6 de mai de 2011

Paul McCartney

Leia Mais ►

As Maravilhas de Portugal no Mundo - Fortaleza de Jesus de Mombaça, Quénia

O Forte Jesus de Mombaça, também referido como Fortaleza de Jesus de Mombaça, localiza-se na cidade de Mombaça, no atual Quénia.
Ergue-se no topo de uma formação de coral, sobranceira à entrada do antigo porto de Mombaça, e tinha a função de defesa daquela escala das rotas comerciais portuguesas entre o Estado da Índia e os seus interesses na África Oriental, na passagem do século XVI para o XVII. É considerado pelos estudiosos na atualidade como um dos representantes mais significativo da arquitetura militar Portuguesa do século XVI na costa oriental africana.
Nesta povoação swahili, em um dos melhores portos de águas profundas da costa oriental africana, em posição estratégica frente ao sub-continente indiano, constitui-se um importante entreposto comercial islâmico, que mantinha significativas relações com Cambaia e Sofala.
Ao contrário de Melinde, Mombaça hostilizou a presença da frota de Vasco da Gama em 1498, vindo a ser atacada em 1505, em represália, por D. Francisco de Almeida, primeiro Vice-rei do Estado Português da Índia. Nos anos seguintes, por diversas ocasiões foi alvo de ataques portugueses, o último dos quais conduzido por D. Nuno da Cunha, em 1528. Este, a caminho de Goa onde viria a tomar posse como Governador-geral do Oriente, decidiu pela destruição da cidade, arrasada na ocasião.
O forte quinhentista
No contexto da Dinastia Filipina, diante de alterações nas condições que mantinham a principal base de operações portuguesa na feitoria de Melinde, foi decidida a transferência das suas operações para Mombaça, com a ocupação definitiva desta cidade em 1585.
Diante dos ataques dos turcos otomanos em 1585 e em 1588, para guarnecer este porto estratégico, foi projetada pelo arquiteto militar milanês Giovanni Battista Cairati, arquiteto-mor de Portugal no Oriente sob o reinado de Filipe I de Portugal (1580-1598), uma fortificação compacta e poderosa, a Fortaleza de Jesus de Mombaça. As obras foram iniciadas pelo seu primeiro capitão, Mateus Mendes de Vasconcelos, a partir de 11 de abril de 1593 e estavam concluídas em 1596.
A partir de 1958, ano em que foi classificado como Monumento Histórico, e com vistas à sua restauração, passou a ser estudado por especialistas ingleses e quenianos com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa. As escavações arqueológicas foram conduzidas por uma equipe liderada por James Kirkman, fartamente apoiadas por documentos históricos, de 1958 a 1971[2].
É, nos nossos dias, o mais importante monumento histórico do Quênia, encontrando-se requalificado como um museu.
A sua planta apresenta o formato de um quadrilátero, com baluartes nos vértices - os dois pelo lado de terra triangulares, em forma de espigão, e os dois voltados para o mar, em triângulo obtuso - respectivamente sob a invocação de São Filipe, Santo Alberto, São Matias e São Mateus.
Próximo ao baluarte de São Matias rasga-se o portão de armas, encimado por uma lápide com a inscrição:
"Reinando em Portugal Phellipe de Austria o primeiro (...) por seu mandado (...) fortaleza de nome Jesus de Mombaca aomze dabril de 1593 (...) Visso Rei da India Mathias Dalboquerque (...) Matheus Mendes de Vasconcellos que pasou com armada e este porto (...) arquitecto mor da India Joao Bautista Cairato servindo de mestre das obras Gaspar Rodrigues."
A planta do Forte Jesus repete-se no Forte dos Reis Magos, em Natal, na costa nordeste do Brasil, iniciado em 1598 pelo jesuíta Gaspar de Samperes, que fora "mestre nas traças de engenharia na Espanha e Flandres" e discípulo do italiano Giovanni Battista Antonelli: uma coincidência decerto explicável pelo uso das mesmas fontes.
Leia Mais ►

Juízo: Os Jovens Infratores do Brasil - 3

Assista também: Juízo: Os Jovens Infratores do Brasil - 1 - 2
Leia Mais ►

Princesa Kate: “Edison Lobão foi minha desgraça.”

William aceitou levar Edison Lobão na noite de núpcias. “Não sabia que ele era tão bem-apanhado”, disse o príncipe,
numa declaração que deixou Middleton com a pulga atrás da orelha.
PALÁCIO DE BUCKINGHAM – Aos prantos, três horas após aceitar como seu legítimo esposo William Arthur Philip Louis, duque de Cambridge, segundo na linha de sucessão ao trono britânico, Kate Middleton confessou ao pai: “Amo Edison Lobão.”
A notícia, não confirmada pela Casa de Windsor, causou perplexidade no Reino Unido e já é considerada a pior crise da monarquia desde a renúncia de Eduardo VIII, em 1936.
Kate Middleton conheceu Edison Lobão em março passado, ao abrir, distraidamente, uma brochura intitulada “Processos e Perspectivas para um Plano Diretor de Energia Eólica – O Caso Brasileiro.” Em conversas com a Duquesa de York, Middleton confessou que a leitura a deixou fascinada. “Todas aquelas ideias só podem ser oriundas de uma mente muito espiritualizada”, disse, negando, porém, que seu súbito interesse na relação quilowatts-hora por números de pás tivesse outro significado além da manifestação de uma saudável inquietude intelectual.
Documentos publicados pelo jornal The Guardian revelam uma história mais complexa. Registros obtidos junto ao Google mostram que, desde o início de abril, Middleton enviou vários e-mails de sua conta kmiddleton@gmail.com para o Ministério das Minas e Energia. As primeiras mensagens se dirigem a “His Excellency Minister Lobão”; pouco tempo depois, Middleton já escreve para “Dearest Edison”; o último e-mail é para “My Big Bad Wolf”.
Aproveitando o blackout da imprensa às vésperas do casamento, os dois teriam conseguido se encontrar na terceira semana de abril em Pindaré Mirim, às margens do majestoso Pindaré. A cidade é considerada o berço da cultura maranhense, e Middleton foi arrebatada pelas belezas do Bumba-Meu-Boi, do Cacuriá e do Tambor de Crioula.
Num momento que só os enlevos do amor podem explicar, Kate Middleton esqueceu-se da discrição e, desassombrada, postou uma mensagem no Facebook de Lobão: “Se ao menos William tivesse metade do seu topete...”
Ao saber da notícia, Michel Temer ligou para a Rainha Elizabeth II para sugerir-lhe o nome de “dois bons advogados de vara de família ligados ao PMDB”.
A presidenta Dilma Rousseff cancelou todos os compromissos do dia e voltou para o Alvorada. Uma nota oficial alega que ela está com enxaqueca.
Leia Mais ►

Bin Laden e a última aventura do Super Homem

Para entender por que agora, justamente agora, nesta data entre todas as outras possíveis, decidiu-se realizar o “justiçamento” de Bin Laden, talvez seja necessário vincular sua morte repentina e desejada com dois acontecimentos aparentemente desconectados que surgiram na semana passada: o anúncio do Super Homem (na sua história n° 900) de que pensava ir às Nações Unidas para renunciar à cidadania norteamericana, e a divulgação pelo presidente Barack Obama da certidão de nascimento que comprova sua nacionalidade estadunidense. Terá sido uma suprema coincidência?
Pode ser uma suprema coincidência? Ou por acaso tem gato – ou super herói – nesta tuba?
Para entender por que agora, justamente agora, nesta data entre todas as outras possíveis, decidiu-se realizar o “justiçamento” de Bin Laden, talvez seja necessário vincular sua morte repentina e desejada com dois acontecimentos aparentemente desconectados que surgiram na semana passada.
O primeiro, que causou entre os fanáticos da guerra entre o bem e o mal quase tanta consternação como o assassinato do funesto e lúgubre chefe da Al Qaeda, ainda que menos júbilo, foi o anúncio do Super Homem (na história n° 900 do aniversário que celebra suas peripécias) de que pensava ir às Nações Unidas para renunciar à cidadania norteamericana. O Homem de Aço que, desde sua primeira aparição inaugural na revista Action, em junho de 1938, veste-se com as cores da bandeira estadunidense e age em nome dos valores norteamericanos, chegou a essa decisão tão drástica depois de sofrer críticas do encarregado de segurança do governo estadunidense (um homem negro parecido com Colin Powell) por ter voado até Teerã para demonstrar, durante 24 horas, sua solidariedade com os manifestantes da Revolução Verde que protestavam contra o despotismo de Ahmadinejad e seus partidários.
O governo do Irã (na história em quadrinhos, é claro, já que duvido que os aiatolás reais se dediquem a ler dissimuladamente as aventuras de Superman) denunciou esse ato – por silencioso que fosse e motivado pela não violência – como uma ingerência do Grande Satã em seus assuntos internos, quase como uma declaração de guerra. Os autocratas do Irã me desagradam muito, mas não se objetar sua lógica de aceitar as palavras do próprio Homem de Aço que encarna há décadas o conjunto “truth, justice and the American way” (verdade, justiça e o modo americano de vida). De modo que o Super Homem, para poder agir daqui em diante para além das fronteiras nacionais e os interesses circunstanciais de qualquer Estado, se viu obrigado a estabelecer sua independência frente a seu país adotivo. Porque, de fato, o Super Homem não nasceu nos Estados Unidos, mas sim no planeta Krypton, chegando bebê (sem passar por aduanas nem imigração) ao Kansas em uma pequena nave espacial, sendo acolhido neste território, no centro dos EUA, pelos Kent, fazendeiros que personificam personificam precisamente o “american way”. Era Ka-El. Virou Clark Kent.
É difícil exagerar a indignação com que este ato audacioso de renunciar à cidadania, esta “bofetada” do Superman, foi recebida pelo povo norteamericano. Eu li blogueiros defendendo seriamente que o novo campeão do internacionalismo fosse deportado para seu planeta de origem (como se fosse um mexicano ilegal), e já circula um abaixo assinado para que os executivos da Time Warner (donos da empresa que comercializa o Super Homem) forcem os autores da história a se retratar. Além disso, vários comentaristas conservadores viram esse insulto do super herói como a prova definitiva da decadência do país mais poderoso da terra: até o ídolo que representa mais universalmente nosso modo de vida está nos dando as costas!.
Não sei se o presidente Obama segue atentamente as aventuras do Super Homem (sabe-se que é um fã do Homem Aranha, de cuja origem nova-iorquina não cabem dúvidas), mas alguém deve ter chamado a sua atenção sobre a perda de prestígio que significa a deserção de um tal titã. O que acontece, por exemplo, se o Homem de Aço, guia dos despossuídos, decide fechar Guantánamo ou usar seus olhos de raios X para liberar alguns Super Wikileaks, agora que já deve lealdade à bandeira norteamericana? O que acontece se ele se põe a serviço de uma potência como a China? – ainda que, pensando bem, não haja muita Verdade ou Justiça neste país, de modo que ele seguramente não aceitaria esse tipo de aliança. Em todo o caso, os conselheiros de Obama devem ter lhe explicado que a defecção de Super Homem deveria ser tratada como uma imensa crise cultural e ideológica que inclusive poderia custar a reeleição ao presidente, uma vez que os republicanos já cozinhavam planos para acusá-lo de ter “perdido” o Super Homem (como ocorreu com Cuba ou Vietnã).
A resposta de Obama foi genial: ao matar Bin Laden, provava que os EUA não necessitava de um homem musculoso que voa e atravessa paredes para defender-se dos terroristas, pois, para isso, tem helicópteros e tropas especiais como os Seals, computadores e armas – como que não – de aço. Um modo de restaurar a confiança nacional que estava machucada e que dificilmente poderia tolerar outro menosprezo à sua auréola.
É claro que, antes de poder realizar aquela operação no Paquistão, Obama tinha que acertar outro assunto, um problema que o rondava há vários anos. Como iria apresentar-se perante o mundo e anunciar o assassinato de Bin Laden em nome dos Estados Unidos se uma insólita porcentagem de seu próprio povo duvidada que seu presidente era, de fato, norteamericano? Como criar o contraste com o trânsfuga Super Homem se Obama mesmo era acusado de ter nascido no estrangeiro, no Quênia, que, como se sabe, está muito mais longe do Kansas do que o planeta Krypton, por mais que os três lugares compartilhem a kafkiana letra K?
Isso levou Obama a divulgar, há alguns dias, sua certidão de nascimento, tapando a boca daqueles que o apontavam como um “alien” (alheio, estrangeiro, mas também extraterrestre, outro significativo paralelo entre o presidente e o super herói). Por certo que um conjunto de seus concidadãos segue acreditando que Obama não nasceu em território norteamericano. Insistem que o documento foi flasificado, que o hospital foi subornado e que a mãe (nascida originalmente nada mais nada menos que no Kansas) trouxe o menino de contrabando para o Wawaí, porque sabia que, dali a quarenta e tantos anos, aquele menino mulato seria presidente. Creio que a única maneira desses recalcitrantes aceitarem que Obama nasceu nos EUA seria ele branquear inteiramente a cara e toda a pele. Aí ele já não seria mais um “alien”.
Mas, para a maioria de seus compatriotas, Obama conseguiu em uma semana uma verdadeira e tripla proeza. Ao provar que era um presidente legítimo, pode, armado de seu certificado de nascimento e também do exército mais poderoso do globo, eliminar o sinistro inimigo número um dos Estados Unidos. E sem precisar da intervenção do Super Homem.
E agora?
Agora, proponho uma façanha de verdade: já que a razão pela qual Bush invadiu o Afeganistão era o apoio que os talibãs ofereciam a Bin Laden, não chegou o momento de retirar todas as forças norte-americanas desse país de montanhas e guerrilhas?
Estou seguro que o Super Homem, em parceria com as Nações Unidas e esgrimindo seu novo passaporte cosmopolita e global, ficaria feliz em ajudar no transporte rápido das tropas. Seria bonito vermos isso nas próximas aventuras do Homem de Aço, seria alentador que Obama e o Superman – ambos com suas origens no Kansas, ambos menosprezados por serem “estrangeiros” – colaborassem para criar pelo menos um pequeno oásis de paz no mundo onde infelizmente escasseiam hoje tanto a verdade como a justiça.
Ariel Dorfman é escritor. Seu romance mais recente é “Americanos: Los passos de Murieta”. Página /12
Tradução: Katarina Peixoto
Leia Mais ►

Ministro: sem Fielzão, não há Copa das Confederações em São Paulo

O ministro do Esporte, Orlando Silva Júnior, e o
presidente do Timão,  Andrés Sanches, em reunião
Depois de evento na Assembleia Legislativa, Orlando Silva Júnior praticamente descarta a presença da capital paulista no torneio
participação de São Paulo na Copa das Confederações de 2013 depende totalmente da construção do estádio do Corinthians, em Itaquera. Essa é a posição de Orlando Silva Júnior, ministro do Esporte. Nesta sexta-feira, durante evento na Assembleia Legislativa, ele afirmou que a cidade não estará na competição caso o Fielzão não fique pronto – o torneio ocorre sempre um ano antes do Mundial.
- Se o estádio do Corinthians não ficar pronto, acredito que São Paulo fica fora da Copa das Confederações - declarou o ministro.
Recentemente, com o constante atraso nas obras do estádio corintiano, surgiu a ideia na capital paulista de que o Morumbi, do São Paulo, o Pacaembu, do município, ou a Arena Palestra, estádio em construção do Palmeiras, poderiam ser uma sede “tampão”. Mas Orlando Silva Júnior não concorda com isso.
- O que eu sustento é que não é razoável que a Fifa beneficie uma cidade que não cumpriu o acordo feito anteriormente. Não faz sentido fazer a Copa das Confederações em um estádio que não vai servir para a Copa do Mundo - comentou Orlando Silva.
Escolhido como representante paulista na Copa do Mundo de 2014, o estádio do Corinthians em Itaquera não ficará pronto em tempo de receber a Copa das Confederações. Isso já vem sendo dito pelos dirigentes alvinegros. Depois de vários atrasos, a obra tem previsão de início no mês de junho.
- Acho que se o Palestra Itália ficasse pronto, até poderia ter. Mas pelo que sinto a Copa das Confederações em São Paulo já era - disse Andrés Sanches, presidente do Corinthians.
Ministro cutuca São Paulo
Orlando Silva Júnior criticou o atraso da capital paulista nas obras para o Mundial. Não só com relação ao estádio do Corinthians, escolhido para abertura, mas também na infraestrutura.
O ministro do Esporte disse ter ouvido várias vezes dos governantes estaduais e municipais que as soluções estão próximas, mas até agora...
- Não foram poucas as vezes que conversei com o prefeito Gilberto Kassab e com o governador Geraldo Alckmin e ouvi que começaria nos próximos dias. Eu espero que os próximos dias estejam próximos. Nós insistimos que São Paulo precisa se qualificar rapidamente para a abertura – declarou o Ministro dos Esportes.
Orlando Silva cobrou não apenas que o Fielzão, com inicio das obras previsto para junho, seja acelerado, mas também que as obras no entorno do estádio e no restante da cidade também ganhem tom de prioridade.
Andrés Sanches, presidente do Corinthians, também esteve no evento e adotou o mesmo discurso de sempre:
- Quero deixar um registro explícito aqui. Nós, do Corinthians, defendemos Itaquera sempre. A Copa do Mundo veio depois. Nunca brigamos para ter abertura de Mundial, mas pela necessidade da cidade de São Paulo isso se tornou possível. Faz cinco meses que não vejo outra coisa. E mesmo com todas as dúvidas e desconfianças, esse será o estádio da Copa..
A nova previsão de início para as obras do Fielzão é junho. O que deixa a cidade de São Paulo cada vez mais distante da Copa das Confederações, já que Orlando Silva Júnior deixou claro que a organização não aceitará um estádio “tampão” para que a capital paulista participe do torneio.
By: G1
Leia Mais ►

Encontro de Blogueiros Fluminenses - ao vivo

Leia Mais ►

Ronaldo Tiradentes um canalha da CBN de Manaus

 Um grande exemplo da manipulação da Rede Globo 

No último dia 26 de abril, a médica Bianca Abinader protocolou um mandado de segurança junto ao Tribunal de Justiça do Amazonas, alegando que não tinha condições de trabalho até que fosse reconsiderado seu pedido de licença não remunerada de 2 anos. Dias antes, a Prefeitura negara o pedido, alegando que servidores em processo de sindicância não podiam entrar em licença.
Não existe, no Estatuto Municipal do Servidor Público, nada que impeça um servidor de pedir licença, especialmente não remunerada. Bianca alegava que, depois de sucessivos ataques nas diversas unidades de saúde por onde passou desde janeiro de 2010, não tinha mais condições de trabalhar em paz. Os ataques e invasões, cometidos pelo radialista Ronaldo Tiradentes, (foto), já afetavam o trabalho diário da médica e de seus colegas, além do atendimento aos pacientes.
O mandado de segurança de Bianca foi impetrado durante o plantão judicial. O magistrado plantonista negou o recebimento, e o mandado chegou um dia depois (quarta, 27) às mãos de uma juíza. No dia seguinte, quinta, o advogado de Bianca procurou a vara de Justiça pra saber se já havia uma decisão da juíza. E viu, na chegada ao juizado, ninguém menos que o radialista Ronaldo Tiradentes em pessoa saindo do local. Testemunhas confirmaram a presença do radialista. Ao procurar informações sobre uma possível decisão, o advogado recebeu a informação de que a magistrada acabara de se declarar incompetente para julgar a ação, alegando foro íntimo.
O mandado foi então encaminhado para a juíza substituta, que está em férias. Durante todo esse processo burocrático, Bianca precisou trabalhar normalmente na UBS Amazonas Palhano, no São José, sem condições psicológicas, com medo de ser atacada a qualquer momento. Seu advogado pediu novamente que o mandado fosse julgado durante o plantão, e o pedido foi novamente negado, pois o juiz entendeu que não havia urgência na questão. Mas deferiu o pedido para que o mandado fosse redistribuído, em vez de obrigar Bianca a esperar pelo retorno da juíza em férias.
Como vem fazendo desde que recebeu advertência oficial e por escrito do Conselho de Ética da Rede CBN nacional, Ronaldo deixou de falar sobre Bianca no ar durante seu programa diário de opinião, com 1,5 hora de duração. Criou uma conta no Twitter e ali vem divulgando, em primeira mão, decisões internas tomadas por seus amigos, Francisco Deodato e Orestes Guimarães, antes mesmo das publicações oficiais. É ali também que Ronaldo vem anunciando a manipulação que estaria ocorrendo: “PRONTO! O TRIANGULO DUPLO MORTAL JÁ ESTÁ ENCAIXADO. PODE ESTRIBUCHAR, GEMER, GRITAR E BATER. CAIO NUNES SÓ LARGA QUANDO NOCAUTEAR.“
Ou assim “O DIÁRIO OFICIAL DE HJ TRÁS MÁS NOTÍCIAS PARA QUEM NÃO GOSTA DE TRABALHAR. ESTÁ ABERTO O PROCESSO DE DEMISSÃO.
A mensagem acima é de 1h46 da tarde do dia 28 de abril. Somente seis horas e meia depois, às 20h15, o Diário Oficial do Município publicava a portaria 255/2011, assinada pelo secretário Francisco Deodato, determinando a instauração de Processo Administrativo Disciplinar contra Bianca. O motivo não era assiduidade ou “não gostar de trabalhar”. Na portaria, Deodato afirmava: “posto que [Bianca] incorreu a infração disciplinar de referir-se de modo depreciativo, às atividades e atos da administração pública“. Confira na imagem abaixo.
O que é mais grave? Que depois de um ano e meio sendo acusada de faltar ao trabalho, denúncia nunca comprovada, Bianca passe repentinamente a ser acusada de falar mal de atos da Prefeitura? Ou que o secretário, ao instaurar o processo, já dê um veredito e indique que houve a infração?
Ao contrário do que afirma Ronaldo Tiradentes, não há provas das faltas, do uso da internet nem dos atrasos da médica. Ao contrário do que afirma seu amigo, Francisco Deodato, também não há provas da “infração disciplinar” de Bianca.
Há, pelo contrário, fartas provas a favor de Bianca. Uma delas é o vídeo gravado pelo próprio Ronaldo no dia 15 de março, às 12h10. Naquele dia, o radialista invadiu a UBS Amazonas Palhano no turno da tarde, à procura de Bianca, que trabalha pela manhã. Invadiu o refeitório e foi desmentido pela diretora do posto, Eurinete Santana. Foi ao guichê de atendimento e foi desmentido pelos atendentes. Tentou encontrar pacientes não atendidos por Bianca, mas não os achou.
Desorientado, vagou pelo salão de espera à procura de uma brecha para acusar a médica. Na falta dessa brecha, apontou sua câmera para o Termo de Exclusão de Bianca do programa Saúde da Família, solicitado e assinado pela médica no dia 7 de fevereiro. O documento, que continha um erro (informava que a carga de Bianca era de 6 horas diárias em vez de 4) foi corrigido no mesmo dia. Ou Ronaldo não recebeu esse documento, ou recebeu e guardou, como fez com o relatório da sindicância de 2010.
Os dois documentos estão à disposição no site O Caso Bianca Abinader: o termo errado e o termo corrigido, ambos publicados na mesma data. Não existe médico com carga de 6 horas diárias em todo o quadro da Prefeitura de Manaus. A prova é outro documento, o de relotação da médica justamente para aquela UBS, a Amazonas Palhano, onde se lê que a carga horária é de 20 horas semanais. Como todos os outros documentos que provam a fraude das acusações, este também está aqui. Veja na imagem abaixo.
Mas a prova mais forte da acusação falsa é justamente a atitude de Ronaldo Tiradentes, ao esconder o próprio filme. Depois de invadir a UBS e filmar sua ação desesperada, o radialista correu pro Twitter e anunciou que, naquele mesmo dia, publicaria o vídeo no site da rádio CBN. No microblog, Ronaldo disse, entre 12h56 e 13h03:
  1. “@ismaelbneto VOCÊ SABE ME DIZER ONDE ESTÁ SUA AMIGA BIANCA ABINADER. FIU FAZER UMA CONSULTA NO AMAZONAS PALHANO HOJE. NÃO ENCONTREI A DRA.”
  2. “CONTINUA GAZETANDO O TRABALHO? FUI FAZER UMA CONSULTA HOJE E NÃO TE ENCONTREI. O QUE EU DEVO FAZER?”
  3. “@biabinader SEU CONTRATO DE TRABALHO É DE 6 HS E 10 MINUTOS DIA, MAS VOCÊ SÓ APARECE DE 8 AS 11 HS. PORQUE?”
  4. “PRECISAMOS CORTAR NO MEIO O SEU SALÁRIO. VC SÓ ESTÁ TRABALHANDO A METADE DO CONTRATO. E AGORA @biabinader ?”
  5. “FALEI PARA VOCÊ NÃO ENCHER O SACO DO CAIO NUNES, VC NÃO OUVIU. MAIS TARDE VC ESTARÁ NO YOUTUBE.”
  6. “SE ENCHER MAIS O SACO, AMANHÃ ESTARÁ NA CBN E NOS BLOGS. CAIO NUNES VAI MANDAR DEIXAR AMANHÃ A CÓPIA DA GRAVAÇÃO.”
  7. “TENHO TUDO FILMADO. SUA ENTRADA DEPOIS DAS 8 E A SAIDA UM POUQUINHO ANTES DAS 11.”
  8. “@biabinader CUIDADO, O ROLO COMPRESSOR PODE TE ESMAGAR. NÃO ME OBRIGUE A FICAR ANDANDO ATRÁS DE VC. SAUDAÇÕES”
A mentira não resiste sequer à filmadora do próprio Ronaldo Tiradentes. Sabedor de que não encontraria Bianca no turno da tarde, Ronaldo foi à UBS para montar um flagrante falso. Não filmou a chegada nem a saída da médica. Ao contrário do que ouviu dos funcionários no próprio vídeo, disse que Bianca chegou depois das 8h e saiu antes das 11h. Depois de zanzar perdido em busca de um mísero depoimento que lhe ajudasse, filmou uma sala de espera cheia de pacientes à espera de outros médicos, e tentou fazer com que as imagens comprometessem alguém que saíra dali uma hora antes.
Repare no filme que Ronaldo gravou e mandou para Deodato. A 2 minutos e 47 segundos do início, há um corte sem explicações. Depois disso, Ronaldo pergunta a Dona Eurinete: “A… senhora… tem controle de ponto aí? Dos médicos? Hum?” Com a boca cheia de comida, a diretora da UBS Amazonas Palhano assente com a cabeça: sim. Esse é o momento da verdade, é a hora em que Ronaldo pode comprovar, com um documento oficial oferecido pela diretoria da UBS, os crimes da médica.
E o que o acusador faz? “Ok, tá bom, brigado… Tchau!”, e vira as costas. Permanece sem explicação até hoje, na SEMSA, por que Ronaldo virou as costas para o que seria a prova cabal de suas denúncias: a folha de frequência dos médicos. O radialista preferiu voltar ao salão de espera, abarrotado de pacientes de um turno que não era o de Bianca, para procurar um paciente da médica.
Voltou ao guichê, onde os funcionários não se entendiam sobre o horário dos médicos. Um deles dizia que o horário era de 8h às 11h, outro dizia ser a partir das 7h. Uma confusão desnecessária, Ronaldo acabava de saber que havia registros oficiais dos horários de entrada e saída dos médicos, mas preferiu não vê-los.
Era a pressa pra ir pra casa “twittar”. O radialista, que acusava Bianca de usar o microblog Twitter compulsivamente, fez seu vídeo às 12h10 da tarde e já a partir das 12h56 disparou as 8 mensagens acima no Twitter, em impressionantes 7 minutos.
Seu filme, gravado no dia 15 de março, nunca foi publicado. No lugar disso, Ronaldo o editou (tirando o trecho em que agredia funcionários da UBS), escreveu uma carta em nome da CBN e enviou tudo aos amigos, Deodato e Orestes, para que instalassem outra sindicância.
E mais uma sindicância foi instalada.
A bagunça que Ronaldo vem causando dentro da SEMSA é tão grande que ninguém mais sabe que sindicância investiga o quê. A única finalizada até hoje, em 2010, investigava as denúncias de faltas e o uso indevido do computador durante o expediente, e atestava que Bianca tinha 99% de aprovação entre os pacientes e não tinha sequer UMA falta injustificada.
Dias atrás Bianca depôs novamente, agora sobre o vídeo acima, que Ronaldo fez e escondeu, mas que no gabinete dos secretários da SEMSA fez sucesso. Bianca precisou se explicar sobre isso que você vê acima.
Na tarde desta quarta (4), Bianca foi intimada novamente a depor. Como fracassaram as acusações de que faltava ao trabalho, não atendia os pacientes e se atrasava nos atendimentos, uma terceira sindicância foi instaurada. Hoje Bianca precisou se explicar sobre críticas que teria feito à Prefeitura de Manaus na internet.
A denúncia que levou a SEMSA a intimar a médica novamente, foi novamente feita pelo tuiteiro Ronaldo Tiradentes. Dessa vez, o tuiteiro enviou aos amigos da SEMSA transcrições que seriam de comentários da médica no Twitter. Para isso, Ronaldo usou como “prova” o seu próprio blog, para onde teria copiado os originais dos comentários da médica na rede social.
E os originais do que Ronaldo afirma que Bianca disse? Onde estão?
Eles não existem. Para que fique comprovado que o radialista não adulterou provas e que Bianca realmente disse o que ele a acusa de ter dito, a Prefeitura (ou a CBN, hoje é difícil separar) precisará encontrar a prova material da ofensa. Basear-se na quinta mentira do acusador para acusá-la, depois das quatro primeiras terem sido desmascaradas, é irresponsabilidade da Prefeitura, que corre o risco de embarcar, à toa, na mais criminosa campanha de assassinato moral da história do jornalismo amazonense.
Depois de 16 meses sendo acusada, pela CBN Manaus e por outras pessoas na internet, Bianca Oliveira Abinader Gavinho já foi declarada inocente, pelos membros das Comissões de Sindicância da Prefeitura, nas acusações de que falta ao trabalho e não atende seus pacientes.
Nas próximas horas, o site O Caso Bianca Abinader divulga os nomes das pessoas que, consciente ou desavisadamente, republicaram na internet as acusações falsas de Ronaldo Tiradentes e sua CBN. Com a decisão da SEMSA de inocentar a médica das acusações de faltas, atrasos e uso indevido do computador no horário de trabalho, o caminho natural é que essas 7 pessoas, todas reais, com nomes e sobrenomes, sejam denunciadas à polícia e à Justiça sobre o que publicaram e comentaram.
Leia Mais ►

Dia de Porcus Tristis

Sou torcedor do S.C. Internacional, o Campeão de Tudo, mas nutro alguma simpatia por outros times de outros Estados, como por exemplo, os Atléticos, de Minas Gerais e o do Paraná.
Contudo, é impossível não registrar aqui uma vitória do Coxa. Fazer o quê? Faz parte do jogo reconhecer um bom jogo!
Confira aqui a derrota de Felipão.
Leia Mais ►

Editora Abril é condenada a indenizar ex-jogador por uso da imagem em figurinha

O ex-jogador de futebol Paulo Cezar Tosim,(foto), atleta que vestiu a camisa do Guarani, Corinthians e Vasco da Gama, assegurou no STJ (Superior Tribunal de Justiça) o direito à indenização por dano moral no valor de R$ 10 mil (atualizáveis a partir da data do julgamento), pela impressão da imagem dele, sem prévia autorização, em figurinha de álbum da Editora Abril S/A.
A defesa do jogador recorreu ao STJ contra decisão do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro). O TJ-RJ entendeu que, para ser configurado o dano moral, não basta apenas a publicação indevida da imagem do autor, e sim, um prova do prejuízo dessa exposição por meio da “ridicularização e/ou valorização negativa da imagem do demandante”.
No STJ, os advogados reapresentaram a tese de que somente a publicação da imagem do ex-jogador em álbum de figurinhas, sem autorização expressa, é suficiente para caracterizar os danos morais. O desembargador convocado Vasco Della Giustina acolheu os argumentos e, em decisão monocrática, deu provimento ao recurso especial.
Para o magistrado, o entendimento do TJ-RJ não se alinhou à jurisprudência do STJ, que reconhece a ocorrência de dano à imagem pelo uso de fotografia de jogador em publicações comerciais, sem a devida autorização. “A exploração indevida da imagem de jogadores de futebol em álbum de figurinhas, com o intuito de lucro, sem o consentimento dos atletas, constitui prática ilícita a ensejar a cabal reparação do dano. O direito de arena, que a lei atribui às entidades desportivas, limita-se à fixação , transmissão e retransmissão de espetáculo esportivo, não alcançando o uso da imagem havido por meio da edição de álbum de figurinhas”, concluiu.
Leia Mais ►

Entrevista deputado Aldo Rebelo

Entrevista esclarece dúvidas a respeito do Código Florestal
Leia Mais ►

O terrorismo econômico na mídia não se sustenta


Um mês atrás publiquei um post sob este mesmo título, mostrando que o alarde que o jornal O Globo fazia em torno do número de falências de empresas não passava do mais descarado terrorismo econômico.
Hoje, a nota publicada pelo Jornal da Tarde, sem destaque, mostra que era isso mesmo:
“O número de falências decretadas de micro e pequenas empresas nestes quatro primeiros meses do ano é o menor desde 2005, quando foi editada a nova Lei de Falências. No período, o total de firmas falidas passou de 979 a 193, aponta indicador produzido pela Serasa Experian, empresa de informações de crédito.
De janeiro a abril de 2011, apenas 48 empresas por mês foram à falência no País. O motivo, explica o assessor econômico da Serasa Carlos Henrique de Almeida, é o bom momento da economia.”
A imprensa brasileira tornou-se uma máquina de propaganda e de desinformação, é muito triste dizer. Claro que há muitas e honrosíssimas exceções a esta regras, e não tenho dificuldade nenhuma em registrar aqui que não confundo jornalistas com linha editorial dos jornais.
A grande verdade sobre o papel dos jornais foi publicada muito discretamente por eles. Foi a afirmação da presidente da Associação dos Jornais de que, já que a oposição era fraca e desarticulada, era o papel da mídia ser a oposição.
Informar, assim, certamente não é.

Leia Mais ►

Aécio, do 'Pó' viestes, ao 'Pó' voltarás

Procuradoria Geral de Justiça recebe denúncia sobre improbidade administrativa
Em encontro oficial com o procurador-geral de Justiça do Estado de Minas Gerais, Alceu José Torres Marques, nessa quinta-feira, 5, os líderes do bloco “Minas sem Censura”, deputado Rogério Correia (PT), e da Minoria, deputado Antônio Júlio (PMDB), acompanhados dos deputados Sávio Sousa Cruz (PMDB) e Paulo Lamac (PT), formalizaram denúncia de improbidade administrativa à Procuradoria Geral de Justiça de MG, referente ao caso da Rádio-Arco Iris (Jovem Pan em Minas Gerais), pertencente à família da presidente do SERVAS, senhora Andreia Neves e seu irmão, senador Aécio Neves (PSDB).
Na oportunidade, os deputados expuseram todo o escândalo envolvendo a Rádio Arco Iris, que se iniciou após divulgado pela imprensa que a Land Rouver dirigida pelo senador Aécio Neves, ao ser parada em blitz da Lei Seca no Rio de Janeiro, não pertencia ao tucano, e sim à Rádio. Mesmo com a carteira vencida e se negando a fazer o teste do bafômetro, o senador e seu veículo foram liberados
Ao apurar a estranha situação, o bloco “Minas sem Censura” e a própria imprensa descobriam que a rádio pertencia a Aécio, à sua irmã Andreia Neves e à mãe Inês. Outros seis veículos de luxo também foram declarados em nome da empresa de comunicação da família Neves.
Considerados estranhos os fatos, o bloco de oposição continuou a investigar a rádio Arco-Iris e descobriu, como já noticiado, que a empresa da família Neves recebeu somente em 2010 cerca de R$ 210 mil de publicidade dos cofres públicos mineiros, o que fundamenta improbidade administrativa. O bloco quer informações também sobre o valor total de publicidade com a Arco-Iris durante todo o período do governo Aécio/Anastasia (2003/2011) e nas outras duas empresas de comunicação em nome da presidente do SERVAS: a rádio São João Del Rei S/A e Editora Gazeta de São João Del Rei Ltda.
Fundamentos
A lei de improbidade administrativa (Lei 8.429) define quais são os atos de improbidade administrativa, dividindo-se em três tipos: os que importam em enriquecimento ilícito, os que causam prejuízo ao erário e os que, embora não necessariamente causem enriquecimento ilícito nem causem prejuízo ao erário, atentem contra os princípios da administração pública. Os últimos, são aqueles que violam os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade e lealdade às instituições.
No caso concreto da Rádio Arco-Íris, empresa de propriedade da família Neves há pelo menos 15 anos, constata-se, e o próprio governo admite, que houveram repasses financeiros do Estado àquela empresa, seja através de empresas estatais, seja através da administração direta estadual, a título de pagamento por publicidade.
É de conhecimento público e geral, que a Sra. Andrea Neves da Cunha exerceu, durante todo o mandato de seu irmão, Aécio Neves, a função de Coordenadora do Núcleo Gestor de Comunicação Social, responsável pela elaboração da política de comunicação não só da subsecretaria de Comunicação Social bem como de todas as demais secretarias, autarquias, empresas públicas e fundações estaduais.
O pagamento de publicidade à empresa de propriedade da família Neves, com o inegável conhecimento de sua administradora, Sra. Andrea Neves, põe dos dois lados da relação comercial a mesma pessoa : quem determina o quanto, quando e como vai ser pago é a mesma pessoa que presta o serviço e que recebe o pagamento. Tal relação não seria promíscua e improba caso se tratasse de uma relação comercial entre particulares. Mas trata-se de recursos públicos pagos a uma empresa particular de propriedade do gestor daqueles recursos.
Quanto ao Senador Aécio Neves, responsável maior pela gestão dos recursos do Estado de Minas Gerais nos últimos oito anos e recém integrado como sócio da empresa em questão, outra não pode ser a conclusão de que também houve a prática de atos de improbidade administrativa. Além de autorizar o pagamento a empresa de propriedade de sua família, o que atenta contra o princípio da moralidade pública, utiliza-se dos bens adquiridos por esta empresa, conforme confessa a própria assessoria do ex-governador, ao admitir que o Sr. Aécio Neves há muito faz uso dos veículos de propriedade da rádio para seus deslocamentos no estado do Rio de Janeiro.
O Bloco “Minas sem Censura” requereu instauração de processo administrativo, averiguação dos fatos apontados e a propositura de uma Ação Cível Pública, responsabilizando os representados.
Autarquias e fundações
Outra representação do bloco “Minas sem Censura” ao procurador, requer apuração sobre a situação dos indicados pelo Governo de Minas para direção de autarquias e fundações públicas do Estado. Para serem nomeados, os indicados precisam ser sabatinados e terem seus nomes aprovados em plenário na ALMG. No mês de janeiro, foram publicados no Diário Oficial, atos de “designação” dos indicados. Eles já estão no exercício pleno de seus cargos sem serem aprovados pelo Poder Legislativo, como prever a Constituição Estadual.
O procurador-geral Alceu José Torres Marques determinou a apuração dos fatos apresentados nas representações, prometendo respostas aos questionamentos do Bloco.
Leia Mais ►

A foto de Osama morto

The unidentified body of a man is seen after a raid by US Navy Seal commandos on the compound where al-Qaida leader Osama bin Laden was killed in Abbottabad
Leia Mais ►

Imprensa livre e independente

Li outro dia uma troca de tuítes interessante entre dois camaradas, um deles jornalista que trabalhou em jornal de renome, reacionário de pedra, e o outro blogueiro conhecido pelas críticas duras que faz à imprensa nativa. O fato que me chamou a atenção naquele diálogo exaltado e conflitante foi quando o jornalista praticamente encerrou a conversa dizendo que ele não iria mais discutir com quem chamava de PIG (Partido da Imprensa Golpista) a imprensa livre e independente.
Eu, que conheço um pouco o dito cujo, e sei que ele não é nenhum imbecil, fiquei pasmo. Afinal, pensei, como é que um sujeito que trabalhou quase a vida toda numa das mais conservadoras empresas jornalísticas do país, com interesses explícitos em defender a ideologia neoliberal, pode achar que ela - ou outra do mesmo naipe - representa o jornalismo em sua essência ?
Lembrei de algumas coisas que vi e vivi em quase duas décadas de trabalho diário num desses nossos jornalões para ter a certeza absoluta que o jornalismo ali praticado não era nem livre nem independente. Ao contrário: era apenas a expressão dos sentimentos de seus donos, que por sua vez representavam os da classe dominante - empresário, banqueiros, ruralistas.
Nada de liberdade de expressão, nada de independência.
Claro que o nosso jornalista em questão sabe disso. Se diz o contrário e defende com tenacidade esse modelo de imprensa que existe no país é porque está integrado há muito no sistema, cresceu nele, nele prosperou e construiu a sua vida. Tem razão, portanto, para defendê-lo tanto.
Como ele existem muitos por aí. Gente que, anos atrás, pregava a revolução, implorava por um mundo mais justo, chorava pelos miseráveis e inflamava a audiência com seus discursos, hoje escreve as maiores barbaridades contra o governo, xinga de todos os nomes quem se diz de esquerda, despreza as mais elementares normas da educação e atropela todas as regras do jornalismo - tudo em nome da imprensa livre e independente.
Que fiquem lá com suas convicções. Eu, por mim, quero apenas distância desse tipo de liberdade e independência.
Leia Mais ►

Inflação é do álcool. No resto, baixou. E a ANP, nada…

Os sites da grande imprensa, praticamente “comemoram” o índice de inflação oficial – o IPCA – divulgado pelo IBGE. Com uma variação de 0,77% em abril sobre os preços de março deste ano, para a vibração da grande mídia, a taxa acumulada em 12 meses passou para 6,51% – 0,01% acima da meta fixada pelo governo.
Claro que as pressões inflacionarias existem e devem ser enfrentadas com seriedade e firmeza. Mas, também, com serenidade e foco naquilo que, de fato, provoca elevação dos textos.
A gente não se cansa em repetir aqui:
Não há inflação de demanda, isto é, não é o poder de compra da população que leva ao consumo exagerado, e, com isso à elevação de preços.
Quer saber o que provocou a inflação? Não precisa ser gênio da economia e nem “iluminado”. É só olhar os próprios dados do IBGE que se conclui que o fator que elevou a inflação é – reparem só – o aumento do preço dos combustíveis. Mais precisamente o aumento do preço do etanol, porque a gasolina continua sendo vendida pela Petrobras nas refinarias aos mesmos R$1,05 de dois anos atrás.
E o que mostra o IBGE?
A inflação do mês de abril foi de 0,77% – praticamente a mesma de março quando registrou 0,79%. Deste percentual, 0,3% deveu-se ao aumento de preço no grupo Transporte, obviamente, mais impactável pela alta dos combustíveis. Se o preço do combustível estivesse estável (ou até em queda, como seria normal nesse período de início de safra da cana de açúcar a inflação teria sido de 0,47%, portanto).
Como a inflação de abril de 2010 (quando o preço dos transportes não subiu) foi de 0,57%.
Logo, a inflação de 2011, sem a pressão dos combustíveis, teria sido menor que a de 2010.
Só isso já deixa evidente que não há “alta generalizada de preços”. Tivemos, como ocorre todo início de ano, altas nos setores de alimentos e bebidas, além de aumentos provocados pela elevação das tarifas de ônibus. Estes, porém, já pararam de subir significativamente. O nome da inflação brasileira, agora, é etanol.
É por isso que o Tijolaço tem mostrado aqui, aqui e aqui, que é intolerável a passividade da Agência Nacional do Petróleo diante da manipulação de estoques e preços que está acontecendo por parte das usinas, distribuidoras e até dos postos de gasolina. Mostramos com dados públicos e oficiais que o preço do álcool no atacado caiu 30% em treze dias, embora não tenha havido se não microscópicas baixas nas bombas de combustível. E se o álcool hidratado não baixa, também não baixa o preço do álcool anidro que é misturado – e encarece – à gasolina.
Ninguém esta pedindo que a ANP dê uma fiscal de “Sarney” e saia por aí fechando postos de gasolina. Mas é inadmissível que a ANP não esteja utilizando dos poderes que lhe foram conferidos pela Presidente Dilma Rousseff. Ela não pode ficar omissa diante da ausência de repasse da baixa de preço do álcool ao consumidor.
Está certo o ministro Guido Mantega em dizer que a inflação vai baixar em maio. Vai sim. E poderia baixar muito mais depressa se as determinações de Dilma Roussef fossem seguidas.
A medida provisória assinada por Dilma, que confere a ANP o papel de fiscalizadora do setor inclui o etanol no Sistema Nacional de Estoques de Combustíveis, criado por lei em 1991, na qual se proíbe a manipulação de estoques e se prevê em penas para quem o praticar.
É o interesse público que está em jogo. O cidadão tem direito de saber por quanto é comprado o combustível que lhe é vendido a preços caríssimos. E não venham com a história de que são os “impostos”.Os impostos altos ou não, também continuam os mesmos. Não mudaram.
E se a ANP não agir, então, só restará uma dúvida: Se ela é inútil ou se é cúmplice…
Leia Mais ►

Charge online - Bessinha - # 592

Leia Mais ►

“O Supremo nos deu um presente”, dizem Marcela e Daya, as duas mães de Lisa

Casal de mulheres que move o primeiro processo de registro civil de recém-nascida com duas mães fala à vídeo-reportagem de Brasil 247; "STF fez história", acreditam; leia e assista
As jornalistas Marcela Matos e Daya Lima são casadas há oito anos. A união foi consumada quando Marcela já tinha Nina, hoje com 15 anos, que ela adotara ainda bebê. Juntas, as duas mulheres resolveram ter outra filha. Decidiram, então, que Daya ficaria grávida a partir do sêmen de um doador anônimo. “Eu o chamo de ‘homem bom’”, diz ela que, depois de procurar um banco genético, deu a luz à linda Lisa, hoje com 8 meses.
As mães ainda não conseguiram, porém, registrar a menina com o sobrenome de ambas. Para conseguir o feito, movem a primeira ação civil na Justiça brasileira que exige o reconhecimento de uma recém-nascida com duas mães.
“A situação real da Lisa é esta: ela tem duas mães e um pai anônimo, desconhecido. É isso o que tem de ser reconhecido”, defende Marcela. O caso se desenrola desde o nascimento da criança, e somente poucos dias atrás foi marcada a primeira audiência em juízo, para junho. “O que deveria ser um registro de nascimento como outro qualquer, se tornou uma novela jurídica”, compara a mãe que fez o parto. Além de demandar tempo, a ‘novela’ está custando ao casal, até agora, cerca de R$ 15 mil em despesas com advogados, cartórios e emissão de documentos. “Se nossa filha não tiver o sobrenome de nós duas, eu nunca serei reconhecida como mãe da Lisa, o que vai trazer problemas na escola, em órgãos públicos e até em situações de emergência, como dar entrada em um hospital”, adianta Marcela. "Apesar de eu ser uma das responsáveis por ela na prática, tenho de ser reconhecida juridicamente como tal".
Atentas à decisão dos juízes do Supremo Tribunal Federal, que na quinta-feira 5 deram 10 votos a favor e nenhum contra ao reconhecimento dos direitos dos casais homossexuais sem qualquer tipo de discriminação, as pioneiras Marcela e Daya acreditam que sua batalha para registrar Lisa com os sobrenomes Matos e Lima vai avançar. “Vamos ver na prática como a Justiça vai se comportar”, diz Marcela, ao mesmo tempo cética e otimista. “A tendência, ao que parece, é tudo ficar mais fácil”.
À vídeo-reportagem de Brasil 247, o casal concedeu em seu apartamento, no bairro da Lapa, em São Paulo, uma entrevista ao lado das filhas Nina e Lisa. Os depoimentos foram dados enquanto o julgamento dos direitos do casamento homossexual ainda se desenrolava em Brasília, mas a vitória da causa já estava assegurada por maioria. Ao final, alívio e esperança diante do placar de 10 a zero. “O Supremo nos deu um presente”, reconheceu Marcela. “Agora temos todos os direitos de quem, como nós, paga impostos e tem plena cidadania”, completou Daya.
Confira agora a entrevista:
Marco Damiani
By: Brasil 247
Leia Mais ►

Uso da Abin na Satyagraha foi legal, diz Gilson Dipp

O julgamento do pedido de habeas corpus do banqueiro Daniel Dantas voltou a ser suspenso nesta quinta-feira pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), desta vez após um pedido de vistas da ministra Laurita Vaz. O relator do caso, Adilson Macabu, e o ministro Napoleão Nunes Maia Filho já haviam votado pela concessão do HC para anular a ação penal em 1º de março. Eles consideraram ilegal a participação da Agência Brasileira de Inteligência nas investigações da operação Satyagraha, conduzidas pela Polícia Federal. À época, o ministro Gilson Dipp pediu vistas do processo e, hoje, rejeitou o pedido feito pela defesa de Dantas.
Para Dipp, as interceptações telefônicas feitas pelos espiões da Abin são provas válidas, já que foram autorizadas pela Justiça. “Não é impossível a cessão de servidores técnicos e material da Abin para a atuação conjunta com a PF. Para tanto, devem estar submetidos ao controle do responsável pela direção do inquérito”, afirmou o magistrado. “A conclusão de que as investigações são fruto de condutas ilícitas é incompatível com a ação de habeas corpus. Seria necessária a análise profunda das provas.”
Na sequência, a ministra Laurita Vaz pediu vistas do processo. Não há previsão de quando a 5ª turma do STJ retomará o julgamento, já que não há prazo limite para a revisão do processo pelos magistrados. Dipp, por exemplo, demorou dois meses. Além de Laurita, falta votar o ministro Jorge Mussi.
By: CartaCapital
Leia Mais ►

FHC e Luciano Huck quebram o tabu...

"Quebrando o Tabu" - Um filme em busca de soluções para o fracasso da guerra às drogas.
Dirigido por Fernando Grostein Andrade
Estrelando Fernando Henrique Cardoso, Bill Clinton, Jimmy Carter, Paulo Coelho, Drauzio Varella
Produzido por: Fernando Menocci, Silvana Tinelli e Luciano Huck
Leia Mais ►

Rusia condiciona la compra de portahelicópteros “Mistral” a la entrega del sistema Zenith-9

Rusia suscribirá el contrato para compra de portahelicópteros “Mistral” a condición de que Francia entregue la licencia de producción del sistema de comunicaciones comando y control Zenith-9, informó hoy una fuente del sector de defensa ruso.
“Es obvio que los militares franceses consideran Zenith-9 como el sistema más importante del barco y se oponen a entregarlo a nosotros, aunque inicialmente se estudió la posibilidad de su entrega sin licencia”, dijo la fuente a RIA Novosti.
Interesada en adquirir tecnología moderna junto con el buque, la parte rusa insiste en la entrega del sistema con licencia para su producción, y esto será el argumento clave a favor o en contra al momento de la firma del contrato, indicó la fuente.
Homologados por la OTAN, los dos sistemas de mando, Zenith-9 y el sistema SIC-21, de comando para grupos de buques son los principales obstáculos en las negociaciones ruso-galas en torno al contrato de buques Mistral.
“El sistema SIC-21 es relativamente anticuado, y los franceses prácticamente no se oponen a su entrega. Todo ello indica lo difícil de las negociaciones”, comentó.
“Este asunto polémico provocó el reciente reemplazo de todos los negociadores de la parte rusa. Sus sucesores insistirán en la entrega del sistema Zenith-9 junto con los portahelicópteros”, añadió.
El acuerdo intergubernamental para compra de portahelicópteros “Mistral” fue suscrito por Rusia y Francia el pasado 25 de enero en la ciudad francesa de Saint Nazaire.
El plazo y el valor del contrato serán estipulados en el acuerdo pendiente entre el astillero francés DCNS y la exportadora de armas rusa Rosoboronexport. El monto estimado del contrato suma al menos 1.500 millones de euros.
El portahelicópteros de desembarco "Mistral" con un desplazamiento de 21.000 toneladas, tiene 210 metros de eslora y puede navegar a 18 nudos. Su autonomía es de 20.000 millas.
En la cubierta del buque caben seis helicópteros y cuatro lanchas de desembarco o dos aerodeslizadores. Es capaz de portar un total de 16 helicópteros, 13 carros de combate o 70 automóviles. Su tripulación consta de 160 hombres y puede transportar hasta 450 efectivos.
Leia Mais ►

Groucho Marx e os Direitos de Autor

Quando os irmãos Marx iam filmar Uma noite em Casabranca (1946), receberam a ameaça de uma ação legal por parte da Warner Brothers que, cinco anos antes, tinham filmado uma película chamada Casabranca (com Humphrey Bogart e Ingrid Bergman como protagonistas). Groucho, em seu nome e no de seus irmãos, respondeu em carta, que começa desta forma:
“Queridos Warner Brothers:
Parece que existe mais de uma forma de conquistar uma cidade e mantê-la sob seu domínio. Por exemplo, até o momento em que pensamos fazer este filme, não tinha a menor ideia de que a cidade de Casabranca pertencia exclusivamente a Warner Brothers. No entanto, poucos dias depois de anunciar nosso filme recebemos um largo e duro documento legal em que se nos impunha não utilizar o nome de Casabranca.
Parece que em 1471, Ferdinand Balboa Warner, seu tataravô, ao buscar um atalho para a cidade de Burbank, tropeçou com as costas da África e, levantando seu bastão (que mais tarde mudou por uma centena de ações na Bolsa), a chamou Casabranca.
Sinceramente não entendo sua atitude. Mesmo quando pensassem na reposição do seu filme, estou seguro que o espectador médio do cinema aprenderia oportunamente a distinguir entre Ingrid Bergman e Harpo. Não sei se eu poderia, mas claro que eu gostaria de tentá-lo.
Vocês reivindicam seu Casabranca e pretendem que ninguém mais possa utilizar esse nome sem sua autorização. E o que me dizem de “Warner Brothers”? É de sua propriedade também? Provavelmente vocês têm o direito de usar o nome de Warner, mas e o do Brothers? Profissionalmente nós éramos “brothers” muito antes que vocês.”
E citam outros usos do nome, anteriores todos aos da Warner, como Os irmãos Karamazov, entre outros.
Leia Mais ►

Clarissa Garotinho leva deputada estadual do RJ à loucura

Leia Mais ►

Casais gays já podem mijar de porta aberta e deixar toalha molhada em cima da cama


A decisão do STF que reconheceu a união estável entre casais do mesmo sexo como entidade familiar conferiu a todos os brasileiros o direito de ser feliz e também de ter direito à rotina estressante de um casamento.

O precedente criado pelo STF permite agora que casais do mesmo sexo possam também usar o banheiro de porta aberta, deixar o assento do vaso sanitário levantado, largar a toalha molhada em cima da cama e deixar o sabonete repleto de pelos pubianos.

A decisão está sendo comemorada por homossexuais e simpatizantes em todo Brasil, mas alguns casais mal tiveram tempo de celebrar pois já estão militando em favor da aprovação do divórcio gay.

Leia Mais ►

Câmara aprova plebiscito sobre criação de dois Estados

BRASÍLIA - A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira, 5, em votação simbólica, a realização de plebiscito para a criação dos Estados de Carajás e Tapajós. Pela proposta, os dois novos Estados serão desmembrados do Pará, caso a população vote a favor da criação.
O decreto legislativo para o plebiscito sobre Carajás já vai ser promulgado. O plebiscito para Tapajós ainda precisa ser novamente apreciado pelos senadores, porque houve uma pequena alteração no texto. Pela proposta, o plebiscito será realizado daqui a seis meses.
"A ideia é esperar a aprovação do plebiscito sobre Tapajós e fazer os dois juntos", afirmou o líder do PDT, deputado Giovani Queiróz (PA). Segundo ele, o Orçamento Geral da União deste ano prevê R$ 8,6 milhões de recursos para a realização do plebiscito, que será feito pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).
By: Estadão
Leia Mais ►

E aí, Jobim, vai responder a Bolsonaro?

À medida em que vai se tornando iminente a votação do projeto que institui a Comissão da Verdade, as reações da direita feroz vão se tornar mais agudas, porque sabem que será exposto à nação o conjunto de monstruosidades que se praticou nos porões da ditadura. Por isso, não é de surpreender que o Deputado Jair Bolsonaro, que escapou há pouco – infelizmente – de ser punido pelo flagrante crime de racismo que cometeu contra a apresentadora Preta Gil – “mandou bala” em cima do Ministro Nélson Jobim, que nem é alguém de minha simpatia. Venal, crápula e outras coisinhas mais são os adjetivos que Bolsonaro usou contra Jobim, talvez porque este, finalmente, tenha se vergado à decisão do Governo de instalar a comissão.
Bolsonaro contou uma história, atribuindo-a ao índio Marcos Terena, de que ele teria conhecido o presidente durante uma viagem para “buscar dinheiro para o PT” e que, nela, teria sido levado à presença de Khaddafi. Acho meio sem pé nem cabeça, mas que respondam, se de fato Terena disse isso.
Mas chamo a atenção aos termos em que Bolsonaro se dirige a Nélson Jobim. Eu, que o critiquei e critico muitas vezes, sobretudo por sua resistência ao voto impresso como forma de auditar o eletrônico, jamais me referia a ele em termos nem sequer próximos ao que Bolsonaro faz, como você pode ver no video acima e ler, transcrito, abaixo:
“Ministro Jobim, eu não sei com que interesse V.Exa. está apoiando essa Comissão. Se tem um interesse escuso, com toda certeza só pode ser isso. Se és venal, se és um inocente ou se és um crápula. Se encaixe no adjetivo que bem entender. Esse tua Comissão, que V.Exa. apoia, apurará isso daqui, que eu quero que a Comissão também apure a grana recebida por Fidel Castro para financiar luta armada no Brasil. Porque uma Comissão para apurar só o que interessa para vocês, para depois colocar essas mentiras, essas patifarias nos currículos escolares, aí não vale. Então, Ministro Jobim, vê se toma vergonha na cara, Ministro, e fala a verdade sobre quais são seus interesses por debaixo do pano sobre essa Comissão.”
E aí, Senhor Ministro, o senhor vai responder a isso?
Leia Mais ►

Veja os direitos que os homossexuais ganham com a decisão do STF

Com a equiparação de direitos e deveres de casais heterossexuais e homossexuais, aprovada nesta quinta-feira pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a rotina dos casais gays deve passar por alterações, principalmente para incorporar novos direitos civis.
A decisão do STF faz com que a união homoafetiva seja reconhecida como uma entidade familiar e, portanto, regida pelas mesmas regras que se aplicam à união estável dos casais heterossexuais, conforme previsão do Código Civil.(veja a seguir)

O que muda com a decisão do STF hoje
Comunhão parcial de bens
Conforme o Código Civil, os parceiros em união homoafetiva, assim como aqueles de união estável, declaram-se em regime de comunhão parcial de bens
Pensão alimentícia
Assim como nos casos previstos para união estável no Código Civil, os companheiros ganham direito a pedir pensão em caso de separação judicial
Pensões do INSS
Hoje, o INSS já concede pensão por morte para os companheiros de pessoas falecidas, mas a atitude ganha maior respaldo jurídico com a decisão
 Planos de saúde
 As empresas de saúde em geral já aceitam parceiros como dependentes ou em planos familiares, mas agora, se houver negação, a Justiça pode ter posição mais rápida
 Políticas públicas
 Os casais homossexuais tendem a ter mais relevância como alvo de políticas públicas e comerciais, embora iniciativas nesse sentido já existam de maneira esparsa
 Imposto de Renda
 Por entendimento da Receita Federal, os gays já podem decalrar seus companheiros como dependentes, mas a decisão ganha maior respaldo Jurídico
 Sucessão
 Para fins sucessórios, os parceiros ganham os direitos de parceiros heterossexuais em união estável, mas podem incrementar previsões por contrato civil
Licença-gala
Alguns órgãos públicos já concediam licença de até 9 dias após a união de parceiros, mas a ação deve ser estendida para outros e até para algumas empresas privadas
 Adoção
 A lei atual não impede os homossexuais de adotarem, mas dá preferência a casais, logo, com o entendimento, a adoção para os casais homossexuais deve ser facilitada


Um direito que não foi estendido aos casais gays pela corte é o do casamento. “ O casamento exige registro civil e, ás vezes envolve uma aprovação religiosa, se assim decide o casal. Há toda uma formalidade que não existe na união estável”, explica a advogada especialista em direito homoafetivo, Sylvia Maria Mendonça do Amaral.
Antes do julgamento do STF, os homossexuais já podiam registrar sua união em cartório num contrato que estabelece divisão de bens e constata a validade da união. “É uma situação que já existe, só falta mesmo regulamentar” afirma a advogada cível Daniella de Almeida e Silva sobre a união homoafetiva.
A presidente da Comissão de Diversidade Sexual da Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo (OAB-SP), Adriana Galvão, lembra que até que se edite uma lei que regulamente a união de pessoas do mesmo sexo, os parceiros sempre terão de recorrer à Justiça para fazer valer os seus direitos. "Com a decisão de hoje, porém, os julgamentos tendem a ser mais rápidos e favoráveis aos casais."
A relação homoafetiva era considerada antes apenas um regime de sociedade no Código Civil. Pela interpretação anterior, o casal homossexual era tratado como tendo uma relação de sociedade, ou seja, se há uma separação, os direitos são equivalentes aos existentes em uma quebra da sociedade.
Por outro lado, a união estável, prevista na Constituição Federal (art. 226, parágrafo terceiro) e no Código Civil (art.1723), é tratada como uma entidade familiar e, por isso, regida pelo direito da família. É essa nova interpretação que se estende aos casais gays pela decisão do STF de hoje.
Relação pública, duradoura e contínua
Agora, para ser considerada uma união estável, assim como para os casais heterossexuais, serão necessários alguns requisitos. Não há um prazo mínimo de convivência, mas a relação precisa ser uma convivência pública, duradoura, contínua, ter a característica de lealdade e com a intenção de se constituir família, segundo o próprio Código Civil.
Com a decisão do STF, estende-se à união homoafetiva 112 direitos que até então eram exclusivos dos casais heterossexuais que vivem juntos, segundo a vice-presidente do Instituto Brasileiro de Direito da Família, Maria Berenice Dias, maior expoente de defesa aos direitos homoafetivos no Brasil.
Muitos desses 112 direitos, porém, já vinham sendo garantidos por outros tribunais em casos isolados e até mesmo por órgãos do governo. Desde o ano passado, por exemplo, a Previdência Social passou a conceder ao parceiro gay a pensão por morte e permitir a declaração conjunta do imposto de renda. Assim como a Receita Federal, neste ano, passou a aceitar declarações conjuntas de gays.
No entanto, algumas instituições ainda negam o reconhecimento da relação homossexual como entidade familiar. No ano passado, um clube de São Paulo recusou como sócio o companheiro de um gay.
Mas alguns órgãos da administração pública já permitie que o parceiro de um funcionário homossexual contasse com benefícios de dependente. Esse é o caso do Governo do Estado do Rio de Janeiro, que propôs uma das ações julgadas hoje pelo STF. Há uma lei estadual para garantir benefícios previdenciários aos parceiros de servidores públicos homossexuais, mas o Estado tinha dificuldades para aplica-lá. Atualmente, o Senado tem em debate a concessão de licença-gala a gays.
Leia Mais ►

CNE aprova diretrizes que flexibilizam ensino médio

Cada sistema de ensino ou escola poderá montar disciplinas conforme o interesse da escola, com ênfases variadas
O Conselho Nacional de Educação (CNE) aprovou nesta quarta novas diretrizes para o ensino médio. A resolução vai dar liberdade a escolas e sistemas de ensino para que montem a grade curricular mais interessante aos alunos com ênfase em trabalho, ciência e tecnologia e cultura. Emendas serão feitas ao texto original, mas segundo a assessoria do órgão elas apenas esclarecem pontos e não alteram o conteúdo.
A expectativa é que as novas diretrizes criem diversidade de projetos que atraiam os jovens em instituições públicas e privadas. Uma escola pode ter um projeto político pedagógico que enfatiza música, outra física, outra comunicação e o que mais a equipe achar que a comunidade precisa. “Cada escola ou sistema está liberado para dar mais tempo a uma ou outra área sem se prender a cargas horárias. Tem que ensinar matemática, português e outros conteúdos sim, mas pode ser dentro de um projeto sobre o que for melhor para a comunidade, pode ser uma hora ou 200 horas”, explicou o relator da proposta, José Fernandes de Lima. O texto segue agora para homologação do ministro da Educação, Fernando Haddad e deve ser publicado em algumas semanas.
A flexibilização é uma proposta do conselho debatida há 8 meses e que sugere aprendizado por projetos e uma divisão menos rigorosa de disciplinas. Os Estados – responsáveis por 90% das matrículas nesta etapa – já haviam aprovado o projeto apresentado em janeiro. Em São Paulo, o secretário-adjunto, João Cardoso Palma, disse que é “muito favorável” ao agrupamento de disciplinas.
O ensino médio tem os piores indicadores de aprendizado e conclusão da educação brasileira: apenas metade dos matriculados conclui os estudos e 10% aprende o que seria o mínimo adequado segundo as expectativas vigentes.
Aprovadas as diretrizes, novas expectativas de aprendizagem devem ser produzidas menos baseadas em conteúdos muito específicos. Será promovido um debate em todos os Estados para formular quais devem ser as bases mínimas esperadas.
Mais tempo
Um dia antes, a Comissão de Educação do Senado aprovou o projeto de lei aumenta em 20% o tempo de aula anual em todas as etapas, inclusive no ensino médio. As novas diretrizes apoiam esta ampliação e sugerem que parte das horas a mais seja de aulas fora da sala de aula.
Ensino técnico
Na semana passada, um programa de ampliação de vagas em escolas técnicas por meio de financiamento e bolsas, o Pronatec, foi lançado pelo ministro e a presidenta Dilma Rousseff. Apesar de reconhecer a importância do preparo para o mercado de trabalho, educadores questionaram que essa não era a solução para a etapa, que precisava de um currículo mais variado.
Cinthia Rodrigues
By: iG
Leia Mais ►