estavam à frente do Brasil: Nunca Mais, e as conversas que eles mantinham com o CMI.
Somente em 1968, quatro anos após a ascensão dos militares ao poder, o catolicismo começou a se distanciar daquele papel que tradicionalmente lhe cabia na legitimação da ordem político-econômica estabelecida. Foi aí, quando no Brasil religiosos dominicanos como Frei Betto passaram a ser perseguidos, que a Igreja assumiu posturas contrárias às ditaduras na maioria dos países latino-americanos. Os protestantes, por sua vez, antes mesmo de 1964, viveram uma espécie de golpe endógeno em suas denominações, perseguindo a juventude que caminhava na contramão da ortodoxia teológica. Em novembro de 1963, quatro meses antes de o marechal Humberto Castelo Branco assumir a Presidência, o líder batista carismático Enéas Tognini convocou milhares de evangélicos para um dia nacional de oração e jejum, para que Deus salvasse o País do perigo comunista. Aos 97 anos, o pastor Tognini segue acreditando que Deus, além de brasileiro, se tornou um anticomunista simpático ao movimento militar golpista. “Não me arrependo (de ter se alinhado ao discurso dos militares). Eles fizeram um bom trabalho, salvaram a Pátria do comunismo”, diz.
Assim, foi no exercício de sua fé que os evangélicos – que colaboraram ou foram perseguidos pelo regime – entraram na alça de mira dos militares (leia a movimentação histórica dos protestantes à pág. 80). Enquanto líderes conservadores propagavam o discurso da Guerra Fria em torno do medo do comunismo nos templos e recrutavam formadores de opinião, jovens batistas, metodistas e presbiterianos, principalmente, com ideias liberais eram interrogados, presos, torturados e mortos. “Fui expulso, com mais oito colegas, do Seminário Presbiteriano de Campinas, em 1962, porque o nosso discurso teológico de salvação das almas passava pela ética e a preocupação social”, diz o mineiro Zwinglio Mota Dias, 70 anos, pastor emérito da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil, da Penha, no Rio de Janeiro. Antigo membro do Centro Ecumênico de Documentação e Informação (Cedi), que promovia reuniões para, entre outras ações, trocar informações sobre os companheiros que estavam sendo perseguidos, ele passou quase um mês preso no Doi-Codi carioca, em 1971. “Levei um pescoção, me ameaçavam mostrando gente torturada e davam choques em pessoas na minha frente”, conta o irmão do também presbiteriano Ivan Mota, preso e desaparecido desde 1971. Hoje professor da Universidade Federal de Juiz de Fora, Dias lembra que, enquanto estava no Doi-Codi, militares enviaram observadores para a sua igreja, para analisar o comportamento dos fiéis.
Segundo Rubem Cesar Fernandes, 68 anos, antropólogo de origem presbiteriana, preso em 1962, antes do golpe, por participar de movimentos estudantis, os evangélicos carregam uma mancha em sua história por convidar a repressão a entrar na Igreja e perseguir os fiéis. “Os católicos não fizeram isso. Não é justificável usar o poder militar para prender irmãos”, diz ele, considerado “elemento perigoso” no templo que frequentava em Niterói (RJ). “Pastores fizeram uma lista com 40 nomes e entregaram aos militares. Um almirante que vivia na igreja achava que tinha o dever de me prender. Não me encontrou porque eu estava escondido e, depois, fui para o exílio”, conta o hoje diretor da ONG Viva Rio.
O protestantismo histórico no Brasil também registra um alto grau de envolvimento de suas lideranças com a repressão. Em sua tese de pós-graduação, defendida na Universidade Metodista de São Paulo (Umesp), Daniel Augusto Schmidt teve acesso ao diário do irmão de José, um dos delatores de Anivaldo Padilha, o bispo Isaías. Na folha relativa a 25 de março de 1969, o líder metodista escreveu: “Eu e o reverendo Sucasas fomos até o quartel do Dops. Conseguimos o que queríamos, de maneira que recebemos o documento que nos habilita aos serviços secretos dessa organização nacional da alta polícia do Brasil.” Dono de uma empresa de consultoria em Porto Alegre, Isaías Sucasas Jr., 69 anos, desconhecia a história da prisão de Padilha e não acredita que seu pai fora informante do Dops. “Como o papai iria mentir se o cara fosse comunista? Isso não é delatar, mas uma resposta correta a uma pergunta feita a ele por autoridades”, diz. “Nunca o papai iria dedar um membro da igreja, se soubesse que havia essas coisas (torturas).” Em 28 de agosto de 1969, um exemplar da primeira edição do jornal “Unidade III”, editado pelo pai do ministro da Saúde, foi encaminhado ao Dops. Na primeira página, há uma anotação: “É preciso ‘apertar’ os jovens que respondem por este jornal e exigir a documentação de seu registro porque é de âmbito nacional e subversivo.” Sobrinho do pastor José, o advogado José Sucasas Hubaix, que mora em Além Paraíba (MG), conta que defendeu muitos perseguidos políticos durante a ditadura e não sabia que o tio havia delatado um metodista. “Estou decepcionado. Sabia que alguns evangélicos não faziam oposição aos militares, mas daí a entregar um irmão de fé é uma grande diferença.”
Nenhum religioso, porém, parece superar a obediência canina ao regime militar do pastor batista Roberto Pontuschka, capelão do Exército que à noite torturava os presos e de dia visitava celas distribuindo o “Novo Testamento”. O teólogo Leonildo Silveira Campos, que era seminarista na Igreja Presbiteriana Independente e ficou dez dias encarcerado nas dependências da Operação Bandeirante (Oban), em São Paulo, em 1969, não esquece o modus operandi de Pontuschka. “Um dia bateram na cela: ‘Quem é o seminarista que está aqui?’”, conta ele, 21 anos à época. “De terno e gravata, ele se apresentou como capelão e disse que trazia uma “Bíblia” para eu ler para os comunistas f.d.p. e tentar converter alguém.” O capelão chegou a ser questionado por um encarcerado se não tinha vergonha de torturar e tentar evangelizar. Como resposta, o pastor batista afirmou, apontando para uma pistola debaixo do paletó: “Para os que desejam se converter, eu tenho a palavra de Deus. Para quem não quiser, há outras alternativas.” Segundo o professor Maurício Nacib Pontuschka, da Pontifícia Universidade Católica (PUC), de São Paulo, seu tio, o pastor-torturador, está vivo, mas os dois não têm contato. O sobrinho também não tinha conhecimento das histórias escabrosas do parente. “É assustador. Abomino tortura, vai contra tudo o que ensino no dia a dia”, afirma. “É triste ficar sabendo que um familiar fez coisas horríveis como essa.”
Professor de sociologia da religião na Umesp, Campos, 64 anos, tem uma marca de queimadura no polegar e no indicador da mão esquerda produzida por descargas elétricas. “Enrolavam fios na nossa mão e descarregavam eletricidade”, conta. Uma carta escrita por ele a um amigo, na qual relata a sua participação em movimentos estudantis, o levou à prisão. “Fui acordado à 1h por uma metralhadora encostada na barriga.” Solto por falta de provas, foi tachado de subversivo e perdeu o emprego em um banco. A assistente social e professora aposentada Tomiko Born, 79 anos, ligada a movimentos estudantis cristãos, também acredita que pode ter sido demitida por conta de sua ideologia. Em meados dos anos 60, Tomiko, que pertencia à Igreja Evangélica Holiness do Brasil, fundada pelo pai dela e outros imigrantes japoneses, participou de algumas reuniões ecumênicas no Exterior. Em 1970, de volta ao Brasil, foi acusada de pertencer a movimentos subversivos internacionais pelo presidente da Fundação Nacional do Bem-Estar do Menor, onde trabalhava. Não foi presa, mas conviveu com o fantasma do aparelho repressor. “Meu pesadelo era que o meu nome estivesse no caderninho de endereço de alguma pessoa presa”, conta.
Parte da história desses cristãos aterrissará no Brasil na terça-feira 14, emaranhada no mais de um milhão de páginas do Projeto Brasil: Nunca Mais repatriadas pelo Conselho Mundial de Igrejas. Não que algum deles tenha conseguido esquecer, durante um dia sequer, aqueles anos tão intensos, de picos de utopia e desespero, sustentados pela fé que muitos ainda nutrem. Para seguir em frente, Anivaldo Padilha trilhou o caminho do perdão – tanto dos delatores quanto dos torturadores. Em 1983, ele encontrou um de seus torturadores em um baile de Carnaval. “Você quis me matar, seu f.d.p., mas eu estou vivo aqui”, pensou, antes de virar as costas. Enquanto o mineiro, que colabora com uma entidade ecumênica focada na defesa de direitos, cutuca suas memórias, uma lágrima desce do lado direito de seu rosto e, depois de enxuta, dá vez para outra, no esquerdo. Um choro tão contido e vívido quanto suas lembranças e sua dor.
Rodrigo Cardoso
Na IstoÉ
Leia Mais ►

Lula no 4º Congresso Extraordinário do PT

Leia Mais ►

Pró Ali Ferzat

Leia Mais ►

Ação mais antiga do STF deve enfim entrar em pauta

Em 17 de junho de 1959, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Cezar Peluso, tinha 16 anos. Um de seus colegas de Corte, José Antonio Toffoli, nem era nascido. Nesse dia, o então procurador-geral da República, Carlos Medeiros Silva, entrou com uma ação no Supremo que até hoje não foi julgada.
É a mais antiga em tramitação no tribunal, com mais de 52 anos de idade. O primeiro relator, ministro Candido Motta Filho, aposentou-se em 1967 e morreu dez anos depois. Depois dele, outros oito ministros estiveram à frente do processo - que sempre passou de mão em mão ao longo das gerações e nunca foi decidido. Neste mês, a ação deve entrar na pauta de julgamentos do plenário. Peluso, o atual relator, recebeu o caso em 26 de junho de 2003. O voto está pronto.
Quando a ação foi proposta, o STF não ficava na Praça dos Três Poderes, em Brasília, e sim no número 241 da Avenida Rio Branco, no Rio de Janeiro. Com a mudança de endereço, em abril de 1960, a ação foi levada para a nova capital.
Os autos contabilizam 12 volumes e três apensos - ao todo, 2.449 páginas repletas de ácaro. As primeiras folhas estão amareladas e precisaram ser reconstituídas para não desintegrar. Outras páginas não resistiram ao tempo e ficam guardadas em sacos plásticos para não serem perdidas de vez. A grafia era outra, e o nome do país também: nas folhas timbradas, lê-se: República dos Estados Unidos do Brasil. Deu-se à causa o valor de Cr$ 100.000.
Leia Mais ►

O melhor comercial da história de Minas Gerais

Poizé, ontem eu comentava no twitter que existem alguns vídeos, comerciais que fizeram sucesso no passado e que por alguma razão não chegaram até hoje ao youtube.
Mencionei o comercial do MACARRÃO MARA, que eu procurava, sem sucesso, desde o início dos anos 2000. No meio da choradeira um camarada já me mandou a mensagem: o comercial já estava no youtube há 1 ano!
QUE COMERCIAL É ESSE? Ninguém tem muitas informações a respeito! Ninguém sabe de onde saiu, quem são esses caras! Aliás, o roteiro não faz sentido nenhum! O que se sabe é que em 1993 esse comercial começou a passar, salvo engano, na tv Alterosa (retransmissora do SBT em Belo Horizonte). A bizarrice do trem mesclada aos bordões "SOZIM? SOZIM NÃO!" e "Ô MACARRÃO BÃO!!" pegou na molecada dos colégios e muita, muita gente acabou marcada pelo melhor comercial da história de Minas Gerais.
Deixa só eu repetir: Isso passava na televisão desse jeito!! Era um comercial, normal! Tem que repetir porque tem gente que não acredita!!
Leia Mais ►

A verdade sobre os “piratas” da Somália

 Republico post de 29/06/2011  

Imperdível
..
Um documentário imperdível sobre o badalado assunto da pirataria nas águas internacionais da Somália (leste da África). Como sempre, a imprensa internacional oculta as motivações e a realidade dos fatos noticiados. Antes disso, trata de criar versões mentirosas e distorcidas sobre um país que vive há anos em pleno "estado de natureza", numa insólita situação hobbesiana, sem governo estabelecido, em guerra civil permanente, fome generalizada, centenas de milhares de refugiados, guerra de raças, etc.
Como se isso não bastasse, a Somália ainda é vítima da pesca ilegal de grandes companhias, mas sobretudo, mais recentemente, serve de depósito de lixo tóxico e nuclear de empresas europeias e asiáticas. Veja tudo isso em 23 minutos deste importante documentário. Ao final, você verá que o alcance geopolítico e econômico do caso somali alcança muitos e importantes interesses das esgotadas economias centrais.
Leia Mais ►

Carpenters

Leia Mais ►

Bispos ameaçados

Por lutarem contra a exploração sexual de crianças e adolescentes, religiosos do interior do Pará viraram alvo de quadrilhas que aliciam as meninas
Nos últimos anos, as denúncias de exploração sexual de crianças e adolescentes no Brasil têm se multiplicado. Como resposta, o poder público, as organizações não governamentais e os religiosos se uniram em campanhas contra as quadrilhas. Esse embate, no entanto, não é fácil e em pelo menos um recanto do País enfrentar o problema representa sério risco de vida: o interior do Pará. Ali, em pequenas cidades onde a pobreza torna mais fácil o trabalho dos aliciadores de menores e os matadores de aluguel cedem sua mão de obra por poucos reais, os principais porta-vozes da luta contra as quadrilhas são bispos católicos. Instalados há décadas na região, os religiosos sabem muito bem que quem atravessa no caminho dos criminosos vira alvo. No episódio mais recente, há quatro meses, o bispo de Marajó, dom José Luiz Ascona, 71 anos, foi avisado pela Polícia Federal que bandidos articulavam uma ação contra ele. Apesar disso, dispensa a segurança que os agentes lhe oferecem. “Que direito eu tenho de colocar em risco um pai de família?”, questiona o bispo. “Diante da morte, que pode chegar a qualquer momento, Deus me dá coragem.” Além de Ascona, também os bispos de Abaetetuba, dom Flávio Giovenale, e Altamira, dom Erwin Krautler, lutam contra a exploração sexual e sofrem ameaças por isso.
Como se não bastasse o crime, a faixa etária das crianças que sofrem abusos ou se prostituem tem baixado cada vez mais. Em um dos últimos episódios, descobriu-se uma menina de 8 anos que sofria violência sexual. Algumas vezes, as crianças e adolescentes trocam dinheiro por sexo com a aprovação das próprias famílias, que geralmente sofrem com a pobreza. “Há pais que sabem e outros que fingem não saber, pois se beneficiam da renda que as adolescentes levam para casa”, conta dom Flávio Giovenale, 57 anos, bispo de Abaetetuba, que fica a 60 quilômetros de Belém. Na cidade, formada por várias ilhas fluviais, o tráfego descontrolado de barcos favorece o tráfico de pessoas. Muitas jovens são levadas para o Amapá e depois cruzam a fronteira para o Suriname e para a Guiana, onde são submetidas à prostituição e ao trabalho escravo. Dom Giovenale não tem dúvida quanto à periculosidade das quadrilhas. “Aqueles que promovem a exploração sexual e o tráfico de pessoas são os mesmos que traficam drogas e armas”, diz. Apesar disso, segue o padrão de seu colega de Marajó e, mesmo denunciando constantemente a ação desses criminosos, não lança mão de segurança. “Não gostaria de morrer, mas não acho que seja o caso de andar cercado de agentes”, argumenta. A última ameaça clara contra ele aconteceu no ano passado.
Dos três, o bispo de Altamira é o único que recorre a policiais para manter longe os bandidos. Isso acontece porque dom Erwin Krautler, 72 anos, sempre fez questão de marcar sua posição em várias questões candentes. Ele denunciou conflitos agrários ao lado de Dorothy Stang, foi um dos primeiros a se posicionar contra a construção da usina de Belo Monte e fez, há alguns anos, a acusação de que crianças e adolescentes eram vítimas de exploração sexual por parte de políticos importantes da região. Isso lhe rendeu ameaças de todos os tipos que continuam até hoje e o obrigam a lançar mão de quatro policiais para garantir sua integridade. “Meus inimigos têm desejo de enriquecimento rápido e não duvido que não hesitariam em passar por cima do meu cadáver”, diz ele.
A luta dos bispos tem rendido frutos. Nos últimos anos, a ação da polícia se tornou mais frequente e vários setores da sociedade paraense estão se engajando no combate. Na última semana, os empresários do ramo hoteleiro do Estado criaram um código de conduta para evitar o chamado turismo sexual, prática que pode aumentar bastante durante a realização da Copa de 2014. Outra iniciativa importante vem do governo federal. A Secretaria de Direitos Humanos prepara um pacote de ações para prevenir a exploração sexual em áreas como Belo Monte, já que normalmente a migração intensa de operários em obras de grande porte resulta no aumento da prostituição. “Nossa atitude é totalmente preventiva, estamos planejando ações de fortalecimento dos conselhos tutelares e há uma operação já organizada para a região”, adiantou a ministra Maria do Rosário. A SDH é responsável pelo Disque 100, número que recebe reclamações de violações de direitos humanos e principalmente de exploração sexual. A ideia é boa, mas no Pará ainda não pegou. “É difícil fazer divulgação desse tipo de serviço aqui. Em muitos lugares do interior o telefone simplesmente não funciona”, explica dom Flávio Giovenale.
Como solução para o problema, os religiosos sugerem duas providências: prevenção e repressão. A primeira parte ficaria por conta das políticas de educação e criação de emprego e renda. A segunda, por conta da polícia. “De qualquer forma, notamos que as pessoas estão mais atentas ao problema. Antes muitos fingiam que não viam”, afirma dom Ascona. Para ele, esse é o primeiro estágio para a solução: “Sem conhecer a verdadeira dimensão do problema, não há como remediá-lo.”
Francisco Alves Filho
Na IstoÉ
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - 780

Leia Mais ►

Oposição sem rumo

Ao criticar as alianças de Dilma, Eduardo Graeff parece se esquecer de que o PSDB se alinhou com as mesmas siglas nos Estados que governa
Enquanto o Brasil avança com o PT no governo federal, a oposição demo-tucana permanece inerte, saudosa de um passado distante e perdida em seus próprios dilemas.
Sem propostas viáveis para o crescimento do Brasil, os velhos mandatários centralizam seus esforços em inúteis tentativas de desestabilizar o governo e o país, por meio de ataques sem provas ao PT e a seus militantes.
No último dia 23, fui grosseiramente atacado, nesta Folha, em artigo assinado pelo cientista político Eduardo Graeff, secretário-geral da Presidência da República no governo FHC. Graeff tomou versões mal-intencionadas e sem compromisso com a verdade para reembalar teses que há muito não encontram eco na sociedade.
Seu artigo "Aliados e companheiros" é uma coletânea desatualizada de equívocos e hipocrisias.
Graeff chega a dizer que, em 1998, eu teria arrecadado recursos em prefeituras para financiar campanhas do partido. Trata-se de uma mentira, de uma acusação que não se sustenta caso seja questionada judicialmente.
O episódio fantasioso se tornou público na investigação do assassinato do então prefeito de Santo André, Celso Daniel, e seu autor se retratou em juízo pelas falsas alegações. O ex-assessor tucano vai ao fundo do poço ao dar conotação política a um caso que, por duas vezes, ficou comprovado em inquéritos policiais se tratar de crime comum. Na tentativa de provocar estragos, investe até mesmo contra a imagem de Gilberto Carvalho, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência.
Graeff critica as alianças do governo Dilma. E parece se esquecer de que o PSDB se alinhou com essas mesmas siglas nos Estados que governa. O PMDB não está na base de sustentação da gestão de Geraldo Alckmin em São Paulo?
Antonio Anastasia não levou o PDT e o PSB para a base de seu governo em Minas Gerais?
E mais, o tucano mineiro não desmontou a oposição a seu governo ao tirar primeiro o PR da frente parlamentar Minas sem Censura, e agora o PMDB? José Serra, quando assumiu a Prefeitura de São Paulo, não nomeou prefeitos derrotados no Estado para as administrações regionais da cidade? Quer maior aparelhamento e uso da máquina do que esse?
Quando secretário-geral da Presidência, na hoje longínqua era FHC, parte das tarefas de Graeff não era ouvir reivindicações da base aliada a respeito da ocupação dos cargos públicos e de emendas parlamentares?
E agora vem o próprio Graeff questionar a legitimidade da participação dos partidos que apoiam o governo. Quanta hipocrisia!
Estamos dispostos a um debate mais profundo do que esse. Já realizamos as reformas da Previdência e do Judiciário e colocamos na pauta a Tributária e a do Código Civil.
Nos oito anos em que governou o país, o PSDB não foi capaz nem de apresentar uma proposta de reforma que pudesse corrigir erros históricos e estruturais de nosso sistema político-eleitoral e conter a forte influência do poder econômico em nossas eleições.
O tema também já está lançado com a reforma política. Nós, do PT, defendemos o financiamento público exclusivo das campanhas eleitorais, de forma a acabar com a contribuição direta a partidos ou candidatos e a anular a força do poder econômico na eleição. Somos favoráveis ao sistema proporcional misto, no qual o eleitor votará duas vezes: primeiro, na lista do partido de sua preferência, e depois em um candidato da própria lista.
Nossa posição é clara. Surpreende a fuga do PSDB a esse debate.
Para eles, talvez seja melhor atacar a honra alheia do que discutir questões realmente importantes para o país.
José Dirceu, 65, é advogado e ex-ministro-chefe da Casa Civil.
Na Falha
Leia Mais ►

A boa convivência entre ladeiras e 'eléctricos' em Lisboa

O centenário bonde de Lisboa continua ladeira acima
Enquanto o embarque no bonde centenário de Santa Teresa mistura a sensação de uma viagem no túnel do tempo ao de uma aventura perigosa, os passageiros desses veículos históricos em Lisboa, capital portuguesa, desfrutam de um serviço que, além de charmoso, é confiável.
A experiência na cidade, cheia de ladeiras e curvas como Santa Teresa, mostra que é possível preservar a história desse meio de transporte sem deixar que o tempo de vida dos veículos pese a ponto de fazê-los despencar morro abaixo.
Os bondes de Lisboa mantêm sua aparência original, mas passaram por remodelações que os tornaram mais seguros para moradores e turistas.
Ironicamente, a operação do sistema por lá teve origem no Rio. Em 1872, foi fundada aqui a Companhia Carris de Ferro de Lisboa, que até hoje administra os elétricos - como são chamados os bondes pelos portugueses -, além de uma frota de ônibus.
Um dos donos da nova firma, o português Francisco Cordeiro de Souza, era cônsul no Rio e, por isso, a sede da empresa ficou aqui por quatro anos. Mas as atividades da Carris foram desenvolvidas só além-mar, e o primeiro elétrico ganhou as ruas de Lisboa no dia 31 de agosto de 1901.
O aniversário de 110 anos do sistema de lá caiu na última quarta-feira, véspera da data em que os bondes de Santa Teresa completaram 115 anos. Só que as coincidências param por aí. Os moradores de Lisboa têm motivos para comemorar. Já os cariocas assistem ao auge da crise dos bondes, evidenciada com o acidente do fim de semana passado que matou cinco pessoas e feriu 57.
Na capital portuguesa, a reforma geral de 45 elétricos foi feita pela própria Carris entre 1995 e 1996. Morador de Santa Teresa, o chef de cozinha André Barreto viveu por quatro anos em Portugal e pôde sentir a diferença entre as experiências de viajar de bonde em seu bairro de origem e em Lisboa.
- Lá em Portugal, você vê que o sistema é bem cuidado. Fico até com certa raiva, porque você percebe que é plenamente possível a coisa funcionar bem. É uma questão de manutenção. Aqui, os trilhos estão muito abandonados, estragam os pneus dos carros. Os fios da rede elétrica caem a toda hora. O bonde, além de ser um transporte barato, não polui e tem tudo a ver com Santa Teresa. É meio como uma viagem no tempo. Precisa ser recuperado. Assim, ainda ficaríamos livres da correria dos ônibus - imagina Barreto.
Leia Mais ►

E agora, PT?

O PT realizou os objetivos a que se propunha quando se fundou como partido: elegeu e reelegeu seu principal dirigente, Lula, como presidente e elegeu sua sucessora. Conseguiu recolher o Brasil numa profunda recessão, com as desigualdades acentuadas na sociedade um Estado reduzido à sua mínima expressão, o perfil internacional reduzido à sua mínima expressão. Chegou ao final do governo Lula com a diminuição sensível das desigualdades, com o desenvolvimento econômico retomado, o Estado recuperando seu papel de indutor do crescimento econômico e se projetando como nunca no plano internacional com uma política externa soberana.
Tudo foi feito no marco de um governo de alianças de centro esquerda, sem poder alterar elementos estruturais herdados, como a hegemonia do capital especulativo, o peso determinante do agronegocio no campo, a ditadura da mídia privada na formação da opinião pública, entre outros.
Como principal partido da esquerda brasileira, qual sua função no período político que se abre?
Como partido de esquerda, sua função essencial é lutar pela hegemonia da esquerda no marco dessas alianças de governo. Mas o que isso significa?
Parece haver um consenso geral no PT em torno de iniciativas importantes, como a diminuição substancial da taxa de juros, a aprovação de uma reforma política que inclua o financiamento público das campanhas e outras iniciativas democratizantes, a aprovação da Comissão da Verdade, a rejeição das reformas do Código Florestal com a anistia para o desmatamento, a aprovação do marco regulatório da mídia. Representa um conjunto importante de posições.
Mas qual o marco estratégico geral pelo qual lutamos? Qual o tipo de sociedade pela qual lutamos? Que tipo de Estado necessitamos para isso?
A característica fundamental do mundo contemporâneo é a hegemonia do modelo neoliberal no marco do capitalismo. Esse modelo transformou profundamente nossas sociedades. A América Latina foi vítima privilegiada desse modelo. Depois de ditaduras militares que quebraram a capacidade de resistência do movimento popular em alguns dos principais países do continente, da crise da dívida que atingiu a todo o continente, vieram os governos neoliberais que se generalizaram praticamente por toda a região.
As transformações regressivas acumuladas incluíram a fragmentação social, em particular do mundo do trabalho; a redução do Estado a suas mínimas proporções; a desproteção dos mercados inernos; a desnacionalização das economias, entre outras. Porém o modelo neoliberal se esgotou de forma mais ou menos rápida. A crise mexicana de 1994, a brasileira de 1999 e a argentina de 2002-03, decretaram sua falência. Foi nesse marco que foram surgindo os governos de reação contra o neoliberalismo, que receberam, no entanto, pesadas heranças.
O neoliberalismo tratou de mercantilizar todas as relações sociais, incluindo o próprio Estado. O objetivo da esquerda hoje é superar o neoliberalismo, gerando as condições de uma sociedade solidaria, integrada, democrática, soberana, uma sociedade pós-neoliberal.
A avaliação do período atual, do momento em que nos encontramos e das tarefas de um partido de esquerda decorrem da avaliação de quanto avancamos na superação do neoliberalismo, das conquistas, que são pontos de apoio para avançar, e dos obstáculos a superar.
Um elemento estratégico do modelo neoliberal é a hegemonia do capital financeiro. Ao promover a desregulamentação, o neoliberalismo favoreceu essa hegemonia, porque liberado de regulamentações, o capital não se dirigiu à produção – o capital não é feito para produzir, mas para acumular, já nos ensinava Marx -, mas à especulação, onde ganha mais, com menos impostos e liquidez praticamente total.
Quebrar essa hegemonia e impor uma dinâmica predominane de crescimento econômico com expansão do mercado interno de consumo popular, com a correspondente distribuição de renda é um objetivo estratégico da luta da esquerda hoje. O capital especulativo não produz bens, nem empregos, é essencialmente um capital parasitário, que vive as custas dos outros setores, fragiliza a soberania do Estado, chantageia a sociedade, induz os piores aspectos da globalização para dentro do país.
Combinar regulamentação da circulação do capital financeiro com taxações e uso de outros mecanismos é a forma de obter esse objetivo, ao lado da indução da expansão produtiva e do crescente fortalecimento das demandas do mercado interno de consumo popular. A obtenção da taxa de juros de 2% ao final do mandato – compromisso da Dilma – será o termômetro para medir o quanto avancamos nessa direção essencial.
O poder do agronegócio no campo, com todas suas consequências negativas em termos de concentração de terras, da sua deterioração, em detrimento da economia familiar, que produz alimentos para o mercado interno e gera empregos é outro dos elementos de um modelo que tem que ser superado. O que significa avançar na democratização do acesso à terra e de apoio à economia familiar em ritmo maior do que a demanda chinesa pela exportação da soja.
O marco regulatório da mídia pode permitir no avanço para a formação democrática – e não a monopólica atualmente existente – da opinião pública, sem a qual nunca haverá uma democracia real no Brasil.
Esses aspectos são alguns dos que representam superar o processo de mercantilização generalizada que o neoliberalismo buscou impor, fortalecendo a esfera dos direitos, aquela que busca estender os direitos da cidadania a todas as esferas da sociedade.
Para isso não precisamos apenas com uma reforma democrática do processo eleitoral. Preciso de um novo tipo de Estado. O Estado que temos foi construído para perpetuar o domínio das minorias, ele tem que ser radicalmente reconstruído, refundado, para dar lugar à construção de um Estado que reflita as novas relações de poder na sociedade, governos que expressam os interesses da maioria da sociedade, em um processo de democratização que tem que se estender a todos os rincões do país, incluído o próprio Estado.
Um partido de esquerda tem que centrar sua luta na superação do neoliberalismo, na construção de um tipo de sociedade não fundado na mercantilização na competição generalizada de todos contra todos, na subordinação aos interesses externos, mas na solidariedade, na fraternidade, na generalização dos direitos a todos, no humanismo.
Leia Mais ►

Padre italiano expulso do Brasil pela ditadura tenta voltar

Padre Vito Miracapillo
Italiano busca há quase uma década reaver visto de permanência para retornar a paróquia em Pernambuco
Expulso do Brasil em 1980 - em um polêmico processo que contribuiu para agravar ainda mais o conflito entre Igreja e Estado -, o padre italiano Vito Miracapillo tenta inutilmente, há quase uma década, reaver o visto de permanência no país, onde pretende retomar o trabalho pastoral interrompido durante o regime militar.
O padre quer voltar ao município de Ribeirão, a 87 quilômetros de Recife, do qual foi pároco. E residir na Zona da Mata de Pernambuco, onde se concentra a agroindústria açucareira do estado, considerada área de tensão social pelos órgãos oficiais.
Em plena ditadura no Brasil, o padre foi incluído na Lei de Segurança Nacional e atingido pelo então recém-promulgado Estatuto do Estrangeiro, por ter se recusado a atender pedido da prefeitura para que celebrasse missa comemorativa da Independência do Brasil, em 7 de setembro de 1980 - alegando que o Brasil, sob ditadura, não era independente. Num ofício ao prefeito de Ribeirão, Salomão Correia Brasil (PDS), o padre justificou a recusa, entre outros motivos, devido "à não efetivação da independência do povo", reduzido "à condição de pedinte e desamparado dos seus direitos".
Tido como subversivo por usineiros e donos de engenho, foi criticado na Assembleia Legislativa pelo então deputado estadual Severino Cavalcanti (PDS) - o mesmo que mais tarde se tornaria presidente da Câmara dos Deputados e renunciaria com o escândalo do mensalinho, acusado de obter propina.
Abi Ackel
Severino invocou o Estatuto do Estrangeiro pela primeira vez no país, quando fez um apelo ao então ministro da Justiça, Ibrahim Abi Ackel, para que expulsasse o padre:
- Esses padres subversivos precisam ser observados - disse na época.
A expulsão envolveu uma batalha jurídica, com ordens e contraordens, que mobilizou advogados da CNBB e chegou ao Supremo Tribunal Federal, que decidiu pela expulsão do sacerdote. O decreto também mobilizou o clero no Nordeste, que promoveu em Ribeirão uma missa de desagravo ao italiano que terminou em pancadaria. Donos de engenhos, fornecedores de cana e usineiros exibiram armas na igreja e usaram o mastro de uma bandeira do Brasil para dissolver a multidão de fiéis.
Até hoje, constrangimento ao vir ao Brasil
Severino: "Não me arrependo, ele merecia punição"
O decreto de expulsão, assinado pelo então presidente João Baptista Figueiredo, foi revogado em 1993 pelo presidente Itamar Franco. Mas isso não livrou o sacerdote de constrangimentos quando vem ao Brasil e precisa passar pelo visto da Polícia Federal. Nunca deram baixa do decreto de expulsão na PF. Os agentes lhe perguntam os motivos da expulsão, fazem indagações e ratificam para ele tomar cuidado. Só pode ficar três meses, como turista.
Hoje com 64 anos, o padre não entende por que o governo cria tantas dificuldades para ele, mas concede asilo a Cesare Battisti, condenado à prisão perpétua na Itália.
- São dois casos muito diferentes, mas não consigo ver como ele (o ativista) conseguiu logo a solução do caso. Realmente não entendo essa situação - afirmou ele por telefone, de Andria, onde reside atualmente.
Na próxima semana, seus advogados, Pedro Eurico de Barros e Albézio Farias, vão a Brasília encaminhar a solicitação do padre diretamente ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Caso o impasse permaneça, vão apelar às cortes superiores.
Miracapillo acha estranho não terem dado baixa do decreto de expulsão na PF. Lembra que o Brasil mudou, que o próprio Estatuto do Estrangeiro foi alterado e que os exilados voltaram.
- É o último exilado - ironiza Pedro Eurico, que reclama dos entraves burocráticos e da falta de interesse do governo.
Os dois advogados ressaltam que não vão pedir novo visto de permanência, mas que o anterior seja revalidado.
- Houve revogação do decreto de expulsão, então, que se devolvam a ele as condições anteriores, o status quo que tinha - diz Farias.
A reação foi liderada na época pelo Sindicato dos Cultivadores de Cana. Hoje, o seu presidente, Gerson Carneiro Leão, afirma não temer mais o padre:
- Junto de outras coisas que aconteceram no Brasil, como o MST, ele pode ser considerado um pinto (algo insignificante). É bem-vindo hoje. Na época, éramos aliados do governo militar, e ele insuflava os trabalhadores nos canaviais; gostava dos pobres e era tido como incendiário. Mas a mentalidade hoje é outra. Podem vir dez Vito Miracapillos. A gente tinha medo do governo Lula e ele foi o melhor presidente para nossa categoria. Por que ter medo desse padre?
Responsável pela confusão que terminou em expulsão, o hoje prefeito de João Alfredo, Severino Cavalcanti (PP), também não se opõe ao seu retorno. Mas diz que não se arrepende:
- Já se passaram muitos anos, ele deve ter refletido muito sobre a atitude que tomou, desvalorizando o Brasil. É bom que venha agora para ver como mudou o país que tanto criticou. Não me arrependo do pronunciamento, nem de ter pedido a expulsão, porque ele merecia punição diante da tentativa de desestabilizar o governo.
No O Globo
Leia Mais ►

Dilma criará imposto para taxar corrupção

Recém saído do Atlético Paranaense, Renato Gaúcho é cotado para assumir a articulação política
SUCUPIRA - A presidenta Dilma Rousseff abandonou a ideia de ressuscitar a CPMF para financiar os gastos com a saúde. "Num ataque de bom senso bastante incomum, achei que não pegava bem exigir esse sacrifício da população em meio a tantas denúncias por aqui. Pedi para a Ideli fazer umas contas e achamos melhor taxar em 5% as verbas desviadas. Decidimos, portanto, criar o ICP: Imposto sobre Circulação de Propinas", tergiversou a presidenta.
Uma estimativa feita pela ONG Sou Laranja estimou que os recursos oriundos do ICP serão capazes de financiar a construção de 127 hospitais, 9.343 postos de saúde, 343 creches. Com o que sobrar, ainda será possível lançar campanhas de vacinação tão amplas que incluem até mesmo a imunização de animais de estimação, plânctons e personagens de ficção. "Mesmo levando em conta orçamentos superfaturados e o descumprimento da maioria dos prazos, estimamos que o impulso dado ao PIB por este novo impostos é da ordem de pelo menos 15 pontos percentuais ", disse Eliézer Roriz, doutorando em Caixa 2.
O novo imposto caiu como uma bomba no Congresso. Membros da base aliada organizaram uma áspera manifestação em frente ao Palácio do Jaburu. Um representante do PP chegou a fazer ameaças ao governo: "Se o Planalto insistir em manter esse imposto vil e pouco republicano, tomaremos medidas drásticas. Alguns deputados já falam até em trabalhar de segunda a sexta. Outros dizem que vão colocar o bem coletivo no lugar de seus interesses pessoais", esbravejou o Senador Alfredo Nascimento.
A manifestação teve apoio enérgico do Ministro do Turismo, Pedro Novais, cujo mítico vigor e empreendedorismo, segundo o próprio, será posto a serviço do combate “a mais esse desmando presidencial“.
Aturdido, ACM Neto teve uma síncope e foi socorrido por uma junta de enfermeiros. Ao se levantar, pediu o impeachment da presidenta. Álvaro Dias contraiu os músculos da face e teve uma distensão de nível 2 no botox frontal. Para espanto dos coloristas de Brasília, o seu cabelo exemplarmente tingindo de negro ficou branco em menos de cinco minutos.
Leia Mais ►

Curto e Grosso

Leia Mais ►

Milagre

Deus colocou uma barra de ouro na cabeceira de um rabino, que quando acordou e viu o que Deus tinha feito ergueu as mãos para o alto e disse:
— Senhor, quem sou eu para receber esta dádiva?
E diante do silêncio de Deus, o rabino continuou:
— Quem sou eu para ser distinguido desta maneira?
E:
— Quem sou eu para enriquecer assim, da noite para o dia?
E disse mais:
— Quem sou eu, pobre de mim, para merecer um presente tão precioso, quando tantos mais necessitados do que eu não receberam?
E mais:
— Quem sou eu, Senhor, na minha humildade, para ser abençoado por este milagre?
E Deus ficou tão impressionado com os protestos reincidentes do rabino que falou:
— Talvez eu tenha mesmo me enganado, e essa barra de ouro seja para outro rabino...
Ao que o rabino escondeu a barra de ouro dentro da camisola, rapidamente, e disse:
— Quem sou eu para ser a prova de que Deus se engana?
~o~
PERFUMES
E tem a parábola do mendigo cego que todos os dias recebia uma esmola de uma mulher que passava, e que ele reconhecia pelo perfume. Cada dia um perfume diferente.
— Mmmm. Violeta — dizia o mendigo, depois de ouvir o tilintar da moeda no seu chapéu.
— Acertou — dizia a mulher.
No outro dia:
— Mmmm. Jasmim. Maravilha.
— Obrigada.
— Mmmm. Rosa.
— Acertou de novo.
Todos os dias a mesma coisa.
— Mmmm. Lírio.
— Mmmm. Cravo.
— Mmmm. Dracena.
Um dia a mulher disse ao mendigo que não tinha nenhuma moeda para lhe dar.
— Não importa — disse o mendigo. — Só o seu perfume de gardênia já me enche de prazer.
— Obrigada!
Até que um dia a mulher resolveu testar o mendigo. Perfumou-se de enxofre e amoníaco e despejou muitas moedas no seu chapéu. E o mendigo ouviu o tilintar das muitas moedas, aspirou fundo e exclamou:
— Mmmm. Flor de laranjeira!
~o~
DECIDIDO
(Da série “Poesia numa hora dessas?!”)
Encoste o ouvido num tronco
e ouça o sangue do mundo rodando.
Encoste o ouvido no chão
e ouça o mundo ronronando.
O mundo funciona sozinho
e com destino decidido.
Recolha-se ao seu cantinho
e, claro, limpe o ouvido.
Luís Fernando Veríssimo
Leia Mais ►

Capa da Veja

Leia Mais ►