26 de abr de 2017

A entrevista incisiva de Lula para Kennedy Alencar


O jornalista Kennedy Alencar entrevistou nesta quarta-feira (26) o ex-presidente Lula. Diversos temas foram abordados, como a Operação Lava Jato, uma possível candidatura à Presidência da República em 2018, o juiz Sérgio Moro, as reformas da Previdência e trabalhista, o triplex em Guarujá, o sítio em Atibaia, e o atual cenário político e econômico.





Leia Mais ►

Wanderley Guilherme dos Santos e o Golpe de 2016


Leia Mais ►

Lula ironiza Moro e diz: se for necessário eu me mudo para Curitiba




Em entrevista ao SBT que será exibida nesta noite, ex-presidente afirma que o juiz Sergio Moro não pode cercear seu direito de defesa, e chama de 'barganha' a sugestão do magistrado para que a defesa do ex-presidente diminua o número de 87 testemunhas num processo contra ele, em troca da reavaliação de sua decisão para que Lula compareça em todas as audiências; "Eu acho que o juiz Moro teria que, democraticamente, respeitando o estado de direito, garantir que os advogados convoquem a testemunha que quiser", disse Lula; "Se o juiz Moro fez essa proposta de barganha para diminuir as testemunhas, para mim não tem problema. Se for necessário eu mudo para Curitiba, fico lá o tempo necessário, para gente esperar o julgamento", completou; Lula disse ainda ao jornalista Kennedy Alencar que, nas condições que o país está hoje, ele será candidato; a não ser que deem um "segundo golpe e digam que não vai ter eleição em 2018"
Leia Mais ►

Como a Globo, ajudada por Moro, está venezuelizando o Brasil

Os irmãos Marinhos: uma famiglia antidemocracia
A Globo, Aécio e Moro venezuelizaram o Brasil.

Veja o que acontece na Venezuela há anos e você terá uma ideia da tragédia que isso representa.

São brasileiros odiando brasileiros, amigos rompendo com amigos, irmãos se afastando de irmãos. Tudo isso e mais sangue correndo e a economia sofrendo as consequências dos enfrentamentos políticos que paralisam o país.

E tudo isso por um motivo vil: a derrota nas urnas.

Globo, Aécio e Moro conflagraram o Brasil porque perderam. A plutocracia jamais surpreende: também em 1954 e 1964 a motivação foram surras em eleições presidenciais. E o pretexto o mesmo: “corrupção”.

A direita brasileira mostrou ser ainda pior que a venezuelana. Ao contrário de Chávez, Lula jamais foi agressivo com a elite.

Buscou sempre conciliar. Tão logo eleito, assinou uma Carta aos Brasileiros na qual se comprometia, na economia, a não se desviar do caminho de FHC.

Jamais deixou de despejar centenas de milhões de reais nas empresas jornalísticas em propaganda federal – um dinheiro público que elas utilizaram para montar um exército de editores e comentaristas dedicados a destruir o próprio Lula e, depois, Dilma.

Em sua busca de paz, Lula foi ao enterro do homem que foi um dos símbolos supremos da ditadura, Roberto Marinho. Alguns anos antes, Roberto Marinho roubara uma eleição de Lula ao fraudar no Jornal Nacional o resumo do debate final entre Lula e Collor. (Recentemente, Boni, então o executivo mais forte da Globo, contou candidamente como a emissora deu assessoria para Collor antes do debate.)

A conciliação de Lula foi vital para que a Globo jamais pagasse por seus crimes na ditadura. E isso deu à empresa condições de fazer o que está fazendo agora: orquestrar um golpe, ao lado de aliados como Moro e Aécio.

Alguém disse que a plutocracia foi ingrata com Lula. Mas, menos que ingratidão, é uma questão de ganância associada a uma completa ausência de escrúpulos morais.

A plutocracia quer tudo, não importam os meios. A Globo, por exemplo, quer livre acesso ao dinheiro público, pois teme não sobreviver sem estas muletas.

Deseja, também, uma Justiça encabrestada, para que possa cometer suas delinquências impunemente, tanto editoriais quanto fiscais.

A Globo deseja fazer as costumeiras barbaridades editoriais sem que juiz nenhum lhe crie problemas como direito de resposta ou multas significativas.

Também quer sonegar sem consequências, como há tanto tempo vem fazendo.

Moro representa a Justiça com que a Globo sonha: unilateral, parcial, feita apenas para proteger os interesses de uma pequena fração de brasileiros abençoados desde sempre com mamatas e privilégios abjetos.

Para alcançar seus desígnios, a Globo e seus aliados estratégicos não hesitaram em fazer do Brasil uma Venezuela gigante.

É terrível.

Mas mais terrível ainda será se, como em 1954 e 1964, a Globo e tudo que ela representa triunfarem.

Os defensores da democracia terão que mostrar doses colossais de coragem e energia para que, no final do embate que já está aí, o Brasil esteja enfim livre da Globo, de juízes como Moro e de políticos como Aécio.

Paulo Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

Greve Geral : De Volta Para o Futuro




Leia Mais ►

Como ajudar a greve geral de 28 de abril


Excetuando casos de urgência:

● não vá a farmácias

● não vá a nenhum mercado

● não marque consultas para essa data

● não vá a padarias

● não vá a restaurantes de qualquer espécie

● não compre nenhum móvel, eletrodomésticos, eletrônicos

● não vá a nenhum shopping mesmo que seja só para a praça de alimentação

● não vá a lotéricas

● não vá a bancos

● não pague nenhuma conta

● não abasteça seu carro justo nesse dia

● não vá a academias

● não vá a escola/faculdade ou cursos de qualquer espécie

● não vá a açougues

Essas coisas devem ser evitadas mesmo que você não vá trabalhar.

Contribua para o sucesso da greve geral, pois é sua aposentadoria e suas garantias trabalhistas que serão cortadas se a reforma da Previdência e da CLT forem aprovadas.

É hora de mostrarmos quem manda nesse país.

Repasse para o maior número de pessoas, poste nas redes sociais. É hora da mobilização.


Leia Mais ►

Pilotos e comissários aprovam “estado de greve” nos aeroportos contra reforma trabalhista

Pilotos, co-pilotos e comissários de voo definiram em assembleias realizadas nesta segunda-feira (24) em São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro, Brasília e Porto Alegre entrar em “estado de greve” nos aeroportos contra a Reforma Trabalhista que tramita no Congresso Nacional.


Em comunicado, o  Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA)  destaca que o “estado de greve”   é um alerta aos governantes e parlamentares, em respeito a toda a sociedade, de que a qualquer momento a categoria poderá deflagrar uma greve geral.

O SNA ressalta que a Proposta de Reforma Trabalhista traz enormes riscos à profissão de pilotos e comissários, impactando inclusive na segurança de voo, e pede aos congressistas que apreciem com atenção as propostas de emendas colocadas pela categoria.

Entre os principais pontos está a possibilidade de contratos que permitam trabalho intermitente, ou seja, em que a empresa poderia chamar o contratado para trabalhos esporádicos e pagar apenas por trabalho realizado.

Segundo nota do SNA, isso abriria a possibilidade de tripulantes ficarem sem trabalho ― e sem salário ― na baixa temporada. “A situação se agrava pela necessidade que estes profissionais têm de manter sua proficiência técnica, o que só é possível com trabalho regular. Ficando longos períodos parado, a segurança das operações aéreas seria afetada”, explica.

Outros itens extremamente prejudiciais na Proposta de Reforma Trabalhista são a possibilidade de demissão por justa causa em caso de perda de habilitação ou reprovação em exame médico, o fim da validade das Convenções Coletivas após sua vigência e a possibilidade de demissões em massa sem negociação com os representantes sindicais.

O SNA frisa que essas são apenas algumas das mudanças danosas aos trabalhadores, já que o texto substitutivo da reforma, apresentado às pressas e sem a devida discussão sobre impactos, altera 117 artigos da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

Emendas dos aeronautas

Nesta terça-feira 25, começa a fase final dos debates das reformas trabalhista e previdenciária nas comissões especiais criadas para analisar o mérito das duas propostas.

Em comunicado, o SNA ressalta que vem atuando intensamente nos últimos dias para conscientizar deputados, inclusive o relator do projeto, sobre as necessidades específicas dos pilotos e comissários.

“As emendas propostas pelos aeronautas não mitigam totalmente os riscos de precarização da profissão trazidos pelo texto substitutivo da reforma, que ameaçam não só estes profissionais como a sociedade como um todo, já que mexem com o ativo mais importante da aviação: a segurança de voo”, finaliza nota do SNA.

No Luíz Müller Blog
Leia Mais ►

Informativo Paralelo # Greve Geral


Leia Mais ►

Cantanhêde deve explicações a seu público pela citação da empresa do marido na Lava Jato

Eliane e Gilson Rampazzo, da DW (à dir.), em lançamento de livro
Eliane Cantanhêde, colunista da GloboNews e do Estadão, deve explicações a seu público.

A empresa do marido Gilnei Rampazzo, a GW Comunicação, é citada na Lava Jato pelo delator Benedicto Júnior, o BJ, o mesmo que falou do esquema de Aécio na Cidade Administrativa de Minas Gerais.

Benedicto entregou aos investigadores uma planilha na qual listou as obras no Estado de São Paulo em que houve propina.

Uma delas é a Linha 2 do Metrô, de onde saiu um pagamento para a GW, segundo o executivo.

A Polícia Federal transcreveu uma troca de e-mails entre BJ, Marcelo Odebrecht e Fabio Gandolfo, então diretor da empreiteira em São Paulo.

Ali se acerta o pagamento de R$ 2 milhões relacionados à obra da linha 2. “Segue programação L2 para o fim do mês – comunicação=GW – careca=amigo PN – I=R$ 2.000.000,00”.

Em 2004, Luiz Gonzalez, sócio de Rampazzo, foi o marqueteiro da campanha de Serra à Prefeitura de São Paulo.

Renato Rovai, da Revista Fórum, escreveu o seguinte: “A GW fez praticamente todas as campanhas para governo do Estado, Prefeitura e mesmo para presidência da República. Depois, com outra empresa, a Lua Branca, seus sócios operavam a conta publicitária desses governos. Isso por si só já era de certa forma um escândalo, mas ninguém falava nada.”

Em 2013, Gilnei fez uma retirada de R$ 2.140.444,00 (dois milhões, cento e quarenta mil e quatrocentos e quarenta e quatro reais), registrada no Diário Oficial.

Trata-se de redução de capital da empresa. Legal? Sim, mas pouco ortodoxo. Reduz-se, desta maneira, as responsabilidades societárias e jurídicas.

Na prestação de contas da campanha de Aécio em 2014 há uma emissão de passagem aérea para Gilnei, que você pode ver abaixo.


Eliane, obviamente, não responde pelos eventuais malfeitos do marido. Desnecessário reforçar que tudo deve ser apurado.

Mas ela fica numa situação, no mínimo, complicada. Boa parte das contas do casal foi paga pela Odebrecht? Como uma jornalista experiente e tão implacável com a ética e a moral, sobretudo e quase que exclusivamente as dos governos petistas, não percebeu?

O Estadão omitiu o nome de Gilnei na reportagem sobre o caso. Faz sentido? É justo?

(O Brasil é o paraíso da normalidade das relações promíscuas de jornalistas com os tucanos. Merval Pereira e FCH, mais Serra seus colegas graduados — como fica agora? Ninguém notou nada? O enriquecimento desse pessoal não chamou a atenção?)

Numa entrevista ao Correio do Estado, Eliane lembrou que “a função da imprensa é vasculhar e mostrar os podres. Seria muito mais fácil ficar amiguinha, deixar pra lá e não incomodar, mas não virei jornalista pra isso e não é assim que se constrói um país e um futuro melhor”. 

Tem que começar em casa, como dizia o Marquês de Paranaguá.

Kiko Nogueira
No DCM
Leia Mais ►

Rico que gritava “vai para Cuba” foi para Portugal – coxinha otário ficou no Brasil

Burguês endinheirado se protege da crise no Brasil indo morar em país de governo socialista. E você coxinha, ainda achando que prender o Lula é a solução para o Brasil?


Duas notícias, neste mês de abril, complementares com uma distância de três semanas, mostram como pensam as classes dominantes neste país: “farinha pouca, meu pirão primeiro”.

No início de abril, a BBC-Brasil, repercutindo a The Economist, trazia uma notícia que ia contra a corrente do que se prega no Brasil para sairmos da crise.


Portugal 1

“Segundo reportagem desta semana da revista britânica The Economist, Portugal conseguiu reduzir seu deficit orçamentário à metade em 2016, chegando a 2,1% do Produto Interno Bruto (PIB). Trata-se do melhor resultado registrado desde a transição para a democracia, em 1974.

O governo português do primeiro-ministro António Costa, do Partido Socialista, no poder desde novembro de 2015, conseguiu reduzir o deficit fiscal ao mesmo tempo em que aumentou os salários e aposentadorias.

Sob o comando de Costa, o país também atingiu pela primeira vez a meta estabelecida para as nações da chamada zona do euro e conseguiu reestabelecer salários, aposentadorias e horas trabalhadas aos níveis anteriores à crise econômica de 2008. Além disso, a economia portuguesa cresce há três anos seguidos”.

Você pode concordar ou discordar de Lula e de Lorde Keynes. Mas a notícia é essa.

Agora, em 23 de abril de 2017, a Folha de São Paulo traz uma matéria que mostra como reagiram as classes dominantes brasileiras em relação a isso.


Portugal4

“Hoje, 85 mil brasileiros são residentes regulares em Portugal, com visto de trabalho e estudo. 

Para ter direito ao visto especial, o “golden visa” (Autorização de Residência para Atividade de Investimento), é preciso investir € 1 milhão (R$ 3,4 milhões) ou adquirir imóvel que custe pelo menos € 350 mil (em áreas de reabilitação urbana) ou € 500 mil nas demais zonas. Após cinco anos de residência, o beneficiário pode solicitar cidadania portuguesa”.

Não é para qualquer um.

Mas veja só que já está por lá, o dono da Empiricus, um nome bastante conhecido dos coxinhas que vestiram camisa amarela e bateram panelas.

“Recomendamos fortemente o investimento em imóveis em Portugal. Você paga barato, está na Europa, forma um patrimônio em euros e o retorno varia de 5% até 15%”, avalia Renato Breia, sócio da Empiricus, consultoria financeira que abriu filial em Lisboa”.

Portugal 2

“O economista de 32 anos se mudou há um ano e meio para lá e seguiu o conselho dado aos clientes, ao comprar por € 270 mil um apartamento de 90 m²”.

Perto de um milhão de reais por um apartamento de 90m². Mas vale a pena.

“O jovem e as duas famílias fazem parte de uma leva de brasileiros de classe média alta e ricos que, nos últimos três anos, encontraram além-mar um Eldorado para fugir da insegurança, do desencanto com a política e da crise econômica no Brasil”.

Para saber o que leva os brasileiros ricos para Portugal, deve se ouvir a cônsul-geral-adjunta do Brasil em Lisboa:

“Aqui, desfrutam do seu nível de vida, as crianças andam sozinhas em segurança, contam com boas escolas internacionais, além de saúde e educação públicas de qualidade.”

Saúde e educação públicas de qualidade. Parece escárnio, quando lembrarmos das críticas que esse pessoal fez aos governos Lula e Dilma e o que apontam como erros – os gastos sociais.

Errado, não parece escárnio – é escarnio. Vejamos o que diz uma dessas pessoas, dono de uma produtora de vídeo que passa 40 dias em Portugal e 20 em Brasília, onde fica a sede da produtora: “ganho dinheiro no Brasil e vivo em Portugal”.

Esse é o melhor dos dois mundos para a plutocracia brasileira, ganhar dinheiro em país comandado pelo PSDB e morar em um país que governa como o PT.

Um recado para quem ainda acredita na Lava Jato como solução do país?

“A mulher mais rica de Portugal é uma brasileira, Regina Camargo, 66, herdeira da Camargo Corrêa. Com fortuna estimada em US$ 1,9 bilhão, ela e o marido, Carlos Pires, dono da rede Raia-Drogasil, escolheram viver em um prédio restaurado no Chiado, zona mais nobre do centro histórico de Lisboa”.

Camargo Correiapara quem ainda não ligou o nome à pessoa.

Não estão sós: “expoentes das novas gerações, como Ana Maria Diniz, filha mais velha de Abilio Diniz (atual BRF e ex-Pão de Açúcar), e o marido, Luiz Felipe D’Ávila, estão reformando um imóvel também no Chiado, onde o metro quadrado pode chegar a € 10 mil”.

Comentou-se muito por aqui quando Joaquim Barbosa usou suas economias para comprar um apartamento em Miami com alguma controvérsia quanto ao registro de imóveis e aos impostos decorrentes, mas o padrão português atual não é nem mesmo para ministro do Supremo. Um ministro do STF ganha algo perto de R$ 40 mil. É um bom salário, mas não o suficiente para bancar uma ponte aérea Brasília-Lisboa, algo em torno de R$ 13 mil. Porém:

“Gilmar Mendes, ministro do STF, optou por Príncipe Real, outra zona nobre, onde comprou apartamento no ano passado. Com voo direto de Brasília para Lisboa, costuma passar feriados e planeja usufruir ainda mais do imóvel quando se aposentar”.

Portugal 4

Obviamente, o cidadão brasileiro Gilmar Mendes tem outras fontes de renda além do salário de ministro do STF. Trata-se de um empresário de sucesso na área da educação.

Mas, e você coxinha de classe média baixa, que ficou sabendo que não vai poder se aposentar e que será terceirizado, perderá o convênio médico bancado pela empresa e passará a emitir nota fiscal para o patrão no lugar de receber holerith, ainda tem raiva do Lula?

Viu no que dá cair do conto do pato amarelo e ir fazer acampamento em frente da FIESP achando que poderia chamar patrão de companheiro de lutas? Você perdeu o lugar e teu patrão foi para Portugal.

Lembra-se de quando você invadia Miami para fazer compras achando que estava no primeiro mundo? Bons tempos. Não tem jeito, coxinha, reconheça, você foi feito de otário. Encha seu peito de ar e grite conosco: Fora, Temer – Volta, querida.

Ou, ao seu estilo: “vai tomar no cu”.

Sergio Saraiva
No Oficina de Concertos Gerais e Poesia
Leia Mais ►