30 de jul de 2011

Charge do Duke

Leia Mais ►

Carole King

Leia Mais ►

Da série: Curiosidades de Darwin

 Capítulo de hoje: O Ornitorrinco 
O ornitorrinco parece uma brincadeira de mal gosto de alguém de lá de cima. “Vou botar um mamífero peludo com bico e pata de pato. Ah, pérai. Vou por veneno nas pernas dele também.”

Ele é um dos únicos mamíferos (e digo mamífero porque ele dá leite, senão a classificação dele seria algo bem diferente), que são venenosos. Porque existe uma criatura assim no mundo? Porque ele mora na Austrália. E lá, se você não for muito bizarro, você não se enturma.
A caça do ornitorrinco é bem peculiar: ele detecta vibrações elétricas de contrações musculares das suas vítimas para atacá-las. Bacana, né? Nem tanto. O veneno dele não vai te matar, mas vai fazer você desejar estar morto, e pode durar por meses.
A caça ao ornitorrinco só pode ser feita por especialista no assunto. Aqui no Brasil, só existe um:
PS: Este post refere-se unicamente ao Ornitorrinco; claro, sem nenhuma alusão a este O Ornitorrinco.
Leia Mais ►

Herb Alpert

Leia Mais ►

The Beatles

Leia Mais ►

Rolling Stones

Leia Mais ►

Morte e Vida Severina

Morte e Vida Severina em Desenho Animado é uma versão audiovisual da obra prima de João Cabral de Melo Neto, adaptada para os quadrinhos pelo cartunista Miguel Falcão. Preservando o texto original, a animação 3D dá vida e movimento aos personagens deste auto de natal pernambucano, publicado originalmente em 1956.
Em preto e branco, fiel à aspereza do texto e aos traços dos quadrinhos, a animação narra a dura caminhada de Severino, um retirante nordestino, que migra do sertão para o litoral pernambucano em busca de uma vida melhor.
Vi no Blog do Cappacete
Leia Mais ►

Spy vs Spy

Clássicos dos Quadrinhos: os impagáveis Spy vs. Spy (da Revista Mad).
Por falar em Mad, isto sim, era ser "politicamente correto". Não se via na revista, apesar de ácidas piadas, o que se vê atualmente em termos de "PI". O que se tem hoje? Primeiro, amadores!!! Segundo, pessoas extremamente mal intencionadas, sobretudo do ponto de vista político (vide mídia do esgoto). Não querem fazer piada, não! Querem, a soldo, apenas destruir reputação de desafetos políticos (porque faltam-lhes argumentos sérios).
By: Marcos Fernandes Gonçalves
Leia Mais ►

Silvio Berlusconi dice que teme la venganza de Gadafi

El primer ministro de Italia Silvio Berlusconi
El primer ministro de Italia, Silvio Berlusconi, que en su tiempo dio el visto bueno para la participación de su país en la operación militar de la OTAN en Libia, declaró que teme la venganza del líder libio Muamar Gadafi.
"Mi vida corre peligro, y no sólo la mía, sino la de los mis hijos también. Me enteré por fuentes fidedignas que Gadafi ordenó matarme", dijo Berlusconi citado por el diario "Corriere della Sera" este sábado.
Berlusconi no reveló las "fuentes fidedignas" que menciona. Recordó que durante las manifestaciones en Trípoli se podían ver carteles con fotos de él y Gadafi estrechándose las manos. "Gadafi interpretó la intervención de Italia como una traición", señaló.
A su juicio, existe el peligro de que "Gadafi se quede en el poder". "El líder libio fue nuestro mejor amigo y ahora es el enemigo más encarnizado", agregó.
Uno de los siete hijos de Gadafi, Saíf al Arab, de 29 años, murió la noche del 30 de abril en un ataque aéreo lanzado por la OTAN contra el barrio de Bab al-Azizia, donde se encontraba la residencia de Gadafi. En el acto también murieron tres de sus nietos, el mayor de los cuales tenía sólo tres años.
A mediados de febrero en Libia estallaron protestas contra el régimen de Gadafi que lleva más de 40 años en el poder. Las manifestaciones desembocaron en choques armados entre los rebeldes y las fuerzas gubernamentales.
El Consejo de Seguridad de la ONU aprobó el 17 de marzo una resolución que impuso una zona de exclusión aérea sobre Libia como medida para proteger a civiles e impedir que el Ejército libio someta a bombardeos las localidades en manos de los rebeldes.
Dos días después, el 19 de marzo, una coalición occidental lanzó una operación militar en Libia. El 31 de marzo, la OTAN asumió el mando de esta operación y el 1 de junio la prorrogó por 90 días hasta finales de septiembre.
Leia Mais ►

#ForaRicardoTeixeira

Leia Mais ►

Parece até Cuiabá...

Leia Mais ►

Ley de Medios aprovada... na Bolívia

El Estado se guarda un tercio del espectro y reserva espacios para las organizaciones sociales y comunidades indígenas. La polémica fue por la autorización para pinchar teléfonos sin orden judicial.
La Asamblea Legislativa Plurinacional aprobó ayer la Ley General de Telecomunicaciones, Tecnologías de Información y Comunicación, que llegó al escritorio del presidente Evo Morales sin modificaciones, dada la abrumadora mayoría oficialista. En las últimas semanas, la propuesta original del Movimiento Al Socialismo tuvo algunas modificaciones, luego de que organizaciones sociales se rebelaran ante la posibilidad de perder espacio en el aire. El debate parlamentario se concentró principalmente en dos líneas de texto, según las cuales el Estado Plurinacional puede pinchar teléfonos cuando lo crea conveniente.
La nueva ley establece que las frecuencias de radiodifusión se dividen en un 33 por ciento para el Estado, otro 33 por ciento para el ámbito comercial, 17 por ciento para el sector social comunitario y el 17 restante para los pueblos indígenas originarios y campesinos.
Andrés Gómez Vela, director nacional de la Red Erbol, comentó que la propuesta de ley original de la Asamblea Legislativa Plurinacional “era neoliberal. Reproducía la ley de Gonzalo Sánchez de Lozada. Como organizaciones sociales hemos solicitado espacios y algunos legisladores nos escucharon. Así logramos que hubiera más justicia en la distribución de frecuencias”. Las organizaciones sociales destacaron que en un primer momento el gobierno nacional proponía repartir las frecuencias en un 80 por ciento para empresas privadas y 20 por ciento para el Estado.
Lo que preocupa al director de Erbol es que “la autoridad que va a controlar la distribución de esas frecuencias va a ser nombrada por el gobierno. De esa manera, cada gobierno que pase va a poder presionar a los medios según sus intereses. Por este motivo exigimos que la sociedad civil tenga participación en la elección de esta autoridad, para asegurar la mayor independencia posible en la administración de frecuencias”.
La Fundación Unir también participó de las reuniones con asambleístas para plantear sus observaciones al proyecto del MAS. A los pocos días apareció una nueva versión, “que incluyó en distinta medida disposiciones que atienden las observaciones hechas por la fundación”.
Rescataron que ahora “se habla explícitamente de participación y control social y se instruye a los gobiernos autónomos para que creen espacios al respecto. Se establecen requisitos de calidad para asignar frecuencias a los medios comunitarios (los comerciales serán por licitación, los del Estado de manera directa y no se explica el caso de los indígenas) y se retira la autorización para la intervención de los correos electrónicos” (de los empleados por parte de los patrones). Según la nueva ley, las licencias de los medios pasan a ser un “derecho adquirido”. Por este motivo, los titulares de las autorizaciones transitorias especiales o concesiones para el funcionamiento de emisoras de radio y televisión tienen un año para migrar hacia las “autorizaciones” o “licencias”.
La normativa establece que los mensajes del presidente Evo Morales serán transmitidos dos veces al año en cadena nacional: uno a principios de la gestión y otro a mediados de año, así el mandatario indígena informará directamente a la población sobre sus actividades. El proyecto promueve la expansión de la cobertura de telecomunicaciones hacia áreas rurales, con lo que el gobierno nacional espera llegar con radios y televisores a 20 mil comunidades indígenas campesinas. El senador del MAS David Sánchez defendió la política del gobierno. Dijo que desde la asunción de Evo Morales creció el acceso a telefonía móvil del seis al 56 por ciento de la población, aunque la telefonía fija llega sólo al seis por ciento de los hogares e Internet tiene “baja penetración”.
El único artículo que generó discusiones fue el 111, que dice que “en caso de peligro para la seguridad del Estado, los operadores y proveedores de telecomunicaciones y tecnologías de información y comunicación estarán obligados a cooperar y poner a disposición de las autoridades públicas legítima y legalmente constituidas, de manera gratuita y oportuna, las redes y servicios, así como la emisión, transmisión y recepción de las telecomunicaciones y tecnologías de información y comunicación que les sean requeridas”. Ni oficialismo ni oposición pudieron negar que los Estados espían desde que son Estados, con o sin ley.
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 723

Leia Mais ►

Lula na Escola Superior de Guerra

..
Durante palestra ministrada na manhã desta sexta-feira (29) na Escola Superior de Guerra, no Rio de Janeiro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que são necessários mais esforços de cooperação com a África e a América Latina.
“É uma pena que o Brasil ainda não tenha enxergado a África como deveria enxergar”, disse o ex-presidente.
“O Oceano Atlântico não é um obstáculo, é um caminho”.
Lula lembrou que o Brasil vivia “de costas” para os seus vizinhos da América do Sul, e o seu governo foi o primeiro a construir uma ponte para a Bolívia para o Peru.
A cooperação com a África e América Latina será o eixo principal do Instituto Lula, organização que está sendo criada pelo ex-presidente em São Paulo.
Forças Armadas
O ex-presidente contou que, quando assumiu o governo, as Forças Armadas não tinham nem betoneiras. “A gente não quer Forças Armadas fazendo política, e também não quer as Forças Armadas subalternas, sem respeito. Queremos elas preparadas.”
Citando os recentes conflitos com a Líbia, o ex-presidente defendeu maior equilíbrio nos órgãos de governança global. “Não faz sentido a África, Índia, Brasil e Japão – só porque a China não quer – não estarem no Conselho de Segurança da ONU”, afirmou. “Não podemos concordar com o que foi feito na Líbia, porque amanhã é em outro lugar”.
Sobre o governo de Dilma Rousseff, Lula disse que a presidenta é diferente dele, mas tem afinidade ideológica e o mesmo compromisso com o Brasil. Ele acrescentou que, em 2014, ela só não será candidata à reeleição caso não queira.
Leia Mais ►

Entrevista com Gleisi Hoffmann

“Naquela noite, eu chorei. Chorei mesmo. Daí eu fui conversar com a presidenta"
A chefe da Casa Civil diz que quase recusou o convite para o cargo e conta como é a vida de uma mulher no ministério mais importante do governo
Eclética
Gleisi Hoffmann, na semana passada, no Palácio do Planalto. Ela quis ser freira, entrou no PCdoB e gosta de ABBA
Tailleur de tweed, colar de pérolas, escarpim de verniz. São 8 horas da quinta-feira 28 de julho, e a ministra Gleisi Hoffmann está sendo maquiada em seu gabinete, no Palácio do Planalto. É o início de mais um dia na agenda da mulher que assumiu a Casa Civil do governo Dilma, em meio a sua primeira grande crise, provocada pela demissão do ex-ministro Antonio Palocci. Convite feito, Gleisi conversou com o marido, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. "Eu dizia: ‘Paulo, tenho dúvidas. Não me sinto preparada’. Mas ele me pedia para refletir", afirma a ministra. "Naquela noite, eu chorei. Chorei mesmo. Era muita responsabilidade." Decidida a recusar o cargo, Gleisi foi então se encontrar com a presidente Dilma Rousseff. Saiu do gabinete presidencial como a ministra mais poderosa do governo Dilma, função que exerce há quase dois meses.
O que foi fundamental em sua trajetória para transformá-la em chefe da Casa Civil?
Gleisi Hoffmann – Duas características foram essenciais na minha vida: determinação e disciplina. Meus pais me deram isso. Eles sempre foram rígidos na educação e nos impuseram humildade. Minha mãe criou a mim e a meus três irmãos (Bertoldo, Juliano e Francis) praticamente sozinha. Meu pai era comerciante e viajava muito. Não tínhamos empregada e éramos uma família de classe média baixa. Para que a casa ficasse em ordem, todo mundo ajudava.
"O diabo mora nos detalhes"
Quais são as virtudes femininas em cargo de comando?
Gleisi – Acho bárbaro quando os homens dizem que nós nos preocupamos muito com os detalhes. Essa é uma avaliação crítica recorrente, inclusive que alguns fazem à própria presidente. Dizem que a gente fica muito preocupada com detalhe e que temos de pensar no macro. Só que o diabo mora nos detalhes. Então se dedicar para que a coisa dê certo desde o início até o final, cuidando, acompanhando, é uma característica das mulheres. Eu não tenho dúvida que isso vai fazer uma diferença importantíssima na vida pública do país.
Como a cúpula feminina do governo pode ajudar a sanar problemas de gênero como a violência doméstica, a desigualdade salarial, a falta de políticas públicas para a saúde da mulher
Gleisi – Com estímulo a políticas públicas e interlocução com a iniciativa privada. As conquistas nesse campo farão parte de um processo que já está acontecendo. Podemos acelerá-lo e é o que pretendemos.
A presidente Dilma disse ironicamente que está cercada de "homens meigos". Como a senhora lida com esses homens?
Gleisi – Ela fez uma brincadeira por acusarem-na de ser dura e firme. Aliás, esses atributos são considerados normais em um homem. Por que as mulheres têm de ser frágeis e meigas no comando? Liderança exige determinação e firmeza, independentemente do sexo.
"Não me atrai uma atitude heroica"
Com sua nomeação, as atribuições da Casa Civil diminuíram. Sente-se desprestigiada em relação aos antecessores?
Gleisi – Não vejo dessa maneira. Nenhuma concentração é boa. Desde o governo do presidente Lula, havia a Secretaria de Relações Institucionais, responsável pela articulação política. A Casa Civil é articuladora e facilitadora das ações de governo. Trabalhar em equipe é sempre mais seguro e eficaz. Não me atrai a atitude heroica.
Como recebeu o convite para a Casa Civil?
Gleisi – Quando a presidenta me convidou para ser ministra-chefe da Casa Civil, eu gelei. Foi um susto. Tive dúvidas se deveria aceitar. Pensei: "Meu Deus, é muita responsabilidade". Ela me chamou um dia antes da posse, e eu fiquei muito preocupada. Fiquei quatro anos na política, longe da gestão. Por isso falei para o Paulo (Paulo Bernardo, seu marido e ministro das Comunicações): "Acho que não devo aceitar. Não me sinto em condições". E ele disse: "Reflita bem". Naquela noite, eu chorei. Chorei mesmo. Daí eu fui conversar com a presidenta. Sentei na frente dela decidida a falar que eu achava melhor não assumir, porque não me sentia preparada para desafios tão grandes. Mas ela foi falando, falando, falando e no final eu disse: "Tá bem, presidenta" (faz voz de menina e solta uma gargalhada). Pensei: "Se Deus me pôs aqui é porque eu devo poder fazer algo diferente para ajudar o Brasil. Não é fortuito".
"Paulo vai ter que cuidar um pouco mais das crianças"
O casal da Esplanada
Gleisi e o marido, Paulo Bernardo. Ela diz que a paixão pelo orçamento os aproximou
E o Paulo Bernardo, como recebeu essa notícia? Isso não mexe com os brios dele?
Gleisi – Para ele, foi um susto também. Não acredito que o tenha afetado. Mas ele tem reclamado que eu trabalho demais. Saio de casa antes dele e chego depois. Mas ele vai ter de ter paciência e cuidar um pouco mais das crianças. Ele sempre foi a pessoa pública, e agora sou eu que estou mais em evidência. No dia da minha posse, o telefone de casa tocou às 6 horas da manhã. Ele atendeu, ainda sonolento. Era uma jornalista de uma rádio perguntando: "Alô, é o assessor da Gleisi?". Ele costuma ser mal-humorado de manhã, mas foi espirituoso: "Claro que não. É o marido dela. O assessor de imprensa não dorme aqui em casa!".
A senhora perdeu eleições para o Senado, em 2006, e para a prefeitura de Curitiba, em 2008. Como encarou as derrotas?
Gleisi – De forma pedagógica. Derrotas ensinam muito. E nem sempre uma derrota eleitoral é uma derrota política. Minha avó dizia que aquilo que não nos mata fortalece. Num mundo público majoritariamente masculino, é o máximo ser mulher e dizer: "Me preparei, posso discutir, conversar, encaminhar, participar das lutas". Para mim, é mais que um orgulho pessoal, é mostrar que as mulheres podem fazer a diferença do seu jeito. Para equilibrar o mundo, a enorme parcela feminina da população precisa estar nos processos decisórios. Não é possível uma democracia em que mais da metade da população não participe.
Até mesmo mulheres fortes têm seus momentos de fragilidade. Quais foram os seus? Não pensou em desistir da política quando perdeu as eleições?
Gleisi – Nunca! Perder e sofrer são lados da mesma moeda da vida. O que vale é a dimensão e importância que você dá a eles. Foram duas situações. Na do Senado, houve uma derrota eleitoral, mas uma vitória política. Eu saí muito de baixo, ninguém acreditava que eu iria ganhar. Foi no final da campanha que a gente avaliou que tinha chance, e aí já não tinha tempo. Mas saí fortalecida. A campanha pela prefeitura de Curitiba foi muito difícil, dura, pesada, de desconstrução da imagem. Ia para alguns bairros, e os adversários diziam que eu não era de Curitiba, não era casada, não tinha filhos, afirmavam que eu era uma mentira. Eu chegava em casa me perguntando onde havia me metido. E, no final, a vitória deles foi acachapante. O que me deixou triste, mas não a ponto de jogar a toalha.
A vitória, no ano passado, na disputa pelo Senado teve um gosto especial?
Gleisi – Comemorei de forma muito tranquila. Sabia, e sei, que não é uma vitória individual. É uma conquista coletiva de todos que acreditaram na caminhada. Mais que uma vitória, encaro como uma missão. Ter a função de senadora é ter a função de servir. É uma grande responsabilidade com o povo do meu Estado.
A senhora era chamada de "Pit-bull do Senado", por defender com veemência o governo. Outra alcunha da senhora é a "Barbie da Dilma". Os apelidos a incomodam?
Gleisi – Nunca mordi ninguém. Defendia o governo porque acredito nele. E se me chamam de Barbie é porque me acham bonitinha e vazia como uma boneca, não ligo. Não me acho bonita e cuido de minha aparência como a maioria das mulheres. Ser como a Barbie, embora longe da realidade, me envaidece.
“Já cheguei em casa, me tranquei no quarto e chorei, chorei, chorei. Não gosto de críticas que não são construtivas”
Chorou por causa desse bullying político?
Gleisi – Já chorei muito na vida. Já cheguei em casa, me tranquei no quarto e chorei, chorei, chorei. Os apelidos não me afetam muito. Mas, quando um projeto não dá certo, falha, eu me frustro muito. Sou muito perfeccionista e não gosto das críticas que não são construtivas.
Assim que assumiu a Casa Civil, a senhora disse que faria de tudo para levar seus filhos à escola. Tem cumprido isso?
Gleisi – Fui salva pelas férias! As crianças passaram o mês de julho em Curitiba, na casa da minha mãe. Só voltaram agora. Mas a verdade é que não vou poder levá-las mais à escola. Tenho vindo para cá todos os dias às 8 horas, horário em que elas entram. Talvez eu vá no primeiro dia, mas mais que isso não vou conseguir.
Sente culpa?
Gleisi – Agora menos, mas já tive muita, de chorar. Quando era diretora da Itaipu, ia para Foz de Iguaçu dois dias da semana, e o João ficava com a minha mãe. Saía de casa, de carro, e o via no portão, dando tchau. Eu já começava a chorar ali. Ele era tão pequenininho. No hotel, eu só pensava: "O que eu estou fazendo? Devia estar com meu filho", e chorava, chorava. A caçula, que é adotiva, também sofreu muito lá atrás. O processo de adoção já corria há dois anos e meio, e eu estava em plena campanha para o Senado de 2006 quando me ligaram do Juizado dizendo: "Sua filha está aqui". Eu não podia tirar licença-maternidade, estava no meio de uma campanha. Fiquei desesperada. Mas minha família se mobilizou, e a Gabi se apegou muito a minha mãe. Quando terminou a campanha, tive de fazer uma aproximação para que ela sentisse que eu era a mãe. Ainda hoje ela se ressente muito da minha ausência.
Com quantos meses ela chegou?
Gleisi – Cinco. Aliás, o juiz poderia ter liberado a adoção antes, e não o fez. Fiquei muito chateada com isso. Nem tinha a pretensão de ter um recém-nascido. Poderia ser de 2 ou 3 anos. E a Gabi já estava liberada para adoção desde que nasceu, porque a mãe dela já tinha assinado os papéis. E ainda assim ficou cinco meses no abrigo! (Indignada.) Por quê? Porque, infelizmente, o sistema de adoção no Brasil é muito ruim. Os juízes têm medo de entregar os meninos às famílias e, por cautela, eles têm a infância roubada. Para uma criança, cada mês passado num abrigo é uma eternidade.
"Não queria passar por toda a gestação de novo"
Por que adotou? Não podia ter mais filhos?
Gleisi – Podia. O João Augusto queria uma irmãzinha, e eu achava que tinha tanto amor por criança que era demais para dar apenas a ele. Precisava repartir um pouco (risos). Sentia vontade de ter outro bebê, mas não queria passar por toda a gestação de novo. Aquele barrigão, aquele desgaste. É uma delícia, mas basta o primeiro filho. Não consigo entender até hoje a minha avó. Ela teve 15! Todo ano aquela mulher ficava grávida. Não dá, gente…
A senhora e o ministro Paulo Bernardo arrumam tempo para namorar?
Gleisi – É difícil. Quando dá, vamos ao cinema, tomamos um vinho. Ultimamente temos lido muito jornais juntos.
Como começou o namoro? O que mais a encantou nele?
Gleisi – Em Brasília, quando fui trabalhar na Câmara dos Deputados. A dedicação do Paulo ao trabalho e a seriedade com que tratava os assuntos da política. Gostávamos também das mesmas coisas, das mesmas matérias, como orçamento. Além de tudo, ele é um galanteador, que tem muita sensibilidade com o mundo feminino. Isso também me preocupa…
Dizem que a senhora começou a namorar Paulo Bernardo quando ainda era casada com o jornalista Neilor Toscan, então assessor de Bernardo, que, na época, era deputado. Falam também que vocês moravam juntos em um apartamento funcional…
Gleisi – Minha mudança para Brasília e o fim do meu primeiro casamento foram os momentos mais difíceis da minha vida. Mas não teve isso de morar junto, não. Eu era casada com o Neilor, que trabalhava no Banco do Brasil. A gente morava em Curitiba. Quando ele foi transferido para Brasília, eu já conhecia o Paulo e o procurei para trabalharmos juntos. Eu tinha experiência em gestão e orçamento, e essa era a área dele.
"Se eu pudesse pediria ao tempo para andar mais devagar"
A senhora é vaidosa? Já fez plástica?
Gleisi – Sou cuidadosa como toda mulher. Fiz uma plástica nos seios, depois de amamentar, e apliquei Botox no rosto, para atenuar as rugas. Se eu pudesse, pediria ao tempo para andar mais devagar. Uso sempre filtro solar, porque sou muito clara, e maquiagem. Sou meio relaxada com exercícios físicos. Ainda não consegui priorizá-los. Mas gostaria.
Quem a ajuda a escolher o que vai vestir?
Gleisi – Não sou atenta à moda. Visto aquilo que acho que fica bem e me deixa minimamente confortável. Sempre peço opinião para amigas. Durante a campanha para o Senado, recebi orientação de uma profissional de estilos. Guardo algumas lições, como as cores que funcionam melhor para minha pele, os cortes.
Liga para marcas? Seu tailleur é de onde?
Gleisi – Este custou caro… (ajeita a lapela e pede para a assessora ver de onde é). É da Maxmara. Eu olhei, gostei e comprei. Não faço muito isso, porque evito gastar. Mas deste eu gostei mesmo.
"Adoraria ter uma bolsa Louis Vuitton"
A senhora tem algum sonho de consumo?
Gleisi – Adoro bolsa e sapato. Eu olho na vitrine e me dá vontade de levar. Adoraria ter uma bolsa Louis Vuitton. Não é nem pela marca, pelo estilo mesmo. Acho tão bacana, gosto do design. Uma vez pensei em comprar uma no Paraguai, mas achei melhor não (risos).
Desde quando a senhora é vegetariana?
Gleisi – Não como carne vermelha há mais de 16 anos. Carnes brancas deixei de comer há quatro anos. Não gosto. Não me faz falta e não sei ao certo por quê.
A senhora era boa aluna?
Gleisi – Era esforçada (risos). Tinha de estudar muito para ir bem. Não era algo natural, era fruto de disciplina e esforço mesmo. Sempre fui muito contestadora, o que me dava problemas com meus pais. Quando eu achava que a professora era rígida demais, injusta, batia boca. Nunca admiti que gritassem comigo.
"Queria ajudar o próximo e, por isso, ser freira"
De onde veio o desejo de ser freira?
Gleisi – Estudei em um colégio religioso, só de meninas, em Curitiba. As freiras tinham uma ação muito intensa de caridade em torno da escola. Queria aquela vida para mim, queria ajudar o próximo e, por isso, ser freira. Mas a formação era em Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul, e meu pai achou longe e não me deixou ir.
Como entrou para a militância política?
Gleisi – Entrei quando fazia movimento estudantil, com 19, 20 anos. Meu primeiro partido foi o PCdoB. Conheci o PT depois, em 1989, e nunca mais o deixei. Trago o compromisso de dedicar-me àquilo que efetivamente melhora a vida das pessoas e busca justiça social. Deixei para trás a visão romântica de esquerda.
Que livro a senhora está lendo?
Gleisi – Conversas que tive comigo, do Nelson Mandela. Sou fã dele.
Que música não se cansa de ouvir?
Gleisi – Chico Buarque, que adoro, e grupo ABBA. Por conta disso já assisti a Mamma mia umas seis vezes.
O que gosta de fazer para relaxar?
Gleisi – Ficar em casa, ler e assistir a filme. E, de vez em quando, tomar um vinho.
Marina Caruso - Foto: Igo Estrela/Marie Claire. Produção executiva Bianca Assunção/Beleza Rose Paz
Leia Mais ►

Irmão de Romero Jucá denuncia esquema de corrupção no Ministério da Agricultura

Em Veja desta semana, Oscar Jucá Neto diz a pasta de Wagner Rossi foi loteada por PMDB e PTB com o objetivo de arrecadar dinheiro ilegal
A edição de Veja que chega às bancas neste sábado levanta indícios de que mais um esquema de desvio de recursos e dilapidação do patrimônio público corroi o Planalto. Desta vez, os escândalos envolvem o Ministério da Agricultura, tendo a Companhia Nacional de Abastecimento, a Conab, como posto avançado, e o ministro Wagner Rossi, do PMDB, como virtual comandante do esquema.
O esquema de corrupção foi denunciado por Oscar Jucá Neto, o Jucazinho, irmão do senador Romero Jucá, líder do governo no Senado. Jucazinho foi exonerado na semana passada do cargo de diretor financeiro da Conab. A demissão aconteceu depois de Veja revelar que ele havia autorizado um pagamento de 8 milhões de reais a uma empresa-fantasma que já foi ligada à sua família e que hoje tem como “sócios” um pedreiro e um vendedor de carros - laranjas dos verdadeiros donos, evidentemente.
Jucazinho decidiu contar o que sabe porque atribuiu sua saída a uma armação de peemedebistas contra seu irmão - e também porque se sentiu humilhado com a exoneração. O caso azedou as relações entre o senador Jucá e o vice-presidente, Michel Temer, padrinho do ministro Wagner Rossi. Os dois trocaram ameaças e xingamentos por telefone.
Jucazinho contou que existe um consórcio entre o PMDB e o PTB para controlar a estrutura do Ministério da Agricultura com o objetivo de arrecadar dinheiro. Suas informações incluem dois casos concretos de negócios nebulosos envolvendo a Conab. Em um deles, a estatal estaria protelando o repasse de 14,9 milhões de reais à gigante do mercado agrícola Caramuru Alimentos. O pagamento foi determinado pela Justiça e se refere a dívidas contratuais reclamadas há quase vinte anos. O motivo da demora: representantes da Conab negociam um “acerto” para aumentar o montante a ser pago para 20 milhões de reais. Desse total, 5 milhões seriam repassados por fora a autoridades do ministério.
O segundo caso envolve a venda, em janeiro deste ano, de um terreno da Conab numa das regiões mais valorizadas de Brasília, distante menos de 2 quilômetros do Congresso e do Palácio do Planalto. Apesar de ser uma área cobiçada, uma pequena empresa da cidade apareceu no leilão e adquiriu o imóvel pelo preço mínimo: 8 milhões de reais – um quarto do valor estimado de mercado. O comprador, Hanna Massouh, é amigo e vizinho do senador Gim Argello do PTB, mandachuva do partido e influente na Conab.
Nas mais de seis horas de entrevista, Oscar Jucá Neto não poupa seus antigos companheiros de ministério. Diz que o ministro Wagner Rossi lhe ofereceu dinheiro quando sua situação ficou insustentável. “Era para eu ficar quieto”, afirma. “Ali só tem bandido.”
Leia Mais ►

Amy Cristo?!!

Leia Mais ►

Barqueiro do Jaguarão

A saga impressionante dos barqueiros mineradores do Rio Jaguarão.
Este filme é dedicado ao trabalho que vem construindo esta cidade, Patrimônio Histórico Nacional.
Barqueiros: Ramão Fernandes, Marco Antonio Duarte, Luiz Alexandre Furtado.
Imagens: Jorge Passos
Edição: Jorge Passos e Sérgio Christino
BARQUEIRO DO JAGUARÃO ( Hélio Ramirez)
Barqueiro areeiro, barqueiro areeiro
Do meu Rio Jaguarão
No impulso da taquara
Leva a teus filhos o pão...

Anda rápido, anda ligeiro
Que a noite vem aí
Cuidado com o jaguar grande
Te espreitando nos sarandís

Tua mulher ficou rezando
Prá Senhora dos Navegantes
Num barraco pau- à -pique
Triste morada de errantes

Mas tua pele morena
já está acostumada
a sol ,chuva,vento forte
a granizo e invernada,

teu suor está plantado
em cada casa desse chão
Mas se a paga foi pouca
O esquecimento não!

CD Senfronteiras
Músicos:
Egbert Parada( violão e violão folk)
Fabrício Moura (contrabaixo)
Leonardo Oxley ( violino)
Cláudio Vieira (vocal e violão)/
Renato Gervini (percussão e berimbau)/
Arranjo: Hélio Ramirez e Egberto Parada
By: Confraria dos poetas de Jaguarão
Leia Mais ►

Nova “lista suja” do trabalho escravo possui 251 empregadores

A “lista suja” do trabalho escravo, como ficou conhecido o cadastro de exploradores de mão de obra em condições desumanas, jamais teve tantos nomes. Com a atualização semestral desta quinta-feira (28), a soma total de empregadores alcançou a marca de 251 nomes. Para acessar a lista, clique aqui.
A “lista suja” tem sido um dos principais instrumentos no combate a esse crime, através da pressão da opinião pública e da repressão econômica. Após a inclusão do nome do infrator, instituições federais, como o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal, o Banco da Amazônia, o Banco do Nordeste e o BNDES suspendem a contratação de financiamentos e o acesso ao crédito. Bancos privados também estão proibidos de conceder crédito rural aos relacionados na lista. Quem é nela inserido também é submetido a restrições comerciais e outros tipo de bloqueio de negócios por parte das empresas signatárias do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo.
O nome de uma pessoa física ou jurídica é incluído na relação depois de concluído o processo administrativo referente à fiscalização dos auditores do governo federal e lá permanece por, pelo menos, dois anos. Durante esse período, o empregador deve garantir que regularizou os problemas e quitou suas pendências com o governo e os trabalhadores. Caso contrário, permanece na lista.
A reportagem abaixo é de Maurício Hashizume, da Repórter Brasil:
Foram incluídos 48 nomes na relação mantida pelo governo federal. Outros cinco foram excluídos. A “lista suja” é mantida pela Portaria Interministerial 2/2011, assinada pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR).
A quantidade expressiva de inserções é um reflexo da conclusão do grande volume de processos administrativos iniciados nos últimos anos. O MTE instaura esses procedimentos a partir das situações análogas à escravidão encontradas pelo grupo móvel de fiscalização e pela atuação das Superintendências Regionais do Trabalho e Emprego (SRTEs).
Só entre 2007 e 2009, houve cerca de 4,9 mil libertações por ano. Nesse mesmo período, a média anual de operações registradas ultrapassou 140; mais de 280 estabelecimentos foram inspecionados, em média, a cada 12 meses.
A divisão por Estados dos 48 empregadores incluídos: Goiás (8), Mato Grosso e Paraná (7), Minas Gerais (6), Santa Catariba (5), Tocantins (4), Pará (3), Piauí (2), Amazonas, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e São Paulo (1).
Na comparação entre regiões do país, os ingressantes do Centro-Oeste formam a maioria, com 16 empregadores. Em seguida, aparecem os incluídos do Sul (13). Sudeste (oito) e Norte (oito) empatam na terceira posição. O Nordeste teve o menor número de inseridos: apenas três.
A divisão por Estados coloca o Goiás na primeira colocação, com oito inclusões (tabela ao lado). O segundo posto é compartilhado entre Mato Grosso e Paraná, ambos com sete. Santa Catarina vem em quarto, com cinco. Na sequência, estão Tocantins, com quatro; seguido pelo Pará , com três; e pelo Piauí, com dois. Amazonas, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e São Paulo têm um único agregado à lista.
Dois dos ingressantes, aliás, são mandatários municipais: José Rolim Filho (PV), mais conhecido como Zito Rolim, é prefeito eleito de Codó (MA); e Vicente Pereira De Souza Neto (PR) está à frente da Prefeitura de Toledo (MG).
Há ainda flagrantes em: escavações para expansão da rede de telefonia celular no Espírito Santo; atividades de preparação de terreno para a pecuária extensiva no Tocantins e também no Pará; canteiros de obras da construção civil no Norte do Mato Grosso; áreas de cultivo de morangos em Minas Gerais.
Vários inseridos são citados em matéria sobre operação que encontrou trabalho escravo na produçção de carvão vegetal em condições extremamente precárias em propriedades situadas no município de Jussara (GO).
Amplo material diz respeito a ações realizadas no Sul, em atividades distintas e características como a colheita de batatas, a coleta de erva-mate e a extração madeireira – seja no corte de pinus, com dois casos de Doutor Ulysses (PR), ou no reflorestamento em Irati (PR). Uma empresa que produz embalagens para a indústria alimentícia (Maxiplast) é outra das novas empresas com o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) na “lista suja”.
Leia Mais ►

Assistam só a malandra fingindo-se de morta

Leia Mais ►

Ruim na foto

Todos nós envelhecemos. É o curso natural da vida, quem não envelhece não vive. E o envelhecimento trás uma ruga aqui outra lá, a pele perde o brilho, o viço, fica mais frágil, mais flácida. Muitos tem perda do cabelo, outros ficam com os cabelos brancos. Mas uma coisa nítida se observa no Serra, ele envelheceu muito rápido desde da eleição de 2010, ele adquiriu muitas rugas. Ficou com um semblante feio, uma a aparência de muito rancor, ódio, antipático, um jeitão de poucos amigos, com desânimo no que faz, parece que está fazendo tudo forçado. E tem outros tantos que ficam bonitos quando envelhecem, há alegria de viver, há vontade de continuar ativo. São simpáticos, alegres, mostram disposição, vitalidade, sem ódio no coração. Serra mostra nessa foto que é o ódio em pessoa, e isso faz um grande mal para saúde, contribui muito para a depressão e uma velhice muito infeliz, sem qualidade.
Jussara Seixas
By: Por um novo Brasil
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 722

Leia Mais ►

Dilma pode demitir Jobim após o sorteio da Copa

Presidente terá conversa reservada, no Rio, com ministro que declarou ser eleitor de José Serra; sua permanência no governo é incerta; na Defesa, Jobim tem feito lobby escancarado pela compra dos caças Rafale, da França
O ministro da Defesa, Nelson Jobim, está por um fio no cargo. Ele, que faz lobby aberto pela compra dos caças franceses Rafale, é defendido pelo presidente Lula, mas a presidente Dilma Rousseff parece inclinada a se livrar de mais um ministro herdado do antecessor.
De acordo com o colunista Jorge Bastos Moreno, do jornal O Globo, que foi o primeiro jornalista a obter uma entrevista exclusiva de Dilma, a presidente não engoliu a declaração recente de Jobim, que deu entrevista assumindo publicamente ter votado, nas eleições presidenciais do ano passado, no adversário da petista, o tucano José Serra. De acordo com o jornalista, alguns ministros e até o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tentam demover a presidente da ideia de demiti-lo.
Neste sábado, a presidente terá uma conversa particular com Jobim no Rio, depois da solenidade de sorteio das chaves para a Copa de 2014. Lula tentou minimizar a crise, assim como fez no episódio que envolveu outro preposto seu, o ex-ministro Antonio Palocci.”Nunca me preocupei em perguntar aos meus amigos em quem votam. Voto é uma coisa sagrada, é secreto, e cada pessoa vota em quem quer. Jobim não foi convidado para o meu governo por causa do voto dele. Foi convidado para o meu governo pelo que poderia fazer no Ministério da Defesa. Um homem da qualidade do Jobim, da competência do Jobim, é o único que vi em condições de construir um Ministério da Defesa, de aprovar o plano estratégico da Defesa, e acho que isso foi feito”, disse Lula.”Está cheio de gente que votou no Serra e gosta de mim hoje. Pode ter gente que votou em mim e gosta do Serra... A gente não pode fazer política achando que quem não votou na gente é pior do que quem votou”, completou.
Dilma, no entanto, acha que Jobim está reiteradamente desafiando a sua autoridade de presidente. “E isso eu não admito”, teria dito ela.
Leia outras reportagens sobre o caso:
O PT não aguenta mais o ministro da Defesa, Nelson Jobim. E já fala explicitamente na sua saída. A gota d´água foi a entrevista concedida por ele à Folha de S. Paulo, na qual declarou ser eleitor de José Serra, o que foi considerado uma deselegância com a presidente Dilma Rousseff. "Aparentemente, ele quer sair do governo", disse o senador Humberto Costa (PT-PE), líder do partido. Mais direto ainda foi o secretário de Comunicação do PT, o paranaense André Vargas. "Ele deve estar se achando a última bolacha do pacote", postou em seu Twitter. Sim, de fato, Jobim se considera a última Coca-Cola do deserto. E, ao que tudo indica, é mais uma herança do governo Lula que não deve ter sobrevida muito longa, a exemplo do que já ocorreu com Antonio Palocci e Alfredo Nascimento.
Em Brasília, todo mundo morre de medo da presidente Dilma Rousseff. Menos uma pessoa: o ministro da Defesa, Nelson Jobim, que deu mais uma prova de sua bravura nesta terça-feira, ao dizer em entrevista à Folha de S.Paulo (publicada nesta quarta-feira) que votou em José Serra, principal rival da presidente Dilma Rousseff, nas eleições de 2010. Apesar de dizer que um governo Serra agiria da mesma forma que o governo Dilma no manejo das atuais crises políticas – com destaque para a do Ministério dos Transportes – Jobim não demonstrou qualquer constrangimento ou receio em declarar seu voto nas últimas eleições, o que lhe foi perguntado, mas, convenhamos, não precisava ser dito.
O ministro disse que Dilma já sabia de sua escolha, mas por que o resto da população brasileira precisaria saber? Segundo ele, porque não costuma "fazer dissimulações”. Não é a primeira vez que Jobim faz uma declaração com potencial explosivo no governo Dilma. Na cerimônia de celebração dos 80 anos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso no Senado, no início do mês, Jobim desagradou governistas ao dizer que os idiotas perderam a modéstia desde que FHC deixou a Presidência. Quem estranha a desenvoltura e o destemor com que o ministro da Defesa se expressa desconhece a importância que Jobim ganhou à frente do Ministério nos últimos anos.
O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) é visto desde o governo Lula como a melhor opção para controlar os ímpetos das Forças Armadas e evitar crises, algo essencial num governo com figuras históricas da esquerda. E ele vem de fato manejando potenciais crises de forma efetiva desde 2007. A verdade é que o governo não tem quem colocar no lugar de Jobim – e não seria o assessor especial do Ministério José Genoíno, com passado de luta armada, que conseguiria fazer o meio de campo entre Exército e Planalto. É por isso que Jobim ficou, mesmo tendo votado no candidato da oposição. O ministro ficou totalmente afastado das eleições do último ano, ao contrário de outros ministros do governo Lula, que participaram da campanha em favor de Dilma. Ele explica sua posição dizendo que é amigo de Serra, foi seu padrinho de casamento e chegou a morar com ele.
Jobim assumiu o Ministério da Defesa em julho de 2007, em meio à crise aérea deflagrada pelo acidente do voo 3054, da TAM, que matou cerca de 200 pessoas, e, desde então, azeitou a relação com os militares a ponto de conseguir contornar qualquer desentendimento de lá para cá. Durante as discussões para a Comissão da Verdade, em 2009, Jobim tomou as dores dos militares e chegou a ameaçar pedir demissão caso o 3º Programa Nacional de Direitos Humanos fosse aprovado com o texto que previa uma comissão “unilateral”, para investigar apenas os militares.
Na época, os comandantes das Forças teriam dito que também deixariam o cargo caso Jobim pedisse as contas. A solidariedade é apenas uma demonstração da confiança que o ministro angariou nos meios militares, confiança que tem lhe valido inclusive condecorações ao longo da gestão à frente da Defesa. Afora tudo isso, caso a presidente Dilma perca a paciência, sair do governo não deixa de ser uma opção para o ministro, que nega alimentar um projeto político futuro, mas voltou a frequentar as reuniões de bastidores de seu partido, o PMDB, neste ano. Jobim admite inclusive que tem articulado para que os dissidentes do partido parem de atacar o Planalto.
Leia Mais ►

Só lhes resta fugir para Cuba

Leia Mais ►

Gaúcho bebe garrafão de vinho e passa no bafômetro

Motorista dá a receita para escapar da multa: chimarrão.
SANTANA DO LIVRAMENTO, RS - Um motorista de caminhão Gaúcho, morador de Santana do Livramento foi flagrado dirigindo completamente embriagado pelas ruas da cidade.
Paulo Gualberto DiAfonsin Requinel, 35 anos, ingeriu um garrafão de 5 litros de vinho durante o jantar. Após o caminhão bater em mais de dez automóveis, Paulo Gualberto DiAfonsin Requinel foi parado pela Brigada Militar. Para espanto de todos, o teste do bafômetro nada apontou. O teste foi feito três vezes e nas três tentativas não mostrou nenhum sinal de álcool no sangue.
Após ter seus dados anotados pela BM, Paulo Gualberto DiAfonsin Requinel foi liberado para seguir viagem. À nossa equipe o motorista revelou o segredo para passar no bafômetro:
- Dizem que se o vivente tomar leite ou comer cacetinho depois de beber o sangue fica limpo. Mentiraaa!. O segredo é tomar um belo chimarrão, com erva Gaúcha. Já fiz isso diversas vezes e nunca fui pego pelo bafômetro - disse o Paulo Gualberto DiAfonsin Requinel.
By: O Bairrista, com adaptações
Leia Mais ►

Coordenador de campanha tucana compra o imóvel mais caro do Rio de Janeiro

A hospedaria do Nelson Jobim no Rio de Janeiro
João Elisio e Regina Martelli: o preço mais alto já pago por um apartamento no Rio
O misterioso comprador do nono andar do Edifício Juan Les Pins, por R$ 39 milhões (e não R$ 32 milhões, como saiu publicado), preço mais alto já pago por um apartamento no Rio, é o ex-presidente da Fenaseg (Federação Nacional das Empresas de Seguros), o paranaense João Elisio Ferraz de Campos, coordenador-geral da campanha tucana de Beto Richa, casado com a jornalista de moda Regina Martelli. Ele comprou o imóvel de um suíço, que deixa oRio, e a mudança do casal não deverá ser para breve, pois o apartamento deverá entrar em obras de decoração. Não esquecendo que o decorador favorito de Martelli é o Zau Olivieri, que assina o décor dos dois maravilhosos apartamentos onde eles vivem na Prudente de Morais transformados num só...
João Elisio é considerado um craque nas articulações políticas. Antes de presidir aFenaseg, ele fez carreira na política paranaense, começando como secretário deAdministração do Governo Jaime Canet, depois como deputado da Arena, de onde se mudou para o PMDB, sendo eleito, em 1982, vice-governador de José Richa, acumulando a presidência do Banco de Desenvolvimento do Paraná e a Secretaria de Finanças. Em 1986, com a saída de Richa para concorrer a senador, ele assumiu ogoverno do Estado, até 15 de março de 1987...
Ao lado de Regina, João recebe com grande simpatia, e tinham o hábito de, todos os anos, fazerem um jantar celebrando o aniversário de Consuelo Pereira de Almeida, a comadre querida de Jorge Bornhausen, grande amigo deles...
Com esta aquisição, o Juan Les Pins passa a ser praticamente um quartel-general carioca de uma turma de amigos inseparáveis do ex-senador Bornhausen, aí incluídos os donos da cobertura, Jonas Barcellos e Paula, que, além de Bornhausen e Dulcinha, também costumam receber como hóspedes em seu duplex o ministro da Defesa, Nelson Jobim, e Adriane...
Hildegard Angel
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 721

Leia Mais ►

Mídia: as mudanças virão das ruas

Esperava-se que os acontecimentos envolvendo o tablóide “News of the World” provocassem algum tipo de reflexão crítica por parte da grande mídia brasileira. O que temos visto, no entanto, é uma postura quase agressiva de atribuir o ocorrido à ação criminosa de apenas alguns indivíduos e de demonizar qualquer debate sobre a regulamentação do setor.
Esperava-se que os acontecimentos envolvendo o tablóide “News of the World” – que se espraiam não só para outros veículos do News Corporation, mas também para outros grupos de mídia na Inglaterra e, talvez, em outros países – provocassem algum tipo de reflexão crítica por parte da grande mídia brasileira, seus parceiros e defensores.
O que temos visto, no entanto, é uma postura quase agressiva de, sem mais (1) atribuir o ocorrido a ação criminosa de apenas alguns indivíduos que não representariam um comportamento rotineiro da grande mídia; (2) insistir que os fatos não podem servir de exemplo para a defesa da regulação do setor ou comprovar a ineficiência da autorregulação; e (3) acusar aqueles que discordam de pretenderem amordaçar a imprensa e cercear a liberdade de expressão.
Na verdade, a postura da grande mídia brasileira e de seus parceiros e defensores não deveria constituir surpresa. O histórico de rejeição sistemática à democratização do setor e de recusa ao diálogo tem sido uma de suas características. Hoje, tornou-se trivial executivos dos grandes grupos midiáticos darem declarações e/ou entrevistas acusando dispositivos da Constituição de 88 de serem normas autoritárias e de censura. Mas, no caso presente, o grau de resistência a enxergar o óbvio – que tem sido objeto de reflexões em todo o planeta – é realmente assustador.
Questões sem resposta
Por que a idéia de qualquer regulação do setor, a exemplo do que existe em outros países democráticos, incomoda tanto a grande mídia brasileira?
Por que o único critério para aferir a universalidade da liberdade de expressão é a não interferência do Estado no mercado oligopolizado de mídia e não a pluralidade de vozes que tem acesso ao espaço público?
Por que, diante de qualquer proposta de regulação, ressurge o argumento clássico liberal de que o melhor remédio é sempre mais liberdade quando se sabe que esse remédio, muitas vezes, sufoca o debate público e impede a manifestação exatamente das vozes que se oporiam ao discurso dominante?
Por que o debate dessas questões continua interditado na grande mídia brasileira que oferece espaço apenas para seus parceiros e aliados e não enfrenta o contraditório de suas posições?
Onde está a resposta?
A resposta a essas questões talvez esteja no poder de facto que a grande mídia consegue articular em torno de si mesma. Seus interesses estão de tal forma imbricados com aqueles das oligarquias políticas e de setores empresariais que permanecem intocáveis. E mais: são apresentados e justificados publicamente em nome de liberdades que são bandeiras verdadeiras da democracia.
Infelizmente, continuamos muito distantes do verdadeiro exercício democrático. O liberalismo brasileiro sempre foi excludente e continua tendo pavor de qualquer tentativa republicana do Estado no sentido de permitir maior participação popular na formulação e fiscalização das políticas públicas, em particular, nas comunicações. Por isso a idéia dos conselhos de comunicação – nacional, estaduais e municipais – é combatida de forma tão virulenta.
A consciência que vem das ruas
O que a grande mídia não consegue mais controlar, todavia, é o aumento da consciência sobre a importância do direito à comunicação nas sociedades contemporâneas. A exemplo das explosões populares que tem ocorrido em outras partes do planeta, sintomas do fenômeno começam a ocorrer aqui mesmo na Terra de Santa Cruz, com a fundamental mediação tecnológica das TICs.
Para além do entretenimento culturalmente arraigado – simbolizado pelas novelas e pelo futebol – cada dia que passa, aumenta o número de brasileiros que se dão conta do imenso poder que ainda está na mão daqueles que controlam a grande mídia e que, historicamente, sonega e esconde as vozes e os interesses de milhões de outros brasileiros.
É o aumento dessa consciência que vem das ruas que explica as pequenas e importantes vitórias que a sociedade civil organizada começa finalmente a construir em níveis estadual e local. O melhor exemplo parece ser a aprovação pela Assembléia Legislativa da Bahia do Conselho Estadual de Comunicação Social – o primeiro do país – que deve ser instalado em agosto, com participação majoritária dos movimentos sociais e dos empresários. Existe possibilidade real de que outros conselhos, já previstos nas constituições estaduais, sejam instalados em breve.
Esse parece ser o único caminho possível para a democratização da comunicação no nosso país: a consciência da cidadania. Esse caminho independe da vontade da grande mídia e de seus parceiros e defensores. Esses continuarão encastelados na sua arrogância, cada dia mais distantes das vozes excluídas que vem das ruas e que, felizmente, não conseguem mais controlar.
A ver.
Venício Lima, Professor Titular de Ciência Política e Comunicação da UnB (aposentado) e autor, dentre outros, de Regulação das Comunicações – História, poder e direitos, Editora Paulus, 2011.
Leia Mais ►

Tiros contra manifestantes: um atentado à democracia

Os tiros disparados por um oficial da Polícia Militar não foram apenas contra os manifestantes. Os tiros foram disparados contra a democracia de um país onde muita gente morreu por ela. Isso é um absurdo. Isso é uma covardia e desrespeito aos direitos humanos.
Covardia e despreparo. Uma tentativa de homicídio em massa. Assim a população classificou os tiros disparados por um oficial da Polícia Militar contra manifestantes que protestavam contra a privatização da Companhia de Saneamento da Capital (Sanecap) em frente à Prefeitura Municipal de Cuiabá (PMC). E pior: não foram tiros para o alto como afirmou o tenente-coronel Walter Silveira, comandante do 1º Batalhão de Polícia responsável pela segurança da área central da Capital.
As cenas de violência foram mostradas no Programa "Cadeia Neles", da TV Record, nesta sexta-feira, 29, desmentem o oficial. As imagens nítidas sem em montagem comprovam que os tiros foram disparados para baixo, contra os manifestantes que estavam a menos de dois metros de distância do atirador.
Foram dois tiros de uma arma semelhante a uma escopeta, cuja pólvora explodiu e causou dezenas de perfurações na perna do funcionário da Companhia de Saneamento da Cpaital (Sanecap), que estava engajado na luta em defesa da instituição como autarquia de propriedade da comunidade, já que suas finanças saem dos bolsos dos contribuintes.
Um policial federal que pediu para não ser identificado assistiu as imagens em companhia da reportagem do Portal de Notícias 24 Horas Newse não teve dúvidas: “Foi uma tentativa de homicídio. O policial atirou nitidamente para baixo, em direção aos manifestantes que estavam a menos de dois a metros de distância”. O policial federal esclarece, inclusive, que qualquer pessoa, mesmo civis que estivessem no local no momento dos tiros poderia dar voz de prisão do atirador.
“Foi uma tentativa de homicídio em massa, pois o policial atirou contra várias pessoas. Se estivesse lá o prenderia com certeza. Aliás, o próprio comandante, que parece que estava lá poderia prender o homem que atirou. Dai em diante o atirador teria que explicar quem autorizou que ele atirasse”. Conforme o comandante, as armas usadas são todas não letais.
Outras três pessoas foram atingidas por disparos dos militares no protesto. Os manifestantes se queixaram da violência da Polícia. O protesto começou na Praça Ipiranga e antes de parar na Praça Alencastro realizou movimentos pelas ruas próximas. Os manifestantes disseram que a Polícia os recebeu de arma em punho. Uma menina de 12 anos foi atingida por spray de pimenta nos olhos.
O protesto foi tratado pela Prefeitura e pela Polícia como sendo "bando de baderneiros".
Para Pedro Aparecido, que ficou com uma marca vermelha de tiro na perna, na altura do joelho, a polícia demonstrou despreparo ao disparar, ignorando o processo democrático e o direito das pessoas de estarem indignadas e revoltadas. Pedro é presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal (Sindjufe-MT), um dos signatários do Fórum contra a Privatização do Saneamento e em Defesa da Sanecap.
Leia Mais ►